Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA

265,587 views

Published on

Published in: Education

TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA

  1. 1. FRIEDMAN; 2000CAMILLA BRINGEL RÊGO
  2. 2. “Método de controle da dor mais utilizado na odontologia com grande eficiência, quando obedecemos todos os princípios básicos”. MALLAMED;2005
  3. 3. SUCESSO  TÉCNICA DE INJEÇÃO BÁSICA CONHECIMENTOS ANATÔMICOS TÉCNICA ESPECÍFICA
  4. 4. TÉCNICA BÁSICA DE INJEÇÃO 1) Usar uma agulha afiada esterelizada 2) Verificar o fluxo da solução de anestésico local 3) Posicionar o paciente (MALLAMED;2005) 4) Preparar os tecidos: a) Secar os tecidos b) Aplicar anti-séptico tópico(opcional) c) Aplicar anestésico tópico www.getbetterlife.com
  5. 5. 5) Estabelecer um apoio firme para as mãos 6) Tensionar o tecido 7) Introduzir a agulha na mucosa TÉCNICA BÁSICA DE INJEÇÃO
  6. 6. 8) Observar e comunicar-se com o paciente 9) Avançar lentamente a agulha em direção alvo 10) Aspirar 11) Infiltrar lentamente a solução de anestésico local 12)Retirar a seringa lentamente TÉCNICA BÁSICA DE INJEÇÃO (MALLAMED;2005)
  7. 7. RESUMO ANATÔMICO APLICADO A ANESTESIA LOCAL Nervo Nasopalatino Nervo Palatino Maior Nervo Alveolar Superior Posterior Nervo Alveolar Superior Anterior Nervo Alveolar Superior Médio 1) Nervos emitidos da fossa pterigopalatina 2) Ramos do nervo infra-orbitário (MALLAMED;2005) (MALLAMED;2005)
  8. 8. NERVO MAXILAR Transita pelo fossa pterigopalatina Emerge na face pelo forame infraorbital (MALLAMED;2005)
  9. 9. RESUMO DA INERVAÇÃO MAXILAR www.hs-menezes.com.br
  10. 10. DIVISÃO DA ANESTESIA LOCAL ANESTESIAS TERMINAIS ANESTESIAS POR BLOQUEIO SUPERFICIAIS ou TÓPICAS PROFUNDAS (INFILTRATIVA) REGIONAL (CAMPO) TRONCULAR ANESTESIA INTRA-ORAL ANESTESIA EXTRA-ORAL ANESTESIA
  11. 11. ANESTESIAS TERMINAIS SUPERFICIAIS / TÓPICAS  Compressão  Refrigeração (gelo, éter sem derivados)  Pulverização (lidocaína 10%)  Fricção (Clovis Marzola ;2000 ) www.hs-menezes.com.br
  12. 12. PEQUENAS TERMINAÇÕES NERVOSAS SÃO INFILTRADAS ESTRITAMENTE NA ÁREA EM QUE SERÁ REALIZADO O TRATAMENTO ODONTOLÓGICO. PROFUNDA INFILTRATIVA ou INFILTRAÇÃO LOCAL ANESTESIA TERMINAL (MALLAMED;2005)
  13. 13. ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA  SUPRAPERIOSTEAL  SUBPERIOSTERAL  SUBMUCOSA  INTRASEPTAL  INTRALIGAMENTAR  PERIDENTAL  CIRCULAR  INTRAPULPAR  INTRA-ÓSSEA (MALAMED;2008)
  14. 14. ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA SUBMUCOSA Quando a solução anestésica é depositada no tecido mole que cobre a zona a intervir, insensibilizando terminações nervosas livres. www.hs-menezes.com/anestesia (Clovis Marzola ;2000 )
  15. 15. SUPRAPERIOSTEAL ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA Consiste em se puncionar a mucosa, fazendo com que a ponta da agulha penetre até a região submucosa, junto ao periósteo, mas sem atingi-lo ou penetrá-lo. www.hs-menezes.com/anestesia (Clovis Marzola ;2000 )
  16. 16. SUBPERIOSTEAL ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA O anestésico é depositado sob o periósteo, junto ao tecido ósseo. www.hs-menezes.com/anestesia (Clovis Marzola ;2000 )
  17. 17. INTRA-ÓSSEA ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA Penetra-se inicialmente no tecido ósseo com uma broca Introduz a agulha e deposita o agente anestésico no osso medular (esponjoso) entre as corticais ósseas. (Clovis Marzola ;2000 ) www.hs-menezes.com/anestesia
  18. 18. INTRALIGAMENTAR ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA www.hs-menezes.com/anestesia É injetado pequenas quantidades de anestésico com baixa pressão no espaço do ligamento periodontal, entre o dente e o osso. (Clovis Marzola ;2000 )
  19. 19. INTRASEPTAL ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA www.hs-menezes.com/anestesia Este tipo de anestesia é realizado no septo de dois dentes contíguos. ANESTESIA alvéolo, membrana peridental, e câmara pulpar. (Clovis Marzola ;2000 )
  20. 20. INTRAPULPAR ANESTESIAS TERMINAIS PROFUNDA INFILTRATIVA Deposição da solução anestésica diretamente na câmara pulpar, com fortes dores para o paciente. (Clovis Marzola ;2000 )www.hs-menezes.com/anestesia
  21. 21. ANESTESIA TERMINAL PROFUNDA INFILTRATIVA INJEÇÃO SUPRAPERIOSTEAL / LOCAL  INDICAÇÃO: - Para anestesia de qualquer dente maxilar;  PONTO DE PUNÇÃO: - Fundo de saco adjacente ao elemento;  REGIÃO ANESTESIADA: - Mucosa vestibular e elemento em questão; www.hs-menezes.com/anestesia (MALLAMED;2005)
  22. 22.  PENETRAÇÃO DA AGULHA: - Inserção da agulha curta e paralela ao longo eixo do dente; - Até que sua ponta esteja próxima ao ápice do elemento; - Bisel voltado para o osso  DEPÓSITO DA SOLUÇÃO: - Próximo ao ápice do elemento - QUANTIDADE: ½ a ¾ do tubete por dente ANESTESIA TERMINAL PROFUNDA INFILTRATIVA INJEÇÃO SUPRAPERIOSTEAL / LOCAL www.hs-menezes.com/anestesia (MALLAMED;2005)
  23. 23. BLOQUEIO REGIONAL O ANESTÉSICO LOCAL É DEPOSITADO PRÓXIMO A UM TRONCO NERVOSO PRINCIPAL, USUALMENTE DISTANTE DO LOCAL DA INTERVENÇÃO OPERATÓRIA. (MALLAMED;2005)
  24. 24. INDICAÇÕES  Intervenção cirúrgica quando deseja-se insensibilizar cerca de 3 ou mais dentes de uma mesma hemi-arcada (ao invés de fazer 3 infiltrativas).  Para intervenção de tecidos moles da hemi-face superior - Ex. redução de nariz  Quando está contra indicada a anestesia terminal infiltrativa - Presença de inflamação, infecção ou osso mais denso. (Clovis Marzola ;2000 )
  25. 25. BLOQUEIO REGIONAL  NERVO ALVEOLAR SUPERIOR ANTERIOR  NERVO ALVEOLAR SUPERIOR MÉDIO (28%)  NERVO ALVEOLAR SUPERIO POSTERIOR  NASOPALATINO  PALATINO MAIOR
  26. 26. BLOQUEIO REGIONAL NERVO ALVEOLAR SUPERIOR ANTERIOR Bloqueio do nervo infra-orbitário  ÁREAS ANESTESIADOS - Polpas dos incisivos centrais superiores até o canino - Polpas dos pré-molares superiores - Raiz mesiovestibular do 1º molar superior - Periodonto vestibular - Osso sobrejacente desses dentes - Pálpebra inferior, lateral do nariz e lábio superior (MALLAMED;2005) (72%)
  27. 27.  ÁREA DE INTRODUÇÃO: - altura da prega mucovestibular sobre o 1º pré-molar superior (menor trajeto)  ÁREA ALVO: - Forame infra-orbitário BLOQUEIO REGIONAL (ASA)(MALLAMED;2005)  PONTO DE REFERÊNCIA: - Pupila do olho  POSIÇÃO: - 10 horas de frente para o paciente
  28. 28. BLOQUEIO REGIONAL NERVO ALVEOLAR SUPERIOR MÉDIO Presente em 28% dos pacientes  ÁREAS ANESTESIADAS: - Polpas do 1º e 2º pré-molares superiores - Raíz mesiovestibular do 1º molar superior - Mucosa periodonta e osso sobrejacente  ÁREA DE INTRODUÇÃO: - Altura da prega mucovestibular acima do 2º pré-molar superior  POSIÇÃO: ASM direito- 10 horas ASM esquerdo- 8 ou 9 horas. www.portaodaeducacao.com.br (MALLAMED;2005)
  29. 29. NERVO ALVEOLAR SUPERIOR POSTERIOR BLOQUEIO REGIONAL  ÁREAS ANESTESIADAS - Polpas do 1°, 2º e 3º molares superiores. (Excessão da raiz mesiovestibular do 1°molar) - Tecido periodontal e mucosa vestibular - Osso subrejacente dos dentes Bloqueio da tuberosidade, bloqueio zigomático. (MALLAMED;2005)
  30. 30.  PREPARAR OS TECIDOS Retrair a bochecha do paciente com seu dedo Tencionar os tecidos no local da injeção  ABRIR A BOCA DO PACIENTE BLOQUEIO REGIONAL Puxando a mandibula para o lado da injeção (ASP) (MALLAMED;2005) Glidewelldental.com
  31. 31.  Avançar a agulha lentamente para: PARA DENTRO EM UM SÓ MOVIMENTO PARA TRÁS PARA CIMA INTRODUÇÃO: - altura da prega mucovestibular acima do 2º molar superior - Bisel voltado para o osso BLOQUEIO REGIONAL (ASP)  PONTOS DE REFERÊNCIA: Tuberosidade e processo zigomático da maxila ângulo de 45º com o plano oclusal (MALLAMED;2005) www.portaleducacao.com.br www.margiti.com.br
  32. 32. BLOQUEIO REGIONAL NERVO NASOPALATINO Bloqueio do nervo incisivo ou bloqueio do nervo esfenopalatino  ÁREAS ANESTESIADAS: - Porção anterior do palato duro Desde a face mesial do 1º pré-molar direito a face mesial do 1º pré-molar esquerdo (tecido mole e tecido duro)  ÁREA ALVO: - Forame incisivo sob a papila incisiva BISEL: voltado para os tecidos moles palatinos POSIÇÃO: 9 ou 10 horas(MALLAMED;2005)
  33. 33. BLOQUEIO REGIONAL NERVO NASOPALATINO  ÁREA DE INTRODUÇÃO: Mucosa palatina imediatamente lateral a papila incisiva (Localizada na linha media atrás dos incisivos centrais) TÉCNICA- INJEÇÃO ÚNICA NO PALATO (MALLAMED;2005) www.margiti.com.br
  34. 34.  ÁREA DE INTRODUÇÃO: 1) Freio labial médio entre os incisivos centrais 3) Se necessário, tecidos moles palatinos laterais à papila incisiva. BLOQUEIO REGIONAL NERVO NASOPALATINO TÉCNICA- MULTIPLAS PERFURAÇÕES (MALLAMED;2005) 2) Papila interdentária entre incisivos centrais superiores .
  35. 35. NERVO PALATINO MAIOR BLOQUEIO REGIONAL  ÁREAS ANESTESIADAS: - Palato duro - Tecidos moles sobrejacentes posteriormente até o 1º pré-molar e medialmente até a linha média.  ÁREA DE INTRODUÇÃO: - Tecidos moles levemente anteriores ao forame palatino maior (aproximadamente na distal do 2º molar superior)  POSIÇÃO: NPM direito: 7 ou 8 horas NPM esquerdo: 11 horas (MALLAMED;2005)
  36. 36. BLOQUEIO TRONCULAR TÉCNICA EFICAZ PARA PRODUZIR ANESTESIA PRODUNDA DE UMA HEMIMAXILA OU HEMIMANDÍBULA, ÚTIL EM PROCEDIMENTOS QUE ENVOLVEM QUADRANTES EM ODONTOLOGIA OU EM PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS EXTENSOS. (MALLAMED;2005)
  37. 37.  Abordagem da tuberosidade alta  Abordagem pelo canal palatino maior BLOQUEIO TRONCULAR DO NERVO MAXILAR - TÉCNICAS -  ÁREA ALVO: Nervo maxilar no ponto onde ele atravessa a fossa pterigopalatina (MALLAMED;2005)
  38. 38. BLOQUEIO TRONCULAR DO NERVO MAXILAR ABORDAGEM DA TUBEROSIDADE ALTA  ÁREA DE INTRODUÇÃO: - Altura da prega mucovestibular, acima da face distal do 2°mol. sup.  ÁREA-ALVO: - Nervo maxilar no ponto onde ele atravessa a fossa pterigopalatina  PONTO DE REFERÊNCIA: - Tuberosidade e processo zigomático da maxila PARA DENTRO PARA TRÁS PARA CIMA EM UM SÓ MOVIMENTO (MALLAMED;2005)
  39. 39. BLOQUEIO TRONCULAR DO NERVO MAXILAR ABORDAGEM PELO CANAL PALATINO MAIOR  ÁREA DE INTRODUÇÃO: - Tecidos moles palatinos diretamente sobre o forame palatino maior  PONTO DE REFERÊNCIA: - Forame palatino maior - junção do processo alveolar maxilar - Osso palatino (MALLAMED;2005)
  40. 40. Anestesia moderna sem agulha Infiltração anestésica sem agulha proporciona o efeito anestésico local na submucosa abaixo do periósteo A dose máxima raramente é utilizada, na maioria das vezes são administrados cerca de 0,3 ml de anestésico local Utilizada para qualquer dente, exceto terceiro molares www.clinicario.com (SALEH ; 2002) www.clinicario.com
  41. 41. SEM AGULHA X COM AGULHA
  42. 42. Eletroanestesia Odontológica AparelhoSendortech® Frequência alta em torno de 120Hz ou mais, com capacidade de penetração até o nervo em questão. A EAO pode ser utilizada tanto na lingual quanto na vestibular do dente em questão, esteja este na maxila ou na mandíbula; respeitando o trajeto anatômico dos referidos nervos. Necessário que o aparelho esteja nas mãos do paciente. RGO, 2004 AparelhoSendortech®
  43. 43. Anestesia Eletrônica com Injetor Automatizado http://www.anestesiasemdor.com.br/images/aparelho. png O posicionamento inicial da agulha é quase que paralelo à superfície tecidual; O local da punção é no limite da gengiva inserida, o mais próximo possível da gengiva livre. No segundo tempo da técnica, a agulha é introduzida a 45º do longo eixo do dente. As anestesias do palato causam apenas uma ligeira pressão. Quantidade administrada é de 0,3 ml/min.
  44. 44. CONCLUSÃO Conclui-se que é de fundamental importância do conhecimento sobre as técnicas anestésicas assim como o conhecimento geral da anatomia, pelo qual permitirá uma possibilidade de acertos maior, diminuindo as complicações e acidentes e tornando a anestesia local menos traumática para o paciente.

×