Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula02 formacidade

A forma da cidade deve expressar os objetivos e percepções de seus cidadãos. Estudos de Kevin Lynch

  • Login to see the comments

Aula02 formacidade

  1. 1. PROJETO  DE  URBANIZAÇÃO  E   PAISAGISMO   AULA  02  –  A  FORMA  DA  CIDADE   Universidade  Católica  de  Brasília   Curso  de  Arquitetura  e  Urbanismo   Prof.  Carla  Freitas  
  2. 2. Forma  da  Cidade   Paradigma:   ¨  Transformar  o  mundo  urbano  atual  em  uma   paisagem  passível  de  imaginabilidade   Paisagem  Imaginável:   ¨  Algo:  Visível  |  Coerente  |  Claro   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  3. 3. Forma  da  Cidade   ¨  Novas  aWtudes  dos   moradores  das  cidades,   o  CIDADÃO   ¨  Reformulação  do  meio   em  que  se  vive   ¨  Novas  imagens  das   cidades  –  Símbolos  de   vida  urbana     Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  4. 4. A  forma  da  cidade  deve  expressar  os  objeWvos  e  as   percepções  de  seus  cidadãos.   “Existem,  porém,  algumas  funções  fundamentais,  que  as  formas  da   cidade  podem  expressar:  circulação,  usos  principais  do  espaço   urbano,  pontos  focais  chaves.”  Lynch   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br   Piazza  della   Signoria,  Florença,   Italia    
  5. 5. Forma  da  Cidade   “As   esperanças,   os   prazeres   e   o   s e n s o   c o m u n i t á r i o   p o d e m   concreWzar-­‐se.  Acima  de  tudo,  se  o   ambiente   for   visivelmente   o r g a n i z a d o   e   n i W d a m e n t e   idenWficado,   o   cidadão   poderá   impregna-­‐lo   de   seus   próprios   significados   e   relações.   Então   se   tornará   um   verdadeiro   lugar,   notável  e  inconfundível.”  Lynch   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  6. 6. Uma  paisagem  com  formas  fortes  e  marcantes  pode   ser  resultado  de  atributos  naturais  poderosos  ou   produto  das  modificações  humanas  visando  a   objeWvos  concretos,  com  uma  tecnologia  comum   atuando  sobre  a  estrutura  básica  oferecida  por  um   processo  geológico  conenuo.   Lynch  observa  que  as  modificações    feitas  com   consciência  das  inter-­‐relações  conservam  a   individualidade  tanto  dos  recursos  naturais  quanto   dos  objeWvos  humanos.     Forma  da  Cidade   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  7. 7.  “Em  sua  condição  de  mundo  arWficial,  é  assim  que  a  cidade  deveria   ser:  edificada  com  arte.”  Lynch   A  Forma  da  Cidade   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  8. 8. “Aumentar  a   imaginabilidade  do   ambiente  urbano  significa   facilitar  sua  idenWficação  e   estruturação  visual.”   Forma  da  Cidade   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  9. 9. Forma  da  Cidade     Blocos  formadores  no  processo  de  criação  de   estruturas  firmes  e  diferenciadas  em  escala  urbana:   ¨  Vias   ¨   Limites   ¨  Regiões  ou  Bairros   ¨  Pontos  Nodais   ¨  Marcos   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  10. 10. Vias   ¨  canais  de  circulação  ao   longo  dos  quais  o   observador  se  locomove   de  modo  habitual,   ocasional  ou  potencial.  Ex.:   ruas,  alamedas,  linhas  de   trânsito,  canais,  ferrovias.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  11. 11. Limites   ¨  elementos  lineares  não   usados  ou  entendidos  como   vias  pelo  observador   ¨  fronteiras  entre  duas  fases,   quebras  de  conWnuidade   lineares   ¨   referencias  laterais,  podem   ser  barreiras  mais  ou  menos   penetráveis.  Ex.:  praias,   margens  de  rios,  cortes  de   ferrovias,  espaços  em   construção  muros  e  paredes.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  12. 12. Bairros  ou  Regiões   ¨  Trechos  médios  ou   grandes  de  uma  cidade,   costumam  ser  entendidos   pelo  observador  como   uma  extensão   bidimensional  que  tem   idenWdades  diferentes   entre  si.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  13. 13. Pontos  Nodais   ¨  focos,  junções,  ou  lugares   estratégicos  da  cidade  onde  o   observador  pode  entrar   ¨  locais  de  interrupção  do   transporte,  cruzamento,   momentos  de  passagem  de   uma  estrutura  para  outra   ¨  lugares  de  concentração   ¨  conceito  de  ponto  nodal  esta   ligado  ao  de  vias  e  também   ao  de  bairros.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  14. 14. Marcos   ¨  referencias  externas,  o   observador  não  entra  neles   ¨  um  objeto  hsico  definido  de   maneira  muito  simples;   edihcio,  sinal,  loja  ou   montanha   ¨  Alguns  marcos  são  distantes   e  vistos  de  muitos  ângulos  e   são  geralmente  usados   como  indicadores  de   idenWdade.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  15. 15. Vias:   -­‐  rede  de  linhas  habituais  ou  potenciais  de   deslocamento  através  do  complexo  urbano;   -­‐  meio  pelo  qual  o  todo  urbano  pode  ser  ordenado;   -­‐  linhas  de  movimento  (direção  clara)–  senso  de   direção  –  esqueleto  da  imagem  da  cidade.   As  vias  principais  devem  possuir  qualidades  singulares   que  as  diferenciem  das  vias  secundárias  e  terciárias.   O  desenho  das  ruas   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  16. 16. Se  as  posições  ao  longo  da  linha  puderem  ser  diferenciadas  de   certa  maneira  mensurável,  a  linha  será  não  só  orientada  como   estará  em  escala.     O  desenho  das  ruas   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  17. 17. Limites   Regiões  ou  Bairros   Pontos  Nodais   Marcos     O  desenho  de  outros  elementos   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  18. 18. Limites   Tanto  o  limite  como  as  vias  exigem  conWnuidade   formal  ao  longo  de  sua  extensão  para  serem   compreendidos  como  tal.  O  limite  adquire  força  se  for   lateralmente  visível  a  alguma  distância  e  se  ligar   claramente  duas  regiões  limítrofes.  O  limite  pode  dar   orientação  ao  longo  de  toda  a  sua  extensão.  Quando  o   limite  não  é  conenuo  ou  fechado  é  importante  que   suas  extremidades  tenham  terminais  reconhecíveis  que   completem  a  idéia  de  linha.  Aumentar  o  uso  dos  limites   ou  suas  condições  de  acesso  é  uma  forma  de  aumentar   sua  visibilidade.  Ex.:  quando  parte  da  cidade  à  margem   das  águas  é  aberta  ao  tráfego  e  ao  lazer.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  19. 19. Marcos   Um  marco  não  é  necessariamente  um  objeto   grande,  sua  caracterísWca  essencial  é  sua   singularidade,  o  contraste  com  o  contexto  ou  seu   plano  de  fundo.  A  proeminência  espacial  é  uma  das   coisas  que  mais  se  prestam  para  chamar  a  atenção.   A  localização  do  marco  também  é  fundamental   para  que  ele  de  fato  seja  entendido  como  tal,  a   menos  que  sejam  dominantes  os  marcos  isolados   tendem  a  ser  referências  fracas  por  si  só,  pois  seu   reconhecimento  exige  atenção  conenua.  “Os   marcos  também  podem  ser  ordenados  numa   sequencia  conenua,  de  modo  que  todo  um  trajeto   possa  ser  idenWficado  e  tornado  cômodo  por  uma   sucessão  de  detalhes  conhecidos.”     Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  20. 20. Pontos  Nodais   Pontos  nodais  são  pontos  de  referencia  conceituais  de   nossas  cidades  (realidade  americana  e  brasileira  tb).   Para  se  ter  um  ponto  nodal  forte  é  essencial  que  seja   um  lugar  disWnto  e  inesquecível,  impossível  de  ser   confundido  com  outro  qualquer.  “Um  ponto  nodal   será  mais  definiWvo  se  Wver  um  limite  níWdo,  fechado   e  não  se  estender  incertamente  para  os  lados;   também  será  digno  de  nota  se  Wver  um  ou  dois  objeto   que  sejam  focos  de  atenção.  Mas  será  irresisevel  se   puder  ter  uma  forma  espacial  coerente.”  Lynch   É  possível  organizar  um  conjunto  de  pontos  nodais   para  que  formem  uma  estrutura.     Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  21. 21. Bairros   Um  bairro  torna-­‐se  ainda  mais  níWdo  se  houver   uma  maior  definição  e  um  fechamento  de  suas   fronteiras.  O  bairro  também  pode  ser   estruturado  internamente,  com  subdivisões   diferenciadas,  mas  em  harmonia  com  o  todo;   pontos  nodais  e  sistema  de  vias  internas  ajudam   a  construir  estas  subdivisões.  Uma  região  ou   bairro  bem  estruturado  é  potencialmente  capaz   de  produzir  imagens  vivas.  Quando   adequadamente  estruturado  e  diferenciado  em   seu  interior,  um  bairro  pode  expressar  ligações   com  outras  caracterísWcas  da  cidade.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  22. 22. Sugestões  de  Lynch  para  o  desenho  urbano:   Singularidade  (clareza  fundo-­‐figura)   Simplicidade  da  forma   ConWnuidade   Predomínio   Clareza  de  junção   Diferenciação  direcional   Alcance  visual   Consciência  do  movimento   Séries  temporais   Nomes  e  significados     Qualidades  de  forma   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  23. 23. “Os  cinco  elementos  –  via,  limite,  bairro,  ponto  nodal  e   marco  –  devem  ser  considerados  simplesmente  como   categorias   empíricas   apropriadas,   dentro   e   ao   redor   das   quais   foi   possível   agrupar   uma   massa   de   informações.  Enquanto  forem  úteis,  funcionarão  como   blocos  de  construção  para  o  designer.  Tendo  dominado   suas  caracterísWcas,  ele  irá  ver-­‐se  diante  da  tarefa  de   o rga n i z a r   u m   t o d o   q u e   s erá   p erceb i d o   sequencialmente,   cujas   partes   só   serão   senWdas   no   contexto.”     O  senWdo  do  todo   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  24. 24. “As   formas   devem   ser   manipuladas   de   modo   que   exista   um   fio   de   conWnuidade   entre   as   imagens   múlWplas  de  uma  grande  cidade:  dia  e  noite,  inverno   e   verão,   proximidade   e   distancia,   estáWca   e   movimento,   atenção   e   distração.   Marcos   principais,   regiões,   pontos   nodais   ou   vias   deveriam   ser   reconhecíveis   sob   diversas   condições,   mas   de   maneira  concreta,  e  não  abstrata.”     O  senWdo  do  todo   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  25. 25. O  senWdo  do  todo   ¨  A  cidade  não  é  construída  para  uma  pessoa,  mas   para  um  grande  número  delas.   ¨  “O  designer  deve,  portanto,  criar  uma  cidade  que   seja  pródiga  em  vias,  limites,  marcos,  pontos   nodais  e  bairros,  uma  cidade  que  use  não  apenas   uma  ou  duas  qualidades  de  forma,  mas  todas   elas.”  Lynch   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  26. 26. Conclusões   ¨  A  qualidade  da  imagem  (Paisagem  Urbana)  inscrita   na  mente  do  usuário  da  cidade  (cidadão)  pode  ser   alcançada   através   do   treinamento   do   observador   (cidadão).   ¨  Este  treinamento  consiste  em  ensinar  as  pessoas  a   olhar   em   para   sua   cidade,   a   observarem   a   mulWplicidade  de  formas  e  a  perceber  como  elas  se   misturam.   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  27. 27. ...“poder-­‐se-­‐iam  levar  os  cidadãos  às  ruas,  programar   aulas   nas   escolas   e   universidades,   a   cidade   poderia   transformar-­‐se  no  animado  museu  de  nossa  sociedade   e  de  suas  esperanças.  Tal  educação  poderia  ser  usada   não   apenas   para   desenvolver   a   imagem   urbana,   mas   para   reorienta-­‐la   depois   de   uma   transformação   perturbadora.  Uma  arte  do  design  urbano  terá  de  ser  o   resultado   do   surgimento   de   um   público   informado   e   críWco.  A  educação  e  a  reformulação  hsica  são  partes   de  um  processo  conenuo.”     A  utopia  de  Lynch   Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  
  28. 28. Nossos  projetos  de  urbanismo  e  paisagismo  devem  buscar   reformular  a  cidade,  ou  mesmo  partes  dela,  para  melhorar  sua   imaginabilidade  e  assim  a  sua  clareza  como  forma  hsica.    Prof.  Carla  Freitas  |  estudio@caliandradesenhos.com.br|  www.caliandradesenhos.blogspot.com.br  

×