Logística Empresarial Transportes

20,794 views

Published on

Slides da Aula de Logística Empresarial
Transportes
FGV-EBAPE
6º Período - Graduação Administração
Prof.Bruno Gomes

Published in: Education
1 Comment
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
20,794
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
85
Actions
Shares
0
Downloads
1,084
Comments
1
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Logística Empresarial Transportes

  1. 1. Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Log. Empresarial - Bruno Gomes
  2. 2. Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura (portos, terminais e tecnologias subjacentes) Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Previsão de Demanda (técnicas e sistemas) Processamento de Pedidos Sistemas de Informação (identificação, rastreamento, sistemas integrados) Log. Empresarial - Bruno Gomes
  3. 3. Resumo Estoques Transporte Armazenagem e Manuseio Embalagens (sistemas inteligentes) Projeto de Sistema Logístico (fatores quantitativos e qualitativos) Localização e Planejamento de Rede Pesquisa de campo sobre problemas logísticos Log. Empresarial - Bruno Gomes
  4. 4. Cronograma de Aulas Log. Empresarial - Bruno Gomes
  5. 5. Bibliografia Sugerida Log. Empresarial - Bruno Gomes
  6. 6. Bibliografia Sugerida BOWERSOX, Donald – Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística. Rio de Janeiro: ELSEVIER, 2007 BALLOW, Ronald – Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. Porto Alegre: BOOKMAN, 2006 TAYLOR, David – Logística na Cadeia de Suprimentos, uma perspectiva gerencial. São Paulo: PEARSON, 2006 NOVAES, Antonio – Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. Rio de Janeiro: ELSEVIER, 2007 FLEURY, Paulo – Logística Empresarial, A Perspectiva Brasileira. São Paulo: ATLAS, 2000 SOUZA, Gueibi – Métodos Simplificados de Previsão Empresarial – Rio de Janeiro: CIÊNCIA MODERNA, 2008 MARTINS, Petrônio – Administração da Produção – São Paulo: SARAIVA, 2005 Log. Empresarial - Bruno Gomes
  7. 7. Bibliografia Complementar CHOPRA, Sunil; MEINDL, Peter. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Prentice Hall, 2003. CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos – criando redes que agregam valor. 2ª ed.. São Paulo: Thomson (Cengage), 2007. PIRES, Silvio R. I.. Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos. São Paulo: Atlas, 2004. SIMCHI-LEVI, David et al.. Cadeia de suprimentos: projeto e gestão – conceitos, estratégias e estudos de casos. Porto Alegre: Bookman, 2003. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  8. 8. Introdução TRANSPORTES Log. Empresarial - Bruno Gomes
  9. 9. Introdução Qual o papel dos transportes na cadeia logística? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  10. 10. Custos Transportes Log. Empresarial - Bruno Gomes
  11. 11. Introdução Quais as dificuldades no Brasil? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  12. 12. Transporte no Brasil Continuação • Dificuldades – alta dependência do modal rodoviário • segunda modalidade mais cara País % Transporte Rodoviário Brasil 61 Carga transportada Austrália 30 (em toneladas/Km) EUA 28 China 19 – ineficiência de portos, ferrovias e dutos (mudanças são muito recentes) – extensão territorial (8,5 milhões de Km2) – economia de consumo está presente com um percentual de 80% ao longo da costa – baixa oferta de profissionais com formação adequada para implementar a logística integrada. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  13. 13. Logística Fornecedor Fornecedor Logística de aquisição B2B EMPRESA EMPRESA B2B Atacadista Atacadista B2B Logística de distribuição Varejista Varejista B2B B 2 C Portal Agregador Portal Agregador B2C Consumidor Consumidor Fonte: Adaptado de Symonds, Mathew. Business and the Internet, Survey. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  14. 14. Case: Johnson Controls Empresa Johnson Controls Atividade Fabricação de bancos para carros Cliente Montadora Ford (São Bernardo do Campo) Produto Bancos para os modelos Fiesta, Ka e Pampa Sistema de operação Just-in-time seqüencial Parceria Tranlor, empresa transportadora Produção diária 850 conjuntos (2 dianteiros e 1 traseiro) Freqüência de Aproximadamente 20 entregas/dia entrega Lead-time 120 minutos Estratégia de 3 alternativas de percurso, uso de central de pontualidade na controle, disponibilidade de veículo reserva entrega Log. Empresarial - Bruno Gomes
  15. 15. Case: Johnson Controls Continuação • OPERAÇÃO – A Ford avisa quais modelos começaram a ser produzidos (via computador) – Johnson Controls fabrica um lote de 48 conjuntos (30 min.) – Johnson Controls transporta os bancos na seqüência correta, para o sistema de embarque. (10 min.) Os bancos devem chegar na fábrica na ordem em que serão montados no automóvel – Carrega-se o caminhão e emite-se nota fiscal (10 min.) – Caminhão desloca-se até a Ford, distante 11Km (30 min.) – Caminhão espera a checagem da nota fiscal na portaria e desloca-se até o ponto de desembarque (20 min.) – O caminhão é descarregado e o lote é levado para o ponto exato da montagem dos bancos na linha de produção (20 min.) Log. Empresarial - Bruno Gomes Fonte: Exame 09/abril/1997
  16. 16. Introdução “Uma tonelada de ouro no subsolo não vale nada, a menos que ela possa ser entregue a quem compra. O que dá o valor dos produtos é a logística" Prof. Paulo Fleury Log. Empresarial - Bruno Gomes
  17. 17. Introdução • Cerca de 80% dos produtos vendidos em todo o mundo atravessam alguma fronteira antes de chegar ao consumidor. • Em 1972, os Estados Unidos, o maior importador mundial, compravam 75 000 tipos de produto. Hoje são 260 000 – mais que o triplo. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  18. 18. Case “O Wal-Mart, a maior rede de varejo do mundo, tem mais de 60.000 fornecedores entregando mercadorias todos os dias somente nos Estados Unidos. É necessário saber exatamente onde cada produto está e quanto tempo vai demorar para chegar” 60.000 fornecedores Log. Empresarial - Bruno Gomes
  19. 19. Case “A empresa transporta todas as roupas de avião, e já penduradas nos cabides. A operação custa muito mais caro, mas o ganho é imenso”. Que GANHO É ESSE???? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  20. 20. Case A empresa leva cinco semanas, do desenvolvimento à entrega dos produtos As concorrentes asiáticas levam até 3 meses (navio).” Log. Empresarial - Bruno Gomes Bruno Gomes / Renaud Barbosa FGV-RJ - Logística Empresarial
  21. 21. Introdução Fornecedores Indústria Engarrafador Consumidor de insumos Fazenda cítrica e distribuidor final agrícolas • Defensivos • Fertilizantes • Tratores • Implementos • Mudas • Irrigação Logística de Apoio a Logística de Suprimentos Manufatura Distribuição Log. Empresarial - Bruno Gomes
  22. 22. Princípios ECONOMIA DE ESCALA & ECONOMIA DE DISTÂNCIA Log. Empresarial - Bruno Gomes
  23. 23. Operações “O transporte é o maior elemento do custo logístico” BOWERSOX Cap 08 pag.209 Log. Empresarial - Bruno Gomes
  24. 24. Operações MERCADO GLOBAL X MERCADO LOCAL Vendas locais x exportações Canais de distribuição Log. Empresarial - Bruno Gomes
  25. 25. Operações Quais são os fatores econômicos que impactam na política de preço dos Transportes de Cargas? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  26. 26. Operações Formação de Preço Distância + Peso + Densidade Log. Empresarial - Bruno Gomes
  27. 27. Operações Formação de Preço Custo por quilo Custo Distância Peso da Carga Log. Empresarial - Bruno Gomes
  28. 28. Operações Formação de Preço Custo por quilo Densidade Log. Empresarial - Bruno Gomes
  29. 29. Operações Formação de Preço Capacidade de Acondicionamento + Manuseio + Riscos Log. Empresarial - Bruno Gomes
  30. 30. Operações Formação de Preço MERCADO Rota de Transporte e Carga de Retorno Log. Empresarial - Bruno Gomes
  31. 31. Operações Formação de Preço Log. Empresarial - Bruno Gomes Bruno Gomes / Renaud Barbosa FGV-RJ - Logística Empresarial
  32. 32. Operações Log. Empresarial - Bruno Gomes
  33. 33. Transporte – O sistema ferroviário brasileiro possui uma baixa disponibilidade, limitando o crescimento de sua participação na matriz de transportes Log. Empresarial - Bruno Gomes
  34. 34. Operações Tempo em Trânsito e Variabilidade Log. Empresarial - Bruno Gomes
  35. 35. Custos Fixos ou Variáveis Comuns ou Conjuntos (base do peso, dimensão, valor agregado?) Log. Empresarial - Bruno Gomes
  36. 36. Tomada de Decisão 1 – Tarifa do Frete 2 – Confiabilidade 3 – Tempo em trânsito 4 – perdas, danos, reclamações 5 – Distâncias 6 – Valor do Produto Log. Empresarial - Bruno Gomes
  37. 37. Depreciação Log. Empresarial - Bruno Gomes
  38. 38. Manutenção Log. Empresarial - Bruno Gomes
  39. 39. Custos Totais Log. Empresarial - Bruno Gomes
  40. 40. Custos “A pontualidade e a disponibilidade são por demais importantes para cada um dos modais” Ballou pag. 187 capítulo 7 Log. Empresarial - Bruno Gomes
  41. 41. Operações Quais são os fatores utilizados para determinar o tipo de transporte para determinado produto? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  42. 42. Tomada de Decisão Qual MODAL oferecer para o Cliente? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  43. 43. Tomada de Decisão Por que as vezes é mais vantajoso absorver alguns custos de transporte (pedido)? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  44. 44. Tomada de Decisão Qual modal escolher? 1.Transporte de refrigerantes 2.Transporte para transplantes 3.Transporte de minério de ferro 4.Transporte de automóveis Log. Empresarial - Bruno Gomes
  45. 45. Custos Terceirização na Cadeia de Suprimentos Log. Empresarial - Bruno Gomes
  46. 46. Custos Qual a relação entre Terceirização e Nível de Serviço ou Ciclo de Atividades? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  47. 47. Terceirização Algumas Vantagens Imediatas Log. Empresarial - Bruno Gomes
  48. 48. Terceirização Log. Empresarial - Bruno Gomes
  49. 49. Avaliação de Desempenho Log. Empresarial - Bruno Gomes
  50. 50. Gerência Operacional de Transportes Responsabilidades do Gestor 1 – Programação de equipamentos e gerência de Pátio; 2 – Planejamento de Cargas; 3 – Roteirização e aviso de embarque; 4 – Administração de Movimentação. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  51. 51. Gerência Operacional de Transportes Compensação Básica de Custo 1 – Preço; 2 – Confiabilidade; 3 – Rapidez Log. Empresarial - Bruno Gomes
  52. 52. Gerência Operacional de Transportes “Sempre que existirem alternativas de fontes de suprimento no canal de distribuição, a escolha do serviço de transporte se transformará numa decisão conjunta” BOWERSOX Log. Empresarial - Bruno Gomes
  53. 53. Roteirização Roteirização de Frota Log. Empresarial - Bruno Gomes
  54. 54. Roteirização Um ponto de origem e um ponto de destino Um ponto de origem e destinos múltiplos Rota com ponto de origem coincidente ao retorno Log. Empresarial - Bruno Gomes
  55. 55. Impacto dos Ciclos de Atividades nos Transportes Log. Empresarial - Bruno Gomes
  56. 56. Roteirização Roteirização + Programação 1 – cada escala poderá ter tanto coleta quanto entrega; 2 – múltiplos veículos com capacidades diferentes podem ser usados; 3 – tempo máximo de transito em cada rota; 4 – escalas com limitações de horários de coleta e entrega; 5 – algumas coletas dependem de liberação de espaço Log. Empresarial - Bruno Gomes
  57. 57. Boas Práticas em Roteirização 1 – Carregar com volumes destinados a paradas que estejam mais próximas entre sim; 2 – Começar o roteiro a partir da parada mais distante do depósito; 3 – Privilegiar veículos de maior porte disponíveis; 4 – Coletar itens aproveitando a rota de entregas; 5 – Evitar janelas de tempo de paradas. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  58. 58. Impacto do E-commerce nos Transportes Quais impactos do B2C na logística de distribuição? Por que o custo de transporte se tornou tão importante nos últimos anos? Log. Empresarial - Bruno Gomes
  59. 59. Impacto do E-commerce nos Transportes Log. Empresarial - Bruno Gomes
  60. 60. Impacto da Globalização Nos Estados Unidos, a UPS, que transporta 14 milhões de pacotes por dia. Log. Empresarial - Bruno Gomes
  61. 61. Transportes x Comércio Eletrônico Continuação • Logística de distribuição no varejo (B2C) – distribuição física de produtos digitais é eficiente, rápida e de baixo custo (software, MP3) – inclusão do consumidor final na cadeia de valor – responsabilidade por tarefas desempenhadas pelo consumidor final no comércio tradicional e nos respectivos custos – aumento do volume de cargas fragmentadas e dos custos (transporte de pequenas unidades para múltiplos destinos) – aumento da dificuldade de se conhecer as expectativas do cliente (grande volume de consumidores finais) – inadequação das estruturas de distribuição existentes (armazéns e centros de distribuição avançados) para atender rapidamente pedidos extremamente segmentados – aumento da necessidade de roteirização (mudanças diárias de roteiro) – dificuldade de se implantar uma logística integrada Log. Empresarial - Bruno Gomes
  62. 62. Processo de Decisão em Transportes Log. Empresarial - Bruno Gomes

×