Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

of

Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 1 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 2 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 3 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 4 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 5 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 6 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 7 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 8 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 9 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 10 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 11 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 12 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 13 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 14 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 15 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 16 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 17 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 18 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 19 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 20 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 21 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 22 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 23 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 24 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 25 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 26 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 27 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 28 Reflexos Inatos - conceitos básicos Slide 29
Upcoming SlideShare
Autismo: Prática Baseada em Evidências Científicas
Next

75 Likes

Share

Reflexos Inatos - conceitos básicos

Conheça meu CD: http://www.cdbaby.com/cd/marciotheapplegadgets
Conheça meu livro: http://www.grupoa.com.br/autor/marcio-borges-moreira.aspx
Visite meu canal do youtube: https://www.youtube.com/user/borgesmoreirayt
Visite nosso site: http://www.walden4.com.br
Curta nossa página no facebook: https://www.facebook.com/iwalden4

Princípios Básicos de Análise do Comportamento, Moreira e Medeiros (2007)
Capítulo 01. O reflexo inato

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Reflexos Inatos - conceitos básicos

  1. 1. Princípios Básicos de Análise do Comportamento Moreira e Medeiros (2007)
  2. 2. Capítulo 1. O reflexo inato Vídeo-aula 1.1
  3. 3. Produzido por: Instituto Walden4
  4. 4. Slides, Narração e Edição: Prof. Dr. Márcio Borges Moreira
  5. 5. visite o site www.walden4.com.br
  6. 6. O que a Psicologia estuda? A mente humana? Os processos cognitivos? A vida mental? O que estuda a Psicologia? Qual o seu objeto de estudo? A mente humana? Os processos cognitivos? A vida mental? Na verdade, todas essas respostas, e muitas outras, podem ser consideradas ou verdadeiras, ou falsas, ou incompletas dependendo da abordagem psicológica em questão.
  7. 7. O que a Psicologia estuda? A Psicologia estuda interações de organismos, vistos como um todo, com seu meio ambiente (Harzem & Miles,1978). Uma definição bastante conhecida de objeto de estudo da psicologia, e adotada pela abordagem psicológica chamada Análise do Comportamento, é a de que a psicologia estuda interações de organismos, vistos como um todo, com seu meio ambiente.
  8. 8. O que a Psicologia estuda? ORGANISMO AMBIENTE INTERAÇÃO Mas para se compreender a extensão dessa definição de objeto de estudo é necessário, antes, compreender o significado técnico dos termos “organismo”, “ambiente” e “interação”.
  9. 9. Organismos, Ambiente e Interações Quando falamos de organismos, falamos de seres vivos do reino animal como, por exemplo, macacos, pombos, insetos, ratos e, sobretudo, é claro, os seres humanos, as
  10. 10. Organismos, Ambiente e Interações ambiente ambiente ambiente organismo ambiente O conceito de ambiente é bastante amplo e complexo, mas, por enquanto, podemos entender ambiente como tudo no mundo que cerca um organismo.
  11. 11. Organismos, Ambiente e Interações Sons, cheiros, imagens, objetos, fontes calor ou frio, vozes, expressões faciais e gestos são apenas alguns exemplos de coisas no mundo que fazem do parte do ambiente de um organismo, do ambiente de uma pessoa por exemplo.
  12. 12. Organismos, Ambiente e Interações Você aprenderá ao longo do curso de Psicologia que o ambiente mais relevante para uma pessoa são as pessoas que a cercam, ou seja, o seu ambiente social.
  13. 13. Organismos, Ambiente e Interações A B ambiente organismo Note que os conceitos de ambiente e organismo são relativos. Uma pessoa pode ter a função de ambiente para outra pessoa e vice-versa.
  14. 14. Organismos, Ambiente e Interações Alterações Alterações no no ambiente organismo Alterações Alterações no no organismo ambiente Dizemos que há uma interação entre um organismo e seu ambiente quando alterações em um produzem alterações no outro, isto é, quando um muda, o outro também muda.
  15. 15. Organismos, Ambiente e Interações Alterações no Alterações no ambiente organismo REFLEXO O tipo de interação mais simples entre um organismo e seu ambiente ocorre quando uma alteração no ambiente produz uma alteração “involuntária”, “automática” no organismo. Esse tipo de interação entre organismo e ambiente é chamado de reflexo. Um reflexo, portanto, pode ser definido como uma interação entre organismo e ambiente.
  16. 16. Duas categorias de reflexos Reflexos Reflexos inatos aprendidos Reflexos Reflexos Incondicionados Condicionados Existem, basicamente, duas categorias de reflexos: os reflexos inatos e os reflexos aprendidos. Os reflexos inatos também são chamados de reflexos incondicionados e os reflexos aprendidos são chamados de reflexos condicionados.
  17. 17. Duas categorias de reflexos condicionado = aprendido aprendizagem condicionamento = por experiência Tenha sempre em mente que o termo técnico condicionado, em Análise do Comportamento, significa apenas aprendido. Da mesma forma, o termo técnico condicionamento significa apenas aprendizagem por experiência. É importante lembrar também que reflexos, e não as pessoas, são condicionados.
  18. 18. Duas categorias de reflexos Reflexos Reflexos incondicionados condicionados Característicos Característicos das espécies dos indivíduos Os reflexos incondicionados são característicos a todos os membros de uma mesma espécie. Já os reflexos condicionados variam de indivíduo para indivíduo de uma espécie, pois dependem de aprendizagem, e cada indivíduo passa, em sua vida, por diferentes histórias de aprendizagem.
  19. 19. Reflexos incondicionados Quando uma pessoa nasce (ou qualquer membro de qualquer outra espécie), ela já nasce preparada para interagir de alguma maneira com seu meio ambiente. Imagine, por exemplo, como seria difícil ensinar um bebê recém nascido a mamar! Felizmente, de forma reflexa, o bebê começa a sugar tudo que toca sua boca.
  20. 20. Reflexos incondicionados Imagine também, por exemplo, como seria difícil ensinar um bebê a sorrir quando é beijado, a ficar sem respirar quando é mergulhado ou a chorar quando sente dor ou fome. Isso apenas para citar alguns exemplos.
  21. 21. Reflexos incondicionados Os reflexos também estão bastante relacionados às emoções e sensações. Alguns estímulos, por exemplo, nos eliciam respostas de medo; outros estímulos eliciam respostas prazerosas; outros de sensações de bem estar; outros de ansiedade, e isso apenas para citar alguns exemplos.
  22. 22. Reflexos incondicionados Como os reflexos estão intimamente relacionados às emoções, é muito importante que os psicólogos compreendam bem seu funcionamento. Muitos cientistas, entre eles psicólogos, estudaram os reflexos e descobriram certas relações entre características dos estímulos e características das respostas que são constantes. Essas relações são chamadas de Leis dos Reflexos (ou também propriedades dos reflexos).
  23. 23. Características dos estímulos: intensidade Todos os estímulos têm certas características que chamamos de intensidade do estímulo como, por exemplo, a altura de um som, a temperatura de uma fonte de calor, a força de um martelo batendo em nosso joelho e assim por diante.
  24. 24. Características das respostas: magnitude As respostas também têm certas características, que chamamos de magnitude da resposta como, por exemplo, número de batimentos cardíacos por minuto, força de contração de um músculo, quantidade de suor secretada e assim por diante. Passemos agora às leis do reflexo.
  25. 25. Lei da intensidade-magnitude Estímulo Resposta com com menor menor intensidade magnitude (calor) (gotas de suor) Estímulo Resposta com com maior maior intensidade magnitude (calor) (gotas de suor) Uma primeira lei que descreve relações constantes entre características dos estímulos e das respostas é a lei da intensidade-magnitude, que estabelece que quanto maior a intensidade do estímulo, maior será a magnitude da resposta. Por exemplo, quanto mais alta a temperatura do ambiente, mais nós suamos. Dizemos que intensidade e magnitude são diretamente proporcionais.
  26. 26. Lei da intensidade-magnitude Intensidade do Magnitude da Estímulo: Graus Resposta: Celsius mililitros de suor Neste exemplo de reflexo a intensidade do estímulo pode ser medida em graus Celsius e a magnitude da resposta pode ser medida, por exemplo, em mililitros de suor secretados.
  27. 27. Lei do limiar 20 Graus Sem suor 22 Graus Sem suor Começa a 25 Graus suar Para que um estímulo possa eliciar uma resposta, ou seja, para ele possa produzí-la, esse estímulo precisa ter uma certa intensidade mínima. Neste exemplo o estímulo temperatura só elicia a resposta de suar a partir de 25 graus. A lei do limiar, portanto, estabelece que para que um estímulo possa eliciar uma resposta, sua intensidade deve estar acima do limiar de percepção (limiar é o menor valor necessário para eliciar uma resposta).
  28. 28. Lei da latência 25 Graus Latência da resposta 30 Graus Outra relação constante entre características do estímulo e características da resposta é a descrita pela Lei da Latência. Entre a apresentação de um estímulo e a ocorrência da resposta por ele eliciada há um certo período de tempo. Esse período de tempo é chamado de latência da resposta. A Lei da Latência estabelece que quanto maior a intensidade do estímulo, menor é a latência da resposta. Neste exemplo, quanto mais intenso o calor, menor o tempo para que a pessoa comece a suar.
  29. 29. www.walden4.com.br
  • CarollineTheodoro

    Sep. 24, 2021
  • AdrianaVilela7

    Aug. 30, 2021
  • RENATAMACIEL8

    Apr. 4, 2021
  • MichellaAguiar1

    Mar. 23, 2021
  • SueliLopesDoNascimen

    Feb. 15, 2021
  • LindinalvaVale

    Oct. 9, 2020
  • MarcosJeanAraujodeSo

    Sep. 12, 2020
  • taynaralealb

    Apr. 22, 2020
  • marianunes71697

    Apr. 17, 2020
  • carlosmetzka

    Mar. 22, 2020
  • GuilhermeMarques32

    Dec. 10, 2019
  • JaimePaixao

    Jun. 27, 2019
  • CleideMarciaQueiroz

    Feb. 20, 2019
  • PaulaOliveira100

    Dec. 28, 2018
  • WilliansMelo1

    Dec. 11, 2018
  • Lauvellozo

    Sep. 17, 2018
  • MonaraElerMendes

    Apr. 4, 2018
  • nadiechristina

    Feb. 9, 2018
  • rosehcorreia

    Sep. 26, 2017
  • CinthiaArajoGonalvesOliveira

    Sep. 5, 2017

Conheça meu CD: http://www.cdbaby.com/cd/marciotheapplegadgets Conheça meu livro: http://www.grupoa.com.br/autor/marcio-borges-moreira.aspx Visite meu canal do youtube: https://www.youtube.com/user/borgesmoreirayt Visite nosso site: http://www.walden4.com.br Curta nossa página no facebook: https://www.facebook.com/iwalden4 Princípios Básicos de Análise do Comportamento, Moreira e Medeiros (2007) Capítulo 01. O reflexo inato

Views

Total views

59,830

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

8,637

Actions

Downloads

0

Shares

0

Comments

0

Likes

75

×