Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Mobilidade urbana [reparado]

1,772 views

Published on

  • Be the first to comment

Mobilidade urbana [reparado]

  1. 1. MOBILIDADE URBANA
  2. 2. Muito se fala em mobilidade urbana e em resolver os problemas ocasionados pelo excesso de veículos. Em Itabuna, não é diferente.
  3. 3. MOBILIDADE nas grandes cidades é cada vez mais problemática. . Onde o adensamento urbano se deu de forma desordenada e rápida, e onde não há planejamento e estrutura adequada, o problema se torna maior.
  4. 4. MOBILIDADE é conseguir se locomover com facilidade:  de casa para o trabalho  do trabalho para o lazer  para qualquer outro lugar onde o cidadão tenha vontade ou necessidade de estar independente do tipo de veículo utilizado.
  5. 5. TER MOBILIDADE URBANA:  É pegar o ônibus com a garantia de que se chegará ao local e no horário desejados, salvo em caso de acidentes, por exemplo. É ter alternativas para deixar o carro na garagem e ir ao trabalho a pé, de bicicleta ou com o transporte coletivo. É dispor de ciclovias e também de calçadas que garantam acessibilidade aos deficientes físicos e visuais.  E, até mesmo, utilizar o automóvel particular quando lhe convir e não ficar preso nos engarrafamentos.
  6. 6. O conceito de mobilidade urbana ainda é muito recente no Brasil e os problemas a ele relacionados ainda não estão muito claros para uma parcela significativa da população.
  7. 7. MOBILIDADE URBANA - Conceito A capacidade de deslocamento de pessoas e bens no espaço urbano para a realização das atividades cotidianas em tempo considerado ideal, de modo confortável e seguro.
  8. 8. MOBILIDADE URBANA - Evolução Caminhar era, inicialmente, a única forma que o homem tinha para deslocar-se. A sua capacidade criativa, desenvolveu novos e mais rápidos meios de transporte para atender suas necessidades de trabalho e lazer.
  9. 9. Até o momento em que os sistemas urbanos atingiram sua capacidade máxima.
  10. 10. A acelerada URBANIZAÇÃO BRASILEIRA tem sido produzida:  sob um processo de ocupação do solo profundamente desordenado  e na medida em que são autorizados parcelamentos e assentamentos em regiões distantes do núcleo central das cidades.
  11. 11. A histórica dificuldade de incorporar a ideia de mobilidade urbana ao planejamento urbano e regional é uma das principais causas da crise de qualidade das cidades brasileiras. Isso contribui fortemente para a geração dos cenários atuais onde se constatam cidades insustentáveis do ponto de vista ambiental e econômico.
  12. 12. A MOBILIDADE URBANA tem grande impacto na economia local e na qualidade de vida das pessoas. Quando problemática, custa caro ao Estado e à sociedade, em virtude das perdas que proporciona.
  13. 13. O Brasil urbano atual é representado por cerca de 84% da população e mais de 5.000 habitantes. Em apenas 455 municípios contêm mais de 55% do total de habitantes do país. Aí estão incluídas as 10 cidades-núcleo das regiões metropolitanas mais expressivas.
  14. 14. Independente das causas do crescimento descontrolado das cidades brasileiras, nelas se instalou uma crise de mobilidade sem precedentes.
  15. 15.  A qualidade da mobilidade urbana tem se deteriorado dia após dia.  E os índices de mobilidade da população, especialmente a de baixa renda das regiões metropolitanas, estão sendo brutalmente reduzidos.
  16. 16. Estima-se que somente o transporte coletivo urbano atenda 59 milhões de viagens diárias nas áreas urbanas brasileiras:  94% realizadas por ônibus e os 6% restantes por metrôs e trens. Deste total estima-se que 80% dessas viagens concentram-se nas Regiões Metropolitanas.
  17. 17. As Regiões Metropolitanas concentram também:  Quase metade de toda frota de veículos circulante no país  E quase 21 milhões de quilômetros diários de deslocamentos a pé.
  18. 18. A CIRCULAÇÃO MOTORIZADA O modelo de mobilidade adotado nos grandes centros urbanos brasileiros vem, de forma quase natural, favorecer o uso do veículo particular.
  19. 19. As condições do trânsito estão progressivamente se agravando, com o vertiginoso aumento da quantidade de automóveis e motocicletas em circulação.
  20. 20. CONSEQUÊNCIAS  Um milhão de acidentes, por ano, com 30 mil mortos e 350 mil feridos, sendo 120 mil com sequelas permanentes. Dos mortos, 50% são pedestres, ciclistas ou motociclistas, a parcela mais vulnerável nas vias urbanas  A impunidade imediata reforça o desrespeito pela vida.
  21. 21. O quadro atual da MOBILIDADE URBANA revela que que o transporte coletivo não é efetivamente considerado como serviço público essencial como determina a Constituição Federal.
  22. 22. MOBILIDADE URBANA E DESENVOLVIMENTO Pesquisas realizadas pelo IPEA indicam que em apenas dez capitais brasileiras se perdem cerca de 240 milhões de horas em congestionamentos, todos os anos.
  23. 23.  As emissões de monóxido de carbono pelos transportes urbanos foram estimadas em mais de 123 mil toneladas por ano.  A população de baixa renda está sendo privada do acesso ao transporte público devido à baixa capacidade de pagamento e à precariedade da oferta para as áreas periféricas.  Tal privação acarreta problemas nos deslocamentos para o trabalho, dificuldades de acesso aos equipamentos e serviços básicos e às oportunidades de emprego. CONSEQUÊNCIAS
  24. 24. A Política Nacional para a Mobilidade Urbana Sustentável apresentada pelo Ministério das Cidades elegeu quatro eixos estratégicos de ação, que embasam os programas e projetos da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana: integração das políticas de transporte com as de desenvolvimento urbano;  melhoria do transporte coletivo, com tarifas mais baratas; racionalização do uso dos veículos particulares; e valorização dos meios de transporte não motorizados.
  25. 25. O Ministério das Cidades orienta que todas as cidades com mais de 100 mil habitantes devem elaborar um Plano de Mobilidade Urbana, pois esse número de habitantes já é considerado como uma densidade populacional relevante causadora de problemas de mobilidade urbana.
  26. 26. MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE Conceito que define uma atividade socialmente justa e que não prejudica o meio ambiente, repondo ou recuperando os recursos utilizados.
  27. 27. A implantação de sistemas sobre trilhos, como metrôs, trens e bondes modernos (VLTs), ônibus "limpos", com integração a ciclovias, esteiras rolantes, elevadores de grande capacidade. Soluções inovadoras, como os teleféricos de Medellin (Colômbia), ou sistemas de bicicletas públicas, como os de Copenhague, Paris, Barcelona, Bogotá, Boston e várias outras cidades mundiais. Com quase 70 milhões de automóveis, o Brasil precisa de uma mobilidade urbana mais sustentável.
  28. 28. As obras de mobilidade urbana, juntamente com os aeroportos, são consideradas os principais legados que serão deixados aos brasileiros após a realização do Mundial. As obras de mobilidade urbana nas cidades que receberão os jogos da Copa e estão previstas na Matriz de Responsabilidades possuem linha de crédito especial da Caixa Econômica Federal.
  29. 29. PRINCIPAIS OBRAS EM MOBILIDADE URBANA Corredor Exclusivo de Ônibus  São espaços viários delimitados, destinados prioritariamente à circulação de transporte público urbano, com ônibus operando em faixas preferenciais no nível da superfície.
  30. 30. BRT (Bus Rapid Transit)  Traduzido como Linha de Ônibus Rápida, o BRT é um transporte coletivo sobre pneus, rápido, flexível e de alto desempenho. Outras vantagens são:  o pagamento fora do veículo  as estações fechadas e seguras  os mapas de informação em tempo real.
  31. 31. VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS - VLT  É um trem urbano de passageiros, cujo tamanho permite que sua estrutura de trilhos seja construída no meio urbano.  Com menor capacidade para transportar passageiros e velocidade inferior a dos trens de metrô, produz menos poluição e menor intensidade de ruído.
  32. 32. METRÔ  Com elevada capacidade de passageiros, atinge alta velocidade e possui um curto intervalo de tempo entre embarque e desembarque.
  33. 33. LEI DA MOBILIDADE URBANA LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. Art. 1o A Política Nacional de Mobilidade Urbana é instrumento da política de desenvolvimento urbano de que tratam o inciso XX do art. 21 e o art. 182 da Constituição Federal, objetivando a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do Município. Parágrafo único. A Política Nacional a que se refere o caput deve atender ao previsto no inciso VII do art. 2o e no § 2o do art. 40 da Lei no 10.257, de 10 de julho de 2001 (Estatuto da Cidade).
  34. 34. Art. 5o A Política Nacional de Mobilidade Urbana está fundamentada nos seguintes princípios: II - desenvolvimento sustentável das cidades, nas dimensões socioeconômicas e ambientais; III - equidade no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo; IV - eficiência, eficácia e efetividade na prestação dos serviços de transporte urbano; V - gestão democrática e controle social do planejamento e avaliação da Política Nacional de Mobilidade Urbana; VI - segurança nos deslocamentos das pessoas; VII - justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do uso dos diferentes modos e serviços; VIII - equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros; e IX - eficiência, eficácia e efetividade na circulação urbana. I - acessibilidade universal;
  35. 35. Art. 7o A Política Nacional de Mobilidade Urbana possui os seguintes objetivos: I - reduzir as desigualdades e promover a inclusão social; II - promover o acesso aos serviços básicos e equipamentos sociais; III - proporcionar melhoria nas condições urbanas da população no que se refere à acessibilidade e à mobilidade; IV - promover o desenvolvimento sustentável com a mitigação dos custos ambientais e socioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades; e V - consolidar a gestão democrática como instrumento e garantia da construção contínua do aprimoramento da mobilidade urbana
  36. 36. CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS •Investimentos em mobilidade urbana para a Copa diminuem R$ 3 bilhões em um ano Marina Dutra - Do Contas Abertas - 22/02/2013. •Ministério das Cidades, acessado em 23 de fevereiro de 2013. •José Carlos Xavier - secretário nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades. •Mobilidade urbana e desenvolvimento - (José Carlos Xavier – IPEA) • Política Nacional prevê mobilidade urbana sustentável - Paulo Itacarambi, vice- presidente do Instituto Ethos •LEI DA MOBILIDADE URBANA - LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. •Abordagens recentes da mobilidade urbana na cidade de São Paulo. Barbeiro, Heloisa H. São Paulo, FAUMACK-2007. Imagens: Google

×