Brasil Colonial XVI - XVII

10,719 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,719
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
173
Actions
Shares
0
Downloads
454
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Brasil Colonial XVI - XVII

  1. 1. Brasil Colonial Período Pré-colonial Capitanias Hereditárias Governos Gerais Economia e Sociedade do Açúcar
  2. 2. ::: Período Pré-colonial ::: - 1501 – Gaspar de Lemos: explorou o litoral e identificou a geografia. Também observou a existência do pau-brasil; - 1503 – Gonçalo Coelho: contornar o Brasil e achar outro caminho para o Oriente; - 1516 – Cristóvão Jacques: combater o comércio ilegal de pau-brasil; - 1526: Cristóvão Jacques: novamente combater o comércio ilegal de pau-brasil.
  3. 3. ::: Período Pré-colonial ::: - Período marcado pela extração do pau-brasil; - Não conduziu à povoação do território, apenas a instalação de algumas feitorias; - Estanco: monopólio real; - Escambo: as árvores eram cortadas e carregadas pelo indígenas que, em troca, recebiam objetos de pouco valor.
  4. 5. ::: Período Colonial ::: - Portugal está em dificuldades financeiras e o comércio com o Oriente estava em declínio; - O litoral brasileiro era alvo de constantes ataques promovidos por outros países europeus; - O temor de perder o território convenceu os portugueses a ocupá-lo com atividades mais duradouras;
  5. 6. ::: Capitanias Hereditárias ::: - Buscava a efetiva ocupação do território, mas sem despesas para a Coroa; - A solução foi entregar o território para exploração de particulares; - O objetivo desses nobres deveria ser ocupar, explorar e defender a sua capitania; - Dois documentos regulavam as Capitanias: Carta de doação (concessão dos direitos administrativos) e Foral (relação dos direitos e deveres dos Capitães).
  6. 9. ::: Capitanias Hereditárias ::: - Dentre os direitos dos donatários estavam: - doar sesmarias (distribuir terras aos colonos); - fundar vilas; - cobrar tributos sobre as benfeitorias; - receber a redízima e a vintena (participação em tributos);
  7. 10. ::: Capitanias Hereditárias ::: - Dentre os deveres dos donatários estavam: - promover a colonização; - defender a capitania; - propagar a fé católica; - garantir dos direitos da Coroa;
  8. 11. ::: Capitanias Hereditárias ::: - Dentre os direitos da Coroa estavam: - tributo do dízimo (1/10 do valor da produção da capitania); - tributo do quinto (1/5 do valor dos metais preciosos);
  9. 12. ::: Capitanias Hereditárias ::: - Motivos para o fracasso das Capitanias: - desinteresse de alguns donatários; - a falta de capitais; - o alto custo do empreendimento; - a distância da colônia em relação à metrópole; - as terras inférteis em algumas áreas; - o temor de ataques indígenas; - a descentralização administrativa.
  10. 13. ::: Governos Gerais ::: - Com a chegada de Tomé de Souza, começa os Governos Gerais; - Tentativa de estabelecer maior controle da Coroa na Colônia; - O Estado português passava a assumir o processo de colonização; - O governador decidia sobre impostos e assuntos jurídicos, estando acima dos capitães e das Câmaras Municipais (formada pelos homens bons).
  11. 14. ::: Governos Gerais ::: - Criação do Conselho Ultramarino para ampliar o controle sobre o império colonial; - Tomé de Souza (1549 – 1553): edifica a cidade de Salvador; chegada dos jesuítas e de novos colonos; estabelecimento da Igreja; - Duarte da Costa (1553 – 1558): Chegou com mais colonos e mais jesuítas; fundou o colégio de São Paulo; ocupação francesa no Rio de Janeiro;
  12. 15. ::: Governos Gerais ::: - Mem de Sá (1558 – 1572): instalação das primeiras missões jesuítas; expulsão dos franceses do Rio de Janeiro; fundação da cidade do Rio de Janeiro; - Divisão do Brasil em duas zonas administrativas: região Norte (com sede em Salvador, sob o controle de Brito Almeida); região Sul (com sede no Rio de Janeiro, nas mãos de Antônio Almeida); - Nova divisão (1621): Estado do Maranhão (com sede em São Luis e depois Belém); Estado do Brasil (com sede em Salvador e depois Rio de Janeiro).
  13. 17. ::: Economia ::: - Colonização de exploração; - Pacto colonial: o Brasil só poderia comerciar com Portugal; - Como Portugal não encontrou metais preciosos, a solução foi a atividade agrícola, a cana-de-açúcar; - Associação de elementos para configurar a economia brasileira: monocultura, latifúndio, escravidão e exportação primária;
  14. 19. ::: Economia ::: - Motivos para escolher a cana-de-açúcar: - a garantia de mercado para o produto; - o domínio da técnica produtiva do açúcar; - as condições naturais existentes no litoral nordestino, que concentrou a grande atividade açucareira do período; - a escolha do nordeste também ocorreu por ser mais próximo da Europa;
  15. 20. ::: Economia ::: - Problemas iniciais para a implantação da atividade açucareira: - necessidade de um grande investimento inicial; - enfraquecimento da estrutura econômica portuguesa; - expulsão dos judeus, debilitando a economia lusa; - A solução: empréstimos holandeses. A Holanda fica responsável pelo transporte, refino e distribuição do produto no mercado europeu.
  16. 22. ::: Economia ::: - Atividades complementares: - pecuária: sertão nordestino, animais para abate e tração; - tabaco: litoral da Bahia e Alagoas, servindo de moeda de troca por novos escravos (junto com aguardente); - algodão: concentrado na capitania de Itamaracá (atual Pernambuco), servindo de matéria-prima para as roupas dos escravos.
  17. 23. ::: Economia ::: - Escravidão africana: - valor de mercado, gerava grande circulação de renda, auferindo lucros aos traficantes de escravos e receita ao Estado lusitano; - suas habilidades no manuseio de ferramentos e instrumentos de metais, os tornavam mais facilmente adaptáveis ao modelo agrícola dos europeus.
  18. 26. ::: Sociedade ::: - A mão-de-obra principal eram os escravos, que estavam substituindo a escravidão indígena (característica do período anterior); - Existiam alguns trabalhadores livres, desempenhando funções de vigilância e serviços especializados; - O Senhor de escravos era a autoridade do engenho;
  19. 28. Debret
  20. 29. ::: Sociedade ::: - A vida dos escravos: - vida útil em torno de 7 ou 10 anos; - severamente agredidos e trabalhavam até a exaustão; - “banzo” - saudade da vida na África; - buscavam formas de resistência, como as fugas, os suicídios, homicídios, abortos e organização de comunidades, os quilombos.
  21. 31. ::: Bibliografia ::: Apostila Colégio Bom Jesus, 2011. www.google.com.br

×