Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

25 de abril de 1974 carina 9ºa

1,906 views

Published on

Trabalho sobre o 25 de Abril

Published in: Education
  • Be the first to comment

25 de abril de 1974 carina 9ºa

  1. 1. Escola Básica 2,3 nº1 de Elvas História
  2. 2. Antecedentes do 25 de Abril <ul><li>Em 1928 como todos sabem Salazar foi nomeado ministro das </li></ul><ul><li>finanças, conseguiu melhorar as situações económicas, por isso não é </li></ul><ul><li>de estranhar que tenha sido nomeado presidente do conselho de ministros. </li></ul><ul><li>Em 1932 foi aprovado um único partido político autorizado no país, a União </li></ul><ul><li>Nacional / Acção Popular.   </li></ul><ul><li>Nessa altura não havia liberdade, existia censura na actividade política. </li></ul><ul><li>Associativa e sindical eram quase nulas e controladas pela polícia política. </li></ul><ul><li>Havia presos políticos (construíram-se prisões), a Constituição não garantia </li></ul><ul><li>os direitos dos cidadãos, Portugal mantinha uma guerra colonial e por isso </li></ul><ul><li>encontrava-se isolado da comunidade internacional. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A informação e as formas de expressão cultural eram controladas, </li></ul><ul><li>fazia-se uma censura prévia que abrangia a imprensa, o cinema, o teatro, as </li></ul><ul><li>artes plásticas, a música e a escrita. Não havia liberdade!! </li></ul><ul><li>A actividade política estava condicionada, não existiam eleições livres. </li></ul><ul><li>A oposição ao regime da UNIÃO NACIONAL, era perseguida  pela polícia </li></ul><ul><li>política (PIDE) e tinha de agir na clandestinidade ou refugiar-se no exílio. </li></ul><ul><li>Os oposicionistas, sob acusação de pensarem e agirem contra a ideologia e </li></ul><ul><li>práticas do Estado Novo, eram presos em Colónias Penais (TARRAFAL - em </li></ul><ul><li>Cabo Verde, entre outros) . Não havia Democracia !! </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A Constituição não garantia o direito dos cidadãos à educação, à saúde, ao </li></ul><ul><li>trabalho e à habitação. Não existia o direito de reunião e de livre </li></ul><ul><li>associação. As manifestações eram proibidas por lei. </li></ul><ul><li>Portugal estava envolvido na guerra colonial em Angola, na Guiné e em </li></ul><ul><li>Moçambique, o que gerou protestos de milhares de jovens e se transformou </li></ul><ul><li>num dos temas dominantes da oposição ao regime, com especial realce para </li></ul><ul><li>os estudantes universitários. Não havia Paz !! </li></ul>
  5. 5. O 25 de Abril <ul><li>Na véspera, dia 24 de Abril, a canção &quot;E Depois do Adeus&quot;, interpretada </li></ul><ul><li>por Paulo de Carvalho, transmitida aos microfones dos Emissores </li></ul><ul><li>Associados de Lisboa, pelas 22h 55m, marcava o início das operações </li></ul><ul><li>militares contra o regime. </li></ul><ul><li>No dia 25 de Abril de 1974, pelas 00 horas e 30 minutos são ocupadas </li></ul><ul><li>as instalações da Rádio Televisão Portuguesa, da Emissora Nacional, da </li></ul><ul><li>Rádio Clube Portuguesa, do Aeroporto de Lisboa, do Quartel General, do </li></ul><ul><li>Estado Maior do Exército, do Ministério do Exército, do Banco de </li></ul><ul><li>Portugal e da Marconi, locais estratégicos considerados fundamentais. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Pelas 4 horas e 20 minutos, é difundido pelo Rádio Clube Português, o </li></ul><ul><li>primeiro comunicado ao país do Movimento das Forças Armadas (MFA). </li></ul><ul><li>Duas horas depois, Forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém, </li></ul><ul><li>estacionam no Terreiro do Paço. </li></ul><ul><li>Às 13 horas e 30 minutos, as forças paramilitares leais ao regime, </li></ul><ul><li>começam a render-se. A Legião Portuguesa é a primeira. </li></ul><ul><li>Pelas 14 horas, inicia-se o cerco ao Quartel do Carmo. </li></ul><ul><li>Dentro do Quartel estão refugiados Marcelo Caetano , </li></ul><ul><li>Presidente do Conselho e dois Ministros do seu gabinete. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Às 16 horas e 30 minutos, terminado o prazo inicial para a </li></ul><ul><li>rendição, anunciado por megafone pelo Capitão Salgueiro Maia, oficial </li></ul><ul><li>que comandava o cerco e após algumas diligências feitas por mediadores </li></ul><ul><li>civis, Marcelo Caetano faz saber que está disposto a render-se e </li></ul><ul><li>pede-se a comparência no Quartel de um oficial do MFA de patente </li></ul><ul><li>não inferior ao coronel. </li></ul><ul><li>Uma hora depois, o General Spínola , mandatado pelo MFA, </li></ul><ul><li>entra no Quartel do Carmo para negociar a rendição do Governo. </li></ul><ul><li>O Quartel do Carmo iça a bandeira branca. Marcelo Caetano </li></ul><ul><li>rende-se às 19 horas e 30 minutos. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>No dia 26 de Abril, à 1 hora e 30 minutos, a Junta de Salvação Nacional </li></ul><ul><li>apresenta-se ao país perante as câmaras da RTP. </li></ul><ul><li>Pelas 7 horas da manhã, por ordem do Movimento das Forças Armadas, na </li></ul><ul><li>Pontinha, o Presidente do Conselho, Marcelo Caetano, o Presidente da </li></ul><ul><li>República, Américo Tomás e outros elementos ligados ao antigo regime, são </li></ul><ul><li>enviados para a Madeira. </li></ul><ul><li>Às 9 horas e 30 minutos, a PIDE rende-se, após conversa telefónica </li></ul><ul><li>entre o General Spínola e Silva Pais. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>As primeiras eleições livres, realizaram-se a 25 de Abril de 1975. </li></ul><ul><li>Num acto eleitoral com uma taxa de participação de 91.7%, os </li></ul><ul><li>portugueses elegeram a Assembleia Constituinte, incumbida de </li></ul><ul><li>elaborarem e aprovar a Constituição da República. </li></ul><ul><li>A 2 de Abril de 1976, a Assembleia Constituinte aprovou a </li></ul><ul><li>Constituição da República. </li></ul>
  10. 10. Porque os cravos? <ul><li>Como não houve a violência habitual das revoluções (manchada de </li></ul><ul><li>sangue inocente), o povo ofereceu flores (cravos) aos militares que </li></ul><ul><li>os puseram nos canos das armas. </li></ul><ul><li>Em vez de balas, que matam, havia cravos por todo o lado, </li></ul><ul><li>significando o renascer da vida e a mudança! </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Carina Fonseca nº3 </li></ul><ul><li>Francisco Costa nº6 </li></ul><ul><li>Joana Capelas nº9 </li></ul><ul><li>Mafalda Claudino nº16 </li></ul><ul><li>9ºA </li></ul>

×