Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Primeiro Reinado e Regencias

12,812 views

Published on

Published in: Technology, Business
  • Be the first to comment

Primeiro Reinado e Regencias

  1. 1. Formação do Estado Brasileiro Primeiro Reinado Período Regencial As Rebeliões Regenciais Transição para o Segundo Reinado
  2. 2. PILARES DO ESTADO BRASILEIRO (Século XIX): MONARQUIA ESCRAVISMO UNIDADE ELITISMO CENTRALIZAÇÃO
  3. 3. ::: Primeiro Reinado (1822 - 1831) ::: - Diferente do que ocorreu nos EUA, o Brasil tornou-se uma monarquia; - Não se fez notar a fragmentação político-territorial verificada nas colônias espanholas; - Também não ocorreu ampla participação política das massas populares; - Ocorreu a manutenção da estrutura socioeconômica do período colonial : escravismo, latifúndio, domínio da oligarquia rural e agro-exportação de produtos primários.
  4. 4. ::: Primeiro Reinado (1822 - 1831) ::: - A separação não foi pacífica: D. Pedro I contratou mercenários, mobilizou milícias e comprou navios para enfrentar para lutar contra as forças metropolitanas (principalmente no Pará); - Os EUA foi o primeiro país a reconhecer a independência do Brasil ( Doutrina Monroe - “A América para os Americanos” ); - Inglaterra adotou postura mediadora: emprestou 2 milhões de libras esterlinas para o Brasil pagar indenização para Portugal;
  5. 7. ::: Primeiro Reinado (1822 - 1831) ::: - Tratado de Paz e Aliança; - A Inglaterra transforma-se na tuteladora da nova monarquia. Havia interesse de explorar o mercado brasileiro e acabar com a escravidão; - Política livre-cambista: redução de taxas alfandegárias para as importações, o que inviabilizou o desenvolvimento da manufatura brasileira; - Endividamento do Estado brasileiro.
  6. 8. ::: A Constituição de 1823 ::: - Assembleia Constituinte de 1823: 90 deputados da aristocracia/oligarquia rural brasileira; - Características da “constituição da mandioca” : classista (defendia os interesses da oligarquia – voto censitário), anticolonial (exclusão de portugueses da administração), antiabsolutista (dividia os poderes do Imperador com o Parlamento); - D. Pedro I interrompeu os trabalhos da Assembleia, ordenou a prisão e exílio de muitos deputados.
  7. 9. ::: A Constituição de 1824 ::: - Monarquia hereditária e divisão do território em províncias; - Quatro poderes: executivo (imperador e ministros), legislativo (Câmara de Deputados e Senado), Judiciário (juízes e tribunais), moderador (o imperador); - Eleições indiretas para os deputados (eleitores de paróquia e de província); - Voto censitário: 100 mil-réis (paróquia), 200 mil-réis (província), 400 mil-réis (deputado) e 800 mil-réis (senador);
  8. 12. ::: A Constituição de 1824 ::: - Cidadãos em três grupos: a) Passivos: não alcançavam a renda suficiente para para ter direitos políticos; b) Ativos votantes: renda suficiente para votar; c) Ativos eleitores elegíveis: renda para votar e ser votado.
  9. 13. ::: A Confederação do Equador ::: - Descontentamentos com o autoritarismo de D. Pedro I, dificuldades econômicas (crise de produtos como algodão e açúcar) e os crescentes impostos; - Caráter separatista, republicano, urbano e popular. Os revoltosos extinguiram o tráfico negreiro; - D. Pedro I reprimiu a rebelião com extrema severidade;
  10. 14. ::: Abdicação do D. Pedro I ::: - Balança comercial deficitária, aumento da dívida externa, inflação (emissão e desvalorização da moeda nacional) e diminuição das receitas com o comércio exterior; - Repressão violenta contra a Confederação do Equador; - Guerra da Cisplatina (Uruguai, independente em 1828); - Autoritarismo de D. Pedro I, que governou de forma absolutista; - Possibilidade de D. Pedro I retornar ao trono português.
  11. 16. ::: Regências (1831 - 1840) ::: - D. Pedro de Alcântara era menor de idade e obedecendo a Constituição de 1824 começaram as regências; - O parlamento esta em recesso, daí decidiu-se escolher uma regência provisória até a realização da eleição indireta; - As regências: Regência Trina Provisória (abril a junho de 1831); Regência Trina Permanente (1831-35); Regência Una de Feijó (1835-37); Regência Una de Araújo Lima (1837-40).
  12. 17. ::: Regência Trina Provisória ::: - Anistia de prisioneiros políticos; - Suspensão do poder moderador; - Eleição da Regência Trina Permanente.
  13. 18. ::: Regência Trina Permanente ::: - Criação da Guarda Nacional; - Coronel: patente geralmente vendida pelo governo aos grandes fazendeiros; - Código de Processo Criminal: plena autoridade judiciária e policial aos grandes proprietários, apesar da instituição do júri e do habeas corpus ;
  14. 21. ::: As correntes políticas do período ::: - Restaurador ou caramuru: defendia a volta de D. Pedro I – formado por funcionários públicos, militares conservadores e comerciantes portugueses; - Liberal moderado ou chimango: membros da aristocracia rual, defensores da ordem vigente, baseada na monarquia e na escravidão. Defendiam um governo centralizado e a manutenção da unidade territorial; - Liberal exaltado: tendência mais radical, participavam proprietários rurais, classes médias urbanas e exército, defendiam autonomia da províncias e a descentralização. Os mais radicais eram os farroupilhas (republicanos).
  15. 22. <ul><li>::: O Ato Adicional de 1834 ::: </li></ul><ul><li>- Criação das Assembleias Legislativas Provinciais, contavam com amplos poderes; </li></ul><ul><li>- Criação do município neutro do Rio de Janeiro; </li></ul><ul><li>- Substituição da Regência Trina pela Regência Una, eleita pelas Assembleias Provinciais de todo o país, com mandato de quatro anos; </li></ul><ul><ul><ul><li>Paradoxo: tentativa de centralizar a administração e a descentralizar o poder (oligarquias regionais). </li></ul></ul></ul>
  16. 23. ::: Regência Una de Feijó ::: - Movimentos regionais, como Cabanagem, Sabinada e Revolução Farroupilha; - Divisão do grupo moderado em: progressistas (converteram-se em Partido Liberal, composto pela classe média urbana, clérigos e proprietários rurais do sul e sudeste – favoráveis a descentralização); regressistas (tornou-se Partido Conservador, grandes proprietários rurais, comerciantes, magistrados e burocratas – favoráveis a centralização);
  17. 24. ::: Regência Una de Araújo Lima ::: - Tendência conservadora, em oposição ao predomínio liberal do período regencial; - Lei interpretativa do Ato Adicional de 1834: devolvia o poder central o direito de nomear os funcionários públicos e o controle dos órgãos da polícia e da justiça; - 1840 – fundação do Clube da Maioridade e Golpe da Maioridade: D. Pedro II, com 15 anos incompletos, é coroado e a monarquia restaurada.
  18. 26. ::: Rebeliões Regenciais ::: - Cabanagem (Pará, 1835-40): contou com adesão popular (indígenas, mestiços e negros da região), que viviam em cabanas a beira dos rios, em condições miseráveis. Os revoltosos assumiram ao poder e proclamaram a independência da Província; - Sabinada (Bahia, 1837-38): o recrutamento forçado foi o estopim para a rebelião contra a situação de dificuldade econômica da província. Expressava o descontentamento dos grupos médios urbanos. Proclamaram a República Bahiense. Pretendiam libertar os escravos nascidos no Brasil e os apoiadores da revolução;
  19. 27. ::: Rebeliões Regenciais ::: - Balaiada (Maranhão, 1838-41): a economia enfrentava dificuldades econômicas (algodão). Pobres, escravos e miseráveis questionavam os privilégios dos latifundiários locais e comerciantes portugueses. A divisão entre os líderes facilitou a repressão ao movimento; - Revolução Farroupilha (Bahia, 1835-45): a mais longa rebelião da história brasileira. Reivindicavam maior autonomia provincial e redução dos impostos que incidiam sobre o charque (produzido por escravos). Os estancieiros não tinham como competir com o charque platino (mão-de-obra assalariada, mais eficiente e produtiva);
  20. 30. ::: A transição para o Segundo Reinado ::: - Defensores da descentralização, a oligarquia transformou-se em defensora da centralização política; - A luta contra a centralização nos primeiros anos após a independência significava lutar contra a elite administrativo-burocrática portuguesa; - A centralização, agora, passava a significar o controle do país pela oligarquia, principalmente a advinda do nordeste (em decadência);
  21. 32. ::: A transição para o Segundo Reinado ::: - Nova riqueza nacional: o café; - A elite cafeicultora morava no Sudeste (Baixada Fluminense) e frequentava a corte imperial, mais um motivo para centralização; - A unidade territorial foi mantida em nome dos interesses da oligarquia rural, que precisava combater as rebeliões e movimentos subversivos; - A unidade cultural da elite brasileira: formada por membros educados na Europa ou letrados (diante de uma massa enorme de analfabetos e miseráveis);
  22. 34. ::: Bibliografia ::: - www.google.com.br/imagens - VICENTINO, C. História do Ensino Médio: história geral e do Brasil. São Paulo: Scipione, 2008.

×