Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Analise das demonstrações financeiras

3,450 views

Published on

As demonstrações financeiras e suas análises

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

Analise das demonstrações financeiras

  1. 1. AS DEMONSTRAÇÕESAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRASFINANCEIRAS E SUAS ANÁLISESE SUAS ANÁLISES Profa.: Cibely AlmeidaProfa.: Cibely Almeida
  2. 2. Análise das demonstrações financeiras
  3. 3. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕESANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRASFINANCEIRAS • Surgiu no final do século XIX quando osSurgiu no final do século XIX quando os banqueiros americanos passaram abanqueiros americanos passaram a solicitar as demonstrações (praticamentesolicitar as demonstrações (praticamente o Balanço) às empresas que desejavamo Balanço) às empresas que desejavam contrair empréstimos.contrair empréstimos.
  4. 4. OBJETIVO DA ANÁLISE DEOBJETIVO DA ANÁLISE DE BALANÇOBALANÇO • A Análise de Balanço objetiva extrairA Análise de Balanço objetiva extrair informações das Demonstraçõesinformações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisão.Financeiras para a tomada de decisão. • As demonstrações financeiras fornecemAs demonstrações financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, deuma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis.acordo com regras contábeis. • A Análise de Balanço transforma essesA Análise de Balanço transforma esses dados em informações.dados em informações.
  5. 5. Análise das Dem. FinanceirasAnálise das Dem. Financeiras • Nível Introdutório: Neste nível podemosNível Introdutório: Neste nível podemos conhecer a situação econômico-financeiraconhecer a situação econômico-financeira de uma empresa, através dos três pontosde uma empresa, através dos três pontos fundamentais de análise: Liquidezfundamentais de análise: Liquidez (Situação Financeira), Rentabilidade(Situação Financeira), Rentabilidade (Situação Econômica) e Endividamento(Situação Econômica) e Endividamento (Estrutura de Capital), que são suficientes(Estrutura de Capital), que são suficientes para ter uma visão superficial da empresa.para ter uma visão superficial da empresa.
  6. 6. Análise das Dem. FinanceirasAnálise das Dem. Financeiras • Nível Intermediário: Neste nívelNível Intermediário: Neste nível aprofundamos a análise do tripéaprofundamos a análise do tripé (Liquidez, Rentabilidade e Endividamento)(Liquidez, Rentabilidade e Endividamento) mediante outro conjunto de indicadoresmediante outro conjunto de indicadores que melhor explica e detalha a situaçãoque melhor explica e detalha a situação econômico-financeira da empresa.econômico-financeira da empresa.
  7. 7. Análise das Dem. FinanceirasAnálise das Dem. Financeiras • Nível avançado: Ferramentas paraNível avançado: Ferramentas para enriquecer a análise do tripé:enriquecer a análise do tripé: • Indicadores combinados: avaliar aIndicadores combinados: avaliar a empresa ponderando conjuntamente oempresa ponderando conjuntamente o tripé, dando-se uma nota final;tripé, dando-se uma nota final; • Análise da demonstração do valorAnálise da demonstração do valor agregado: avaliar a capacidade de geraragregado: avaliar a capacidade de gerar renda e como essa renda é distribuída;renda e como essa renda é distribuída;
  8. 8. Análise das Dem. FinanceirasAnálise das Dem. Financeiras • Liquidez dinâmica: liquidez econômica,Liquidez dinâmica: liquidez econômica, patrimonial, etc;patrimonial, etc; • Projeções das demonstrações contábeis e suaProjeções das demonstrações contábeis e sua análise;análise; • Análise com ajustamento das demonstraçõesAnálise com ajustamento das demonstrações contábeis no nível geral de preços;contábeis no nível geral de preços; • Análise das variações de fluxos econômicoAnálise das variações de fluxos econômico versus financeiro;versus financeiro;
  9. 9. Análise das Dem. FinanceirasAnálise das Dem. Financeiras • Análise por meio de dividendos por açõesAnálise por meio de dividendos por ações e outros indicadores para as empresas dee outros indicadores para as empresas de capital aberto;capital aberto; • Outros modelos de análise: EVA, MVA,Outros modelos de análise: EVA, MVA, Balanced Scorecard, etc.Balanced Scorecard, etc.
  10. 10. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES  A Lei das S.A estabelece que ao fim de cada exercício social (ano), a diretoria divulgará:  Balanço Patrimonial - BP  Demonstração do Resultado do Exercício – DRE Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido - DMPL  Demonstração do Fluxo de Caixa – DFC Demonstração do Valor Adicionado.
  11. 11. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES  RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO  NOTAS EXPLICATIVAS  PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Elementos complementares: Exercício Social: tem a duração de um ano, não havendo necessidade de coincidir com o ano civil (01/01 a 31/12)
  12. 12. EMPRESAS LIMITADAS Pela legislação do IR, as Sociedades por Quotas de Responsabilidade Limitada devem seguir parte dos dispositivos da Lei das S.A;  A publicação dos balanços não é obrigatória, mas as LTDA´s devem estruturar as demonstrações financeiras, nos moldes das S.A (exceto com relação ao DFC e informações complementares), para fins fiscais.
  13. 13. Nosso foco :  Balanço Patrimonial (Ativo e Passivo)  Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)  Análise de Índices Financeiros
  14. 14. Passos Para Análise das Dem.Passos Para Análise das Dem. FinanceirasFinanceiras • Estar de posse de todas asEstar de posse de todas as demonstrações, inclusive notasdemonstrações, inclusive notas explicativas;explicativas; • Ter em mãos demonstrações contábeisTer em mãos demonstrações contábeis comparativas;comparativas; • Verificar a credibilidade dasVerificar a credibilidade das demonstrações contábeis;demonstrações contábeis;
  15. 15. Passos Para Análise das Dem.Passos Para Análise das Dem. FinanceirasFinanceiras • Preparar as demonstrações de formaPreparar as demonstrações de forma conveniente para a análise, através daconveniente para a análise, através da reclassificação de itens.reclassificação de itens.
  16. 16. Qualidade e Credibilidade dasQualidade e Credibilidade das Dem. ContábeisDem. Contábeis • Situação Ideal:Situação Ideal: • Demonstrações publicadas em jornais eDemonstrações publicadas em jornais e que atendam aos requisitos legais;que atendam aos requisitos legais; • Demonstrações assinadas por contador,Demonstrações assinadas por contador, com Relatório da Diretoria e Notascom Relatório da Diretoria e Notas Explicativas completas;Explicativas completas; • Parecer da Auditoria Independente;Parecer da Auditoria Independente;
  17. 17. Qualidade e Credibilidade dasQualidade e Credibilidade das Dem. ContábeisDem. Contábeis • Situação que requer cuidados:Situação que requer cuidados: • Demonstrações com Relatório da DiretoriaDemonstrações com Relatório da Diretoria sucinto demais e/ou Notas Explicativassucinto demais e/ou Notas Explicativas incompletas;incompletas; • Demonstrações que não atendam a todosDemonstrações que não atendam a todos os requisitos legais;os requisitos legais;
  18. 18. Qualidade e Credibilidade dasQualidade e Credibilidade das Dem. ContábeisDem. Contábeis • Situações que requerem profundosSituações que requerem profundos cuidados:cuidados: • Demonstrações não publicadas emDemonstrações não publicadas em jornais;jornais; • Demonstrações sem parecer de auditoriaDemonstrações sem parecer de auditoria ou parecer com ressalvas;ou parecer com ressalvas; • Demonstrações que não atendam boaDemonstrações que não atendam boa parte dos requisitos legais;parte dos requisitos legais;
  19. 19. Qualidade e Credibilidade dasQualidade e Credibilidade das Dem. ContábeisDem. Contábeis • Situações impróprias para análise:Situações impróprias para análise: • Quando a empresa trabalha à base doQuando a empresa trabalha à base do Lucro Presumido, sem fazerLucro Presumido, sem fazer contabilidade;contabilidade; • Quando há contradições nasQuando há contradições nas demonstrações;demonstrações; • Quando é identificado que a empresa nãoQuando é identificado que a empresa não valoriza a contabilidade;valoriza a contabilidade;
  20. 20. Técnicas de AnáliseTécnicas de Análise • Indicadores financeiros e econômicos;Indicadores financeiros e econômicos; • Análise horizontal e vertical;Análise horizontal e vertical; • Análise da taxa de retorno sobreAnálise da taxa de retorno sobre investimentos;investimentos; • Análise de outras demonstraçõesAnálise de outras demonstrações contábeis;contábeis;
  21. 21. ÍNDICES FINANCEIROSÍNDICES FINANCEIROS
  22. 22. Índices Financeiros O que são e para que servem os Índices Financeiros ? São indicadores numéricos extraídos das Demonstrações Financeiras, com a finalidade de auxiliar a análise do desempenho e da situação econômico-financeira de uma determinada empresa. Quais são os principais grupos interessados ? Acionistas, administradores, analistas, credores, investidores, concorrentes, governo, associações de classes, sindicatos etc
  23. 23. Principais Índices FinanceirosPrincipais Índices Financeiros Principais Categorias de Índices Liquidez Endividamento Lucratividade Atividade
  24. 24. Categorias de Índices FinanceirosCategorias de Índices Financeiros Sinalização de Risco Sinalização de Retorno  Liquidez  Endividamento  Atividade Lucratividade
  25. 25. Índices de Liquidez Indicam a capacidade de solvência da empresa em determinado momento; Confrontam grupos de contas do Ativo contra grupos de contas do Passivo, com o objetivo de mensurar :  A capacidade da empresa honrar suas obrigações de curto/e ou de longo prazo;  A facilidade com a empresa consegue pagar suas contas.
  26. 26. Índices de Liquidez • Liquidez Geral Ativo Circulante + Ativo Realizável de Longo Prazo Passivo Circulante + Passivo Exigível de Longo Prazo AC + RLP PC + Ex. L.P AC = 1.900 PC = 1.600 RLP = 500 Ex. L.P = 600 AP = 2.500 PL = 2.700 Ativo Passivo 4.900 4.900 AC + RLP PC + Ex. L.P 1.900 + 500 1.600 + 600 = = 1,09 =
  27. 27. Índices de Liquidez • Liquidez Corrente AC PC Ativo Circulante Passivo Circulante AC = 1.900 PC = 1.600 RLP = 500 Ex. L.P = 600 AP = 2.500 PL = 2.700 AC PC 1.900 1.600 = = 1,19 4.900 4.900 Ativo Passivo =
  28. 28. Índices de Liquidez • Liquidez Seca AC - Estoques PC Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante Caixa + Aplic. 200 Dupl. a Rec. 1.000 Estoques 700 PC = 1.600 RLP = 500 Ex. L.P = 600 AP = 2.500 PL = 2.700 AC - E PC 1.900 - 700 1.600 = = 0,75 4.900 4.900 Ativo Passivo =
  29. 29. Índices de Liquidez Considerações sobre os índices de Liquidez:  Quanto maior que 1, maior será a liquidez teórica No entanto, para uma avaliação mais segura, devem ser observados:  A qualidade e a composição dos ativos, notadamente dos estoques (podem ser de difícil realização em vendas) ou das Contas ou Duplicatas a Receber (podem conter clientes inadimplentes e/ou prazos concedidos muito longos)  Comparar a evolução histórica (com anos anteriores) dos mesmos índices em meses iguais (para neutralizar o efeito da sazonalidade);  Comparar os índices da empresa com os padrões do setor de atividade.
  30. 30. Caixa + Aplic. 200 Dupl. a Rec. 1.000 Estoques 700 Outros Direitos de longo prazo 500 AP = 2.500 PL = 2.700 Ativo Passivo Vendas Brutas 5.000 Vendas Líquidas 4.250 (-) CPV 2.975 (=) Lucro Bruto 1.275 (-) Desp. Adm e Gerais 850 (=) LAJIR 425 (-) Desp. Financ. 100 (+) Rec. Financ. 85 (=) Lucro Operacional 410 (+/-) Desp./Rec. não operacionais 40 (=) Lucro Antes do IR 370 (-) Prov. IR/Contr. Social 111 (-) Dividendos 30 (+/-) Resultado Equiv. Patr. 50 Lucro Líquido 279 Demonstração Resultados do ExercícioBalanço Patrimonial Fornecedores 800 Imp. e Obrigações Sociais 400 Bancos 400 Bancos Longo Prazo 600 Total Passivo 4.900 Total Ativo 4.900
  31. 31. Índices de Atividade  Indicam a performance de alguns dos principais ativos e passivos operacionais, com relação :  Rotação / Ciclo: o quanto eles giram em determinado período de tempo;  Prazos médios.  Nos permitem verificar o nível de eficiência da gestão do capital de giro da empresa.
  32. 32. Índices de Atividade Giro ou Rotação de Estoques  Giro de Estoques = Custo dos Produtos Vendidos Estoque  Prazo Médio de Rotação dos Estoques PMRE (dias) = Custo dos Produtos Vendidos Estoques (*) se a demonstração do resultado do exercício se referir ao período de 1 ano, o número em dias é 360 (12 x 30). x meses x 30 (*)
  33. 33. Índices de Atividade  Giro de Estoques = Prazo Médio de Rotação dos Estoques PMRE (dias) = 2.975 700 x 360 = 84,7 dias Em nosso Exemplo 2.975 700 = 4,2 vezes
  34. 34. Índices de Atividade Prazo Médio de Recebimento de Vendas (também chamado de prazo médio de cobrança) PMRV = Contas a Receber (clientes) Vendas/Receitas brutas Em nosso Exemplo, PMRV = 1.000 5.000 X 360 = 72 dias x meses x 30 (*) (*) se a demonstração do resultado do exercício se referir ao período de 1 ano, o número em dias é 360 (12 x 30).
  35. 35. Índices de Atividade Prazo Médio de Pagamento de Fornecedores PMPF = Contas a Pagar (fornecedores) Compras (**) x meses x 30 (*) (*) se a demonstração do resultado do exercício se referir ao período de 1 ano, o número em dias é 360 (12 x 30). (**) Se não tivermos a informação de qual é o valor das Compras realizadas pela empresa, ao longo do período analisado, para efeito de simplificação e aproximação, vamos utilizar o equivalente a 70 % do valor Custo dos Produtos Vendidos, extraído da Demonstração de Resultado do Exercício. Em nosso Exemplo, PMPF = 800 2.975 x 0,7 x 360 = 138,6 dias
  36. 36. Com base nos prazos médios de rotação de estoques, de recebimento das vendas e de pagamento dos fornecedores, temos os elementos básicos para o cálculo dos Ciclos Operacional e Financeiro. Prazo Médio de Rotação dos Estoques (PMRE) Prazo Médio de Recebimento das Vendas (PMRV) Prazo Médio de Pagamento de Fornecedores (PMPF) Ciclo Operacional (CO) Ciclo Financeiro (CF) CF = PMRE + PMRV - PMPF CO Em nosso Exemplo, CF= 84,7 + 72 – 138,3 = 18,4 dias
  37. 37. Ciclo Financeiro Indica o prazo médio que a empresa tem de “bancar” com recursos próprios ou captados de terceiros, para suprir suas necessidades de produção, estocagem, venda e recebimento; descontando-se a fonte natural de financiamento da compra das matérias primas, que é o prazo médio de pagamento concedido pelos fornecedores.
  38. 38. Índice de Endividamento Geral Índice de Endividamento Geral = Passivo Exigível Total Ativo Total Quanto mais alto este índice, maior é o grau de endividamento e/ou de alavancagem financeira da empresa Em nosso Exemplo, o Índice de Endividamento Geral, = 2.200 4.900 x 100 = 44,9 %
  39. 39. Índices de Lucratividade/Rentabilidade (quanto maior, melhor)  Margem de Lucro Bruto = Lucro Bruto Vendas Líquidas x 100  Margem de Lucro Operacional = Lucro Operacional Vendas Líquidas x 100  Margem de Lucro Líquido = Lucro Líquido Vendas Líquidas x 100
  40. 40. Índices de Lucratividade/Rentabilidade • Lucro por Ação (LPA) = Lucro Líquido Quantidade de Ações Ordinárias • Retorno do Ativo Total (ROA) = Lucro Líquido Ativo Total X 100 • Retorno do Capital Próprio (ROE) = Lucro Líquido Patrimônio Líquido X 100

×