A contra reforma parte 2

3,229 views

Published on

  • Be the first to comment

A contra reforma parte 2

  1. 1. A InquisiçãoA Inquisição foi criada pelo Papa Gregório IX em 20 de abril de 1233, etinha o caráter de instituição judicial cujos objetivos eram localizar,processar e sentenciar pessoas culpadas de heresia. Restaurada peloPapa Paulo III, em 1542,a Inquisição vigiava, perseguia e condenavaaqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões. Exerciatambém uma severa vigilância sobre o comportamento moral dos fiéis ecensurava toda a produção cultural bem como resistia fortemente atodas as inovações científicas. Na verdade, a Igreja receava que asideias inovadoras conduzissem os crentes à dúvida religiosa e àcontestação da autoridade do Papa. Leitura do doc da pág 119
  2. 2. Em Portugal, a Inquisição foi introduzida em 1536, no reinado de D. João III, e as suas principais vítimas foram os cristãos-novos, isto é, os descendentes dos judeus convertidos ao Cristianismo durante o reinado de D. Manuel I. sambenitoPedro Berruguete [1450 – 1503]Auto-de-fé; Museu do Prado
  3. 3. Em muitos casos as perseguições e as condenações não eram motivadas porrazões religiosas, mas sim por razões económicas. É que os bens doscondenados passavam a pertencer à Inquisição e muitos cristãos-novos eramricos burgueses.Quando não havia certeza sobre a culpabilidade do acusado, mas sendoprovável que o mesmo realizara o crime que lhe era imputado, o Tribunal, pormaioria dos seus membros, podia recomendar a tortura como meio de ser obtidaa confissão. Leitura do doc da pág 120
  4. 4.  A tortura era um recurso utilizado para extrair confissões dos acusados de pequenos delitos, até crimes mais graves. Diversos métodos de tortura foram desenvolvidos ao longo dos anos. Os métodos de tortura mais agressivos eram reservados àqueles que provavelmente seriam condenados à morte.
  5. 5. Diversos métodos de tortura foramdesenvolvidos ao longo dos anos
  6. 6. Cadeira inquisitória Empregada em interrogatórios pelo inquisidor. O réu sentava nu e com o mínimo de movimento, as agulhas penetravam-lhe o corpo, provocando efeitos terríveis. A cadeira, às vezes, era aquecida até ficar em brasa. Esta ao lado tem 1.606 pontas de madeira e 23 de ferro.
  7. 7. A dama de Ferro:É uma espécie desarcófago com espinhosmetálicos na face internadas portas. Estesespinhos não atingiam osórgãos vitais da vítima,mas feriam gravemente.Mesmo sendo um métodode tortura, era comumque as vítimas fossemdeixadas lá por váriosdias, até que morressem.
  8. 8. Mesa de evisceraçãoConhecida tambémde esquartejamentomanual.O condenadoera colocado deitado,preso pelas juntas eeviscerado vivo pelocarrasco. Abria-lhe oestômago com umalâmina, prendia compequenos pregos asvísceras e, com aroda, lentamente iapuxando os ganchos.Os órgãos iam saindodo corpo durantehoras, até morrer.
  9. 9. Roda deDespedaçamentoEste instrumento produzia umsistema de morte horrível. Soba roda colocava-se brasas, e ocarrasco, girando a roda cheiade pontas, fazia com que ocondenado morressepraticamente assado. Esteveem uso no período de 1100 a1700.
  10. 10. Balcão de estiramentoInstrumento paradesmembramento dosombros e asarticulações docondenado, seguidopelo desmembramentoda coluna vertebral eentão pelo rompimentodos músculos, abdomee peito. Antes dessesefeitos mortais, porém,o corpo da vítima sealongava até trintacentímetros.
  11. 11.  As pessoas viviam amedrontadas e sabiam que podiam ser denunciadas a qualquer momento sem que houvesse necessariamente razão para isso. Quando alguém era denunciado, levavam-no preso e, muitas vezes, era torturado até confessar. Alguns dos suspeitos chegavam a confessar-se culpados só para acabar com a tortura. No caso do acusado não se mostrar arrependido ou de ser reincidente, era condenado, em cerimónias chamadas autos-da-fé, a morrer na fogueira.
  12. 12. As sentenças do Tribunal eram lidas e executadas em Cerimónias públicas - Autos de Fé
  13. 13. Os autos de Fé eram espectáculos cuidadosamenteencenados que tinham como finalidade comover as massas. Os gritos dos condenadosprovocavam o júbilo da assistência.Exclamações de alegria acompanhavam as sessões
  14. 14. Toda a atmosfera criada tinha como objectivo levar à confissão pelomedo e pelo terror. A morte pelo fogo era um acto de fé para salvar uma alma condenada

×