O Discurso de Pimandro
                        Hermes Trismegistus
                   Tradu¸ao: Carlos A. P. Campani
     ...
“Hermes Trˆs-Vezes-Grande” foi uma deidade sincr´tica que combinava
               e                                      ...
24. A mente em Deus.
    25. Raz˜o no Homem.
            a
    26. Raz˜o na Mente.
            a
    27. A Mente est´ vazi...
55. Qualquer coisa que pertence ` opera¸˜o ou ao trabalho, est˜o em um
                                        a    ca    ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O Divino Pimandro

3,582 views

Published on

Discurso extraido de "O Divino Pimandro" de Hermes Trismegistus (tradução de Carlos Campani)

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,582
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Divino Pimandro

  1. 1. O Discurso de Pimandro Hermes Trismegistus Tradu¸ao: Carlos A. P. Campani c˜ 1 Introdu¸˜o ca Este texto ´ uma tradu¸ao para o portuguˆs de parte do Livro Primeiro de e c˜ e “O Divinio Pimandro” de Hermes Trismegistus. O texto refere-se ao discurso que Hermes recebe de Pimandro e que cont´m algumas das principais id´ias e e do Hermetismo. Pimandro apresenta-se a Hermes como “Pastor de Homens”, sendo esta uma das poss´ıveis tradu¸˜es do nome “Pimandro”. O texto completo ´ um co e conjunto de di´logos e discursos de Hermes dirigidos ao seu filho Tat e ao a seu neto Euscl´pio. O Livro Primeiro come¸a exatamente com o discurso de e c Pimandro a Hermes. 2 Hermes Trismegistus Hermes Trismegistus ´ a express˜o em Latim para “Hermes o Trˆs-Vezes- e a e Grande”. Ele foi um personagem hist´rico ou m´ o ıtico do antigo Egito (tamb´m e conhecido como Thoth), que assumuiu conota¸˜es de deus e que foi reveren- co ciado tamb´m na Gr´cia. e e Hermes foi considerado pelos eg´ ıpcios o Mensageiro dos Deuses, por ter transmitido os ensinamentos a este grande povo da antig¨idade e ter im- u plantado a tradi¸ao sagrada, os rituais sagrados, e os ensinamentos das artes c˜ e ciˆncias em suas escolas da sabedoria. A medicina, a astronomia, a as- e trologia, a botˆnica, a agricultura, a geologia, as matem´ticas, a m´sica, a a a u arquitetura, a ciˆncia pol´ e ıtica, tudo isso era ensinado nessas escolas e em seus livros, que segundo os gregos somavam 42. Entre eles se encontra ”O Livro dos Mortos”que ´ tamb´m chamado de ”O Livro da Sa´ da Luz”. e e ıda 1
  2. 2. “Hermes Trˆs-Vezes-Grande” foi uma deidade sincr´tica que combinava e e aspectos do deus grego Hermes e do deus eg´ ıpcio Thoth. Um dos livros mais conhecidos cuja autoria lhe ´ atribuida ´ o “Divino e e Pimandro”. A ele tamb´m ´ atribu´ o mais famoso texto alqu´ e e ıdo ımico, a “T´bua de Esmeralda”. a 3 O Discurso de Pimandro 1. Todas as coisas que s˜o, s˜o m´veis; somente as coisas que n˜o s˜o, a a o a a s˜o im´veis. a o 2. Todo Corpo ´ mut´vel. e a 3. Nem todo Corpo ´ dissol´vel. e u 4. Alguns Corpos s˜o dissol´veis. a u 5. Toda coisa viva n˜o ´ mortal. a e 6. Nem toda a coisa viva ´ imortal. e 7. Tudo que ´ dissol´vel ´ tamb´m corromp´ e u e e ıvel. 8. Aquilo que permanece parado sempre ´ imut´vel. e a 9. Aquilo que ´ imut´vel ´ eterno. e a e 10. Aquilo que ´ sempre feito ´ sempre corromp´ e e ıvel. 11. Aquilo que ´ feito somente uma vez, nunca ´ corromp´ e e ıvel, nem torna- se qualquer outra coisa. 12. Primeiro, Deus; em segundo lugar, o Mundo; em terceiro, Homem. 13. O Mundo para o Homem, o Homem para Deus. 14. Da Alma, a parte que ´ Sens´ ´ mortal, mas a que ´ Racional ´ e ıvel e e e imortal. 15. Toda essˆncia ´ imortal. e e 16. Toda essˆncia ´ imut´vel. e e a 17. Toda coisa que ´, ´ dobrado. e e 18. Nenhuma das coisas que ´, permanece. e 19. Nem todas as coisas s˜o movidas pela Alma, mas toda coisa que ´, ´ a e e movida pela Alma. 20. Toda coisa que sofre ´ Sens´ e ıvel, toda coisa que ´ Sens´ sofre. e ıvel 21. Toda coisa que ´ triste tamb´m se alegra, e ´ uma Criatura viva e e e mortal. 22. Nem toda coisa que alegra ´ tamb´m triste, mas ´ uma coisa viva e e e eterna. 23. Nem todo Corpo ´ doente; todo Corpo que ´ doente ´ dissol´vel. e e e u 2
  3. 3. 24. A mente em Deus. 25. Raz˜o no Homem. a 26. Raz˜o na Mente. a 27. A Mente est´ vazia de sofrimento. a 28. Nenhuma coisa ´ um Corpo verdadeiro. e 29. Tudo que ´ incorp´reo, est´ liberto da Mentira. e o a 30. Toda coisa que ´ feita ´ corromp´ e e ıvel. 31. Nenhum bem sobre a Terra, nenhum mal nos C´us. e 32. Deus ´ bom, o Homem ´ mal. e e 33. Bem ´ volunt´rio, ou de seu pr´prio acordo. e a o 34. Mal ´ involunt´rio ou contra seus desejos. e a 35. Os Deuses escolhem coisas boas, como coisas boas. 36. Tempo ´ uma coisa divina. e 37. Lei ´ Humana. e 38. Mal´ ´ o alimento do Mundo. ıcia e 39. Tempo ´ a corrup¸˜o do Homem. e ca 40. Qualquer coisa no C´u ´ inalter´vel. e e a 41. Todas as coisas sobre a Terra s˜o alter´veis. a a 42. Nada no C´u ´ servo, nada sobre a Terra ´ livre. e e e 43. Nada ´ desconhecido no C´u, nada ´ conhecido sobre a Terra. e e e 44. As coisas sobre a Terra n˜o se comunicam com as coisas no C´u. a e 45. Todas as coisas no C´u s˜o incensur´veis, todas as coisas sobre a e a a Terra s˜o sujeitas a Repreens˜o. a a 46. O que ´ imortal, n˜o ´ mortal; o que ´ mortal n˜o ´ imortal. e a e e a e 47. O que ´ plantado, nem sempre ´ gerado; mas o que ´ gerado, sempre e e e ´ plantado. e 48. Para os Corpos dissolv´ ıveis, existem dois Tempos, um de plantar para gerar, e outro de gerar para morrer. 49. Para um Corpo maduro, o tempo ´ somente para a Gera¸ao. e c˜ 50. Corpos dissol´veis aumentam e diminuem. u 51. Mat´ria dissol´vel ´ alterada em contr´rios; para saber, Corrup¸ao e e u e a c˜ Gera¸ao, mas mat´ria Eterna o ´ em si pr´pria, e como ela pr´pria. c˜ e e o o 52. A Gera¸ao do Homem ´ Corrup¸˜o, a Corrup¸˜o do Homem ´ o in´ c˜ e ca ca e ıcio da Gera¸ao. c˜ 53. Aquilo que gera ou pari outro, ´ ele pr´prio um gerado ou parido por e o outro. 54. Das coisas que s˜o, algumas s˜o em Corpos, algumas em suas Id´ias. a a e 3
  4. 4. 55. Qualquer coisa que pertence ` opera¸˜o ou ao trabalho, est˜o em um a ca a Corpo. 56. Aquilo que ´ imortal, n˜o partilha nada com aquilo que ´ mortal. e a e 57. Aquilo que ´ mortal, n˜o vai para um Corpo imortal, mas aquilo que e a ´ imortal, vai para aquilo que ´ mortal. e e 58. Opera¸˜es ou Trabalhos n˜o s˜o transportados para cima, mas descem co a a para baixo. 59. As coisas sobre a Terra n˜o geram benef´ para o C´u, mas todas a ıcio e as coisas no C´u beneficiam e ajudam as coisas sobre a Terra. e 60. O C´u ´ um recept´culo capaz e adequado para os Corpos definitivos, e e a a Terra dos Corpos corromp´ ıveis. 61. A Terra ´ bestial, o C´u ´ racional. e e e 62. Estas coisas que est˜o no C´u s˜o sujeitas e postas abaixo dele, mas a e a as coisas da Terra, s˜o postas sobre ela. a 63. O C´u ´ o primeiro Elemento. e e 64. Providˆncia ´ a Ordem Divina. e e 65. Necessidade ´ o Minist´rio ou Servo da Providˆncia. e e e 66. Fortuna ´ a produ¸˜o ou efeito daquilo que ´ sem Ordem; o ´ e ca e Idolo da opera¸ao, uma fantasia mentirosa ou opini˜o. c˜ a 67. O que ´ Deus? O imut´vel e inalter´vel Bem. e a a 68. O que ´ o Homem? O mut´vel Mal. e a 4

×