Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Unid4 ativ2a socializando_experienciacomprojetos_silvaniabucar

160 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Unid4 ativ2a socializando_experienciacomprojetos_silvaniabucar

  1. 1. EXPERIÊNCIA VIVENCIADA COM PROJETO EM SALA DE AULA ENVOLVENDO O USO DE TECNOLOGIAS. TEXTO PARCIALMENTE DESCRITIVO Silvania BucarPara estar em consonância com as demandas atuais da sociedade, é necessário que aescola trate das questões que interferem na vida do corpo discente e, problemas com asquais vêm confrontados no seu dia-a-dia, e aqui se insere a problemática da sexualidade.Na escola campo, escolhida para desenvolver o tema proposto, foram detectados fatoresdeterminantes para a realização da proposta/tema. Os alunos do 2º período da EJA(ensino médio), turma escolhida, encontravam-se com opiniões já “formadas” emrelação à sexualidade. Esse público também esteve num longo espaço de tempo fora doambiente escolar, sem oportunidades para a discussão da referida temática.Os conceitos, atitudes e procedimentos até então desenvolvidos pelos alunos (públicoalvo do projeto) pautavam-se em preconceitos pelo próprio corpo; iniciação dasexualidade sem terem tido as devidas orientações; curiosidade em relação aofuncionamento fisiológico do próprio corpo; sexo e prazer como condiçõesdesvinculadas, ou sexo como cumprimento de obrigações conjugais e/ou somente para aprocriação. Estas situações e outras como: tabus, limitações de informações dentro destecontexto e experiências dogmáticas, e com os próprios filhos (angústias), eram atitudesdesenvolvidas pelos alunos devido a ausência de oportunidade de interação,questionamentos, acompanhamento familiar e estímulo para com as própriasdescobertas.Como proponentes (equipe) do projeto em questão, selecionamos dentro de umaeducação humanística, algumas sugestões teórico/práticas para a execução do trabalhojunto aos alunos, esclarecendo-os e sensibilizando-os, a priori, que cada corpo é único, oque o identifica como individualidade. Se há necessidades básicas gerais, há tambémnecessidades individuais. Portanto, o conhecimento sobre o corpo humano para oeducando deve estar associado a um melhor conhecimento do seu próprio corpo, por serseu e por ser único e com o qual ele tem uma intimidade e uma percepção subjetiva queninguém mais pode ter. Essa visão favorece o desenvolvimento de atitudes de respeito ede apreço pelo próprio corpo e pelas diferenças individuais. Daí o motivoimprescindível de ter trabalhado, através da referida proposta, algumas noções que osalunos traziam de casa, algumas correspondentes a equívocos graves, as quais foramadquiridas ao longo de suas trajetórias de vida enquanto alunos ou não. Problemasorgânicos, biológicos, fisiológicos e socioculturais, surgiram na época, a partir do fatode os alunos não terem tido orientação sexual adequada, onde o desenvolvimento doprojeto fora fator minimizante dos problemas, na época detectados.A busca do trabalho perpassou-se por uma perspectiva interdisciplinar nas áreascurriculares de biologia, língua portuguesa e ciência da saúde, materializando-se naequipe a interdisciplinaridade, quando cada componente abandonou a pretensão de queapenas seu conhecimento conceitual era capaz de dar conta da verdade. Cada um podefazer progredir sua especificidade ao se beneficiar e se instruir em outras questões.Nesta situação foram incluídas algumas tecnologias como propositivas de contribuiçãoao trabalho e/ou execução do projeto na escola: TV, retro-projetor, vídeo cassete,aparelho de som portátil, disquetes, caixas amplificadas, microfones, data show,computador de mesa, dentre outras. É oportuno considerar que a tecnologia, com maiores ou menores impactos, temconformado nossa vida. Estamos à mercê de sistemas interconectados, transistores,bytes, hardware, software e, o que talvez seja grave na minha opinião, estamos nos
  2. 2. sentindo subservientes à sua autoridade, moldando-nos ao seu funcionamento. Isto nosconverte, gostemos ou não, em participantes de uma nova ordem na história,acantonando-nos num sistema tal que nos coloca face a face com uma cultura quepodemos chamar de ‘tecnopolista’, sujeitando-nos ao que Winner, pertinentemente,chamou de ‘sonambulismo tecnológico’. Informações relacionadas ao projeto: Período de execução/desenvolvimento: um semestre correspondente a um ano letivo cursado pelos alunos; Escola Estadual José Damasceno Vasconcelos Período: noturno Gestor: Rogério .

×