Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Crimes de trânsito

29,033 views

Published on

Ótimo material informando sobre tipificação de acidente de trânsito e consequências

Published in: Education

Crimes de trânsito

  1. 1. 1<br />CRIMESDE TRÂNSITO<br />ACADÊMICOS:<br />Leandro Katscharowski Aguiar<br />Mariano MartoranoMenegotto<br />PROF. ORIENTADOR:<br />Prof. Edmundo José de Bastos Júnior<br />Copyright (c) 1997 LINJUR. Proibidas alterações sem o consentimento por escrito dos autores. Reprodução/ distribuição autorizadas desde que mantido o “copyright”. É vedado o uso comercial sem prévia autorização por escrito dos autores.<br />
  2. 2. CRIMES DE TRÂNSITO<br />2 / 60<br />INTRODUÇÃO<br />O desenvolvimento do tema Crimes de Trânsito envolve ampla discussão doutrinária e merece bastante atenção nos dias atuais<br />O trabalho a seguir aborda inicialmente a parte legislativo-doutrinária atual e, posteriormente, as discussões sobre reformas na legislação <br />
  3. 3. CRIMES DE TRÂNSITO<br />3 / 60<br />GUERRA NAS ESTRADAS<br />Cerca de 50 milpessoas morrem todos os anos em acidentes de trânsito no Brasil <br />Sendo igual número de soldados americanos mortos em sete anos de combate no Vietnã<br />
  4. 4. CRIMES DE TRÂNSITO<br />4 / 60<br />ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA<br />“ O trânsito representa um espaço de convivência e o número de pessoas que o ocupam hoje em dia, é absolutamente excessivo ” (Sander Fridman, Psiquiatra)<br />
  5. 5. CRIMES DE TRÂNSITO<br />5 / 60<br />FATORES DA AGRESSIVIDADE<br />Sentimento de competição<br />Falta de respeito às instituições e autoridades<br />Má avaliação de saúde mental do motorista<br />Stress e angústia<br />
  6. 6. CRIMES DE TRÂNSITO<br />6 / 60<br />O PAPEL DA JUSTIÇA<br />Os crimes de trânsito constituem-se em um grande dilema que norteiam o nosso sistema judiciário<br />Não há uniformidade quanto à interpretação da norma e as decisões judiciais são influenciadas pela opinião pública<br />
  7. 7. CRIMES DE TRÂNSITO<br />7 / 60<br />DOLO EVENTUAL OU CULPA CONSCIENTE?<br />Os crimes de trânsito devem ser punidos como dolosos(dolo eventual) ou culposos(culpa consciente)?<br />
  8. 8. CRIMES DE TRÂNSITO<br />8 / 60<br />DOLO<br />Teorias<br />Teoria da Vontade<br />Teoria da Representação<br />Teoria do Assentimento<br />
  9. 9. CRIMES DE TRÂNSITO<br />9 / 60<br />DOLO<br />Teoria da Vontade<br />Assim, não basta a representação, é preciso que o agente queira o resultado<br />O principal elemento para o dolo é a manifestação de vontade<br />
  10. 10. CRIMES DE TRÂNSITO<br />10 / 60<br />DOLO<br />Teoria da Representação<br />Basta a representação subjetiva ou a previsão do fato como certo ou provável para configurar o dolo<br />
  11. 11. CRIMES DE TRÂNSITO<br />11 / 60<br />DOLO<br />Teorias do Assentimento<br />Basta que o agente prevendo o fato, não se abstenha de atuar, consentindo previamente em sua ocorrência<br />
  12. 12. CRIMES DE TRÂNSITO<br />12 / 60<br />DOLO<br />Código Penal Brasileiro<br />Art. 18. Diz-se o crime: I - doloso, quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo <br />O Código Penal adotou as teorias da vontade (na primeira parte) e do assentimento (na segunda parte)<br />
  13. 13. CRIMES DE TRÂNSITO<br />13 / 60<br />DOLO EVENTUAL<br />Distingue-se do dolo direto<br />O agente prevê o resultado de sua conduta, mas mesmo não o desejando, aceita-o<br />Nos termos da segunda parte do art.18, I CP, “assume o risco de produzi-lo” (teoria do assentimento)<br />
  14. 14. CRIMES DE TRÂNSITO<br />14 / 60<br />CULPA<br />“É a voluntária omissão no calcular as conseqüências possíveis e previsíveis dofato” (CARRARA)<br />
  15. 15. CRIMES DE TRÂNSITO<br />15 / 60<br />CULPA<br />Elementos <br />Conduta humana voluntária (ação ou omissão)<br />Falta de cuidado objetivo (imprudência, negligência ou imperícia)<br />ausência de previsão<br />
  16. 16. CRIMES DE TRÂNSITO<br />16 / 60<br />CULPA<br />Elementos<br />Resultado involuntário <br /> Nexo de causalidade<br /> Tipicidade<br /> Possibilidade de previsibilidade objetiva<br />
  17. 17. CRIMES DE TRÂNSITO<br />17 / 60<br />CULPA <br />Elementos<br />Imprudência<br />É a pratica de um fato perigoso<br />Exemplo: dirigir veículo em rua movimentada com excesso de velocidade<br />
  18. 18. CRIMES DE TRÂNSITO<br />18 / 60<br />CULPA<br />Elementos<br />Negligência<br />É a ausência de precaução ou indiferença em relação ao ato realizado<br />Exemplo: o motorista que não faz uma revisão de seu veículo antes de uma viagem longa<br />
  19. 19. CRIMES DE TRÂNSITO<br />19 / 60<br />CULPA <br />Elementos<br />Imperícia<br />É a falta de aptidão para o exercício de um ato, arte ou profissão <br />Exemplo: dirigir veículo sem ter obtido carteira de habilitação para tal fim<br />
  20. 20. CRIMES DE TRÂNSITO<br />20 / 60<br />CULPA<br />Elementos<br />Previsibilidade Objetiva<br />Talvez o elemento mais importante do delito culposo<br />É a possibilidade do resultado ser antevisto, nas condições em que o sujeito se encontrava<br />
  21. 21. CRIMES DE TRÂNSITO<br />21 / 60<br />CULPA<br />Elementos<br />Previsibilidade Objetiva<br />Não deve ser apreciada do ponto de vista do sujeito que comete a conduta (previsibilidade subjetiva) <br />Deve ser analisada em face do homem prudente e com discernimento colocado nas condições concretas<br />
  22. 22. CRIMES DE TRÂNSITO<br />22 / 60<br />CULPA<br />Código Penal Brasileiro<br />Art. 18. Diz-se crime: II - culposo, quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia<br />O CP., diversamente do que fez em relação ao dolo, absteve-se de conceituar a culpa<br /> Limitou-se a declarar os termos do crime culposo<br />
  23. 23. CRIMES DE TRÂNSITO<br />23 / 60<br />CULPA CONSCIENTE<br />Na culpa inconsciente<br />o resultado previsível não é previsto pelo agente<br />Na culpa consciente<br />o resultado é previsto pelo agente, que não o deseja, mas pratica a conduta por esperar que ele não ocorra ou que possa evitá-lo <br />
  24. 24. CRIMES DE TRÂNSITO<br />24 / 60<br />DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE<br />Existe uma pequena diferença entre o dolo eventual e a culpa consciente <br />Isto gera alguns problemas na doutrina e, principalmente, nas decisões judiciais<br />
  25. 25. CRIMES DE TRÂNSITO<br />25 / 60<br />DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE<br />Alguns doutrinadores consideram que a culpa consciente encontra-se fronteiriça entre o dolo e a culpa<br />Outros, como Damásio de Jesus, preferem não admitir esta diferença<br />Segundo eles, trata-se de um crime doloso, a que o legislador resolveu aplicar a pena de crime culposo<br />
  26. 26. CRIMES DE TRÂNSITO<br />26 / 60<br />DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE<br />Critérios para diferenciá-los<br />“Fórmulas de Frank”<br />Tipos de Previsão<br />
  27. 27. CRIMES DE TRÂNSITO<br />27 / 60<br />DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE <br />Fórmulas de Frank<br />Teoria Hipotética do Consentimento<br />Teoria Positiva do Consentimento<br />
  28. 28. CRIMES DE TRÂNSITO<br />28 / 60<br />“FÓRMULAS DE FRANK”<br />Teoria Hipotética do Consentimento<br />A previsão do resultado como certo não teria detido o agente, isto é, não teria tido o efeito de um decisivo motivo de contraste<br />Neste caso configura-se o dolo eventual<br />
  29. 29. CRIMES DE TRÂNSITO<br />29 / 60<br />“FÓRMULAS DE FRANK”<br />Teoria Positiva do Consentimento<br />O agente diz a si próprio: - seja como for, dê no que der, em qualquer caso não deixo de agir <br />É responsável a título de dolo<br />
  30. 30. CRIMES DE TRÂNSITO<br />30 / 60<br />DOLO EVENTUAL E CULPA CONSCIENTE <br />Tipos de Previsão<br />Previsão Positiva<br />Previsão Negativa<br />
  31. 31. CRIMES DE TRÂNSITO<br />31 / 60<br />TIPOS DE PREVISÃO<br />Previsão Positiva<br />O agente prevê que o resultado poderá ocorrer, mas se mantém indiferente, pois deseja realizar a conduta<br /> Neste caso configura-se o doloeventual<br />
  32. 32. CRIMES DE TRÂNSITO<br />32 / 60<br />TIPOS DE PREVISÃO<br />Previsão Negativa<br />O agente prevê que o resultado não irá ocorrer por confiar plenamente na sua perícia ou boa fortuna<br />Neste caso configura-se a culpa consciente<br />
  33. 33. CRIMES DE TRÂNSITO<br />33 / 60<br />OS DELITOS DE TRÂNSITO<br />O tráfico de veículos consiste em riscos tanto para o condutor, como para os passageiros e pedestres<br />Estes são aceitos socialmente pelo homem moderno<br />
  34. 34. CRIMES DE TRÂNSITO<br />34 / 60<br />NORMAS DE TRÂNSITO<br />Para disciplinar o trânsito e diminuir os seus riscos naturais, o Estado criou uma série de normas sobre este tema<br />“Essas normas são, em si, insuficientes, e não prescindem de cuidados comuns e até especiais de atenção e cautela”(EDMUNDO BASTOS)<br />
  35. 35. CRIMES DE TRÂNSITO<br />35 / 60<br />PRINCÍPIO DA CONFIANÇA<br />Os usuários devem confiar em que os demais respeitarão, igualmente, as normas de prudência do trânsito<br />Por este princípio é que se determina, segundo Heleno C. Fragoso, o comportamento exigível do motorista e do pedestre<br />
  36. 36. CRIMES DE TRÂNSITO<br />36 / 60<br />PENAS PARA OS DELITOS DE TRÂNSITO<br />As penas aplicadas para os delitos de trânsito no Brasil são as penas dos crimes culposos<br />Exemplos:art. 121, §3º (homicídio culposo) e art. 126, § 6º (lesão corporal culposa)<br />
  37. 37. CRIMES DE TRÂNSITO<br />37 / 60<br />O Problema Fundamental<br />Punir os delitos de trânsito como culposos significa penas muito leves para os agentes<br /> Na maioria dos casos cabe o “SURSIS” ou penas restritivas de direitos<br />PENAS PARA OS DELITOS DE TRÂNSITO<br />
  38. 38. CRIMES DE TRÂNSITO<br />38 / 60<br />O PAPEL DA OPINIÃO PÚBLICA<br />A opinião pública não admite que os agentes responsáveis por delitos de trânsito, dos quais resultem feridos e mortos, recebam penas leves<br />Dessa forma, foram criados vários movimentos que exigem penas mais rigorosas para tratar dessa espécie de crimes<br />
  39. 39. CRIMES DE TRÂNSITO<br />39 / 60<br />NOVAS INTERPRETAÇÕES<br />A distinção entre dolo eventual e culpa consciente é muito complexa<br /> Por isso, juízes têm feito uma interpretação errônea para os delitos de trânsito motivados sobretudo, pela opinião pública <br />
  40. 40. CRIMES DE TRÂNSITO<br />40 / 60<br />NOVAS INTERPRETAÇÕES<br />O juiz da 1ª Vara Criminal de Viamão, Nei Pires Mitidiero, acredita que os acidentes de trânsito: <br />“são condutas criminosas com risco assumido, nada as ligando a imprudência, negligência ou imperícia”<br />
  41. 41. CRIMES DE TRÂNSITO<br />41 / 60<br />NOVAS INTERPRETAÇÕES<br />Trata-se de dolo eventual quando o agente tem consciência de resultado, mas prefere deixar por conta da eventualidade<br />De acordo com esta nova interpretação, devem ser considerados como crime doloso, o que significa penas mais rigorosas<br />
  42. 42. CRIMES DE TRÂNSITO<br />42 / 60<br />CRÍTICAS AS NOVAS INTERPRETAÇÕES<br />Existe um argumento decisivo para solucionar a dúvida entre o dolo eventual e a culpa consciente: o risco para o agente<br />Este é ignorado pelas novas interpretações<br />
  43. 43. CRIMES DE TRÂNSITO<br />43 / 60<br />O RISCO PARA O AGENTE<br />Suponha um motorista, que viaje com a sua família<br />Ao realizar uma ultrapassagem de forma imprudente, provoca um acidente<br />
  44. 44. CRIMES DE TRÂNSITO<br />44 / 60<br />O RISCO PARA O AGENTE<br />Se admitirmos o dolo eventual, concluiremos que o agente não se importa com sua vida bem como, de seus familiares<br />
  45. 45. CRIMES DE TRÂNSITO<br />45 / 60<br />O RISCO PARA O AGENTE<br />Está claro, por este argumento, que os delitos de trânsito são casos de culpa consciente<br />O agente tem a expectativa sincera, de que o trágico resultado não ocorrerá<br />
  46. 46. CRIMES DE TRÂNSITO<br />46 / 60<br />RACHAS E PEGAS<br />São disputas clandestinas com o uso de automóveis, guiados, imprudentemente, em altíssimas velocidades, pelas ruas das cidades<br />
  47. 47. CRIMES DE TRÂNSITO<br />47 / 60<br />RACHAS E PEGAS<br />Os participantes têm uma previsão negativa, isto é, de que o resultado trágico não ocorrerá. Assim cometem crime culposo<br />“De outro modo estariam competindo, in mente, para o próprio suicídio” (NELSON HUNGRIA)<br />
  48. 48. CRIMES DE TRÂNSITO<br />48 / 60<br />EMBRIAGUEZ<br />O motorista que dirige embriagado tem consciência do resultado, mas confia na sua perícia ou boa fortuna para evitá-lo<br />É o mesmo caso dos rachas e pegas <br />
  49. 49. CRIMES DE TRÂNSITO<br />49 / 60<br />O PAPEL DO LEGISLADOR<br />Os acidentes provocados por rachas, pegas ou embriaguez do motorista são casos de culpa consciente e devem ser punidos como tal<br />Porém, por se tratarem de crimes mais graves, merecem penas mais rigorosas que aquelas previstas para crimes culposos<br />
  50. 50. CRIMES DE TRÂNSITO<br />50 / 60<br />O PAPEL DO LEGISLADOR<br />Cabe ao legislador a elaboração de normas especiais, com sanções mais severas, para estes tipos específicos de delitos de trânsito<br />
  51. 51. CRIMES DE TRÂNSITO<br />51 / 60<br />NOVO CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO<br />Estão em votação no Congresso Nacional novas regras definidas no Código Nacional de Trânsito <br />Pretendem substituir a lei em vigor , que data de 1966<br />O texto é de autoria do senador Gilberto Miranda (PMDB- AM)<br />
  52. 52. CRIMES DE TRÂNSITO<br />52 / 60<br />NOVO CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO<br />Modificações Previstas<br />Multas mais pesadas para infrações graves e gravíssimas<br />Estágio de um ano, como requisito para obtenção da carteira de habilitação<br />Penalidades específicas para os crimes de trânsito<br />
  53. 53. CRIMES DE TRÂNSITO<br />53 / 60<br />NOVO CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO<br />Penalidades Específicas<br />Atropelamento com morte: de 2 a 5 anos de prisão<br />Será aumentada de 1/3 se o atropelamento for sobre a faixa de pedestre e o atropelador não socorrer a vítima<br />Ou ainda se o atropelador não estiver portando carteira de habilitação<br />
  54. 54. CRIMES DE TRÂNSITO<br />54 / 60<br />NOVO CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO<br />Críticas<br />As modificações previstas incorrem no erro de caracterizar abstratamente as diferentes formas de infrações de trânsito<br />As punições, no entanto, tornam-se desproporcionais na maioria dos casos<br />
  55. 55. CRIMES DE TRÂNSITO<br />55 / 60<br />NOVO CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO<br />Críticas<br />As punições previstas podem ser consideradas um fator para agravar ainda mais a crise <br />Devido a ineficácia das penas privativas de liberdade e da crise do sistema prisional<br />
  56. 56. CRIMES DE TRÂNSITO<br />56 / 60<br />CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />É realmente necessária a existência de uma legislação especial sobre os crimes de trânsito<br />Porém, os tipos penais devem ser elaborados com bastante cuidado<br />Dessa forma, evitam-se generalizações que desrespeitem alguns princípios gerais do direito<br />
  57. 57. CRIMES DE TRÂNSITO<br />57 / 60<br />CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />Os delitos de trânsito, via de regra, devem ser punidos como crimes culposos e as penas variarem para cada caso<br />As penas restritivas de direitos e outras penas alternativas podem ter um importante papel na diminuição deste quadro caótico <br />
  58. 58. CRIMES DE TRÂNSITO<br />58 / 60<br />CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />A melhor forma de diminuir os acidentes de trânsito, é pela educação preventiva do motorista e, também dos pedestres<br />
  59. 59. CRIMES DE TRÂNSITO<br />59 / 60<br />BIBLIOGRAFIA<br />BASTOS JÚNIOR, Edmundo José. Dolo eventual, culpa consciente ecrimes de trânsito. Revista Àlter Àgora, Florianópolis, n. 3, “não paginado”, [199-].<br />CALLEGARI, Luís André. Dolo eventual, culpa consciente e acidentes detrânsito. Revista Brasileira de Ciências Criminais, [S.l.], n. 13, p.191 - 197, [199-]. <br />JESUS, Damásio E. de. Direito Penal. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. v.1. p. 281 - 298.<br />FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de Direito Penal. 15.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1995. v.1. p. 275 - 305.<br />Guerra nas Estradas. Jornal da Ajuris (n. 50). http://www.ajuris.org.br/jor50_8.html<br />
  60. 60. CRIMES DE TRÂNSITO<br />60 / 60<br />Universidade Federal de Santa CatarinaCentro de Ciências JurídicasDepartamento de Direito Público e Ciência PolíticaCurso de Graduação em DireitoDisciplina: Informática Jurídica (DPC-5508) Docentes: Aires José Rover Luis Adolfo Olsen da VeigaFlorianópolis, 31 de maio de 1997<br />

×