Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Neurociência para profissionais de marketing aula 2 - emoção e motivação

1,965 views

Published on

Aula 2 ministrada no curso de férias da ESPM-RJ "Neurociência para profissionais de marketing".

Published in: Education
  • Be the first to comment

Neurociência para profissionais de marketing aula 2 - emoção e motivação

  1. 1. NEUROCIÊNCIA PARA PROFISSIONAIS DE MARKETING<br />Aula 2: Emoção e Motivação<br />Billy E. M. Nascimento, BSc, MSc, DSc<br />bnascimento@forebrain.com.br<br />
  2. 2.
  3. 3. Motivação<br />Motivação é um termo abrangente que se refere a uma grande variedade fatores fisiológicos e neuronais que iniciam, sustentam e direcionam o comportamento.<br />
  4. 4. Homeostasia<br />
  5. 5.
  6. 6. Principais Comportamentos Motivados<br />Fome<br />Sede<br />Temperatura<br />
  7. 7.
  8. 8. Hipófise<br />Hipotálamo<br />
  9. 9.
  10. 10.
  11. 11. Hipotálamo<br /> & <br />Neuro-hipófise<br />Ocitocina<br />Vasopressina<br />
  12. 12. Hipotálamo<br /> & <br />Adeno-hipófise<br />
  13. 13. Hipotálamo<br />Adeno-hipófise<br />Glândulas<br />
  14. 14. Recompensa<br />
  15. 15.
  16. 16.
  17. 17.
  18. 18. Wanting x Liking<br />
  19. 19. Implicit<br />Explicit<br />
  20. 20. Emoção<br />
  21. 21. Definições<br />Emoção: do latim movere, se mover.Motivação: algo que move alguma coisa.A palavra ‘emoção’ é utilizada pra descrever estados que mobilizam os humanos, ‘motivação’ é a palavra utilizada para descrever tais estados nos animaisLang & Bradley, 2008<br />
  22. 22. Funções<br />Preparar o corpo para a ação<br />Comunicar<br />
  23. 23. Charles Darwin 1809-1882<br />
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27. Vídeo 04:30<br />
  28. 28. Neurociência e os sistemas motivacionais do comportamento<br />Sistema Motivacional Defensivo<br />Sistema Motivacional Apetitivo<br />Contextos que envolvem ameaça (imobilização, luta, fuga)<br />Contextos de sobrevida e procriação (alimentação, sexo,cuidados com a prole).<br />Predisposições comportamentais de evitação e esquiva.<br />Predisposições comportamentais de interesse e aproximação.<br />Bradley et al, 2001<br />
  29. 29. Apetitivo XAversivo<br />“E por isso dizemos que o prazer é o começo e o fim de uma vida venturosa”.<br />Epicuro<br />“A natureza colocou o gênero humano sob o domínio de dois senhores soberanos: a dor e o prazer”.<br />J. Bentham<br />Dor e prazer são propulsores das ações. W. James<br />
  30. 30. Papel fundamental da motivação para aproximação e esquiva<br />Ambos os comportamentos de aproximação e esquiva são fundamentais para adaptação bem sucedida. O comportamento de esquiva facilita a sobrevivência, enquanto que o comportamento de aproximação facilita o sucesso. Este também é o caso com respeito à adaptação física e psicológica (Elliot, 2006).<br />A decisão de se aproximar ou esquivar tem sido a decisão adaptativa fundamental que os organismos tiveram que fazer para sobreviverem ao seu passado evolucionário (Tooby e Cosmides, 1990). <br />
  31. 31. Artemia<br />Schneirla (1959): Todos os organismos, desde uma simples ameba, são dotados de pelo menos uma forma básica de mecanismos de aproximação e esquiva. <br />Ameba: Mecanismos extremamente rudimentares. P.e. uma luz fraca irá estimular um fluxo do protoplasma em direção a luz, seguido de um movimento nesse sentido, enquanto que uma luz forte irá estimular uma contração local do protoplasma, normalmente seguida de um movimento em direção contrária a da luz.<br />
  32. 32. Reflexos estereotipados não-condicionados nos humanos:<br />Reflexos de orientação<br />Reflexos defensivos<br />Reflexo de salivação<br />Reflexo de sobressalto (startle)<br /><ul><li>Não apenas a habilidade de um organismo em determinar a significância de um estímulo é central para sua sobrevivência, mas também a velocidade com que isso ocorre é fundamental.
  33. 33. Todos os organismos (sobreviventes) são “pré-programados” para realizar respostas de aproximação-esquiva a algumas classes específicas de estímulos. </li></li></ul><li><ul><li> A magnitude e latência desse reflexo primitivo varia em função do estado motivacional relevante do indivíduo antes do estímulo.</li></ul>Reflexo de Sobressalto:<br /><ul><li> 1º componente seria o piscar dos olhos; resposta involuntária a um estímulo intenso, como ruído alto, luz forte ou choque; ocorre entre 30-50 ms após o aparecimento do estímulo. Tem uma função defensiva, protegendo olho de um possível dano. </li></li></ul><li>Avaliação dos estímulos:<br /><ul><li> Um acúmulo de pesquisas indica que as pessoas avaliam a maioria, se não todos, os estímulos como sendo positivos ou negativos (Osgood, Sci & Tannenbaum, 1957).</li></ul>Circumplexo proposto por Watson & Tellegen (1985). Modificado de Watson et al (1999)<br />
  34. 34. Escala Valência<br />triste, perturbado, aborrecido, insatisfeito, chateado desagradável <br />feliz, alegre, satisfeito, contente, otimista. agradável<br />Instruções<br />Escala Ativação<br />relaxado, calmo, apático, inerte, sonolento<br />desperto, vigilante, agitado, estimulado, “ligado” <br />Instruções<br />SAM (Self-AssessmentManikin)<br />
  35. 35. Processamento implícito<br /><ul><li> A avaliação automática dos estímulos em positivos ou negativos seria uma resposta direta ao estímulo, não mediada por processos cognitivos de alta ordem. </li></li></ul><li>Em organismos menos complexos, e respostas “constitutionally ingrained” nos humanos, a avaliação leva direta e invariavelmente a comportamentos de aproximação ou esquiva. <br /> Porém, na maioria dos comportamentos humanos, as predisposições comportamentais representam inputs iniciais, que podem ser sobrescritos por outros inputs gerados por outros mecanismos ou processos de aproximação e esquiva antes que a resposta comportamental seja realizada. <br /><ul><li> A avaliação automática é considerada capaz de evocar automaticamente predisposições para os comportamentos de aproximação e esquiva.</li></ul> Estímulos avaliados de forma positiva ou negativa produzem uma preparação fisiológica e somática para aproximação e esquiva (Arnold, 1960), entretanto, o comportamento observado pode ou não corresponder a esse preparo inicial (Lang, Bradley & Cuthbert, 1997). <br />
  36. 36.
  37. 37. The Neuroimaging of Emotion<br />Tor D. Wager, Lisa Feldman Barrett, Eliza Bliss-Moreau, Kristen Lindquist,<br />Seth Duncan, Hedy Kober, Josh Joseph, Matthew Davidson, and Jennifer Mize<br />Handbook of Emotion 3ed - 2008<br />
  38. 38.
  39. 39.
  40. 40.
  41. 41. AMÍGDALA<br />
  42. 42. Circuitos Neurais Defensivos<br />LeDoux, 1994<br />
  43. 43.
  44. 44.
  45. 45.
  46. 46. “Contrary to the traditional view of the amygdala as a<br />structure specialized in the detection of negative information,<br />presentation of positive stimuli appeared to consistently<br />elicit activation in this structure. This finding is in<br />accord with some of the previous meta-analyses of emotion<br />(Murphy et al., 2003; Wager et al., 2003) and provides<br />further support for the notion of the amygdala as being<br />involved in the processing of biologically relevant information,<br />regardlessofvalence (Sanderet al., 2003).”<br />
  47. 47. CÓRTEX PRÉ-FRONTAL<br />

×