Principais Tecnologias Oriundas Das Pesquisas Cafeeiras Desenvolvidas No Es

2,728 views

Published on

PRINCIPAIS TECNOLOGIAS ORIUNDAS DAS PESQUISAS
CAFEEIRAS DESENVOLVIDAS NO ES
Romário Gava Ferrão
Coordenador do Programa Estadual de Cafeicultura, Pesquisador do Incaper

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,728
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
165
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Principais Tecnologias Oriundas Das Pesquisas Cafeeiras Desenvolvidas No Es

  1. 1. PRINCIPAIS TECNOLOGIAS ORIUNDAS DAS PESQUISAS CAFEEIRAS DESENVOLVIDAS NO ES Romário Gava Ferrão Coordenador do Programa Estadual de Cafeicultura, Pesquisador do Incaper
  2. 2. TÓPICOS DA APRESENTAÇÃO Importância do café no ES.  Resultados de pesquisas mais significativos:  “Caso de Sucesso: Principais Tecnologias que inovam e renovam a cafeicultura de conilon no Estado do Espírito Santo”. Principais desafios futuros:  Programas Renovar Café Arábica  Programa para a Melhoria da Qualidade do Café Conilon
  3. 3. CAFEICULTURA NO ESPÍRITO SANTO 2º >Produtor do Brasil >Produtor de Robusta/Conilon CAFÉ ARÁBICA - 200 mil ha + 10,2 milhões de sacas 2,6 Milhões de Sacas CAFÉ CONILON – 7,6 Milhões de sacas 300 mil ha
  4. 4. ELABORAÇÃO: 26 INSTITUIÇÕES ASSOCIADAS AOS ELOS DA CADEIA DO CAFÉ Planejamento Cafeicultura ES – 2007 - 2025 METAS CENÁRIO FUTURO AÇÕES PONTOS PONTOS ESTRATÉGICAS FACILITADORES DIFICULTADORES
  5. 5. CAFEICULTURA SUSTENTÁVEL NO ESPÍRITO SANTO • PRODUTIVIDADE Social J • QUALIDADE - Tipo - Aroma - Sabor - Respeito ao Ambiente BASES: 3 pilares - Respeito as pessoas Ambiental Econômica C V CAFÉ: Alimento natural
  6. 6. Evolução Conilon no ES - Área, Produtividade e Produção (1993 a 2009) 216% Em apenas 16 anos 188% 26 7,6 11% 9 2,4 Área Produtividade Produção
  7. 7. EVOLUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NO ESPÍRITO SANTO QUALIDADE
  8. 8. TECNOLOGIAS • PLANEJAMENTO (PEDEAG) • TREINAMENTOS • PARCERIAS • UNIÃO DOS ELOS DA CADEIA DO CAFÉ
  9. 9. 40 PROJETOS :CBP&D café,Governo Estado ES, Incaper, Conab, Fapes, BNB, CNPq, Nestlé, Instituição Privadas, etc. 5% 2% 13% 5% 47% 7% 7% 7% 7% DESDE 1985 Melhortº/Biotecnologia Fisiologia Fitotecnia Irrigação Pragas Doenças Adubação Qualidade Aguas Residuarias
  10. 10. Tecnologias e Inovações... Variedades e Plantio em Linha Manejo de Podas Irrigação Nutrição
  11. 11. PRINCIPAIS TECNOLOGIAS PARA O CONILON: Melhoramento e Manejo
  12. 12. MELHORAMENTO GENÉTICO CAFÉ VARIEDADES: Arábica/Conilon Tecnologia precursora de outras tecnologias
  13. 13. DESENVOLVIMENTO DE VARIEDADES SUPERIORES DE CAFÉ CONILON Arquitetura Tolerância à seca Tolerância a doenças Produtividade MÉTODOS Estabilidade GENÉTICA Qualidade Variabilidade Rendimento Uniformidade de industrial maturação Grãos grandes Incaper avalia 1000 clones de café conilon em 4 ambientes para 17 características desejáveis
  14. 14. 1985 - 2010 6 variedades Conilon e 16 arábica Emcapa 8111 – precoce Emcapa 8121 – intermediária Emcapa 8131 – tardia Emcapa 8141 – Robustão Capixaba Emcaper 8151 – Robusta Tropical Incaper 8142’ – Conilon Vitória • 40% do parque cafeeiro de Conilon do ES já foi renovado com essas variedades
  15. 15. Conilon Vitória ‘Incaper 8142’ 2004 Insti tuto Capixab a d e P esquisa, per Assist ência Técnic a e E xtensão Rural ´Incaper 8142` Variedade Clonal de Café Conilon
  16. 16. 80 Produtividade média (Sc benef./ha) 70,4 70 60 54 50,3 50 40 30 20 10 0 Robusta Tropical Robustão Capixaba Conilon Vitória Produtividade média das variedades Conilon Vitória, Robusta Tropical e Robusta Capixaba, cultivadas em condições não irrigadas, em oito safras, Incaper, 2004.
  17. 17.  Alta produtividade e Tolerância à seca estabilidade Conilon Vitória  Grãos grandes  Tolerância à  Uniformidade de ferrugem Maturação
  18. 18. VIGOR VEGETATIVO E UNIFORMIDADE
  19. 19. SANIDADE, FLORESCIMENTO
  20. 20. ALTA PRODUTIVIDADE E GRÃOS GRANDES
  21. 21. UNIFORMIDADE DE MATURAÇÃO
  22. 22. PROGRAMA DE PRODUÇÃO DE MUDAS CLONAIS COM QUALIDADE
  23. 23. JARDINS CLONAIS
  24. 24. Jardins Clonais de Café Conilon  Campos de multiplicações de clones de variedades geneticamente superiores  220 Jardins Clonais em 55 municípios  Capacidade para renovar 10% do parque cafeeiro por ano (potencial: 80 milhões de mudas/ano a partir de 2008)
  25. 25. JARDINS CLONAIS DE CAFÉ CONILON, Incaper, 2005 Jardins Clonais das Variedades Melhoradas Incaper 220 Jardins Clonais em 55 Municípios • Viveiristas • Prefeituras • Associações • Escolas Agrotécnicas • Cooperativas 190 Jardins Clonais • Centro de pesquisas Viveiristas Prefeituras Associação de produtores Cooperativas Centro de pesquisa Escolas agrotécnicas
  26. 26. Espaçamento •2.300 a 3.300 plantas/ha • 2,5 a 3,5 metros entre linha •12 a 15 mil hastes/ha • 1,0 a 1,5 metros dentro da linha
  27. 27. TECNOLOGIA PLANTIO EM LINHA 2005
  28. 28. Plantio em Linha                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 
  29. 29. 1v 2v 3v 4v 5v 6v 7v 8v 9v 10v 11v 12v 13v
  30. 30. Principais Vantagens  Facilita a colheita.  Melhora a qualidade final do produto.  Permite o escalonamento da colheita  Aumenta 12% a produtividade da lavoura.
  31. 31. TECNOLOGIA “ VERGAMENTO DE MUDAS” 2009
  32. 32. Tecnologia vergamento de mudas
  33. 33. TÉCNICA DO “VERGAMENTO” • 12 a 15 mil hastes produtivas/ha aos 24 meses. PRINCIPAIS VANTAGENS • Dobra a produção na primeira colheita (24 meses) • Proporciona aumento médio mais 25% produção •Facilita a Poda Programada de Ciclo • 80 a 100 Sc/ha na primeira colheita
  34. 34. : 2008
  35. 35. PLANTA SEM PODA
  36. 36. • 12 A 15 MIL HASTES PRODUTIVAS/HA
  37. 37. 1ª Colheita: 24 Meses
  38. 38. 2ª Colheita (36 Meses)
  39. 39. 3º Colheita (48 meses)
  40. 40. Retirada de até 75% das hastes após a 4ª Colheita. 25 cm
  41. 41. Desbrota (de 5 a 12 cm) 40 dias.
  42. 42. Lavoura Revigorada (5ª Colheita)
  43. 43. LAVOURA REVIGORADA
  44. 44. PRINCIPAIS VANTAGENS I. Redução média de 32% de mão-de-obra no período de 10 colheitas; II. Facilidade de entendimento e execução; III. Padronização do manejo da poda; IV. Aumenta a produtividade média de até 50% quando comparada com a poda tradicional
  45. 45. PROGAMA DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA
  46. 46. Mais 2000 atividades de transferência Tecnologia para 2010
  47. 47. LAVOURA DEMONSTRATIVA: VARIEDADE CONILON VITÓRIA, 24 MESES. Produtividades : 63 sacas/ha
  48. 48. LAVOURA DEMONSTRATIVA “CONILON VITÓRIA”, 36 MESES PRODUTIVIDADE: 100 SACAS/HA
  49. 49. 143 sacas beneficiadas por hectare
  50. 50. LAVOURA DEMONSTRATIVA “CONILON VITÓRIA” 48 Meses
  51. 51. Resultados da Renovação do Parque do Café Conilon seguindo Novas Bases Tecnológicas  120 mil ha (40%)  Produtividade: 40 a 150 sc/ha  5,0 milhões sacas  60% da produção  20 mil produtores (já adotam)
  52. 52. PRINCIPAIS DESAFIOS
  53. 53. Desafios e Perspectivas para o Conilon... NOVO PEDEAG (2007 – 2025)  Consolidação da Fase II do Conilon no Brasil (Busca da Excelência - Qualidade)  Consolidar um Padrão de Bebida para o Café Conilon  Desenvolvimento de Variedades a partir de demandas da indústria e dos consumidores.  Dobrar a produtividade (50 sc./ha), a produção (15 milhões sacas/ano) e produzir 30% do café conilon com qualidade superior.
  54. 54. Desafios e Perspectivas para o Arábica... NOVO PEDEAG (2007 – 2025)  Renovar 100 % do parque cafeeiro em Nova Base Tecnológica: variedades, adensamento, irrigação....  Desenvolvimento de Variedades mais específicas para as condições do produtor de Base Familiar do ES  Dobrar a produtividade (24 sc./ha) e a produção (5,0 milhões sacas/ano)  Continuar o Programa Melhoria Qualidade: 30% Produção.
  55. 55. Fase II do Melhoramento Genético • Avaliação de Características Bioquímicas • . Matéria seca • Sólidos Solúveis Clones • . Conteúdo de cinzas • . Conteúdo de cafeína Variedades • . Conteúdo de Ácidos Clorogênicos Superiores • . Conteúdo de Ácidos orgânicos • . Conteúdo de Lipídios • . Conteúdo de Sacarose • . Conteúdo de Trigonelina • . Conteúdo de Proteínas 85% • . Conteúdo de Ácido Málico APROVADOS/NESTLÉ • . Conteúdo de Ácido Cítrico •Avaliação de Características Sensoriais • . Aroma • . Sabor • . Corpo • . Amargor
  56. 56. IRRIGAÇÃO
  57. 57. IRRIGAÇÃO DE CONILON NO ES • 120 MIL HECTARES (40%) - Importante - Chuvas mal distribuída - Déficit hídrico em 80% das áreas • PRINCIPAIS FASES – Demanda àgua 1. Abotoamento, Florescimento 2. Crescimento de grãos 3. Enchimento e granação dos grãos • Necessidade de mais estudos sobre o Estresse hídrico na fase de pré-florada e também sobre o Manejo Irrigação
  58. 58. CAFÉ CONILON TEM BASE GENÉTICA ESTREITA: Necessidade de Introduções de outras partes do Brasil e do Mundo Conilon 2 1 Hybrids Congolese 0 -1.5 -1 -0.5 0 0.5 1 1.5 2 -1 Guinean -2 -3 -4
  59. 59. • 100% em 20 anos
  60. 60. • 16 AÇÕES • 5%/ano • 10.000 ha/ano • 16 variedades • Publicações • 20 ton. sementes/ano • 700 ações de transferência de TECNOLOGIAS tecnologia/treinamentos • Implantação de U.Ds • Implantação de Campos de produção de sementes NOVAS BASES TECNOLÓGICAS
  61. 61. Tecnologias e Inovações... Escolha e preparo da área Mudas, Variedades........ Manejo de Podas Irrigação Nutrição Conservação do Solo Calagem e adubação, .........
  62. 62. TREINAMENTOS: TECNOLOGIAS E CONHECIMENTOS
  63. 63. CAMINHOS A PERCORRER  PRODUTIVIDADE  QUALIDADE  SUSTENTABILIDADE
  64. 64. MUITO OBRIGADO

×