Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gravidez ectópica

7,461 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Gravidez ectópica

  1. 1. Gravidez ectópica Diagnóstico e Tratamento Acadêmicos: Bruno M. T. de Oliveira, Henrique A. Abujamra, João A. Kaiper, João G. B. Scalabrin, Vinicius S. Cembranel Universidade do Oeste de Santa Catarina Medicina 1ª Fase Disciplina: Biologia Celular e Molecular I Segmento: Embriologia
  2. 2. Autoria Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP Júlio E. Júnior Nuno Mota Roberto da Costa Soares Luiz Camano
  3. 3. O que é? • Gravidez anormal que ocorre fora da parede do útero • Geralmente o embrião morre • Pode ocorrer no ovário, no colo do útero, tubas uterinas e na cavidade abdominal
  4. 4. Causa • Bloqueio físico no caminho da tuba uterina para o útero
  5. 5. Sintomas • Sagramento vaginal • Dor lombar • Cólica em um dos lados da pelve • Pressão intensa no reto • Dor forte, aguda e repentina no abdômem
  6. 6. Fatores de risco • Infertilidade • Sangramento genital • Doença inflamatória pélvica • Usuárias de DIU • Tabagismo Nesses casos o acompanhamento deve ser cuidadoso até o diagnóstico final
  7. 7. Diagnóstico • Precoce para evitar a ruptura tubária • Menos invasível possível, com ultra-som • Exames complementares
  8. 8. • Se o HCG estiver elevado, confirmar com o USTV • Se o HGC estiver baixo, novo exame após 48 horas
  9. 9. Formas de tratamento • Tratamento cirúrgico • Tratamento medicamentoso
  10. 10. Tratamento cirúrgico • Conduta padrão nesse tipo de gravidez • Laparotomia, casos de ruptura tubária • Laparoscopia, sem ruptura tubária
  11. 11. Tipos • Cirúrgia radical (salpingectomia) • Cirúrgia conservadora (salpingostomia)
  12. 12. Qual o melhor método cirúrgico para gravidez futura? • Estudos eram controvérsios • Revisão – Cochrane 2007- sem possibilidade de avaliação • Conclusão da UNIFESP – Cirurgia conservadora (Salpingostomia)
  13. 13. Tratamento Medicamentoso • O tratamento medicamentoso é realizado através da administraçao do MTX (Metotrexato) • Ação do MTX na enzima DHFR (Dehidrofolato redutase)
  14. 14. Critérios para a utilização do MTX • Estabilidade hemodinâmica • Diametro da massa anexial menor ou igual a 3,5 cm • Ausência de dor abdominal intensa ou persistente • Função hepática e renal normais • Desejo de ter uma futura gravidez
  15. 15. Contra Indicações • Gravidez intra uterina • Imuno deficiência • Anemia (Moderada a Intensa) • Leucopenia • Trombopenia • Sensibilidade prévia ao MTX • Disfunção hepática e renal
  16. 16. Exames a serem realizados antes do tratamento • Hemograma completo • Hepático (TGO/TGP) • Creatinina • Tipagem sanguinea ABO/Rh
  17. 17. Metodos de administração do MTX Dose Única • Casos de gravidez ectópica tubária • Via intramuscular 50mg • Títulos de B – hCG inferiores a 5.000 m.UI/mL. • Acompanhamento por dosagem semanal do B - hCG Multiplas Doses • Casos de gravidez ectópica atípica • Aplicação intramuscular 1mg/Kg de MTX nos dias (1,3,5,7) alterando com Leucovorin (ácido folínico) nos dias (2,4,6,8) • Níveis B – hCG < 15%, tratamento interrompido
  18. 18. Paciente sumbetido ao tratamento deve evitar • Relações sexuais até que os níveis de B – hCG fiquem negativos • Exames ginecológicos e de USTV durante o acompanhamento • Exposição solar • Engravidar por período de 3 meses após término do tratamento
  19. 19. Eficácia • Em geral o tratamento com MTX é considerado seguro e eficaz, muito raramente complicações com risco de morte foram relatadas com seu uso. • Apesar de os resultados com o tratamento medicamentoso serem muito favoráveis, com 80% de sucesso e 20% de falha, esta falha é preocupante. • Quando ocorre a falha, há possibilidade de ruptura tubária, tornando necessário procedimento cirúrgico de emergencia, na grande maioria dos casos a salpingectomia é adotada.
  20. 20. Sinais de falha levam ao abandono do tratamento medicamentoso • Instabilidade hemodinâmica. • Aumento da dor abdominal • Elevação dos títulos do B – hCG após uso do MTX.
  21. 21. Tratamento local com MTX • O MTX pode ser ministrado localmente na tuba uterina e guiado por USTV. A dose ministrada é de 1mg/Kg. • Esta técnica apresenta desvantagens em relação ao tratamento convencional pois além de ser invasiva depende também das habilidades do especialista. • A principal indicação para o tratamento local é nos casos de localização atípica da gravidez ectópica.
  22. 22. Conclusão • Importante o diagnóstico precoce da gravidez ectópica utilizando-se a USTV • Acompanhar os níveis de B-hCG • Respeitar sempre as indicações quanto a que cirurgia fazer ou qual tratamento adotar • Avaliação de cada caso em particular

×