Oriente Médio

14,100 views

Published on

1 Comment
25 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
14,100
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,686
Actions
Shares
0
Downloads
1,397
Comments
1
Likes
25
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Oriente Médio

  1. 1. ORIENTE MÉDIO PROF. CARLOS BIDU
  2. 2. O ORIENTE MÉDIO NO MUNDO
  3. 3. ORIENTE MÉDIO • Palco dos principais conflitos da atualidade. Motivos: território e religião. • Berço das grandes civilizações e religiões judaica, cristã e muçulmana (predomínio atual do islamismo). • 90% da sua área é dominada pelos climas árido e semi-árido = escassez de água. • Contém as maiores reservas de petróleo do mundo.
  4. 4. Principais conflitos no Oriente Médio: • Conflito árabe- israelense • Guerras envolvendo o Iraque • Guerras no Afeganistão • Conflitos no Líbano. • Tensão no Irã (persas x árabes)
  5. 5. • CRONOLOGIA: • 70 d.C. Diáspora. Os hebreus foram expulsos da palestina pelos romanos e dispersos pelas várias províncias do Império Romano. • 1876 – Movimento sionista defende a criação de um lar nacional judeu na antiga região da Palestina. • 1917 – Declaração Balfour. Inglaterra demonstra apoio para a criação de um Estado judeu. • 1919 _ Com o fim da Primeira Guerra Mundial o Oriente Médio foi dividido entre Inglaterra e França. A Inglaterra passa a controlar a Palestina. • 1933 _ Os nazistas conquistam o poder na Alemanha. Começam as perseguições aos judeus. Leis de Nuremberg, noite de Cristal, campos de concentração • 1939-45 _ Segunda Guerra Mundial e holocausto de 6 milhões de judeus • 1948 _ Plano de partilha da ONU previa a criação de dois Estados na Palestina, um judeu e outro árabe. • 1948 _ Bem Gurion e a criação do Estado de Israel
  6. 6. Conceitos Importantes • Judeu: é aquele que, em termos religiosos, culturais e genealógicos se considera judeu. • Hebreu: refere-se ao povo de Abraão. • Israelense: cidadão do Estado de Israel, sem distinção étnica ou religiosa. • Israelita: adepto da religião judaica. • Fundamentalismo Islâmico: movimento religioso ortodoxo que busca no islã orientações para a vida prática e as atividades políticas. • Fatwa: em árabe, significa sentença de morte proferida contra um inimigo do islamismo. • Sharia: conjunto de leis islâmicas.
  7. 7. 3 - O SIONISMO: • Movimento nacionalista judaico. • Theodor Herzl (1897) • Criação do Estado para os judeus. • Situação dos judeus: – Dispersos desde a tomada da Palestina pelos romanos em 70 d.C. – Sem direitos civis plenos – Sujeitos a constantes perseguições. • Sionistas de esquerda compram terras na Palestina e instalam primeiros Kibutzim (comunidades agrícolas onde a propriedade da terra é coletiva).
  8. 8. ISRAEL: UM ENCLAVE NO ORIENTE MÉDIO
  9. 9. Israel para os judeus • 1947 – ONU dividiu a Palestina Palestina para os árabes Jerusalém (área internacional)
  10. 10. - Vizinhos árabes não aceitaram um país judeu entre eles = primeira guerra árabe-israelense! - 1967: guerra dos 6 dias – Israel vence e toma toda a Palestina, além de parte do Egito e da Síria.
  11. 11. • Com a criação do Estado de Israel aproximadamente 900mil palestinos que viviam na região foram expulsos. • A localização estratégica do Oriente Médio, eixo de ligação entre a Europa, a África e a Ásia atrai o interesse das grandes potências. • O fato de ser uma região rica em petróleo também desperta o interesse das potências.
  12. 12. Diferenças que vão além da religião Israel • Religião judaica • País rico • Alto padrão de vida • Tecnologia avançada • País de cultura ocidental • Apoio dos EUA • Vitorioso nas guerras Países árabes • Religião islâmica • Países pobres • Baixo padrão de vida. • Tecnologia atrasada • Rejeição a cultura ocidental • Sem o apoio dos EUA • Derrotados nas guerras
  13. 13. ISRAEL E OS MOVIMENTOS RADICAIS A. O HEZBOLLAH (Partido de Deus): O Hezbollah, Hizbollah, Hizbolá ou Hizbullah (conforme a transliteração do árabe ) o que significa "Partido de Deus“, é uma organização política e militar dos muçulmanos xiitas do Líbano, criada em 1982 no contexto da invasão de Israel ao sul do Líbano. Considerado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos da América e por Israel, esta classificação não é contudo partilhada pela União Europeia. Para muitos habitantes do Líbano (incluindo cristãos) e do mundo islâmico, o Hezbollah é uma organização política armada de resistência a existência do Estado judeu.
  14. 14. B. O HAMAS (FAIXA DE GAZA): O Hamas (acrônimo de Harakat al-Muqawamah al- Islamiyyah) é um movimento político Palestino, cuja sigla designa o Movimento de Resistência Islâmica, ou seja, luta contra a existência do Estado de Israel (Estado esse criado, pela ONU, após a Segunda Guerra Mundial para abrigar os judeus). Criado, em 1987 na cidade de Gaza, a qual situa-se na Faixa de Gaza, preconiza a luta contra Israel, por todos os meios, visando a libertação da Palestina "... desde o Rio Jordão até o mar". O Hamas é responsável por várias ações armadas e terroristas contra Israel.
  15. 15. Hezbollah –Hamás Hezbolláh (libaneses financiados pela Síria) Hamás (palestinos financiados pelo Irã)
  16. 16. C. AL-FATAH (A CONQUISTA): O Movimento de Libertação Nacional da Palestina, conhecido como Al-Fatah ou Fatah (que significa conquista), é uma organização política e militar, fundada em 1959 pelo engenheiro e ativista político Yasser Arafat. Os membros desse grupo defendiam a luta armada e o uso do terrorismo para expulsar Israel dos territórios ocupados. Arafat ocupou o Conselho Revolucionário da OLP, atuando como seu braço armado.
  17. 17. • Principal líder da luta palestina para reivindicar suas terras de volta: Yasser Arafat, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP). Arafat morreu em dezembro de 2004. • Em janeiro de 2005, Mahmoud Abbas foi eleito presidente da ANP. • A Faixa de Gaza e a Cisjordânia estão em processo de devolução aos palestinos. Yasser Arafat Mahmoud Abbas
  18. 18. Xiitas São partidários de Ali, marido de Fátima, filha de Maomé. São os líderes da comunidade e continuadores da missão espiritual de Maomé. Possuem sua própria interpretação da Sharia, que é o corpo da Lei religiosa que orienta os Sunitas e os Xiitas. O Islão não faz bem a distinção entre vida religiosa e secular, e portanto a Sharia cobre não só o rituais religiosos e a administração Os principais grupos muçulmanos Sunitas São os seguidores da tradição do profeta, continuada por All-Abbas, seu tio. Aproximadamente 85% dos muçulmanos do mundo fazem parte do grupo sunita. De acordo com os sunitas, a autoridade espiritual pertence a toda comunidade. Os muçulmanos estão divididos em dois grandes grupos: Saddam Hussein foi condenado à morte por enforcamento pelo Alto tribunal penal iraquiano, pela execução de 148 xiitas de Dujail. workforall.net
  19. 19. Um fator que gerou maior visibilidade aos países islâmicos está em sua imensa riqueza estratégica: são donos das mais generosas reservas de petróleo do mundo. Entre os cinco maiores produtores de óleo do Oriente Médio, o PIB conjunto quadruplicou nos últimos trinta anos, enquanto o PIB mundial apenas dobrou de tamanho. O crescimento do rebanho e a fartura do petróleo, no entanto, produziram um barril de pólvora. Reservas mundiais de petróleo Riqueza x problemas
  20. 20. Em geral, os regimes dos países islâmicos são ditaduras teocráticas e a riqueza não é distribuída, deixando a maior parte da população relegada à miséria. É dentro desse caldeirão paradoxal que ressurgiu a força da religião, em especial depois da Revolução Islâmica no Irã, em 1979. O Islã é multifacetado por várias nações, mas tem uma característica curiosa: não produziu um só país democrático e desenvolvido. O contraste entre a pobreza dos fiéis e a riqueza do Ocidente fomentou rancor. www.geocities.com A resposta às dificuldades materiais e à falta de liberdade, levantada nas mesquitas, é a de que a identidade religiosa supera todos os valores políticos. Bomba - relógio
  21. 21. CRONOLOGIA RECENTE: • 1996: – Partido Likud (direita conservadora de Israel) vence eleições para o parlamento. O primeiro ministro passa a ser Benjamin Netanyahu. – Talibãs afegãos implantam regime fundamentalista no Afeganistão. Mohamed Omar – líder talibã
  22. 22. • 1999: – Morre o Rei Houssein, da Jordânia. – Partido Trabalhista (esquerda de Israel) vence eleições para o parlamento. O primeiro ministro passa a ser Ehud Barak. • 2000: – General israelense Ariel Sharon (responsável pela campanha que provocou os massacres dos campos de refugiados palestinos de Sabra e Chatila no Líbano em 1982) visita a esplanada das mesquitas, em Jerusalém, Israel. – Início de uma segunda e violenta Intifada, em Israel. SHARON REI HUSSEIN
  23. 23. • 2001: – Atentados ao WTC e Pentágono, nos EUA, pelos quais são responsabilizados o regime Talibã do Afeganistão e o líder saudita supostamente lá refugiado Osama Bin Laden. – Operação “Liberdade Duradoura” como resposta aos atentados do WTC tem início no Afeganistão. Atentado ao WTC Bin Laden
  24. 24. – Cai o regime Talibã no Afeganistão. – Partido Likud vence eleições para o parlamento. O primeiro ministro passa a ser Ariel Sharon. • 2002: George Bush cita como representantes do “Eixo do Mal” os seguintes países: Iraque, Irã e Coréia do Norte. ONU aprova resolução de apoio a criação do Estado Palestino. Síria retira-se da região central do Líbano.
  25. 25. Terrorismo-O Eixo do Mal
  26. 26. – Israel começa a construção de muro para separar israelenses e palestinos na Cisjordânia. – Iniciam inspeções da ONU no Iraque para verificar a produção de armas químicas. • 2003: – EUA invade o Iraque com auxílio da Inglaterra sem a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. • 2004: – Morre o líder palestino Yasser Arafat.
  27. 27. • 2005: – Síria retira-se do Líbano. – Israel desocupa colônias judaicas na Faixa de Gaza e inicia desocupação também na Cisjordânia.
  28. 28. 10/02/2004 - 09h46 Saiba mais sobre o "muro de proteção" da Cisjordânia (da Folha Online) Os israelenses começaram a construir, em junho de 2002, entre Israel e a Cisjordânia um "muro de proteção" destinado a impedir ataques palestinos. A construção do "muro de proteção" foi requisitada pela direita e esquerda israelenses, após a onda de atentados suicidas que atingiu Israel desde o início da segunda Intifada (revolta palestina contra a ocupação israelense) no final de setembro de 2000. Com extensão prevista de 350 km, o "muro de proteção" deve cobrir do norte ao sul a "linha verde" e englobar também o setor oriental de Jerusalém, anexado por Israel desde 1967, e onde os palestinos pretendem construir um dia a capital do seu Estado. O complexo defensivo deve ser alto em alguns pontos e ainda terá dispositivos eletrônicos capazes de detectar infiltrações, fossas antitanques e pontos de observação e patrulha. Em certos lugares, como na região da cidade palestina de Qalqiliya, o "muro de proteção" chegaria à altura de oito metros. Em alguns pontos, a construção tem 45 metros de largura, que em outros pontos pode chegar a 75 ou 100 metros. Prevê-se que a construção vá custar US$ 1 bilhão. Até agora, acredita-se que a obra defensiva já custou cerca de US$ 2 milhões ao Estado de Israel.
  29. 29. http://www.youtube.com/watch?v=iPIFHUg_ER4&feature=related
  30. 30. OS PRINCIPAIS CONFLITOS ÁRABES E ISRAELENSES AO LONGO DO SÉCULO Guerra de Suez ( 1956) – Israel, com o apoio da França e Reino Unido, que utilizavam o canal para ter acesso ao comércio oriental, declarou guerra ao Egito, que tinha nacionalizado o canal de Suez. No desenrolar do conflito, os egípcios foram derrotados, mas os Estados Unidos da América e a União Soviética interferiram, e em 1959 obrigaram os três países a retirarem-se dos territórios ocupados. Guerra dos Seis Dias (1967) – Conflito entre palestinos e israelenses, no qual os israelenses saíram vitoriosos ocupando territórios da Síria, Egito e Jordânia. Guerra do Yom Kippur / Ramadã (1973) – os egípcios assinaram, sem concordância da Síria e Jordânia, o Acordo de Camp David com Israel, pelo qual receberam de volta a península do Sinai. A primeira Intifada (1980) – “Revolta das Pedras” Crianças e jovens palestinos atacavam os tanques Israelenses com pedras.

×