SlideShare a Scribd company logo
1 of 24
Analisador de Vibrações – modo de funcionamento V
www.dmc.pt
7 - Largura de banda em tempo real nos
analisadores de vibrações
8 - Processamento em sobreposição (“overlap”)
Sobre a DMC e a D4VIB
equipamentos e serviços de manutenção preditiva
Adaptamo-nos às
suas necessidades !
Software
Hardware
Formação
Implementação
Medições
Apoio técnico
Relatórios
1. Compreender a relação entre tempo e frequência num analisador de vibrações
2. Amostragem e digitalização num analisador de vibrações
3. O que é o Aliasing num analisador de vibrações
4. A implementação do zoom num analisador de vibrações
5. A implementação de janelas na forma de onda (windows) num analisador de vibrações
6. As médias num analisador de vibrações
7. Largura de banda em tempo real nos analisadores de vibrações
8. Processamento em sobreposição (“overlap”)
9. Seguimento de ordens
10. Análise do envelope
11. Funções de dois canais
Conteúdo do curso
Vibrações
Termografia
Ultrassons
Análise de
motores
elétricos
Tecnologias preditivas
Emissão
acústica
Medição de
tensão em
veios
7) Largura de banda em tempo real nos analisadores de
vibrações
8) Processamento em sobreposição (“overlap”)
Conteúdo desta apresentação
Equilibragem
no local
Proteção
de
rolamentos
Tecnologias corretivas
Alinhamento
de veios
Calibração de
cadeias de
monitorização
de vibrações
Um espetro a cada nova amostra
• Até agora tem-se ignorado o facto de que vai demorar algum
tempo para o analisador de vibrações calcular o espetro FFT,
a partir de um bloco de tempo.
• Na verdade, caso se pudesse calcular o espetro FFT, em
menos tempo do que o período de amostragem de um
bloco, poderíamos continuar a ignorar este tempo de
cálculo.
• A Figura mostra que, nesta condição, se poderia obter um
novo espectro de frequência com cada amostra.
• Como se viu na seção sobre o aliasing, isto poderia resultar
em muito mais espectros, a cada segundo, do que se poderia
compreender.
Operação em tempo real, em que o tempo de cálculo do espetro é igual ou
menor, que o tempo de aquisição de um bloco de tempo
• Uma alternativa razoável é adicionar uma
memória de bloco de tempo ao diagrama de
blocos do analisador.
• Na Figura podemos ver que isso permite calcular o
espectro de frequência do bloco de tempo
anterior, ao adquirir o bloco de tempo atual.
• Se pudermos calcular a transformada FFT antes
que a memória do bloco de tempo esteja cheia,
então diz-se que se está a operar em tempo real.
Operação em tempo não real, em que o tempo de cálculo do espetro é maior
que o tempo de aquisição de um bloco de forma de onda
• Para ver o que isto significa, olha-se para o caso em que a
computação FFT leva mais tempo do que o tempo para
preencher a memória do bloco de tempo.
• Esta situação é ilustrado na Figura.
• Embora a memória esteja cheia, não se terminou a
última transformada de FFT, então tem-se que parar de
amostrar dados.
• Quando a transformação estiver concluída, pode-se
transferir o bloco de tempo para o FFT e começar a
adquirir outro bloco de tempo.
• Isso significa que se perdem algumas amostras de
entrada e por isso diz-se que não se está operar em real.
Largura de banda em tempo real
• Recorde-se que a duração do bloco de tempo não é constante, mas deliberadamente variada
para alterar a gama de frequência do espetro que se pretende ver no analisador de vibrações.
• Para gamas de frequência maiores a duração do bloco de tempo é menor.
• Portanto, à medida que aumentamos a gama de frequência do analisador, eventualmente
alcançamos uma situação em que a duração do bloco de tempo é igual ao tempo de cálculo do
FFT.
• Este valor de frequência é designada de largura de banda em tempo real.
• Para gamas de frequência dentro e abaixo da largura de banda em tempo real, o analisador não
perde nenhuma amostra da forma de onda.
Relevância da largura de banda em tempo real
1. Observar a variação de velocidade numa
máquina
2. Média RMS
3. Eventos de vibrações transitórias
Relevância da largura de banda em tempo real - observar a variação de
velocidade numa máquina
• Caso se esteja a medir o espectro ou a resposta de frequência de uma máquina que está a
variar de velocidade, é necessário observar a mudança de espectro, no que pode ser chamado
de tempo real psicológico.
• Um novo espectro a cada poucos décimos de segundo é suficientemente rápido para permitir
que um técnico observe variações no que ele consideraria ser em tempo real.
• No entanto, se o tempo de variação de velocidade da máquina for longo, a velocidade do
analisador é irrelevante.
• Tem-se que esperar que a máquina responda às mudanças, antes que o espectro seja válido,
não importa quantos espectros se gerem nesse tempo.
Relevância da largura de banda em tempo real - Média RMS
• Pode-se estar interessado em achar a média de um sinal, que está
sempre a variar.
• Não há nenhuma exigência na execução da média de que os
blocos de tempo adquiridos devam ser consecutivos, sem lacunas.
• Portanto, uma reduzida largura de banda, em tempo real, não
afetará a precisão dos resultados.
• No entanto, a largura de banda em tempo real, afetará a
velocidade com que uma medição média rms, pode ser feita.
• A Figura mostra que, para uma frequência sinusoidal acima da
largura de banda em tempo real, o tempo para completar a média
de N blocos, depende apenas do tempo para calcular as N
transformadas FFT.
• Em vez de reduzir continuamente o tempo para calcular a média
rms, à medida que aumentamos a gama de frequência, chegamos
a um tempo fixo para calcular as N médias.
Tempo total de execução
de N médias RMS
Relevância da largura de banda em tempo real - Eventos de vibrações
transitórias
• Se todo o transitório se encaixar dentro da duração do
bloco de bloco de tempo, o tempo de computação FFT é
de pouco interesse.
• O analisador pode ser acionado pelo transitório e pelo
evento armazenado na memória do bloco de tempo.
• O tempo para calcular o espectro não é importante.
• No entanto, se um evento transitório contém energia de
alta frequência e dura mais do que o bloco de tempo
necessário para medir a energia de alta frequência, então
a velocidade de processamento do analisador é crítica.
• Como se mostra na Figura b), alguns dos transitórios não
serão analisados se o tempo de cálculo exceder o tempo
do bloco de tempo.
Relevância da largura de banda em tempo real – arranque de uma máquina
• No caso dos transientes mais longos do que o
bloco de tempo, também é imperativo que haja
alguma maneira de registrar rapidamente o
espectro.
• Caso contrário, as informações serão perdidas à
medida que o analisador atualizar o ecrã com o
espectro do bloco de tempo mais recente.
• Nestas condições, é necessário uma apresentação
gráfica que possa mostrar mais de um espectro
(gráfico em Cascada), como se pode ver na Figura e
uma boa memória.
• O analisador de vibrações deve ser capaz de gravar
um espectro de cada bloco de tempo ou a
informação será perdida.
Processamento em sobreposição (“overlap”)
• Para entender o processamento de sobreposição, vamos
olhar para a).
• Vê-se uma análise de baixa frequência em que a recolha
de um bloco de tempo leva muito mais tempo do que o
tempo de cálculo do FFT.
• O processador do FFT está à espera a maior parte do
tempo.
• Se em vez de se esperar por um bloco de tempo
totalmente novo, se sobrepuser o novo bloco de tempo
com alguns dos dados antigos, ter-se-á um novo
espectro tão frequentemente quanto se calcula o FFT.
• Este processamento de sobreposição é ilustrado na
Figura b).
• Para se entender os benefícios do processamento de
sobreposição, vão se ver os mesmos casos que se
usaram atrás.
Processamento em sobreposição - Observar uma variação de velocidade numa
máquina
• Viu-se anteriormente, que se precisa de um novo espectro a cada poucos décimos de segundo
ao observar uma máquina, em variação de velocidade.
• Sem processamento de sobreposição, isso limita a resolução a alguns Hz. Efetivamente quando
se vai para resoluções maiores os analisadores de vibrações ficam muito lentos, por causa da
longa duração da aquisição de um bloco de tempo.
• Com o processamento de sobreposição a resolução é ilimitada.
• No entanto isto tem limitações. Como o bloco de tempo sobreposto contém dados antigos da
velocidade anterior, ele não está completamente correto. Ele indica a direção e a quantidade
de mudança, mas deve-se esperar um bloco em tempo integral após a mudança para que o
novo espectro seja exibido com precisão.
• No entanto, ao indicar a direção e a magnitude das mudanças a cada poucos décimos de
segundo, o processamento de sobreposição ajuda na visualização dos espetros de máquinas
em variação de velocidade.
Aumento de velocidade da média RMS com processamento de sobreposição
• O processamento de sobreposição pode dar reduções
drásticas no tempo para calcular as médias rms com
uma determinada variação.
• Lembre-se que as funções da janela reduzem os efeitos
do fugas, ponderando as extremidades do bloco de
tempo a zero.
• A sobreposição elimina a maior parte ou todo o tempo
que seria desperdiçado tomando esses dados.
• Como alguns dados sobrepostos são usados duas vezes,
devem ser tomadas mais médias para obter uma
determinada variação do que no caso não-sobreposto.
• A Figura mostra as melhorias que podem ser esperadas
pela sobreposição.
Processamento em sobreposição - Eventos Transitórios
• Para transientes mais curtos do que a duração do bloco de tempo, o processamento de
sobreposição é inútil.
• Para transientes mais longos do que a duração do bloco de tempo a largura de banda em
tempo real do analisador é geralmente uma limitação.
• Se não for, o processamento de sobreposição permite que mais espectros sejam gerados a
partir do transitório, geralmente melhorando a resolução dos gráficos resultantes.
Sistemas protetivos e preditivos
Ex
Meggitt Vibro-Meter®
Transmissores de vibrações
Monitorização permanente de vibrações
Sistemas wireless
Análise da assinatura de motores elétricos pela técnica do MCM
Sistemas de monitorização permanente
• Vibrometros
• Analisadores de vibrações
• Coletores de dados
• Medidores de ultrassons
• Sensores de vibrações
Equipamentos portáteis
Pode ver um artigo sobre este tema neste link
www.DMC.com
Analisador de vibrações
PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2020
Para mais
informações ver
www.dmc.pt
OBRIGADO
Esperamos que esta apresentação
tenho sido interessante

More Related Content

What's hot

Pds Processamento de sinais
Pds Processamento de sinaisPds Processamento de sinais
Pds Processamento de sinaisLucas Valente
 
Controle de Congestionamento e fluxos ratos
Controle de Congestionamento e fluxos ratosControle de Congestionamento e fluxos ratos
Controle de Congestionamento e fluxos ratosGlauco Gonçalves
 
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e Sequencial
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e SequencialProcessamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e Sequencial
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e SequencialJaffer Veronezi
 
Manual solucoes redes_tanenbaum
Manual solucoes redes_tanenbaumManual solucoes redes_tanenbaum
Manual solucoes redes_tanenbaumredesinforma
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02Norton Trevisan Roman
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10Norton Trevisan Roman
 
ApresentaçãO Thiago Bordini Campus Party 2010
ApresentaçãO Thiago Bordini   Campus Party 2010ApresentaçãO Thiago Bordini   Campus Party 2010
ApresentaçãO Thiago Bordini Campus Party 2010Campus Party Brasil
 
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNETVinicius Batista
 
Aula Simulação por Eventos Discretos
Aula Simulação por Eventos DiscretosAula Simulação por Eventos Discretos
Aula Simulação por Eventos DiscretosAntonio Marcos Alberti
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09Norton Trevisan Roman
 

What's hot (20)

Pds Processamento de sinais
Pds Processamento de sinaisPds Processamento de sinais
Pds Processamento de sinais
 
Roteament
RoteamentRoteament
Roteament
 
Controle de Congestionamento e fluxos ratos
Controle de Congestionamento e fluxos ratosControle de Congestionamento e fluxos ratos
Controle de Congestionamento e fluxos ratos
 
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e Sequencial
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e SequencialProcessamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e Sequencial
Processamento Paralelo exemplo do Crivo de Erstótenes Paralelo e Sequencial
 
P910Aula07
P910Aula07P910Aula07
P910Aula07
 
Manual solucoes redes_tanenbaum
Manual solucoes redes_tanenbaumManual solucoes redes_tanenbaum
Manual solucoes redes_tanenbaum
 
Ntp 1-cp2011
Ntp 1-cp2011Ntp 1-cp2011
Ntp 1-cp2011
 
Camada de transporte parte3
Camada de transporte parte3Camada de transporte parte3
Camada de transporte parte3
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 02
 
Processador mips - pipeline
Processador mips - pipelineProcessador mips - pipeline
Processador mips - pipeline
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 10
 
ApresentaçãO Thiago Bordini Campus Party 2010
ApresentaçãO Thiago Bordini   Campus Party 2010ApresentaçãO Thiago Bordini   Campus Party 2010
ApresentaçãO Thiago Bordini Campus Party 2010
 
Escalonamento srtf
Escalonamento srtfEscalonamento srtf
Escalonamento srtf
 
Filtro passafaixa
Filtro passafaixaFiltro passafaixa
Filtro passafaixa
 
Introdução ao pipeline
Introdução  ao  pipelineIntrodução  ao  pipeline
Introdução ao pipeline
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET
3 - TRAFFIC SHAPPING-DUMMYNET
 
Aula Simulação por Eventos Discretos
Aula Simulação por Eventos DiscretosAula Simulação por Eventos Discretos
Aula Simulação por Eventos Discretos
 
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09
(ACH2055) Arquitetura de Computadores - Aula 09
 
Protocolo NTP
Protocolo NTPProtocolo NTP
Protocolo NTP
 

Similar to Analisador de vibrações - Modo de funcionamento V

FAST TCP e Checksum no IPV6
FAST TCP e Checksum no IPV6FAST TCP e Checksum no IPV6
FAST TCP e Checksum no IPV6Matheus Girardi
 
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdf
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdfmicrocontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdf
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdftccunip
 
Problema em fabrica de papel
Problema em fabrica de papelProblema em fabrica de papel
Problema em fabrica de papelAntonio Silva
 
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDP
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDPRedes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDP
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDPMauro Tapajós
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequênciaDMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
True Time API Para Data e Horário NTP no Android
True Time API Para Data e Horário NTP no AndroidTrue Time API Para Data e Horário NTP no Android
True Time API Para Data e Horário NTP no AndroidVinícius Thiengo
 
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 -  transmissão digital: Modulação e MultiplexaçãoAula 2 -  transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e MultiplexaçãoLeandro Sausen
 
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration Sample
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration SampleValdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration Sample
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration SampleValdir Adorni
 
Gerências de Processos: Escalonamento de CPU
Gerências de Processos: Escalonamento de CPUGerências de Processos: Escalonamento de CPU
Gerências de Processos: Escalonamento de CPUAlexandre Duarte
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresGiovanna Ortiz
 
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).doc
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).docPR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).doc
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).docCarlosJunior481127
 

Similar to Analisador de vibrações - Modo de funcionamento V (20)

Analisador de vibrações - modo de funcionamento IV
Analisador de vibrações - modo de funcionamento IVAnalisador de vibrações - modo de funcionamento IV
Analisador de vibrações - modo de funcionamento IV
 
Analisador de vibrações - Modo de funcionamento VI
Analisador de vibrações - Modo de funcionamento VIAnalisador de vibrações - Modo de funcionamento VI
Analisador de vibrações - Modo de funcionamento VI
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento II
Analisador de vibrações - modo de funcionamento IIAnalisador de vibrações - modo de funcionamento II
Analisador de vibrações - modo de funcionamento II
 
FAST TCP e Checksum no IPV6
FAST TCP e Checksum no IPV6FAST TCP e Checksum no IPV6
FAST TCP e Checksum no IPV6
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdf
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdfmicrocontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdf
microcontrolador-pic-em-powerpoint-parte-2-interrupcoes-e-timers.pdf
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
 
Problema em fabrica de papel
Problema em fabrica de papelProblema em fabrica de papel
Problema em fabrica de papel
 
Acelerometros
AcelerometrosAcelerometros
Acelerometros
 
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDP
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDPRedes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDP
Redes de computadores II - 4.Camada de Transporte TCP e UDP
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
 
True Time API Para Data e Horário NTP no Android
True Time API Para Data e Horário NTP no AndroidTrue Time API Para Data e Horário NTP no Android
True Time API Para Data e Horário NTP no Android
 
Processador
ProcessadorProcessador
Processador
 
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 -  transmissão digital: Modulação e MultiplexaçãoAula 2 -  transmissão digital: Modulação e Multiplexação
Aula 2 - transmissão digital: Modulação e Multiplexação
 
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration Sample
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration SampleValdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration Sample
Valdir Adorni - Infra and S.A.N Assessment Integration Sample
 
Gerências de Processos: Escalonamento de CPU
Gerências de Processos: Escalonamento de CPUGerências de Processos: Escalonamento de CPU
Gerências de Processos: Escalonamento de CPU
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
 
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).doc
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).docPR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).doc
PR-GPR-082 Procedimento de Ensaio de Integridade (PIT).doc
 

More from DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda

Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequênciaDMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelopeDMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avariasAnálise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avariasDMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

More from DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda (20)

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Caso practico bomba
 
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
 
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao  Curso de Análise de Vibrações em EngrenagensIntrodução ao  Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
Introdução ao Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens
 
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos PráticosCurso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
Curso de Análise de Vibrações em Engrenagens V Casos Práticos
 
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avariasAnálise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
Análise de vibrações em engrenagens IV Deteção de defeitos e avarias
 

Recently uploaded

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfLarissa Souza
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfCarlos Gomes
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 

Recently uploaded (6)

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 

Analisador de vibrações - Modo de funcionamento V

  • 1. Analisador de Vibrações – modo de funcionamento V www.dmc.pt 7 - Largura de banda em tempo real nos analisadores de vibrações 8 - Processamento em sobreposição (“overlap”)
  • 2. Sobre a DMC e a D4VIB equipamentos e serviços de manutenção preditiva Adaptamo-nos às suas necessidades ! Software Hardware Formação Implementação Medições Apoio técnico Relatórios
  • 3. 1. Compreender a relação entre tempo e frequência num analisador de vibrações 2. Amostragem e digitalização num analisador de vibrações 3. O que é o Aliasing num analisador de vibrações 4. A implementação do zoom num analisador de vibrações 5. A implementação de janelas na forma de onda (windows) num analisador de vibrações 6. As médias num analisador de vibrações 7. Largura de banda em tempo real nos analisadores de vibrações 8. Processamento em sobreposição (“overlap”) 9. Seguimento de ordens 10. Análise do envelope 11. Funções de dois canais Conteúdo do curso
  • 5. 7) Largura de banda em tempo real nos analisadores de vibrações 8) Processamento em sobreposição (“overlap”) Conteúdo desta apresentação
  • 6. Equilibragem no local Proteção de rolamentos Tecnologias corretivas Alinhamento de veios Calibração de cadeias de monitorização de vibrações
  • 7. Um espetro a cada nova amostra • Até agora tem-se ignorado o facto de que vai demorar algum tempo para o analisador de vibrações calcular o espetro FFT, a partir de um bloco de tempo. • Na verdade, caso se pudesse calcular o espetro FFT, em menos tempo do que o período de amostragem de um bloco, poderíamos continuar a ignorar este tempo de cálculo. • A Figura mostra que, nesta condição, se poderia obter um novo espectro de frequência com cada amostra. • Como se viu na seção sobre o aliasing, isto poderia resultar em muito mais espectros, a cada segundo, do que se poderia compreender.
  • 8. Operação em tempo real, em que o tempo de cálculo do espetro é igual ou menor, que o tempo de aquisição de um bloco de tempo • Uma alternativa razoável é adicionar uma memória de bloco de tempo ao diagrama de blocos do analisador. • Na Figura podemos ver que isso permite calcular o espectro de frequência do bloco de tempo anterior, ao adquirir o bloco de tempo atual. • Se pudermos calcular a transformada FFT antes que a memória do bloco de tempo esteja cheia, então diz-se que se está a operar em tempo real.
  • 9. Operação em tempo não real, em que o tempo de cálculo do espetro é maior que o tempo de aquisição de um bloco de forma de onda • Para ver o que isto significa, olha-se para o caso em que a computação FFT leva mais tempo do que o tempo para preencher a memória do bloco de tempo. • Esta situação é ilustrado na Figura. • Embora a memória esteja cheia, não se terminou a última transformada de FFT, então tem-se que parar de amostrar dados. • Quando a transformação estiver concluída, pode-se transferir o bloco de tempo para o FFT e começar a adquirir outro bloco de tempo. • Isso significa que se perdem algumas amostras de entrada e por isso diz-se que não se está operar em real.
  • 10. Largura de banda em tempo real • Recorde-se que a duração do bloco de tempo não é constante, mas deliberadamente variada para alterar a gama de frequência do espetro que se pretende ver no analisador de vibrações. • Para gamas de frequência maiores a duração do bloco de tempo é menor. • Portanto, à medida que aumentamos a gama de frequência do analisador, eventualmente alcançamos uma situação em que a duração do bloco de tempo é igual ao tempo de cálculo do FFT. • Este valor de frequência é designada de largura de banda em tempo real. • Para gamas de frequência dentro e abaixo da largura de banda em tempo real, o analisador não perde nenhuma amostra da forma de onda.
  • 11. Relevância da largura de banda em tempo real 1. Observar a variação de velocidade numa máquina 2. Média RMS 3. Eventos de vibrações transitórias
  • 12. Relevância da largura de banda em tempo real - observar a variação de velocidade numa máquina • Caso se esteja a medir o espectro ou a resposta de frequência de uma máquina que está a variar de velocidade, é necessário observar a mudança de espectro, no que pode ser chamado de tempo real psicológico. • Um novo espectro a cada poucos décimos de segundo é suficientemente rápido para permitir que um técnico observe variações no que ele consideraria ser em tempo real. • No entanto, se o tempo de variação de velocidade da máquina for longo, a velocidade do analisador é irrelevante. • Tem-se que esperar que a máquina responda às mudanças, antes que o espectro seja válido, não importa quantos espectros se gerem nesse tempo.
  • 13. Relevância da largura de banda em tempo real - Média RMS • Pode-se estar interessado em achar a média de um sinal, que está sempre a variar. • Não há nenhuma exigência na execução da média de que os blocos de tempo adquiridos devam ser consecutivos, sem lacunas. • Portanto, uma reduzida largura de banda, em tempo real, não afetará a precisão dos resultados. • No entanto, a largura de banda em tempo real, afetará a velocidade com que uma medição média rms, pode ser feita. • A Figura mostra que, para uma frequência sinusoidal acima da largura de banda em tempo real, o tempo para completar a média de N blocos, depende apenas do tempo para calcular as N transformadas FFT. • Em vez de reduzir continuamente o tempo para calcular a média rms, à medida que aumentamos a gama de frequência, chegamos a um tempo fixo para calcular as N médias. Tempo total de execução de N médias RMS
  • 14. Relevância da largura de banda em tempo real - Eventos de vibrações transitórias • Se todo o transitório se encaixar dentro da duração do bloco de bloco de tempo, o tempo de computação FFT é de pouco interesse. • O analisador pode ser acionado pelo transitório e pelo evento armazenado na memória do bloco de tempo. • O tempo para calcular o espectro não é importante. • No entanto, se um evento transitório contém energia de alta frequência e dura mais do que o bloco de tempo necessário para medir a energia de alta frequência, então a velocidade de processamento do analisador é crítica. • Como se mostra na Figura b), alguns dos transitórios não serão analisados se o tempo de cálculo exceder o tempo do bloco de tempo.
  • 15. Relevância da largura de banda em tempo real – arranque de uma máquina • No caso dos transientes mais longos do que o bloco de tempo, também é imperativo que haja alguma maneira de registrar rapidamente o espectro. • Caso contrário, as informações serão perdidas à medida que o analisador atualizar o ecrã com o espectro do bloco de tempo mais recente. • Nestas condições, é necessário uma apresentação gráfica que possa mostrar mais de um espectro (gráfico em Cascada), como se pode ver na Figura e uma boa memória. • O analisador de vibrações deve ser capaz de gravar um espectro de cada bloco de tempo ou a informação será perdida.
  • 16. Processamento em sobreposição (“overlap”) • Para entender o processamento de sobreposição, vamos olhar para a). • Vê-se uma análise de baixa frequência em que a recolha de um bloco de tempo leva muito mais tempo do que o tempo de cálculo do FFT. • O processador do FFT está à espera a maior parte do tempo. • Se em vez de se esperar por um bloco de tempo totalmente novo, se sobrepuser o novo bloco de tempo com alguns dos dados antigos, ter-se-á um novo espectro tão frequentemente quanto se calcula o FFT. • Este processamento de sobreposição é ilustrado na Figura b). • Para se entender os benefícios do processamento de sobreposição, vão se ver os mesmos casos que se usaram atrás.
  • 17. Processamento em sobreposição - Observar uma variação de velocidade numa máquina • Viu-se anteriormente, que se precisa de um novo espectro a cada poucos décimos de segundo ao observar uma máquina, em variação de velocidade. • Sem processamento de sobreposição, isso limita a resolução a alguns Hz. Efetivamente quando se vai para resoluções maiores os analisadores de vibrações ficam muito lentos, por causa da longa duração da aquisição de um bloco de tempo. • Com o processamento de sobreposição a resolução é ilimitada. • No entanto isto tem limitações. Como o bloco de tempo sobreposto contém dados antigos da velocidade anterior, ele não está completamente correto. Ele indica a direção e a quantidade de mudança, mas deve-se esperar um bloco em tempo integral após a mudança para que o novo espectro seja exibido com precisão. • No entanto, ao indicar a direção e a magnitude das mudanças a cada poucos décimos de segundo, o processamento de sobreposição ajuda na visualização dos espetros de máquinas em variação de velocidade.
  • 18. Aumento de velocidade da média RMS com processamento de sobreposição • O processamento de sobreposição pode dar reduções drásticas no tempo para calcular as médias rms com uma determinada variação. • Lembre-se que as funções da janela reduzem os efeitos do fugas, ponderando as extremidades do bloco de tempo a zero. • A sobreposição elimina a maior parte ou todo o tempo que seria desperdiçado tomando esses dados. • Como alguns dados sobrepostos são usados duas vezes, devem ser tomadas mais médias para obter uma determinada variação do que no caso não-sobreposto. • A Figura mostra as melhorias que podem ser esperadas pela sobreposição.
  • 19. Processamento em sobreposição - Eventos Transitórios • Para transientes mais curtos do que a duração do bloco de tempo, o processamento de sobreposição é inútil. • Para transientes mais longos do que a duração do bloco de tempo a largura de banda em tempo real do analisador é geralmente uma limitação. • Se não for, o processamento de sobreposição permite que mais espectros sejam gerados a partir do transitório, geralmente melhorando a resolução dos gráficos resultantes.
  • 20. Sistemas protetivos e preditivos Ex Meggitt Vibro-Meter® Transmissores de vibrações Monitorização permanente de vibrações Sistemas wireless Análise da assinatura de motores elétricos pela técnica do MCM Sistemas de monitorização permanente
  • 21. • Vibrometros • Analisadores de vibrações • Coletores de dados • Medidores de ultrassons • Sensores de vibrações Equipamentos portáteis
  • 22. Pode ver um artigo sobre este tema neste link www.DMC.com Analisador de vibrações
  • 23. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2020 Para mais informações ver www.dmc.pt
  • 24. OBRIGADO Esperamos que esta apresentação tenho sido interessante