Brph apresentação call 1 t14 (pt) v2 (1)

751 views

Published on

Published in: Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
751
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
588
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Brph apresentação call 1 t14 (pt) v2 (1)

  1. 1. Conferência de Resultados 1T14 15 de maio, 2014
  2. 2. Operacionais & Financeiros • Receita bruta de R$929,3 milhões, um crescimento de 15,7% ante 1T13 • Margem bruta de 18,8% sobre a receita bruta • SSS total de 15,8% e de 12,2% nas lojas maduras • EBITDA de R$-141,0 milhões, com margem de -15,2% • Prejuízo líquido de R$185,3 milhões • Abertura de 2 novas lojas próprias e 15 franquias, encerrando o trimestre com 1.223 lojas
  3. 3. 251 Lojas próprias 128 Lojas próprias 154 Lojas próprias 500 Franquias 190 Lojas próprias 723 Lojas próprias 500 Franquias 1.223 Lojas REGIÕES Lojas Próprias Norte 131 Nordeste 255 Centro Oeste 147 Sudeste Sul 190 15 3 121 20 15 33 16 179 9 63 128 5 11 5 Centros de Distribuição 98 7 Presença
  4. 4.  2 aberturas e 12 fechamentos no 1T14  35,1% da base de lojas em estágio de maturação
  5. 5. • 17 aberturas no 1T14 (2 fechamentos) • Crescimento acelerado previsto para 2014, com aberturas em outros estados • Ganho de escala (franqueados e Brasil Pharma)
  6. 6. 10,8% 9,8% 10,7% 14,1% 15,8% 4,3% 5,3% 6,5% 10,3% 12,2% 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 SSS Total SSS Lojas maduras (36 meses ou mais) Tendência positiva de crescimento saudável, superior à inflação 803,5 929,3 1T13 1T14
  7. 7. 37,9% 37,6% 38,4% 40,3% 39,4% 16,5% 16,9% 15,8% 13,9% 13,8% 45,6% 45,5% 45,8% 45,8% 46,8% 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 Não-medicamento Medicamento Genérico Medicamento Marca Participação de genéricos em medicamentos 32,4 36,9 1T13 1T14
  8. 8. Margem bruta do trimestre: • Ações promocionais: redução do nível de estoques • Maior volume de produtos vencidos • Retração da penetração de genéricos no mix • Redução do volume comprado: menos verbas • Entraves ao desempenho dos CDs 232,9 266,0 281,5 256,8 174,8 29,0% 31,5% 30,7% 26,3% 18,8% 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14
  9. 9. 150,0 166,6 174,6 188,5 225,118,7% 19,7% 19,1% 19,3% 24,2% 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 48,1 51,0 52,1 53,0 66,7 6,0% 6,0% 5,7% 5,4% 7,2% 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 • Aumento do quadro de funcionários • Nova estrutura de distribuição • Maior comissionamento • Implantação de sistemas • Aumento do quadro de funcionários • Serviços comprados
  10. 10. • A Companhia não registrou nenhum valor como não recorrente no 1T14, além de não ajustar as despesas sem efeito caixa como o plano de opções (SOP). • R$23,2 milhões de outras despesas operacionais no 1T14, principalmente: • Baixa de valores a receber de contratos de acordos comerciais; • Baixa de valores imobilizados referentes aos fechamentos de lojas realizados.
  11. 11. 1 - Parcela referente à amortização de pontos (somente para 2013). Lucro líquido (prejuízo) (6.985) (185.296) % Margem líquida -0,9% -19,9% (-) Despesas não recorrentes 2.594 - (-) Despesas com SOP 2.816 - (-) D&A de ponto¹ 4.160 - Lucro líquido (prejuízo) ajustado 2.585 (185.296) % Margem líquida ajustada 0,3% -19,9% Reconciliação do Lucro Líquido (R$'000) 1T13 1T14 Lucro líquido (prejuízo) (6.985) (185.296) (-) Imposto de renda e contribuição social 566 11.152 (-) Resultado financeiro (18.920) (24.996) (-) Depreciação e amortização (16.462) (28.591) EBITDA 27.830 (142.861) (-) Equivalência patrimonial (1.523) (1.856) (-) Despesas com SOP (2.816) - (-) Receitas/despesas não recorrentes (2.594) - EBITDA Ajustado 34.763 (141.005) % Margem EBITDA ajustada 4,3% -15,2% Reconciliação do EBITDA(R$'000) 1T13 1T14
  12. 12. • EBITDA 12M de R$-24,9 milhões impactado principalmente pelo resultado dos dois últimos trimestres; • Não cumprimento de cláusulas restritivas e reclassificação das debentures para curto prazo; • Em negociação com debenturistas para obtenção de waiver de medição para os próximos trimestres; • Aumento de capital aprovado no dia 06/maio. Posição de caixa e endividamento (R$'000) 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 (+) Empréstimos e financiamentos 169.079 160.228 247.170 209.490 204.884 Circulante 44.864 41.694 150.963 124.507 125.800 Não circulante 124.215 118.534 96.207 84.983 79.084 (+) Debentures 258.937 253.964 260.704 549.809 555.276 Circulante 10.427 5.348 11.982 15.249 555.276 Não circulante 248.510 248.616 248.722 534.560 0 (+) Contas a pagar por aquisição de investimento 264.430 232.581 179.652 147.837 156.615 Circulante 82.833 81.986 82.681 70.300 108.039 Não circulante 181.597 150.595 96.971 77.537 48.576 (=) Dívida Total 692.446 646.773 687.526 907.136 916.775 Circulante (%) 19,9% 19,9% 35,7% 23,2% 86,1% Não circulante (%) 80,1% 80,1% 64,3% 76,8% 13,9% (-) Caixa e equivalentes de caixa (183.870) (162.205) (213.132) (405.914) (98.131) (=) Dívida Líquida 508.576 484.568 474.394 501.222 818.644 Dívida líquida/EBITDA Ajustado (12M) 2,7 X 2,5 X 2,5 X 3,3 X NA
  13. 13. 33,9 9,4 4,7 1,8 8,0 10,1 Capex 1T14 OutrosCD/LogísticaSAP/TIReforma de LojasCrescimento Orgânico Capital de Giro 1T13 4T13 1T14 Contas a receber de clientes 24 6 15 Estoques 108 107 88 Fornecedores 56 77 57 Capital de Giro em dias 76 36 46
  14. 14. 1- A Variação do capital de giro inclui a variação de contas a receber, fornecedores e estoques. Fluxo de Caixa (R$'000) 1T13 1T14 Lucro antes do imposto de renda e contribuição social - LAIR (7.553) (196.448) (+) Depreciação e amortização 16.462 28.591 (+/-) Outros 24.389 19.572 Geração de caixa operacional 33.298 (148.285) (+/-) Variação do capital de giro¹ (83.142) (110.467) (+/-) Variação de outros ativos e passivos (13.181) (10.682) Consumo de caixa operacional (96.322) (121.149) Imposto de renda e Contribuição social pagos (600) (1.235) Disponibilidades líquidas geradas pelas atividades operacionais (63.625) (270.669) (-) Investimentos em operação (24.922) (33.934) (-) Aquisições (80.903) 3.688 Disponibilidades líquidas geradas pelas atividades investimento (105.825) (30.246) (+/-) Empréstimos e financiamentos (15.431) (7.167) (+/-) Aumento de capital/ Dividendos - 299 Disponibilidades líquidas geradas pelas atividades financiamento (15.431) (6.868) Variação em caixa e equivalentes de caixa (184.881) (307.783) Caixa e equivalentes de caixa - Saldo inicial 368.751 405.914 Caixa e equivalentes de caixa - Saldo final 183.870 98.131
  15. 15. Bloomberg, em 31 de março de 2014. 1- IPO da Companhia em 24 de junho de 2011. jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 Brasil Pharma IBOV BPHA3 Fechamento 31.03.14 Ações Emitidas 256.384.419 Cotação (R$/ação) 3,85 Perfomance ano -43,0% Índice Ibovespa -2,1% Perfomance desde IPO¹ -55,3% Índice Ibovespa -17,4% Capitalização de mercado (R$ Milhões) 987,1 Volume médio diário de negócios em 2014 (R$ Milhões) 4,4
  16. 16. • Sistemas não unificados e instáveis • Qualidade/consistência da informação • Substituição de 4 centros de distribuição • Gestão do capital de giro • Limitações no controle de estoques • Alta alavancagem • Necessidade de desenvolvimento de inteligência comercial • Ineficiências fiscais • Posicionamento da Mais Econômica
  17. 17. VP Opperações Álvaro Jr. Presidente José Ricardo Conselho de Administração RI Otavio Lyra GESTÃO Rodrigo Silveira JURÍDICO Cristina Caiuby Gestão Riscos TBD RH TBD VP Financeiro TBD Dir Controle TBD Dir Planejamento Sara Rezende TI Rogério Segala Dir. Comercial TBD Dir. Operações Renato Lobo BIG BEN Raul Aguilera
  18. 18. P&L P&L P&LP&L • Nova estrutura organizacional: redução de custos corporativos; • “Accountability” por plataforma: redução de custos indiretos, criação de comitê para a aprovação de novos produtos; CORPORATIVO Operações C. Oeste Sul Bahia Norte/NE Metas das regionais definidas sobre vendas e expansão orgânica; CORPORATIVO Operações C. Oeste Sul Bahia Norte/NE Recursos vinham do Corporativo quando requisitados. Metas definidas sobre margens; Gerentes regionais são responsáveis por seus próprios P&Ls.
  19. 19. • Estabilização dos centros de distribuição: redução dos custos indiretos e otimização do nível de estoques nas lojas; • Estabilização de sistemas: otimização de compras e estoques; • Nova estrutura financeira: maior controle sobre as verbas da indústria, vendas de PBM’s (reposição e descontos) e compras (volumes e descontos comerciais), otimização de impostos indiretos, maior controle sobre a viabilidade e a rentabilidade na abertura de lojas; • Reavaliação dos contratos ativos de serviços; • Novo foco de treinamentos para funcionários de lojas orientado para melhorar o mix de vendas.

×