Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

UNIARA- 19/5/2011 - O biomédico e sua atuação na estética -nova finalizada

3,761 views

Published on

Palestra sobre O Biomédico e o campo de atuaçao na Estética

  • Be the first to comment

UNIARA- 19/5/2011 - O biomédico e sua atuação na estética -nova finalizada

  1. 1. “Biomedicina Estética eseu campo de atuação.” “III Congresso deCiências da Saúde da UNIARA”
  2. 2. Dra. Ana Carolina Puga• Presidente Fundadora da Sociedade Brasileira de Biomedicina Estética – SBBME (2010);• Coordenadora da Comissão de Biomedicina Estética do Conselho Regional - CRBM1 (2011);• Diretora Geral do Núcleo de Estudo e Treinamento Ana Carolina Puga - NEPUGA(2010-2011);• Diretora responsável da clínica ACorPoralle Saúde Estética (2005-2010);• Membro da Sociedade Brasileira de Laserterapia e Cirurgia - SBLMC (2010);• Membro da European Medical Laser Association - EMLA (2010);• Ministrante dos cursos em Saúde Estética - NEPUGA - (Abril de 2011)
  3. 3. Dra. Ana Carolina Puga• Palestrante do III Congresso de Biomedicina - UNIFENAS- Alfenas- MG- Novembro de 2010- "A possível atuação do Biomédico na Estética"• Palestrante no IV Simpósio da Biomedicina - UNICEP- São Carlos-SP- Novembro de 2010- "A Possível atuação do Biomédico na Estética"• Palestrante na Semana de Palestras do IV Simpósio de Biomedicina - UNICID- São Paulo- SP - Novembro de 2010- "A possível atuação do Biomédico na Estética“• Palestrante no 13° Encontro Nacional de Biomedicina - UNESP Botucatu – Palestra - “O Biomédico e sua atuação do Biomédico na Estética” (21-23 Out/2010);• Participante da Plenária do CFBM – Apresentação do projeto “BIOMEDICINA ESTÉTICA” - XII Congresso Brasileiro de
  4. 4. Dra. Ana Carolina Puga• Palestrante na Faculdade TECSOMA/MG – Palestra: "A possível atuação do Biomédico na Estética" - Paracatú –MG (Out-2010);• Ministrante na Faculdade NOVAFAPI/PI – Teresina – PI - Mini curso- “50 anos de laser sua aplicação na estética” (Set-2010);• Participante do VI Annual Meeting of Aesthetic Procedures-SP (05-07 Ago/2010);• Ministrante dos cursos de capacitação em saúde estética (jul-2010);• Ministrante dos cursos de capacitação em saúde estética (jan-2010);• Palestrante na Faculdade UNIS/MG –Varginha –MG Palestra: "A possível atuação do Biomédico na Estética" (Jun-2010);•  Palestrante do 3° Simpósio Multidisciplinar C.A. - SIMCARF - Laboratórios da FCBS - Faculdade CESMAC de Maceió-AL -
  5. 5. Dra. Ana Carolina Puga• Palestrante do Congresso 6º Congresso Alagoano de Biomedicina - Palestra: "A possível atuação do Biomédico na Estética" (2009);• Palestrante do Congresso 2º Congresso do Instituto Nacional de Biomedicina - Palestra: "A possível atuação do Biomédico na Estética" (2009) ;• Ministrante de diversos cursos em biomedicina aplicada à saúde estética (2008-2009);• Especializada em lipo sem cirurgia, lifting sem cirurgia, fotorejuvenescimento a laser, depilação a laser e peelings (2008-2010);• Docente na Faculdade de Biomedicina LUSÍADA - Santos  (2000 a 2004);• Biomédica supervisora no Serviço de Hematologia e Hemoterapia Hemognosis - Santos - SP  (1997 a 2002);• Mestrado Stricto-Sensu em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de Santos Lusíada (2003);• Pós-graduação em Hemoterapia USP-RP (1997);• Pós-graduação em Hematologia USP-RP (1997);• Formada em Biomedicina pelo Centro Universitário Barão de Mauá (1996).
  6. 6. A nova Habilitação:Unidos conseguimos mais uma bela história com a 36a Habilitação Biomédica
  7. 7. A nova Habilitação:1ª Habilitação - Docência para Medicina e Odontologia2ª Habilitação - Pesquisa Científica Unidos conseguimos mais uma bela história com a 36a Habilitação Biomédica
  8. 8. A nova Habilitação: Para ocupar espaços vazios,é preciso ter iniciativa.1ª Habilitação - Docência para Medicina e Odontologia2ª Habilitação - Pesquisa Científica Unidos conseguimos mais uma bela história com a 36a Habilitação Biomédica
  9. 9. A Biomedicina Estética• A Biomedicina Estética é uma nova área na biomedicina que foi votada em plenária no dia10/10/2010 no XII Congresso Brasileiro de Biomedicina• Nesse dia foi fundada a Sociedade Brasileira de Biomedicina Estética - SBBME, que conta com o reconhecimento do CFBM e ABBM.
  10. 10. RESOLUÇÃO N° 197, DE 21 DE A Resolução FEVEREIRO DE 2011 Dispõe sobre as atribuições do profissional Biomédico no Exercício da Saúde Estética e Atuar como Responsável Técnico de Empresa que Executam Atividades para fins Estéticos.Comissão da Biomedicina Estética do CRBM1 e CFBM
  11. 11. SBBME Missão“Garantir o pleno exercício dascompetências biomédicas na área da estética”
  12. 12. SBBME• Incentivar, promover e reconhecer a qualificação profissional do biomédico nesta área• Incentivar e promover a formação de profissionais biomédicos na área da estética• Incentivar a produção acadêmico-científica biomédica na estética• Incentivar a promoção de eventos e congressos sobre a Biomedicina Estéticas• Incentivar a abertura de clínicas• Dar apoio técnico legal aos associados• Reivindicar os direitos dos Biomédicos perante os órgãos fiscais e públicos• Incentivar inovação e melhoria biotecnologica (Procedimentos)• Promover a boa reputação dos Biomédicos perante a sociedade Nacional e Internacional• Promover o relacionamento institucional políticos
  13. 13. Diretoria SBBMEPresidente – Ana Carolina Puga- SPVice Presidente – Fernanda Lorenzetti - SCTesoureiro – Fransérgio Francisco dos Santos – SPSecretário – Tiago Oselame Fontanive- RS Conselho Fiscal Katyane Filgueira - PE Márcio Thomaz De Aquino - PR Anna Gabriela Nicolau Lopes - MG
  14. 14. SBBME www.biomedicinaestetica.bmd.br
  15. 15. O mercado de trabalho“Crise não afeta faturamento do setor, que deve fechar ano com R$ 24 bilhões de receita. Mercado da beleza no Brasil cresceu 11% em 2009.” Jornal Estado de São Paulo - 01 de setembro de 2009. “O setor de beleza cresceu 18% no primeiro semestre de 2009.”Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos - 28 de agosto de 2009.
  16. 16. O mercado de trabalho“Tratamentos Estéticos Apontam Crescimento No Brasil”: Omercado de produtos de beleza manteve um crescimento estável de 10% aoano em relação à última década. A expectativa é que o Brasil seconsolide como o 2º maior mercado de cosméticos domundo em 2010 ultrapassando o Japão,• Tratamentos estéticos - despontam• Pesquisa encomendada pela SBCP identificou que no Brasil 125milcirurgias estéticas foram feitas por dia, entre setembro de 2007 a agosto de2008, totalizando 547 mil cirurgias.• A ascensão de uma nova classe média no Brasil vemcontribuindo para um boom no mercado de cosméticos ebeleza no país.” Releases na Imprensa - 30 de março de 2008.
  17. 17. E a Biomedicina?
  18. 18. O exercício do Biomédico na Estética• Na Biomedicina, a especialidade “Estética” já existe!• FAREMOS: • Tratamentos de disfunções estéticas / Procedimentos estéticos Pérfuro-cortantes / Procedimentos estéticos invasivos não cirúrgicos/ Procedimentos estéticos não invasivos, Procedimentos estéticos com substâncias não-medicamentosas / Avaliações Estéticas / Análises Rápidos(...)• NÃO FAREMOS: • Tratamentos de Doenças / Uso de Medicamentos / Procedimentos Cirúrgicos / Procedimentos que dependam de medicamentos para recuperação e que exponham a pessoa em situação de risco cujas competências Biomédicas não dão conta sozinhas / Diagnósticos e Consultas Nosológicas / Associação com interpretação de exames;• Assumir responsabilidade técnica por equipamentos e procedimentos de fins estéticos;• Consideramos de vital importância a apropriação e domínio da estética aplicada à Saúde sob a perspectiva científica e isenta conforme padrões acadêmicos, pois não se pode permitir que a ciência fique limitada em apenas um dos ramos das ciências médicas;• O resultado dos procedimentos e manuseio das biotecnologias e demais recursos valorizam a atuação do profissional• Até o presente momento, não lutamos por ATOS PRIVATIVOS de quaisquer espécies;• NÃO TEREMOS SUPERVISÃO MÉDICA para procedimentos de caráter biopsicosociais!• Aceitamos a supervisão médica em casos de assistências coadjuvantes em procedimentos pré e pós
  19. 19. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética Procedimentos Procedimentos Disciplinas Biomédicas Enquadramento ANVISA Estéticos Biomédicos Procedimentos em“Biotecnologias” Regras Adicionais Aplicáveis Imagenologia(Laser, Citologia, Histologia, Anatomia, Bioquímica, a Produtos Médicos Ativos -Radiofreqüência, Física e Biofísica, Microbiologia, Imunologia, Regra 9 - RDC - Procedimentos emCorrente Galvânica, Fisiologia, Farmacologia, Radiobiologia, AcupunturaInfra-vermelho Micologia, Metodologia da Investigação NÃO FERE OSestético, Ultra-son Científica , Bioestatística, Ética Profissional. REGULAMENTOS DA SEM SUPERVISÃOestético e etc...) BIOMEDICINA! MÉDICA PPD (TesteCarboxiterapia Tuberculínico – Não Invasivo - Regra 2 - Citologia, Histologia, Anatomia, Bioquímica, Intradermo-reação para RDC Física e Biofísica, Microbiologia, Imunologia,PRP Tuberculose ) NÃO FERE OS Fisiologia, Farmacologia, Micologia, Ética REGULAMENTOS DA Profissional.Intradermoterapia SEM SUPERVISÃO BIOMEDICINA! MÉDICAPeelings Físicos SEM SUPERVISÃO Citologia, Histologia, Anatomia, Física e Produtos não invasivos. MÉDICA Biofísica, Microbiologia, Imunologia, Fisiologia, Farmacologia, Micologia, Ética Regra 1 – RDC - ProfissionalPeelings Químicos SEM SUPERVISÃO Citologia, Histologia, Anatomia, Bioquímica, Regulamentação de MÉDICA Microbiologia, Imunologia, Fisiologia, substâncias não Farmacologia, Micologia, Ética Profissional medicamentosas, naturais, fisiológicas, biológicas e cosméticas. Nenhum dos nossos procedimentos se enquadram nas Regras 5 e 6!
  20. 20. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética:Procedimento Biomédico Procedimentos Estéticos
  21. 21. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética: Procedimento Biomédico Procedimentos EstéticosPPD - Teste Tuberculínico – Intradermo-reação para Tuberculose
  22. 22. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética: Procedimento Biomédico Procedimentos EstéticosPPD - Teste Tuberculínico – Intradermo-reação para Tuberculose Carboxiterapia
  23. 23. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética: Procedimento Biomédico Procedimentos EstéticosPPD - Teste Tuberculínico – Intradermo-reação para Tuberculose Carboxiterapia Toxina Botulínica
  24. 24. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética: Procedimento Biomédico Procedimentos EstéticosPPD - Teste Tuberculínico – Intradermo-reação para Tuberculose Carboxiterapia Toxina Botulínica Intradermoterapia
  25. 25. Embasamento técnico-legal para o exercício biomédico na Estética: Procedimento Biomédico Procedimentos EstéticosPPD - Teste Tuberculínico – Intradermo-reação para Tuberculose Carboxiterapia Toxina Botulínica Intradermoterapia
  26. 26. A Habilitação em Estética
  27. 27. A Habilitação em Estética
  28. 28. Como se habilitar em Biomedicina Estética?
  29. 29. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)
  30. 30. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;
  31. 31. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da Saúde
  32. 32. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da SaúdeCursos de Laserterapia por profissionais da Saúde
  33. 33. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da SaúdeCursos de Laserterapia por profissionais da SaúdeMini Cursos de Congressos em Saúde Estética eCongressos da SBBME;
  34. 34. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da SaúdeCursos de Laserterapia por profissionais da SaúdeMini Cursos de Congressos em Saúde Estética eCongressos da SBBME;Palestras e Mini Cursos em Biomedicina Estética
  35. 35. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da SaúdeCursos de Laserterapia por profissionais da SaúdeMini Cursos de Congressos em Saúde Estética eCongressos da SBBME;Palestras e Mini Cursos em Biomedicina Estética• Extensões universitárias presenciais e a distância em SaúdeEstética e Biomedicina Estética
  36. 36. Como se habilitar em Biomedicina Estética?1ª Opção – Prova de título (somatório de pontuações)• Cursos práticos;Cursos livres em Saúde Estética por profissionais da SaúdeCursos de Laserterapia por profissionais da SaúdeMini Cursos de Congressos em Saúde Estética eCongressos da SBBME;Palestras e Mini Cursos em Biomedicina Estética• Extensões universitárias presenciais e a distância em SaúdeEstética e Biomedicina Estética• Tempo de experiência na área;
  37. 37. Como se habilitar em Biomedicina Estética:
  38. 38. Como se habilitar em Biomedicina Estética:2ª Opção – Pós-graduação (360 horas) - reconhecidas peloMEC , CFBM e SBBME (em Biomedicina Estética)
  39. 39. Como se habilitar em Biomedicina Estética:2ª Opção – Pós-graduação (360 horas) - reconhecidas peloMEC , CFBM e SBBME (em Biomedicina Estética)3ª Opção – Estágio supervisionado durante graduação (500horas) - reconhecido pelo CFBM e SBBME - (estágio na própria IES ouem Clínicas de Biomedicina Estética)
  40. 40. Como se habilitar em Biomedicina Estética:2ª Opção – Pós-graduação (360 horas) - reconhecidas peloMEC , CFBM e SBBME (em Biomedicina Estética)3ª Opção – Estágio supervisionado durante graduação (500horas) - reconhecido pelo CFBM e SBBME - (estágio na própria IES ouem Clínicas de Biomedicina Estética)4ª Opção – Residência em Biomedicina - reconhecida peloCFBM e SBBME (em Clínicas de Biomedicina Estética)
  41. 41. A Biomedicina na Estética
  42. 42. A Biomedicina na Estética• É um aspecto da ciência biomédica que aborda as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.
  43. 43. A Biomedicina na Estética• É um aspecto da ciência biomédica que aborda as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.• Está relacionada à fisiologia dos órgãos e tecidos, proporcionando uma condição biopsicossocial que atenda à individualidade.
  44. 44. A Biomedicina na Estética• É um aspecto da ciência biomédica que aborda as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.• Está relacionada à fisiologia dos órgãos e tecidos, proporcionando uma condição biopsicossocial que atenda à individualidade.• Com o objetivo de preservar, manter, desenvolver ou restaurar a integridade de um órgão, sistema, ou função.
  45. 45. Doença Estética, não é Disfunção!
  46. 46. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”!
  47. 47. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia;
  48. 48. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia;
  49. 49. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia; • Queimaduras (grau avançado);
  50. 50. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia; • Queimaduras (grau avançado); • Doenças de pele;
  51. 51. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia; • Queimaduras (grau avançado); • Doenças de pele; • Problemas hormonais;
  52. 52. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia; • Queimaduras (grau avançado); • Doenças de pele; • Problemas hormonais; • Distúrbios de peso (obesidade);
  53. 53. Doença Estética, não é Disfunção! DOENÇAS “ESTÉTICAS”! • Anorexia; • Bulimia; • Queimaduras (grau avançado); • Doenças de pele; • Problemas hormonais; • Distúrbios de peso (obesidade); Doenças implicam em: • Risco de vida • Tratamentos medicamentosos e cirúrgicos • Infra-estrutura Hospitalar, SUS e Planos de Saúde • Competências não-biomédicas
  54. 54. Disfunção Estética não é Doença!OMS – “Saúde é um bem-estar físico, emocional e social, e nãoapenas ausência de doenças”
  55. 55. Disfunção Estética não é Doença! Disfunções estéticas: são as deformidades adquiridas e congênitas que afetam as relações “biopsicosociais” dos indivíduos.OMS – “Saúde é um bem-estar físico, emocional e social, e nãoapenas ausência de doenças”
  56. 56. Disfunção Estética não é Doença! Disfunções estéticas: são as deformidades adquiridas e congênitas que afetam as relações “biopsicosociais” dos indivíduos. Disfunções implicam em: - Não depende de cirurgia e substâncias medicamentosas - “Bio” – organismo humano - “Psico” – auto-estima - “Social” – status - Competências de livre apropriação ao biomédicoOMS – “Saúde é um bem-estar físico, emocional e social, e nãoapenas ausência de doenças”
  57. 57. Disfunções estéticas
  58. 58. Disfunções estéticas• São alterações orgânicas que podem se apresentar na face ou pelo corpo.
  59. 59. Disfunções estéticas• São alterações orgânicas que podem se apresentar na face ou pelo corpo.
  60. 60. Disfunções estéticas• São alterações orgânicas que podem se apresentar na face ou pelo corpo.• O objetivo é a prevenção e correção das disfunções para proporcionar bem-estar, qualidade de vida e longevidade ao paciente.
  61. 61. Disfunções estéticas• São alterações orgânicas que podem se apresentar na face ou pelo corpo.• O objetivo é a prevenção e correção das disfunções para proporcionar bem-estar, qualidade de vida e longevidade ao paciente.
  62. 62. Disfunções estéticas• São alterações orgânicas que podem se apresentar na face ou pelo corpo.• O objetivo é a prevenção e correção das disfunções para proporcionar bem-estar, qualidade de vida e longevidade ao paciente.• O não-tratamento pode provocar a uma complicação maior que compromete o organismo como um todo, originando doenças.
  63. 63. Disfunções estéticas
  64. 64. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.
  65. 65. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.
  66. 66. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.
  67. 67. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.
  68. 68. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.
  69. 69. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.
  70. 70. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.
  71. 71. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.
  72. 72. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.• Em nenhum dos casos é preciso a intervenção de fármacos e medicamentos para se obter resultados satisfatórios.
  73. 73. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.• Em nenhum dos casos é preciso a intervenção de fármacos e medicamentos para se obter resultados satisfatórios.
  74. 74. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.• Em nenhum dos casos é preciso a intervenção de fármacos e medicamentos para se obter resultados satisfatórios.• Eventuais complicações e intercorrências não se manifestam durante o ato terapêutico.
  75. 75. Disfunções estéticas• O tratamento possui risco controlado e de total domínio do biomédico capacitado.• As biotecnologias mais novas e avançadas possuem protocolos e dispositivos que controlam a relação de risco, dando mais segurança ao biomédico e paciente.• São tratadas por meio de estímulos biofísicos e bioquímicos em que o organismo é forçado a reagir promovendo uma auto- recuperação dos tecidos.• Hematomas, queimaduras e outras lesões são propositalmente provocadas e são de altíssima recuperação em termos de tempo e resultado estético nos tecidos.• Em nenhum dos casos é preciso a intervenção de fármacos e medicamentos para se obter resultados satisfatórios.• Eventuais complicações e intercorrências não se manifestam durante o ato terapêutico.• Complicações surgem apenas pelo mal cuidado do paciente.
  76. 76. Disfunções estéticas
  77. 77. Disfunções estéticas• Estrias
  78. 78. Disfunções estéticas• Estrias• Lipodistrofia Gnoide (celulite)
  79. 79. Disfunções estéticas• Estrias• Lipodistrofia Gnoide (celulite)• Gordura localizada
  80. 80. Disfunções estéticas• Estrias• Lipodistrofia Gnoide (celulite)• Gordura localizada• Flacidez Tecidual
  81. 81. Disfunções estéticas• Estrias• Lipodistrofia Gnoide (celulite)• Gordura localizada• Flacidez Tecidual• Flacidez Muscular
  82. 82. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide (celulite)• Gordura localizada• Flacidez Tecidual• Flacidez Muscular
  83. 83. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide • Cicatrizes de acne (celulite)• Gordura localizada• Flacidez Tecidual• Flacidez Muscular
  84. 84. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide • Cicatrizes de acne (celulite) • Involução cutâneas• Gordura localizada• Flacidez Tecidual• Flacidez Muscular
  85. 85. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide • Cicatrizes de acne (celulite) • Involução cutâneas• Gordura localizada • Discromias• Flacidez Tecidual• Flacidez Muscular
  86. 86. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide • Cicatrizes de acne (celulite) • Involução cutâneas• Gordura localizada • Discromias• Flacidez Tecidual • Envelhecimento• Flacidez Muscular precoce
  87. 87. Disfunções estéticas• Estrias • Rugas• Lipodistrofia Gnoide • Cicatrizes de acne (celulite) • Involução cutâneas• Gordura localizada • Discromias• Flacidez Tecidual • Envelhecimento• Flacidez Muscular precoce • etc
  88. 88. Procedimentos Estéticosrealizados pelo BIOMÉDICO
  89. 89. Procedimentos Estéticos realizados pelo BIOMÉDICO• Laserterapia• Carboxiterapia• Radiofreqüência estética• Ultrasom focalizado – HIFU• Luz Intensa Pulsada• Laser Fracionado• Peelings Químicos• Peelings Físicos• Procedimentos Invasivos Nao Cirúrgicos• Consulta Estética• Anamnese corporal e facial• Classificação da pele - dermatoscópio
  90. 90. Procedimentos Estéticos realizados pelo BIOMÉDICO• Laserterapia • Classificação da Síndrome de Desarmonia Corporal• Carboxiterapia • Definição do Tratamento• Radiofreqüência estética a ser realizado Definição da• Ultrasom focalizado – HIFU estratégia de tratamento• Luz Intensa Pulsada • Registro de foto• Laser Fracionado • Evolução do paciente• Peelings Químicos • Treinamentos técnicos • Supervisão do tratamento• Peelings Físicos • Acompanhamento do paciente• Procedimentos Invasivos Nao durante o tratamento Cirúrgicos • Formação de raciocínio• Consulta Estética dinâmico, rápido e preciso na• Anamnese corporal e facial solução de problemas dentro da Classificação da pele - Biomedicina Estética• dermatoscópio
  91. 91. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  92. 92. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  93. 93. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  94. 94. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  95. 95. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  96. 96. “EQUIPAMENTOS MÉDICOS”
  97. 97. Laserterapia
  98. 98. LaserterapiaFoto-rejuvenescimento Facial
  99. 99. LaserterapiaFoto-rejuvenescimento Facial
  100. 100. LaserterapiaFoto-rejuvenescimento Facial
  101. 101. E. Follador M.D., F. Marini M.D., Foto Cortesia : D Dangelo M.D. Skin Laser Clinic, Pescara, ItalyMétodo: Luz Intensa Pulsada
  102. 102. Laserterapia E. Follador M.D., F. Marini M.D., Foto Cortesia : D Dangelo M.D. Skin Laser Clinic, Pescara, ItalyMétodo: Luz Intensa Pulsada
  103. 103. Laserterapia Fotorejuvenescimento FacialPaciente com envelhecimento facial eflacidez, rugas labiais, aparentando maisvelha. Resultado obtido após 4 sessõesde Luz Intensa Pulsada. E. Follador M.D., F. Marini M.D., Foto Cortesia : D Dangelo M.D. Skin Laser Clinic, Pescara, ItalyMétodo: Luz Intensa Pulsada
  104. 104. Laserterapia Fotorejuvenescimento FacialPaciente com envelhecimento facial eflacidez, rugas labiais, aparentando maisvelha. Resultado obtido após 4 sessõesde Luz Intensa Pulsada. E. Follador M.D., F. Marini M.D., Foto Cortesia : D Dangelo M.D. Skin Laser Clinic, Pescara, Italy Talangiectasia Facial Paciente feminino com talangiectasia facial na região Malar, resultado obtido após 3 sessões laser. Foto cortesia: Dr. BCK Patel M.D. FRCS, Professor Chief, Divison of Facial, Orbital and Oculoplastic Surgery, University of Utah, Salt Lake City, Utah. USAMétodo: Luz Intensa Pulsada
  105. 105. Fotorejuvenescimento facial Pixel ® oferece resultados de CO2 – Paciente 71a, fotorejuvenescimento facial, 1 sessão. Acompanhamento durante 10 dias. Foto Cortesia : Dr. Tania Meneghel, BrazilMétodo: Pixel ®
  106. 106. 7 dias após a 1 mês após aAntes Após a Sessão sessão sessão
  107. 107. Laserterapia 7 dias após a 1 mês após aAntes Após a Sessão sessão sessão
  108. 108. LaserterapiaFotorejuvenescimento Facial 7 dias após a 1 mês após a Antes Após a Sessão sessão sessão Método: Laser Fracionado
  109. 109. LaserterapiaFotorejuvenescimento Facial 7 dias após a 1 mês após a Antes Após a Sessão sessão sessão Método: Laser Fracionado
  110. 110. MELANOSE SOLAR `MãosPRÉ-TRATAMENTO APÓS 2 SESSÕES
  111. 111. MELANOSE SOLAR `MãosPRÉ-TRATAMENTO APÓS 2 SESSÕES
  112. 112. MELANOSE SOLAR `MãosPRÉ-TRATAMENTO APÓS 2 SESSÕES
  113. 113. Despigmentantes de 4ª.Geração Mecanismo de Ação• Inibição da melanogênese• Inibição da síntese da melanina• Diminuição da transferência de melanina dos melanócitos para os queratinócitos, inibindo o mecanismo de fagocitose do melanossoma
  114. 114. Fotos dos Resultados da Redução das Rugas e das Hiperpigmentações a) Redução das RUGAS, b) Redução da após 6 semanas, com o uso HIPERPIGMENTAÇÃO de Idebenona a 1% após 6 semanas, com o uso de Idebenona a 1% Journal of Cosmetic Dermatology, 4, 167–173.
  115. 115. Peeling QuímicoMétodo: Laser Fracionado
  116. 116. PEELING LICORICE
  117. 117. PEELING COM LICORICE - DESPIGMENTANTE
  118. 118. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: rugas peri-orbitais profundas (ao redor dos olhos),rugas peri-orais (ao redor dos lábios), foto envelhecimento cutâneo eflacidez facial sulco naso geniano. Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Cefálica Anterior Cefálica Anterior A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  119. 119. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: ruga glabelar Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Cefálica Anterior Cefálica Anterior A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  120. 120. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: Rugas peri orbitais Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Cefálica Perfil Direito Cefálica Perfil Direito A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  121. 121. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: Rugas peri orbitais, envelhecimento com flacidez Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Cefálica Perfil Esquerdo Cefálica Perfil Esquerdo A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  122. 122. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: Rugas peri orbitais Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Close Fronto Orbitário Anterior Close Fronto Orbitário Anterior A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  123. 123. Rejuvenescimento facial a LaserTratamento para: Rugas glabelar e óstios abertos Antes Depois (Janeiro de 2010) (Dezembro de 2010) Close Fronto Orbitário Anterior Close Fronto Orbitário Anterior A. M. Chica, 65a - Resultados após 2 sessões de Laser Fracionado de CO2 Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  124. 124. Depilaçãoprogressiva permanente
  125. 125. Depilação progressiva permanenteMétodo: Laser Diodo Depilação feminina, virilha, 6 meses depois de 7 sessões, uma sessão por mês. Foto Cortesia de Mira Volvovsky, MD Foto cortesia: Kyle Holmes, M.D. Davis Laser Center, CA. USA Depilação masculina, costas, 6 semanas após a primeira sessão.
  126. 126. Depilaçãoprogressiva permanente
  127. 127. Depilação progressiva permanenteMétodo: Laser Diodo Depilação masculina, peito, 2meses depois de 6 sessões, uma sessão por mês. Depilação feminina, testa, 4 meses após a 3 sessãoes . Foto cortesia. Dra Ana Carolina Puga- Sertãozinho -SPFoto cortesia. Dra Ana Carolina Puga- Sertãozinho -SP
  128. 128. Depilaçãoprogressiva permanente
  129. 129. Depilação progressiva permanenteMétodo: Laser Diodo Depilação feminina, axilas, 6 meses depois de 4 sessões, uma sessão por mês. Foto cortesia: Kyle Holmes, M.D. Davis Laser Center, CA. USA Depilação feminina, virilha, 4 semanas após a segunda sessão.
  130. 130. Depilaçãoprogressiva permanente
  131. 131. Depilação progressiva permanenteMétodo: Laser Diodo Depilação feminina, mento, 6 meses depois de 4 sessões, uma sessão por mês. Depilação masculina, abdomem, 6 semanas após 4 sessões.
  132. 132. Lipo sem CirurgiaProcedimento para Lipodistrofia Localizada
  133. 133. Lipo sem CirurgiaProcedimento para Lipodistrofia Localizada
  134. 134. Lipo sem CirurgiaProcedimento para Lipodistrofia Localizada
  135. 135. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  136. 136. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  137. 137. Lipo sem Cirurgia
  138. 138. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Abdômen e Flancos
  139. 139. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Abdômen e Flancos Antes Mulher 25 anos – faz atividadesfísicas – com gordura localizada na região abdominal
  140. 140. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Abdômen e Flancos Antes Depois Mulher 25 anos – faz atividades Após 8 sessões de UC com 15 físicas – com gordura localizada na dias de intervalo entre as sessões região abdominalMétodo: HIFU – Ultrasom Focalizado, Laser
  141. 141. Lipo sem Cirurgia
  142. 142. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Flancos e Culotes
  143. 143. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Flancos e CulotesAntes POSTERIOR - ATRÁS
  144. 144. Lipo sem Cirurgia Redução de GL Flancos e Culotes Antes Depois POSTERIOR - ATRÁSMétodo: HIFU – Ultrasom Focalizado, Laser
  145. 145. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  146. 146. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  147. 147. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  148. 148. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  149. 149. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  150. 150. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessão Antes (dia 01) (90 dias após) 9 cm 9 cm 7 cm Medidas dia 60:Medidas dia 01: Peso após = 51 kgPeso inicial = 59 kg Cintura = 73,00cmCintura =82cm Umbigo =76,00cmUmbigo = 85,00 cm 05 cm abaixo do umbigo =82,00cm05 cm abaixo do umbigo = 89,00 cm redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  151. 151. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessãoAntes (dia 01) (90 dias após) Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  152. 152. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessãoAntes (dia 01) (90 dias após) Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  153. 153. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessãoAntes (dia 01) (90 dias após) Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  154. 154. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessãoAntes (dia 01) (90 dias após) (-9 cm) (-9 cm) (-7 cm) Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  155. 155. Lipo sem Cirurgia Depois – 6ª sessãoAntes (dia 01) (90 dias após) (-9 cm) (-9 cm) (-7 cm) Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  156. 156. Lipo sem Cirurgia Antes (dia 01) Depois – 4ª sessão Depois – 6ª sessão (60 dias após) (90 dias após) 2 Cérvico-Médio Femural Cérvico-Trocanteriara Anterior Cérvico-Trocanteriara Anterior Medidas dia 90:Medidas dia 01: Peso após = 80,70 kgPeso inicial = 84,75 kg Cintura = 88,00 cmCintura = 95,00 cm Umbigo = 90,00 cmUmbigo = 102,00 cm 05 cm abaixo do umbigo = 93,00 cm05 cm abaixo do umbigo = 100,00 cm Evolução dia 90: Região 1 (acima do umbigo): 6 cm de redução Região 2 (umbigo): 12 cm de redução Região 3 (abaixo do umbigo): 7 cm de redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  157. 157. Lipo sem Cirurgia Antes (dia 01) Depois – 4ª sessão Depois – 6ª sessão (60 dias após) (90 dias após) 1 2 2 3 Cérvico-Médio Femural Cérvico-Trocanteriara Anterior Cérvico-Trocanteriara Anterior Medidas dia 90:Medidas dia 01: Peso após = 80,70 kgPeso inicial = 84,75 kg Cintura = 88,00 cmCintura = 95,00 cm Umbigo = 90,00 cmUmbigo = 102,00 cm 05 cm abaixo do umbigo = 93,00 cm05 cm abaixo do umbigo = 100,00 cm Evolução dia 90: Região 1 (acima do umbigo): 6 cm de redução Região 2 (umbigo): 12 cm de redução Região 3 (abaixo do umbigo): 7 cm de redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  158. 158. Lipo sem Cirurgia Antes (dia 01) Depois – 4ª sessão Depois – 6ª sessão (60 dias após) (90 dias após) 1 1 1 2 3 2 2 3 3 Cérvico-Médio Femural Cérvico-Trocanteriara Anterior Cérvico-Trocanteriara Anterior Medidas dia 90:Medidas dia 01: Peso após = 80,70 kgPeso inicial = 84,75 kg Cintura = 88,00 cmCintura = 95,00 cm Umbigo = 90,00 cmUmbigo = 102,00 cm 05 cm abaixo do umbigo = 93,00 cm05 cm abaixo do umbigo = 100,00 cm Evolução dia 90: Região 1 (acima do umbigo): 6 cm de redução Região 2 (umbigo): 12 cm de redução Região 3 (abaixo do umbigo): 7 cm de redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  159. 159. Lipo sem Cirurgia Antes (dia 01) - 11/11/2009 Depois – 6ª sessão (dia 90) 22/02/2010 Cérvico-Médio Femural Cérvico-Trocanteriara Anterior 1 2 1 2 3 3 Medidas dia 90:Medidas dia 01: Peso após = 80,70 kgPeso inicial = 84,75 kg Cintura = 88,00 cmCintura = 95,00 cm Umbigo = 90,00 cmUmbigo = 102,00 cm 05 cm abaixo do umbigo = 93,00 cm05 cm abaixo do umbigo = 100,00 cm Evolução dia 90: Região 1 (acima do umbigo): 6 cm de redução Região 2 (umbigo): 12 cm de redução Região 3 (abaixo do umbigo): 7 cm de redução Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  160. 160. Lipo sem CirurgiaTratamento: redução de gordura localizada – lipodistrofia de abdômen e flancos Antes (dia 01) Depois (dia 60) 21/07/2010 25/10/2010 Cérvico Trocanteriana Perfil Esquerdo Cérvico Trocanteriana Perfil Esquerdo K.P. 28a - Resultados após 4 sessões de Lipo sem cirurgia Cervico Trocanteriana Perfil Direito Foto cortesia: Msc. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  161. 161. Lipo sem CirurgiaTratamento: redução de gordura localizada – lipodistrofia de abdômen e flancos Antes (dia 01) Depois 21/07/2010 (dia 60) 25/10/2010 Cervico Trocanteriana Posterior Cervico Trocanteriana Posterior K.P. 28a - Resultados após 4 sessões de Lipo sem cirurgia Foto cortesia: Msc. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  162. 162. Lipo sem CirurgiaTratamento: redução de gordura localizada – lipodistrofia de abdômen e flancos Antes Depois Total Regiões (cm) 6 (cm) sessões 5 cm acima 83 78 (cm) 5 cm Umbigo 96 82 14 cm 5 cm abaixo 99 93 6 cm Costas 87 82 5cm K.P. 28a - Resultados após 6 sessões de Lipo sem cirurgia Foto cortesia: Msc. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  163. 163. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  164. 164. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  165. 165. Circunferência Abdominal X Risco Cardiovascular Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  166. 166. Circunferência Abdominal X Risco Cardiovascular Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  167. 167. Circunferência Abdominal X Risco Cardiovascular Redução do Risco cardiovascular 2 a 4 sessões Abaixo paciente após a 3a Sessão Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  168. 168. Circunferência Abdominal X Risco Cardiovascular Redução do Risco cardiovascular 2 a 4 sessões Abaixo paciente após a 3a Sessão Paciente Cintura Cintura Antes Após MC 88 cm 79 cm 68a Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  169. 169. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  170. 170. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  171. 171. Abdôme Abdôme Abdôme Redução dePacient n n médio n medidas Perda de Sexo Idade e superior inferior peso Linh (cm) Linha a do Linha 1 M 61 (-2,5) da Umbi (-1,0) (-2,5) do (-6,0) 0,800 kg F 65 (-10,0) 1,3 kg 2 Cintu (- 2,5) Ilíaco (-3,0) go (- 4,5) 3 F 34 ra (-3,0) (-3,0) (-2,0) (-8,0) 2 ,0 kg 4 M 30 (-3,0 ) (-4,0 ) (- 1,5 ) (-8,5) 1,5 kg 5 M 30 (- 3,0 ) (- 3,0 ) (-3,0 ) (-9,0) 2,0 kg F 18 (-11,5) 1,5 kg 6 (- 2,5) (- 5,0) (- 4,0 ) Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  172. 172. Várias sessõesDra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  173. 173. Várias sessõesDra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  174. 174. Várias sessões Abdôme Abdôme Abdôme Redução dePacient Sex SESSÕE n n médio n medidas Perda de e o S superior inferior peso Linh (cm) Linha a do Linha 1 F 4s (-5,0) da Umbi (-5,0) (-6,0) do (-16,0) 2,0 Kg M 3s (-21,0) 4,0 Kg 2 Cintu (-7,0) Ilíaco ( -8,0) go (-6,0) 3 F 3s ra (-6,0) (-11,0) (-9,0) (-26,0) 3,0Kg 4 M 2s (-4,0) (-2,0) (-5,0) (-11,0) 2,0Kg 5 F 3s (-6,0) (-6,0) (7,0) (-19,0) 4,0Kg F 3s (-26,0) 3,0kg 6 (-5,0) (-9,0) (-12,0) Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  175. 175. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  176. 176. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  177. 177. AntesGordura Localizada Abdominal Homem – 49 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  178. 178. AntesGordura Localizada Abdominal Homem – 49 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  179. 179. Antes DepoisGordura Localizada Abdominal Após 6 sessões de Ultra Lipo, Homem – 49 anos Redução de 9 cm . Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  180. 180. Antes DepoisGordura Localizada Abdominal Após 6 sessões de Ultra Lipo, Homem – 49 anos Redução de 9 cm . Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  181. 181. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  182. 182. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  183. 183. AntesMulher – 27 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  184. 184. AntesMulher – 27 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  185. 185. AntesMulher – 27 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  186. 186. Antes DepoisMulher – 27 anos Após 6 sessões Ultracontour Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  187. 187. Antes DepoisMulher – 27 anos Após 6 sessões Ultracontour Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  188. 188. Antes DepoisMulher – 27 anos Após 6 sessões Ultracontour Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  189. 189. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  190. 190. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  191. 191. Antes Homem 53 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  192. 192. Antes Homem 53 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  193. 193. Antes Homem 53 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  194. 194. Antes Homem 53 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  195. 195. Antes Depois Homem Após 3 sessões 53 anos Ultracontour + DLM Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  196. 196. Antes Depois Homem Após 3 sessões 53 anos Ultracontour + DLM Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  197. 197. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  198. 198. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  199. 199. AntesMulher - 35 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  200. 200. AntesMulher - 35 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  201. 201. AntesMulher - 35 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  202. 202. Antes DepoisMulher - 35 anos Após 6 sessões de Lipo sem cirurgia Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  203. 203. Antes DepoisMulher - 35 anos Após 6 sessões de Lipo sem cirurgia Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  204. 204. Antes DepoisMulher - 35 anos Após 6 sessões de Lipo sem cirurgia Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  205. 205. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  206. 206. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  207. 207. AntesMulher 29 anos – sedentária – gordura localizada nos flancos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  208. 208. AntesMulher 29 anos – sedentária – gordura localizada nos flancos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  209. 209. AntesMulher 29 anos – sedentária – gordura localizada nos flancos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  210. 210. Antes DepoisMulher 29 anos – sedentária – gordura Após 6 sessões de Ultracontour localizada nos flancos Intervalo de 20 dias Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  211. 211. Antes DepoisMulher 29 anos – sedentária – gordura Após 6 sessões de Ultracontour localizada nos flancos Intervalo de 20 dias Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  212. 212. Antes DepoisMulher 29 anos – sedentária – gordura Após 6 sessões de Ultracontour localizada nos flancos Intervalo de 20 dias Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  213. 213. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  214. 214. Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  215. 215. AntesMulher - 43 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  216. 216. AntesMulher - 43 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  217. 217. AntesMulher - 43 anos Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  218. 218. Antes DepoisMulher - 43 anos Após 6 sessões de Ultracontour Total: 18 cm de redução Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  219. 219. Antes DepoisMulher - 43 anos Após 6 sessões de Ultracontour Total: 18 cm de redução Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  220. 220. Antes DepoisMulher - 43 anos Após 6 sessões de Ultracontour Total: 18 cm de redução Dra. Ana Carolina Puga – CRBM: 5589
  221. 221. Lifting Facial e Corporal Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  222. 222. Lifting Facial e Corporal Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  223. 223. Procedimento para Flacidez de Braços “O balanço do tchauzinho”Mulher 81, com flacidez de braços. 15 dias após 2 sessões em um intervalo de 1 mês entre sessões – Protocolo especial para flacidez utilizando ponteira unipolar 150W e ponteira bipolar 80W.Foto cortesia: Hernán Emilio Romero Duque, M.D. Unidade Dermatologia - Laser dermatológico, Pereira, Colombia Métodos: RADIOFREQUÊNCIA, INFRAVERMELHO, CORRENTE RUSSA
  224. 224. 15 dias após uma sessão de tratamento com 3 passadas 150W – 160W, Max. 40°c por 20 sec. 50 cm² de área.
  225. 225. Procedimento para Hidrolipodistrofia Ginóide – (HLG-Celulite Grau IV) 15 dias após uma sessão de tratamento com 3 passadas 150W – 160W, Max. 40°c por 20 sec. 50 cm² de área. Estágio Estágio - - Grau I Grau IV Fotos cortesia : Emilia del Pino, M.D., Ramon Rosado, M.D. Mexico City, MexicoMétodos: RADIOFREQUÊNCIA, INFRAVERMELHO, CORRENTE RUSSA
  226. 226. Procedimento para Flacidez Abdominal
  227. 227. Abdomen Pós GestaçãoMulher, com flacidez de abdomem. Após 4 sessões com 15 dias de intervalo, uni e bipolar. 
 

  228. 228. Garoto – gordura localizada na região dos flancos, com flacidez de pele.
  229. 229. DEPOISANTES
  230. 230. ANTES DEPOIS
  231. 231. Procedimento para Flacidez Abdominal
  232. 232. ANTES 1 SESSÃO DEPOISApós uma sessão – Apenas 10 minutos de sessão.
  233. 233. LIFTING FACIALProcedimento para Flacidez Facial ANTES 1 SESSÃO DEPOIS Após uma sessão – Apenas 10 minutos de sessão.
  234. 234. ANTESClínica Miramar - Málaga
  235. 235. LIFTING FACIAL Procedimento para Flacidez Facial ANTESClínica Miramar - Málaga
  236. 236. ANTES 1 SESSÃO 15 DIASCortesia da Dra. Adriana Aquino Rio de Janeiro
  237. 237. LIFTING FACIAL Procedimento para Flacidez Facial ANTES 1 SESSÃO 15 DIASCortesia da Dra. Adriana Aquino Rio de Janeiro
  238. 238. Cortesia da Dra. Adriana Aquino - Rio de Janeiro
  239. 239. LIFTING FACIAL Procedimento para Flacidez FacialCortesia da Dra. Adriana Aquino - Rio de Janeiro
  240. 240. Cortesia da Dra. Adriana Aquino - Rio de Janeiro
  241. 241. LIFTING FACIAL Procedimento para Flacidez FacialCortesia da Dra. Adriana Aquino - Rio de Janeiro
  242. 242. 
 
 
 
 Maria Claudia Almeida Issa -RJ
  243. 243. LIFTING FACIALProcedimento para Flacidez Facial 
 
 
 
 Maria Claudia Almeida Issa -RJ
  244. 244. Radiofreqüência - Accent Abdômen flácido pós gestação – mulher 40 anos Mulher, 38 anos, abdômen com flacidez gestacional. 1 mês após o tratamento de 2 sessões com 30 dias de intervalos, com 2 passagens. 70-80W Biopolar. 130-140W unipolar 40°c - 42°c por 3 minFotos cortesias: Ramon H. Rosado, M.D., Medlight, Mexico City, MéxicoMelhoria em 70% em 8 sessões.
  245. 245. Flacidez de intercostais Tratamento para flacidez com 4 sessões Intervalo de 15 dias – Uni e bipolar Fotos Cortesia: Maria Claudia Almeida ISSA, Rio de Janeiro, Brazil
  246. 246. Contorno facial – Lifting facial não invasivo. Bipolar após 2 sessões de tratamento com 3 passadas de 20 segundo a 150-160W . O máximo 44°C.Fotos cortesia: Diego del Ojo M.D. Jerez de la Frontera, Spain
  247. 247. 100Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  248. 248. Procedimento para Flacidez de Nadegas 100Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  249. 249. 101Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  250. 250. LIFTING FACIAL Procedimento para Flacidez Facial 101Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  251. 251. 102Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  252. 252. LIFTING FACIALProcedimento para Flacidez Facial 102Foto cortesia: M.D. Dra. Ana Carolina Puga, Clínica ACorPoralle, Sertãozinho-SP, Brasil.
  253. 253. Remoção de Tatuagem Após 16 mesesMétodo: Laser
  254. 254. Procedimento Invasivos não cirurgicos Carboxiterapia Aplicação de carboxiterapia
  255. 255. Procedimento Invasivos não cirurgicos Carboxiterapia Aplicação de carboxiterapia
  256. 256. Procedimento Invasivos não cirurgicos Carboxiterapia Aplicação de carboxiterapiaMulher jovem, estrias branco-nacarado, após 12 sessões decarboxiterapia Método: Carboxiterapia
  257. 257. Procedimento Invasivos não cirurgicos Intradermoterapia Aplicação de intradermoterapiaMétodo: Intradermoterapia
  258. 258. Procedimento Invasivos não cirurgicos Botox Aplicação de BotoxMétodo: Botox
  259. 259. Procedimento Invasivos não cirurgicos Preenchimento PRR Aplicação de Preenchimento PRPMétodo: PRP
  260. 260. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  261. 261. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico• Analisa inclusive a função dos órgãos e tecidos. (realização de exames rápidos).
  262. 262. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico• Analisa inclusive a função dos órgãos e tecidos. (realização de exames rápidos).
  263. 263. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico• Analisa inclusive a função dos órgãos e tecidos. (realização de exames rápidos).• É realizado um registro fotográfico que permite a determinação da estratégia de tratamento estabelecendo os objetivos e acompanhamento dos resultados.
  264. 264. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico• Analisa inclusive a função dos órgãos e tecidos. (realização de exames rápidos).• É realizado um registro fotográfico que permite a determinação da estratégia de tratamento estabelecendo os objetivos e acompanhamento dos resultados.
  265. 265. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico• Analisa inclusive a função dos órgãos e tecidos. (realização de exames rápidos).• É realizado um registro fotográfico que permite a determinação da estratégia de tratamento estabelecendo os objetivos e acompanhamento dos resultados.• A Avaliação Estética já é realizada por esteticistas, fisioterapeutas, biomédicos acupunturistas e outros profissionais da área da saúde.
  266. 266. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  267. 267. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico• A avaliação investiga as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.
  268. 268. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico• A avaliação investiga as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.
  269. 269. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico• A avaliação investiga as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.• É uma avaliação que irá analisar as disfunções estéticas existentes, que através de um questionário estuda o estilo de vida, hábitos alimentares e práticas de atividades físicas do paciente.
  270. 270. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico• A avaliação investiga as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.• É uma avaliação que irá analisar as disfunções estéticas existentes, que através de um questionário estuda o estilo de vida, hábitos alimentares e práticas de atividades físicas do paciente.
  271. 271. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico• A avaliação investiga as condições metabólicas, dermatológicas, fisiológicas inteiradas com a qualidade funcional do indivíduo.• É uma avaliação que irá analisar as disfunções estéticas existentes, que através de um questionário estuda o estilo de vida, hábitos alimentares e práticas de atividades físicas do paciente.• Nesta avaliação são realizadas as medidas antropométricas incluindo peso, altura e todas as demais circunferências que determinarão o tipo
  272. 272. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  273. 273. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  274. 274. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal
  275. 275. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese
  276. 276. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação
  277. 277. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção
  278. 278. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria
  279. 279. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria • Termografia de contato
  280. 280. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria • Termografia de contato • IMC – Índice de Massa Corporal
  281. 281. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria • Termografia de contato • IMC – Índice de Massa Corporal • Análises computadorizadas
  282. 282. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria • Termografia de contato • IMC – Índice de Massa Corporal • Análises computadorizadas • Registro e acompanhamento da evolução do
  283. 283. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico 1. Avaliação Estética Corporal • Anamnese • Palpação • Inspeção • Plicometria • Termografia de contato • IMC – Índice de Massa Corporal • Análises computadorizadas • Registro e acompanhamento da evolução do paciente – fotográficos e antropométricos.
  284. 284. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  285. 285. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  286. 286. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  287. 287. Avaliação e Acompanhamento emEstética exercida pelo Biomédico
  288. 288. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico
  289. 289. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial
  290. 290. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele
  291. 291. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele –
  292. 292. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood
  293. 293. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico)
  294. 294. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico) • Análise de tecidos
  295. 295. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico) • Análise de tecidos
  296. 296. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico) • Análise de tecidos3. Definir estratégia de
  297. 297. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico) • Análise de tecidos3. Definir estratégia deprocedimentos
  298. 298. Avaliação e Acompanhamento em Estética exercida pelo Biomédico2. Avaliação facial • Identificação das características da pele • Classificação e análise da pele – dermatoscópio e Luz de Wood • Registro e acompanhamento da evolução do paciente (fotográfico) • Análise de tecidos3. Definir estratégia deprocedimentos
  299. 299. Análises computadorizadas
  300. 300. Análises computadorizadas1. Hidratação da pele
  301. 301. Análises computadorizadas1. Hidratação da pele2. pH da pele
  302. 302. Análises computadorizadas1. Hidratação da pele2. pH da pele3. Temperatura
  303. 303. Análises computadorizadas1. Hidratação da pele2. pH da pele3. Temperatura4. Elasticidade
  304. 304. Análises computadorizadas1. Hidratação da pele2. pH da pele3. Temperatura4. Elasticidade5. Fototipo

×