Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I

11,611 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I

  1. 1. Transição do Feudalismo para o Capitalismo (política e economia)
  2. 2. Formação das Monarquias Centralizadas - A figura do rei, enfraquecida no período medieval, volta a ter importância com o fortalecimento do comércio e da aliança com a burguesia; - As ambições da burguesia eram freadas pelas inúmeras moedas, impostos e limitações ao desenvolvimento do comércio no mundo feudal; - A aliança com o Rei, garantiu à burguesia a unificação dos territórios, das moedas, impostos e leis;
  3. 3. Formação das Monarquias Centralizadas - No final da Idade Média teve início a queda do Sacro Império e do papado na Europa, enfraquecendo o poder da Igreja sobre os diversos reinos; - Com o recolhimento dos impostos e a criação de moedas únicas, os reis acumulavam riquezas, podendo criar um corpo administrativo e um exército regular;
  4. 5. Estado Francês - Luís VI, entre 1108 e 1137: nesse período se iniciou a ligação entre o rei e a burguesia; - Filipe Augusto: criação das administrações de província (bailio) e da guarda real, corpo militar regular; - Filipe IV, entre 1285 e 1314: incrementou o aparato administrativo e transformou sua vontade em lei, centralizando ainda mais o poder;
  5. 6. Estado Francês - Filipe IV cobrava impostos da Igreja, além disso conseguiu convencer o papa a mudar a capital dos católicos para Avignon, na França; - O ocorrido causou grande discussão e dividiu os católicos, sendo chamado de Grande Cisma; - No final do reinado de Felipe IV, o trono não tinha herdeiros. Além disso, Henrique III reivindicava o trono francês, esse fato deu início a Guerra dos Cem anos.
  6. 7. Guerra dos Cem Anos - Com duração de 116 anos (1337 – 1453), o conflito teve em sua duração uma série de acordos de cessar fogo e de quebras desses acordos por ambas as partes; - Consecutivas derrotas do franceses, o que permitiu ao ingleses ocuparem boa parte do território adversário. Parte dos nobres tornou-se vassalo do rei inglês;
  7. 8. Guerra dos Cem anos - Surge a figura da camponesa Joana d'Arc, que liderando o exército francês consegue vitórias importantes; - Com a derrota inglesa, Carlos VII foi coroado rei da França e conseguiu unificar o país.
  8. 10. Estado Inglês - Guilherme, o Conquistador, tornou-se rei da Inglaterra em 1066; - O absolutismo na Inglaterra agregou riquezas e poder político e militar; - O reinado de João Sem-Terra: derrotado pelo rei francês (suserano de João), foi pressionado pela nobreza e pelo clero para que assinasse a Carta Magna (1215), limitando seu poder;
  9. 11. João Sem-Terra
  10. 12. Estado Inglês - As decisões do reino inglês foram submetidas a um Conselho (embrião do Parlamento inglês); - Em 1445 teve início a Guerra das Duas Rosas: de um lado os York (família da nova nobreza, oriunda do comércio); do outro os Lancaster (família tradicional da nobreza inglesa); - O conflito durou 30 anos. O conflito encerrou com o coroamento de Henrique VII, da dinastia Tudor. O rei era parente das duas casas, unificando-as.
  11. 15. O Estado Português e Espanhol - Os árabes invadiram a Península Ibérica no século VII, reduzindo o domínio dos cristãos ao norte da mesma; - A partir do século X a reconquista do território por parte dos cristãos tomou maior impulso; - Começam a surgir reinos cristãos: Castela, Navarra, Aragão e Leão;
  12. 17. O Estado Português e Espanhol - Em 1085, o Rei Afonso VI recompensou Henrique de Borgonha, nobre francês, pelos serviços prestados na Guerra de Reconquista: doando o condado Portucalense; - Afonso morreu e D. Afonso Henriques assumiu o trono, declarando independência do condado, que se torna o reino de Portugal; - Em 1385 começa a dinastia de Avis em Portugal, em aliança com os comerciantes;
  13. 18. Condado Portucalense 1070
  14. 20. O Estado Português e Espanhol - O processo de reconquista cristã da península teve fim em 1469, quando o herdeiro de Aragão, Fernando, casou com Isabel, herdeira de Castela; - Dessa união surgiu o Estado centralizado espanhol. Em 1492 os espanhóis derrotaram Granada, expulsando os árabes da península; - Com a queda do feudalismo, a economia de trocas comerciais passou a ganhar espaço, levando a Europa ao Mercantilismo.
  15. 22. O Mercantilismo - início de uma economia monetária, baseada na troca de produtos através de moedas estáveis; - a expansão comercial por todo o território europeu e, posteriormente, para outros continentes; - os monopólios, ou seja, exclusividade de comercialização de produtos; - o início do pagamento aos camponeses por seus serviços;
  16. 23. O Mercantilismo - crescimento das populações urbanas; - Metalismo: acumulação de metais preciosos por parte dos Estados nacionais; - Balança comercial favorável: exportar mais, importar menos; - Expansão comercial: colônias em outros continentes; exploração de riquezas de povos nativos;
  17. 25. O Mercantilismo - Variações - Colbertismo francês: incentivava a produção de manufaturas, aumento demográfico e criação de Companhias de Comércio; - Comercialismo inglês: baseado em trocas comerciais com outras nações, o que possibilitou a criação da maior frota naval do mundo; - Metalismo português e espanhol: exploração de metais preciosos nas colônias das Américas;
  18. 26. As Grandes Navegações - Ocorridas nos séculos XV e XVI; - A expansão do comércio europeu exigia a descoberta de novos mercados (matérias-primas e riquezas); - A Peste Negra provocou um decréscimo populacional na Europa; - Os Estados nacionais centralizados foram outro fator que falicitou as Grandes Navegações;
  19. 27. As Grandes Navegações - Portugal - O domínio de Gênova e Veneza do Mediterrâneo fechou o comércio de especiarias com o oriente próximo; - Fazendo uso das tecnologias aprendidas com os árabes, como a bússola, o astrolábio e a cartografia; - A invenção da caravela foi outro grande avanço tecnológico, possibilitando as longas viagens; - O fato dos portugueses terem unificado muito cedo seu país garantiu a dianteira do país nas Grandes Navegações.
  20. 30. As Grandes Navegações - Espanha - A unificação espanhola também ocorreu cedo em relação a países como França e Inglaterra; - Cristóvão Colombo chegou à América em 1492, pensando ter chegada às Índias; - A viagem foi financiada por Fernando e Isabel, logo após a conquista de Granada;
  21. 31. Fernando e Isabel
  22. 33. As disputas entre Portugal e Espanha - Bula Inter Coetera (1493): 100 léguas a partir do arquipélago de Cabo Verde; imposta pelo papa Alexandre VI; - Os portugueses não aceitaram e exigiram revisão do tratado; - Tratado de Tordesilhas (1494): 370 léguas das ilhas de Cabo Verde. Um dos primeiros tratados assinados através da diplomacia;
  23. 34. Tratados
  24. 35. Motivos das Grandes Navegações - Busca de especiarias nas Índias; - Busca de materiais preciosos; - Tentativa de romper o monopólio comercial das cidades italianas; - Expansão da fé cristã; - Fortalecimento das monarquias nacionais e desenvolvimento da política mercantilista.

×