Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Quanto custa fazer preço                                               Antonio Cândido Carneiro de Azambuja Neto*Fazer pre...
sobre a venda de 2,5%, despesas administrativas de 5%, marketing de 3% e lucro antesdo Imposto de Renda de 20%, o mark-up ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Quanto custa fazer preço 2005 mar

865 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Quanto custa fazer preço 2005 mar

  1. 1. Quanto custa fazer preço Antonio Cândido Carneiro de Azambuja Neto*Fazer preço não é nenhum bicho de sete cabeças e pode custar muito pouco do seutempo. Entretanto, desprezar a formulação correta do preço, simplesmente dobrandoo custo como a maioria dos empresários faz, principalmente no comércio, pode custarcaro. Há muito se tem praticado no comércio a dita “margem 100%”. Por onde querque se vá, o que se ouve dizer é que basta dobrar o valor pago pela mercadoria que opreço estará mais do que justo e o lucro de 100% também.Ledo engano. Muitas empresas, inclusive as grandes, acabam por ver a liquidação deseus custos comprometidos simplesmente porque não se preocuparam em comporum preço devidamente calculado e pensado em razão de sua estrutura efetiva degastos, de seu plano de marketing e expectativas do mercado em que atua. SegundoLuiz Antonio Bernardi , o preço deve ser formado de maneira a cobrir todos os custos,as despesas e os impostos e propiciar um lucro na venda que assegure o retornoesperado.A melhor forma de obter-se um preço adequado é pela composição do “mark-up”.Muitos empresários desconhecem ou finge conhecer o que é mark-up. Mark-up não élucro da venda. Na prática, usam o conceito, usam o multiplicador, sem, entretanto,conhecer sua estruturação, particularidades e possibilidades estratégicas. O preço apagar por não se fazer preço é a afirmação do Sebrae de que a maioria das empresasnão consegue completar três anos de vida, encerrando suas atividades antes desseperíodo.Um preço errado faz com que a venda gere apenas o suficiente para cobrir parte doscustos, impondo que a operação, os custos do negócio em si, não seja coberta, o queacarreta a corrosão do capital de giro. Conforme o ciclo do negócio – prazo decorridoentre a compra, venda, pagamento e recompra do produto –, bastarão não mais quepoucos ciclos para que todo o capital de giro esteja comprometido e a empresa entreem empréstimos bancários ou se torne inadimplente. Primeiro virá à sonegação,depois o não recolhimento de INSS e do FGTS, o cheque especial e, a partir daí parauma situação de bancarrota é um pulo.Mas o que é mark-up? Mark-up é um índice, um coeficiente composto conforme o mixde gastos de um produto, linha de produtos ou até mesmo, por conveniência, umúnico coeficiente para o negócio como um todo. Nele é contemplado todo tipo degastos pressupondo-se que o preço de venda do produto ou bem gere a quantidadenecessária de recursos para fazer frente aos compromissos assumidos com a suacomercialização e a remuneração do capital empregado.Num rápido exercício, para uma mercadoria com custo de R$ 1,00, com uma estruturade gastos composta por: ICMS da venda de 18%, PIS/COFINS de 2,65%, comissões azambuja.pro.br Rua da Bica, 410 – Conj. 192 D – 02925-000 – São Paulo/SP Tel: 55 11 3931-3849/ 9261-9649 (Claro)/ 7568-6086 (Vivo) www.azambuja.pro.br – antonio.azambuja@gmail.com
  2. 2. sobre a venda de 2,5%, despesas administrativas de 5%, marketing de 3% e lucro antesdo Imposto de Renda de 20%, o mark-up multiplicador é de 2,0471.Como nos mostra Bernardi, numa mercadoria de custo R$ 1,00 o preço de venda seriade R$ 2,05 e o lucro de 20% de R$2,05, ou R$ 0,41, o que representa 41% sobre ocusto, e não 104%. Outras variáveis não foram aqui consideradas, como o fato de nãomais praticarmos o preço que obtemos em função de nossos gastos, mas sim aqueleque o mercado está disposto a pagar, o que impõe toda uma adequação da estruturade gastos – custos e despesas – para que se mantenha um negócio atraente econsequentemente rentável. Mas isso é assunto para uma outra conversa.*Antonio Candido Carneiro de Azambuja NetoEspecialista em política e estratégia pelo NAIPPE/USP, Economista e professor docurso de Administração da Universidade Guarulhos e Faculdade Anhanguera.2

×