CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PORCELANATOS - CAMILA LAMBERTI

19,617 views

Published on

Trabalho de conclusão de curso apresentado
ao curso de Pós-Graduação em Design Gráfico
do Centro Universitário SENAC para obtenção
do título de Especialista em Design Gráfico sobre catálogo virtual e mostruário de porcelanato 60x60 do Grupo Incefra.

Published in: Design, Business
1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
  • A intenção ao criar um catálogo de cerâmicas é divulgar a coleção 60x60 porcelanatos do Grupo Incefra para arquitetos, especificadores de arquitetura e interessados; É uma tentativa de demonstrar por meio de amostras do próprio produto texturas, cores e características dos novos materiais, cujo objetivo final é facilitar o reconhecimento e a seleção dos produtos. O desenvolvimento de um “catálogo” virtual com o conceito de cada linha é o objetivo final deste projeto.

    O objetivo deste trabalho é aproximar toda criatividade do especificador às qualidades técnicas e únicas de cada produto em sua essência de criação.Tendo em vista o desafio de atrair a atenção de um público qualificado como o detalhamento do produto para este tipo de material, o catálogo virtual proposto incluirá imagens com elementos comuns do dia a dia com o objetivo de refletir o caráter questionador e sua capacidade de estabelecer novas relações com o produto e se familiarizar com o conceito.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
19,617
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
98
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PORCELANATOS - CAMILA LAMBERTI

  1. 1. CAMILA MÁRCIA CONTATO LAMBERTI CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PEÇAS CENTRO UNIVESITÁRIO SENAC PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO
  2. 2. 2 CENTRO UNIVESITÁRIO SENAC PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO CAMILA MÁRCIA CONTATO LAMBERTI CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PEÇAS Campinas 2009
  3. 3. 3 CAMILA MÁRCIA CONTATO LAMBERTI CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PEÇAS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de Pós-Graduação em Design Gráfico do Centro Universitário SENAC para obtenção do título de Especialista em Design Gráfico. ORIENTADORA: ÉRIKA POZETTI CO-ORIENTADORA: MILENE CARA Campinas 2009
  4. 4. 4 CAMILA MÁRCIA CONTATO LAMBERTI CATÁLOGO VIRTUAL E MOSTRUÁRIO DE PEÇAS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário Senac – Campus Campinas, como exigência parcial para obtenção de conclusão de curso de Pós-Graduação em Design Gráfico. Co-orientadora: Profa. Milene Cara Orientadora: Érika Pozetti A banca examinadora dos Trabalhos de Conclusão em sessão publica realizada em ____/_____/_____, considerou o(a) candidato(a): 1) Examinador (a)________________________________________________________ 2) Examinador (a) ________________________________________________________ 3) Examinador (a) ________________________________________________________
  5. 5. 5 Dedico este trabalho a meu marido, Wanderley Pedro Lamberti, a minha filha, Carolina Micaele Lamberti, e meus pais, Alvimara Ema Mirandola Contato e José Camilo Contato que sempre olharam por mim.
  6. 6. 6 AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer á mestre Milene Cara, pela atenção e força, ao meu marido que teve muita paciência durante minhas ausências e minha filha que compreendeu e verificou todo meu esforço. Agradeço também a todos que me ajudaram diretamente ou indiretamente nas informações que aqui contém.
  7. 7. 7 RESUMO A intenção ao criar um catálogo de cerâmicas é divulgar a coleção 60x60 porcelanatos do Grupo Incefra para arquitetos, especificadores de arquitetura e interessados; É uma tentativa de demonstrar por meio de amostras do próprio produto texturas, cores e características dos novos materiais, cujo objetivo final é facilitar o reconhecimento e a seleção dos produtos. O desenvolvimento de um “catálogo” virtual com o conceito de cada linha é o objetivo final deste projeto. Os catálogos atualmente disponíveis no mercado são na sua maioria impressos com todos os modelos e cores; com aplicações de verniz para caracterizara simulação de produtos com verniz brilhante e outros, com verniz mais áspero simulando a técnica de granilha; estas caracterizam tentativas de aproximar o catálogo ao produto real. Os catálogos impressos também disponibilizam sugestões de ambientações com os produtos para uma melhor visualização de uma possível utilização do produto demonstrado. A proposta deste trabalho é a divulgação diferenciada com um estilo mais atraente, funcional e adequado para despertar o interesse e chamar a atenção de seu público-alvo: profissionais da área interessados em especificar os produtos com a segurança do ambiente acabado. O objetivo deste trabalho é aproximar toda criatividade do especificador às qualidades técnicas e únicas de cada produto em sua essência de criação.Tendo em vista o desafio de atrair a atenção de um público qualificado como o detalhamento do produto para este tipo de material, o catálogo virtual proposto incluirá imagens com elementos comuns do dia a dia com o objetivo de refletir o caráter questionador e sua capacidade de estabelecer novas relações com o produto e se familiarizar com o conceito. Palavras chave: Design gráfico, catálogo virtual, experiência, mostruário de peças cerâmicas.
  8. 8. 8 ABSTRACT The intention in creating a catalogo f ceramic tiles is to market the Incefra Group selection of porcelain tiles 60x60cm to architects, architect specifiers and people interested. It is na attempt to demonstrate through samples of the product, textures, colors and characteristics of the new material, which final objective is to facilitate the recognition and the selection of the products. The development of a virtual catalog with the concept of each product line is the final objective of this project. The catalogs currently available in the market are mostly printed with all models and colors, with varnish aplication to simulate the characteristics of the products of the glossy products and others, with rough varnish to simulate the anti-slip property, these are attempts to approximate the catalog to the real product. The printed catalogs also provide suggestions of room applications with the products for a better visualization of a possible usage of the demonstrated product. The proposal of this assignment is a different approach on the marketing with a more attactive style, functional and adequate to attact the interest and attention of the target public: professionals of the área interested in specifying the products with the saftiness of the finished área. The objective of this assignment is to bring all the creativity of the specifier near to the technical and unique qualities of each product in its creation essence. Having in mind the challenge of attracting the attention of a qualified public with the detailing of the product for this type of material, the virtual catalog proposed will include images with common daily elements with the objective of reflecting the questioning feature e the capability of establishing new relations with the product and familiarize with the concept. Key words: Grafic Design, virtual catalog, experience, ceramic tile display
  9. 9. 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ...................................................................................................................... 10 1. CATÁLOGO VIRTUAL................................................................................................ 12 1.1 HISTÓRICO ................................................................................................................. 13 1.2 REVESTIMENTO CERÂMICO................................................................................. 14 1.3 MERCADO ................................................................................................................. 15 1.4 CATÁLOGOS ATUAIS.............................................................................................. 16 1.5 LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO........................................................................... 18 1.6 COMPOSIÇÃO ........................................................................................................... 19 1.7 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ................................................................................ 20 1.8 DESIGN COMO SENTIDO CRIATIVO.................................................................... 21 1.9 FLUXO DO CATÁLOGO VIRTUAL........................................................................ 23 2. MOSTRUÁRIO DE PEÇAS .......................................................................................... 32 2.1 COMPOSIÇÃO ............................................................................................................ 33 2.2 TEXTURA................................................................................................................... 35 2.3 CONSUMIDOR........................................................................................................... 36 3. OBJETIVO ..................................................................................................................... 38 4. CRONOGRAMA............................................................................................................ 40 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................................................... 42 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ........................................................................... 44 7. ÍNDICE DE FIGURAS .................................................................................................. 47 8. ANEXOS ........................................................................................................................ 49
  10. 10. 10 INTRODUÇÃO
  11. 11. 11 Atualmente à indústria cerâmica disponibiliza um investimento significativo em catálogos para demonstrar as coleções e linhas que cada empresa disponibiliza para o especificador e consumidor final, juntamente com as informações técnicas de seus produtos. Como o lançamento é freqüente neste mercado, catálogos impressos se desatualizam rapidamente e atende informações é uma necessidade constante. A atualização deve ocorrer com a mesma velocidade que a indústria produz, determinando assim um material que rapidamente se apresenta desatualizado para o consumidor final. Pensando nesta necessidade de constante renovação de informações e grandes investimentos financeiros dispensados a materiais que rapidamente se tornam desatualizados sugerimos divulgar a coleção 60x60 porcelanatos do Grupo Incefra para Arquitetos, Especificadores de Arquitetura e interessados por meio de um “catálogo” virtual com o conceito de cada linha. Concretizar toda inspiração que orientou o designer para demonstrar o conceito do produto para o público alvo com imagens ambientadas, detalhes de cada linha e inspirações a fim de evidenciar aspectos intangíveis ou de linguagem do produto.. Isso trará uma linha de sistemática que poderá ser utilizado em todas as impressões gráficas como catálogos, no stand, no site e no catálogo virtual. Esta proposta, de divulgação diferenciada com um estilo mais atraente, tem em vista o desafio de atrair a atenção de um público qualificado por meio de um catálogo de peças será complementada por um catálogo virtual que incluirá imagens com elementos comuns no dia a dia dos especificadores e consumidores finais com o objetivo de refletir o caráter questionador e sua capacidade de estabelecer novas relações com o produto.
  12. 12. 12 1. CATÁLOGO VIRTUAL
  13. 13. 13 1.1 HISTÓRICO A história do Grupo Incefra se inicia em 1971 com a fundação da Indústria Cerâmica Fragnani Ltda, fabricante de telhas e tijolos. Em 1988, é iniciada a fabricação de revestimentos cerâmicos, produzindo 1,8 milhão m²/ano. Em 1998 a Incefra, como é conhecida, conquista a Certificação de Produto conforme NBR 13818, e em 2000, se consolida como grande exportadora de revestimentos cerâmicos de massa vermelha. Em 2003 a cerâmica conquista a Certificação de Sistema conforme NBR ISO 9001, no ano seguinte inicia a produção na Incenor, filial localizada em Dias D´Ávila, Bahia. Em 2006 o Grupo Incefra inicia uma nova fase com a produção do porcelanato In Out, uma nova estratégia no mercado com produtos de valor agregado e se consolida como um dos três maiores produtores brasileiros de revestimentos cerâmicos com 40 milhões de m2/ano. Em 2007, inicia a nova fábrica com tecnologia em massa atomizada, Tecnogrés, localizada em Dias D´Ávila – Bahia, o porcelanato com Decoração a Seco, disponível em duas fábricas na América Latina e a monoporosa, revestimentos especais para paredes. Em 2008 o Grupo se destaca na Engenharia como fornecedora de grandes construtoras nacionais, fornece revestimento cerâmico com exclusividade para o governo para os projetos da CDHU e a Incenor conquista a Certificação de Produto. Atualmente o Grupo Incefra produz mais de 48 milhões de m²/ano com complementos cerâmicos, revestimentos de massa vermelha, revestimentos de massa atomizado, porcelanato e monoporosa. É a única cerâmica brasileira que produz todos os tipos de processos cerâmicos. Este conhecimento histórico do grupo vem de documentos internos e da vivência que a Incefra expõe para o mercado em que atua com catálogos impressos e vídeos institucionais.
  14. 14. 14 1.2 REVESTIMENTO CERÂMICO A indústria de cerâmica para revestimentos no Brasil surgiu a partir de antigas fábricas de tijolos, blocos e telhas de cerâmica vermelha, que no início do século 20 começaram a produzir ladrilhos hidráulicos e, mais tarde, azulejos, pastilhas cerâmicas e de vidro. No entanto, foi no início dos anos 70 que a produção atingiu uma demanda continuada, fazendo com que a indústria cerâmica ampliasse significativamente a sua produção, com o surgimento de novas empresas. Inicialmente concentrada em alguns pólos de produção nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, a indústria de cerâmica ampliou-se na década de 80, com um processo de desconcentração industrial e pulverização regional, elevando para 119 o número de empresas produtoras de cerâmica para revestimentos. Diante desse quadro, o setor iniciou, já nos anos 80, e aprofundou nos anos 90, seu processo de reestruturação, com modernização e adaptação das empresas e com investimentos em equipamentos modernos, novas tecnologias e novos métodos de gestão, bem como em formação e aperfeiçoamento de pessoal, além do desenvolvimento dos chamados “novos produtos cerâmicos”. Atualmente, os métodos de produção são bastante modernos, com um parque de máquinas de alto nível tecnológico e um razoável nível de qualificação da mão-de-obra, embora a administração das empresas continue sendo familiar. O revestimento cerâmico é uma placa de cerâmica obtida da mistura de argila, areia e outras substâncias naturais (fetdspatos, filitos, calcita e outros), cozidas em altíssima temperatura (entre 1000 e 1250 ºC). Pode ter formatos e dimensões variáveis (com extensões que vão de poucos centímetros a mais de um metro e espessuras de 5 a mais de 25 mm). Dureza, resistência à compressão e isolação elétrica são as características mais comuns à maior parte dos materiais cerâmicos. São ainda antialérgicos, possuem opções que combinam com grande variedade de acabamentos, móveis e acessórios, e preços para todos os bolsos, são de fácil limpeza e colocação, incombustíveis, higiênicos e antiderrapantes.
  15. 15. 15 1.3 MERCADO Atualmente o mercado de pisos e revestimentos cerâmicos utiliza os catálogos tanto como forma de divulgação de suas coleções como também um guia técnico para sua utilização. Para atingir tais objetivos, as empresas lançam mão de diversos recursos para demonstrar as características do produto acabado, utilizando algumas técnicas disponíveis no mercado para simular características como brilho e granilhas que dão um aspecto de ante derrapante. Segundo pesquisas recentes realizada pela Anamaco (Associação dos Comerciantes de Material de Construção), temos 13% do PIB brasileiro investido na indústria da construção civil, entendemos que o design é uma atividade multidisciplinar voltada a projetar produtos dotados de atributos estéticos, simbólicos e funcionais. Elevá-lo ao patamar estratégico da empresa, hoje, deve ser uma regra, porque o sucesso é o somatório de diversas áreas distintas. Segundo Magalhães (1997, p.26), “Para ser usado de modo estratégico, o design deve estar integrado e participar das definições estratégicas, a partir do nível decisório mais alto e interagindo com todas as áreas relevantes”. Levando em consideração a maior acessibilidade tecnológica, observamos que o momento atual constitui o mais propício para a consolidação do design não somente como ferramenta que permite melhor desempenho do produto no mercado, mas também gerador de qualidade de vida para as pessoas.
  16. 16. 16 1.4 CATÁLOGOS ATUAIS Catálogo impresso demonstra dificuldade de visualizar o conceito do produto ou da linha de revestimento cerâmico que foi sugerido, não se visualizando a aplicação (ambientação) de nenhuma das referencias da linha. Ilustração 1 - linha conjugada O catálogo apresenta o aspecto visual com simulações de aplicações extras para tentar transmitir a sensação que o produto final, mas que nem sempre se assemelha pela diversidade técnica que temos em circulação de texturas no mercado. Ilustração 2 - linha piscina
  17. 17. 17 O mostruário de chapas de laminados da Duraflor expõe todas as variações de cores, sem risco de distorção no material impresso, e demonstra toda textura de cada modelo. Podendo ser transportado em mão sem muita dificuldade trás para o cliente uma aproximidade e interação com a linha exposta. Ilustração 3 - mostruário Duraflor
  18. 18. 18 1.5 LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO A maneira definida para transmitir o conteúdo do catálogo virtual tem a intenção de propor uma visão mais ampla das linhas e conceitos dos produtos e coleções por meio da percepção de imagens e sons. Esta percepção é estimulada pela relação entre a linguagem do objeto com a metalinguagem utilizada para se obter o know how ou conceito da coleção. Segundo Pignatari (2002, p.48), “metalinguagem adequada (voltada que está para o “conceito”, o “conteúdo”, a significação”). O criador está dentro da linguagem; o crítico, por fora. O criador se alimenta das raízes da linguagem, o crítico, de suas folhas, flores e frutos. A linguagem do catálogo pretende demonstrar requinte, sofisticação e qualidade para um público mais elitizado, pois os mesmos tem um repertório diferenciado. Segundo Pignatari (2002, p.87), “a alteração nasce de fatores quantitativos, pois a massa vai criando e impondo sua própria linguagem, elaborando seu próprio repertório, muitas vezes em oposição critica á chamada cultura de elite. Segue as inspirações das linhas utilizadas: Branco – Junção de todas as cores. Cor da luz, da máxima luminosidade. Associado a paz, calma, ordem e limpeza. Combina com todas as cores. Combina com tudo. Loft – Estilo de morar nova-iorquino. Estilo de morar contemporânea. Espaços abertos sem parede. Grandes janelas e pé diretos altos. Cores neutras e móveis de design. Limestone – Pedra calcária. Pura se torna giz. Combinada com argila se torna obra de arte. Usada em monumentos da arquitetura antiga. Usada no piso da arquitetura moderna. Rústico – Bruto no estado natural. Onde o parecer mal acabado é proposital. Para o campo e praia pela praticidade e harmonia. Na cidade, como contraste com o contemporâneo. O rústico traz a natureza para dentro de casa. Madeira - Estilo clássico de revestir. Aquece e aconchega os ambientes. Em cerâmica, torna- se ecologicamente correto. Resistente a umidade e fogo. Liberdade total para uso da madeira
  19. 19. 19 1.6 COMPOSIÇÃO A distribuição das imagens para o catálogo virtual propõe uma leitura do conceito de cada linha, seguida da humanização e contextualização das mesmas para induzir a uma linguagem pré estabelecida com a intenção de transmitir a criação e inspiração do produto em seu nascimento como projeto, ou seja, seu mote. A mensagem tem o objetivo de contar, expressar, explicar, dirigir, inspirar e afetar o consumidor final para a utilização e indicação da coleção porcelanato 60x60. Ilustração 4 - belezas do branco Ilustração 5 - detalhes do branco
  20. 20. 20 1.7 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ilustração 6 - caracteristicas técnicas / branco
  21. 21. 21 1.8 DESIGN COMO SENTIDO CRIATIVO A empresa irá demonstrar seus produtos através de atividade criativa que estabelece as características de produtos e serviços, enfatizando os valores estéticos, sociais, ambientais e culturais por meio das características dos produtos, ambientes e conceitos. O catálogo virtual irá inovar com design gráfico é o sendo mais uma alternativa para o veículo da inspiração utilizando a tecnologia para oferecer soluções com alto valor estético, excelente desempenho funcional respeitando o meio ambiente. O catálogo virtual disponibilizará imagens de ambientes, detalhes dos produtos cerâmicos e imagens de inspirações dos conceitos que foram utilizados na criação da linha para demonstrar em forma de “catálogo” virtual cada linha da coleção porcelanato 60x60. Morace, (2009, p.8), defende que o consumidor tem uma interação com os produtos e serviços que chegam a participar da sua construção dos mesmos. “Design como sentido criativo no mercado. O design thinking do empreendedor e dos executivos da empresa, do qual hoje se sente uma verdadeira necessidade. Trata-se de uma convergência que vivenciamos a partir do digital: o feliz encontro entre empresa, consumo e projeto. Na prespectica de uma existência futura para empresas e pessoas, o mundo e as tendências do consumo não demonstram a autonomia de valor que expressaram nos últimos vinte anos, mas contribuem profundamente para o lançamento de um leque de valores novos e experimentais, que se manifestam através de comportamentos e parâmetros sugeridos e sustentados pelas novas tecnologias. È assim que entramos no mundo dos consumidores autorais.” Na base dessas reflexões fecha-se o circulo entre arte, design, tecnologia e novos modelos de consumo tendo que rever as maneiras de se aproximar deste consumidor. Morace, (2009, p.15)
  22. 22. 22 “As novas tecnologias têm contribuído em modificar os comportamentos “mentais” que cada um tem absorvido como novos parâmetros do pensar, do decidir e do avaliar. A capacidade e a paixão combinatória típica do “corta e cola criativo”, a velocidade relacionada do SMS, o comportamento de projetos de file-sharing, o aprofundamento narrativo do DVD, a exploração personalizada típica do território do GPS, a memória seletiva possível com o iPod, as formas do do-it-yourself de convívio típicas da videofotografia digital ou a experimentação expressiva dos Djs têm indicado caminho, partindo da concretude das práticas de vida e da força propositiva dos novos esquemas mentais. Esses esquemas vão em direção ao universo do consumo autoral.” A transformação do comportamento em como visualizar os produtos e serviços favorecem e estimulam para um estimulo a própria criatividade. Morace, (2009, p.14) “É justamente este ponto que nos interessa: a força do conceito e da intenção começa a fazer parte da dimensão estética e são reconhecidas pelo consumidor, que pode governá-las com a sua própria sensibilidade, transferindo “a artisticidade” do objeto de museu para sua própria casa, destuindo definitivamente a “aura” artística e reconhecendo a força estética do design.”
  23. 23. 23 1.9 FLUXO DO CATÁLOGO VIRTUAL Ilustração 7 - belezas do branco Ilustração 8 - detalhes do branco Ilustração 9 - natureza
  24. 24. 24 Ilustração 10 - detalhes da natureza Ilustração 11 - estado de espírito
  25. 25. 25 Ilustração 12 - sutileza Ilustração 13 - sensível e forte
  26. 26. 26 Ilustração 14 - sensível e forte Ilustração 15 - refleti o melhor
  27. 27. 27 Ilustração 16 - refleti o melhor Ilustração 17 - detalhes Ilustração 18 - detalhes
  28. 28. 28 Ilustração 19 - delicadeza Ilustração 20 - delicadeza Ilustração 21 - ternura
  29. 29. 29 Ilustração 22 - ternura Ilustração 23 - produtos
  30. 30. 30 Ilustração 24 - ambientação do produto Ilustração 25 - características técnicas / branco
  31. 31. 31 Ilustração 26 - bom gosto
  32. 32. 32 2. MOSTRUÁRIO DE PEÇAS
  33. 33. 33 2.1 COMPOSIÇÃO O mostruário de porcelanato obtém a distribuição das peças por coleções e cores que se completam e se equilibram. As texturas são aproximadas, por algumas vezes por contraste e outras por semelhanças de desenhos e técnicas, obtendo assim um equilíbrio do mostruário como um todo. Ilustração 27 – layout mostruário de peças
  34. 34. 34 Na parte interna do mostruário não se verifica a informação pela mobilidade das linhas a serem substituídas ou acrescentadas à coleção, para se ter um melhor aproveitamento da “faca” e “clichê” para impressão do encartelado. O encarte disponibilizará amostras de porcelanato em formato aproximado de no máximo 10x10 (correspondente a 60x60 e seus derivados de 30x60 e 15x60 respectivamente) em um mostruário da coleção porcelanato 60x60, demonstrando com amostras do próprio produto a textura e as cores de uma forma prática, real e mais próxima do consumidor final.
  35. 35. 35 2.2 TEXTURA A escolha de amostras de porcelanatos da coleção 60x60 busca a aproximação com o consumidor final ou especificador, pois usualmente os catálogos apresentam apenas o aspecto visual com simulações de aplicações extras para tentar transmitir a sensação que o produto final, mas que nem sempre se assemelha pela diversidade técnica que temos em circulação de porcelanatos no mercado. Para inovar no segmento cerâmico, sugero utilizar o aspecto visual com o tátil e o sonoro, pois buscamos informações, referencias com todos os nossos sentidos vitais: visão, audição, paladar, tátil e olfato, para melhor compreender assimilar a linguagem estabelecida. Segundo Dondis (2007, p.70), “o julgamento do olho costuma ser confirmado pela mão através da objetividade do tato. É realmente suave ou apenas parece ser? Será um entalhe ou uma imagem em realce? (...) A textura se relaciona com a composição de uma substancia através de variações mínimas na superfície do material. A textura deveria funcionar como uma experiência sensível e enriquecedora”
  36. 36. 36 2.3 CONSUMIDOR Mesmo em tempos de crise econômica global, este setor que explora o mercado de produtos de valor agregado registrou crescimento de 12,5% (2007/2008) e há uma expectativa de ampliação dos negócios nesta área de 8% (2008/2009), expõe levantamento do Senai Cetiqt. Diante deste quadro, as empresas focadas no mercado de luxo buscam o fortalecimento da imagem da marca, expansão do mercado alvo através da abertura de lojas próprias. Entre os principais obstáculos para o setor no país estão a tributação elevada, os custos de divulgação da marca e as dificuldades de importação. Este mercado é sensorial, sendo composto por 37% de homens e 63% de mulheres. Por isso, compreender os desejos e aspirações de público feminino é fundamental para o sucesso neste segmento. No luxo sensorial o valor Intrínseco = Qualidade, durabilidade x fashion. Há uma fuga da ostentação e adoção do consumo consciente e discreto. Segundo sociólogo Morace (2009, p.63), dos targets pesquisados pelo Future Concept Lab, foram apresentadas com fortes características e peculiaridades para o mercado brasileiro com o poder aquisitivo de alto padrão são: SENSE GIRLS Nova geração de 25-40 anos, que tem o culto da estética e da sensorialidade como ponto de partida para sua existência. Trata-se de um grupo de mulheres que tem em comum o refinamento, a intuição na hora de comprar um produto. Elas são atraídas pelos lugares onde o consumo encontra a cultura, um cruzamento interessante entre comércio e entretenimento. Para Sense Girls a busca por cuidados começa voltada para si mesma, para depois se expressar através de objetos, como os de decoração, por exemplo. Para atender este grupo é necessário:
  37. 37. 37 - Trabalhar com o conceito das percepções cruzadas, onde o visual se torna visão e o tato absorve os outros sentidos. - Cor, humor. - Trabalhar nos detalhes que definem de maneira refinada a característica estilística dessa atitude. - Combinar deliciosamente a aproximação entre materiais que indicam o conhecimento. - Dar foco às múltiplas dimensões da vida fora da casa: o living design, viver a cidade como se fosse a sua própria casa. DELUXE MEN Sujeitos maduros de 45-60 anos, cuja característica principal é o culto ao luxo e à qualidade. Esse núcleo geracional, que se identifica no conceito do prestígio, com projetos estéticos e arquitetônicos, que possuem a ambição de marcar para sempre o território com a força do entusiasmo. Uma nova tendência: sair de mansões térreas para mansões suspensas. Comportamento do grupo Deluxe Men: - Percepção de futuro diferenciado, uma visão singular e imaginação completamente transformada. - Lançam projetos criativos, que são únicos. - Trabalham com estéticas experimentais. - Consideram as visões arquitetônicas e urbanísticas como modelo de referência para a realização de utopias possíveis em escalas e contextos diferentes. - Excelência e gosto se confundem com o luxo e prestígio na experiência dos novos ricos.
  38. 38. 38 3. OBJETIVO
  39. 39. 39 Com a distribuição do catálogo virtual e mostruário de peças 60x60 porcelanato o grupo Incefra deve se tornar uma referência neste segmento, demonstrando produtos de qualidades com design em conceitos e estilos. Disponibilizar de forma prática as texturas e cores reais da coleção para todos os especificadores e consumidor final com a agilidade de atualização e fidelidade com o produto que está sendo almejado. A empresa irá demonstrar seus produtos através de atividade criativa que estabelece as características de produtos e serviços, enfatizando os valores estéticos, sociais, ambientais e culturais por meio das características dos produtos, ambientes e conceitos. O catálogo virtual irá inovar com design gráfico é o sendo mais uma alternativa para o veículo da inspiração utilizando a tecnologia para oferecer soluções com alto valor estético, excelente desempenho funcional respeitando o meio ambiente. O catálogo virtual disponibilizará imagens de ambientes, detalhes dos produtos cerâmicos e imagens de inspirações dos conceitos que foram utilizados na criação da linha para demonstrar em forma de “catálogo” virtual cada linha da coleção porcelanato 60x60. Já o mostruário de peças disponibilizará amostras de porcelanato em formato aproximado no máximo de 10x10 correspondente a 60x60 e seus derivados de 30x60 e 15x60 respectivamente em um encarte a coleção 60x60 para Arquitetos, Especificadores de Arquitetura e interessados demonstrando com amostras do próprio produto a textura e as cores de uma forma prática e mais próxima do consumidor final.
  40. 40. 40 4. CRONOGRAMA
  41. 41. 41 Conhecimento e Investigação junho Entrevistas internas junho Entrevistas externas junho Resultados verificados junho Deficiências e Qualidades julho Internas julho Externas julho Posicionamento da empresa no mercado julho Análise e Definições agosto Possibilidades agosto objetivo agosto encarte das amostras agosto catálogo virtual setembro Finalização setembro Ajustes finais setembro Apresentação setembro Distribuição dos mesmos outubro Análise das sugestões com os clientes finais outubro
  42. 42. 42 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  43. 43. 43 O encarte e o catálogo virtual demonstrarão que é possível e necessária à interação de usuários ou especificadores para a utilização dos produtos e melhor orientá-los na utilização dos mesmos. Neste sentido, a experiência emotiva irá demonstrar as características de cada produto e também na forma de visualizar os mesmos nos ambiente já ilustrado com a linha que mais lhe agrada. Teremos um acompanhamento com alguns clientes estratégicos para fazer a avaliação se os objetivos foram alcançados e se necessário ajustes para distribuição final para todo Brasil e mercados em que atuamos.
  44. 44. 44 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  45. 45. 45 PIGNATARI, Décio. Informação, Linguagem, Comunicação. Cotia: Ateliê, 2002. DONDIS, Donis. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 2007. LIMA, Marco Antonio Magalhães. Introdução aos materiais e processos para designers – Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006. MORACE, Francesco. Consumo autoral: as gerações como empresas criativas. Barueri: Estação das Letras e Cores, 2009. CHING, Francis D. K. LAMPARELLI, Alvamar Helena. Arquitetura: forma, espaço e ordem. São Paulo: Martins Fontes, 2008. BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2007. PEVSNER, Nikolaus. Origens da arquitetura moderna e do design. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. BÜRDEK, Bernhard. Design: história, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: E. Blücher, 2006. ARRUDA, Mauro; VERMULM, Roberto; HOLLANDA, Sandra. Inovação tecnológica no Brasil: a indústria em busca da competitividade global. São Paulo: Anpei, 2006. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CERÂMICA (ABC). Cerâmica no Brasil: panoramas setoriais. São Paulo,2002. Disponível em: <http://abceram.org.br/asp/abc_2610.asp> Acesso em 16.jun.2008. CENTRO PORTUGUÊS DE DESIGN. Manual de Gestão do Design. Porto, Portugal: Bloco Gráfico, 1997. Coleção Design, Tecnologia e Gestão.
  46. 46. 46 MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. Tradução de Astrid de Carvalho. São Paulo: EDUSP, 2002. MARTINS, Rosane F. F. ; MERINO, Eugenio A. D. A gestão do design como estratégia organizacional. Londrina: EDUEL, 2008. MORACE, Francesco. Tendências: novo consumidor, novas escolhas. SENAI/BR, ago, 2006. Disponível em:<http://www.senai.br/sb/sb100/tendencias.pdf>. Acesso em 11/05/2007. REVISTA ARC DESIGN. São Paulo: Roma, 2009. REVISTA ASPACER. Santa Gertrudes: _______, 2009. REVISTA ANAMACO ON LINE. São Paulo: Grau 10, 2009. REVISTA CERSAIE. Bologna: ________, 2009.
  47. 47. 47 7. ÍNDICE DE FIGURAS
  48. 48. 48 Ilustração 1 - linha conjugada ................................................................................................. 16 Ilustração 2 - linha piscina ...................................................................................................... 16 Ilustração 3 - mostruário Duraflor .......................................................................................... 17 Ilustração 4 - belezas do branco.............................................................................................. 19 Ilustração 5 - detalhes do branco ............................................................................................ 19 Ilustração 6 - caracteristicas técnicas / branco........................................................................ 20 Ilustração 7 - belezas do branco.............................................................................................. 23 Ilustração 8 - detalhes do branco ............................................................................................ 23 Ilustração 9 - natureza............................................................................................................. 23 Ilustração 10 - detalhes da natureza ........................................................................................ 24 Ilustração 11 - estado de espírito ............................................................................................ 24 Ilustração 12 - sutileza ............................................................................................................ 25 Ilustração 13 - sensível e forte ................................................................................................ 25 Ilustração 14 - sensível e forte ................................................................................................ 26 Ilustração 15 - refleti o melhor ............................................................................................... 26 Ilustração 16 - refleti o melhor ............................................................................................... 27 Ilustração 17 - detalhes ........................................................................................................... 27 Ilustração 18 - detalhes ........................................................................................................... 27 Ilustração 19 - delicadeza ....................................................................................................... 28 Ilustração 20 - delicadeza ....................................................................................................... 28 Ilustração 21 - ternura ............................................................................................................. 28 Ilustração 22 - ternura ............................................................................................................. 29 Ilustração 23 - produtos .......................................................................................................... 29 Ilustração 24 - ambientação do produto.................................................................................. 30 Ilustração 25 - características técnicas / branco...................................................................... 30 Ilustração 26 - bom gosto........................................................................................................ 31 Ilustração 27 – layout mostruário de peças............................................................................. 33 Obs: todas as imagens são do banco de imagens do Grupo Incefra.
  49. 49. 49 8. ANEXOS
  50. 50. 50
  51. 51. 51
  52. 52. 52 Roda da Modafaça Percepção Virtuosa 04.09.08 00:06 | comente este blog Percepção Virtuosa “Percepção Virtuosa” finaliza a apresentação das 4 Macro-Tendências do Brasil, dentro do tema “Estética e Comunicação” eleito para “costurar” as palestras do 3º. Seminário Internacional de COMPORTAMENTO e CONSUMO (veja o primeiro blog desta série). A palestra coletiva foi coordenada por Francesco Morace e contou com a participação de Sabrina Donzelli e Sabina Deweik (todos do instituto Future Concet Lab de Milão) e Aline Monçores do Senai Cetiqt, instituição que organizou o encontro. Design Thinking A Percepção Virtuosa é o conceito que une os cases aqui escolhidos para exemplificar como o design brasileiro contemporâneo está contextualizado internacionalmente. A Percepção é determinante: perceber os detalhes, as formas, os materiais utilizados,seja na moda, no design arquitetura, artes plásticas, no campo da criatividade: o Design Thinking. Aprofundando um pouco mais e traçando um paralelo com a cultura italiana, trata-se de “perceber” de uma forma “Virtuosa”, como na Renascença: o que importa é o equilíbrio e a construção harmônica de planos, níveis, a relação com o mundo à nossa volta. A escolha de materiais diferenciados é fundamental: um exemplo o titânio no Guggenheim de Frank Gehry e suas formas e seu poder transformador em Bilbao. Em São Paulo, o Hotel Unique de Ruy Ohtake criou um novo ícone para a cidade, “um dos hotéis-design mais admirados no mundo”. Na moda, o diálogo com as artes é cada vez mais presente, como nos desfiles de 2007 e 2008 de Dolce & Gabbana, Picabia de Lagerfeld para Fendi, Pollock e Mark Rothko na Gucci, Klint emMissoni.
  53. 53. 53 O quarteto palestrante destaca o design no Brasil, através principalmente dos criadores Ernesto Neto, H.Stern,Antonio Bernardo e Isabela Capeto; sobre esta última, foi reforçado o trabalho da marca tanto no que diz respeito ao design industrial, à comunicação visual e à comunicação social feitos pela estilista através do trabalho com as cooperativas de costureiras e bordadeiras. No Brasil, esta Macro-Tendência "Percepção Virtuosa" é particularmente muito forte, e está presente através da hiper valorização e a própria percepção do Corpo, e pela busca da saúde perfeita - por fora (questões estéticas) e por dentro – alimentação, conduta de vida, remédios. Falando de saúde e estética, Morace citou como exemplo deste campo que não pára de crescer uma iniciativa da Technogym, empresa italiana de aparelhos de preparação atlética, e o lançamento da primeira TV na Internet dedicada exclusivamente ao bem-estar psico-físico, on-linedesde 2007 – www.wellnesstv.tv A Natureza é outro aspecto relevante quando se pensa na exuberância do Brasil: seus muitos quilômetros de praias juntam-se a um pantanal e à uma zona rural com outra diversidade de fauna e flora. O país é exótico e destino certo para o Turismo Ecológico. Como último exemplo, foi citada a loja inglesa Tobyshop que em 2008 re-editou dos anos 1970 a Helmut Newton Photo Machine e instalou em suas lojas máquinas fotográficas cujo click é disparado pelo usuário, ou seja, você vai na loja comprar, tem à sua disposição todas as roupas, leva para uma cabine, se “monta” de várias formas e se fotografa: o consumidor é o seu próprio stylist e produz e registra seu “look”. Cada vez menos teremos fashion victims: não existe mais tendência: o consumidor escolhe o que usa e mistura com o que já tem, faz sua própria narrativa, o visual personificado, customizado. Este conjunto de palestras faz parte de um estudo que começa a traçar o DNA do Design no Brasil, e foi dividido em 4 Macro-Tendências (conforme blogs anteriores), que foram analisadas e exemplificadas através de diferentes cases que evidenciam no Brasil e em outros países traços da nossa cultura, comportamento e consumo. O Senai Cetiqt , inclusive,
  54. 54. 54 juntamente com o Future Concept Lab de Milão, fundou um Observatório de Estudos com o propósito de estudar profundamente o DNA Brasil, com levantamentos e diagnósticos que são feitos em todas as regiões do país. por Fernando Molinari http://www.rodadamoda.com/post.php?id_post=214

×