George Bueno - Aula - Contenção em Ortodontia

3,583 views

Published on

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,583
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
16
Actions
Shares
0
Downloads
159
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

George Bueno - Aula - Contenção em Ortodontia

  1. 1. • Introdução / Significado• Objetivo• Tempo de utilização• Fatores que afetam a estabilidade• Contenção da Classe II• Contenção da Classe III• Tipos de contenção• Conclusões• Referências
  2. 2. CONTENÇÃO DICIONÁRIO, 2012
  3. 3. CONTENÇÃO
  4. 4. RECIDIVA
  5. 5. POR MUITO TEMPO DISCORDOU-SE SOBRE A NECESSIDADE DE CONTENÇÃO “SOMOS COMPLETAMENTE IGNORANTES SOBRE OS FATORES ESPECÍFICOS QUE CAUSAM RECIDIVA” HellmanDIEGO JR. S. SANTOS
  6. 6. “A contenção trata-se da manutenção dos dentes em posições estéticas e funcionais” Riedel“Conceito: Procedimento para manter os dentes recém movimentados em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção” MoyersDIEGO JR. S. SANTOS
  7. 7. PROFFIT ET AL., 2007
  8. 8. • Tecidos gengivais e periodontais são afetados pela movimentação ortodôntica• Dentes estão instáveis ao fim do tratamento. Tecidos moles podem movimentá-los• Alterações de crescimento podem interferir no resultado final do tratamento ortodôntico PROFFIT ET AL., 2007
  9. 9. Tratamento ortodôntico• Alargamento do espaço do ligamento periodontal• Ruptura dos feixes de fibras colágenas Remoção do aparelho fixo - Reorganização do ligamento periodontal• É necessário que os dentes respondam individualmente as forçasda mastigação Reorganização do ligamento periodontal levará 3 a 4 meses PROFFIT ET AL., 2007
  10. 10. A reorganização das fibras gengivais é mais lenta!4 a 6 meses Reorganização das fibras colágenasgengivais12 meses Reorganização das fibras elásticassupracristais. PROFFIT ET AL., 2007
  11. 11. Removíveis 6 meses Maior recidiva Uso contínuo Após 6 Uso noturno meses Após 1 Redução gradual ano do usoBarra lingual FASE ADULTA PARA SEMPRE PROFFIT ET AL., 2007
  12. 12. • Protrusão dos incisivos• Alteração da distância Intercanina• Alteração da forma do arco• Alteração da distância Intermolar• Tipo de má oclusão PROFFIT ET AL., 2007
  13. 13. Irregularidade dentária inferior
  14. 14. • Casos tratados com e sem extrações• Não tratados Redução do perímetro do arco Apinhamento Anterior inferior
  15. 15. Alteração na forma do arco• Angle, 1907: oclusão ideal deveria conter todos osdentes mesmo as custas de expansão Apinhamento X Oclusão ideal
  16. 16. Alteração na forma do arco• Distância intercaninas originais: equilíbrio muscular emanutenção das posições dentárias após o fim dotratamento.• 26 artigos• 1230 pacientes• Subclassificados de acordo com a má oclusão inicial- Expansão intercanina= 0.8 a 2 mm / Ao fim, contração = 1,2 a 1,9 mm (0,6 mm ou 0)• Retorno as dimensões originais Moussa, 1995
  17. 17. • Correção da classe II:  Crescimento mandibular continua a ocorrer em pacientes em crescimento  Movimento de molares em pacientes sem crescimento (adultos) PROFFIT ET AL., 2007
  18. 18. Crescimento craniofacial é uma incógnita PROFFIT ET AL., 2007
  19. 19. - Redirecionamento do crescimento mandibular- Reposicionamento posterior da mandíbula- Retardo do crescimento mandibular- Remodelação da mandíbula PROFFIT ET AL., 2007
  20. 20. Mentoneira com tração reversa da maxila PROFFIT ET AL., 2007
  21. 21. “Estudos longitudinais demonstraram que seuuso proporciona alterações de perfil significativase a manutenção ou ainda melhora dos resultadosapenas durante uso do aparelho.” SUGAWARA, 1990
  22. 22. SUGAWARA, 2012
  23. 23. SUGAWARA, 2012
  24. 24. SUGAWARA, 2012
  25. 25. • Tração reversa da maxila dos 9 aos 10 anos• Acompanhamento até os 16 anos• Aparelho fixo aos 16 anos SUGAWARA, 2012
  26. 26. • Acompanhamento até os 16 anos• Aparelho fixo aos 16 com ancoragem esquelética SUGAWARA, 2012
  27. 27. As gêmeas alcançaram características dentofaciais idênticas,bem como estabilidade similar. A tração reversa tornou asegunda fase com aparelhos fixos mais simples, uma vez queo estímulo no desenvolvimento do crescimento maxilar foiestável. SUGAWARA, 2012
  28. 28. Classe II • Descontinuar elásticos 2 meses antes da remoção do aparelho • Sobrecorreção • Contenção ativa nos paciente em crescimentoClasse II e III • Crescimento mandibular contínuo pode dificultar a contenção PROFFIT ET AL., 2007
  29. 29. Barra fixa • Fio aço liso 0.18” (colado de canino a canino) • Fio aço multifilamentado 0.8 mm (colado de canino a canino) • Fio de aço liso 0,7 mm • Barra aliviada com fio de aço 0,18” • Fita de aço trançada
  30. 30. Indicações• Região de canino a canino inferior• Diastemas interincisivos superiores• Manter espaço de pôntico ou implanteDesvantagens:• Inflamação gengival• Maior acúmulo de placa e tártaro
  31. 31. Hawley• Mais usado• Fio 0.7 mmDesvantagens:• Interferências oclusais• Possibilidade de abertura deespaço em caso de extrações depré-molares
  32. 32. • A contenção permanente é citada por muitos autores como o único meio de assegurar uma estabilidade pós-tratamento a longo prazo• Ainda não existe, na literatura, uma concordância em relação a um sistema ou protocolo de contenção mais adequado• Não se deve prometer estabilidade total ou cura permanente através do tratamento ortodôntico
  33. 33. • A forma do arco do paciente pré-tratamento deve ser mantida durante o tratamento ortodôntico• A distância intercaninos original deve ser mantida, pois a sua expansão é um indicador de que poderá haver recidiva• A posição + estável dos incisivos inferiores é a sua posição inicial (pré-tratamento). Sua projeção é instável e pode comprometer a estabilidade pós-tratamento do segmento anterior inferior
  34. 34. REFERÊNCIASCAP 17.PROFFIT, William R; FIELDS, Henry W; SARVER, David M. .Ortodontia contemporânea. 4. ed. Rio de Janeiro (RJ):ELSEVIER, 2007. p. 575-588.
  35. 35. George Buenogeorgenbueno@yahoo.com.br

×