Aula Basica Oncologia

19,583 views

Published on

review for students of chemo treatment concepts

Published in: Health & Medicine

Aula Basica Oncologia

  1. 1. ABORDAGEM INICIAL DO PACIENTE COM CÂNCER INSTITUTO DE ONCOLOGIA DO VALE 2000
  2. 2. Avaliação multidisciplinar <ul><li>Coordenar atividades com especialistas: </li></ul><ul><ul><li>cirurgião - radioterapêuta - oncologista clínico </li></ul></ul><ul><ul><li>fisioterapêuta - assistente social - enfermeiro - farmacêutico - nutricionista - dentista - psicoterapêuta </li></ul></ul><ul><li>tratamento neoadjuvante, clips metálicos, suporte nutricional, dor pós-cirúrgica </li></ul><ul><li>diagnóstico : melhor opção de biopsia </li></ul>
  3. 3. <ul><li>performance clínica </li></ul><ul><li>manejo geral </li></ul><ul><li>decisão em oncologia </li></ul><ul><li>NCCN </li></ul><ul><li>guidelines </li></ul>
  4. 4. Objetivos do estagiamento: <ul><li>Auxiliar no planejamento do tratamento </li></ul><ul><li>auxiliar na avaliação das opções terapêuticas </li></ul><ul><li>facilitar a troca de informações entre centros </li></ul><ul><li>avaliar o resultado do tratamento </li></ul><ul><li>estimar o prognóstico e sobrevida pelo estagiamento e tratamento </li></ul>
  5. 5. Regras Gerais do TNM <ul><li>T extensão do tumor primário </li></ul><ul><li>N presença ou ausência de extensão em linfonodos regionais </li></ul><ul><li>M presença ou ausência de metástases a distância </li></ul>
  6. 6. Definição de Doença Loco Regional Drenagem linfática do câncer de mama
  7. 7. TNM <ul><li>Classificação clínica cTNM </li></ul><ul><li>Classificação patológica pTNM </li></ul><ul><li>Classificação de retratamento rTNM </li></ul><ul><li>Classificação de autópsia aTNM </li></ul><ul><ul><li>uma vez estabelecido o TNM, ele não poderá ser modificado - permanecendo inalterado durante o tratamento - se houver progressão utilizar o rTNM </li></ul></ul>
  8. 8. TNM
  9. 9. TNM Sobrevida por estágios em Câncer de Mama
  10. 10. Linite Plástica
  11. 11. Câncer de Pulmão
  12. 12. Pulmão IIIB
  13. 13. Doença de Hodgkin II E (bulky)
  14. 14. Fator Prognóstico <ul><li>Elemento clínico ou biológico associado a sobrevida global ou livre de doença. </li></ul><ul><li>É a base do raciocínio oncológico. </li></ul><ul><li>Varia de doença para doença. </li></ul>
  15. 15. Linfoma não Hodgkin
  16. 16. Linfoma não Hodgkin
  17. 17. Grau Histológico Adenocarcinoma de próstata Gleason grau 1
  18. 18. Grau Histológico Adenocarcinoma de próstata Gleason grau 2
  19. 19. Grau Histológico Adenocarcinoma de próstata Gleason grau 4
  20. 20. Grau Histológico Adenocarcinoma de próstata Gleason grau 5
  21. 21. Objetivos terapêuticos <ul><li>Cura </li></ul><ul><li>Sobrevida livre de doença e tempo de sobrevida </li></ul><ul><li>Prevenção da recidiva local </li></ul><ul><li>Paliação dos sintomas </li></ul><ul><li>Melhor resultado funcional </li></ul><ul><ul><li>tratamento fútil </li></ul></ul>
  22. 22. Estratégias de Tratamento <ul><li>Tratamento loco regional </li></ul><ul><ul><li>cirurgia </li></ul></ul><ul><ul><li>radioterapia </li></ul></ul><ul><li>Tratamento sistêmico </li></ul><ul><ul><li>quimioterapia </li></ul></ul><ul><ul><li>bioterapia </li></ul></ul><ul><ul><li>hormonoterapia </li></ul></ul><ul><li>Pesquisa Clínica </li></ul>
  23. 23. Reabilitação <ul><li>Sociabilização é fundamental o sucesso do tratamento </li></ul><ul><li>Readaptação ao trabalho </li></ul><ul><li>Readaptação na família </li></ul><ul><li>Suporte social </li></ul><ul><li>Reabilitação: </li></ul><ul><ul><li>Dentista, Fisioterapêuta </li></ul></ul><ul><ul><li>Fonoaudiólogo Nutricionista </li></ul></ul>
  24. 24. Avaliação histopatológica <ul><li>Congelação </li></ul><ul><li>Citopatológico - aspiração </li></ul><ul><li>Core biopsy </li></ul><ul><li>Grau Nuclear </li></ul><ul><li>Grau Histológico </li></ul><ul><li>Subtipos morfológicos </li></ul><ul><li>Imunohistoquimica </li></ul>
  25. 25. Imunohistoquimica <ul><li>Antígeno Distribuição Uso diagnóstico </li></ul><ul><li>Citoqueratina epitelial linf. X melanoma X carcinoma </li></ul><ul><li>Antig memb epitelial epitelial melanoma X carcinoma </li></ul><ul><li>LCA leucocitos linf. X melanoma X carcinoma </li></ul><ul><li>Desmina miócitos sarcoma miogênico </li></ul><ul><li>PSA epit prost próstata </li></ul><ul><li>AFP figado/germ ca embrion, hepatoma </li></ul><ul><li>GCDF p-15 mama mama </li></ul><ul><li>HMB-45 melanocitos melanoma </li></ul><ul><li>Cromogranina A neuroendoc tumores neuroendocrinos </li></ul>
  26. 26. Imunohistoquimica <ul><li>Cancer de mama RE positivo </li></ul>
  27. 28. Marcadores tumorais <ul><li>hCG </li></ul><ul><li>AFP </li></ul><ul><li>CEA </li></ul><ul><li>CA 15-3 </li></ul><ul><li>CA 27-29 </li></ul><ul><li>PSA </li></ul><ul><li>FAP </li></ul><ul><li>CA 125 </li></ul><ul><li>CA 19-9 </li></ul><ul><li>CA 72-4 </li></ul><ul><li>NSE </li></ul><ul><li>FA </li></ul><ul><li>DHL </li></ul><ul><li>Imunoglobulina monoclonal </li></ul>
  28. 29. Invasão e Metástase <ul><li>O processo das metástases em um tumor é bastante seletivo e exige uma grande série de passos sequenciais sem os quais não haverá a metástase. </li></ul><ul><li>Todos os passos são necessários para o processo. </li></ul><ul><li>Nem todas as células de um tumor serão capazes de produzir filhas “capazes” para o processo. </li></ul>
  29. 30. Processo de metástase Tumor primário angiogênese Crescimento progressivo Mobilidade e detachamento Invasão Embolização Agregação Sobrevida Adesão Arresto extravasamento evasão de defesas angiogênese Crescimento progressivo METÁSTASE
  30. 31. Potencial metastático das células <ul><li>Correlaciona-se diretamente com a expressão de genes independentes que regulam: </li></ul><ul><ul><li>crescimento  EGFR </li></ul></ul><ul><ul><li>angiogênese  VEGF, VPF, bFGF, IL-8 </li></ul></ul><ul><ul><li>invasão  MMP-2 , MMP-9 </li></ul></ul>
  31. 32. Ciclo Celular G 0: células fora do ciclo por privação de nutrientes ou reserva para repopulação Celulas irreversivelmente fora do ciclo: diferenciadas ou maduras morte G1 M G2 S
  32. 33. <ul><li>Células cancerosas. </li></ul><ul><li>Modelo de Células Tronco Para o Crescimento Tumoral. </li></ul><ul><li>Carcinogênese multistep. </li></ul><ul><li>Oncogênese </li></ul>
  33. 34. A Dose Faz o Tratamento <ul><li>Relação entre sobrevida de células tumorais e dose de droga: </li></ul><ul><li>dN  NdD </li></ul><ul><li>dN = - KNdD - K(D- D 0 ) </li></ul><ul><li>N = N 0 e </li></ul><ul><li>dose de 1,5g de ciclofosfamida - K(D- D 0 ) N = N 0 e ; N 0 = 10 11 onde D 0 = 0 -5(1,5-0) e 5,5 x 10 7 células </li></ul><ul><li>baixando a dose para 750mg: -5(0,75-0) e 5,5 x 10 9 células </li></ul>
  34. 35. Goldie and Coldman <ul><li>P 0 = 1/e  (n-1) </li></ul><ul><li>P 0 é a probabilidade de não haver resistência tumoral em um tumor contendo N células e com taxa de mutação espontânea de  . </li></ul><ul><li>Um tumor com 10 6 células e com taxa de mutação de 10 -7 possui apenas 10% de chance de células resistentes. Se houver o crescimento de 1,5 log(para 5 x 10 7 ), haverá uma chance de resistência acima de 99%. </li></ul>
  35. 36. Mensagem de Goldie-Coldman <ul><li>Tumores menores são mais fáceis de curar. </li></ul><ul><li>O melhor momento de tratar é o mais breve possível após o diagnóstico. </li></ul><ul><li>A combinação deve usar drogas sem resistência cruzada </li></ul><ul><li>O uso de múltiplas drogas em combinação reduz a chance de mutações espontâneas. </li></ul><ul><li>[esquemas alternados são melhores que os seqüenciais] </li></ul>
  36. 37. Modalidades do Tratamento <ul><li>Tratamento pode incluir tanto cirurgia, quimioterapia ou radioterapia. </li></ul><ul><li>INDUÇÃO - NEO ADJUVANTE </li></ul><ul><li>CURATIVO - DEFINITIVO - RADICAL </li></ul><ul><li>ADJUVANTE </li></ul><ul><li>PALIATIVO </li></ul><ul><ul><li>PROLONGAR SOBREVIDA </li></ul></ul><ul><ul><li>MELHOR QUALIDADE DE VIDA </li></ul></ul><ul><ul><li>ALIVIAR SINTOMAS </li></ul></ul>
  37. 38. Crescimento Tumoral <ul><li>Curva de Gompertz: </li></ul><ul><li>Modelo matemático de expectativa de vida </li></ul><ul><li>Usando a equação de Gompertz, o tempo entre a primeira e a 10 9 célula é inferior a 2 anos. </li></ul><ul><li>entre a 10 9 e a 10 12 célula pode ser menos de 1 semana. </li></ul>morte Detecção clínica Tempo Número de células 10 9 10 12
  38. 39. Quimioterapia Neoadjuvante Pré-quimioterapia mastectomia Pós-quimioterapia quadrantectomia
  39. 40. Quimioterapia Adjuvante <ul><li>Micrometástases: </li></ul><ul><ul><li>conceito de disseminação sistêmica da doença: mesmo tumores localizados e pequenos podem apresentar disseminação precoce à distância </li></ul></ul><ul><li>Fatores Prognósticos são decisivos na indicação terapêutica: </li></ul><ul><ul><li>o TNM ainda é o mais importante fator prognóstico para a maioria das doenças </li></ul></ul>
  40. 41. Quimioterapia Curativa <ul><li>Doses eficazes de quimioterapia são capazes de curar completamente o câncer </li></ul><ul><li>Em apenas alguns tipos de câncer </li></ul><ul><ul><li>testículo </li></ul></ul><ul><ul><li>doença trofoblástica </li></ul></ul><ul><ul><li>linfomas </li></ul></ul><ul><ul><li>leucemias </li></ul></ul><ul><ul><li>tumores germinativos </li></ul></ul><ul><ul><li>tumores da infância </li></ul></ul>
  41. 42. Doença de Hodgkin II B
  42. 43. Seguimento <ul><li>Diagnosticar e tratar das complicações a longo termo do tratamento </li></ul><ul><li>Estratégias preventivas: dieta, sol, fumo, etc </li></ul><ul><li>Detecção precoce de segunda neoplasia </li></ul><ul><li>Diagnóstico e tratamento de recidiva </li></ul><ul><li>Detecção de deficits funcionais ou físicos </li></ul>
  43. 44. Seguimento e Metástases Câncer de Mama
  44. 45. Toxicidade do Tratamento
  45. 47. Próxima aula <ul><li>Quimioterapia: drogas e manuseio </li></ul><ul><li>Princípios de combinação </li></ul>
  46. 48. Critérios de Screening da WHO <ul><li>Problema de saúde pública relevante </li></ul><ul><li>Tratamento eficaz para doença localizada </li></ul><ul><li>Condições para diagnóstico e tratamento disponíveis </li></ul><ul><li>Técnica de rastreamento eficaz </li></ul><ul><li>Técnicas aceitáveis pela população geral </li></ul><ul><li>História natural da doença bem conhecida </li></ul><ul><li>Estratégias claras para determinar quem será rastreado </li></ul><ul><li>Custos aceitáveis de rastreamento. </li></ul>
  47. 49. Guidelines da ACS Mulheres dos 20-39 anos <ul><li>Checkup para câncer a cada 3 anos, incluindo exame da cavidade oral, tiróide, pele, linfonodos e ovários. </li></ul><ul><li>Auto exame mensal das mamas. </li></ul><ul><li>Exame clínico das mamas cada 3 anos. </li></ul><ul><li>Pap test e exame pélvico anual. Após 3 exames normais o teste pode ser a cada 2-3 anos. </li></ul>
  48. 50. Guidelines da ACS Mulheres dos 40-49 anos <ul><li>Checkup anual para câncer. </li></ul><ul><li>Exame retal digital anual. </li></ul><ul><li>Auto exame das mamas mensal. </li></ul><ul><li>Mamografia a cada 1- 2 anos. </li></ul><ul><li>Exame pélvico anual. </li></ul><ul><li>Na menopausa: coleta de tecido uterino em pacientes de alto risco. </li></ul>
  49. 51. Guidelines da ACS Mulheres acima dos 50 anos <ul><li>Checkup de câncer anual, que inclua todos os anteriores. </li></ul><ul><li>Sangue oculto nas fezes anual. </li></ul><ul><li>Sigmoidoscopia a cada 3 a 5 anos. </li></ul><ul><li>Mamografia anual. </li></ul>
  50. 52. Guidelines da ACS Homens dos 20-49 anos <ul><li>Checkup a cada 3 anos para câncer, incluindo exame da cavidade oral, tiróide, pele, linfonodos, próstata e testículos. </li></ul><ul><li>A partir dos 40: </li></ul><ul><li>checkup anual. </li></ul><ul><li>exame retal e palpação da próstata anual. </li></ul>
  51. 53. Guidelines da ACS Homens acima dos 50 anos <ul><li>Checkup anual incluindo todos os anteriores. </li></ul><ul><li>Exame retal com palpação da próstata anual. </li></ul><ul><li>Sangue oculto nas fezes anual. </li></ul><ul><li>Sigmoidoscopia a cada 3 a 5 anos. </li></ul><ul><li>PSA anual. </li></ul>

×