Otimização de Sites com SEO - TCC IF Goiano - Campus Morrinhos

5,390 views

Published on

Trabalho de conclusão do curso Sistemas para Internet, pelo Instituto Federal Goiano - Campus Morrinhos. SEO - Técnicas para Aumentar a Visibilidade e Melhorar o Posicionamento de Sites nos Resultados Orgânicos das Pesquisas nos Mecanismos de Busca

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Otimização de Sites com SEO - TCC IF Goiano - Campus Morrinhos

  1. 1. I NSTITUTO F EDERAL G OIANO C AMPUS M ORRINHOS C ARLOS H ENRIQUE P IRES DE S OUZA Otimização de Sites com SEO (Search Engine Optimization) Técnicas para Aumentar a Visibilidade e Melhorar o Posicionamento de Sites nos Resultados Orgânicos das Pesquisas nos Mecanismos de Busca Morrinhos 2013
  2. 2. I NSTITUTO F EDERAL G OIANO C AMPUS M ORRINHOS AUTORIZAÇÃO PARA P UBLICAÇÃO DE T RABALHO DE C URSO EM F ORMATO E LETRÔNICO Na qualidade de titular dos direitos de autor, AUTORIZO o Campus Morrinhos do Instituto Federal Goiano – IF Goiano a reproduzir, inclusive em outro formato ou mídia e através de armazenamento permanente ou temporário, bem como a publicar na rede mundial de computadores (Internet) e na biblioteca virtual da IF Goiano, entendendo-se os termos “reproduzir” e “publicar” conforme definições dos incisos VI e I, respectivamente, do artigo 5o da Lei no 9610/98 de 10/02/1998, a obra abaixo especificada, sem que me seja devido pagamento a título de direitos autorais, desde que a reprodução e/ou publicação tenham a finalidade exclusiva de uso por quem a consulta, e a título de divulgação da produção acadêmica gerada pelo Instituto, a partir desta data. Título: Otimização de Sites com SEO (Search Engine Optimization) – Técnicas para Aumentar a Visibilidade e Melhorar o Posicionamento de Sites nos Resultados Orgânicos das Pesquisas nos Mecanismos de Busca Autor(a): Carlos Henrique Pires de Souza Morrinhos, 16 de Dezembro de 2013. Carlos Henrique Pires de Souza – Autor Esp. Norton Coelho Guimarães – Orientador
  3. 3. C ARLOS H ENRIQUE P IRES DE S OUZA Otimização de Sites com SEO (Search Engine Optimization) Técnicas para Aumentar a Visibilidade e Melhorar o Posicionamento de Sites nos Resultados Orgânicos das Pesquisas nos Mecanismos de Busca Trabalho de Conclusão apresentado à Coordenação do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet do Campus Morrinhos do Instituto Federal Goiano, como requisito parcial para obtenção do título de Tecnólogo em Tecnologia em Sistemas para Internet. Área de concentração: Internet. Orientador: Prof. Esp. Norton Coelho Guimarães Morrinhos 2013
  4. 4. C ARLOS H ENRIQUE P IRES DE S OUZA Otimização de Sites com SEO (Search Engine Optimization) Técnicas para Aumentar a Visibilidade e Melhorar o Posicionamento de Sites nos Resultados Orgânicos das Pesquisas nos Mecanismos de Busca Trabalho de Conclusão apresentado à Coordenação do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet do Campus Morrinhos do Instituto Federal Goiano como requisito parcial para obtenção do título de Tecnólogo em Tecnologia em Sistemas para Internet, aprovado em 16 de Dezembro de 2013, pela Banca Examinadora constituída pelos professores: Prof. Esp. Norton Coelho Guimarães Campus Morrinhos – IF Goiano Presidente da Banca Profa. Msc. Ana Maria Martins Carvalho IF Goiano - Campus Morrinhos Profa. Esp. Mirian Rodrigues Silva Vasconcelos IF Goiano - Campus Morrinhos
  5. 5. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do trabalho sem autorização do Instituto, do autor e do orientador(a). Carlos Henrique Pires de Souza Atualmente é funcionário efetivo do Banco do Brasil, mas atua como Webdesigner Freelancer desde 1999, possui experiência e conhecimento em técnicas e linguagens voltadas ao front-end, como CSS3, HTML5, Tableless, Design Responsivo, Design de Interfaces, Desenvolvimento para Mobile e Windows Phone, WordPress, SEO - Search Engine Optimizations, Web Analytics e gestão de links patrocinados. Atual conselheiro da célula Microsoft sediada no IF Goiano - Campus Morrinhos, Guará.NET. Coordenou cursos de formação profissional em Webdesigner pela Microlins; atuou como instrutor em cursos de informática pelo SENAC e desde 2010, participa das edições da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia como palestrante e/ou ministrando minicursos no IF Goiano - Campus Morrinhos.
  6. 6. Dedico este trabalho ao meu pai, Gratulino José de Souza (in memorian). Dedico à minha mãe, Deta, minha irmã, Lina e meu irmão, Teo. Dedico a “vozinho”, Bernardino e “vozinha”, Socorro. Dedico minha amada esposa, Lívia, meus amados filhos, “Biel” e “Miguelito”, e meu sobrinho, Arthur.
  7. 7. Agradecimentos Agradeço a Deus por ter dado a mim, força e perseverança. À “mainha” que sempre me fortaleceu com seu carinho e suas palavras de incentivo. Aos meus ternos e maravilhosos filhos que, em meus momentos de desânimo e fraqueza, conseguiram através de seus sorrisos, energia e carinho, dar-me ainda mais sentido nesta caminhada. À minha linda e paciente esposa que suportou todas as minhas ausências e sempre esteve ao meu lado. Ao meu orientador, Norton C. Guimarães, por aceitar o tema por mim sugerido e por estar constantemente presente durante a elaboração do trabalho. Aos demais professores pelo conhecimento passado nessa jornada. Aos colegas de turma que, por muitas vezes, fizeram-me sorrir mesmo em momentos difíceis. À Nara Borges que, gentilmente, autorizou o uso do seu blog, Segredos Fashion, como objeto de estudo deste trabalho.
  8. 8. Tente uma, duas, três vezes e se possível tente a quarta, a quinta e quantas vezes for necessário. Só não desista nas primeiras tentativas, a persistência é amiga da conquista. Se você quer chegar a onde a maioria não chega, faça o que a maioria não faz. Bill Gates, um dos fundadores da Microsoft Corporation.
  9. 9. Resumo de Souza, Carlos Henrique Pires. Otimização de Sites com SEO (Search Engine Optimization). Morrinhos, 2013. 62p. Trabalho de Conclusão. Campus Morrinhos, Instituto Federal Goiano. Os mecanismos de busca na Internet sempre tiveram um papel muito importante para os usuários, tornando-se praticamente indispensável para quem deseja encontrar algum tipo de informação, pessoa, produto ou serviço. Logo, para quem deseja ser encontrado por estes usuários, qualquer site na web, essencialmente, deve está entre os primeiros nos resultados das buscas. Com isso, o conjunto de estratégias que visa otimizar um site para aparecer entre os primeiros resultados nas pesquisas, chama-se SEO - Search Engine Opitimization, ou, Otimização para Mecanismos de Busca. Embora exista uma boa literatura sobre a temática, as técnicas de SEO não são uma ciência exata pelo fato de ninguém, além dos desenvolvedores, conhecer os algoritmos dos principais buscadores mundiais. Por isso, quanto mais ações internas e externas aos sites forem otimizadas, maior a probabilidade desses estarem à frente da concorrência com relação ao posicionamento. Assim, este trabalho vem mostrar um levantamento bibliográfico sobre a importância da busca na atualidade, com conceitos e aplicações sobre SEO. Seguido por um estudo de caso onde engloba duas ações realizadas paralelamente: uma, com otimização do blog Segredos Fashion <www.segredosfashion.com> e outra, a criação e otimização do site Criar Site Responsivo <www.criarsiteresponsivo.com.br>. Ao final, após discussão e análise de tais estudos, o trabalho revela se o SEO funciona na prática ou não, quais os benefícios e o que precisa ser melhorado para ter maior êxito perante os mecanismos de busca. Palavras–chave SEO, Otimizacão de Sites, Mecanismos de Busca
  10. 10. Abstract de Souza, Carlos Henrique Pires. Search Engine Optimization with SEO. Morrinhos, 2013. 62p. Trabalho de Conclusão. Campus Morrinhos, Instituto Federal Goiano. Search engines on the Internet have always had a very important role for users, making it virtually indispensable for anyone who wants to find some kind of information, person, product or service. For those who want to be found for these users, any website on the web essentially must is among the first in the search results. Thus, the set of strategies that aims to optimize a website to appear among the top results in searches, called SEO - Search Engine Opitimization. Although there is a good literature on the topic, SEO techniques are not an exact science because no one but the developers know the algorithms of the world’s top search engines. Therefore , the more internal and external actions to sites are optimized, the more likely these are ahead of the competition regarding the position. This study comes to show a literature about the importance of search today , with concepts and applications on SEO. Followed by a case study which includes two actions performed in parallel: an optimization Blog Segredos Fashion <www.segredosfashion.com> and another, creating and optimizing the website Create Website Responsive <www.criarsiteresponsivo.com.br>. At the end, after discussion and analysis of such studies, the work reveals the SEO works in practice or not, what benefits and what needs to be improved for greater success before search engines. Keywords SEO, Search Engine Optimization, Search Engine
  11. 11. Sumário Lista de Figuras 11 Lista de Códigos de Programas 13 1 Introdução 14 2 A Busca e a Otimização de Sites com SEO 17 17 20 23 25 26 28 29 29 31 31 31 31 32 32 32 32 32 33 33 33 33 33 34 34 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 Os Sites de Busca e Seu Funcionamento A importância e influência dos mecanismos de busca Buscadores em destaque: Google, Yahoo! e Bing Como os dados são encontrados e atualizados nos mecanismos de busca Resultados orgânicos x links patrocinados O uso de palavras-chave na busca O que é SEO Processo de otimização de sites SEO On-Page: fatores de classificação internos 2.9.1 Palavras-chave na tag <title> 2.9.2 Palavras-chave na URL da página 2.9.3 Palavras-chave na tag <meta> de descrição 2.9.4 Palavras-chave copiadas na página 2.9.5 Palavras-chave nas tags de cabeçalho 2.9.6 A tag <meta> de palavras-chave 2.9.7 Proeminência de palavras-chave 2.9.8 Palavras-chave no link do texto âncora 2.9.9 Nomes de arquivos de imagens e atributo alt 2.9.10 Palavras-chave no nome de domínio 2.9.11 Conteúdo das páginas 2.10 SEO Off-Page: fatores de classificação externos 2.10.1 Links de saída quebrados 2.10.3 3 Links externos 2.10.2 Desempenho e idade do website Metodologia: estudo de caso 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 3.6 Métodos de análise e classificação da pesquisa Tecnologias e ferramentas de apoio Levantamento geral dos sites antes da aplicação das técnicas de SEO Métodos de aplicação das técnicas de SEO Resultados do blog Segredos Fashion Resultados do site Criar Site Responsivo 36 36 36 37 39 42 44
  12. 12. 3.7 4 Discussão dos resultados Conclusão 4.1 Conclusão geral 46 48 48 Referências Bibliográficas 50 A Códigos de exemplo em HTML 5 53 B Figuras e capturas de telas 57
  13. 13. Lista de Figuras 1.1 1.2 Intermediários off-line. Fonte: Formaggio[11]. Intermediários on-line. Fonte: Formaggio[11]. 2.1 Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. Captura de tela do buscador Bing para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. Captura de tela do buscador Yahoo! para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. 35% da audiência da América Latina, em dezembro/2012, estava localizada no Brasil. Fonte: comScore Inc [5] 35% dos 131 milhões de usuários da Internet na América Látina, em dezembro/2012, estavam no Brasil. Fonte: comScore Inc [5] Consumidores brasileiros passam 27 horas por mês online no PC. Fonte: comScore Inc [5] Novo comportamento dos brasileiros na escolha de mecanismos de busca. Fonte: comScore Inc [5] 5 Maiores Buscadores Mundiais de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [24] Top 5 Buscadores nos Estados Unidos de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [27] Top 5 Buscadores no Brasil de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [25] Top 5 Buscadores na China de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [26] Ilustração do caminho que o spider poderá tomar (Ledford [17]). Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “Férias em Caldas Novas”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. Cauda longa de buscas. Fonte: Moz[21]. Processo SEO. Fonte: Formaggio [11] Processo SEO. Fonte: Jerkovic [14] Processo SEO segundo Nursel Yalçin[29] Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 2.10 2.11 2.12 2.13 2.14 2.15 2.16 2.17 2.18 2.19 2.20 14 15 18 19 19 21 21 22 22 23 24 24 25 26 27 28 29 30 30 31 35 35
  14. 14. 2.21 Ilustração do sistema simplificado de relevância de uma página. Fonte: Wikipédia, disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/PageRank>. Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. 3.2 Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. 3.3 Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. 3.4 Visão geral do público-alvo pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. 3.5 Visão geral do tráfego pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. 3.6 Desempenho do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. 3.7 Links externos do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Bing Webmaster. 3.8 Indexação de páginas do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Webmaster. 3.9 Visão geral do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. 3.10 Tráfego geral do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. 3.11 Indexação do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Webmaster. 35 3.1 Tela “Configurações de Links Permanentes” do WordPress. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. B.2 Exibição da descrição do blog nas SERP’s do Google, Bing e Yahoo!. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. B.3 Aplicação da proeminência das palavras-chave. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. B.4 Aplicação dos atributos para imagens no WordPress. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. B.5 Links externos rastreados. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Bing Webmaster. B.6 Links quebrados. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Google Webmaster. B.7 Desempenho do blog. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Google Analytics. B.8 Desenho do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor. B.9 Domínio e URL do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor. B.10 Domínio e URL do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor. 37 38 39 42 43 43 44 44 45 46 46 B.1 57 58 58 59 59 60 60 61 61 62
  15. 15. Lista de Códigos de Programas A.1 A.2 A.3 A.4 A.5 A.6 A.7 A.8 A.9 Palavras-chave na tag <title> Palavras-chave na tag <meta> de descrição A tag <meta> de palavras-chave Palavras-chave no link do texto âncora Nomes de arquivos de imagens e atributo alt Tag <title> para o blog Segredos Fashion Tag <description> para o blog Segredos Fashion Título e meta tags do site Criar Site Responsivo Palavras-chave na página e cabeçalhos do site Criar Site Responsivo 53 53 53 54 54 54 55 55 56
  16. 16. CAPÍTULO 1 Introdução Buckingham [4] menciona que os sistemas de busca na Internet sempre tiveram um papel importante aos usuários da rede mundial de computadores, tornando-se ferramenta indispensável para quem deseja encontrar algo ou alguém. Mas, o que muita gente não levou em consideração, ou simplesmente, não se atentou é que tais mecanismos, com sua evolução constante, tornaram-se peças-chaves para qualquer site ou negócio. Para se ter uma ideia geral desta evolução dos mecanismos de busca, Formaggio [11] revela que em muitas situações, os usuários dependiam de meios off-line, como catálogos de sites (vide imagem 1.1), ou algumas poucas referências na Internet para que houvesse uma melhor possibilidade de encontrar as informações que eram pesquisadas. Figura 1.1: Intermediários off-line. Fonte: Formaggio[11]. Porém, com a necessidade de se ter mecanismos que oferecessem uma boa experiência ao usuário, no que se refere a encontrar informações on-line eficientemente, surgiram os novos intermediários em todo esse processo: os buscadores, completou Formaggio [11] (vide imagem 1.2). Buckingham [4] reforça dizendo que, atualmente, a maioria dos visitantes da web chegam a um determinado site por algum mecanismo de busca. E o mais importante: não necessariamente através da página inicial, mas sim, diretamente na página relevante à sua pesquisa. Com isso, empresários, web designers, desenvolvedores web, publicitários e todos aqueles profissionais ligados diretamente com os resultados advindos de ações de otimização realizadas de websites, sentiram-se forçados a rever não só a estrutura de seus sites, mas também todo o conteúdo que nele é exposto, a maneira que ele é
  17. 17. 15 Figura 1.2: Intermediários on-line. Fonte: Formaggio[11]. apresentado para seus visitantes e como os internautas chegam até ele. E a dar, cada vez mais, importância à prática de SEO1 . Para complementar, André Sousa ([7] p. 35-36) diz: Pensando na notoriedade e na capacidade de ser visível a um maior número de pessoas, ou seja, de deter o poder de estar nos primeiros resultados de sites de busca, nasceu o SEO. Empresas contratam especialistas que esmiúçam os sistemas de busca para entender seu funcionamento e tentar desvendar as regras ou critérios que fazem uma página ser listada entre seus primeiros resultados. Após este trabalho, o site da empresa contratante geralmente é modificado de modo a atender as regras identificadas e, com isso, após um período variável de tempo, ele tende a ser listado em posições mais privilegiadas dentre os resultados do sistema de busca em questão. Jerkovic [14] e King [15] revelam que a aplicação do SEO produz inúmeros benefícios. Estes incluem: • uma maior área de visibilidade nas páginas de resultado dos mecanismos de busca (SERP2 ), consequentemente, influenciando no tráfego; • um grau de relevância maior com melhor posicionamento entre os concorrentes; • um fator de confiança; e • uma melhor taxa de conversão, principalmente em vendas. No entanto, conforme Buckingham [4], estar em uma melhor posição hoje não garante que amanhã o posicionamento do site continue no mesmo lugar. Afinal, a concorrência também busca seu lugar e, obviamente, possui seus especialistas em SEO para ajudá-la. E chegar entre os primeiros é uma tarefa árdua e constante, e para se manter na mesma posição é preciso um planejamento de continuidade na otimização. 1 Search 2 Search Engine Optimization, otimização para mecanismos de busca (tradução do autor) Engine Results Pages
  18. 18. 16 Com isso, o estudo aqui disposto, tenta verificar a importância das técnicas de otimização de sites para os mecanismos de busca e se são realmente preponderantes nos resultados das pesquisas. Assim sendo, foram elencados os seguintes objetivos para este trabalho: • Quais as principais técnicas de SEO e como aplicá-las? • Um site formatado para otimização nos mecanismos de busca realmente garante um melhor posicionamento nos resultados de pesquisas orgânicas? • Na prática, é possível garantir um bom resultado em um site criado pensando em SEO com a aplicação posterior de um website existente que não foi desenvolvido com o objetivo de otimização para mecanismos de busca? Com tais questionamentos levantados, este trabalho, de uma maneira prática e direta, baseado também em estudo de caso, vem mostrar a eficácia, ou não, da aplicação de técnicas de otimização de sites para os mecanismos de busca utilizando o Search Engine Optimization. Assim, no Capítulo 2, tratar-se-á sobre os conceitos gerais dos mecanismos de busca, conhecendo e entendendo seu funcionamento e qual a importância deles tanto para os usuários quanto para quem deseja ser encontrado na Internet com maior facilidade e à frente dos concorrentes. Também serão revisadas questões essenciais que permeiam a criação de sites com SEO, suas principais etapas, estratégias e aplicabilidades. Ainda serão comentados, as técnicas de SEO On-Page e SEO Off-Page, ações negativas como black hat e algumas ferramentas importantes para diagnósticos e mensuração das aplicações de otimização. No Capítulo 3, destinar-se-á à metodologia e técnicas para criação dos estudos de caso para a implantação de SEO no Blog Segredos Fashion3 (o qual está no ar desde outubro de 2010) e criação do site Criar Site Responsivo4 (implementado com técnicas de SEO), apresentando, em seguida, os resultados destes estudos. Por fim, o trabalho é encerrado com o Capítulo 4, onde foi destinado à conclusão das análises dos estudos de casos apresentadas no capítulo anterior, juntamente com a conferência junto aos objetivos listados no início do projeto. E, em seguida, serão apresentadas as considerações finais do mesmo, ideias e sugestões para trabalhos futuros. 3 Disponível 4 Disponível em: <www.segredosfashion.com>. em: <www.criarsiteresponsivo.com.br>.
  19. 19. CAPÍTULO 2 A Busca e a Otimização de Sites com SEO Este capítulo, apresentará os conceitos gerais dos mecanismos de busca, conhecendo e entendendo seu funcionamento e qual a importância deles tanto para os usuários quanto para quem deseja ser encontrado na Internet com maior facilidade e à frente dos concorrentes. Também serão revisadas questões essenciais que permeiam a criação de sites pensando em SEO, suas principais etapas, estratégias e aplicabilidades. Serão comentadas as técnicas de SEO On-Page e SEO Off-Page, ações negativas como black hat e algumas ferramentas importantes para diagnósticos e mensuração das aplicações de otimização. 2.1 Os Sites de Busca e Seu Funcionamento Martha Gabriel [12], ao observar a evolução humana, disse que em cada tecnologia criada, a sociedade, em algum grau, transformou-se. E com o mecanismo de busca não foi diferente. Desde o momento que as tecnologias de pesquisa digital foram difundidas, cabendo na palma da mão (exemplificando o uso de celulares, smartphones, tablets, etc.), as pessoas passam a buscar com facilidade todos os tipos de informações. Com isso, a autora [12] complementa dizendo que o cérebro do ser humano está sofrendo modificações. Há mudanças na cognição, no modo de operar o mundo e o comportamento. Hoje, quando alguém comenta algo que é desconhecido, muita gente leva a mão no celular e realiza a busca no mesmo instante. Ao assistir um filme e caso o desejo de obter mais informações sobre autor, enredo, diretores, a busca é imediata. Se é preciso encontrar uma farmácia, restaurante, pessoas ou virtualmente qualquer coisa, a busca está na palma da mão. Com isso, pode-se dizer que as tecnologias e ferramentas digitais permitem aos seus utilizadores, buscar tudo – textos, sons, músicas, pessoas, livros, locais, gostos, entre outros virtualmente e praticamente, tudo, o que as tornam dependentes da busca, cada vez mais. De maneira simplificada, Felipini[10] define os sites de busca como grandes bancos de dados que armazenam uma infinidade de páginas da Internet e que apresentam resultados de acordo com as solicitações feitas pelos seus usuários.
  20. 20. 2.1 Os Sites de Busca e Seu Funcionamento 18 Já para Erick Formaggio[11], busca está intrinsecamente relacionada com recuperação de informação1 . Este sistema, segundo Erick Formaggio[11], pode ser caracterizado da seguinte forma: 1. Exibir uma coleção de documentos através de páginas ou parágrafos; 2. Possibilitar consultas relacionadas à linguagem da consulta. Nesse caso, a possibilidade do usuário utilizar operadores booleanos ou simples palavraschave; 3. Classificar e visualizar na tela resultados relevantes para o usuário; e 4. Apresentar um conjunto ordenado de resultados por títulos, descrições e outros dados importantes para a experiência do usuário. Em suma, para Formaggio[11], esses sistemas, em se tratando de Internet, são conhecidos como mecanismos de busca que organizam e fazem a indexação em seus banco de dados, das informações disponíveis em sites (mais especificamente em suas páginas), de modo a se tornarem encontráveis por usuários na busca por palavras-chave. Figura 2.1: Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. O resultado das pesquisas (exemplificado pelas figuras 2.1, 2.2 e 2.3), por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet” foi possível graças as duas aplicações, de acordo com Ledford[17]: back-end e front-end. 1 Uma informação deve ser recuperada em um sistema de informação, seja ele extranet, um site, um banco de dados ou até mesmo um mecanismo de busca web.
  21. 21. 2.1 Os Sites de Busca e Seu Funcionamento 19 Figura 2.2: Captura de tela do buscador Bing para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. Figura 2.3: Captura de tela do buscador Yahoo! para a busca simulada por “curso superior de tecnologia em sistemas para internet”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. No back-end, o Ledford[17] trata o motor de busca como um software que usa aplicativos para coletar informações sobre páginas da web e que estas informações são, em geral, palavras-chave ou alguma expressão as quais possam ser indicadores do que está contido na página, na URL2 da página, no código que compõe as páginas e nos links que estão na página e saindo dela. Todas essas informações são indexadas e armazenadas em um banco de dados. 2 Abreviação para Uniform Resource Locator
  22. 22. 2.2 A importância e influência dos mecanismos de busca 20 Complementando a informação sobre back-end, Formaggio [11] menciona que os mecanismos de busca atuam através de robôs3 . Suas funções são de compactar e indexar no seu banco de dados as páginas dos sites que visitaram, classificando-as por palavras-chave relevantes em determinado contexto. No front-end, Ledford [17] mostra que o software tem uma interface gráfica onde o usuário digita um termo para pesquisa (palavra-chave ou expressão). Ao clicar no botão de busca, um algoritmo examina as informações no banco de dados do back-end e recupera os links que mais se aproximam dos termos digitados pelo usuário. Para finalizar, Formaggio [11], em resumo, mostra que alguns elementos básicos fazem parte dos motores de busca, como: • Módulo Crawler: acessa e transporta as páginas para o módulo de armazenamento; • Módulo de Armazenamento: ambiente para alocação das páginas até serem acionadas pelo processo de indexação; • Módulo Indexador: gera uma versão compacta de cada página; • Módulo de Pesquisa: converte em resultado a linguagem e metodologia utilizadas no módulo indexador; e • Módulo Classificador: classifica as páginas perante as pesquisas realizadas. 2.2 A importância e influência dos mecanismos de busca Martha Gabriel [12] declara sobre a utilidade e importância dos buscadores, pois, sem eles as capacidades de acesso e penetrabilidade na web seriam bastante restritos, ratificando assim, o poder que tais sistemas de busca exercem sobre as pessoas e a sociedade como um todo. Além do mais, a partir do momento que o usuário acredita no resultado que foi gerado para uma pesquisa, dar-se aos mecanismos de busca o devido poder e credibilidade. As buscas passaram a ser parte integrante da estrutura da sociedade. Com mais de 12 milhões de buscas realizadas a cada mês, segundo os dados de janeiro de 2009 (de acordo com a comScore), aproximadamente 400 milhões de buscas foram feitas na web todos os dias. Isso significa que, em média, mais de 4.500 buscas são realizadas a cada segundo de cada dia. (Eric Eng [9] p. 16). Recentemente a comScore Inc [5] publicou uma tabulação de dados, resultado de levantamento no mês de dezembro de 2012 sobre perfis comportamentais de navegação na 3 São nomes agentes vasculhadores de sites também conhecidos como crawlers, spiders, bots, entre outros
  23. 23. 2.2 A importância e influência dos mecanismos de busca 21 Internet no Brasil, intitulado Brazil Digital Future In Focus 2013: key Insights from 2012 and What They Mean for the Coming Year. Baseado nessa pesquisa, pode-se concluir que cada vez mais as pessoas estão conectadas na Internet (vide imagens 2.4, 2.5 e 2.6). E, para complementar, na imagem 2.7 é possível identificar um novo comportamento aos usuários brasileiro com relação à escolha do mecanismo de pesquisa. porém, o ato de buscar por informações continua a crescer independentemente do sistema utilizado para obtê-las. Figura 2.4: 35% da audiência da América Latina, em dezembro/2012, estava localizada no Brasil. Fonte: comScore Inc [5] Figura 2.5: 35% dos 131 milhões de usuários da Internet na América Látina, em dezembro/2012, estavam no Brasil. Fonte: comScore Inc [5]
  24. 24. 2.2 A importância e influência dos mecanismos de busca Figura 2.6: Consumidores brasileiros passam 27 horas por mês online no PC. Fonte: comScore Inc [5] Figura 2.7: Novo comportamento dos brasileiros na escolha de mecanismos de busca. Fonte: comScore Inc [5] 22
  25. 25. 2.3 Buscadores em destaque: Google, Yahoo! e Bing 23 Conforme a pesquisa da The Pew Research Center’s Internet & American Life Project, a cada ano mais pessoas usam os mecanismos de busca online, e a medida que o usuário for mais experiente, mais ele utiliza esses mecanismos. Também é possível destacar nessa mesma pesquisa que os usuários acreditam que os resultados são precisos e corretos, e revelam que os mecanismos de busca são uma fonte segura e imparcial (Pew Internet, 2012 [13]). Sendo assim, pode-se confirmar as afirmações da Martha Gabriel [12], onde ela relata que na Internet, a crença de que as pessoas obtêm respostas corretas para suas buscas, avaliza o poder dos buscadores e, graças a conveniência, tal força é aumentada devido a dois fatores: disponibilidade e facilidade de uso. 2.3 Buscadores em destaque: Google, Yahoo! e Bing Estatísticas da StatCounter [24], apontam Google (91,02%), Bing (3,54%), Yahoo! (3,4%), Baidu (0,36%) e Ask Jeeves (0,34%) como os maiores mecanismos de busca do mundo (vide imagem 2.8), comprovando o domínio global do Google, sendo a grande preferência dos usuários. Figura 2.8: 5 Maiores Buscadores Mundiais de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [24] Nos Estados Unidos, como apresentado na imagem 2.9, os cinco maiores buscadores são: Google (79,77%), Bing (9,28%), Yahoo! (9,16%), AOL (0,78%) e Ask Jeeves (0,68%).
  26. 26. 2.3 Buscadores em destaque: Google, Yahoo! e Bing 24 Figura 2.9: Top 5 Buscadores nos Estados Unidos de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [27] No Brasil, os cinco maiores mecanismos de busca são: Google (97,58%), Bing (1,01%), Yahoo! (0,56%), Babylon (0,46%) e Alot Search (0,11%). As estatísticas são exibidas na imagem 2.10. Figura 2.10: Top 5 Buscadores no Brasil de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [25]
  27. 27. 2.4 Como os dados são encontrados e atualizados nos mecanismos de busca 25 Contrariando as tendência, ao contrário do resto do mundo, na China, o Google não é o mais usado buscador na web, perdendo para o Baidu, detentor de 65,9% do mercado, contra 28,14% do rival, como é mostrado na imagem 2.11. Figura 2.11: Top 5 Buscadores na China de 2011 a 2012. Fonte: StatCounter [26] Com esses dados é possível constatar que apesar da variação de penetração dos buscadores nos países, sem dúvida o Google é atualmente o mecanismo de busca predominante na web e, portanto, o mais poderoso (Felipini [10]). Jerkovic [14], ressalta que, apesar da existência de vários mecanismos de busca, o foco deve ser direcionado aos três predominantes no Brasil [25] e no mundo [24]: Google, Bing e Yahoo!. 2.4 Como os dados são encontrados e atualizados nos mecanismos de busca O conceito de indexação de websites está relacionado ao processo de gerar um conjunto de índices ou indicações ordenadas, para auxiliar a localização de informações específicas. Compreende os procedimentos executados através de recursos tecnológicos para serviços na Web, com a finalidade de caracterizar, classificar e relacionar conteúdos no meio virtual, numa perspectiva de possibilitar todas as condições essenciais a sua recuperação através dos mecanismos de busca.
  28. 28. 2.5 Resultados orgânicos x links patrocinados 26 [...]O processo de indexação de website pode ocorrer tanto de maneira automatizada, realizada pelos spiders 4 , quanto de forma manual realizada pelo próprio desenvolvedor do conteúdo do website. Esse procedimento é de extrema importância, pois o mesmo irá classificar o conteúdo disponibilizado na web de acordo com o seu segmento de mercado, para futuras recuperações. Na forma automatizada, os spiders são programados para rastrear a Web em busca de novos conteúdos (Adriano Mendes [8] p. 144). Figura 2.12: Ilustração do caminho que o spider poderá tomar (Ledford [17]). Ledford [17] complementa dizendo que os links de uma fronteira às vezes levam o robô a outras páginas do mesmo site e, às vezes, eles o levam para fora do site. Conforme mostra a imagem 2.12, o spider segue o caminho até ficar sem saída. Então, ele retorna e recomeça até todos os links da página tenham sido acessados. Ao encontrar um link para uma página nova, o sistema registra em seu banco de dados e a indexa baseado nas palavras ali encontradas. Caso o sistema encontre uma página indexada, ele verifica se houve alguma modificação e atualiza o banco de dados, finaliza Felipini [10]. Jerkovic [14] relata que ainda que os crawlers façam de tudo para indexar o máximo de documentos a serem indexados pelos mecanismos de busca, nem todos serão contemplados, pois a indexação e a forma que ela é feita está diretamente ligada aos algoritmos dos buscadores. E a fórmula desta indexação dos mecanismos de busca tratase de um código altamente secreto e intrigante para a maioria dos estudiosos e entusiastas da SEO. 2.5 Resultados orgânicos x links patrocinados Uma Search Engine Result Page – SERP, nada mais é que a página que apresenta o resultado de uma busca específica em um mecanismo de busca. E não faz muito tempo 4 Spiders, Crawlers ou Robôs, são programas utilizados pelos buscadores para percorrerem a web atrás dos links presentes nas páginas do sites. À medida que esse crawler viaja através da Internet, ele coleta, cadastra e classifica cada página de acordo com seu conteúdo, salvando-as em um banco de dados que é indexado e ordenado de acordo com o algoritmo do motor de busca (Ledford [17] e Felipini [10]).
  29. 29. 2.5 Resultados orgânicos x links patrocinados 27 que os sites de busca passaram por uma transformação em suas SERP’s, incorporando a elas anúncios pagos por fornecedores de produtos interessados em palavras-chave específicas. Diante desse novo contexto, o usuário se depara atualmente com dois tipos de situações nas SERP’s: resultado orgânico ou natural onde as páginas são classificadas gratuitamente por ordem de relevância, em que cada buscador dispõe de um algoritmo específico para tal classificação, e os anúncios pagos, chamados de links patrocinados (Felipini [10] e Martha Gabriel [12]). Figura 2.13: Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “Férias em Caldas Novas”. Fonte: desenvolvido pelo autor em novembro/2013. O resultado orgânico para Martha Gabriel [12] é proveniente da análise das páginas e conteúdo da web, em função de suas relevâncias e da palavra-chave em questão, sendo exibida na SERP em ordem decrescente de importância. Os links patrocinados, são o resultado dos buscadores com ênfase em dois fatores principais: valor financeiro ofertado pela palavra-chave e relevância do anúncio, em função da sua qualidade em relação à palavra pesquisada.
  30. 30. 2.6 O uso de palavras-chave na busca 2.6 28 O uso de palavras-chave na busca O resultado de uma busca está diretamente relacionado à palavra ou às palavras digitadas pelo usuário. Logo, a palavra-chave (vide imagem 2.14) é o elo de ligação entre o site e o usuário realizador da pesquisa. Desta forma, isso torna fundamental a escolha das palavras que serão trabalhadas na otimização (Felipini [10]). Figura 2.14: Cauda longa de buscas. Fonte: Moz[21]. É maravilhoso trabalhar com palavras-chave que têm 5.000 buscas por dia, ou 500 buscas por dia, mas, na realidade, esses termos de busca “populares” são responsáveis por menos de 30% do total de buscas realizadas na Web. Os demais 70% estão no que é normalmente chamado de “cauda longa”[21] de buscas. [...] É fundamental entender a curva de demanda das buscas, pois ela destaca a importância das páginas de conteúdo direcionadas à cauda longa com informações que não sejam direcionadas a nenhuma consulta popular específica, mas que captam um intervalo muito mais amplo dos tipos de consultas que os usuários fazem nos mecanismos de busca (Eric Eng [9] p. 158–159).
  31. 31. 2.7 O que é SEO 2.7 29 O que é SEO Em seu artigo, Nursel Yalçin[29] menciona o perfil do usuário com relação à utilização de um mecanismo de busca, o qual os dados e informações são geralmente procurados na primeira página de uma SERP e indo até a 5a página. Passou disso, as outras páginas são ignoradas. Para Harold[6], segundo estudos, os usuários vão até a terceira página dos resultados da buscas e, em se tratando da SERP do Google que utiliza 10 resultados por página, significa que os 30 primeiros da lista são os que o usuário se direciona. Com isso, SEO é a otimização de sites e/ou páginas voltada para o resultado orgânico (natural) com a função de colocá-los em uma boa posição nas SERP’s. 2.8 Processo de otimização de sites Nursel Yalçin[29], Brito[3], Jerkovic[14] (vide imagem 2.16) e Formaggio[11] (vide imagem 2.15) são enfáticos em mencionar etapas para se aplicar SEO em sites de pequeno, médio e grande porte, que consiste em elaborar um projeto (vide imagem 2.17) de otimização de sites onde exista um processo adequado para atender eficientemente a toda estratégia nele contido. Figura 2.15: Processo SEO. Fonte: Formaggio [11] Apesar dos autores divergirem em nomenclatura ou em quantidade de etapas, é possível estabelecer um ciclo em comum, entre eles. Consequentemente, o objeto de
  32. 32. 2.8 Processo de otimização de sites 30 Figura 2.16: Processo SEO. Fonte: Jerkovic [14] Figura 2.17: Processo SEO segundo Nursel Yalçin[29] estudo deste trabalho está focado nos fatores de classificação interno (SEO on-page)5 e externo (SEO off-page)6 , os quais são trabalhados na fase de execução de um processo de implantação de SEO. 5 SEO on-page: ações desenvolvidas dentro da página/site otimizando os fatores que influenciam o posicionamento nas buscas, como código, conteúdos e estruturas (Martha Gabriel[12]). 6 SEO off-page: ações desenvolvidas fora da página/site para otimizar os fatores que influenciam o posicionamento nas buscas como links, tráfego, fatores de geolocalização, relação com dispositivo de acesso, conexões sociais e personalização (Martha Gabriel[12]).
  33. 33. 2.9 SEO On-Page: fatores de classificação internos 2.9 31 SEO On-Page: fatores de classificação internos Fatores on-page, como codificação, por exemplo, são itens os quais devem ser feito diretamente nas páginas do site, uma vez que, sem eles, a maioria dos sites tem muito pouca chance para qualquer tipo de sucesso em sua posição (Robert Ambrogi[1] p. 28)7 . 2.9.1 Palavras-chave na tag <title> O título (vide imagem 2.18) de uma página web é formado através da tag <title> (vide código A.1), presente dentro do cabeçalho <head> de uma página HTML (Formaggio [11]). O título deve ser ou conter as palavras-chave nesta tag, pois os mecanismos de busca a utilizam para montar o título em suas páginas de resultado, consequentemente, este é um dos itens mais relevantes8 para o posicionamento (Walter[28], Jerkovic[14], Ledford[17], Gabriel[12], Felipini[10] e Formaggio[11]). Figura 2.18: Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. 2.9.2 Palavras-chave na URL da página Assim como o título, o endereço do site/página (também conhecido como URL - vide imagem 2.19) é extremamente importante para os mecanismos de busca, principalmente se as palavras-chave fizeram parte deste endereçamento, juntamente com o título da página(Jerkovic[14], Ledford[17], Gabriel[12], Felipini[10] e Formaggio[11]). 2.9.3 Palavras-chave na tag <meta> de descrição Bem como a tag <title> e a URL, a meta tag <description> (vide código A.2) influencia a descrição (vide imagem 2.20) da página/site. Juntos, esses três fatores contribuem para elevar o posicionamento nas SERP’s, além de oferecer ao usuário uma 7 Adaptado e traduzido pelo autor. de 37 dos top SEOptimizers do mundo apontam que a title tag é o atributo mais importante para um bom rankeamento no Google.” (Agência Mestre[20]). 8 “36
  34. 34. 2.9 SEO On-Page: fatores de classificação internos 32 prévia do conteúdo e a quase certeza de encontrar o que procura ao clicar no endereço listado (Jerkovic[14], Ledford[17], Gabriel[12], Felipini[10] e Formaggio[11]). 2.9.4 Palavras-chave copiadas na página Refere-se ao número de vezes que uma palavra-chave em particular aparece no conteúdo de uma página, de maneira harmoniosa e que faça realmente sentido à sua presença no texto, diz Jerkovic[14]. 2.9.5 Palavras-chave nas tags de cabeçalho As tags de cabeçalho9 são utilizadas para títulos, subtítulos e pequenos blocos de descrições em uma página. A separação do conteúdo em blocos, facilita bastante para a otimização e também para a leitura mais limpa e organizada do usuário (Martha Gabriel[12]). 2.9.6 A tag <meta> de palavras-chave Embora as meta tag keywords não exercerem influência significativa na classificação nas SERP’s dos principais buscadores mais modernos com o Google, Yahoo! e Bing, ainda assim para alguns mecanismos de busca regionais ou até mesmo alguns baseados em diretórios, essa tag ainda exerce alguma influência (Formaggio[11], Martha Gabriel[12]). 2.9.7 Proeminência de palavras-chave Jerkovic[14] diz que a proeminência de palavras-chave refere-se às posição delas no início e no fim de uma página HTML, ou seja, o quanto antes as palavras-chave aparecerem, melhor, principalmente no primeiro parágrafo[12] do conteúdo da página. 2.9.8 Palavras-chave no link do texto âncora Links internos são links entre páginas do mesmo site. Planejar o texto âncora10 destes links, combinando uma palavra-chave importante da página de destino do link, aumenta a reputação daquela página sobre o tema relacionado à palavra-chave (Walter[28], Jerkovic[14], Ledford[17], Gabriel[12] e Formaggio[11]). 9 As tags são: h1, h2, h3, h4, h5 e h6. Para o título principal de um conteúdo, sugere-se utilizar o <h1>. Para subtítulos, <h2>, e assim sucessivamente. Ressalta-se que o <h1> deve aparecer somente uma vez em cada página para melhor desempenho na otimização (Formaggio[11]). 10 Texto no qual o link aparece para ser clicado, segundo Ledford [17].
  35. 35. 2.10 SEO Off-Page: fatores de classificação externos 2.9.9 33 Nomes de arquivos de imagens e atributo alt Eric Enge[9] revela que os mecanismos de busca observam o nome do arquivo de imagem e se ela oferece qualquer informação em relação ao conteúdo à sua volta. Com o atributo alt é possível fornecer mais informações sobre a imagem, podendo utilizar as palavras-chave para torna-la mais relevante (Walter[28]). 2.9.10 Palavras-chave no nome de domínio O Google dá preferência a domínios que apresentem nomes que se igualem ao texto buscado. Por isso, caso o nome de domínio adapte-se exatamente ou parcialmente a uma consulta de busca, a possibilidade de que ela apareça na primeira página das SERP’s é alta (Jerkovic[14]). 2.9.11 Conteúdo das páginas O conteúdo é um dos fatores mais importantes aos buscadores e a chave de posicionamento. É preciso criar um conteúdo que seja relevante ao usuários, bem escrito, com palavras-chave estratégicas e atualizado (Jerkovic[14], Ledford[17] e Gabriel[12]). 2.10 SEO Off-Page: fatores de classificação externos Fatores off-page, talvez sejam as ações mais diferenciadoras para o rankeamento de um site. Um bom status de um domínio confiável não pode ser alcançado sem links externos direcionados para seu site, os quais são medidos tanto pela quantidade como qualidade (Robert Ambrogi[1] p. 30)11 . 2.10.1 Links externos Links externos12 , são links presentes em outros sites que direcionam para um determinado site. A quantidade e qualidade de links que um site possui pode definir sua popularidade e importância na Internet. Consequentemente, alcançar um bom posicionamento nas páginas de resultado das buscas (Formaggio[11], Jerkovic[14]). 11 Adaptado e traduzido pelo autor. também conhecidos como backlinks[...].Especialistas em otimização de sites e profissionais web em geral, sabendo da importância em adquirir links externos para um site, elabora estratégias que focam na prospecção de links externos. Essas estratégias são conhecidas como link building pelos analistas de SEO.” (Formaggio[11]). 12 “São
  36. 36. 2.10 SEO Off-Page: fatores de classificação externos 34 A relevância de uma página, segundo Martha Gabriel [12] e Andrew King [15], está associada à importância que ela tem na web com relação às outras. Os fatores determinantes para a relevância de uma página são todos relativos ao relacionamento que uma página mantém com outras páginas na Internet e ao fluxo de tráfego que a página atrai. Em suma, quem e quantos links apontam para uma página e para quem e quantos links essa página aponta, determinam esse relacionamento (vide imagem 2.21 referente ao PageRank13 ). 2.10.2 Links de saída quebrados Links quebrados14 podem passar uma imagem ruim aos mecanismos de busca, podendo o site ser considerado abandonado e, consequentemente, ser retirado dos seus índices, diz Jerkovic[14]. 2.10.3 Desempenho e idade do website Existe uma lei não registrada na Internet onde cada página deve ser exibida, no máximo, em até quatro segundos. Passou disso, o usuário é estimulado a trocar de site e passar para o próximo. Além disso, spiders, aprenderão com esse desempenho negativo, levando em conta sua relevância (Jerkovic[14]). A idade e atualização de uma página são levadas em consideração no momento da classificação do posicionamento para os mecanismos de busca. Quanto mais antiga for a página, mais credibilidade ela tende a passar. No entanto, se os robôs visitam esta página e verificam que nada foi mudado, provavelmente eles evitarão de frequentá-la e, a demora em atualizar, um tempo maior para surtir efeito no posicionamento nos mecanismos de busca será exigido (Gabriel[12]). Com base em todos os conceitos descritos de SEO on-page e SEO off-page, o próximo capítulo traz dois estudos de caso onde as técnicas de otimização serão implantadas, juntamente com seus respectivos resultados. O primeiro estudo de caso, referenciar-se-á à implantação de SEO a um blog existente desde outubro de 2010. Quanto ao segundo estudo de caso, a implantação do SEO será realizada em um site criado especificamente para este trabalho. 13 Nessa ilustração2.21, uma simplificação do sistema do PageRank, cada bola representa uma página e o tamanho de cada uma a sua importância (PageRank). Quanto maior a bola, mais valor tem seu voto: repare que a bola superior vermelha é grande mesmo recebendo só um voto, pois o voto que ela recebe, da bola maior amarela, tem mais valor. Imagem CC-by-SA retirada do Fã-Clube do Google. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/PageRank>. 14 Links considerados quebrados são os antigos, ocasionados por mudança de diretórios sem atualização dos mesmos e links incorretos com direcionamento errado, apontando para documentos inexistentes, explicou Jerkovic[14].
  37. 37. 2.10 SEO Off-Page: fatores de classificação externos Figura 2.19: Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. Figura 2.20: Captura de tela do buscador Google para a busca simulada por “IF Goiano Campus Morrinhos”. Fonte: desenvolvido pelo autor em dezembro/2013. Figura 2.21: Ilustração do sistema simplificado de relevância de uma página. Fonte: Wikipédia, disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/PageRank>. 35
  38. 38. CAPÍTULO 3 Metodologia: estudo de caso Este capítulo, destinar-se-á à metodologia e técnicas para criação dos estudos de caso para a implantação de SEO no Blog Segredos Fashion1 (o qual está no ar desde outubro de 2010) e criação do site Criar Site Responsivo2 (implementado com técnicas de SEO), apresentando, em seguida, os resultados destes estudos. 3.1 Métodos de análise e classificação da pesquisa A metodologia adotada para este trabalho consistiu na pesquisa qualitativa exploratória pelo fato de comparar o antes e depois da aplicação das técnicas de SEO, com base em uma revisão bibliográfica, juntamente com análises de dados estatísticos gerados por ferramentas específicas com o intuito de comprovar ou não a eficácia desse estudo. Através da revisão bibliográfica, identificou-se quais as variáveis envolvidas em SEO que necessitaram ser implantadas, acompanhadas e/ou medidas ao estudo de caso. Também, além de determinar os principais mecanismos de busca a serem estudados, Google, Yahoo! e Bing, essa revisão corroborou para com a escolha do buscador Google como objeto maior de estudo devido à relevância no mercado e para o usuário. 3.2 Tecnologias e ferramentas de apoio O blog Segredos Fashion foi desenvolvido por terceiros utilizando a plataforma WordPress3 o que fez o autor trabalhar mais os fatores de SEO off-page (vide seção 2.10) do que os SEO on-page (vide seção 2.9). 1 Disponível em: <www.segredosfashion.com>. em: <www.criarsiteresponsivo.com.br>. 3 “É um sistema de gerenciamento que permite que editores de conteúdo utilizem uma interface web para manutenção de seus sites, em vez de terem de editar e fazer upload de arquivos para um servidor” (Stephanie[16]). 2 Disponível
  39. 39. 3.3 Levantamento geral dos sites antes da aplicação das técnicas de SEO 37 O site Criar Site Responsivo4 foi criado pelo autor utilizando as linguagens HTML5 ([23] [19]) e CSS3 ([19] [30]), aplicando as técnicas de desenvolvimento Tableless ([22] [3] [28]), Web Mobile ([18]) e Responsive Web Design ([18] [30]). Como objeto de estudo, o site foi criado pensando em SEO com ênfase nos fatores on-site. Para os dois estudos de caso, utilizou-se o Google Webmaster5 e o Bing Webmaster6 como indexadores e o Google Analytics7 como analisador de estatísticas web. 3.3 Levantamento geral dos sites antes da aplicação das técnicas de SEO Blog Segredos Fashion O blog Segredos Fashion8 foi criado em outubro de 2010, e ao ser utilizado como objeto de estudo, já possui um histórico registrado no Google Analytics que serviu de parâmetro para mensurações futuras. No intuito de determinar um marco inicial para o estudo, determinou-se a comparação de dados no período de 14/06/2013 a 15/07/2013 e a implantação as técnicas de SEO e coleta de dados, no período entre 16/07/2013 a 16/08/2013. Figura 3.1: Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. 4 Disponível em: <www.criarsiteresponsivo.com.br>. em: <www.google.com.br/webmasters>. 6 Disponível em: <www.bing.com/toolbox/webmaster>. 7 Disponível em: <www.google.com/analytics>. 8 Disponível em: <http://whois.domaintools.com/segredosfashion.com>. 5 Disponível
  40. 40. 3.3 Levantamento geral dos sites antes da aplicação das técnicas de SEO 38 As três variáveis que foram consideradas no estudo do público-geral são: • Visitas9 • Visitantes únicos10 • Visualizações de página11 Figura 3.2: Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. As três variáveis que foram consideradas no estudo do tráfego são: • Tráfego de pesquisa • Tráfego de referência • Tráfego direto A imagem 3.3 exibe a relação dos 10 principais sites de origem de tráfego do blogs Segredos Fashion e, tendo o Google (através do resultado das pesquisas orgânicas) como maior responsável por esse tráfego, detendo 71,4% do total. 9O número de visitas de seu site. ao número de visitantes não duplicados (contados apenas uma vez) de seu website ao longo de um determinado período. 11 Refere-se ao número total de páginas visualizadas. Exibições repetidas de uma única página são consideradas. 10 Refere-se
  41. 41. 3.4 Métodos de aplicação das técnicas de SEO 39 Figura 3.3: Blog Segredos Fashion entre 14/06/2013 a 15/07/2013. Fonte: Captura de tela do Google Analytics criada pelo autor. Site Criar Site Responsivo Por ser um site criado especificamente para este trabalho, não houve um histórico anterior para aferição de dados comparativos. Com isso, as variáveis a serem analisadas posteriormente. 3.4 Métodos de aplicação das técnicas de SEO Blog Segredos Fashion: fatores on-page O primeiro passo dado para a implantação das técnicas de SEO no blog foi a de inserção12 do Segredos Fashion nas ferramentas Google Webmaster13 e Bing Webmaster14 , responsáveis pela obtenção, análise e diagnóstico de dados para que o site/blog esteja íntegro e compatível com esses buscadores. O segundo passo foi trabalhar o SEO On-Page no blog. Por se tratar de um blog de terceiro e pessoal, e mesmo com orientações sobre as boas práticas de SEO e seus benefícios, algumas alterações e ajustes não sofreram mudanças. Com isso, o título (A.6), com a tag <title> continuou com seu nome genérico, associado ao nome da administradora do blog. Com relação ao uso de palavras-chave na URL, a plataforma WordPress, segundo 12 As inserções foram realizadas segundo as orientações contidas nas páginas do Google (http://www.google.com/submityourcontent/) e Bing (http://www.bing.com/toolbox/submit-site-url). 13 O Google informa aos webmasters, diretrizes para se realizar melhores práticas para informar ao mecanismo de busca a encontrar, rastrear e indexar sites/blogs. Essas diretrizes estão diretamente associadas com SEO, pois falam desde design e conteúdo, como orientações técnicas e qualidade. Disponível em: <https://support.google.com/webmasters/answer/35769?hl=pt-BR>. 14 As diretrizes para webmasters do Bing, assim como o do Google, orienta os desenvolvedores com relação às melhores praticas com relação ao conteúdo, links, redes sociais, indexação, SEO, etc. Disponível em: <http://www.bing.com/webmaster/help/webmaster-guidelines-30fba23a>.
  42. 42. 3.4 Métodos de aplicação das técnicas de SEO 40 Stephanie[16], por padrão, utiliza IDs para posts15 e páginas em strings16 de consulta em suas URLs, como por exemplo: <domínio.com/?p=123>. Por isso, modificou-se a estrutura dos links permanentes, como mostrado na tela (vide figura B.1) para deixar a URL mais amigável aos mecanismos de busca. Para a descrição com a meta tag <description> foi preciso inseri-lo, pois não constava no código-fonte do blog. Com isso, o Google, para suprir a ausência do metadado, indexou o primeiro parágrafo do conteúdo existente na página principal do blog que se encontrava na chamada de um slideshow publicado há 3 dias antes da captura de tela (vide figura B.2). Já o Bing e Yahoo!, capturaram a o último parágrafo do post publicado há 1 dia. O emprego da técnica de palavras-chave copiadas na página no post Livro Depois dos Quinze17 serviu como modelo para próximos posts do blog. As palavras-chave: livro depois dos quinze, de forma organizada, inseridas no contexto. Uma das vantagens da plataforma WordPress é com relação ao uso adequado das tags de cabeçalho. Toda postagem em que o editor insere título, subtítulos vem formatado corretamente para SEO. Isso também se aplica à sua estrutura e codificação do tema do CMS (Stephanie[16]). O WordPress só permite a inserção personalizada da meta tag keywords através de plugins18 . Por isso, não utilizou-se sua implantação. Até mesmo, devido sua relevância para os mecanismos de busca ser relativamente baixa, como tratado na seção 2.9. De uma maneira geral, os posts, em seu primeiro parágrafo, continham palavras-chave do conteúdo em questão, aplicando proeminentemente (vide seção B.3, também disponível em: <http://www.segredosfashion.com/pele-normal-mista-ou-oleosasaiba-como-identificar>) a técnica. A utilização de links internos, links âncoras não foi aplicado aos posts devido a plataforma WordPress realizar a ação automaticamente através da inserção de categorias e tags de identificação de páginas e postagens. Outra vantagem do WordPress é a facilidade em preencher os atributos, como o texto alternativo, alt (vide figura B.4) às imagens a serem inseridas nos posts. Porém, a editora do blog não aplicou o nome adequado a todas as imagens, portanto, neste quesito, o SEO não foi completamente aplicado. 15 Post é cada conteúdo que aparecem ordem cronológica na página inicial do seu site. Fonte: <http://codex.wordpress.org/pt-br:Escrevendo_Posts>. 16 “As strings são tipos de dados alfanuméricos, ou seja, podem conter números ou letras. Os valores alfanuméricos a serem armazenados em uma variável devem estar entre aspas (Daniela Bhon[2]).” 17 Disponível em: <http://www.segredosfashion.com/livro-depois-dos-quinze/>. 18 São extensões que contêm aplicativos os quais são inseridos à plataforma WordPress (Fonte com tradução e adaptação do autor: <http://wordpress.org/about/features/>).
  43. 43. 3.4 Métodos de aplicação das técnicas de SEO 41 Como o blog é de cunho pessoal, no momento da criação não foi pensado em SEO, portanto, as palavras-chave no nome de domínio não foram consideradas neste trabalho. Porém, por ter esse formato de blog, o conteúdo do Segredos Fashion e sua atualização constante completam mais um fator de SEO on-page que trata sobre o conteúdo das páginas (vide seção 2.9). Blog Segredos Fashion: fatores off-page No momento da inserção do blog Segredos Fashion no Bing Webmaster, o mesmo rastreou a quantidade de 29.315 links direcionados para o blog (vide figura B.5) e 158 links quebrados (vide figura B.6), ou seja, links que apontam para alguma página ou conteúdo inexistente, foram registrados pelo Google Webmaster. Além disso, pode-se verificar a idade do blog em aproximadamente 3 anos e com um tempo de carregamento médio das páginas em torno de 25,67 segundos (vide figura B.7), o que está relacionado ao desempenho do blog. Site Criar Site Responsivo: fatores on-page Primeiramente, o site Criar Site Responsivo foi desenhado (vide figura B.8) com o editor gráfico Adobe Fireworks CS619 e convertido em HTML5 e CSS3, aplicando técnicas de Tableless, Design Responsivo e SEO. Em seguida, assim como realizado no blog Segredos Fashion, o site Criar Site Responsivo foi inserido nas ferramentas Google Webmaster e Bing Webmaster. No momento da conversão, houve a atenção em criar uma relação direta, favorecendo o SEO, entre o título do site, juntamente com as meta tags de descrição e palavras-chave (vide código A.8). Como o site foi criado utilizando técnicas de SEO, houve uma atenção em criar um nome de domínio (vide figura B.9) compatível com as palavras-chave objeto de estudo (no caso “Criar Site Responsivo”) e URL amigáveis de modo a facilitar o entendimento do usuário e ser melhor visto pelos buscadores. As duas páginas de conteúdo criadas para o site foram intencionalmente preparadas para que as palavras-chave de seus títulos fossem disseminadas em seus respectivos conteúdos (o que se chamou de proeminência), nas tags de cabeçalho20 e nas palavraschaves copiadas nas páginas (vide código A.9). Os links constantes no menu principal e contidos nos conteúdos, foram devidamente trabalhados com palavras-chave correspondentes ao que cada um propunha direcionar o usuário. E, assim como os links, todas as imagens foram nomeadas com 19 Disponível 20 <h1> em : <http://www.adobe.com/br/products/fireworks.html>. para o título do site, <h2> para os títulos dos artigos e <h3> para os subtítulos dos artigos.
  44. 44. 3.5 Resultados do blog Segredos Fashion 42 palavras-chaves condizentes às mesmas e com o atributo alt bem empregado e sempre pensando em SEO (vide figura B.10). Site Criar Site Responsivo: fatores off-page Por ser um site novo, ao rastreá-lo, nenhum link externo foi encontrado e nem links quebrados. Por conseguinte, o desempenho também não pode ser mensurado. 3.5 Resultados do blog Segredos Fashion Após um período de 30 dias, pode-se perceber um aumento nas três variáveis destacadas anteriormente na seção 3.3: visitas (22,60 %), visitantes únicos (23,19 %) e visualizações de página (21,80 %), vide figura 3.4. Figura 3.4: Visão geral do público-alvo pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. Foi notório também o aumento das variáveis de tráfego elencadas na seção 3.3: tráfego de pesquisa, com crescimento de 28,88 %; tráfego de referência, 5,76 % e tráfego direto com elevação percentual de 6,17 %. Maiores detalhes, vide figura 3.5. Após análise sobre o desempenho inicial, links quebrados e peso das imagens, foi possível notar grande mudanças positivas, que, de uma certa maneira, o site em alguns
  45. 45. 3.5 Resultados do blog Segredos Fashion 43 Figura 3.5: Visão geral do tráfego pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. períodos ficou mais veloz e com menos requisições ao servidor. Porém, este, sofreu algumas perdas de rendimento com relação às respostas de solicitações (vide figura 3.6). Figura 3.6: Desempenho do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. Outro detalhe importante foi a diminuição de links externos com direcionamento ao blog. Através do Bing Webmaster, pode-se perceber que, a partir do dia da inserção do blog em sua indexação até 30 de novembro de 2013, essa queda ficou comprovada (vide figura 3.7). Todavia, foi perceptível que, no período da ação contínua de SEO, a quantidade de páginas indexadas pelo Google cresceu, dando maior visibilidade ao blog (vide figura 3.8).
  46. 46. 3.6 Resultados do site Criar Site Responsivo 44 Figura 3.7: Links externos do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Bing Webmaster. Figura 3.8: Indexação de páginas do blog pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Webmaster. 3.6 Resultados do site Criar Site Responsivo Como o site foi criado pensando em SEO, focou-se apenas em algumas ações on-page, como objeto de estudo e para avaliar se somente com estas técnicas é possível obter um bom destaque nos mecanismos de busca. Outra observação é com relação à indexação do site, pois o mesmo não foi adicionado manualmente nos buscadores, mas sim, foi deixado no intuito dos spiders tentarem encontrá-lo. Assim, ao se ter uma visão geral do público-alvo, é percebido que, apesar de
  47. 47. 3.6 Resultados do site Criar Site Responsivo 45 está online há mais de 60 dias, os dados não foram muito animadores nesse quesito (vide figura 3.9). Figura 3.9: Visão geral do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. É possível observar que a ausência de tráfego desqualifica o site, como mostrado na figura 3.10. Como verificação da indexação da páginas pelo Google Webmaster, as quatro páginas criadas estão indexadas (vide figura 3.11).
  48. 48. 3.7 Discussão dos resultados 46 Figura 3.10: Tráfego geral do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Analytics. Figura 3.11: Indexação do site pós SEO. Fonte: Captura de tela criada pelo autor via Google Webmaster. 3.7 Discussão dos resultados Considerando todos os resultados e suas respectivas análises, é possível afirmar que o blog Segredos Fashion tem um grande potencial de aplicação e resultado para SEO, pois o pouco que foi implantado e aplicado, gerou bons resultados. E, mesmo com a barreira de grandes conteúdos para serem tratados, com a utilização da plataforma WordPress, onde as alterações em SEO podem ser aplicadas com mais rapidez e de
  49. 49. 3.7 Discussão dos resultados 47 maneira facilitada, o blog alcançou o resultado esperado. Outro fator importante é a continuidade do trabalho de SEO. Foi possível notar que a partir do momento que o tratamento de SEO deixou de ser aplicado e a não perpetuação das técnicas pela administradora, ocasionaram algumas perdas, tanto de indexação de páginas, quanto de visitações globais. Isso, pode-se dizer, que se houvesse alguma campanha de link patrocinado para o blog e sem o monitoramento de SEO, certamente os resultados seriam insatisfatórios. Quanto ao site Criar Site Responsivo, apesar de o seu desenvolvimento ter sido feito se pensando em SEO on-page, sem o SEO off-page, sem maior quantidade (e qualidade) do conteúdo, sem continuidade do trabalho e monitoramento de SEO, de nada adiantará continuar com um site no ar se ninguém o vê. Isso mostra que um código-fonte bem montado, estruturado, com aplicação correta de ações técnicas, não resolverá ou compensará a falta de ações externas ao site, que possam vir a atrair tráfego de pesquisa orgânica ou de referência. É importante frisar também que sem as ferramentas adequadas e sem a correta interpretação das informações reveladas por elas, fica praticamente impossível mensurar qualquer dado e, consequentemente, não poder ter uma ação estratégica, de ação ou reação para projetos de SEO. Com isso, pode-se afirmar que é imprescindível a utilização de tais ferramentas para o sucesso ou insucesso de ações de otimização para mecanismos de busca. Por fim, com este trabalho e seus resultados, foi possível perceber e conhecer um pouco como o Google, o Bing e Yahoo! atuam. Em algumas telas foi possível notar que o Bing e Yahoo! trabalham com um algoritmo semelhante, quem sabe, o mesmo, pois a ferramenta para webmasters consta a união de ambos mecanismos. Isso, demonstra que, mesmo o Google sendo líder no mercado de bucadores, o Bing e Yahoo! têm muito espaço a ser explorado.
  50. 50. CAPÍTULO 4 Conclusão Este capítulo, foi destinado à conclusão das análises dos estudos de casos apresentadas no capítulo anterior, juntamente com a conferência junto aos objetivos listados no início do projeto. E, em seguida, serão apresentadas as considerações finais do mesmo, ideias e sugestões para teses futuras. 4.1 Conclusão geral Neste trabalho, com a aplicação de uma pesquisa qualitativa exploratória, respaldada através de uma revisão bibliográfica diversificada, pode-se realizar um comparativo entre os estudos de caso (vide capítulo 3), mediante dados estatísticos gerados pelas ferramentas do Google Analytics, Google Webmaster e Bing Webmaster. Nos dois estudos, as técnicas de SEO on-page (vide seção 2.9) e SEO off-page (vide seção 2.10) foram empregadas para confrontá-las junto aos objetivos do trabalho e comprovar a eficácia das técnicas de otimização para melhorar o posicionamento dos sites analisados nos resultados das buscas orgânicas. Entretanto, é de comum acordo entre os autores que trabalhar com SEO como uma ciência exata é praticamente impossível, tendo em vista que os algoritmos dos motores de busca estudados (Google, Bing e Yahoo!) são de acesso restrito aos seus desenvolvedores. Portanto, todo o conteúdo da literatura, juntamente com esta monografia, trabalhou-se sobre aspectos de resultados, ou seja, daquilo que pode ser visto e interpretado por profissionais da área. Dentro deste contexto, pode-se concluir que a otimização de sites, apesar de está bastante em voga e com diversas empresas e profissionais atuantes neste mercado, há muito que ser explorado, principalmente no que se diz respeito ao comportamento dos motores de buscas, pois, como foi relatado, vivem em constante evolução. Ocorreram, durante o desenvolvimento do trabalho, várias dificuldades, tais como: a escolha sobre as palavras-chave a serem estudadas; por onde iniciar a aplicação das técnicas de SEO; as diferenças de indexação e rastreamento dos spiders entre os
  51. 51. 4.1 Conclusão geral 49 principais mecanismos de busca; o fato de trabalhar com um blog de terceiros, a aferição dos dados e se as ferramentas são confiáveis, entre outras. Assim, definitivamente, este estudo de caso revelou que com muito trabalho, as técnicas de otimização para mecanismos de busca pode dar um bom retorno para quem busca tráfego de qualidade e retorno de suas ações, comerciais ou simplesmente de audiência. E que há muito a ser explorado, principalmente pelo fato de os buscadores sofrerem atualizações constantes em seus algoritmos, forçando a criação, adaptação e/ou exclusão das técnicas de SEO afim de manter ou aumentar os resultados. Pode-se afirmar também que, apesar de todo aparato técnico, código bem identado e organizado, só isso não é suficiente para se obter bons resultados em SEO. O que não quer dizer que são dispensáveis, ao contrário, se o conteúdo for bom e atualizado, aliado à parte técnica, o sucesso é praticamente certo quando o assunto for otimização. Mas, este trabalho revelou várias possibilidades que podem servir de base a trabalhos futuros, como: • Avaliar e analisar o comportamento das redes sociais nos resultados das buscas orgânicas; • Analisar o comportamento das buscas em dispositivos móveis; • Analisar o quão eficiente ou não é o maior sistema de busca da Internet Google; e • Avaliar se o Search Engine Marketing (marketing para buscadores) associado ao SEO traz melhores resultados.
  52. 52. Referências Bibliográficas [1] A MBROGI , R. J.; M ATTHEWS , S. Optimizing your online shingle: on-page and off-page best practices. Law Practice Magazine, 37:28 – 32, 2011. Disponí- vel em: <http://www.jdsupra.com/legalnews/optimizing-your-online-shingle-on-page59154/>. Acesso em: 02 dez. 2013. [2] BHON, D. Sites dinâmicos com dreamweaver, php & mysql, 2004. [3] B RITO, D. Criação de sites na era da web 2.0. Brasport, Rio de Janeiro, 2011. [4] B UCKINGHAM , M. As tendências mais quentes de seo. Revista WWW, p. 26–31. Editora Europa, São Paulo, 95 edition, junho 2008. [5] COM S CORE I NC. Brazil digital future in focus 2013: key insights from 2012 and what they mean for the coming year. Disponível em: <http://goo.gl/LeMKia>. Acesso em: 17 out. 2013. [6] DAVIS , H.; I WANOW, D. Ferramentas de publicidade do Google: como ganhar dinheiro com o Adsense, o Adwords e as APIs do Google. Novatec, São Paulo, 2010. [7] DE A BREU DE S OUSA , A. O poder em ambientes digitais de redes sociais: como a comunicação e a internet influenciam o exercício e a manifestação do poder na contemporaneidade. Master’s thesis, USP - Universidade de São Paulo, 2011. Acesso em: 30 set. 2013. [8] DE O LIVEIRA , A. M.; F ERREIRA , H. T.; C ASIMIRO, V. A.; DOS S ANTOS , C. A. C. M. Search engine optimization - seo: a contribuição do bibliote- cário na otimização de websites para os mecanismos de busca. pectivas em Gestão & Conhecimento, 1:137–159, 2011. Pers- Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/10792>. Acesso em: 01 out. 2013. [9] E NG , E.; S PENCER , S.; F ISHKIN , R.; S TRICCHIOLA , J. C. A Arte de SEO: dominando a otimização dos mecanismos de busca. Novatec Editora, São Paulo, 2010.
  53. 53. Referências Bibliográficas 51 [10] F ELIPINI , D. Google Top 10: como colocar seu site ou blog na primeira página do Google. Brasport, Rio de Janeiro, 2010. [11] F ORMAGGIO, E. B. SEO Otimização de Sites: aplicando técnicas de otimização de sites com uma abordagem prática. Brasport, Rio de Janeiro, 2010. [12] G ABRIEL , M. SEM e SEO: dominando o marketing de busca. Novatec, São Paulo, 2 edition, 2012. [13] I NTERNET, P. Search engine use 2012. Disponível em: <http://goo.gl/wa4o2q>. Acesso em: 17 out. 2013. [14] J ERKOVIC, J. I. Guerreiro SEO: técnicas essenciais para aumentar a visibilidade na web. Novatec, São Paulo, 2010. [15] K ING , A. B. Otimização de Websites: guia definitivo. Alta Books Editora, Rio de Janeiro, 2009. [16] L EARY, S. WordPress 3: básico. Novatec Editora, São Paulo, 2010. [17] L EDFORD, J. L. SEO: otimização para mecanismos de busca. Alta Books Editora, Rio de Janeiro, 2008. [18] L OPES , S. A web mobile: programe para um mundo de muitos dispositivos. Casa do Código, São Paulo, 2013. [19] M AZZA , L. HTML5 e CSS3: domine a web do futuro. Casa do Código, São Paulo, 2013. [20] M ESTRE , A. Checklist de seo, 2013. Disponível em: <http://www.agenciamestre.com/checklist-seo>. Acesso em 8 ago. 2013. [21] M OZ . The beginner’s guide to search engine optimization (seo), 2013. Disponível em: <http://moz.com/beginners-guide-to-seo>. Acesso em 12 set. 2013. [22] S ILVA , M. S. Construindo sites com CSS e (X)HTML: sites controlados por folhas de estilo em cascata. Novatec Editora, São Paulo, 2008. [23] S ILVA , M. S. HTML5: a linguagem de marcação que revolucionou a web. Novatec Editora, São Paulo, 2011. [24] S TATS , S. G. Top 5 search engine from 2011 to 2012. Disponível em: <http://goo.gl/XTI2Bp>. Acesso em: 1 nov. 2013. [25] S TATS , S. G. Top 5 search engine in brasil from 2011 to 2012. Disponível em: <http://goo.gl/4lXTPI>. Acesso em: 1 nov. 2013.
  54. 54. Referências Bibliográficas 52 [26] S TATS , S. G. Top 5 search engine in china from 2011 to 2012. Disponível em: <http://goo.gl/cWyxgk>. Acesso em: 1 nov. 2013. [27] S TATS , S. G. Top 5 search engine in united states from 2011 to 2012. Disponível em: <http://goo.gl/ya9Gth>. Acesso em: 1 nov. 2013. [28] WALTER , A. Construindo websites que todos encontram! Alta Books, Rio de Janeiro, 2010. [29] YALÇIN , N.; KÖSE , U. What is search engine optimization: Seo? Procedia - Social and Behavioral Sciences, 9:487–493, 2010. Dispo- nível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1877042810022901>. Acesso: em 02 dez. 2013. [30] Z EMEL , T. Web Design Responsivo: páginas adaptáveis para todos os dispositivos. Casa do Código, São Paulo, 2012.
  55. 55. APÊNDICE A Códigos de exemplo em HTML 5 Código A.1 Palavras-chave na tag <title> 1 2 3 4 5 6 7 8 9 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Título que será exibido no navegador</title> </head> <body> </body> </html> Código A.2 Palavras-chave na tag <meta> de descrição 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Título que será exibido no navegador</title> <meta name="description" content="Descrição da página"> </head> <body> </body> </html> Código A.3 A tag <meta> de palavras-chave 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Título que será exibido no navegador</title> <meta name="description" content="Descrição da página"> <meta name="keywords" content="Palavras-chave da página"> </head> <body> </body> </html>
  56. 56. Apêndice A Código A.4 Palavras-chave no link do texto âncora 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title> Título que será exibido no navegador com palavra-chave </title> <meta name="description" content="Descrição da página com palavra-chave"> <meta name="keywords" content="Palavras-chave da página"> </head> <body> <a href="link-com-palavra-chave.html"> Texto âncora com palavra chave </a> 15 16 17 </body> </html> Código A.5 Nomes de arquivos de imagens e atributo alt 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title> Título que será exibido no navegador com palavra-chave </title> <meta name="description" content="Descrição da página com palavra-chave"> <meta name="keywords" content="Palavras-chave da página"> </head> <body> <a href="link-com-palavra-chave.html"> Texto âncora com palavra chave </a> <img src="imagens/foto-if-goiano.png" alt="Foto do IF Goiano - Campus Morrinhos"> </body> </html> Código A.6 Tag <title> para o blog Segredos Fashion 1 2 3 4 5 6 7 8 9 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Segredos Fashion - por Nara Borges</title> </head> <body> </body> </html> 54
  57. 57. Apêndice A Código A.7 Tag <description> para o blog Segredos Fashion 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Segredos Fashion - por Nara Borges</title> <meta name="description" content="Reúne vários assuntos do universo feminino desde a tendência do momento em moda até a resenha do produto de maquiagem que acaba de ser lançado, além da interatividade com as redes sociais e minhas seguidoras do blog."> </head> <body> </body> </html> Código A.8 Título e meta tags do site Criar Site Responsivo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 <!doctype html> <html lang="pt-BR"> <head> <meta charset="utf-8"> <meta name="author" content="CarlosHPS Web Designer"> <meta name="keywords" content="HTML5, CSS3, Web Satandards, Responsive Design, Design Responsivo, Criar Site Responsivo, CarlosHPS"> <meta name="description" content="Dicas e tutorias para criar um site com design responsivo. Desenvolvido por CarlosHPS Webdesigner."> <meta name="viewport" content="width=device-width, minimum-scale=1.0, maximum-scale=1.0"> <title>Criar Site Responsivo - Dicas e Tutoriais em Web Design Responsive</title> <link href="css/geral.css" type="text/css" rel="stylesheet" media="screen"> <link href=’http://fonts.googleapis.com/css?family=Open+Sans|Baumans’ rel=’stylesheet’ type=’text/css’> <!--[if lt IE 9]> <script src="http://html5shiv.googlecode.com/svn/trunk/html5.js"></script> <![endif]--> </head> <body> </body> </html> 55
  58. 58. Apêndice A Código A.9 Responsivo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 56 Palavras-chave na página e cabeçalhos do site Criar Site <!doctype html> <html> <head> <meta charset="utf-8"> <title>Criar Site Responsivo: dicas e tutorias para criar um site com design responsivo</title> </head> <body> <div id="layout"> <header class="topo_smartphone"> <h1 class="logo"> <a href="http://www.criarsiteresponsivo.com.br/" title="Criar Site Responsivo: dicas e tutorias para criar um site com design responsivo"> <img src="../imagens/criar-site-responsivo-logotipo.png" alt="Criar Site Responsivo: dicas e tutorias para criar um site com design responsivo" width="94%" /> </a> </h1> </header><!-- fim .topo_smartphone--> <section class="postagens"> <article class="interno">
  59. 59. APÊNDICE B Figuras e capturas de telas Figura B.1: Tela “Configurações de Links Permanentes” do WordPress. Fonte: Captura de tela criada pelo autor.
  60. 60. Apêndice B 58 Figura B.2: Exibição da descrição do blog nas SERP’s do Google, Bing e Yahoo!. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. Figura B.3: Aplicação da proeminência das palavras-chave. Fonte: Captura de tela criada pelo autor.
  61. 61. Apêndice B 59 Figura B.4: Aplicação dos atributos para imagens no WordPress. Fonte: Captura de tela criada pelo autor. Figura B.5: Links externos rastreados. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Bing Webmaster.
  62. 62. Apêndice B 60 Figura B.6: Links quebrados. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Google Webmaster. Figura B.7: Desempenho do blog. Fonte: Captura de tela criada pelo autor do Google Analytics.
  63. 63. Apêndice B 61 Figura B.8: Desenho do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor. Figura B.9: Domínio e URL do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor.
  64. 64. Apêndice B 62 Figura B.10: Domínio e URL do site Criar Site Responsivo. Fonte: desenvolvido pelo autor.

×