Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Reflexão Final

1,017 views

Published on

Published in: Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Reflexão Final

  1. 1. Reflexão Final sobre a Acção de Formação Práticas e Modelos na Auto-Avaliação da BE<br />Formanda: Teresa Aurora Gonçalves<br />Formadoras: Margarida Costa e Maria Júlia Martins<br />A acção de formação Práticas e Modelos na Auto-Avaliação da BE permitiu-me aprofundar o conhecimento sobre o Modelo de Auto-avaliação da Biblioteca Escolar. A interacção permanente com as bases do documento e a exploração mais detalhada dos instrumentos a aplicar, obrigou-me a uma profunda reflexão sobre o meu trabalho futuro.<br />A Auto-Avaliação vai despoletar um processo de análise e reconhecimento das práticas, resultando num conjunto de dados objectivos que espelham o sucesso/insucesso; adequação/inadequação da gestão dos recursos existentes. Vai ainda permitir discernir caminhos e domínios a privilegiar, mediante cenários positivos ou negativos facultados pelas práticas instituídas.<br />O Modelo de Auto-Avaliação estabelece vários domínios de acção, discriminando palcos preferenciais de actuação, para que o retorno do trabalho desenvolvido em cada área se torne clarividente e reflicta o trabalho efectuado.<br />A Biblioteca Escolar dos nossos tempos não subsiste se funcionar sozinha, aguardando a alteração do paradigma escolar que a rodeia e que os seus pares, professores e órgãos directivos e pedagógicos lhe reconheçam mérito. O valor da informação contida numa biblioteca é por todos reconhecida, mas o valor do potencial conhecimento que encerra e o seu impacto como instrumento de aprendizagem é, muitas das vezes, ignorado. Apenas assume uma mais-valia intrínseca quando objectiva todos os seus recursos e lhes dá corpo. O trabalho da BE só faz sentido se a escola o conhecer e participar activamente nele.<br />Encontrei alguma dificuldade na execução de algumas tarefas mais práticas, relacionadas com o trabalho específico da BE, como por exemplo a elaboração das metodologias de operacionalização. A minha intenção no entanto foi contribuir de uma forma mais geral, alicerçada em fundamentos teóricos relevantes, tentando abrir pistas de acção para o futuro.<br />Esta formação revelou-se um processo abrupto de aprendizagens essenciais. O assustador ritmo com que se desenrolou, fez-me temer o pior. Acreditava que com tal quantidade de actividades me dispersaria no acessório e não apreenderia o essencial. Mas, no fundo, tal não veio a acontecer. A falta de tempo, os prazos curtos, as horas passadas a ler os textos e a realizar os trabalhos para que fossem enviados dentro dos prazos foi duro mas valeu a pena. <br />Os documentos disponibilizados pelas formadoras foram muito importantes, não só para a reflexão que foi feita ao Modelo, mas também porque deram conta da necessária mudança de atitude de todos os intervenientes no sistema educativo.<br />As intervenções dos colegas em formação trouxeram-me contributos de grande importância que irei ter em conta também futuramente. Percebi muito do trabalho a realizar com as escolas e o acompanhamento técnico-pedagógico que compete ao PB.<br />Em suma, o balanço que realizo neste momento é muito positivo por ter encontrado para o meu percurso alguns pontos de partida e de chegada, nomeadamente no que à interpretação do MAABE diz respeito. Assinalo com veemência a capacidade que todos nós, professores ao serviço das bibliotecas escolares, devemos possuir para cruzar a auto-avaliação da BE com a Avaliação externa das escolas. <br />Queria ainda fazer aqui um agradecimento às formadoras por todo o cuidado e atenção que nos dispensaram esclarecendo sempre com celeridade as nossas dúvidas.<br />Teresa Aurora Gonçalves<br />

×