Dia internacional em memória das vítimas do holocausto

1,751 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,751
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
82
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dia internacional em memória das vítimas do holocausto

  1. 1. 27 de janeiro
  2. 2. Martin Niemöller, 1933 - símbolo da resistência aos nazis . Primeiro vieram buscar os Comunistas, e eu não disse nada, porque eu não era Comunista. Então vieram buscar os Judeus, e eu não disse nada, porque eu não era Judeu. Então vieram buscar os Católicos, e eu não disse nada, porque eu era Protestante. Então vieram buscar-me a mim, e nessa altura, já não havia ninguém para falar por mim. (tradução de Nuno M. Garcia) http://www.di.ubi.pt/~ngarcia/index.html
  3. 3. Símbolo das vítimas de todas as formas de discriminação e opressão . O seu diário desafia a pensar sobre as semelhanças e diferenças entre aqueles eventos do passado e acontecimentos no mundo atual, com o objetivo de estimular a reflexão sobre a importância de conceitos como a liberdade , respeito mútuo , direitos humanos e democracia . Acrescenta-se a importância, para os dias atuais, da consciencialização quanto à necessidade de uma cidadania participativa para a preservação da liberdade e dos direitos humanos, bases fundamentais para a existência de sociedades plurais e democráticas . http://www.centrodeartesdesines.com.pt
  4. 4. A Lista de Schindler é um filme de 1993 baseado no livro Schindler's Ark, de Thomas Keneally (o livro foi mais tarde renomeado para Schindler's List). Dirigido por Steven Spielberg, relata a história de Oskar Schindler , um checo que salvou a vida de mais de mil judeus polacos durante o holocausto . O título refere a lista de 1.200 judeus que Schindler contratou para trabalhar na sua fábrica , tirando-os dos campos de concentração . A maior parte dele foi produzido a preto e branco. Apresenta cores apenas no prólogo e no epílogo, e uma cor vermelha em duas cenas especiais para se entender o que levou Schindler a salvar os judeus da morte.
  5. 5. Devido ao facto de serem judeus , Giosué, Guido e o seu tio são presos e levados para um comboio que os conduzirá para um campo de concentração . Como não deseja separar-se da sua família, a mulher Dora sacrifica-se e embarca no mesmo comboio. Para evitar que o filho se aperceba dos horrores do campo de concentração, Guido cria todo um mundo de fantasia , explicando-lhe que estão num campo de férias e que toda a situação é um jogo com um prémio final original: um tanque de guerra. Este foi um dos filmes mais lucrativos de 1997, tendo gerado alguma controvérsia por ter tratado de forma ligeira e mordaz o Holocausto. A Vida é Bela . In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-01-25]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$a-vida-e-bela>.
  6. 6. Premiado em 2002 com a Palma de Ouro em Cannes e com três óscares da Academia, este filme é uma adaptação a partir da autobiografia do pianista polaco Wladyslaw Szpilman. Wladyslaw Szpilman interpretava peças clássicas numa rádio em Varsóvia, quando as primeiras bombas caíram sobre a cidade, em 1939. Com a invasão alemã vieram também as restrições aos judeus polacos impostas pelos nazis. O filme mostra o aparecimento do Gueto de Varsóvia , quando os alemães construíram muros para encerrar os judeus numa área circunscrita, e acompanha a perseguição que levou à captura e envio da família de Szpilman para os campos de concentração . O pianista consegue escapar e sobrevive no meio dos escombros da cidade. (...) http://cacav-esteiro-cacav.blogspot.com/
  7. 7. Um rapaz de oito anos, Bruno, é o protegido filho de um agente nazi cuja promoção leva a família a sair da sua confortável casa em Berlim para uma despovoada região onde Bruno não encontra nada para fazer nem ninguém com quem brincar. Esmagado pelo aborrecimento e traído pela curiosidade, Bruno ignora os constantes avisos da mãe para não explorar o jardim, por detrás da casa, e dirige-se à quinta que viu ali perto. Nesse local, Bruno conhece Shmuel , um rapaz da sua idade que vive numa realidade paralela, do outro lado da vedação de arame farpado . O encontro de Bruno com este rapaz de pijama às riscas vai arrancá-lo da sua inocência e resultar no despontar da sua consciência sobre o mundo adulto que o rodeia. Os repetidos e secretos encontros com Shmuel desaguam numa amizade com consequências inesperadas e devastadoras.
  8. 8. Judia alemã, nasceu a 12 de junho de 1929, em Frankfurt am Main, e morreu a 31 de março de 1945, em Bergen-Belsen. Filha de um comerciante, viveu com a sua família em Frankfurt até que à chegada ao poder do partido nazi se seguiu um agravamento das manifestações de antissemitismo no país. Em 1941, a família emigrou para a Holanda, mais precisamente Amesterdão, onde Anne passou a viver confinada a um esconderijo . Durante dois anos, escreveu um diário em que relata a experiência da perseguição movida pelos nazis e fala dos terrores que se abatiam sobre os que com ela partilhavam aquele pequeno espaço. A família acabou por ser descoberta e transportada para o campo de concentração de Bergen-Belsen , onde Anne e sua mãe viriam a morrer. Anne Frank . In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-01-25]. Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$anne-frank>.
  9. 9. http://pormirandela.blogs.sapo.pt/2007/02/
  10. 10. O Pianista: Filme que retrata o impressionante conflito que marcou o século xx, e que tomou a vida a milhões de pessoas em todo o mundo. “ O pianista” é também um relato histórico , com datas e situações reais documentadas, que se podem assistir durante o filme. A revolta do Gheto de Varsóvia é também um facto histórico, a mais famosa revolta da comunidade judaica de que há registo, e que também é retratada no filme. O campo de Treblinka que é referido por várias vezes ao longo do filme, foi o maior campo de concentração nazi, situava-se próximo da estação de caminho de ferro, junto à povoação de Treblinka, entre as cidades polacas de Siedlce e Malkinia, a nordeste da cidade de Varsóvia. O espaço era dividido em dois campos distintos: um deles, de menor dimensão (Treblinka I), destinava-se ao trabalho forçado , e o outro (Treblinka II) era utilizado para o extermínio de judeus . Ao chegarem de comboio a Treblinka II, os prisioneiros eram separados consoante o sexo e encaminhados para as câmaras de gás. O campo fez cerca de 800 000 vítimas. A própria personagem, o pianista Wladek Spillman, existiu na realidade, havendo um livro de memórias do mesmo, sobre o qual se fez este filme. Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  11. 11. Holocausto é o nome da prática de genocídio da população judaica europeia levada a cabo pelo regime nazi alemão. Ainda antes de chegar ao poder, a propaganda escrita e a oratória de Hitler exploravam a corrente anti-semita, que na Alemanha tinha forte expressão. Os judeus eram apresentados como a fonte de todos os males da nação, desde a derrota na Primeira Guerra Mundial até à gravíssima crise social e económica que o país vivia no pós-guerra. Logo que assumiu o poder, Hitler começou a cumprir os seus planos e a dar corpo às ameaças , introduzindo leis e práticas que discriminavam gravemente a comunidade judaica – a imposição do uso da estrela amarela de cinco pontas (a Estrela de David) como marca distintiva do resto da comunidade, limitações no direito ao trabalho bem como no ensino, boicote ao comércio detido pela pequena burguesia judaica, negação dos direitos fundamentais de expressão, de reunião, de reclamação e de liberdade religiosa, agressões físicas e destruição de bens e locais de culto. Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  12. 12. Durante a Segunda Guerra Mundial, a política persecutória deu lugar à &quot; solução definitiva do problema judaico &quot;, eufemismo que encobria uma prática sistemática de transferência forçada de judeus, dos países ocupados para campos de extermínio colocados sob a direção das SS (um dos mais importantes dirigentes desta ação sistemática foi o coronel Adolf Eichmann, que na década de 60 foi julgado e executado em Israel). Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  13. 13. Transportados em massa em condições infra-humanas , em vagões de gado dos caminhos-de-ferro, com um elevado número de mortes no trajeto, os prisioneiros eram sujeitos, à entrada nos campos, a uma seleção (conduzida por médicos e oficiais das SS) que lhes ditava o destino: os incapazes de trabalhar (doentes, idosos, crianças e muitas mulheres) eram imediatamente executados ; os aptos a trabalhar eram poupados, a fim de serem utilizados como mão-de-obra escrava em instalações fabris dentro do próprio campo, acabando, mais tarde ou mais cedo, por sofrer o mesmo destino dos restantes Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  14. 14. ‘ A minoria judaica não foi a única a ser atingida pela repressão, apesar de ter sido a sua maior vítima; outras minorias foram alvo dos mesmos planos, nomeadamente grupos étnicos como os ciganos, adversários políticos do regime e grupos sociais marginalizados, como os homossexuais’ Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  15. 15. Embora tivessem sido utilizados os mais diversos métodos de execução, o sistema desenvolveu uma tecnologia própria: a morte em câmaras de gás com capacidade para eliminar centenas de vítimas de uma só vez, seguida de cremação em fornos especialmente concebidos para a destruição de cadáveres em massa (em Auschwitz , por exemplo, o número diário de vítimas parece ter sido superior a doze mil). A minuciosa contabilidade das &quot;fábricas da morte&quot; que os comandantes dos campos mantiveram (embora nem todos os documentos tenham sobrevivido à guerra) permite estimar que metade da população judaica da Europa de antes da guerra foi assim brutalmente assassinada sob a orientação suprema de Adolf Hitler e pela mão dos membros das SS, que por este e outros motivos, foi considerada &quot;organização criminosa&quot; pelo Tribunal de Nuremberga. Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  16. 16. Esta política de genocídio , sem paralelo na História anterior da Humanidade pelo carácter sistemático do seu planeamento e da sua execução e pelo saldo em termos demográficos, encontrou algumas resistências significativas, que não se podem deixar de registar, apesar do seu carácter disperso: constituição de redes clandestinas de emigração (que, por exemplo, trouxeram muitos fugitivos judeus para Portugal, de onde partiam depois para a América), apoio de diplomatas sensíveis aos direitos humanos (por vezes contrariando as instruções dos seus governos, como o cônsul português Aristides de Sousa Mendes , que salvou alguns milhares de pessoas) e levantamentos armados , em desespero de causa, de algumas comunidades judaicas (o mais célebre dos quais foi a revolta do Gueto de Varsóvia). Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  17. 17. Após a Guerra, os sobreviventes, traumatizados, abandonaram em grande número a Europa, indo estabelecer-se preferencialmente nos Estados Unidos da América e em Israel , que pouco depois obteria a independência. Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm
  18. 18. &quot;Em honra aos mortos e como advertência aos vivos&quot; Hugo Correia Serra http://www.esec-anselmo-andrade.rcts.pt/Noticias/n11/new_page_22.htm

×