Reticulo Endoplasmático

39,064 views

Published on

4 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
39,064
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
620
Comments
4
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Reticulo Endoplasmático

  1. 1. Características do RetículoEndoplasmático• Uma característica estrutural do RE é a continuidade com o envoltório nuclear.• O RE é encontrado na maioria das células eucarióticas, nas quais ocupa, em média, 10% do volume celular, correspondendo a mais da metade do total de membranas presentes em uma célula animal.• A quantidade de RE e sua localização no citoplasma varia de acordo com o tipo e o metabolismo celular.• Nos hepatócitos, o RE é uma estrutura bastante desenvolvida que aparece disposto por todo o citoplasma. Em células secretoras polarizadas, como as células pancreáticas, o RER fica restrito preferencialmente à porção basal do citoplasma, em geral próximo ao núcleo.
  2. 2. Métodos de Estudo• Microscopia de Luz• Microscopia Eletrônica de Transmissão• Métodos Enzimáticos ou Imunológicos (Microscopia de Luz e Microscopia Eletrônica). Por exemplo, a enzima glicose-6-fosfatase permite identificar especificamente o RE.• Centrifugação Diferencial: após a sedimentação de núcleos, mitocôndrias, lisossomos e peroxissomos, pode-se obter a fração correspondente aos microssomos = fragmentos das estruturas tubulares e cisternas do RE, que podem ser identificadas como vesículas de aproximadamente 100 nm de diâmetro.
  3. 3. Métodos de Estudo:Microscopia de LuzRetículo Endoplasmático Rugoso (áreas basófilas)
  4. 4. Métodos de Estudo: MicroscopiaEletrônica de Transmissão Retículo Endoplasmático Rugoso Retículo Endoplasmático Liso
  5. 5. Composição QuímicaMembranas• Bicamada lipídica com proteínas associadas.• 30% de Lipídios: fosfolipídios, colesterol e glicolipídios.• 70% de proteínas: proteínas estruturais, receptores ou enzimas (enzimas oxidativas, peptidases, hidrolases e transferases).• No RER, estão presentes aproximadamente 20 tipos de proteínas que não observadas no REL.Luz• É aquosa e de composição bastante variada.• As substâncias mais abundantes na luz correspondem aos principais produtos de secreção de cada tipo celular.• Também podem ser encontradas proteínas solúveis residentes do RE, como enzimas e chaperones, as quais facilitam o processamento pós- traducional das proteínas.
  6. 6. Aspectos Funcionais• O RE está relacionado à síntese e transporte de proteínas e lipídios.• O RE assume diferentes funções, dependendo do tipo celular e do estado metabólico.
  7. 7. Síntese Protéica• O RER apresenta-se bastante desenvolvido nas células com intensa síntese de proteínas destinadas à secreção.• A associação do ribossomo com o RE é transitória e, tão logo a leitura do RNAm termine, o ribossomo é liberado no citoplasma até ser novamente engajado na síntese protéica. Brotamento de 4 vesícula de transporte Ribossomo Vesícula transportadora de (glico-) proteína Cadeia 3 de açúcar Glicoproteína 1 2 R.E. RUGOSO Polipeptídeo
  8. 8. Síntese Protéica – A Hipótese doSinal• A maquinaria básica para a síntese protéica que ocorre junto ao RE é a mesma encontrada no citoplasma. Como então, em alguns casos, a síntese protéica é direcionada para o RER?• Uma seqüência sinal composta de 20 aminoácidos hidrofóbicos na extremidade N-terminal das proteínas direciona estas para o RER.• A seqüência sinal é sintetizada por ribossomos livres no citoplasma e, posteriormente é clivado, não permanecendo na forma final da proteína.
  9. 9. Fases da Síntese Protéica• Reconhecimento: ligação da PRS (Partícula de Reconhecimento do Sinal) ao ribossomo e reconhecimento do peptídeo sinal.• Direcionamento: a conformação adotada pela PRS facilita o seu reconhecimento pelo seu receptor ancorado na superfície do RE.• Associação: o ribossomo se ancora ao seu receptor e o peptídeo nascente se associa ao poro de translocação (poro fisiológico que só se forma na presença de complexo ribossomo-peptídeo nascente na membrana do RE).• Clivagem: a peptidase do sinal cliva o peptídeo sinal da estrutura da proteína.• Transferência: o peptídeo em formação é transferido através do poro para a luz do RE.
  10. 10. Fases da Síntese Protéica Citosol Ribossomo RNAm Seqüência sinal é removida Seqüência-sinalPartícula União dessaque reconhece partículao sinal Proteína é liberada no interior do RER Membrana do RER Interior do RER Sítio receptor na membrana do RER
  11. 11. Fases da Síntese Protéica
  12. 12. Fases da Síntese Protéica
  13. 13. RER nas Células
  14. 14. Possíveis Destinos de Proteínas Polissomo livre Proteína no citosol Enzima livre no citosol Proteína do Mitocôndria citoesqueleto Cloroplasto Núcleo Proteína Peroxissomo nuclear
  15. 15. Exemplos de Células com IntensaSíntese Protéica Lúmen do ácino Célula glandular do epitélio Ácino intestinal Cavidade intestinal Vesícula eliminando secreção Vesículas (exocitose) contendo muco Mitocôndria: Vesículas cheias de Porção fonte de secreção soltando-se apicalCélulas do energia do complexo golgiensepâncreas Complexo golgiense Mitocôndria Porção basal Núcleo Núcleo Retículo endoplasmático rugoso: Entrada de aminoácidos síntese e transporte
  16. 16. Síntese de Lipídios• A síntese de fosfolipídios acontece em duas etapas: 1. Na primeira etapa: dois ácidos Fosfolipídio graxos são ligados a um glicerolfosfato, produzindo um ácido fosfatídico. Essa reação Membrana acontece no citoplasma e é do RE catalisada por uma aciltranferase ligada à membrana do RE. 2. Segunda etapa: acontece a diferenciação da cabeça polar dos fosfolipídios pela inserção de inositol, serina, etanolamina ou colina, formando diferentes fosfolipídios.
  17. 17. Síntese de Lipídios• No RE, são produzidos fosfolipídios que serão utilizados na formação de diversas membranas celulares. Ácidos graxos Fosfato aciltransferase + + Glicerol Ácido Fosfato fosfatídico Glicerol Membrana do RE
  18. 18. Síntese de Lipídios• Como o crescimento da bicamada lipídica ocorre na face citoplasmática, existem translocadores de fosfolipídios, em especial Fosfolipídio as flipases, que se incumbem de equilibar a quantidade de lipídios nas duas faces da membrana. Membrana do RE• Entretanto, a movimentação é preferencial para alguns dos fosfolipídios, em especial a fosfatidilcolina, gerando uma assimetria qualitativa na membrana. Essa assimetria é encontrada em todos os sistemas de membranas celulares.
  19. 19. Síntese de Lipídios - Colesterol• A síntese de colesterol também acontece nas membranas do RE a partir de um precursor, Acetil Co-A.• Por meio de uma série de reações bioquímicas, é formado o colesterol, que é posteriormente enviado a outras membranas celulares, já que ele não está entre os principais constituintes das membranas do próprio RE.• O colesterol ainda será aproveitado em outras reações que acontecem no RE, como na formação de ácidos biliares (no fígado) e hormônios esteróides (nos ovários, nos testículos e nas supra- renais).
  20. 20. Síntese de Hormônios Esteróides • O colesterol é produzido nas membranas do RE é o precursor dos hormônios esteróides. • A síntese desses hormônios envolve um passo intermediário que não ocorre nas membranas do RE, mas nas mitocôndrias. • O colesterol que foi sintetizado na face citoplasmática do RE é carregado por proteínas transportadoras até as membranas mitocondriais, onde acontecem reações de hidroxilação e clivagem lateral, envolvendo a cadeia transportadora de elétrons do citocromo P450. • A partir daí, forma-se um composto denominado pregnenolona, o qual retorna ao RE por meio de proteínas transportadoras, onde ocorre novas hidroxilações e clivagens laterais para formar os hormônios esteróides.
  21. 21. Comunicação entre Organelas
  22. 22. Modificações de Lipídios eProteínas • Alteração na conformação final de polipeptídeos. • Formação de pontes dissulfeto. • Glicosilação. • Adição de âncoras de glicosilfosfatidilinositol a proteínas.
  23. 23. Destoxificação • Hidroxilação e adição de radicais glicuronatos a drogas insolúveis, aumentando a solubilidade em água.
  24. 24. Armazenamento de Cálcio • Reserva de cálcio intracelular; envolvimento na contração muscular (retículo sarcoplasmático).
  25. 25. Glicogenólise • Reação de desfosforilação para obter glicose a partir do glicogênio.

×