Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pesquisa de Marketing Cenários da Comunicação Corporativa

445 views

Published on

Pesquisa de Marketing - Cenários da Comunicação Corporativa.
Consultores: Gabriel Valente Ferro, Luiz Felipe Mainardi e Maiara Lucchesi
Gerente de Projetos: Júlia Poletto Rizzi
Diretor de Projetos: Lucas Meotti
Professor Orientador: Liliane Antunes Rhode
Empresa Jr. ESPM-Sul 2016 Porto Alegre

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Pesquisa de Marketing Cenários da Comunicação Corporativa

  1. 1. Pesquisa de Marketing Cenários da Comunicação Corporativa Consultores: Gabriel Valente Ferro Luiz Felipe Mainardi Maiara Lucchesi Gerente de Projetos: Júlia Poletto Rizzi Diretor de Projetos: Lucas Meotti Professor Orientador: Liliane Antunes Rhode Porto Alegre, 28 de julho de 2016.
  2. 2. 2 www.espm.br/empresajr SUMÁRIO EXECUTIVO Visando o aprimoramento das informações obtidas em 2014, na segunda edição do projeto Cenários da Comunicação Corporativa, a Escola de Jornalismo da ESPM-Sul solicitou à Empresa Jr. ESPM, no ano de 2016, a realização da terceira edição da Pesquisa de Marketing. Esse tipo de projeto tem como objetivo coletar informações de um determinado mercado, e, buscando um maior poder de generalização e levando em conta as grandes amostras, o caráter quantitativo foi atribuído à essa pesquisa. A partir destas características, os núcleos responsáveis pela realização do projeto definiram seus objetivos. Como objetivo principal, definiu-se refinar as características da área de comunicação corporativa nas maiores empresas do Rio Grande do Sul e comparar os resultados atuais com os do projeto passado, com a finalidade de identificar possíveis mudanças significativas. Para isto, os consultores tiveram acesso ao Ranking das 500 Maiores Empresas do Sul, realizado e publicado pela revista Amanhã. Por meio desse, selecionaram as 200 maiores empresas do Rio Grande do Sul, das quais 103 foram posteriormente entrevistadas. Para a realização da coleta de dados, foi utilizado o questionário da segunda edição da pesquisa. Esse, no entanto, sofreu alterações de acordo com os novos objetivos do projeto, passando de 28 para 24 questões objetivas, que abordam temas como o perfil do responsável e da equipe de comunicação, a opinião deste sobre a área e as atividades de comunicação, além de sua estrutura nas empresas. Após a finalização do questionário deu-se início à segunda etapa do projeto, a coleta de dados. As empresas listadas foram contatadas pelos consultores via telefone. Esse canal foi priorizado a fim de evitar recusas e lacunas nas respostas obtidas. Dessa forma, no momento em que o responsável pela área disponibilizava-se, o questionário era aplicado. Por compreender a falta de disponibilidade dos gestores de comunicação das empresas, houve exceções quanto a meio de contato para com esses. Alguns questionários foram enviados por e-mail para aqueles que fizeram questão de participar da pesquisa, e que assim solicitaram. Ao concluir a etapa, deu-se, enfim, o início a fase de tabulação dos resultados. Os dados obtidos foram transformados em gráficos e comparados à edição passada da pesquisa, evidenciando as diferenças na área. Por meio dos gráficos e das comparações, foi realizada a etapa de análise dos resultados. A partir desta, foi possível perceber a visão dos gestores em relação à área e as características desses profissionais e das equipes de comunicação. Além disso, pode-se analisar a importância dada pelas empresas à área,
  3. 3. 3 www.espm.br/empresajr constatando as diferenças entre as companhias e comprovando a heterogeneidade das empresas gaúchas, evidenciando as mudanças ocorridas após a realização das edições da pesquisa. O projeto, portanto, apresenta informações cruciais para o desenvolvimento da área da comunicação corporativa no estado. A terceira edição da pesquisa Cenários da Comunicação Corporativa no Rio Grande do Sul mostra-se ainda mais completa que as anteriores, trazendo com clareza a situação da área de comunicação no estado, retratando as mudanças ocorridas, analisando-as e comparando-as com a do ano de 2014, a partir de uma amostra com as maiores empresas do estado. Por meio deste trabalho, é possível ter um panorama da comunicação corporativa no Rio Grande do Sul.
  4. 4. 4 www.espm.br/empresajr SUMÁRIO 1 JUSTIFICATIVA...............................................................................................................9 2 OBJETIVOS DO PROJETO........................................................................................... 10 2.1 Objetivo Geral............................................................................................................. 10 2.2 Objetivos Específicos.................................................................................................. 10 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS....................................................................... 11 3.1 Caracterização da pesquisa........................................................................................ 11 3.2 Técnicas de coleta de dados....................................................................................... 11 3.3 Delimitações da pesquisa ........................................................................................... 11 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS...................................................................................... 13 4.1 Ramo de Atividade da Empresa.................................................................................. 13 4.2 Número de Funcionários das Empresas ..................................................................... 14 4.3 Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade ................................. 16 4.4 Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação ............................................ 17 4.5 Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor........................................ 19 4.6 Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor .................................................. 20 4.7 Cargo do entrevistado................................................................................................. 22 4.8 Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de Comunicação .............. 23 4.9 Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação ........................................... 24 4.10 Gênero Predominante na Equipe de Comunicação .................................................... 26 4.11 Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação................ 27 4.12 Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação ............................................. 29 4.13 Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento.................. 30 4.14 Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa ........... 32 4.15 Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas................................................... 34 4.16 Grau de Importância do Setor na Empresa................................................................. 35 4.17 Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa.............................................. 37 4.18 Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa ................................. 38
  5. 5. 5 www.espm.br/empresajr 4.19 Grau de Importância das Atividades de Comunicação na Empresa............................ 40 4.20 Grau de Preparação da Empresa para Lidar com as Iniciativas de Comunicação ...... 41 4.21 Grau de Concordância com as Afirmativas................................................................. 42 4.22 O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos..................... 45 4.23 Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa .............................. 46 4.24 Mensuração dos Resultados no Setor ........................................................................ 48 4.25 Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas...................................................................................................................... 49 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................... 52
  6. 6. 6 www.espm.br/empresajr ÍNDICE DE GRÁFICOS Figura 1 - Gráfico “Ramo de Atividades das Empresas (2016)” ........................................... 13 Figura 2 – Gráfico “Ramo de Atividades das Empresas Comparativo”................................. 14 Figura 3 – Gráfico “Número de Funcionários das Empresas (2016)” ................................... 15 Figura 4 – Gráfico “Número de Funcionários das Empresas Comparativo”.......................... 16 Figura 5 – Gráfico “Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade (2016)”16 Figura 6- Gráfico “Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade Comparativo” ....................................................................................................................... 17 Figura 7 – Gráfico “Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação (2016)” .......... 18 Figura 8 – Gráfico “Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação Comparativo” 18 Figura 9 - Gráfico “Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor (2016)”....... 19 Figura 10 - Gráfico “Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor Comparativo” ....................................................................................................................... 20 Figura 11 – Gráfico “Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor (2016)” .............. 20 Figura 12 - Gráfico “Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor (2016)” ............... 21 Figura 13 – Gráfico “Cargo do entrevistado (2016)”............................................................. 22 Figura 14 – Gráfico “Cargo do entrevistado Comparativo” ................................................... 22 Figura 15 – Gráfico “Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de comunicação (2016)” ........................................................................................................... 23 Figura 16 - Gráfico “Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de comunicação 2014” ............................................................................................................. 24 Figura 17 – Gráfico “Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação (2016)” ....... 25 Figura 18 - Gráfico “Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação Comparativo” ............................................................................................................................................ 25 Figura 19 – Gráfico “Gênero Predominante na Equipe de Comunicação (2016)”................. 26 Figura 20 – Gráfico “Gênero Predominante na Equipe de Comunicação Comparativo”....... 27 Figura 21 – Gráfico “Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação (2016)” .......................................................................................................... 28 Figura 22 - Gráfico “Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação Comparativo”................................................................................................. 28 Figura 23 – Gráfico “Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação (2016)”.......... 29 Figura 24 – Gráfico “Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação Comparativo” 30 Figura 25 – Gráfico “Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento (2016)” ......................................................................................................... 31
  7. 7. 7 www.espm.br/empresajr Figura 26 – Gráfico “Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento Comparativo” ............................................................................................... 32 Figura 27 – Gráfico “Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa (2016)”.................................................................................................................. 33 Figura 28 – Gráfico “Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa Comparativo”........................................................................................................ 34 Figura 29 – Gráfico “Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas (2016)”............... 34 Figura 30 – Gráfico “Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas Comparativo” ..... 35 Figura 31 – Gráfico “Grau de Importância do Setor na Empresa (2016)” ............................. 36 Figura 32 – Gráfico “Grau de Importância do Setor na Empresa Comparativo” ................... 36 Figura 33 – Gráfico “Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa (2016)” .......... 37 Figura 34 – Gráfico “Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa Comparativo” 38 Figura 35 – Gráfico “Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa (2016)” ............................................................................................................................................ 39 Figura 36 – Gráfico “Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa Corporativo”......................................................................................................................... 40 Figura 37 – Gráfico “O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos (2016)”................................................................................................................................. 45 Figura 38 – Gráfico “O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos Comparativo” ....................................................................................................................... 46 Figura 39 – Gráfico “Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa (2016)”................................................................................................................................. 47 Figura 40 – Gráfico “Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa Comparativo” ....................................................................................................................... 47 Figura 41 – Gráfico “Mensuração dos Resultados no Setor (2016)”..................................... 48 Figura 42 – Gráfico “Mensuração dos Resultados no Setor Comparativo”........................... 49 Figura 43 – Gráfico “Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas (2016)” .................................................................................. 50 Figura 44 – Gráfico “Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas Comparativo”......................................................................... 51
  8. 8. 8 www.espm.br/empresajr ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 – Tabela “Grau de Importância das Atividades de Comunicação na Empre...........43 Tabela 2 – Tabela “Grau de Preparação da Empresa para Lidar com as Iniciativas de Comunicação”.........................................................................................................................45 Tabela 3 – Tabela “Grau de Concordância com as Afirmativas”............................................46
  9. 9. 9 www.espm.br/empresajr 1 JUSTIFICATIVA A comunicação corporativa corresponde à área de relacionamento interno e externo da empresa. Através dela, a empresa se comunica com seus colaboradores, fornecedores, clientes ou qualquer outra pessoa ou empresa que tenha alguma relação com a empresa. É dividida em três áreas: a comunicação interna, que trata da comunicação com os seus colaboradores; a comunicação institucional, que cuida da imagem da instituição e da sua reputação e, por fim, a comunicação mercadológica, que é responsável pelo marketing da empresa, sempre buscando atingir o mercado que a empresa atua e o público que ela busca atingir. A área da comunicação corporativa ainda é pouco desenvolvida no Rio Grande do Sul, apesar de estar em expansão no resto do país. Esta falta de introdução da comunicação corporativa ao mercado se deve principalmente à falta de conhecimento do que se trata a área e quais dimensões ela abrange dentro de uma companhia, podendo gerar uma perda da credibilidade da empresa por parte dos stakeholders. Essa pesquisa quantitativa tem como propósito descobrir como a comunicação corporativa está inserida dentro das empresas gaúchas, se a mesma está se consolidando dentro das companhias, por meio de quais profissionais, e se estas estão criando uma área específica para a comunicação. Busca-se, também, analisar a importância desta e os encargos da área dentro das organizações e principalmente reunir resultados que possam agregar conhecimento sobre esta área no Rio Grande do Sul, comparando-os com o estudo anterior. Visando a geração de conteúdo, que, consequentemente, enriquece a formação dos alunos do curso de jornalismo da instituição ESPM-SUL, a professora Rosângela Florczak de Oliveira entrou em contato com a Empresa Jr. ESPM para a realização dessa Pesquisa de Marketing, que será realizada com as maiores empresas do Rio Grande do Sul por meio de um questionário de 24 perguntas, com a finalidade de analisar de forma mais aprofundada a comunicação corporativa dentro das empresas do estado.
  10. 10. 10 www.espm.br/empresajr 2 OBJETIVOS DO PROJETO 2.1 Objetivo Geral Refinar as características do segmento de comunicação corporativa nas empresas do Rio Grande do Sul e comparar os resultados atuais com os do projeto passado, com a finalidade de identificar as possíveis mudanças no setor. 2.2 Objetivos Específicos Reconhecer quais os principais aspectos da área de comunicação corporativa e como essa é desenvolvida nas empresas gaúchas; Analisar a relevância da comunicação corporativa para as organizações; Verificar o perfil do encarregado na empresa pela comunicação corporativa; Relacionar resultados atuais com os obtidos no projeto realizado anteriormente; Identificar a comunicação corporativa a nível estratégico nas corporações.
  11. 11. 11 www.espm.br/empresajr 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 Caracterização da pesquisa No mercado atual, a pesquisa de marketing tem se mostrado uma ferramenta essencial para a gestão organizacional. É por meio dela que as empresas podem identificar e definir oportunidades, avaliar suas ações e monitorar o desempenho dos seus produtos ou serviços perante aos consumidores. A pesquisa qualitativa está relacionada ao levantamento de dados que compreende e interpreta determinados comportamentos e opiniões, servindo de base para tomadas de decisão estratégica nas empresas. É exploratória, portanto não tem o intuito de obter uma grande amostra e nem resultados numéricos. Os recursos mais utilizados nesse tipo de pesquisa são entrevistas semiestruturadas em profundidade, focus group e observação em campo. Já a pesquisa quantitativa, a qual será aplicada nesse projeto, quantifica os dados e os transforma em informações para serem aplicados nas empresas. Os meios de coletas são através de questionários estruturados (on-line, de autopreenchimento, por telefone, presencial), e sempre com perguntas claras e objetivas. A edição de 2016 da pesquisa Cenários da Comunicação Corporativa terá uma abordagem quantitativa para melhor descrever, classificar e interpretar os dados coletados e identificar a estrutura do setor nas empresas do estado. 3.2 Técnicas de coleta de dados A pesquisa será aplicada via telefone utilizando um questionário sobre a área contendo 24 questões. Essas perguntas são direcionadas especificamente ao responsável pelo setor de comunicação corporativa e, se não houver este setor, se aplica ao responsável pela área equivalente na empresa. Se não for possível obter respostas via telefone por questões profissionais ou pessoais do entrevistado, pede-se para marcar um encontro onde serão abordadas as questões a serem respondidas. 3.3 Delimitações da pesquisa A delimitação da pesquisa usa como base as metodologias utilizadas na edição anterior, definida por parâmetros previamente identificados por um recorte geográfico/espacial, e através disso determina-se a amostra da população em um período de tempo que possibilitará comparações com os resultados de 2014. A população da
  12. 12. 12 www.espm.br/empresajr pesquisa é composta pelas 202 maiores empresas do Rio Grande do Sul, tendo como base o ranking das 500 maiores empresas da região sul do país realizado e publicado pela revista Amanhã. Desse grupo, foram aplicados 103 questionários da população das empresas do Rio Grande do Sul.
  13. 13. 13 www.espm.br/empresajr 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Ramo de Atividade da Empresa O gráfico a seguir retrata o ramo de atividade das empresas que participaram da pesquisa no ano de 2016. Ressalta-se que, como indústria, também foram consideradas as companhias com enfoque no setor agropecuário. Os resultados retratam um alto número de empresas que participam do setor industrial, totalizando 43%. Logo após, mas não tão distante, encontram-se as empresas que se inserem no setor de prestação de serviços, totalizando 36%. Já as empresas do setor comercial apresentam números menores que os outros setores, contabilizando 21%. Figura 1 - Gráfico “Ramo de Atividades das Empresas (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM A seguinte representação identifica o ramo de atividade das empresas que participaram da pesquisa no ano de 2016, em comparação com os números resultantes da edição anterior da pesquisa, em 2014.
  14. 14. 14 www.espm.br/empresajr Figura 2 – Gráfico “Ramo de Atividades das Empresas Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Como se observa no gráfico, o número de empresas entrevistadas no ramo de serviços e de indústria cresceu, aumentando de 29% para 36% e de 12% para 43%, respectivamente. No entanto, as organizações do ramo comercial caíram drasticamente, de 59% para 21%. 4.2 Número de Funcionários das Empresas O gráfico a seguir representa o número de funcionários presentes nas empresas que participaram da pesquisa no ano de 2016. É possível observar que uma parcela significativa das empresas analisadas - 56% - possuem até 1000 funcionários. As outras 44% possuem entre 1000 e mais de 4000 funcionários.
  15. 15. 15 www.espm.br/empresajr Figura 3 – Gráfico “Número de Funcionários das Empresas (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Já no gráfico abaixo, pode-se observar um comparativo com o ano de 2014. Observa- se que ocorreu um aumento de pequenas e médias empresas na amostra de 2016, onde a porcentagem de até 300 funcionários aumentou de 14% para 20%. Também se destaca uma grande concentração de empresas que possuem de 300 a 1000 funcionários, representando 38% em 2014 e 36% em 2016. As empresas que possuem entre 1000 e 2000 funcionários apresentaram um aumento de seis pontos percentuais entre os anos em questão. As demais alternativas não apresentaram mudanças significativas.
  16. 16. 16 www.espm.br/empresajr Figura 4 – Gráfico “Número de Funcionários das Empresas Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM 4.3 Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade Figura 5 – Gráfico “Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Analisando o gráfico anterior, pode-se inferir que a maioria dos gestores considera o relacionamento da empresa com a sociedade muito importante, representando 57% das respostas, ou importante, representando 34%, totalizando 91% de todas as respostas. Além
  17. 17. 17 www.espm.br/empresajr disso, 7% dos gestores consideram indiferente e 2% consideram pouco importante, representando apenas 9% das respostas. Figura 6- Gráfico “Importância do Relacionamento da Empresa com a Sociedade Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Ao comparar a pesquisa de 2016 à pesquisa de 2014, não são notadas grandes diferenças. Houve um aumento de 3% nos entrevistados que consideravam “muito importante” e “importante”. Os que julgavam indiferentes mantiveram-se em 7%, houve um aumento de 2% nos que consideravam “pouco importante” e a opção “não importante” não obteve nenhuma resposta em 2016. Assim, conclui-se que as empresas continuam dando grande importância para o relacionamento da empresa com a sociedade. 4.4 Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação O gráfico a seguir representa o gênero dos profissionais responsáveis pela comunicação das empresas entrevistadas. É visível certa discrepância entre o sexo feminino, que representa 64% dos profissionais, e o masculino, que equivale a 36%, no ano de 2016.
  18. 18. 18 www.espm.br/empresajr Figura 7 – Gráfico “Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Quando um comparativo é estabelecido entre as edições da pesquisa, é possível analisar que o sexo feminino sofreu um aumento de representatividade de 11% do ano de 2014 para o ano de 2016. Já o sexo masculino obteve decréscimo pouco significativo, de 3%. Conclui-se, então, que os profissionais responsáveis pela comunicação continuam sendo majoritariamente mulheres. Figura 8 – Gráfico “Gênero do Profissional Responsável pela Comunicação Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM
  19. 19. 19 www.espm.br/empresajr 4.5 Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor Analisando o gráfico a seguir, conclui-se que o curso de Administração é o mais presente dentre os responsáveis pela área de comunicação, com 20% de representatividade, seguido pelo curso de Jornalismo, com 17%, e Publicidade, Relações Públicas, Marketing e Outros, com 16%. Figura 9 - Gráfico “Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Fica evidente, no comparativo realizado, que a principal diferença entre os anos de 2014 e 2016 é na área de Administração, que em 2014 apresentava uma porcentagem de 14% dos profissionais e em 2016 esse número subiu para 20%. Nas outras áreas, como Jornalismo, Publicidade, Relações Internacionais, Marketing e Outros, não foram obtidas diferenças significativas.
  20. 20. 20 www.espm.br/empresajr Figura 10 - Gráfico “Área de Formação Profissional do Responsável pelo Setor Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM 4.6 Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor O seguinte gráfico representa a idade dos profissionais que são responsáveis pelo setor de comunicação das empresas participantes da pesquisa no ano de 2016. Figura 11 – Gráfico “Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM
  21. 21. 21 www.espm.br/empresajr A maior representatividade, cerca de 85%, está na faixa etária entre 25 e 50 anos. É possível perceber que o os extremos possuem menor representatividade e que a faixa mais significativa é de 31 a 40 anos. Figura 12 - Gráfico “Faixa Etária do Profissional Responsável pelo Setor (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Quando o comparativo é realizado, nota-se um decréscimo no número de pessoas que possuem idade entre 31 a 40 anos, passando de 39% para 36%. Porém outro fato que podemos analisar é a evolução de 3% para 6%, representando um aumento de 100%, de pessoas com a faixa etária entre 18 a 24 anos. Já a faixa etária que engloba pessoas de 41 a 50 anos, apresenta um acréscimo de 4%, onde em 2014 possuía 22%, passando para 26% em 2016. Por fim, a quantidade de pessoas que possuem idade entre 51 e 60 anos representaram no ano de 2014, 4%, sofrendo um aumento de 3% até o ano de 2016, onde se totalizou em 7%. Conclui-se que o público que trabalha no setor de comunicação das empresas está se tornando cada vez mais jovem.
  22. 22. 22 www.espm.br/empresajr 4.7 Cargo do entrevistado Figura 13 – Gráfico “Cargo do entrevistado (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Ao analisar o gráfico, é possível inferir uma predominância de entrevistados nos cargos de Coordenadoria e Gerência, com representatividade de 39% e 51%, respectivamente. Já os cargos de direção ou ligados à presidência possuem percentuais iguais à 5%. Figura 14 – Gráfico “Cargo do entrevistado Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM
  23. 23. 23 www.espm.br/empresajr A partir do gráfico de comparação do cargo do entrevistado nos dois anos analisados, pode-se perceber que o percentual de Coordenadores entrevistados é predominante nos dois anos, sendo 36% em 2014 e 51% em 2016. Mesmo assim, é possível identificar que na mais recente edição da pesquisa o número de coordenadores entrevistados teve um crescimento expressivo, de 15%. Já o percentual de Gerentes entrevistados manteve-se praticamente constante nos dois anos analisados. Os cargos ligados à presidência e à diretoria obtiveram 13% e 8% de participação na pesquisa em 2014, respectivamente, e perderam representatividade em 2016. 4.8 Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de Comunicação O gráfico abaixo apresenta o nível de autonomia do gestor responsável pela comunicação corporativa nas maiores empresas do Rio Grande do Sul. Figura 15 – Gráfico “Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Ao analisar o gráfico, é possível identificar que o nível de autonomia dos profissionais de comunicação, em geral, é médio ou alto, segundo 96% dos entrevistados. O nível de autonomia com maior porcentagem é o médio, e isso pode ter ralação com o fato de que na maioria das empresas, os gestores da área de comunicação dependem de outros gestores de outras áreas para tomarem decisões finais.
  24. 24. 24 www.espm.br/empresajr Figura 16 - Gráfico “Nível de Autonomia do Profissional Responsável na Área de comunicação 2014” Fonte: Empresa Jr. ESPM O comparativo torna-se especialmente difícil neste caso, já que a escala foi alterada na edição atual da pesquisa para melhor compreensão dos resultados. De qualquer maneira, é possível perceber que em 2014, 70% os responsáveis pela área afirmavam possuir muita autonomia, resultado que se assemelha ao da edição atual. Além disso, 3% dos entrevistados afirmavam não possuir nenhuma autonomia em 2014. Em 2016, essa opção não foi citada por nenhum entrevistado. 4.9 Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação Segundo o gráfico a seguir, o qual representa a quantidade de pessoas que trabalham no setor de comunicação, pode-se notar que são poucas as empresas que possuem uma grande equipe, já que as equipes que possuem até 5 funcionários representam cerca de 70%. Apenas 13% das empresas possuem de 6 a 8 funcionários. Em uma faixa mais elevada, de 8 a 10 funcionários, a porcentagem cai para 6%, mas eleva-se quando as empresas detêm mais de 10 funcionários na área de comunicação, passando para 12%.
  25. 25. 25 www.espm.br/empresajr Figura 17 – Gráfico “Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM A partir da análise do comparativo, conclui-se que as empresas participantes da pesquisa em 2016 reduziram seu quadro de colaboradores. A porcentagem de empresas que possuem de 3 a 5 funcionários no setor passou de 31% para 38%, assim como as empresas que possuem até 2 funcionários passou de 28% para 32%. Os outros dados sofreram mudanças pouco significativas, mas cabe ressaltar a queda na porcentagem quando abordamos as empresas que detém de 8 a 10 funcionários, passando de 8% para 6%, e as que possuem mais de 10 funcionários, sofrendo uma queda de 4%. Figura 18 - Gráfico “Quantidade de Profissionais na Equipe de Comunicação Comparativo”
  26. 26. 26 www.espm.br/empresajr Fonte: Empresa Jr. ESPM 4.10 Gênero Predominante na Equipe de Comunicação Figura 19 – Gráfico “Gênero Predominante na Equipe de Comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM O domínio feminino não se demonstra somente no responsável pela área de comunicação. Além de ser a maioria na liderança, também representa um prevalecimento perante aos homens nas equipes. As equipes que são compostas majoritariamente por mulheres representam 62% das pesquisas realizadas. Em seguida, aparecem as equipes com igual distribuição e, com menor significância, as equipes majoritariamente masculinas, com 14%.
  27. 27. 27 www.espm.br/empresajr Figura 20 – Gráfico “Gênero Predominante na Equipe de Comunicação Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Conforme as respostas obtidas, as equipes formadas majoritariamente por mulheres sofreram um acréscimo de 5% em comparação à pesquisa realizada em 2014. As equipes formadas majoritariamente por homens tiverem decréscimo de apenas 1%, enquanto as equipes de igual distribuição tiveram um aumento de 4%. 4.11 Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação O gráfico a seguir apresenta a área de formação predominante da equipe de comunicação das empresas, no ano de 2016.
  28. 28. 28 www.espm.br/empresajr Figura 21 – Gráfico “Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Ao investigar o gráfico anterior, pode-se concluir que as áreas de Publicidade e Jornalismo mantêm números aproximados, sendo 22% e 19% das pessoas formadas nas respectivas áreas. Todavia, Relações públicas, Marketing, Administração e Outros, possuem valores mais baixos: 17%, 12%, 16% e 16%, respectivamente. No gráfico a seguir, os dados do ano de 2016 são comparados com os dados da última pesquisa. Figura 22 - Gráfico “Área de Formação Profissional Predominante da Equipe de Comunicação Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Como é possível observar no gráfico anterior, ocorreu um aumento nas porcentagens de todas as áreas nos últimos anos, exceto em Publicidade. O curso de Jornalismo e o de
  29. 29. 29 www.espm.br/empresajr Marketing sofreram um crescimento de 2%. Outra mudança foi na área de Relações Públicas e de Administração, que cresceram 3% em relação à 2014. A categoria Outros, que é composta principalmente pela área de Design, cresceu 1%, subindo de 15% para 16%. De maneira geral, mantiveram-se os padrões de resultado da última edição. 4.12 Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação Figura 23 – Gráfico “Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Como foi exposta no gráfico, a faixa etária com maior representatividade nas equipes de comunicação das empresas entrevistadas é de 25 a 30 anos. Essa predominância de jovens adultos pode representar um desenvolvimento na área, principalmente de forma renovadora. A faixa etária de 31 a 40 anos também é bastante significativa, com uma representatividade de 33%. As equipes formadas por idades de 18 a 24 anos e 41 a 50 anos somam 11% de todas as equipes das empresas entrevistadas, e a faixa etária de 51 a 60 anos ou mais representa apenas 1%.
  30. 30. 30 www.espm.br/empresajr Figura 24 – Gráfico “Faixa Etária Predominante da Equipe de Comunicação Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Quando o comparativo entre as edições é realizado, percebe-se um aumento na porcentagem das equipes que são compostas por pessoas entre 25 a 40 anos. Apesar disso, vale ressaltar que essa faixa etária já era a mais significativa no ano de 2014, reafirmando o perfil das equipes, ou seja, jovens adultos. A faixa etária de 18 a 24 anos teve um decréscimo considerável de 9% e dessa mesma forma a faixa etária de 41 a 50 anos, com uma redução de 10%. Ademais, a faixa etária de 51 a 60 anos, que não aparecia em 2014, representou 1% das respostas na pesquisa atual. Equipes formadas predominantemente por pessoas com mais de 60 anos não apareceram em nenhum dos anos analisados. 4.13 Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento O gráfico a seguir analisa como os profissionais da área de comunicação buscam conhecimentos para desenvolver seus trabalhos. Através de perguntas de múltipla escolha, é possível identificar quais são as atividades mais importantes voltadas para o aperfeiçoamento e desenvolvimento dos profissionais que atuam na área de comunicação. A busca de conhecimento através de cursos lidera com 70%, seguido de palestras com 61%. Os workshops são utilizados por 45% das empresas e visitas técnicas aparecem com 7% de representatividade. Outras maneiras de adquirir conhecimentos totalizam 23%, e incluem leituras de cases, feiras de estudos, benchmarking e seminários.
  31. 31. 31 www.espm.br/empresajr Figura 25 – Gráfico “Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Através de perguntas de múltipla escolha, é possível identificar quais são as atividades mais importantes voltadas para o aperfeiçoamento e desenvolvimento dos profissionais que atuam na área de comunicação. A busca de conhecimento através de cursos lidera com 70%, seguido de palestras com 61%. Os workshops são utilizados por 45% das empresas e visitas técnicas aparecem com 7% de representatividade. Outras maneiras de adquirir conhecimentos totalizam 23%, e incluem leituras de cases, feiras de estudos, benchmarking e seminários.
  32. 32. 32 www.espm.br/empresajr Figura 26 – Gráfico “Como os Profissionais da Área de Comunicação Buscam Conhecimento Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Comparando os dados de 2014 e 2016, é possível perceber que os cursos mantiveram a liderança como principal atividade para o desenvolvimento dos profissionais da comunicação, com 76% e 70% respectivamente. Já as palestras, que em 2014 obtiveram 72%, em 2016 caíram para 61%. A respeito dos workshops, em 2014 o percentual foi de 63%, e teve uma queda significativa, de 18% em 2016, o que demonstra uma redução no uso da ferramenta nas empresas, bem como o de palestras, com uma queda de 11%. As visitas técnicas, que não obtiveram significância em 2014, aparecem com 7% em 2016. Em 2014, os profissionais também buscavam conhecimento através de feiras de negócios, treinamentos internos, congressos e contato com os representantes, totalizando 29%. É importante ressaltar que a soma dos percentuais ultrapassa 100%, pois se trata de uma questão de múltipla escolha em que era possível marcar até quatro alternativas. 4.14 Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa No gráfico a seguir pode-se observar qual a posição da área de comunicação no organograma da empresa. Percebe-se que a área de comunicação está inserida em 43% das empresas no nível da diretoria. Já os níveis de gerência e de coordenadoria possuem porcentagens aproximadas, sendo 23% e 22%, respectivamente. Por fim, a presidência possui uma representatividade de 6%, enquanto a assessoria e a classificação “Outros” possuem 3%.
  33. 33. 33 www.espm.br/empresajr Figura 27 – Gráfico “Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Já no gráfico a seguir, observa-se um comparativo entre os anos de 2016 e 2014. Como pode-se constatar no gráfico, a área de comunicação passou a deter uma importância maior dentro das empresas. Ocorreu um aumento significativo de 17% das empresas que posicionam a área de comunicação no nível de diretoria, passando de 26% a 43%. Outro dado que pode ser analisado como uma mudança significativa refere-se à maior inserção da área no cargo de coordenadoria, onde se verificou um aumento de 9% em 2014 para 22% em 2016. Houve uma grande queda na área de presidência, que em 2014 representava 25%, e em 2016 passou a representar apenas 6%. O restante das áreas sofreu mudanças pouco significativas.
  34. 34. 34 www.espm.br/empresajr Figura 28 – Gráfico “Posição da Área de Comunicação Corporativa no Organograma da Empresa Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM 4.15 Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas Figura 29 – Gráfico “Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Observando o gráfico anterior, pode-se perceber que apenas 5% das empresas entrevistadas nomeiam o setor de comunicação como Comunicação Corporativa, enquanto 50% das empresas entrevistadas nomeiam sua área de comunicação como Marketing. As
  35. 35. 35 www.espm.br/empresajr nomenclaturas “Assessoria de Comunicação” e “Comunicação e Marketing” possuem 10% de representatividade cada. Nas outras nomeações da área responsável pela comunicação da empresa podemos ver nomes como Comunicação Interna, Recursos Humanos e Gerência de Marketing. Figura 30 – Gráfico “Nome dado à Área de Comunicação nas Empresas Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Na comparação exposta pelo gráfico anterior, podemos ver que o Marketing apareceu novamente como principal nomeação para o setor encarregado pela comunicação, passando de 38% em 2014 para 50% em 2016. Também pode ser notada uma diminuição significativa das empresas que não possuíam uma área de comunicação e uma pequena diminuição das empresas que nomeiam sua área de comunicação “Assessoria de Comunicação”. Houve também uma diminuição nas áreas nomeadas por “Comunicação e Marketing” e as empresas que denominam sua área “Comunicação Corporativa” mantiveram-se 5%. 4.16 Grau de Importância do Setor na Empresa Analisando o gráfico a seguir, fica claro que a área de comunicação corporativa é considerada muito importante ou importante em 90% das empresas. Outras classificações, como indiferente e pouco importante, correspondem a apenas 10%. Conclui-se então que a Comunicação Corporativa tem um grau de importância elevado na maioria das empresas que participaram da pesquisa no ano de 2016.
  36. 36. 36 www.espm.br/empresajr Figura 31 – Gráfico “Grau de Importância do Setor na Empresa (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Quando o comparativo é realizado, nota-se que o número de empresas que consideram a área muito importante e importante, aumentou em 8% e 7% respectivamente. Vale ressaltar que o número de empresas que consideram a área como indiferente, sofreu uma queda de 6%, enquanto as que a consideram pouco importante mantiveram-se estagnadas. Assim, pode-se observar que a área de comunicação corporativa ganhou significativa importância do ano de 2014 para o ano de 2016. Figura 32 – Gráfico “Grau de Importância do Setor na Empresa Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM
  37. 37. 37 www.espm.br/empresajr 4.17 Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa Figura 33 – Gráfico “Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM O gráfico anterior representa a importância da comunicação corporativa na cadeia decisória da empresa. Na percepção dos responsáveis entrevistados, grande parte das empresas consideram a comunicação corporativa como elemento determinante, sendo que 33% a consideram muito importante e 40% importante. Vale ressaltar que 21% dos entrevistados são indiferentes quanto a sua importância nas decisões da empresa e 6% a consideram pouco importante.
  38. 38. 38 www.espm.br/empresajr Figura 34 – Gráfico “Importância do Setor na Cadeia Decisória da Empresa Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Analisando o gráfico acima, conclui-se que o número de entrevistados que consideravam a área muito importante ou importante, aumentou 15% e 7%, respectivamente, entre os anos de 2014 e 2016. Além disso, nenhum dos gestores informou considerar a área não importante na edição atual da pesquisa. Os que consideravam pouco importante diminuíram de 8% para 6% em 2016. Isso demonstra que a área de comunicação ganhou um importante papel na cadeia decisória da empresa. 4.18 Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa Ao observar o gráfico abaixo, percebe-se um número elevado - 87% das empresas - afirmam que a área de comunicação corporativa é muito importante ou importante no posicionamento/planejamento estratégico da empresa. Todavia, uma pequena parcela de empresas, cerca de 13%, acredita que a área seja indiferente ou pouco importante.
  39. 39. 39 www.espm.br/empresajr Figura 35 – Gráfico “Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Ao estabelecer um comparativo, fica visível uma crescente importância da área de comunicação corporativa no planejamento/posicionamento estratégico das empresas. As empresas que afirmam que o setor é muito importante para o planejamento estratégico da empresa passaram de 23% em 2014 para 45% em 2016. Percebe-se que a classificação Importante manteve seu alto padrão, aumentando 1% e assim estabilizando-se em 42%. Já as outras opções de resposta como Indiferente e Pouco Importante sofreram pequenos decréscimos, correspondendo a 9% e 2%, respectivamente. Além disso, na pesquisa anteriormente realizada, em 2014, constatou-se que 4% das empresas não consideravam importante a comunicação corporativa no planejamento/posicionamento estratégico. Em contrapartida, no ano de 2016, essa opção não foi citada por nenhuma das empresas entrevistadas.
  40. 40. 40 www.espm.br/empresajr Figura 36 – Gráfico “Relevância do Setor no Planejamento Estratégico da Empresa Corporativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM 4.19 Grau de Importância das Atividades de Comunicação na Empresa Na tabela a seguir, apresentam-se as médias e o desvio padrão das atividades de comunicação mais importantes da empresa, de acordo com a percepção dos entrevistados. Analisa-se a seguir o grau de importância para os eventos e palestras, acompanhamento da gestão da marca, gestão de crises, assessoria de Imprensa e as mídias sociais. Os níveis variam de 1 (pouco importante) e 5 (muito importante). Média 2016 Média 2014 Desvio Padrão 2016 Desvio Padrão 2014 Acompanhamento da gestão da Marca 4.28 4.53 0.86 0.75 Mídias Sociais 3.97 3.65 1.12 1.34 Assessoria de Imprensa 3.58 3.72 1.31 1.31 Gestão de Crises 3.56 3.82 1.31 1.24 Eventos e Palestras 3.54 3.89 1.08 1.09 Tabela 1 – Tabela “Grau de Importância das Atividades de Comunicação na Empresa”
  41. 41. 41 www.espm.br/empresajr Fonte: Empresa Jr. ESPM Através da análise da tabela, é possível concluir que as atividades de comunicação consideradas mais importantes das empresas participantes são o Acompanhamento da gestão da marca e as Mídias sociais, com médias de 4.28 e 3.97, respectivamente. Pode-se analisar que as empresas prezam o fortalecimento da marca em relação ao mercado consumidor bem como as mídias sociais, que hoje são um dos principais componentes para o sucesso de uma empresa ou marca. Em 2014, Acompanhamento da Gestão da marca também teve a maior média, com 4.53 e um desvio padrão de 0.75, porém, Assessoria de Imprensa teve a segunda maior média com 3,72. É possível perceber uma grande diferença entre as duas atividades mais importantes da empresa entre 2014 e 2016. As mídias sociais em 2014 tiveram uma média de 3.65, ficando na última colocação, e em 2016 alcançaram o segundo lugar. Tal fato demonstra uma maior preocupação das empresas a respeito da importância do Marketing Digital nas organizações. Em seguida a Gestão de Crises e Assessoria de imprensa possuem médias de 3.56 e 3.58 respectivamente, tendo um desvio padrão alto em ambas, de 1.31, o que demonstra uma divergência no nível de respostas positivas e negativas por parte dos gestores. Por sua vez, eventos e palestras tiveram a menor média, acarretando 3.54 e um desvio padrão de 1.08, ao contrário do ano de 2014, na qual o item ficou com a segunda colocação com média de 3.89. É possível concluir que ocorreram várias mudanças mercadológicas entre os anos de 2014 e 2016. Pode-se perceber tal fato quando se analisa importância das ferramentas de comunicação nas duas edições. Em 2014, as mídias sociais possuíam pouca importância e reconhecimento dentro das empresas, e em 2016 passou do segundo lugar no quadro. Já eventos e palestras que em 2014 ocupava o segundo lugar, hoje ocupa a última colocação, o que evidencia uma queda da importância dos mesmos dentro das empresas. 4.20 Grau de Preparação da Empresa para Lidar com as Iniciativas de Comunicação Na tabela a seguir, serão exibidas as médias e o desvio padrão de acordo com a preparação de cada empresa para lidar com as iniciativas de comunicação. Foram analisadas na pesquisa as mídias sociais, gestão de crises, gestão de marca e assessoria de imprensa. É importante ressaltar que os níveis variam de 1, que significa pouco preparada e 5, que significa muito preparada para lidar com as seguintes questões da comunicação.
  42. 42. 42 www.espm.br/empresajr Média 2016 Média 2014 Desvio Padrão Desvio Padrão 2014 Gestão de Marca 3.84 3.91 0.88 0.99 Mídias Sociais 3.37 3.15 1.31 1.11 Assessoria de Imprensa 3.33 3.67 1.14 1.26 Gestão de crises 3.37 3.22 1.10 1.11 Tabela 2 – Tabela “Grau de Preparação da Empresa para Lidar com as Iniciativas de Comunicação” Fonte: Empresa Jr. ESPM Pode-se perceber na média geral, que nenhuma das iniciativas de comunicação atingiu quatro pontos, demonstrando que as empresas não consideram suas iniciativas suficientemente capacitadas para lidar com essas atividades da comunicação. Porém, a única ferramenta que apresenta uma média significativamente acima das demais, é a gestão de marca, que obteve a maior média em 2014 e 2016, alcançando 3.91 e 3.84 respectivamente. Em seguida, as mídias sociais aparecem com média de 3.37 em 2016 e 3.15 em 2014. Analisando esses dados, é possível perceber que, apesar da média ser baixa, as empresas se sentem mais preparadas para lidar com as redes sociais em 2016 do que em 2014. A assessoria de imprensa aparece com média de 3.33 em 2016, já na edição de 2014, com média de 3.67, o que demonstra que as empresas estão se sentindo menos preparadas para lidar com a essa iniciativa de comunicação. Já a gestão de crises ficou em última colocada em 2016 e penúltima colocação em 2014, com médias de 3.37 e 3.22 respectivamente, o que demonstra que as empresas se sentem pouco preparadas para o gerenciamento de crises em ambos os anos. Também é possível concluir, através das análises das tabelas, que as empresas consideram importante a presença das mídias sociais, porém ainda se sentem pouco preparadas para lidar com as mesmas. 4.21 Grau de Concordância com as Afirmativas No seguinte quadro é apresentado o grau de concordância com as afirmativas referentes à área de comunicação das empresas. Os graus variam de 1 (pouco importante) e 5 (muito importante).
  43. 43. 43 www.espm.br/empresajr Médi a 2016 Médi a 2014 Desvio Padrão 2014 Desvio Padrão 2016 As redes sociais e a presença do marketing digital ajudam no desenvolvimento da comunicação da empresa 4.46 3,90 1,23 0.78 A empresa tem uma boa reputação tanto interna quanto externa 4.33 4,38 0,73 1.41 O orçamento é o fator que delimita a dimensão dos projetos de comunicação corporativa 4.17 3,95 1,10 1.04 Em toda empresa deve haver um setor responsável por analisar o conteúdo das redes sociais 4.06 3,59 1,44 1.13 Os funcionários prezam pela comunicação interna da empresa 4.05 3,75 1,03 0.98 A empresa não se sustentaria sem a área de comunicação 3.78 3,53 1,31 1.11 Na empresa, a área de comunicação é vista como uma área estratégica 4.01 3,96 1,07 1.01 Serão feitos investimentos na área de comunicação corporativa no próximo ano 3.67 3,98 1,11 1.11
  44. 44. 44 www.espm.br/empresajr Em relação à comunicação interna da empresa, do ponto de vista dos funcionários, ela atende totalmente a necessidade de informação 3.22 3,32 1,07 1.10 Caso ocorra corte de custos, a área de comunicação é a primeira a ser afetada 2.84 2,78 1,32 1.41 Tabela 3 – Tabela “Grau de Concordância com as Afirmativas” Fonte: Empresa Jr. ESPM Constata-se que as empresas participantes, de modo geral, concordam que a presença do marketing digital ajuda no desenvolvimento da comunicação da empresa, no qual a média em 2016 é de 4.46, a maior encontrada, e o desvio padrão é de 0.78, o que indica que há pouca discrepância entre as respostas. Já a resposta com a maior média de 2014 foi de 4.38, que está relacionada com uma boa reputação da empresa, a qual foi à segunda colocada em 2016 com média de 4.46 e desvio padrão de 1.41. Pode-se dizer que o marketing digital ganhou força nas empresas entre 2014 e 2016, uma vez que, na edição anterior da pesquisa o mesmo se encontrava em sexta colocação e na pesquisa atual, encontra-se na primeira. A respeito de o orçamento limitar as atividades de comunicação corporativa, pode-se concluir que houve um aumento na média, acarretando em uma maior concordância com a afirmativa, entre 2014 e 2016, apresentando 3.95 e 4.17 respectivamente. Tal fato pode ter relação à crise econômica, visto que custos são cortados para enfrentar a recessão. O quarto fator com maior média em 2016 com 3.59 é de que em toda empresa deve haver um setor responsável por analisar o conteúdo das redes sociais da empresa, o qual em 2014 ocupava o oitavo lugar, com média de 3.75. Tal fato tem direta ligação com a presença do marketing digital no desenvolvimento da comunicação da empresa, o qual teve a maior média na pesquisa realizada em 2016. É possível identificar uma mudança no perfil do mercado bem como das empresas, principalmente em relação ao marketing digital, que teve um forte crescimento nos últimos anos.
  45. 45. 45 www.espm.br/empresajr 4.22 O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos Figura 37 – Gráfico “O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Como pode ser visto no gráfico, as duas alternativas que mais tiveram respostas foram “Manteve-se estável” e “Reduziu”. A predominância dessas duas alternativas pode ser ligada diretamente à crise que vem afetando o país. Como decorrência dessa situação econômica, muitas empresas estão buscando obter maiores resultados com menos investimentos na área de comunicação, através das ações nas mídias digitais, as quais tornam possível atingir mais pessoas, gastando menos.
  46. 46. 46 www.espm.br/empresajr Figura 38 – Gráfico “O Investimento Ligado à Área de Comunicação nos Últimos Dois Anos Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Pode-se notar discrepância nas alternativas “Aumentou” e “Reduziu”. A primeira teve grande diminuição e a segunda um grande aumento, em relação ao ano de 2014 para o ano de 2016. Vale ressaltar a alternativa “Reduziu muito”, a qual, no ano de 2014, não foi citada, e, em 2016, representou 9% das respostas obtidas. Ademais, as empresas que mantiveram o investimento ou o aumentaram muito permaneceram com resultados iguais ou muito semelhantes no que se refere ao ano de 2014 para o ano de 2016. Portanto, as empresas deixaram de realizar altos investimentos na área de comunicação, realizando apenas pequenas aplicações de capital na área. 4.23 Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa É possível observar no gráfico a seguir que 28% das empresas participantes da pesquisa no ano de 2016 são mais cautelosas, devido ao baixo investimento na área de comunicação, sendo esse menos de 500 mil reais.
  47. 47. 47 www.espm.br/empresajr Figura 39 – Gráfico “Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM As empresas que investem entre 500 mil e mais de 2 milhões de reais somam cerca de 41%. Além disso, uma parcela significativa dos entrevistados, 31%, não souberam ou não puderam responder a pergunta. Figura 40 – Gráfico “Investimento Anual das Empresas em Comunicação Corporativa Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Nota-se, ao analisar o gráfico anterior que estabelece um comparativo entre os dados colhidos no ano de 2016 e 2014, que as empresas passaram a investir menos no setor de comunicação. As empresas que aplicam menos de 500 mil reais passaram de 26% em 2014 para 28% em 2016. Além disso, houve um decréscimo de 5% nas empresas que aplicavam
  48. 48. 48 www.espm.br/empresajr mais de milhões. Alguns dados não sofreram mudanças, como a porcentagem de empresas que aplicam entre 500 mil e 1 milhão e entre 1 milhão e 2 milhões, sendo ambas 14% nos dois anos. Por fim, a opção “Não posso responder” sofreu um aumento de 10% e a opção “Não sei responder” sofreu um decréscimo de 7%. 4.24 Mensuração dos Resultados no Setor Figura 41 – Gráfico “Mensuração dos Resultados no Setor (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM A partir da ilustração acima se pode observar que as pesquisas é o meio mais utilizado pelas empresas entrevistas para realizar a mensuração de resultados na área de comunicação, representando 48% das respostas. Em seguida, aparecem as metas, com 32% das repostas. Vale ressaltar que 18% das empresas afirmaram não realizar a mensuração dos resultados. Ademais, 26% informaram fazê-la através de outros meios, sendo esses, as vendas e o ticket médios das mesmas, o número de clientes que frequentam as lojas, o Google Analytcs, as redes sociais e os projetos.
  49. 49. 49 www.espm.br/empresajr Figura 42 – Gráfico “Mensuração dos Resultados no Setor Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM Tendo como base essa comparação de dados, é possível inferir que no ano de 2014 as metas representavam o meio mais utilizado pelas empresas para realizar a mensuração de resultados, sendo essas 54% das respostas. Após dois anos, pode-se perceber que a utilização das mesmas para a finalidade decaiu 22%. Em contrapartida, as pesquisas, que antes representavam 41% das respostas, tiverem um aumento de 7% até o ano de 2016. O percentual de empresas que não possuem nenhuma forma de mensuração aumentou 3% em relação à pesquisa anterior, sendo, atualmente, 18%. Ademais, 12% mais empresas possuíam outros meios de mensuração em 2014 do que em 2016. 4.25 Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas No gráfico a seguir, percebe-se a opinião dos gestores das empresas sobre o crescimento do setor da comunicação corporativa. A maioria dos entrevistados, cerca de 52%, acreditam que a área se manterá. Além disso, 44% afirmam que a área irá crescer ou crescer muito, e apenas 4% acreditam em sua retração.
  50. 50. 50 www.espm.br/empresajr Figura 43 – Gráfico “Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas (2016)” Fonte: Empresa Jr. ESPM Percebe-se uma diferença significativa na perspectiva de crescimento da área de comunicação entre os dois anos. Em 2014, 54% das empresas acreditavam que a área iria crescer e em 2016, esse número caiu para 33%. Tamanha diferença pode ser relacionada à recessão econômica, que está afetando a maioria das empresas, que precisam cortas gastos para enfrentar a crise. Ao contrário de 2014, na qual 22% das empresas acreditavam que a área de comunicação não iria crescer nem retrair, em 2016, 52% concordaram com a afirmativa, que representa a baixa perspectiva de crescimento para a área de comunicação. As empresas que acreditavam que a área de comunicação iria crescer muito mantiveram-se praticamente estáveis em 2014 e 2016, com porcentagens de 14% e 11%, respectivamente. Entretanto, a opção “Vai retrair”, que não obteve nenhuma representatividade em 2014, foi citada por 4% dos entrevistados na edição atual da pesquisa.
  51. 51. 51 www.espm.br/empresajr Figura 44 – Gráfico “Perspectiva de Crescimento da área de Comunicação Corporativa do ponto de vista das Empresas Comparativo” Fonte: Empresa Jr. ESPM
  52. 52. 52 www.espm.br/empresajr 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a intenção de elaborar uma solução que atendesse a necessidade do nosso cliente, o Curso de Jornalismo e a Empresa Jr. ESPM desenvolveram e aplicaram uma pesquisa com intuito de mapear o cenário da Comunicação Corporativa no estado do Rio Grande do Sul e comparar com os resultados da edição de 2014. Através de um questionário composto por 24 questões objetivas sobre a área de comunicação nas empresas, montou-se um banco de dados e procurou-se identificar e comparar informações pertinentes aos objetivos específicos desse projeto. Acerca das principais características da área de comunicação, foi observado que os coordenadores são os responsáveis pela área com o maior percentual. Tal fato relaciona-se diretamente com a posição da Comunicação Corporativa no organograma das empresas, a qual passou a ocupar um patamar mais alto em relação à pesquisa de 2014. A respeito do número de funcionários do setor de comunicação, pode-se concluir que as equipes com mais de dez pessoas detém uma representatividade menor quando se relaciona com a pesquisa realizada no ano de 2014, enquanto as esquipes com três a cinco pessoas cresceram em relação à última edição da pesquisa. Tais equipes são formadas principalmente por jornalistas e publicitários, os quais mantiveram superioridade na edição atual e passada da pesquisa, sendo as mesmas formadas majoritariamente por mulheres e com uma média de três a cinco colaboradores na área. É possível concluir que a área de Comunicação ganhou muita importância tanto para a cadeia decisória das empresas quanto para o planejamento e/ou posicionamento estratégico, quando comparados com a pesquisa anteriormente realizada. Pode-se perceber que as empresas passaram a considerar mais importante a presença das mídias sociais e do marketing digital para a construção e consolidação de uma marca, quando relacionados com a pesquisa realizada em 2014. Por fim, vale ressaltar que a área de Comunicação Corporativa está ganhando um grande reconhecimento intrínseco, dentro das empresas, com base nos dados citados acima. Com a pesquisa, pode-se concluir que a comunicação corporativa é essencial para todas as organizações, tanto internamente quanto externamente, no planejamento estratégico da empresa, na cadeia decisória e em um âmbito geral.

×