Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teste frei luís-11b-correção-2016

18,773 views

Published on

.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Teste frei luís-11b-correção-2016

  1. 1. Teste de Português 11.ºB Fevereiro de 2016 TÓPICOS DE CORREÇÃO Grupo 0 (10 pontos) Partindo do teu estudo da vida e obra de Almeida Garrett, preenche, na tua folha de respostas, os espaços com a informação adequada. Iniciador do Romantismo, refundador do teatro português, Almeida Garrett é considerado, por muitos autores, como o escritor português mais completo de todo o século XIX. Nasceu a 4 de fevereiro de 1799 no Porto, no seio de uma família burguesa. Em 1820, finalista em Coimbra, recebe com entusiasmo e otimismo a notícia da revolução liberal. Durante o seu exílio em Inglaterra, contacta com a literatura romântica e, influenciado pelas recolhas de cancioneiros populares, começa a preparar o Romanceiro. Em 1832, parte para a ilha Terceira, incorpora-se no exército liberal, e participa no desembarque do Mindelo. É incumbido pelo governo de Passos Manuel da organização do Teatro Nacional. Nesse âmbito, desenvolverá uma ação notável, intervindo no projeto do futuro Teatro Nacional D. Maria II. Tem um romance com Adelaide Deville, que morrerá em 1841, deixando-lhe uma filha (episódio que inspirará a peça Frei Luís de Sousa). Em 1853, publica o livro de poesias líricas Folhas Caídas, recebido com algum escândalo: o poeta era, na época, uma figura pública respeitável (deputado, ministro, visconde), que se atrevia a cantar o amor desafiando todas as convenções, e muitos souberam ver na obra ecos da paixão do autor por viscondessa da Luz,/ Rosa de Montufar. Morreu em Lisboa em 1854, aos cinquenta e cinco anos. Grupo I (90 pontos) A Lê o texto com atenção e responde às questões apresentadas. 1 5 10 15 20 25 Madalena e Telmo Pais TELMO (Chegando ao pé de Madalena que não sentiu entrar) – A minha senhora está a ler?... MADALENA (Despertando) Ah! sois vós, Telmo... Não, já não leio: há pouca luz de dia já; confundia- me a vista: – E é um bonito livro este! O teu valido, aquele nosso livro, Telmo. TELMO (Deitando-lhe os olhos) – Oh, oh! Livro para damas – e para cavaleiros... e para todos: um livro que serve para todos; como não há outro, tirante o respeito devido ao da Palavra de Deus! Mas esse não tenho eu a consolação de ler, que não sei latim como meu senhor... quero dizer como o Sr. Manuel de Sousa Coutinho – que lá isso!... acabado escolar é ele. E assim foi seu pai antes dele, que muito bem o conheci: grande homem! Muitas letras e de muito galante prática – e não somenos as outras partes de cavaleiro: uma gravidade!... Já não há daquela gente: – Mas, minha senhora, isto de a Palavra de Deus estar assim noutra língua que a gente... que toda a gente não entende... confesso-vos que aquele mercador inglês da Rua Nova, que aqui vem às vezes, tem-me dito suas coisas que me quadram... E Deus me perdoe! que eu creio que o homem é herege desta seita nova de Alemanha ou de Inglaterra. Será? MADALENA – Olhai, Telmo; eu não vos quero dar conselhos: bem sabeis que desde o tempo que... que... TELMO – Que já lá vai, que era outro tempo. MADALENA – Pois sim... (Suspira.) Eu era uma criança; pouco maior era que Maria. TELMO – Não, a Srª D. Maria já é mais alta. MADALENA – É verdade tem crescido de mais, e de repente nestes dois meses últimos... TELMO – Então! Tem treze anos feitos, é quase uma senhora, está uma senhora... (aparte) Uma senhora aquela... pobre menina! MADALENA – (Com as lágrimas nos olhos.) – És muito amigo dela, Telmo? TELMO – Se sou! Um anjo como aquele... uma viveza de espírito e então que coração! MADALENA – Filha da minha alma! (Pausa; mudando de tom.) Mas olha, meu Telmo, torno a dizer- to: eu não sei como hei-de fazer para te dar conselhos. Conheci-te de tão criança, de quando casei a... Nome____________________________________________ Nº/turma______
  2. 2. 30 a... a primeira vez – costumei-me a olhar para ti com tal respeito: já então eras o que hoje és, o escudeiro valido, o familiar quase parente, o amigo velho e provado de teus amos... TELMO (Enternecido.) – Não digais mais, Senhora, não me lembreis de tudo o que eu era. MADALENA (Quase ofendida.) – Porquê? Não és hoje o mesmo, ou mais ainda, se é possível? Quitaram-te alguma coisa da confiança, do respeito – do amor e carinho a que estava costumado o aio fiel do meu Senhor D. João de Portugal, que Deus tenha em glória? TELMO (aparte.) – Terá... Almeida Garrett, Frei Luís de Sousa 1. Identifica o livro que Madalena está a ler e refere a sua importância na ação da peça. (20 pontos) Os Lusíadas… episódio de Inês de Castro…é um indício de tragédia logo na 1ª cena do 1ºato… tal como Inês morreu devido ao amor, Madalena irás ser igualmente vítima… 2. A partir deste excerto, caracteriza a personagem Madalena de Vilhena, considerando a linguagem e as didascálias que se lhe referem. (20 pontos) Madalena é uma personagem romântica ao longo de toda a peça… muito emotiva, sempre ansiosa e angustiada com a possibilidade de surgir uma desgraça na sua vida ( o regresso do seu 1º marido…) …linguagem emotiva e didascálias (exemplos vários) 3. Verifica como o sebastianismo é claramente sugerido neste excerto. (15 pontos) Através da personagem Telmo…verifica-se nos seus dois apartes (exemplificar) que demonstram as suas dúvidas em relação à morte de seu amo, e subsequentemente ao seu rei pondo em causa condição de Maria (…pobre menina…) 4. Comenta a seguinte afirmação de Telmo: «eu creio que o homem é herege desta seita nova de Alemanha ou de Inglaterra» (l.12). (15 pontos) Refere-se à reforma luterana que impunha a leitura do livro sagrado, da Bíblia, que Roma impunha que permanecesse em latim… Telmo quadra-se com estas ideias, ou seja, tende a concordar …. B (20 pontos). 5. A palavra “ninguém” é crucial na peça. Partindo da tua experiência de leitura, explicita porquê. É pronunciada pelo romeiro nos dois momentos de anagnórise (reconhecimento), primeiro a Jorge, depois a Telmo…o romeiro pretende não se dar a conhecer, compreende que já não pode ser quem tinha sido antes…considera que a sua vida já não pode ser a mesma, depois de tudo o que se passou… Grupo II (50 pontos) VERSÃO 1 1. “muito bem o conheci.” (l.8) 1.1 Indica o referente do pronome pessoal presente na frase. O – pai de Manuel de Sousa Coutinho 1.2 Analisa a frase sintaticamente. muito bem – modificador do grupo verbal (eu) – sujeito nulo subentendido conheci-o - predicado o – complemento direto 2. Da mesma família do nome “amor” (l.30) indica: um adjetivo, um verbo, um advérbio. um adjetivo - amoroso um verbo - amar um advérbio - amorosamente 3. Classifica as orações sublinhadas nas seguintes frases:
  3. 3. 3.1 “um livro que serve para todos” (l.5) Oração subordinada adjetiva relativa restritiva 3.2 “não tenho eu a consolação de ler, que não sei latim” (l.6) Oração subordinada adverbial causal 4. Indica o número de orações presentes na seguinte frase: “…confesso-vos que aquele mercador inglês da Rua Nova, que aqui vem às vezes, tem-me dito suas coisas que me quadram...” (l.11) tem 4 orações: confesso-vos que aquele mercador inglês da Rua Nova tem-me dito suas coisas que aqui vem às vezes, que me quadram... 5. Indica o tempo e modo verbal das conjugações presentes nas frases seguintes: 5.1 “…confundia-me a vista…” (l.2) Pretérito imperfeito do indicativo 5.2 “E Deus me perdoe!” (l.12) Presente do conjuntivo 6. Escolhe um adjetivo e reescreve-o num outro grau à tua escolha. Indica-o. Várias hipóteses 7. Transcreve a fala/excerto de uma personagem e indica o ato ilocutório nela presente. Várias hipóteses VERSÃO 2 1. “Mas esse não tenho eu a consolação de ler…” (l. 5/6) 1.1 Indica o referente do pronome demonstrativo presente na frase. Esse –a Bíblia (ao da Palavra de Deus) 1.2 Da mesma família do nome “consolação” (l.6) indica: um adjetivo, um verbo, um advérbio. um adjetivo- consolado um verbo - consolar um advérbio - consoladamente 2. Analisa sintaticamente a frase seguinte: “… acabado escolar é ele.” (l.7) acabado escolar é - predicado acabado escolar – predicativo do sujeito ele - sujeito 3. Classifica as orações sublinhadas nas seguintes frases: 3.1 “…eu creio que o homem é herege.” (l.12) Oração subordinada substantiva completiva 3.2 “… o aio fiel do meu Senhor D. João de Portugal, que Deus tenha em glória.” (l.31) Oração subordinada adjetiva relativa explicativa 4. Indica o número de orações presentes na seguinte frase: “…confesso-vos que aquele mercador inglês da Rua Nova, que aqui vem às vezes, tem-me dito suas coisas que me quadram...” (l.11) tem 4 orações:
  4. 4. confesso-vos que aquele mercador inglês da Rua Nova tem-me dito suas coisas que aqui vem às vezes, que me quadram... 5. Indica o tempo e modo verbal das conjugações presentes nas frases seguintes: 5.1 “…que Deus tenha em glória?” (l.31) Presente do conjuntivo 5.2 “Terá...” (l.32) Futuro do indicativo 6. Escolhe um adjetivo e reescreve-o num outro grau à tua escolha. Indica-o. Várias hipóteses 7. Transcreve a fala/excerto de uma personagem e indica o ato ilocutório nela presente. Várias hipóteses Grupo III (50 pontos) O casamento tende a acompanhar as alterações sociais. Num texto expositivo-argumentativo bem estruturado, com um mínimo de 200 e um máximo de 300 palavras, reflete sobre a instituição do casamento na atualidade. A professora Arminda Gonçalves

×