Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto

2,585 views

Published on

Published in: Technology, Travel
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto

  1. 1. Análise Crítica ao Modelo de Auto-Avaliação das BEs Quando nos propomos enfrentar mais este desafio de auto-avaliação das BEs, parece-me pertinente a proposta de se fazer uma análise crítica do Modelo e da adequação e constrangimentos da sua aplicação A BE /CRE é um espaço de trabalho que como qualquer outro deve ser susceptível de avaliação com vista à sua melhoria e poder aferir-se o impacto das actividades aí desenvolvidas no processo de ensino aprendizagem e através das evidências apresentadas poder ser avaliado o impacto no sucesso dos alunos. A BE deve ser um espaço luminoso, bem apetrechado e equipado mas deve ser sobretudo um espaço de aprendizagem efectiva e de progresso na vida dos alunos e nos objectivos da Escola. Está fora de qualquer questão colocar em dúvida a pertinência de uma auto- avaliação do trabalho desenvolvido, com a qual eu concordo em absoluto, embora eu não saiba bem se este modelo é o mais apropriado, talvez por falta de conhecimento ainda da sua aplicação prática – talvez no final do ano eu esteja menos céptica quanto à sua aplicação. Quero acreditar que os resultados dos diferentes estudos realizados a nível mundial tenham o sucesso revelado ,numa época de mudança global, que muitas vezes nos ultrapassa inexoravelmente. A pertinência de um modelo de avaliação nas BES é essencial para que esta se integre no projecto da Escola e possa divulgar as suas práticas de uma forma coerente e estruturada e a sua importância nas várias actividades da escola. Ela é, em minha opinião, desde há anos, o motor dinamizador do processo ensino/aprendizagem das escolas do Agrupamento. A actualização do fundo documental permite fazer uma gestão mais criteriosa da colecção existente e tem permitido desenvolver nos discentes competências que levam a aprendizagens para o resto da vida. No nosso Plano da Acção traçado para o quadriénio, até 2013, assumem particular importância as linhas que regem o Projecto Educativo e o Projecto Curricular da Escola para a definição das actividades estruturadas e planificadas no Plano Anual de Actividades. Este Plano assenta em domínios a observar e, permite-nos criar uma estrutura assente em quatro eixos ou domínios: Apoio ao Desenvolvimento Curricular; Leitura e literacias; Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade e Gestão da Biblioteca Escolar. Claro que há anos que este trabalho está a ser feito e eu falo pela Biblioteca da minha escola, a Escola EB 2,3 Sá Couto – Espinho. Se me perguntarem, se está a ser Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação 12/11/09
  2. 2. feito bem, eu direi que talvez esta formação me vá fazer rever atitudes, comportamentos e formas de auto-avaliação que me permitam mais facilmente conhecer os resultados. Sempre tivemos como objectivo da BE uma política de trabalho colaborativo através de propostas de actividades saídas da escola para o resto do Agrupamento como recebemos propostas vindas das estruturas directivas, professores, alunos e pais. A avaliação sempre foi feita, mas parece-me que agora sê-lo-á mais fundamentadamente fazendo uma integração e aplicação mais consistente na realidade da Escola. A nossa equipa, por mim coordenada, é composta por elementos com formação e motivada que, muitas vezes, mesmo em circunstâncias adversas não desanima na aplicação dos objectivos propostos para o nosso trabalho, dos quais destaco: - Desenvolver nos alunos competências e hábitos de trabalho autónomo baseado na consulta, tratamento e produção da informação. - É uma preocupação estimular alunos para o prazer de ler, associando a leitura, os livros e a BE a um espaço de ocupação feito com prazer, mesmo nos tempos livres. - A BE construída como espaço central da escola onde se produz cultura e se trocam experiências pedagógicas em áreas disciplinares e não disciplinares. - A BE a fazer passar uma imagem da escola activa com percursos vocacionais diversificados. Referi na primeira tarefa, nas competências do Professor Bibliotecário que ele deve ser, líder mas parceiro, criador de empatia e espírito mobilizador, (baseado nos textos para leitura) e nos pontos fortes da BE da minha Escola essa imagem do Professor Bibliotecário existe na generalidade mas a equipa é também experiente e colaborativa o que torna a BE num espaço reconhecido pelo seu importante papel no processo de aprendizagem entre a comunidade educativa escolar, direi mesmo educativa, pois, temos nos pais, em grande número, parceiros de eleição no desenvolvimento do processo. Foi lento e às vezes doloroso o trabalho de convencimento dos parceiros. O trabalho foi intenso mas acho que estamos no bom caminho! O novo modelo de Auto-avaliação a implementar é mais um desafio que por certo nos irá fazer planificar melhor e podermos extrair conhecimentos que orientem as acções futuras numa perspectiva referida num dos documentos: “O Modelo de auto-avaliação perspectiva, também, práticas de pesquisa - acção” e estou em absoluto acordo quando MARKLESS, Streffield ( (2006), diz que “as práticas de pesquisa - acção estabelecem relação entre os processos e impacto ou valor que originam.” Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação 12/11/09
  3. 3. Através da auto-avaliação devem identificar-se os pontos fortes e fracos fazendo evoluir, através de novas práticas, os segundos para um patamar superior. Só teremos a noção da necessidade dessa evolução submetendo a BE/CRE a um processo de auto-avaliação. Tradicionalmente e num primeiro momento o impacto das BES na comunidade educativa media-se pela colecção existente, pelo espaço, pelo que se gasta no seu apetrechamento e pelo número de utentes. É altura de numa segunda fase se medirem os benefícios que os utilizadores retiram do uso dos serviços das BE e a sua progressão na aprendizagem e o processo leva-nos ainda a aceitar, tal como o referido num dos textos que “Hoje a avaliação centra-se essencialmente no impacto qualitativo da biblioteca, isto é na aferição das modificações positivas que o seu funcionamento tem nas atitudes, valores e conhecimentos dos utilizadores”. A avaliação das BES vai fazer-nos melhorar, validando o que fazemos bem e permitindo-nos melhorar, quando for caso disso. É uma forma de sabermos de onde partirmos e sabermos até onde queremos ir. A BE deve ser um espaço afectivo e de qualidade. Tendo sempre em vista o seu impacto na aprendizagem e no sucesso educativo dos alunos. Volto a referir um dos documentos analisados quando se diz: “ A criação de um modelo para avaliação das Bibliotecas Escolares permite dotar as escolas/bibliotecas de um quadro de referência e de um instrumento que lhes permite a melhoria contínua da qualidade, a busca de uma perspectiva de inovação”. A auto-avaliação assenta em quatro domínios base: 1 – Apoio ao Desenvolvimento curricular. 2 – Leitura e literacias 3 – Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade 4 –Gestão da Biblioteca Escolar que se pretende sejam interiorizados por todos, Direcção e professores. A BE deve estar integrada na Escola e no processo ensino-aprendizagem, deve ter qualidade no acesso e na colecção aí presente, e deve ter uma gestão de qualidade também assente nos pressupostos de uma equipa dinâmica, qualificada, que seja atenta a um trabalho articulado com a escola, professores e alunos. A liderança deve ser forte e deve resumir-se como num elemento agregador de forma a que se pinta o impacto na escola e nas aprendizagens. Surge aqui um elemento novo que na nossa BE queremos “agarrar” agora, tentando com sucesso implementar o novo processo avaliativo. Vamos tentar adaptar-nos à primeira etapa do modelo proposto pela RBE e, tendo em conta o contexto interno e externo da BE, seleccionar o primeiro domínio a implementar neste primeiro ano. Já escolhido, previamente em reunião da equipa, Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação 12/11/09
  4. 4. antes do início da formação:”Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade” Para isso vamos seguir o processo de cada etapa em cada um dos ciclos. Identificar desafios e problemas, recolher evidências, interpretá-las; adaptarmo- nos e realizarmos as mudanças necessárias e voltar a recolher evidências. Vamos tentar integrar-nos num processo de melhoria e não considerar a avaliação um fim em si mesmo. Levarei atempadamente a Conselho Pedagógico a discussão dos passos que formos dando e mais tarde os resultados (como aliás já fazia) e discutiremos com frontalidade estes resultados com a Direcção da Escola. Traduzirei, do inglês não sei se bem, mas revejo-me nas palavras de TODD quando num dos documentos aconselhados diz:” O que é importante é que a evidência recolhida destaca como o bibliotecário desempenha um papel crucial no sucesso do estudante que se eleva em formas, atitudes e valores importantes em contribuir para o desenvolvimento da auto-estima e em criar um ambiente para aprender mais eficaz» (Todd.2003) No final do ciclo saberem se o modelo foi bem aplicado, se serviu a nossa comunidade educativa e se nos satisfaz. Esta análise, no final, será de crucial importância para a Escola e para a RBE se aperceberem também e, para assentarem as decisões futuras neste domínio. A Formanda Cândida Ribeiro Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação 12/11/09

×