Revista forma renascimento x barroco

7,551 views

Published on

Revista Forma , ano 1, número 2 é um trabalho da disciplina História da Arte e da Arquiteura III, ministrada pela Professora Viviane Marques do curso de Arquitetura e Urbanismo das Faculdades Pitágoras, coordenadora Paula Alcântara.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,551
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
61
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista forma renascimento x barroco

  1. 1. FORMA Revista A Técnica da Vida da Arte R$12,90 EDIÇÃO 2 Por Velasquez e Da Vinci Ano IOutubro, 20127291354739484
  2. 2. FORMA outubro Revista O Sentimentalismo e o Êxtase Página 5O Sentimentalismo e o Êxtase...................................................................................................pág.5São Pedro em Montorio e Santo André do Quinral:Comparativo Arquitetónico.......................................................................................................pág. 7A Técnica da Vida da Arte Por Velasqueze Da Vinci.................................................................................................................................pág. 12Tudo Sobre a Arquitetura e a Vida deGuarino Guarini e Leon Battista Albertini...........................................................................pág. 14Créditos.....................................................................................................................................pág. 16
  3. 3. fale com aRedação FORMA RevistaComentários sobre o conteúdo editorial, sugestões e críticas a matérias.E-mail: redacao.revistaforma@forma.com.brFax: (38) 1010-1010Caixa Postal: 10101, CEP 10101-101, Montes Claros, MGCartas e mensagens devem trazer o nome completo e o endereço do autor. Por razões de espaço ouclareza, elas poderão ser publicadas resumidamente.Site: www.revistaforma.com.brPedidos e informaçoes relacionadas às reportagens.E-mail: servicos.revistaforma@forma.com.brFax: (38) 1010-1010Para assinar.Site: www.assineforma.com.brTel.: (38) 0101-0101 em Montes Claros e 0100 101 0101 nas demais localidades (de Segunda a Sexta,das 8 às 22 horas, e Sábado, das 9 às 16horas)Atendimento ao clientePara consultar os dados de sua assinatura, comunicar mudanças de endereço e tirar dúvidas sobrepagamento ou entrega de sua revista, acesse nosso site e resolva online tudo sobre suasassinaturas. Fácil de navegar e útil a qualquer hora.Site: www.revistaformasac.com.brE-mail: forma.sac@forma.com.brTel.: (38) 0110-1001 em Montes Claros e 0100 101 0011 nas demais localidades (de Segunda a Sexta,das 8às 22horas)Fax: (38) 0001-1000Publicidade - Anuncie na Revista Forma:E-mail: publicidade.forma@forma.com.brTel.: (38) 1001-1100 - Montes ClarosFax: (38) 1111-0000ReprintsCópias de reportagens (mínimo de 500) impressas com a capa de edição e direito de reprouduçãogarantiudo.E-mail: reprint.revistaforma@forma.com.brFax: (38) 1110-0001Trabalhe conoscoSite: www.revistaforma.com.br/trabalheconosco
  4. 4. Revista FORMA Apresentação Esta revista foi elaborada pelos alunos do 3° período de Arquitetura e Urbanismo dasFaculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros e tem a finalidade de transmitir no meiovirtual o conhecimento da matéria de História da Arte III lecionada pela professora VivianeMarques. Esta Segunda edição foi criada por um grupo de quatro alunos sob a supervisão deViviane Marques e Paula Alcântara, esperamos contribuir para o seu conhecimento em artesbarrocas e renascentistas. Equipe de Arquitetura e Urbanismo: Lhorenn Soares Maíra Damasceno Lucas Rametta Tathiana Cavalcante Coordenadora: Paula Alcântara Orientador: Viviane Marques 4
  5. 5. Revista FORMA O Sentimentalismo e o ÊxtasePor Lhorenn Soares O renascimento surgiu no final do século XIV ao século XVI, a partir do naturalismo e davalorização da ciência, que firmou o antropocentrismo na sociedade. As artes renascentistas são decaráter naturalista, onde os artistas buscam a união da razão com a ciência, havendo umavalorização dos aspectos culturais do passado. As esculturas renascentistas eram titânicas e na maioria, representações de figuras humananua ou semi-nua, onde o artista procurava exprimir paixões e sentimentos clássicos do homem,tendo como fonte de criação a bíblia, a natureza e a mitologia. O Barroco surgiu a partir do renascimento, nos séculos XVI ao século XVIII, define-se pelabusca de um equilíbrio entre os diversos componentes da composição, onde as partes não sãoperfeitas em si, como no Renascimento, mas adquirem harmonia pela sua relação dinâmica. OBarroco é a arte da harmonia intensa, por vezes dramática. Michelangelo Buonarroti (1475-1564) é um artista renascentista, podemos destacaruma das suas obras a Pietá (que significa piedade), escultura esculpida em mármore carrara. Estaobra se encontra na Basílica de São Pedro no Vaticano. A Pietá trata o tema da mãe com seu filho morto em seu colo, uma das cenas maisdramáticas da iconoclastia. A beleza trágica é fruto do classicismo presente, onde a angustia doFigura 1: Êxtase de Santa Teresa Figura 2: Pietá 5
  6. 6. Revista FORMAmomento e a serenidade são unidos, há também um clima de melancolia, podemos observar quehá a ausência do sofrimento explicito. Na expressão do Cristo podemos observar que não há uma representação da morte esim é retratado a serenidade de um homem e o seu físico. A mão direita da virgem demonstra aforca com que ela segura - o em seus braços, os dedos estão entreabertos afim de se evidenciar ascostelas do homem. Pode-se observar uma composição da escultura em forma piramidal. Um dos ladosdesse triangulo é formado pelo dorso, a região glutea e a coxa direita do Cristo. A panturrilha e opé direito deste compõem o segundo lado. O terceiro é constituído por uma linha sobre o mantoda virgem, que começa nos pés do cristo e se eleva até a extremidade esquerda da estátua. Ao pédireito do Cristo pode-se observar entre as dobras do manto algumas costelas seccionadas. Gian Lorenzo Bernini (1589-1680), artista barroco, foi o criador da obra O Êxtasede Santa Teresa, escultura também esculpida em mármore atualmente ela se encontra em umnicho em mármore e bronze dourado na Capela Cornaro, Igreja de Santa Maria della Vittoria,Roma. A base dessa escultura é composta por um arranjo que parece a imitação de umanuvem, com formas que sugerem uma movimentação dinâmica, onde a mulher representada éenvolta por essa armação dando a impressão de estar suspensa no ar. A figura feminina encontra-se deitada, sob a base onde remete supostamente a umanuvem , aparentemente em um estado entre o prazer e a dor. A mão e o pé esquerdo caídos,remetem a um estado de entrega , a boca entre aberta deixa transparecer a sensação de um gozoque é alcançado pela dor, dor esta que está ligada ao prazer pelo abandono do corpo. De pé, em frente da mulher, se encontra uma figura jovial com asas, rosto delicado,sorriso enigmático. Ele carrega na mao um dardo e segura sua túnica de forma sutil como se fosseataca-la com a flecha. Uma estrutura metálica em forma de raios na cor dourada desce da cúpula da capelaonde a escultura se encontra. Os raios são iluminados por uma luz representando certanaturalidade, proporcionando a ela um tom mais divino com os raios que descem sobre ospersonagens representados. Enquanto a Pietá, de Michelangelo, transmite a ideia de uma cena bíblica e delicada aescultura de Bernini, transmite a seu observador uma ideia de prazer e gozo de forma sutil. Aescultura de Bernini retrata um episodio presente na autobiografia de uma monja a Santa TeresaDÁvila, mas o artista também buscou ressaltar a especulação surgida no renascimento quanto aconcepção de sagrado e profano. 6
  7. 7. Revista FORMASão Pedro em Montorio e Santo André do Quirinal: Compatativo ArquitetônicoPor Thatiana Cavalcante Século XV, após uma época de “trevas”, como foi denominada a Idade Média, a arte retoma seu fôlego. Os artistas italianos saem de um estado de extremo decorativismo e excessividade, e influenciados por muitos vestígios da Roma antiga, que permanecem até osdias de hoje em solo italiano, os influencia na plástica edificatória local, na utilização deelementos ou materiais já conhecidos, mantendo vivo o espírito das formas clássicas. Nasceentão o Renascimento, período de extrema renovação tanto no plano teórico quanto noartístico. Dois séculos mais tarde surge o estilo Barroco que contrapõe o Renascimento em suasformas e na monumentalidade. Movido pela Contra Reforma, rejeita a simetria do estiloanterior, destacando o dinamismo e a imponência. Há grande emotividade tanto na arquiteturaquanto nas artes plásticas, conseguidos através de elementos arquitetônicos e técnicas depintura e escultura. Em ambos os estilos, na arquitetura, a expressão típica foi à construção de igrejas. Aarquitetura sacra foi composta de variados elementos dando efeito emotivo e grandioso. O tetoelevado e elaborado com elementos de escultura dá uma dimensão do infinito; as janelaspermitem a penetração da luz de modo a destacar as principais esculturas; as colunastransmitem uma impressão de poder e de movimento. No Renascimento destaca-se a construção de Donato Bramante, a capela de São Pedroem Montorio localizado em Roma, construída a pedido do Papa Júlio II em 1502. No Barrocoa construção de Gian Lorenzo Bernini, a Igreja de Santo André do Qurinal. Em 1658, ondeesse foi contratado para projetar uma nova igreja para os noviços da Companhia de Jesus, nacolina Quirinal. A capela de São Pedro em Montorio foi construída no local onde já havia outra do século IX,marcando onde, de acordo com a tradição, foi crucificado São Pedro. A sua planta mostra umespaço circular fechado em um quadrado, rodeado por um pórtico em forma de anel, comcolunas. A capela é circular e totalmente simétrica, mostrando o rigor dos edifícios clássicos (fig.1).A rotunda, edifício circular que termina em cúpula arredondada, não era uma concepçãointeiramente nova, edifícios circulares já existiam no século XV. O diferencial é a cela (câmaraprincipal dos templos clássicos) ou sala do templo que foi construída igual às da Antiguidade,onde uma colunata (grupo de colunas espaçadas e ordenadas de acordo com sua relaçãoestrutural) em forma circular sustenta a arquitrave (viga principal que se estende de coluna acoluna, apoiando-se diretamente nos capitéis). Assim como a capela de Bramante, a Igreja de Santo André do Quirinal, localizada sobrea colina Quirinal em Roma, foi projetada para substituir outra já existente situada em um terrenopequeno. Bernini então frente ao terreno diminuto e complicado empregou uma forma oval,uma planta elíptica, que seria algo inaceitável no Renascimento, uma vez que rompia com oclassicismo grego/romano.Esse plano elíptico foi ideal para o terreno, pois sua versatilidade era 7
  8. 8. Revista FORMA ideal para “esconder” as dimensões difíceis do terreno, a planta possuindo dois centros, sendo um eixo longo e um curto.Figura 1: Planta baixa, São Pedro em Montorio. A rotunda envolta por colunas Figura 2: Planta baixa, Santo André do Quirinal. Forma elíptica, rompimento com o(colunata). clássico. Pode-se perceber o eixo curto, sentido longitudinal, e o longo, sentido latitudinal. Pode-se perceber na fachada de São Pedro a influência clássica, a rotunda assentadasobre uma plataforma de três degraus que circundam por toda a sua extensão, essa é rodeadapor colunas dóricas. Acima das colunas está à arquitrave, formando o pavimento superior, estesendo rodeado por balaústres.O andar superior recua em relação aos balaústres, com janelasque alternam entre nichos retangulares e semicirculares, janelas que iluminam o interior, com aluz que penetra por uma abertura no domo.Ainda no andar superior ergue-se a cúpula.Característico do Renascimento a fachada é pouco adornada e se assemelha aos edifíciosclássicos. Contrariando o classicismo da fachada da capela de São Pedro, a obra de Bernini, afachada é estreita de forma a não esconder a forma elíptica do edifício, ladeada por duas colunasonde sobre estas há capitéis coríntios. No topo destas há um frontão triangular, e na parteinferior, uma escadaria semi-ricular. No topo da escada, há uma varanda criada por Berninicom duas colunas jônicas, acima destas há o pórtico da igreja, projetado com o brasão doCardeal Pamphilj. 8
  9. 9. Revista FORMAFigura 3: Fachada capela de São Pedro em Montorio. Figura 4: Fachada da Igreja de Santo André do Quirinal, Roma.O interior de ambas as obras nos leva ao contato com o que veio a ser a arquitetura renascentistae barroca, o clássico e a contraposição à simetria, a emotividade e a grandiosidade. O interior da capela de São Pedro em Montorioé considerado um rompimento com atradição clássica, pois esse é considerado pequeno, uma vez que o interior da cela, parteprincipal da capela possui apenas 4,5 m, aproximadamente. Sendo que, quase a metade dopavimento térreo é ocupada pelo altar e pelos degraus do altar de forma que só há espaço para opadre e seus ajudantes. O interior é branco, composto por nichos, recuos nas paredes que abrigam as esculturas;e adornados com colunas da ordem dórica. Os nichos do interior são colados exatamente nolugar dos exteriores. A capela é decorada com obras de arte datadas do século XVI e XVII degrandes mestres. Ainda no interior há uma passagem que leva à cripta onde jaz São Pedro. Muito diferente da obra de Bramante, que se mostra simples, uma vez que o arquiteto sedeteve ao exterior trabalhando pouco o interior, a obra de Bernini se sobressaí. Bernini aconsiderou como o seu mais brilhante feito e de fato ele o é. Ao entrar na Igreja logo pode ser avistado o altar-mor, nesse momento pode-seperceber que a distância do observador ao altar é o eixo-curto, a distância menor. Oentablamento desse quebra um pouco para frente criando uma capela articulada por colunas daordem coríntia. No altar há a pintura O martírio de Santo André, de Borgognone. Acima dofrontão do altar-mor Bernini colocou uma escultura de Santo André. 9
  10. 10. Revista FORMA A primeira capela da Igreja de Santo André abriga três telas de Baciccia: Morte de SãoFrancisco Xavier e outros dois quadros de 1705. Na segunda capela se encontram trêsquadros de Giacinto Brandi de 1682. Na capela seguinte à esquerda há Nossa Senhora comMenino e São Estanislau de Kostka, de Carlo Marattacome há também um pedaço pintado emafresco sobre A glória dos Santos de Giovanni Odazzi. Na quarta capela há novamente Nossa Senhora com Menino e Santos, de LudovicoMazzanti, com teto sobre a Gloria dos Anjos, de Giuseppe Chiari.Figuras 5: Interior da Capela de São Pedro em Montorio Figura 6: Altar-Mor. Pintura ao centro retratando o martírio de Santo André. O martírio de Santo André, Borgognone. Figura 7: Escultura de Santo André, localizada acima do frontão do altar-mor. 10
  11. 11. Revista FORMA Mediante a diferença entre o interior de ambas as edificações sacras, onde uma segue origor clássico, possuindo seu interior pouco adornado; a outra foge quase quetotalmente doclássico, se não fosse os elementos arquitetônicos como colunas, frontão, entablamento. Há ainda um elemento arquitetônico em ambas as edificações que se constitui de uma dasprincipais características da arquitetura renascentista e estando presente na arquitetura barroca,à cúpula, elemento presente em ambas às construções, Capela de São Pedro em Montorio eIgreja de Santo André do Quirinal. A cúpula da Capela de São Pedro é hemisférica (metade de uma esfera) e foi construídaem alvenaria com argamassa. Essa foge da construção formal em que a cúpula elava-sediretamente da ordem principal, Bramante então inseriu um nível intermediário em forma detambor cuja altura é aproximadamente o raio da cúpula. A cúpula é simples não possuiornamentação a não ser pela sua cor, azul. A iluminação entra a partir das janelas dispostas emvolta do nível intermediário à cúpula. Diferente da cúpula da capela, a cúpula de Santo André ergue-se de forma clássica acimada ordem principal, essa foi dividida em dez partes iguais de onde partem as janelas e aornamentação, com esculturas e estuque dourado e branco.Figura 8: Cúpula da Capela de São Pedro em Montorio. Figura 9: Cúpula da Igreja Santo André do Qurinal. Tendo passado dois século do Renascimento ao Barroco, o classicismo perpetuou,ainda que os arquitetos tentassem romper com esse, involuntariamente ou não, ao inserirnovas técnicas as suas edificações. De todo modo à racionalidade da linguagem clássica daarquitetura expressou aquilo que não poderia ser expresso de forma racional; umaexpressão artística das experiências religiosas consagradas por Donato Bramante e GianLorenzo Bernini. 11
  12. 12. Revista FORMA A Técnica da Vida da Arte Por Velasquez e Da VinciPor Maíra DamascenoMona Lisa: Traduz-se como a obra mais conhecida de Leonardo da Vinci, é provavelmente oquadro mais elogiado, valioso e reproduzido do mundo. Com a pintura iniciada no ano de 1503, oquadro é a representação da expressão de timidez de uma mulher, dona de um sorriso sedutor econservador, sendo determinado a partir de ângulos da pintura; a representação do seu corpo éespelhada no padrão de beleza das mulheres da mesma época. No pensamento de muitoshistoriadores, Mona Lisa é dona de um significado profundo possuindo uma mensagem oculta nascamadas de sua pintura. Pintada a óleo sob madeira de álamo, destaca-se pela estética, técnicas erecursos artísticos utilizados, existindo uma harmonia entre Mona Lisa e a paisagem, onde o pintorbuscou atingir o equilíbrio e a perfeição. Mona Lisa possui como nome oficialLisa Gherardini,também conhecida como Gioconda. Muitas dúvidas surgem sobre quem foi à mulher retratadanesta pintura. Algumas hipóteses são geralmente questionadas, a primeira sendo a idealização damulher pintada pelo artista, e a outra, um auto-retrato de Da Vinci vestido de mulher. Esta últimahipótese é baseada no estudo das características faciais do rosto de Leonardo em relação à modelo.No entanto, a mais defendida hipótese seria que Mona Lisa era esposa de um italiano, ricocomerciante de seda. Descobre-se também que ela havia se tornado mãe recentemente, o retratofoi idealizado em comemoração a recente maternidade.Infanta Margarida: Infanta Margarida possui como nome oficial Margarida Teresa de Habsburgo,filha do Rei Felipe IV de Espanha e sua segunda esposa Maria Ana de Áustria. Menina Bonita,sempre doce e alegre, Margarida era a filha favorita do Rei Felipe IV referindo-se a ela como mi 12
  13. 13. Revista FORMAalegria (Minha Alegria). Ainda criança, por razões políticas, Infanta Margarida ficou noiva de seutio materno e primo paterno, Leopoldo I; pois seu pai havia estipulado que ela deveria manter suaposição na linha de sucessão ao trono. A pintura da Infanta Margarida feita por Diego Velázquez foiconcluída em 1656, data que se encaixa com a idade que aparentava ter, uns cinco anos. Oaposento que aparece representado no quadro seria uma sala ampla do piso térreo do antigoAlcázar de Madrid, onde Velázquez trabalhava. Sendo a figura principal da obra, esta acompanhadade suas damas de companhia, de seus criados, de uma anã e uma criança que mexe com um cão.Napintura, Velázquez demonstra grande habilidade na composição do espaço, perspectiva e luz quenos integra na pintura, fusionando realidade e aparência. A infanta Margarida foi à pessoa da famíliareal mais retratada por Velázquez.É uma das obras pictóricas mais analisadas e comentadas nomundo da arte. 13
  14. 14. Revista FORMA Tudo Sobre a Arquitetura e a Vida de Guarino Guarini e Leon Battista AlbertiniPor Lucas Rametta Guarino Guarini X Leon Battista Albertini Camilo Guarino Guarini nasceu em Módena, em 1639 entrou para a ordem dosTeatinos, mudando-se para Roma. Em 1660 para ser professor de Matemática e filosofia,Guarino se muda para Messina. Guarino também tem varias autoria, como livros de matemática,escritas em latim e em italiano. Guarino Guarini contribuiu para a arquitetura, desenhando umgrande números edifício públicos e privados em Turim, são eles, o palácio do Duque de Savóia; oPalazzo Carignano; a igreja real de São Lourenço; a maior parte da capela do Santissima Sindoneque abriga o Sudário de Turim. Guarino teve como discípulos, Filippo Juvarra e Bernardo Vittone. Já Leon Battista Albertini nasceu em Génova, filho ilegítimo de um florentino exilado emGénova, vinha de uma família de mercadores. Estudou direito na Universidade de Bolonha, tendo acarreira encurtada por uma doença que resultou em sua perda parcial da memória. Albertini entãoteve seus interesse virados para a ciência e a arte. Leon foi excelente na concepção de plantas emodelos, que são eles, a frontaria de Santa Maria Novella e o Palácio Rucellai, em Florença; SanSebastiano e Sant´Andrea, em Mântua; o Templo Malatesta, de Rimini; a Igreja de São Francisco,onde deu por fachada um arco do triunfo. Uma de suas melhores frases foi Uma obra só estácompleta quando nada pode ser acrescentado, retirado ou alterado, a não ser para pior (LeonBattista Albertini). Sabe-se que ele viveu em Roma de 1432 à 1434, a partir dai ele foi paraFlorença, Bolonha, Mântua e Ferrara, onde atuou como arquiteto. A partir de 1443 ele seconcentrou em Roma, onde começou a estudar o segado clássico da cidade. Ele foi arquiteto eteórico da arte, humanista italiano seu estilo era o ideal renascentista, também era filosofo daarquitetura e do urbanismo, pintor, músico e escultor. Foi assistente do papa Nicolau V, dando-lhe conselhos de diversos projetos. Figura 1: Guarino Guarini Figura 2: Leon Battista Abertini 14
  15. 15. Revista FORMA Principais Obras: Catedral de Turim – Guarino Guarini O principal templo da Igreja catolica em Turim, Italia. Construida entre 1491 e 1498, acatadral se localiza onde era o teatro da antiga cidade de Roma. a area sagrada cristã incluia trêsigrejas que foram demolidas entre 1490 e 1492. A catedral que foi iniciada em 1491, foidesenhada por Amedeo di Settignano de Francisco, que era conhecido também por Meo DelCaprino, terminando ela sete anos depois. A catedral teve algumas modificações no Sec. XVII porFilippo Juvarra, tendo sido confirmada pelo papa Leão X oficialmente como sede metropolitana noano de 1515. Com a chegada de Bernardino Quadri, teve a modificação para alargar o catedral,criando lugares mais luxuosos para o Santo Sudário, em 1649. Baseando-se em um projetoanterior de Carlo di Castellamonte, Quadri construiu uma capela oval atrás do coro. GuarinoGuarini, foi chamado logo então em 1667 para terminar o projeto, construindo uma cúpula, cujasobras foram se completar 28 anos depois, em 1694. Foi adicionada a capela de Santo Sudário aestrutura em 1668-1694. Santa Maria Novella – Leon Battista Albertini A Basílica é uma igreja que se situa na Florença, Itália. Construída em 1049 a pequenaSanta Maria Novella, é uma obra de Leon Battista. Sua principal ampliação foi feita em 1279,seguindo o projeto de Fra Sisto da Firenze e Fra Ristoro da Campi. Completada por volta do sec.XIII, a igreja só foi consagrado pelo papa Eugenio IV, em 1420. Reformada pelo arquiteto GiorgioVasari, foi levada a cabo entre 1565 e 1571, removendo o cinto do coro e construindo os altareslaterais. Entre 1858 e 1860, ele foi novamente reformada pelo arquiteto Enrico Romoli. A igrejaé constituída de três naves, tendo a central cem metros de largura, e igreja é em forma de cruz latina. Foto 1: Catedral de Turim Foto 2: Santa Maria Novella 15
  16. 16. Revista FORMACréditos-BURDEN, Ernest. Dicionário ilustrado de arquitetura. São Paulo: Bookman, 2006.-NEMES, Kurt. SantAndrea al Quirinale, Rome. Díponivel em:<http://www.sacred-destinations.com/italy/rome-sant-andrea-al-quirinale>.Acesso em: 09 out. 2012-Saylor. San Pietro in Montorio. Díponivel em:< http://www.saylor.org/site/wp-content/uploads/2011/06/San-Pietro-in-Montorio.pdf>.Acesso em: 04 out. 2012-WOLFGANG; Christina Fino Lotz. Arquitetura na Itália: 1500-1600. São Paulo: Cosac&Naify, 2008.-http://www.sabercultural.org/template/obrasCelebres/LeonardoDaVinciMonaLisa.html-http://pt.wikipedia.org/wiki/Mona_Lisa-http://www.brasilescola.com/artes/mona-lisa.htm-http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://www.louvre.fr/en/oeuvre-notices/mona-lisa-%25E2%2580%2593-portrait-lisa-gherardini-wife-francesco-del-giocondo&prev=/search%3Fq%3Dmonalisa%26start%3D10%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26biw%3D1280%26bih%3D624%26prmd%3Dimvns&sa=X&ei=IvCPUMOWLouk8gTK_YGIAg&ved=0CEQQ7gEwBDgK-http://www.ibiblio.org/wm/paint/auth/vinci/joconde/-http://artefontedeconhecimento.blogspot.com.br/2010/07/pedido-do-illustrated-london-news-em.html-http://lilimachado.wordpress.com/2012/07/14/a-infanta-margarita-paniers/-http://pt.wikipedia.org/wiki/Margarida_Teresa_de_Habsburgo 16
  17. 17. Revista FORMA-ZUCKER, Steven. Bramantes Tempietto. Díponivel em:<http://www.flickr.com/photos/profzucker/7627168006/>.Acesso em: 09 out. 2012-STYLER, Kellen. SantAndrea al Quirinale. Díponivel em:<http://www.flickr.com/photos/flakeskstyle/4691533485/>.Acesso em: 09 out. 2012-PROENCA, Graca. Michelangelo: a genialidade a servico da expressao da dignidadehumana.In: O renascimento na italia.Historia da arte. 16 edicao.Sao Paulo. Editora ática.2002. p.89 - 90.-FILHO, Jose almir valente costa ; SILVA, Francisco gleydson lima da ; SILVA, Lucas Viana.O extase de santa teresa: entre o sagrado e o profano. Revista Eletrônica MultidisciplinarPindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA.Bahia. n1. p.01 - 18. Agosto. 2010. 17

×