Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Esquemas sintese cantigas_amor

19,467 views

Published on

.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Esquemas sintese cantigas_amor

  1. 1. Esquemas-síntese das cantigas de amor
  2. 2. I. «Se eu podesse desamar», Pero da Ponte (p. 44)
  3. 3. Cantiga de amor: a «coita de amor» / a amada como ser inacessível. Estado de espírito do sujeito poético: a donzela em progressivo sofrimento. Enamorado Revoltado Desgostoso Amor não correspondido
  4. 4. Estrutura da cantiga: desenvolver um raciocínio que resolva o seu problema — «coita dar» a quem o fez sofrer. Oração condicional Se pudesse causar sofrimento a quem sempre o fez sofrer Refrão POR ISSO não se acalma «non dormio eu» MAS • não pode enganar o coração que o enganou • o coração fê-lo desejar quem nunca o desejou Copla 2 Oração causal Porque não causa sofrimento a quem sempre o fez sofrer Refrão ASSIM sentir-se-ia vingado Desejo do eu SE • deixasse de amar quem nunca o amou • fizesse mal a quem lhe fez mal Copla 1 Personificação Pretérito imperfeito do conjuntivo: tempo da condição, da improbabilidade.
  5. 5. Oração condicional Se pudesse causar sofrimento a quem sempre o fez sofrer Refrão POR ISSO sofre • perguntasse a quem nunca lhe perguntou nada • porque o fez amar se ela nunca o amou Copla 4 Oração causal Porque não causa sofrimento a quem sempre o fez sofrer Refrão POR ISSO acalmar-se-ia «dormiria eu» MAS • pede a Deus que não ajude a quem não o ajudou • deseja perturbar a quem sempre o perturbou Copla 3
  6. 6. Tom da cantiga: lamento e fúria. As orações condicionais e causais mostram o esforço que o eu faz para encontrar a solução acertada para a sua vingança: pensa, avalia, calcula várias possibilidades sem conseguir concluir. Impossível «punir» a amadaConflito irresolvido Sujeito poético em tensão
  7. 7. Características formais: repetição de uma palavra com uma variação morfológica — utilização de moz-dobre (desamar/desamou; buscar/buscou; dar/deu; enganar/enganou; desejar/desejou; desampar/desamparou; destorvar/destorvou; preguntar/preguntou; cuidar/cuidou).
  8. 8. II. «Proençaes soem mui bem trobar», D. Dinis (p. 48)
  9. 9. Cantiga de amor (de mestria): reflexão sobre a escrita de poesia — crítica aos troubadours provençais. Só na primavera «Mui bem» v. 1 «Sabem loar» v. 7 Reconhece o mérito poético «no tempo da frol / e nom em outro» vv. 3 e 4 «quand’a frol sazom / á, e non ante» vv. 10 e 11 «eno tempo que tem a color / a frol consigu’e» vv.14 e 15 Convenção poética (associação do amor com a primavera) «loar / sas senhores» vv. 7 e 8 Elogiam a mulher amada Suspeita da sua sinceridade «dizem eles que é com amor» v. 2 Ironia Como trovam? Quando trovam? Sobre que trovam?
  10. 10. Não sofrem de amor como ele sofre pela sua amada. Nunca morrerão de amor como ele O sentimento de que falam os provençais é artificial! Problema apresentado pelo sujeito poético: Os que apenas trovam na Primavera e não no resto do ano O eu nega a afirmação dos provençais «Sey eu bem» v. 4 «Sõo sabedor» v. 9 Simulação Fingimento Crítica aos provençais
  11. 11. Diferença entre o sujeito poético e os provençais: a sinceridade da dor. Eu • «grande coita no coração por minha senhor» • «tal coita sem ter par» • «perdição que me há-de matar» Provençais Obedecem a convenções literárias Porque sofre e ama na realidade, escreve sobre esse sofrimento, tornando a sua poesia mais pura e verdadeira. • Amar = Trovar • Perfeito amador = perfeito poeta Verdadeira arte de fazer poesia
  12. 12. III. «A dona que eu am’ e tenho por senhor», Bernal de Bonaval (p. 51)
  13. 13. Cantiga de amor: prece dirigida a Deus — desejo de ver a mulher amada. • Ver a sua «senhor» «amostrade-mi-a, Deus» (v. 2) «amostrade-mi-a, Deus» (v. 5) «Deus!, fazede-mi-a veer» (v. 8) «amostrade-mi-a, u» (v. 11) Súplica do sujeito poético a Deus Modo imperativo • O eu ama a «senhor» • O eu sofre por não lhe poder falar • A «senhor» está numa posição inatingível • O eu só poderá falar com a sua «senhor» por ação divina Causa das súplicas • Num local em que possa falar com ela
  14. 14. Relação de vassalagem amorosa entre o eu e a «dona» (sua senhor). O eu situa-se numa posição inferior em relação à mulher amada. • um ser belo • um ser idealizado • um ser perfeito • um modelo de virtudes Caracterização abstrata e superlativizada «melhor parecer / de quantas sei» (vv. 7 e 8)
  15. 15. Sentimentos do eu: desejo da morte. «a dona que eu am’» (v. 1)• amor profundo pela «dona» «tenho por senhor» (v. 2)• obediência à sua «senhor» (coloca-se ao seu serviço) «lume destes olhos meus / e por que choram sempr’» (vv. 4-5) • tristeza extrema causada pela intensidade da paixão (coita de amor) «senom dade-mi a morte» (refrão)• angústia (ao desespero de a não ver, o eu prefere a morte)
  16. 16. Refrão: repetição de uma ideia fixa — «senom dade-mi a morte». Importância dos olhos e do olhar: • Reforça a exigência que é feita à divindade. • Realça a angústia / o desespero / a obsessão do sujeito poético. • Acentua a existência de uma consequência grave (a sua morte). • Os olhos permitem exprimir o desespero do eu («choram sempr’», v. 5). • A visão permite o despoletar da paixão («lume destes olhos meus», v. 4). • A visão permite enaltecer a formosura da «senhor». • A visão (aliada ao diálogo) permitiria a consumação do amor = IMPOSSÍVEL.

×