Literatura discutida na web adriana-sales-zardini&lilia-dos-anjos-afonso

1,862 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Literatura discutida na web adriana-sales-zardini&lilia-dos-anjos-afonso

  1. 1. Literatura discutida na Web: uma experiência com o fórum de discussão Adriana Sales ZARDINI, Prof. Ms. (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG) aszardini@gmail.com Lilia dos Anjos AFONSO, Bacharel (Universidade Federal da Paraíba - UFPB) liliadosanjos@gmail.com Resumo: As possibilidades que a internet oferece para o campo da literatura, as possibilidades que a internet oferece são muitas, como: livros digitais, sites e blogs especializados, listas de discussão, fóruns online e até mesmo sites de relacionamento são usados com a finalidade de discutir literatura e de maneira bastante engajada. O objetivo deste trabalho é avaliar as razões que levam as pessoas a discutirem literatura na internet e tentar entender quais são os motivos pelos quais algumas desistem no meio das discussões, além de tentar melhorar a interação entre os participantes e tentar reduzir as dificuldades enfrentadas. Os dados foram coletados a partir de um questionário apresentado aos participantes do fórum JASBRA. Palavras-chave: fórum de discussão, literatura, comunidades virtuais de aprendizagem, redes sociais. Abstract: The Internet offers many possibilities to the field of literature, such as: digital books, specialized websites and blogs, mailing lists and online forums. Even social networks are used to discuss literature and their users are fairly well engaged. The purpose of this paper is to assess the reasons that lead people to discuss literature on the Internet, to try to understand why some people leave or stop accessing the discussions and improve the interaction between participants and reduce the difficulties faced. The data collected are from a questionnaire distributed among the participants of JASBRA’s online Forum. Keywords: discussion forums, literature, virtual learning communities, social network.Introdução Não restam dúvidas de que os computadores e a internet trouxeram inúmerosbenefícios para as pessoas. A tecnologia favoreceu a comunicação entre pessoas domundo inteiro, aumentou a possibilidade de conexão entre elas, favorecendo asUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -1-
  2. 2. transações comerciais, as pesquisas, acesso a vídeos, podcasts, jornais, artigos erevistas em diversas línguas, além de democratizar o acesso ao conhecimento. Nosúltimos anos podemos perceber um avanço significativo do uso da tecnologia,principalmente a comunicação mediada por computadores (CMC), celulares e outrosdispositivos eletrônicos. Esse boom tecnológico e constante inovação das tecnologiasdigitais e mídias diferentes de informação e comunicação, tem propiciado um númerocada vez maior de processamento de informação e comunicação. Todos nós somosinfluenciados por essas mudanças, sendo que: A principal tendência neste domínio é a digitalização, que atinge todas as técnicas de comunicação e de processamento de informações. Ao progredir, a digitalização conecta no centro de um mesmo tecido eletrônico o cinema, a radiotelevisão, o jornalismo, a edição, a música, as telecomunicações e a informática. (LÉVY, 1993. P. 102) Para quem já utiliza computadores conectados à internet há mais de 6 anospode perceber as transformações significativas que vem ocorrendo na web. A internetnão serve apenas para ler e escrever e-mails, mas também para fazer pesquisas,vender produtos, aproximar pessoas, etc. Cada vez mais um número maior de usuáriospassou a publicar seus pensamentos, artigos e opiniões em blogs e as redes sociaiscresceram espantosamente nos últimos anos. É interessante observar que existe umadiferença entre redes sociais e as mídias sociais. Segundo a Wikipédia, as redes sociaisou sites de relacionamento são estruturas sociais compostas por pessoas ouorganizações, conectadas por um ou vários tipos de relações e que partilham valores eobjetivos em comum. São exemplos de redes sociais: o orkut, o facebook e o myspace.Já as mídias sociais são definidas como o uso do meio eletrônico para interação entrepessoas através de sistemas digitais que combinam textos, imagens, sons e vídeo, paracriar uma interação social de compartilhamento de experiências (Dubner, 2010). Estasferramentas incluem blogs, fóruns, podcasts, microblogs, redes, comunidades, wikis,entre outras. De acordo com Warschauer e Ware (2008), as novas mídias estãoganhando importância social, trazendo inúmeras oportunidades de comunicação eexpressão para todos.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -2-
  3. 3. Segundo o relatório da Nielsen Online, “80% dos internautas brasileiros visitouredes de relacionamento e blogs ao longo de 2008” (Pavarin, 2009). Ainda segundo oautor, os brasileiros gastam cerca de 23% do tempo online em orkut, blogs e sitessemelhantes. Com o crescimento de novas redes e mídias sociais, percebemos autilização destas por áreas diversas como, por exemplo: marketing, educação, culturae comércio eletrônico. Não é de se espantar que tais recursos também sejam foco depesquisas acadêmicas, como podemos citar a título de exemplificação: • a utilização de e-mails e chats no ensino e aprendizagem (Zardini e Costa, 2009), (Carvalho, 2009), (Silva, 2009), (Oliveira, 2005), (Souza, 2000); • a utilização de blogs em contextos escolares (Zardini e Costa, 2007), (Silva, 2007); • e o uso das redes sociais na educação, como: orkut (Bezerra, 2010; Penteado, 2009; Neto, 2007) e Live Mocha (Pereira e Araújo, 2010).Dos Encontros Presenciais aos Encontros Virtuais É interessante notar que os círculos literários sempre existiram. Se voltarmosno tempo, até o século XIX, os livros eram lidos, na maioria das vezes, por um membroda família/comunidade - já que poucas pessoas sabiam ler - e posteriormentediscutidos. A ideia de círculo literário já existia, porém, não era formalizada. SegundoAlmeida (2008, p. 38), “os primeiros pontos de encontros literários surgiram naFrança no início do século XVI”. A burguesia e os intelectuais da época se reuniam emcafés, restaurantes e em salões literários, sendo que um dos mais conhecidos era o‘bureau d’esprit’ de Louise Labé (Almeida, 2008). No Brasil, a partir do século XIX éque surgem os salões literários. De acordo com Almeida (2008, p. 39), “até estemomento, os principais pontos de encontro dos literatos brasileiros eram os cafés, ealgumas confeitarias e livrarias”. Broca (apud Almeida, 2008) destaca que no períodoáureo dos cafés literários, os principais representantes eram o Café do Rio, o Java, oCafé Paris, quanto às confeitarias, as mais prestigiadas eram a Confeitaria Colombo eUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -3-
  4. 4. a Confeitaria Pascoal. A transição dos encontros presenciais para os encontros virtuaisse dá a partir da última década do século XX, já que: “os encontros tête-à-tête, a exemplo dos salões franceses do século XVI ou do Brasil do século XIX, já não são mais sinônimo de ambiente literário; e, ainda, que as discussões antes mantidas de forma contundente por escritores e apreciadores de uma boa leitura se transportam hoje para as comunidades virtuais, para as salas de bate-papo ou para os sítios de discussão”. (Almeida, 2008, p. 77) No campo da literatura é possível perceber como os avanços tecnológicosfavoreceram e continuam favorecendo esta área. Há alguns anos, só era possívelencontrar alguns textos/livros online (literatura digitalizada) e perfis de escritores.Porém, com a popularidade das mídias sociais, hoje é possível encontrar umainfinidade de recursos como: livros digitais gratuitos, sites e blogs especializados emliteratura, listas de discussão, fóruns de discussão e até os sites de relacionamentossão usados com a finalidade de se discutir literatura. A literatura é beneficiada pelo desenvolvimento da tecnologia e também pelautilização e discussão por parte dos usuários da internet segundo os autores Lin (1997),Potter (1999) e McGrath (2009). Além disso, os círculos de discussão literária onlineapresentam inúmeras vantagens como a questão de espaço e tempo, além debeneficiar pessoas que não podem se locomover ou participar de discussões em escolasou círculos literários, como relata Cavanaugh (2006). Dentro do ambiente escolar, jáexistem pesquisas a respeito da literatura online e de projetos desenvolvidos (Whitin,2009; Castek et tal, 2006). Faury e Kuntz (2004) fazem um relato a respeito de textosliterários de um curso de leitura em francês a distância. Enquanto Nunes e Moura(2009) analisam o processo de leitura a partir da obra ‘The Scarlet Letter’ em formatodigital. Na pesquisa de Almeida (2008), a autora elenca algumas fontes de informaçãoliterária (no Brasil e no exterior) disponíveis na Internet, faz uma avaliação de sitesliterários como o Nobel1 (UFSC), Caminhos do Romance2 (UNICAMP), Hermínia31 Núcleo de Pesquisa em Informática, Literatura e Linguística - www.nupill.org2 www.caminhosdoromance.iel.unicamp.br3 Universitat Oberta de Catalunya – www.uoc.eduUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -4-
  5. 5. (Universidade Aberta da Catalunha) e Hubert de Falei4 – Literatura e Informática(Universidade de Paris). Porém, dentro da bibliografia consultada, não foi possíveldetectar nenhum estudos brasileiro a respeito da discussão literária em fóruns ouredes sociais.Os Fóruns de Discussão Literária De acordo com o dicionário Houaiss (2004), o fórum é uma reunião, congresso,ou conferência para debate de um tema. Na Antiguidade Clássica, as cidades comoRoma e Grécia enalteceram a ideia de fóruns. Machado (2010) destaca que “entre osgregos, que antecederam e com certeza influenciaram os romanos, a compreensãodos fóruns está associada à ideia de espaço de debates públicos, políticos, filosóficos,culturais e artísticos”. Considerada uma das ferramentas atuais mais importantes e utilizadas, o fórumé um meio de interação em cursos e discussões virtuais. Segundo Marcuschi (2005), ofórum de discussão é considerado também um dos gêneros discursos emergentes, poissugiram com o desenvolvimento da internet e das tecnologias da comunicação. Nocampo da educação, vários autores utilizam nomenclaturas diferentes para sereferirem aos ambientes de discussão online, como: fóruns educacionais (Paiva eRodrigues Júnior, 2007), (Gallardo, 2010), (Rozenfeld e Gabrielli, 2010); fórumeletrônico (Brito, 2004); fórum educacional digital (Silva, 2009b); fórum de discussão(Prado, 2002), (Miranda et tal, 2001), (Farmer, 2004); comunidades online (Batista eGobara, 2007); listas de discussão (Tavares, 2005); comunidades online (Tavares,2005); e comunidades online (Tavares, 2007), (Palloff e Pratt, 2002). Quando se refereà discussão literária, Cavanaugh (2006) afirma que geralmente os fóruns são chamadosde: grupos de discussão literária, círculo de literatura, clube do livro, estudosliterários e grupos de discussão literária. Independente de nomenclaturas, umas das características desses ambientes dediscussão online é a função de:4 Universidade de Paris 3 – Sorbonne Nouvelle - http://www.cavi.univ-paris3.fr/phalese/Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -5-
  6. 6. “constituir-se espaço para a discussão de um tema...”, “...além de oferecer condições para a construção de um ambiente colaborativo, em que o conhecimento é construído coletivamente por diferentes interlocutores e compartilhado para a construção ou a reconfiguração de conceitos”. (Silva, 2009b). Os fóruns de discussão online se possuem como característica principal uma‘conversa’ em que os participantes não estão conectados em tempo real, facilitando odiálogo através de uma discussão assíncrona. Possuem diversas finalidades, sendo aprincipal o debate mediado entre grupos, em um espaço virtual onde os mediadoresou administradores disponibilizam perguntas sobre assuntos variados ou pré-determinados, gerando a discussão e o questionamento que ‘alimenta’ o diálogopermanente. Quanto à modalidade, os fóruns podem ser divididos entre: 1) públicosou privados (neste caso, é necessário receber um convite ou solicitar a aprovação nofórum); 2) mediados ou não-mediados (onde a criação e publicação de mensagens élivre); e 3) temáticos ou livres (nos fóruns temáticos, faz-se a escolha por um assuntoespecífico, enquanto nos fóruns livres, discute-se de tudo um pouco). São muitos os benefícios da comunicação online, onde os usuários/membros dofórum participam de maneira assíncrona, segundo Leite (2008) os fóruns onlinefavorecem: • A reflexão e a pesquisa antes da postar a mensagem. • A organização do conteúdo e da forma do texto a ser postado. • Permite o aprofundamento de ideias e conceitos. • Facilita a prática consciente de diferentes funções cognitivas como: observar, identificar, relacionar, comparar, analisar, inferir, sintetizar, divergir, discordar, generalizar, etc. • Possibilita o registro de construção do conhecimento. • Possibilita a mediação mais direcionada por parte do moderador/administrador.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -6-
  7. 7. A internet está repleta de ambientes que propiciam a discussão literária comosugeridos por Wolsey (2004), Porter (1999), Almeida (2008), McGrath (2009), Nunes eMoura (2009). Porém, em muitos casos, percebe-se também que existe a necessidadee o interesse em se discutir literatura mesmo fora dos ambientes ditos comoeducativos, como as redes sociais (Orkut, Facebook, etc.) e os fóruns de discussãocriados fora do ambiente escolar como, por exemplo: o Chá Cultural5, o Fórum daJASBRA6 e o El salón de té de Jane Austen7, entre outros.O Fórum de Discussão da Jane Austen Sociedade do Brasil O fórum de discussão da Jane Austen Sociedade do Brasil (JASBRA) é um espaçode colaboração e aprendizagem online criado em fevereiro de 2010, com o objetivo dediscutir a obra da escritora inglesa Jane Austen. Este fórum surgiu a partir da ideia deexpandir as discussões geradas no blog da JASBRA (criado em 2008). Anteriormente asdiscussões eram realizadas em uma lista de e-mails, porém, a organização dos tópicosdeixava a desejar, pois tanto os novatos quantos os veteranos sempre perdiam o quehavia sido discutido porque era mais trabalhoso localizar as discussões. O fórum segueum cronograma de discussão, baseado nos livros de Austen (cerca de 3 a 4 meses paracada um), sendo que, conforme o nível das discussões e diversidades de temáticasdiscutidas, é possível prolongar este calendário. As discussões tratam de uma temática central (obras de Jane Austen), mastambém existe espaço para o debate a respeito de temas compatíveis com a obra daescritora. Autores como Emily e Charlotte Brontë, Emily Dickson e Elizabeth Gaskelltambém são recorrentes no fórum. Além disso, existe espaço para a discussão sobretemáticas de abordagem mais modernas, mas que tenham como inspiração a obra deJane Austen, que mesmo sendo uma autora com textos do século XVIII, se revela acada dia fonte de inspiração para os romances da atualidade.5 http://chacultural.18.forumer.com/6 Jane Austen Sociedade do Brasil - http://jasbra.forumbrasil.net/7 http://janeausten.mforos.com/Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -7-
  8. 8. Como o fórum tem crescido a cada dia (156 membros registrados8), asmoderadoras e a administradora decidiram pesquisar e avaliar o nível de satisfação, asopiniões dos membros a respeito das discussões e receber possíveis sugestões. Sendoque o objetivo principal, é tentar entender a visão dos participantes acerca de umadiscussão literária na internet.Metodologia de Pesquisa Este trabalho trata-se de um estudo de caso, de caráter qualitativo e quetambém utiliza técnicas da pesquisa quantitativa, pois o objetivo foi fazer umlevantamento numérico dos participantes mais ativos do fórum, traçar um perfildestes participantes e saber suas opiniões. As pesquisas qualitativas estão relacionadasàs descobertas para seguintes perguntas: por quê? Como? E de que maneira? Alémdisso, as pesquisas qualitativas estão centradas em opiniões, experiências,sentimentos dos indivíduos, produzindo assim dados subjetivos. É interessanteobservar que a pesquisa qualitativa e a pesquisa quantitativa não se excluemmutuamente (Larsen-Freeman e Long, 1991 apud Racilan, 2005). Os dadosquantitativos são importantes para mensurar dados como idade, profissão, formaçãoescolar e utilização do computador. Por outro lado, as opiniões dos participantesproduzem dados qualitativos, que será nosso foco na análise dos dados. Elegemos o questionário como instrumento de coleta de dados, sendo queforam convidados tanto os participantes da lista de e-mails quanto os participantes dofórum JASBRA. A participação foi voluntária e o questionário deveria ser preenchidonum prazo de sete dias. O questionário foi dividido em 4 blocos. O primeiro blocoteve como objetivo fazer um levantamento do perfil do participante como: idade,escolaridade, letramento digital, entre outros. O segundo bloco averiguou aparticipação destes no fórum e na lista de e-mails. O terceiro e quarto blocos tiveramcomo objetivo tentar entender os motivos pelos quais os participantes acessam ofórum, a frequência, possíveis dificuldades, e suas opiniões. O quarto bloco se dividiu8 Em outubro de 2010.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -8-
  9. 9. em duas em etapas: 1) questões específicas sobre cada seção do fórum (seções:inicial, Jane Austen e Off topic); e 2) questões a respeito da opinião dos respondentessobre a leitura e a discussão de livros em fóruns online.Análise dos Dados Nesta seção, a análise e a discussão dos dados serão descritas em três etapas. Naprimeira etapa serão apresentados e discutidos os dados quantitativos, como perfil dosparticipantes e letramento digital. Em seguida, na segunda etapa, serão destacadosalguns pontos a respeito das participações na lista de e-mails. Finalmente, na terceiraetapa, aprofundaremos a análise sobre os motivos pelos quais os participantesacessam o fórum JASBRA, suas opiniões e como veem a literatura discutida em fórunsonline.Perfil dos Participantes De acordo com os dados, ficou evidente que os participantes pertencem aosexo feminino (95% = 36 mulheres), sendo que apenas dois homens participaram dapesquisa. O grupo é composto por pessoas jovens, pois a faixa etária predominante éa entre 21 e 30 anos (47%), sendo que há também um número elevado de pessoas comidades entre 21 a 25 anos (23,5%) e 36 a 40 anos (23,5%). A grande maioria mora naregião sudeste do Brasil (66%), porém, todas as regiões brasileiras possuemparticipantes, inclusive um do exterior. Considerando o nível de instrução, grandeparte dos pesquisados está frequentando o ensino superior ou já o concluiu (47,4%) eoutros cursam ou já concluíram a pós graduação (32%). Analisando a utilização dos computadores, 84% dos participantes afirmam serusuários há mais de 6 anos, sendo que muitos possuem um computador em casa e outilizam todos os dias, confirmado por 97% e 95% dos participantes respectivamente.Muitos, cerca de 55%, não realizaram cursos específicos para a utilização docomputador, o que indica que aprenderam sozinhos ou por auxílio de alguém (45%).Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação -9-
  10. 10. Ainda sobre o uso do computador, foi possível observar que a maioria dos participantesutiliza a internet para ler e-mails (97%), realizar pesquisas (92%) e acessar as redessociais (89%), além de utilizá-lo para diversas finalidades (como podemos observar nográfico a seguir). Gráfico 1 – Atividades realizadas através da internet Fonte: Questionário do Fórum JASBRA Os itens que poucos escolheram estão relacionados aos jogos, aos cursos adistância e às salas de bate-papo. É interessante observar o paradoxo que existe nobaixo interesse em escolher cursos (visando o aprendizado) e as salas de bate-papo(lazer). Já que a muitas pessoas que frequentam a rede tendem a buscar sempreuma das duas diretrizes/direções.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 10 -
  11. 11. A Lista de e-mails da JASBRA Com relação ao acesso a Lista de e-mails da JASBRA, 74% tem acesso à lista,sendo que dentre estes participantes, 47% participam ativamente, lendo erespondendo os e-mails que são postados. Entretanto, um outro grupo disse apenasler os e-mails (37%), sem realizar interações. Os maiores motivos para participaremdesta lista são: 1) afinidade com a temática (Jane Austen); e, 2) para receberemnotícias sobre a escritora e sobre a JASBRA. Além disso, alguns participantesafirmaram que leem os e-mails para acompanhar as atualizações do fórum (10,7%).Alguns observaram outras razões para participarem da lista, como: interação(P189), conversar com amigas (P19 e P35), clima amigável (P28) e “ter contatocom pessoas com formação diferente da minha mas que compartilham os mesmosinteresses” (P31). Entretanto, alguns participantes alegaram falta de tempo para acompanharas discussões, como relata P4: “... apesar de no momento não ser possívelinteragir muito com o grupo, por estar estudando bastante”. Os motivos que levamos 10 participantes a não serem inscritos na lista de e-mails são: falta de tempo(30%); por acreditar que a lista colocaria seu e-mail pessoal em exposição, nãorespeitando sua privacidade (10%); por desconhecer a existência da lista (50%) epor receber as atualizações do blog da JASBRA via RSS10. Estes dados nos alertampara o fato de que os participantes não sabem o que é discutido na lista, visto quea publicação via RSS é apenas sobre as atualizações do blog, enquanto que aparticipação de uma lista não necessariamente expõe o participante à e-mailsindesejáveis. Um comentário bastante intrigante foi o fato de um dos participantes não sesentir à vontade para participar porque “na maior parte de tempo, acho que não9 Optou-se por chamar de P cada participante e o número de acordo com ordem que responderam os questionários.10 RSS significa Rich Site Sumary ou Really Simple Syndication, é um formato que permite distribuir o conteúdo do seu site deuma forma padronizada que permite que ele seja lido em diversos leitores de notícias. Os endereços que distribuem notícias noformato RSS também são conhecidos como feeds. Existem feeds de notícias em outros formatos como RDF e Atom.(Wikipédia)Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 11 -
  12. 12. tenho muito a acrescentar nas discussões. Há pessoas com muito mais conteúdo emrelação a Jane Austen do que eu e prefiro ficar quietinha” (P34). No final deste bloco, os participantes puderam fazer sugestões, sendo que 7deles se expressaram dizendo que não tinham sugestões a serem feitas, indicandosatisfação com o uso das listas. Os outros comentários foram: importância damanutenção de listas como sendo uma forma a mais de discussão e de socialização;também foi citada a necessidade de dinamizar e integrar ainda mais osparticipantes, inclusive evidenciando detalhes diversos (como divulgações elançamentos de livros e DVDs) que em um fórum estariam em segundo plano.O Fórum de Discussão da JASBRA Considerando a participação no Fórum de Discussão JASBRA, 55% dospesquisados participam do fórum (21 pessoas11), ou seja, menos do que aqueles queacessam a lista de e-mails (74%). O que pode indicar que muitos não estãodispostos a entrar em um outro ambiente para realizar discussões optando pelalista de e-mails de forma prioritária ou que elegeram um espaço (fórum ou lista dee-mails) para acompanhar as discussões. Os outros 45% (17 pessoas) não participamdo fórum e destacam a falta de tempo para acompanhar as discussões e leitura doslivros (59%); não conhecer o fórum ou desconhecer as regra de sua utilização(23,5%); e não saberem dizer a razão (11,8%). Quanto à frequência de participação, podemos observar uma variação muitogrande, sendo que 1/3 dos participantes preferem visitar o fórum apenas quandorecebem avisos de que há novas mensagens nos tópicos que participam. As demaisfrequências de participações podem ser observadas no gráfico 2, a seguir:11 Os dados analisados a partir desta seção são baseados apenas nas respostas de 21 pessoas que afirmaram participar dofórum.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 12 -
  13. 13. Gráfico 2 – Frequência de visitas ao fórum Raramente 5% Esporadicamente 10% Quando recebo  aviso 32% Uma vez por mês 10% De 15 em 15 dias 14% Todos os dias 5% De 1 a 3 vezes por  semana 24% Fonte: Questionário do Fórum JASBRA É interessante observar que enquanto 21 participantes afirmam acessar ofórum, 57% deles leem e respondem os tópicos, enquanto que 43% apenas leem ostópicos sem interagir com os demais participantes. Os motivos que levaram as pessoas a participarem do fórum, estãocentrados, basicamente, na “possibilidade de discutir sobre temas e assuntos quelhes (me) interessam, aprofundar discussões sobre os livros de Jane Austen econhecer pessoas que tenham interesses semelhantes aos meus...” (P15). Cerca de 76% dos participantes disseram não sentir dificuldades aoutilizarem o fórum. Porém, 24% (5 pessoas) disseram ter alguma dificuldade departicipação, pois: • sentiam dificuldades técnicas, pois não sabiam navegar ou ler/responder os tópicos e mensagens;Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 13 -
  14. 14. • sentiam dificuldades de ler/responder os tópicos já que existem muitas mensagens; • não se sentiam entrosados com o grupo; • não acessam a internet todos os dias. A seção Inicial recebe muitas visitas, sendo que lá estão categorizados emtópicos as regras do fórum, seção de dúvidas, sugestões, apresentações demembros e dicas de blogs e sites. Cerca de 86% dos participantes respondem eleem o tópico de apresentações e cerca de 62% destes acompanham as mensagensdeste tópico. Na seção seguinte analisada (Seção Jane Austen), os participantesdemonstraram opiniões diversas, sendo ressaltado, principalmente, os tópicos delivros e adaptações para o cinema e televisão da obra de Jane Austen. Eles aindadisseram ter uma maior afinidade com estas duas seções afim de aprimorar os seusconhecimentos em relação aos livros através da discussão mediada. Alguns afirmamque as discussões às vezes perdem o foco, por outras pessoas tratarem de assuntosdestoantes do foco principal (Jane Austen e suas obras) ou por ligarem assuntosdesconexos em um só tópico. Talvez, pela ausência da dimensão de compreensãodo significado do letramento digital, os participantes não consigam evidenciar defato as suas preferências, se perdendo um pouco a respeito daquilo que de fato éimportante na discussão. Xavier (2009) explica que o letramento digital está ligadodiretamente à capacidade de utilizar de modo satisfatório os recursos que surgemou que são adaptados ao meio digital. Nisso se insere não somente a questãotécnica de utilização do meio digital, abrangendo também a questão da forma dese expressar do participante dentro da discussão. No entanto, a forma como a discussão é realizada atende as expectativas de90% das pessoas, indicando a satisfação dos mesmos com o atual sistema dediscussão adotado. Como moderadoras deste fórum, nos foi possível constatar quemuitos participantes não tem o dimensionamento real da funcionalidade de umfórum enquanto elemento de desenvolvimento do conhecimento. Muitas vezes,Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 14 -
  15. 15. foram criados vários tópicos relacionados a assuntos semelhantes, o que torna ainteração e o trabalho colaborativo mais difícil pois os participantes podem sesentir perdidos ou desestimulados diante de tantos tópicos. Neste caso éimportante o papel dos mediadores no sentido de resgatar a verdadeirafuncionalidade de um fórum, sendo necessário estabelecer o desenvolvimentocorreto no manejo da ferramenta online. Uma outra seção aberta no Fórum de Discussão JASBRA trata de tópicos nãoligados diretamente a obra da escritora Jane Austen, por isso, a Seção Off-topicfoi elaborada para o entretenimento daqueles que assim desejarem debater arespeito de outros temas quer sejam eles literários ou cine-televisivos. Esta seçãoatrai muitos dos participantes, já que envolve a discussão sobre trabalhos de outrosautores que tem proximidade em relação ao texto de Jane Austen. Sendo assim,muitos dos livros abordados nesta seção também possuem adaptações que geramdiscussões a respeito das nuances literárias destes demais autores. Para 76% dosparticipantes, o debate em torno do tópico das adaptações de séries e filmes arespeito dos livros são os assuntos mais interessantes. Já 52% percebem que outroatrativo está no tópico denominado biblioteca, onde estão concentradas asdiscussões em torno de outros autores. Ainda sobre esta seção, a vontade demonstrada pelos usuários está traduzidana intenção de participar desta pois mesmo se tratando de uma seção à parte,como o próprio nome diz (off-topic), ainda assim, Austen oferece um contrapontoas discussões geradas neste espaço. Muitos buscam realizar comparações entreautores, o que enriquece o debate em torno da discussão de obras dos autores queviveram em épocas semelhantes. Outros usuários também encontram em autoresmodernos, motivos para remeter detalhes de obras atuais como sendo inspiradas naobra de autores do passado. Os dados acima nos remetem à concepção de utilização do fórum comotrabalho colaborativo. De acordo com Rozenfeld, Gabrielli e Soto (2010) os fórunsdeveriam ser utilizados priorizando a questão da colaboração, porém muitosparticipantes consistem seus comentários somente como uma resposta automáticaUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 15 -
  16. 16. ao que foi dito anteriormente por outro participante, como se estivessem apenasconcordando e não desenvolvendo a discussão colaborativa. É preciso ressaltar queo participante não precisa da apreciação de seus comentários por parte domoderador. O sentido da colaboração indica que a apreciação do que se descreveem cada tópico deve partir dos próprios colegas, de modo a enriquecer oaprendizado de todos através do conhecimento compartilhado. Em se tratando decolaboração, foi possível perceber que os participantes mais experientes acabamajudando os outros a solucionarem dúvidas, como: colocar a foto no perfil, colocaruma assinatura personalizada no final da mensagem, criar um tópico deapresentação, etc. Na maioria dos casos, os participantes mais experientes nãoesperaram a intervenção das moderadoras a fim de explicar e ajudar o colega. Ainda a respeito da participação em tópicos diferentes da temáticaprincipal, 76% dos participantes consideram a discussão de outros temas comosendo de ajuda, ou seja, não atrapalha a condução do fórum. Já com relação aopinião dos mesmos sobre os temas de livros de abordagens modernas, 50%acreditam que estes livros não são nem fáceis e nem difíceis, e também sãoindiferentes quanto de ajudarem ou não na compreensão da temática centralabordada. Outro indicativo constatado é que, ao entrarem no fórum, metade dosparticipantes tinham inicialmente apenas o foco na discussão sobre os livros deAusten, passando a ter também interesse por outras discussões a partir de então. Os participantes demonstraram uma preferência pelo estilo clássico (48%),talvez sendo um indicativo de influência nas discussões, já que a temática principalconsiste na discussão de uma autora considerada clássica. Porém, muitosparticipantes demonstram uma abertura em relação a preferências, visto que 33%indicaram gostar ambos os estilos (clássico e moderno).Por fim, nesta seção, osjogos e brincadeiras existentes são indiferentes para os participantes, já que para68% deles não ajuda e nem atrapalha as discussões existentes. As considerações relacionadas aos fóruns e discussões online revelaram quepara todos os participantes o uso do fórum contribui para seus conhecimentosliterários em geral, indo além da questão de discutir sobre um autorUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 16 -
  17. 17. especificamente. Para 86% (20 pessoas), a colaboração entre os participantes éessencial para a evolução das discussões. Como considerações finais a respeito do fórum em geral, os participantesteceram vários comentários a respeito de suas funcionalidades, como: boaorganização, seriedade nos temas tratados e bom gosto nas abordagens realizadas.Como afirma P1: “O fórum, como ferramenta de discussão, traz mais seriedade aoespaço da Internet. Mas (...) devemos dar mais formalidade às discussões e cuidarpara que este não seja banalizado”. Este tipo de comentário nos faz refletir arespeito das possíveis visões distintas que os participantes tem do fórum: um lugarpara aprendizagem ou um lugar para passatempo e diversão. Não aprofundaremosnossa discussão sobre a aprendizagem formal e informal, mas enfatizamos quemesmo não se tratando de um ambiente formal de aprendizagem (um curso, porexemplo), o fórum representa para alguns um ambiente de aprendizagemcolaborativa e compartilhamento de saberes. O que consideram como aspecto negativo consiste mais nas própriasdificuldades dos participantes do que por problemas encontrados no fórum, alémda falta de tempo para participar (P28). Também se sentem intimidados pelo fatode que algumas abordagens se tornam mais difíceis de prosseguir, dado o nível dadiscussão, como podemos observar na resposta de P32 “... às vezes perco a ordeme leio msgs mais antigas como se fossem recentes e perco do fio da meada...”.Sugerem ainda que exista maior interação com a participação mais constante dosparticipantes e que os avisos sobre a colocação e retirada de tópicos seja melhorevidenciada. Os participantes ainda ressaltam que tem motivação para participar, masque a falta de tempo é o principal fator que os distanciam de uma melhorcolaboração no fórum. Os que afirmaram se sentirem desmotivados, afirmaram queexiste timidez e a própria questão do tempo como fatores inibidores para aparticipação, o que acarreta o seu afastamento do fórum. Por fim, a preferência relacionada ao formato de discussão adotado, 62% dosparticipantes dizem ser indiferentes ao tipo de local de discussão, ou seja, paraUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 17 -
  18. 18. estes, tanto faz se a discussão transcorre no meio online ou presencial. Entretanto,se observarmos que a maioria das respostas relacionadas às dificuldades departicipação no fórum, se concentram na falta de tempo, soe estranho a afirmaçãodos participantes de que eles também preferem a discussão presencial. Alémdisso, se considerarmos o panorama atual, onde todos tem diversos tipos deatividades (inclusive estudar e trabalhar), o tempo livre certamente é utilizadopara atividades pessoais e, então, é possível concluir que o tempo gastovirtualmente é curto. Logo, a preferência pela utilização dos fóruns consiste emuma alternativa aos encontros presenciais que muitas vezes não tem viabilidade,devido ao desencontro das agendas das pessoas. Este é um dos pontos fortes nacontribuição do desenvolvimento não somente dos fóruns, mas também, das redessociais em geral.Considerações Finais O trabalho desenvolvimento até o momento, no fórum de discussão daJASBRA, tem gerado boas discussões e interesse dos participantes. O maior motivode não partipação no fórum é a falta de tempo. Entretanto, devemos procurarentender se o real motivo é falta de tempo mesmo, visto que a grande maioria dosusuários acessam a internet todos os dias e realizam as mais diversificadas tarefasonline. É preciso também levar em consideração que a infrequência de muitosparticipantes está no fato de que eles não se sentem preparados para discutirem enão se sentem engajados no processo, conforme afirma Wolsey (2004). A interação também é fundamental para o desenvolvimento das discussões.Enquanto muitos participantes leem e respondem as mensagens dos outros, algunsparticipantes se limitam apenas a ler o que os outros escrevem. Esta atitude,apesar de compreensível, desmonta o conceito de interação de Belloni (2001), vistoque para haver interação em um fórum online, é necessário dois ou mais sujeitos,sendo uma ação de reciprocidade entre ambos.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 18 -
  19. 19. De um modo geral, o fórum atende às características de comunidadadesonline propostas por Preece (2000 apud Tavares, 2007), como: • Interação social – já que os participantes buscam satisfazer suas necessidades ou assumir papéis como liderança ou moderação. • Propósito compartilhado – possuem interesses em comum e trocam informações que se transformam em conhecimento através das discussões. • Sistemas de computador – utilizam diversas mídias para apoiar suas discussões. • Políticas – seguem as regras do fórum e utilizam linguagem alternada entre o formal e a informal (emoticons). Além das características citadas anteriormente, acrescentandos também acaracterística da afetividade entre os participantes, pois muitos utilizam o fórumcomo uma forma de estarem juntos (virtuamente) e acreditam que estãofortalecendo os laços de amizades nascidas no meio digital. Conforme discutido anteriormente, na análise dos dados, é necessário selevar em conta que algumas deficiências precisam ser sanadas. Com o objetivo demelhorar a estrtura do fórum é necessário considerar as opiniões relatadas pelosparticipantes, com tópicos mais explicativos e a retirada de alguns desnecessários.Outra melhoria a ser realizada é justamente trabalhar a questão do letramentodigital, uma possível solução é elaborar um manual do usuário com detalhes arespeito de como preencher corretamente o perfil, inserir imagens e vídeos nasmensagens. Na realidade, já existe no fórum uma seção com instruções parapreencher o perfil do usuário, mas não é possível afirmar se todos participantesleem os tópicos escritos ali. Para evitar eventuais disperções a respeito do tema tratado, os moderadorespoderiam criar artifícios que aproximem os participantes das discussões principais.Neste caso, se faz necessário que os temas mais livres como os que são abordadosna seção off-topic possam ser mais pontuais e sem brechas para muitas extensões eUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 19 -
  20. 20. que os mesmos não chamem mais a atenção do participante do que o temaprincipal da discussão, sob o risco de ocorrer disperção dos assuntos e assimprovocar o desinteresse pelo fórum. Tudo isso para o fato de que cada participanteprecisa desenvolver a consciência dos reais motivos que o levam a participar dosfóruns de discussões, evitando o desestímulo e a consequente desistência emparticipar do mesmo. O desafio dos ambientes informais de aprendizagem, como o fórum daJASBRA, é incentivar a autonomia e a criatividade dos participantes, e a literaturae a tecnologia são excelentes ferramentas para alcançar este objetivo (Botelho,2008). Além disso, é importante destacar que os participantes devem reavaliar seusconceitos a respeito de aprendizagem, já que nos últimos anos, as novastecnologias têm contribuido muito para que as pessoas sejam autores de suaprópria aprendizagem.Referências BibliográficasALMEIDA, P. P. Fontes de Informação Literária na Internet: Uma Avaliação. 2008.91 f. Dissertação (Mestrado em Literatura), Universidade Federal de SantaCatarina, Florianópolis, 2008. 91f. Disponível em:<http://www.tede.ufsc.br/teses/PLIT0303-D.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de2010.BATISTA, E. M.; GOBARA, S. T. O fórum online e a interação em um curso àdistância. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação (UFRGS), PortoAlegre, 2007. Disponível em<http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/8cErlinda.pdf>. Acesso em: 23 desetembro de 2010.BELLONI, M. L. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 2001.BEZERRA, B. G. Ler e Escrever no Orkut: Práticas Discursivas dos Alunos na Visãodos Gêneros Bilhetes e Recados. In: RIBEIRO, A. E.; VILLELA, A. M. N.; SOBRINHO,J. C.; SILVA, R. B. (Orgs.) Linguagem, Tecnologia e Educação. São Paulo: EditoraPetrópolis, 2010. 316 p. p. 177 – 190.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 20 -
  21. 21. BOTELHO, M. Teaching Literature through New Technologies. Dissertação(Mestrado em Ensino de Inglês), Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2008.Disponível em: <http://www.fcsh.unl.pt/docentes/cceia/mestrado-em-ensino-do-ingles/trabalhos-de-projecto-viva-voce-examinations/marlene-botelho.pdf>.Acesso em: 23 de setembro de 2010.BRITO, Florisa de Lourdes. Software multimídia para auto-aprendizagem delíngua estrangeira: análise de um software e uma proposta de matriz avaliativa.CARVALHO, T. L. O E-mail Como Ferramenta de Apoio No Ensino de Espanhol:Uma Experiência no Núcleo de Línguas da Universidade Estadual do Ceará. In:Anais do III Encontro Nacional sobre Hipertexto, 2009, Belo Horizonte. : CEFET-MGDisponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/m-o/o-email-como-ferramenta-de-apoio.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.CASTEK, J.; BEVANS-MANGELSON, J; GOLDSTONE, B. Reading Adventures Online:Five Ways to Introduce the New Literacies of the Internet Through ChildrensLiterature. The Reading Teacher, 2006, 59 (7), 714–728.CAVANAUGH, T. W. Using technology enhancement in the literature circle as anaccommodation for learners with special needs. SITE Orlando, 2006. Disponívelem: <http://www.unf.edu/~tcavanau/presentations/SITE/pres_tech-lit-cir/technology_enhancement_literature_circle_accommodation.pdf>. Acesso em:23 de setembro de 2010.DAVIS, K. A. Validity and Reliability in Qualitative Research on Second LanguageAcquisition and Teaching: Another researcher comments. TESOL Quarterly Digital,v. 26, n. 3, p. 05-608, 1992.Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada) Curso de Pós-Graduação emLinguística Aplicada, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2004.DUBNER, A. Mídia Social. 2010. Disponível em:<http://www.midiasocial.com.br/home/default.asp>. Acesso em: 23 de setembrode 2010.FARMER, J. Communication dynamics: Discussion boards, weblogs and thedevelopment of communities of inquiry in online learning environments. In:ATKINSON, R.; MCBEATH, C.; JONAS-DWYER, D. & PHILLIPS, R. (Eds.). Beyond thecomfort zone: Proceedings of the 21st ascilite conference, 2004, p. 274.28.Disponível em:<http://www.ascilite.org.au/conferences/perth04/procs/farmer.html>. Acessoem: 23 de setembro de 2010.FAURY, M. L.; KUNTZ, M. C. O Módulo Textos Literários do curso Itinerários deLeitura em Francês a Distância: uma experiência. Revista Digital de TecnologiaUniversidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 21 -
  22. 22. Educacional e Educação a Distância, 2004. Disponível em:<http://www4.pucsp.br/tead/n1a/artigos%20pdf/artigo5.pdf>. Acesso em: 23 desetembro de 2010.GALLARDO, B. C. Letramentos Digitais e Aprendizagem de Língua Inglesa nas RedesSociais Virtuais. In: RIBEIRO, A. E.; VILLELA, A. M. N.; SOBRINHO, J. C.; SILVA, R. B.(Orgs.) Linguagem, Tecnologia e Educação. São Paulo: Editora Petrópolis, 2010,316 p. p. 302 – 312.HOUAISS A. Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição revista e ampliada. Rio deJaneiro: Editora Moderna, 2004.LARSEN-FREEMAN, D.; LONG, M.H. An Introduction to Second LanguageAcquistion Research. New York: Addison Wesley Longman, 1991.LEITE, M. T. M. . O ambiente virtual de aprendizagem Moodle na práticadocente: conteúdos pedagógicos. UNIFESP Virtual, 2008. Disponível em:<http://www.virtual.unifesp.br/cursos/oficinamoodle/textomoodlevvirtual.pdf>Acesso em: 23 de setembro de 2010.LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.LIN, Hui-wei. Teaching Literature: Internet as a Window of Opportunities. 1997.Disponível em:<http://ir.chna.edu.tw/bitstream/310902800/9925/1/97CN9734.pdf>. Acesso em:23 de setembro de 2010.MACHADO. J. L . A. Conhecendo os recursos de aprendizagem on-line: Fóruns deDiscussão. Portal Planeta Educação, 2010. Disponível em:<http://www.planetaeducacao.com.br/novo/imagens/artigos/diario/Conhecendo-os-recursos-de-aprendizagem-on-line.pdf>. Acesso em: Acesso em: 23 de setembrode 2010.MARCUSCHI, L. A. G. Gêneros Textuais Emergentes no Contexto da TecnologiaDigital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C (Orgs.) Hipertexto e Gêneros Digitais.Rio de Janeiro: Papirus, 2005, p. 13 – 67.MCGRATH, L. Rare Books in the Classroom! Interactive Programs and DigitalCollections of Historical Children’s Books. In: BOOTH, D.; PETERSON, S; JUPITER, C.Books, media, & the Internet: childrens literature for todays classroom.Winnipeg: Portage & Main Press, 2009. p. 163 – 173.MIRANDA, L; MORAIS, C.; ALMEIDA, C. e DIAS, P. A Web como Fonte de Pesquisas naConstrução de Ambientes de Aprendizagem. In: SILVA, B. e ALMEIDA, L. (Orgs.),Actas do VI Congresso Galaico-Português de Piscopedagogia, Vol 1, p. 333 – 342.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 22 -
  23. 23. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia da Universidade do Minho,2001. Disponível em:<https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/1064/1/AA2001_Web_Expectativas_Ambientes_Aprendizagem.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.NETO, V. L.; ARAÚJO, J. C. Relações Intergenéricas na Construção do Scrap doOrkut. In: Anais do II Encontro Nacional sobre Hipertexto, Fortaleza: UFCE, 2007.Disponível em:<http://www.ufpe.br/nehte//hipertexto2007/anais/ANAIS/Art46_Lima-Neto&Araujo.swf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.NUNES, C. P. & MOURA, C. A. C. Literatura Digitalizada: O Novo Processo deLeitura, a Partir da Obra The Scarlet Leter em sua Versão Digital. Anais do IIIEncontro Nacional sobre Hipertexto, Belo Horizonte: CEFET-MG, 2009. Disponívelem: <http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/g-l/Literatura-digitalizada-o-novo-processo-de-leitura-a-partir-da-obra-The-Scarlet-Letter-em-sua-versao-digital.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.OLIVERIA, S. M. G. P. Motivação em um projeto de penpals via correio eletrônicona aula de inglês: um estudo descritivo. Dissertação (Mestrado em EstudosLinguísticos) Programa de Pós Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade deLetras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.PAIVA, V. L. M. O.; RODRIGUES JÚNIOR, A. S. O footing do moderador em fórunseducacionais. In: ARAÚJO, J. L. (Org.). Internet & Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna,2007.PALLOFF, R.; PRATT, Kh. Construindo Comunidades de Aprendizagem noCiberespaço. Porto Alegre: Artmed, 2002.PAVARIN, Guilherme. Brasil, o país que reina nas redes sociais. INFO Exame, 06 deabril de 2009. Disponível em: <http://info.abril.com.br/noticias/internet/brasil-o-pais-que-reina-nas-redes-sociais-06042009-41.shl>. Acesso em: 23 de setembro de2010.PENTEADO, M. T. L. ORKUT NA ESCOLA OU A ESCOLA NO ORKUT? - O potencial dasala de informática como espaço de aprendizagem e sociabilidade virtual. Anais doIII Encontro Nacional sobre Hipertexto, Belo Horizonte: Belo Horizonte 2009.Disponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/m-o/orkut-na-escola.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.PEREIRA, Rebeca Sales; ARAÚJO, Júlio César Rosa de. Café e idiomas na web: oLive Mocha na aprendizagem de línguas estrangeiras. In: RIBEIRO, A. E.; VILLELA, A.M. N.; SOBRINHO, J. C.; SILVA, R. B. (Orgs.) Linguagem, Tecnologia e Educação.São Paulo: Editora Petrópolis, 2010, 316 p. p. 273 – 289.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 23 -
  24. 24. PORTER, S. Introduction: Technology in Teaching Literature and Culture – SomeReflections. Teaching European Literature and Culture with Communication andInformation Technologies, 1999. Disponível em:<http://users.ox.ac.uk/~ctitext2/publish/occas/eurolit/porter.html>. Acesso em:23 de setembro de 2010.PRADO, M. Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidadespedagógicas. Série “Tecnologia e Educação: Novos tempos, outros rumos” -Programa Salto para o Futuro, Setembro, 2002. Disponível em:<http://www.eadconsultoria.com.br/matapoio/biblioteca/textos_pdf/texto21.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.ROZENFELD, C. C. F.; GABRIELLI, K. S. O Fórum Educacional em Cursos Virtuais deLíngua Estrangeira como Ferramenta de Interação: Uma Análise Crítica de DuasExperiências. In: RIBEIRO, A. E.; VILLELA, A. M. N.; SOBRINHO, J. C.; SILVA, R. B.(Orgs.) Linguagem, Tecnologia e Educação. São Paulo: Editora Petrópolis, 2010,316 p. p. 260 – 272.SILVA, A. O Uso do Blog Educacional no Ensino Superior. Anais do II EncontroNacional sobre Hipertexto, Fortaleza: UFCE, 2007. Disponível em:<http://www.ufpe.br/nehte//hipertexto2007/anais/ANAIS/Art04_%20Silva-Adriana%20da.swf>. Último acesso: 23 de setembro de 2010.SILVA, S. G. Fórum Educacional Digital: dialogismo e construção doconhecimento. Dissertação ( Mestrado em Língua Portuguesa) PontifíciaUniversidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009b.SILVA, S. L. O Chat Educacional: Relato De Uma Experiência Com O Gênero TextualNo Curso Superior. Anais do III Encontro Nacional sobre Hipertexto, BeloHorizonte: Belo Horizonte 2009a. Disponível em:<http://www.ufpe.br/nehte/hipertexto2009/anais/m-o/o-chat-educacional.pdf>.Acesso em: 23 de setembro de 2010.SOUZA, R. A. O “chat” em língua inglesa: interações na fronteira da oralidade eda escrita. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) Programa de PósGraduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras, Universidade Federalde Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.TAVARES, K. C. A. Comunidade Online: Discutindo Possíveis Definições. Caderno deLetras, Rio de Janeiro, n. 23, p. 153-162, jan./dez. 2007. Disponível em:<http://www.letras.ufrj.br/anglo_germanicas/cadernos/numeros/0X2007/textos/cl23052007katia.pdf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 24 -
  25. 25. TAVARES, K. C. A. Os papéis e o Trabalho do Moderador de Listas de Discussão.Pesquisas em Discurso Pedagógico 3. Revista do IPEL, Universidade Católica do Riode Janeiro: Rio de Janeiro, p. 72 – 88, 2005.WARSCHAUER, M., & WARE, M. Learning, change, and power: Competing discoursesof technology and literacy. In J. Coiro, M., Knobel, C. Lankshear, & D. J. Leu (Eds.)Handbook of research on new literacies. New York: Lawrence Erlbaum Associates,2008, p. 215 - 240. Disponível em:<http://www.gse.uci.edu/person/warschauer_m/docs/lcp.pdf>. Acesso em: 23 desetembro de 2010.WHITIN, P.E. “Tech-to-Stretch”: Expanding Possibilities for Literature Response.The Reading Teacher, 62(5), p. 408–418, 2009.WIKIPÉDIA. Rede Social. Wikipédia, 2010. Disponível em:<http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.WOLSEY, T. D. Literature discussion in cyberspace: Young adolescents usingthreaded discussion groups to talk about books. Reading Online, 7(4), 2004.Disponível em:<http://www.readingonline.org/articles/art_index.asp?HREF=wolsey/index.html>.Acesso em: 23 de setembro de 2010.XAVIER, Antônio Carlos S. Letramento digital e ensino. Núcleo de Estudos deHipertexto e Tecnologia Educacional, 2009. Disponível em:<http://www.ufpe.br/nehte/artigos/Letramento%20digital%20e%20ensino.pdf>.Acesso em 01 de Novembro de 2010.ZARDINI, A. S.; COSTA, J. W. Penfriend – Amigos por Correspondência: Um Projetode Incentivo à Escrita em Língua Inglesa. The Especialist – São Paulo: PontifíciaUniversidade Católica de São Paulo, v. 30, n. 1, p. 83 – 108, 2009.ZARDINI. A. S.; COSTA, J. W. “I Blog, You Blog, Weblog”: O Uso do Blog ComoRecurso para Leitura e Escrita em Língua Inglesa. Anais do II Encontro Nacionalsobre Hipertexto, Fortaleza: UFCE, 2007. Disponível em:<http://www.ufpe.br/nehte//hipertexto2007/anais/ANAIS/Art75_Zardini&Costa.swf>. Acesso em: 23 de setembro de 2010.Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação - 25 -

×