Apostila solidworks impressa

27,590 views

Published on

Published in: Business, Technology
0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
27,590
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
1,529
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apostila solidworks impressa

  1. 1. SolidWorks Marco A. G. Bandeira UCS 2008-1
  2. 2. SumárioSumário .................................................................................................................. 2Introdução............................................................................................................... 6Configurações de unidades e atalhos do teclado................................................... 6Iniciando o SolidWorks. .......................................................................................... 7Interface.................................................................................................................. 8Menu suspenso. ..................................................................................................... 9Barra de ferramentas.............................................................................................. 9Barra de gerenciamento de comandos................................................................. 10Árvore de comandos feature manager. ................................................................ 11Menu property manager. ...................................................................................... 12Biblioteca (Design library)..................................................................................... 13Modelamento 3d: Geração de sólidos (Módulo Part). .......................................... 14Trabalhando com sketches................................................................................... 14Seleção do plano. ................................................................................................. 14Posição de visualização do plano......................................................................... 15Abertura de um sketch.......................................................................................... 15Fechamento de um sketch. .................................................................................. 16Geração de referenciais. ...................................................................................... 16Ferramentas de sketch. ........................................................................................ 17Comandos de “Sketch” ......................................................................................... 18 Linha ................................................................................................................. 18 Circunferência................................................................................................... 19 Arco tangente ................................................................................................... 19 Arco definido pelo centro e 2 pontos ................................................................ 19 Arco definido por 3 pontos ................................................................................ 19 Retângulo ......................................................................................................... 19 Polígono regular ............................................................................................... 19 Elipse ................................................................................................................ 19 Linha curva sinuosa .......................................................................................... 19 Linha de centro/auxiliar de construção ............................................................. 19 Ponto ................................................................................................................ 19Ferramentas de edição......................................................................................... 19 Cortar................................................................................................................ 21 Extend............................................................................................................... 21 Deletar .............................................................................................................. 21 Inserir concordâncias........................................................................................ 21 2
  3. 3. Inserir chanfros ................................................................................................. 21 Inserir elementos paralelos............................................................................... 21 Espelhar............................................................................................................ 21 Converter elementos em referências, e vice-versa .......................................... 21 Converter entidade ........................................................................................... 22 Seleção de múltiplos elementos em um sketch.................................................... 22 Movimentação e alteração de elementos não definidos em um sketch. .............. 22 Editando e deletando sketches............................................................................. 23 Editando............................................................................................................ 23 Deletando ......................................................................................................... 23 Mudando o plano de sketch.................................................................................. 23 Definição do sketch .............................................................................................. 24 Inserir dimensões ............................................................................................. 25 Deletar dimensões ............................................................................................ 25 Adicionar relações ............................................................................................ 25 Verificar relações existentes (DISPLAY/ RELATIONS) .................................... 25 Deletar relações................................................................................................ 25 Seleção de contornos em um sketch.................................................................... 25 Ferramentas de visualização................................................................................ 26 Zoom dinâmico ................................................................................................. 26 Zoom sobre área específica ............................................................................. 26 Zoom sobre face(s) específica(s) ..................................................................... 26 Zoom total......................................................................................................... 27 Translação ........................................................................................................ 27 Rotação ............................................................................................................ 27 Retorno à posição de visualização anterior ...................................................... 27 Visualização apenas com arestas visíveis ....................................................... 27 Visualização com arestas visíveis e não visíveis.............................................. 27 Visualização segundo “estrutura de arame” ..................................................... 27 Visualização segundo um sólido ...................................................................... 28 Observação segundo vistas pré-definidas........................................................ 28 Criação de planos................................................................................................. 29 Plano paralelo a outro plano ou face, a uma distância determinada. ............... 29 Plano passando por uma aresta, eixo ou reta em um sketch, e fazendo umângulo com outro plano ou face. .................................................................................. 31 Plano definido por aresta, eixo ou reta em um sketch, e um ponto; ou por 3pontos........................................................................................................................... 31 3
  4. 4. Plano paralelo a outro plano ou face, e passando por um ponto. .................... 31Intenções de projeto. ............................................................................................ 31A importância da escolha do plano de sketch. ..................................................... 32Entidades de modelamento. ................................................................................. 33 Extrusão (EXTRUDED): ................................................................................... 34 Revolução (REVOLVED): ................................................................................. 35 Sweep............................................................................................................... 36 Loft.................................................................................................................... 37Ferramentas de edição de modelamento. ............................................................ 38 Chanfro (CHAMFER): ....................................................................................... 39 Concordância (FILLET/ROUND): ..................................................................... 40 Arranjo ou Padrão Linear.................................................................................. 41 Arranjo ou Padrão Circular ............................................................................... 42Modelamento 3D: Montagem (Módulo ASSEMBLY)............................................ 44 Inserindo componentes .................................................................................... 45 Movimentando um componente ....................................................................... 46 Rotacionando um componente......................................................................... 46 Inserindo relações ............................................................................................ 47 Criação de uma perspectiva explodida............................................................. 48Detalhamento (Módulo Drawing) .......................................................................... 50 Criando e configurando um arquivo de desenho. ............................................. 50 Inserindo outra prancha de desenho ................................................................ 52 Deletando pranchas de desenho ...................................................................... 52 Trocando de prancha........................................................................................ 52 Inserindo vistas ortográficas ............................................................................. 52 Vista pré-definida .............................................................................................. 55 Projeção de uma vista qualquer a partir de outra já existente.......................... 56 Vista auxiliar ..................................................................................................... 56 Vista de detalhe. ............................................................................................... 57 Seção ou corte total.......................................................................................... 57 Corte total composto por planos concorrentes ................................................. 58 Corte parcial ..................................................................................................... 58 Deletando vistas de desenho ........................................................................... 58 Definindo a “visualização” de linhas ocultas e arestas tangentes .................... 59 Editando vistas de desenho.............................................................................. 59 Movendo vistas ................................................................................................. 59 Inserindo linhas de centro e eixos .................................................................... 60 4
  5. 5. Inserindo cotas ................................................................................................. 61 Movimentando cotas de uma vista para outra .................................................. 61 Configurando cotas........................................................................................... 61ANEXO A: Exercícios Módulo “Part”.Exercício 1.................................................. 63Exercício 1. ........................................................................................................... 64Exercício 2. ........................................................................................................... 77Exercício 3. ........................................................................................................... 84Exercício 4. ........................................................................................................... 95Exercício 5. ......................................................................................................... 105Exercício 6. ......................................................................................................... 112Exercício 7. ......................................................................................................... 117Exercício 8. ......................................................................................................... 121Exercício 9. ......................................................................................................... 129Exercício 10. ....................................................................................................... 135Exercício 11. ....................................................................................................... 139ANEXO B: Exercícios Módulo “Assembly”. ........................................................ 146Exercício 1. ......................................................................................................... 147Exercício 2. ......................................................................................................... 149Exercício 3. ......................................................................................................... 155Exercício 4. ......................................................................................................... 157Exercício 5. ......................................................................................................... 159ANEXO C: Exercícios Módulo “Drawing”............................................................ 166Exercício 1. ......................................................................................................... 167Exercício 2. ......................................................................................................... 173 5
  6. 6. Introdução O Solid Works é um programa paramétrico, ou seja, ele identifica as intençõesque se quer dar a um esboço preliminar, assumindo relações geométricas entre osdiferentes elementos. Como exemplo, se o usuário representou uma linhaaproximadamente horizontal, ou vertical, o programa assume que ela deve ter estaorientação. Isto garante agilidade no trabalho, sem as preocupações excessivas comdetalhes. Após o esboço ter sido refinado, ele pode ser definido como parte de umelemento 3D, onde outras dimensões e/ou relações possam ser adicionadas. Asrelações geométricas e dimensões dos elementos podem ser alteradas, removidas ouadicionadas a qualquer momento, sendo o modelo paramétrico atualizado sem que hajanecessidade de várias edições. Assim, no Solid Works o usuário cria modelos tridimensionais, e asrepresentações 2D são geradas automaticamente a partir deles. Modelos, montagens edesenhos estão referenciados entre si, de modo que qualquer alteração em um dosmódulos é automaticamente transferida aos demais que, assim, não precisam sereditados. O modelamento é feito através de operações entre sólidos mais simples até que aforma final do modelo seja obtida. Esses sólidos simples são referidos no Solid Workscomo features (entidades). Elas podem ser criadas diretamente em 3D, comoconcordâncias e chanfros, ou, e principalmente, por meio de sketches (croquis), que éuma representação 2D de uma seção ou perfil. Uma entidade pode ser criada por adiçãoou remoção de material, através de qualquer uma das duas formas. Configurações de unidades e atalhos do teclado. Unidades: Para especificar um sistema de unidades: 1. Clique em Tools, Options, Document Properties, Units. 2. Sob Unit system, selecione uma das seguintes opções: MKS (Meter, Kilogram, second) CGS (centimeter, gram, second) MMGS (milimeter, gram, second) IPS (inch, Pound, second) 3. Clique em OK. Atalhos do teclado: São listados em seguida os atalhos de teclado predefinidos para as opções devisualização. 6
  7. 7. Teclas das setas: Rotacionam a vista. Shift + tecla das setas: Rotacionam as vistas em incrementos de 90º. Alt + Setas Esquerda ou Direita: Rotacionam ao redor da tela. Ctrl + Teclas das setas: Movem a vista. Shift + Z: Afastamento. Z: Aproxima. F: Ajusta o modelo na tela. Ctrl + 1: Vsta frontal. Ctrl + 2: Vista posterior. Ctrl + 3: Vista lateral esquerda. Ctrl + 4: Vista lateral direita. Ctrl + 5: Vista de topo. Ctrl + 6: Vista inferior. Ctrl + 7: Vista isométrica. Iniciando o SolidWorks. Quando inicia-se um novo arquivo no SilidWorks, têm-se a tela de abertura dafigura 1: Figura 1. Ambientes de trabalho. Onde: Part – É o ambiente no qual são modeladas as peças. Assembly – Ambiente de montagem, onde após a modelagem de cada peça emPart, faz-se a união das mesmas, se pertencerem a um mesmo conjunto, possibilitandosimulações de movimentação, vista explodida, etc... 7
  8. 8. Drawing – Nesse ambiente faz-se o detalhamento de cada peça ou um conjunto.Aqui as peças são dispostas em suas vistas ortogonais e perspectivas, e indicadas suasdimensões, em uma folha padrão de desenho. Avanced – Quando estudarmos o modo Drawing veremos esse comando. Interface. A interface observada no Solid Works compreende basicamente duas grandesáreas. À esquerda temos a árvore de projeto ou de gerenciamento de operações, onde éapresentada a estrutura da peça, montagem ou desenho. No caso do modelamento deum sólido, ela nos mostra as diversas entidades (features) de que é composto, na ordemem que foram criadas. Isto permite que possamos observar a maneira como aquelesólido foi modelado. No caso de uma montagem, a árvore de projeto apresenta a ordemem que as peças que a compõem foram inseridas. Para um desenho é mostrada aordem das vistas criadas e a que peça correspondem (Figura 2). Barra de ferramentas Menu suspenso Barra de gerenciamento Biblioteca Árvore de projeto ou árvore de comandos Área de trabalho Figura 2.Interface do Solid Works para o ambiente de modelamento. A área maior na tela é a janela gráfica ou área de trabalho, onde as peças,montagens ou desenhos são criados e editados. Para os dois primeiros, no canto inferioresquerdo da janela gráfica existe uma indicação da orientação dos 3 eixos que compõemo ambiente 3D. 8
  9. 9. Menu suspenso. Na porção superior da tela existem diversos menus suspensos (file, view, insert,tools, ...), onde em cada um estão agrupados os comandos pertinentes (Figura 3). Figura 3. Menu suspenso. File: Opções para salvar, abrir novo arquivo ou já existente, impressão, etc. Edit: Comandos de edição como copiar, recortar, colar, etc. View: Comandos de visualização ou não de entidades como origem, eixos decoordenadas, eixo temporário, etc. Tools: Menu suspenso com comandos de sketch (rascunho), dimensionamentos,relações geométricas, etc. Toolbox: Menu com com vários itens de biblioteca. Window: Menu com comandos de organização da visualização da área detrabalho. Help: Comandos de ajuda, tutoriais. Barra de ferramentas. Abaixo dos menus está a barra de ferramentas principal, que reúne os comandosrelativos à abertura/fechamento, edição, gravação e impressão de arquivos (Figura 4). Figura 4. Barra de ferramentas. Os menus do tipo barra de ferramentas fornecem acesso aos comandos de usomais freqüente. As barras de ferramentas são organizadas de acordo com a função, maspode-se customizá-las removendo ou rearranjando as ferramentas de acordo com apreferência do usuário. Pode-se ligar ou desligar uma barra de ferramentas usando dois métodos: Clicar em Tools, Customize. Na página Toolbars, clicar em check boxes para selecionar cada barra deferramentas que se deseja mostrar. Para acessar a Tools, Customize, é preciso ter um documento aberto. Clicar com o botão direito do mouse na área das barras de ferramentas, noSolidWorks. Clicar em View, Toolbars. Obtèm-se a mesma visualização. 9
  10. 10. Diversas outras barras de ferramentas podem ser inseridas e dispostas no lugarmais conveniente da tela, como a de visualização, de sketch e a de entidades, cada umadelas com o seu conjunto de comandos. Alguns menus e opções podem ser acessados clicando-se no botão direito domouse. O seu botão esquerdo tem a função de confirmar a opção desejada. Independente da maneira de acessar as opções, o Solid Works somentehabilitará os comandos possíveis de serem executados em cada circunstância. Barra de gerenciamento de comandos. Na barra de gerenciamento de comandos, no ambiente de trabalho paramodelagem de peças, temos os comandos de “Sketch” e “Features” (Figura 5).Clicando com o botão esquerdo do mouse sobre um deles, abrimos o conjunto decomandos correspondente. Por exemplo, se selecionarmos “Sketch” teremos oscomandos “Line, Circle,...”. Figura 5. Barra de gerenciamento. Se, para facilitar a identificação dos comandos, desejarmos acrescentar adescrição de cada um deles, clicamos também com o botão direito do mouse sobre abarra de gerenciamento e selecionamos a opção “Show description” (Figura 6). Figura 6. Descrição de comandos na barra de gerenciamentos. Além dos comandos de “Sketch” e “Features” podemos acrescentar outros,bastando clicar com o botão direito do mouse sobre a barra de gerenciamento eselecionar a opção “Customize command manager” (Figura 7). Selecionamos, então,os comandos que desejamos acrescentar na barra de gerenciamento. 10
  11. 11. Figura 7. Seleção de comandos para a barra de gerenciamento. Árvore de comandos feature manager. A árvore de Feature Manager é a região do SolidWorks que mostra na tela asentidades de uma peça ou montagem. As entidades criadas são adicionadas à árvore deprojeto Feature Manager, e como resultado, ela representa a seqüência cronológica dasoperações de modelamento. Ela também fornece acesso à edição das entidades(objetos) que ela contém (Figura 8). 11
  12. 12. Figura 8. Árvore de comandos. Figura 9. Property Manager. Menu property manager. Muitos comandos do SolidWorks são executados pelo menu Property Managerque ocupa a mesma posição na tela do menu Feature Manager, que o substitui quandoestá em uso (Figura 9). O esquema de cores e aparência do menu Property Managerpodem ser modificados por meio de Tools, Options, Colors. A linha superior traz os botões padrão OK, Detailed Preview e Help. Abaixo há uma ou mais caixas de grupo que contém opções relacionadas. Elaspodem ser abertas (expandidas) ou fechadas (contraídas) e em muitos casos ativadasou desativadas. Muitos desses comandos também podem ter opções disponíveis no botão direitodo mouse. 12
  13. 13. Biblioteca (Design library). A biblioteca do SolidWorks é a região à direita da área de trabalho. Nela sãoencontrados componentes já modelados que podem ser utilizados nos desenhos (Figura9). A biblioteca pode ser visualizada ou não bastando clicar nas setas ao lado da mesma. Os itens em Toolbox, quando na situação da figura ao lado, devem ser habilitados da seguinte maneira: Menu suspenso: Tools - Add-ins. Marcamos os itens SoliWorks Toolbox e SoliWorks Toolbox Browser (Figura 10). Teremos então a biblioteca toolbox habilitada. Figura 10. Biblioteca. Figura 11. Inserindo Toolbox. Figura 12. Toolbox inserido. 13
  14. 14. Modelamento 3d: Geração de sólidos (Módulo Part). Ao abrir um novo arquivo para modelamento de peças, deve-se selecionar oambiente “Part”, conforme mostrado na figura 1. Trabalhando com sketches. O sketch (esboço) é um desenho feito em um plano qualquer. Na construção deum modelo, as principais entidades são criadas a partir deles. Assim, dada a suaimportância, é fundamental que o usuário domine a construção e manipulação desketches. Seleção do plano. A seleção de um plano para o desenho de um sketch é feita clicando-se sobreele. Ao abrir o Solid Works você terá, inicialmente, três planos ao seu dispor,observados na árvore de projeto. São eles os planos Front e Right, verticais, e o planoTop, horizontal. Passando o mouse sobre os ícones destes planos, observe que eles têmsua orientação indicada na janela gráfica. Ao selecionar-se um deles, observe que eletorna-se visível. Figura 13. Planos de trabalho. 14
  15. 15. Os planos passíveis de serem utilizados como planos de sketch não estãorestritos somente aos planos iniciais. Após alguma entidade ter sido criada, você podeusar também qualquer face do sólido, desde que seja plana, clicando sobre ela. Embora planos sejam visualizados segundo uma forma qualquer, eles não selimitam à área delimitada por ela. Planos são infinitos e, uma vez selecionados, vocêpode criar o sketch onde lhe for mais conveniente, dentro ou fora da área visualizada. Nocaso dos planos iniciais, é possível o seu redimensionamento através da manipulaçãodos quadrados posicionados ao longo de seu limite. Para tanto, clique sobre um delescom o botão esquerdo do mouse e, mantendo-o apertado, arraste-o até o tamanhodesejado. Posição de visualização do plano. Embora um plano possa ser visualizado a partir de diferentes posições, as maisconvenientes são a observação de frente, ou em perspectiva isométrica. Siga osprocedimentos abaixo para selecionar a melhor posição de visualização. 1. Selecione o plano; 2. Clique na barra de espaços; 3. A janela Orientation será aberta. Dê 2 cliques em ISOMETRIC para visualizaro plano em perspectiva isométrica, ou em NORMAL TO para observá-lo de frente. Figura 14. Janela orientation. Abertura de um sketch. Siga o procedimento a seguir: Selecione o plano clicando sobre ele; Selecione o ícone na barra de ferramentas de sketch (Figura 15), ou o menuINSERT → SKETCH (Figura 16). 15
  16. 16. Figura 15. Abertura de Sketch através do ícone. Figura 16. Abertura de Sketch através do menu INSERT. Para mudar o plano de sketch, primeiro você deve fechar o sketch aberto, e sóapós selecioná-lo. Clicar sobre outro plano não o seleciona se algum sketch estiveraberto; simplesmente ele tornar-se-á visível, mas você continuará no mesmo sketch. Fechamento de um sketch. Com alterações salvas: 1. Selecione o ícone na barra de ferramentas de sketch ou no cantosuperior direito da janela gráfica, ou o menu INSERT → SKETCH. Descartando-se as alterações: 1. Selecione o ícone no canto superior direito da janela gráfica; 2. Confirme o descarte. Geração de referenciais. O Solid Works faz indicações de pontos, posições e orientações chaves, de modoa facilitar a obtenção e garantia da geometria desejada. No caso de uma ferramenta de sketch estar ativa, o programa substituirá a formade seta do cursor pela de um lápis, com um símbolo abaixo dele indicando qual delas(reta, arco, elipse, circunferência, ...), tornando claro ao usuário que tipo de elemento foiselecionado e será desenhado. Para facilitar a seleção de pontos específicos, o símbolo 16
  17. 17. abaixo do lápis muda para, por exemplo, um quadrado, no caso de pontos extremos oucaracterísticos de quaisquer elementos; para uma reta com um quadrado no meio, nocaso de ponto médio de segmentos de reta; e para algo semelhante a uma lâmpada,indicando estar sobre um ponto qualquer de um determinado elemento. Alinhamentos com pontos pré-existentes são indicados com linha tracejada azul;enquanto, na cor amarela, mostram orientações chaves em relação a segmentos deretas e arcos. Figura 17. Referenciais. Orientações de segmentos de reta exatamente verticais ou horizontais sãoindicadas por símbolos junto ao desenho: Figura 18. Orientação de segmento de reta. Enfim, afora estes exemplos, e independente da operação sendo realizada, oSolid Works sempre fará esse mesmo tipo de indicações. Assim enquanto trabalha,observe atentamente as indicações das referências apresentadas pelo programa emcada situação, como forma de ir familiarizando-se com elas. Ferramentas de sketch. A seguir são apresentadas e comentadas brevemente as ferramentas de sketchmais importantes. Todas elas são apresentadas com duas formas de acesso, sendo quea 1a sempre diz respeito aos ícones da barra de ferramentas de sketch, enquanto a 2arefere-se ao menu suspenso. 17
  18. 18. Comandos de “Sketch” Todos os comandos de “Sketch” podem ser acessados pro meio dos ícones nabarra de ferramentas (Figura 19) ou por meio do menu suspenso “Tools” (Figura 20). Figura 19. Ferramentas de “Sketch”. Figura 20. Acesso aos comandos de “Sketch”. Linha (LINE) → Desenha uma reta definida por 2 pontos. Note que, após adefinição do 2o ponto, o programa não sai do comando, mas considera este o pontoinicial de outro segmento de reta. 18
  19. 19. Circunferência (CIRCLE) → A posição de seu centro deve ser primeiramentedefinida e, após, um ponto qualquer que defina o raio. Arco tangente (TANGENT ARC) → Desenha um arco tangente a partir daextremidade de qualquer elemento, reto ou curvo. Observe a indicação de ângulo e raio. Arco definido pelo centro e 2 pontos (CENTERPOINT ARC) → Primeiramentedefina seu centro, seguido pelos pontos inicial e final. O sentido do arco é dado pelaseqüência desses pontos. Arco definido por 3 pontos (3 POINT ARC) → Desenha um arco passando por3 pontos quaisquer, sendo os dois primeiros os extremos e, por fim, um intermediário. Retângulo (RETANGLE) → Deve ser definido pelos extremos de uma de suasdiagonais. Polígono regular (POLYGON) → O 1o passo é a definição do número de lados, ese inscrito ou circunscrito a uma circunferência; o que é feito no campo Parameters, najanela de propriedades do comando. Após, define-se a posição de seu centro e um deseus vértices. Elipse (ELLIPSE) → Defina primeiro o seu centro, seguido pelas extremidadesdos dois semi-eixos. Linha curva sinuosa (SPLINE) → Este recurso permite desenhar uma linhasinuosa, definida por pontos aleatórios. Linha de centro/auxiliar de construção (CENTERLINE) → Idêntico ao comandoLINE, mas com linha traço-e-ponto. Ponto (POINT) → Desenha um ponto de referência no lugar desejado. Ferramentas de edição As ferramentas apresentadas acima são básicas para o desenho de sketches.Entretanto as vezes é preciso editá-las, seja para dar a forma desejada às figuras, sejacomo forma de agilizar o processo de construção. Assim, são descritas a seguir asprincipais ferramentas para a edição de sketches. 19
  20. 20. Essas ferramentas podem ser acessadas por meio dos ícones na ferramentas de“Sketch” (Figura 21) ou por meio do menu “Tools” (Figura 22). Clicar nessa seta para mostrar o restante dos icones. Figura 21. Ferramentas de edição Obs.: Quando não aparecem alguns ícones na barra de ferramentas de “Sketch”basta clicar na seta á direita como mostra a figura 21. Figura 22. Acesso as ferramentas de edição. 20
  21. 21. Cortar (TRIM) → Usado para o corte de quaisquer elementos, entre 2 pontos deintersecção. Para cortar basta clicar sobre o segmento desejado, que o sistema procurapelos limites mais próximos. Extend (EXTEND) → Extende um elemento qualquer até o objeto mais próximo,considerando a sua geometria. Clique sobre o elemento a ser extendido, do lado maispróximo do objeto-limite. Deletar → Apaga-se um elemento inteiro clicando-se sobre ele e na tecla DEL. Inserir concordâncias (FILLET) → Cria concordâncias entre 2 elementosquaisquer. Defina na janela de propriedades o raio de arredondamento. Especifique aposição da concordância clicando sobre os elementos a serem unidos, ou no ponto deintersecção. Note que mais de uma concordância pode ser criada por vez. Inserir chanfros (CHAMFER) → Estes podem ser definidos pelas distâncias dovértice (opção Distance-distance); ou por distância e ângulo (Angle-distance). O cantopode ser selecionado pelos vértices ou arestas. Neste caso, para a opção Distance-distance, é associada a distância D1 com a 1a aresta selecionada; e D2 com a 2a. Nocaso da opção Angle-distance, o ângulo é medido a partir da 1a aresta selecionada. Inserir elementos paralelos (OFFSET ENTITIES) → Cria elementos idênticos aoutros já existentes, paralelos a eles a determinada distância e lado. Ao acessá-lo,defina a distância e selecione o(s) elemento(s). Se necessário, use as opções Reverse(inverte o lado), Bi-direcional (ambos os lados) e Select chain (considera elementos emsérie). Espelhar (MIRROR) → Cria elementos simétricos a outros, em relação a um eixode simetria. Para tanto, desenhe a linha de simetria, selecione-a junto com os elementosa serem espelhados, e acesse o comando. Se preferir, desenhe o eixo de simetria,selecione-o, acesse o comando, e desenhe os elementos que, então, são espelhadossimultaneamente. Converter elementos em referências, e vice-versa (CONSTRUCTION) →Usado para transformar elementos quaisquer em elementos de referência, ou vice-versa.Acesse o comando e selecione o(s) elementos(s) desejado(s). 21
  22. 22. Converter entidade (CONVERT ENTITIES) → Este recurso converte o contornode uma entidade 3D em contorno de um sketch. Para utilizá-lo, clique sobre a face quecontém o contorno desejado, ou sobre o próprio contorno, e acesse o comando. Seleção de múltiplos elementos em um sketch. Existem 2 formas de seleção de múltiplos elementos em um sketch: 1. Seleção de elemento por elemento → Mantenha o botão CTRL pressionadoenquanto clica sobre todos os elementos desejados, um a um. 2. Seleção de vários elementos por vez → Consiste em enquadrar-se todos oselementos desejados através de um retângulo imaginário. Para tanto, defina com o botãoesquerdo do mouse um dos seus cantos e, mantendo-o pressionado, arraste até o cantooposto, liberando o botão. Movimentação e alteração de elementos não definidos em um sketch. Quando da sua criação no Solid Works, cada elemento precisa da definição depontos chaves, de acordo com sua geometria. Qualquer alteração de um elemento, sejaem posição ou tamanho, se dá pelo arraste desses pontos chaves, ou de suas arestasou contornos, considerando sua geometria de construção. Por exemplo, uma circunferência é definida pela posição do centro, e seudiâmetro. Logo, pode ser movimentada através de seu centro, enquanto que amovimentação de um ponto qualquer de sua circunferência promove alteração dodiâmetro. Uma reta é definida por 2 pontos. Assim a movimentação de um deles nãointerfere no outro, e a reta pode ser alterada em tamanho e orientação. A seleção dequalquer outro ponto permite a translação da reta. Entretanto, neste caso, o programapermite o movimento apenas em um sentido. Um retângulo é definido por 2 cantos opostos. Deste modo, e para obedecer suageometria, a seleção e movimentação de um dos vértices, ou de 2 arestas adjacentes,implica em manter fixo o canto oposto, fazendo com que o retângulo tenha suaproporção alterada. A deformação do retângulo também no caso de movimentação deuma das arestas. Para a translação do retângulo inteiro, há a necessidade da seleção detodas as arestas e, neste caso, sua movimentação não pode ser feita por um de seusvértices. Enfim, o mesmo princípio é mantido para o caso particular de cada elemento, e ousuário deve estar atento a isto, para fazer as alterações necessárias. 22
  23. 23. Editando e deletando sketches Editando - Clica-se com o botão direito do mouse sobre seu ícone na árvore deprojeto, e seleciona-se EDIT SKETCH (Figura 23). Figura 23. Edição de sketch. Deletando - Repetindo-se o procedimento anterior, mas selecionando DELETEFEATURE, e confirmando-se, o sketch como um todo é deletado. Mudando o plano de sketch Caso necessário, pode-se mudar o plano de um sketch, conforme passos aseguir. 1. Clica-se com o botão direito do mouse sobre o ícone correspondente naárvore de gerenciamento de operações (Figura 24); Figura 24. Mudança de plano de sketch. 2. Selecione EDIT SKETCH PLANE, e observe, na janela de propriedades docomando, a indicação do plano a que o sketch pertence; 3. Sobre a janela de propriedades, há uma tarja azul com o seu nome; nestecaso SKETCH PLANE. Clique sobre ela; 4. Selecione o novo plano pela árvore de gerenciamento de operações (Figura25). Confirme. 23
  24. 24. Figura 25. Seleção do novo plano de sketch. Cabe aqui comentar que a seleção de elementos na árvore de projeto, abertapela tarja azul com o nome do comando, é bastante comum em várias entidades do SolidWorks. O leitor deve estar atento para isto. Definição do sketch Devido ao conceito paramétrico do Solid Works, embora possamos criar qualquerelemento em um sketch com determinado tamanho e posição, isto não garante ageometria do sistema, que pode ser inadvertidamente alterada a qualquer momento. Ageometria de um sketch somente é definida através de relações e dimensões. Assim,qualquer alteração se dará apenas pela edição intencional dessas relações e dimensões. Quando todos os elementos em um sketch estão com posições e tamanhosespecificados, diz-se que ele está totalmente definido; caso contrário, sub-definido.Elementos sub-definidos são caracterizados pela cor azul, tornando-se pretos quandodefinidos. Qualquer sketch deve estar totalmente definido em dimensão e posição.Quando é selecionado um novo plano, sua única referência é a origem; portanto, ésempre conveniente começar a construção de um sketch relacionando-o à origem. Existe um número necessário e suficiente de relações e cotas para a definição deum sketch. No caso de haver relações e/ou cotas excedentes, diz-se que ele está sobre-definido, caracterizando-se pela cor vermelha. Quando inserimos uma outra relação, oucota, a um elemento totalmente definido, estamos dizendo que ela também pode alterá-lo. No momento em que é criado um conflito entre essa relação, ou cota, e outra(s) pré-existente(s), o sistema não sabe a qual delas dar prioridade, e impossibilita qualqueralteração. Somente deletando uma delas ele voltará a operar normalmente! Deve-sesalientar que conflitos ocorrem entre cotas e cotas, cotas e relações, relações e relações! Assim, pelas suas características, apesar das indicações do programa agilizarema construção de um sketch, e algumas relações serem automaticamente assumidas, as 24
  25. 25. vezes pode ser mais fácil e rápido criá-lo de forma mais ou menos aleatória e, após,estabelecer relações entre os elementos de forma a obter a geometria desejada. A seguir são apresentados os comandos para a definição de um sketch (Figura26). Figura 26. Comandos para definição do “Sketch”. Inserir dimensões (SMART DIMENSION) → Após acessá-lo selecione o(s)elemento(s) desejado(s), observando que o sistema somente define a cota após aseleção de 2 elementos, ou de um elemento e a sua posição. A janela para a edição deseu valor será aberta. Edite-a e confirme pelo ícone . Deletar dimensões - Clique sobre ela e na tecla DEL. Adicionar relações (ADD RELATION) → Selecione o(s) elemento(s),especifique, entre as opções possíveis, a relação geométrica a ser estabelecida entreeles, e confirme. Pode-se também selecionar os elementos primeiro e acessar ocomando depois. Verificar relações existentes (DISPLAY/ RELATIONS) - Selecione o elementoe observe na janela de propriedades as relações associadas. Deletar relações - Clique sobre o elemento, selecione a relação e delete-a. Seleção de contornos em um sketch Para grande parte das aplicações, um sketch deve ter contornos fechados.Assim, na criação de uma entidade a partir dele serão consideradas todas as áreasfechadas, não contíguas. Além disto, via de regra, cada entidade tem seu respectivosketch. Entretanto, um mesmo sketch pode ser usado em mais de uma entidade. Asvezes isto é até mais conveniente, mesmo com inevitáveis interseções. Neste caso,deve-se selecionar áreas específicas para cada entidade, conforme passos abaixo. Obs.: BDM = Botão direito do mouse. 1. BDM → CONTOUR SELECT TOOL; 2. Selecione os contornos desejados; 25
  26. 26. 3. BDM → END SELECT CONTOUR. Para a utilização do mesmo sketch na criação de outra entidade, basta selecioná-lo, a cada procedimento, pela árvore de projeto. Para seleciona-lo, clique com o botãodireito do mouse sobre o “Sketch” na árvore de comandos e selecione a opção “Show”(Figura 27). Figura 27. Tornando um Sketch visível. Ferramentas de visualização O Solid Works permite várias opções de visualização de um modelo, sendo asprincipais ferramentas apresentadas a seguir. Para todas elas são identificadas 3 formasde acesso, sendo a 1a relativa aos ícones da barra de ferramentas de visualização(Figura 28), a 2a ao menu suspenso, e a 3a pelo botão direito do mouse na área gráfica(BDM). Figura 28. Figuras de visualização. Zoom dinâmico ( ou VIEW → MODIFY → ZOOM IN/OUT ou BDM →ZOOM IN/OUT) → Altera o zoom dinamicamente. Selecione-o, e pressione o botãoesquerdo do mouse sobre a área gráfica, mantendo-o assim. Arraste o mouse para cimae para baixo. Para sair use uma das formas de acesso. Zoom sobre área específica ( ou VIEW → MODIFY → ZOOM TOAREA ou BDM → ZOOM TO AREA) → Aproxima uma área determinada, delimitada porum retângulo imaginário. Defina-o por 2 vértices opostos. Utilize qualquer uma dasformas de acesso para sair do comando. Zoom sobre face(s) específica(s) ( ou VIEW → MODIFY → ZOOM TOSELECTION) → Ajusta o maior zoom que permita a visualização integral e simultânea detodas as faces desejadas. Estas devem ser selecionadas previamente, antes do acessoao zoom. 26
  27. 27. Zoom total ( ou VIEW → MODIFY → ZOOM TO FIT ou BDM → ZOOMTO FIT) → Permite a visualização total da peça. Translação ( ou VIEW → MODIFY → PAN ou BDM → PAN ) → Permitea translação da peça no espaço. Pressione o botão esquerdo do mouse sobre a áreagráfica e arraste-o sobre a tela. Libere o botão quando a peça estiver na posiçãodesejada. OBS: A translação também pode ser efetuada pelas setas do teclado, emconjunto com a tecla CTRL. O sentido do deslocamento é o mesmo das setas. Rotação ( ou VIEW → MODIFY → ROTATE ou BDM → ROTATE VIEW)→ Gira a peça em torno de um eixo. Aperte o botão esquerdo do mouse sobre a áreagráfica e arraste-o sobre a tela: a rotação se dá em torno de um eixo perpendicular amovimentação do mouse. Libere o botão na posição adequada. OBS: Este comando também pode ser acessado a partir do teclado. As setashorizontais (← e →) giram o objeto em torno de um eixo vertical; se acionadas junto comALT, em torno de um eixo perpendicular à tela. Para as setas verticais (↑ e ↓) o eixo derotação é horizontal. O giro nos eixos horizontal e vertical pode ser feito em passos de90º, pressionando-se SHIFT em conjunto com as setas. Esse comando pode ainda ser acessado mantendo pressionado o botão derolagem do mouse (botão do centro) e movimentando o cursor sobre a área de trabalho. Retorno à posição de visualização anterior ( ) → Retorna sucessivamenteàs posições de visualização definidas anteriormente. Visualização apenas com arestas visíveis ( ou VIEW → DISPLAY →HIDDEN LINES REMOVED). Visualização com arestas visíveis e não visíveis ( ou VIEW → DISPLAY →HIDDEN LINES REMOVED). Visualização segundo “estrutura de arame” ( ou VIEW → DISPLAY →WIREFRAME) → O modelo é apresentado como se não fosse sólido, podendo-seobservar todas as suas arestas. 27
  28. 28. Visualização segundo um sólido ( ou VIEW → DISPLAY → SHADED) → Omodelo é observado com suas faces destacadas diferentemente pelo efeito deiluminação. Observação segundo vistas pré-definidas ( ou VIEW → ORIENTATIONou BARRA DE ESPAÇOS) → Permite a visualização do modelo em uma das 6 vistasprincipais (FRONT: VA, BACK: VP, LEFT: VLE, RIGHT: VLD, TOP: VS e BOTTOM: VI);em perspectiva Isométrica, Dimétrica ou Trimétrica; de frente para um plano qualquer(NORMAL TO); ou em uma posição de observação qualquer definida pelo usuário. Aoacessar o comando, bastam 2 cliques sobre a opção desejada, na janela Vieworientation, para que o objeto se reposicione. OBS 1: O ícone permite que a janela View orientation fique aberta. OBS 2: Visualizações em isométrica, de frente para um plano qualquer e emvistas principais podem ser acessadas diretamente pelos ícones na barra de ferramentasde visualização (Figura 29). No caso das vistas principais a identificação de cada uma éfeita pela face em azul. ou Figura 29. Vistas da peça. Redefinição das vistas principais ( na janela View Orientation) → Altera aordem das vistas principais do modelo. Coloque-o na posição de observação desejada.Abra a janela View Orientation (Figura 30). Clique uma vez sobre a vista que devecorresponder à posição de observação definida, acesse o comando e confirme. 28
  29. 29. Figura 30. Janela “View orientation”. Retorno às vistas principais originais ( ) → Desfaz o comando anterior,retornando à disposição de vistas inicial. Definição de nova posição de observação ( ) → Primeiramente coloque apeça na posição desejada. Abra a janela View Orientation e clique no ícone indicadoacima. Nomeie a nova vista e confirme. Ela será adicionada as outras. Criação de planos Para a geração de entidades através de sketches podem ser usados os 3 planosiniciais, ou quaisquer faces planas do objeto sendo modelado. Entretanto, muitas vezessão necessários planos com outras orientações. Nestes casos, é preciso criá-los.Existem muitas possibilidades de orientações de planos possíveis, e a seguir serãoapresentadas as principais, com os respectivos procedimentos para que sejam criadas. Plano paralelo a outro plano ou face, a uma distância determinada. Selecione pela janela gráfica ou árvore de projeto o plano ou face de referência. Selecione o menu INSERT → REFERENCE GEOMETRY → PLANE (Figura 31).(Obs.: Para inserir um novo plano o “Sketch” deve estar fechado). 29
  30. 30. Figura 31. Criação de um novo plano. A opção é automaticamente selecionada (Figura 32), e pode-se observarpreviamente o novo plano (em amarelo). Ao lado desse ícone defina a distância entre os planos. Se necessário, a opção Reverse direction inverte a posição do novo plano. Se for o caso, altere o número de planos paralelos a serem criados. Confirme. Figura 32. Criação de planos paralelos. 30
  31. 31. Plano passando por uma aresta, eixo ou reta em um sketch, e fazendo umângulo com outro plano ou face. Selecione, através da janela gráfica ou da estrutura do arquivo, o plano ou facede referência, ao qual o novo plano deve fazer ângulo. Selecione o menu INSERT → REFERENCE GEOMETRY → PLANE. Selecione a opção . Pela janela gráfica, selecione uma aresta, eixo ou reta em um sketch que devepertencer ao novo plano. Observe-o previamente. Defina o ângulo que o novo plano deve fazer com o plano ou face de referência. Caso necessário, a opção Reverse direction inverte o sentido do novo plano. Se for o caso, altere o número de planos a serem criados. Confirme. Plano definido por aresta, eixo ou reta em um sketch, e um ponto; ou por 3pontos. Acesse o menu INSERT → REFERENCE GEOMETRY → PLANE. Escolha a opção : Through Lines/Points. Selecione, pela janela gráfica, a aresta, eixo ou reta em um sketch, e o ponto (ouos 3 pontos) que devem definir o novo plano. Confirme. Plano paralelo a outro plano ou face, e passando por um ponto. Selecione, através da janela gráfica ou da estrutura do arquivo, o plano ou facede referência, ao qual o novo plano deve ser paralelo. Acesse o menu INSERT → REFERENCE GEOMETRY → PLANE. Escolha a opção : Parallel Plane at Point; Selecione o ponto pela janela gráfica Confirme. Intenções de projeto. Na definição da forma de um objeto existem características básicas que lheconferem sua funcionalidade, e que portanto devem ser preservadas,independentemente das alterações que possa sofrer. A essas características básicas dá-se o nome de intenções de projeto. Como exemplo, observe o sólido a seguir (Figura 33). 31
  32. 32. Figura 33. Intenção de projeto. Para ele poderiam ser consideradas como intenções de projeto a base serquadrada, o cilindro ser centrado a ela, e o furo ser passante. Isto quer dizer que se aespessura da base for aumentada, a profundidade do furo também deve ser alteradapara que continue a ser passante. Ainda, caso um lado da base tenha seu valor alterado,o outro lado deve acompanhá-lo, de modo a ela continuar sendo quadrada, bem como ocilindro deve ser reposicionado centrado à nova base. Haja visto que a maneira como um modelo é criado define as possibilidades dealteração, a observação das intenções de projeto na sua criação permite que qualqueredição seja feita de forma mais simples, demandando o mínimo de alterações para queas características básicas sejam mantidas. A importância da escolha do plano de sketch. O modelo de um objeto qualquer pode, muitas vezes, ser criado de diversasformas, com graus de complexidade distintos. Além disto, o método mais adequado parauma peça pode não sê-lo para outra, dado as particularidades da cada uma. Assim, émuito importante que, antes de iniciar-se um modelamento, sejam analisadas asintenções que se quer dar ao modelo, e estudadas as alternativas de construção, demodo a que seja selecionada a mais simples ou vantajosa. Como no SolidWorks amaioria das entidades é criada a partir de “Sketches”, a alternativa de construção maisadequada está intimamente ligada a escolha do melhor perfil (sketch) inicial. O perfilinicial deve ser aquele que melhor traduz as características básicas da peça,demandando um menor número de passos para a conclusão do modelo. 32
  33. 33. Além disto a seleção do plano correspondente também merece especial atenção,pois é ele que definirá a orientação do modelo no espaço, isto é, suas vistas principais.Embora exista a possibilidade de mudança de sketch de um plano para outro, estaoperação não é recomendável para peças complexas, com muitas entidades, pois oprograma pode não conseguir reconstruir a peça integralmente em sua nova orientação.Conforme o caso, uma reordenação das vistas principais do modelo pode ser a solução.De qualquer forma, estes comentários ilustram a importância da escolha correta de umperfil inicial e de seu plano. Entidades de modelamento. Nesta seção serão apresentadas as principais entidades (features) usadas nomodelamento de objetos no SolidWorks. Todas as entidades são apresentadas comduas formas de acesso, sendo a 1a referente ao ícone na barra de ferramentas deentidades (Figura 34), e a 2a ao menu suspenso (Figura 35). Figura 34. Barra de ferramentas de entidades de modelamento. Figura 35. Acesso as entidades com adição de material (Boss/Base) e retirada (Cut). A criação de entidades pode se dar tanto com adição (opção BOSS/BASE) comocom remoção (CUT) de material. Ressalta-se aqui que todas elas podem ser editadasatravés da mesma opção EDIT FEATURE, acessada por um clique com o botão direitodo mouse sobre o respectivo nome da entidade na árvore de projeto (Figura 36). 33
  34. 34. Figura 36. Editando uma entidade. Extrusão (EXTRUDED): É a projeção sólida de um perfil em uma direção normal a ele, até uma distânciaou elemento determinado (Figura 37). Figura 37. Operação de extrusão. Após o acesso ao comando, deve-se especificar a extensão da projeção do perfil,feita através de sua janela de propriedades. As opções para esta definição, são listadasa seguir. Para qualquer caso, o sentido da extrusão pode ser invertido clicando-se sobreo ícone . Após a definição, a opção deve ser confirmada pelo ícone . Opções de extrusão (Figura 38): Blind → Projeta o perfil até uma distância específica determinada (D1). Though All Faz com que a extrusão seja passante, ou seja, através de toda apeça, independente de sua extensão. Up to Next → Projeta o perfil até a próxima superfície da mesma peça. Up to Vertex → Extende o perfil até um vértice determinado. Up to Surface → Extende a projeção do perfil até uma superfície qualquer. 34
  35. 35. Offset from Surface → Projeta o perfil até uma distância determinada (D1) de umasuperfície qualquer, aquém ou além dela, sendo seu sentido dado por Reverse Offset.Se a extrusão não for observada, marca-se Translate Surface. Mid Plane → A projeção do perfil é feita para ambos os lados, até uma extensãototal D1, sendo o plano do sketch o plano médio da entidade assim criada. Figura 38. Opções de extrusão. A extrusão em todos os casos também pode ser feita em ângulo. Para tanto,clique no ícone e defina seu valor no campo ao lado. Marcando-se Draft outward oângulo da extrusão é divergente; caso contrário, convergente. Para a operação EXTRUDED CUT existe a opção Flip Side to Cut que, semarcada, faz com que seja removido o material externo ao sketch. Revolução (REVOLVED): A entidade é gerada pela rotação de um perfil sobre um eixo central (Figura 39). Figura 39. Operação de revolução Procedimento: Desenhe o sketch contendo a linha de centro e o contorno do perfil, que deve serfechado. Feche o sketch. 35
  36. 36. Acesse o comando através de uma das formas acima. Defina o tipo de revolução (se em 1 ou 2 direções, ou mid-plane), o sentido degiro (ícone ), e o ângulo de revolução (Figura 40). Confirme. Figura 40. Comando de revolução. Sweep. Com adição de material: ou INSERT → BOSS/BASE → SWEEP. Com remoção: INSERT → CUT → SWEEP) → A entidade é gerada fazendo-secom que um dado perfil siga um caminho determinado qualquer, conforme figura 41. Figura 41. Uso do comando sweep. Procedimento: Faça o sketch do caminho a ser seguido pelo perfil, não esquecendo que seuponto inicial deve ser coincidente com o plano do perfil. Feche o sketch. Se existirem curvas-guia, desenhe-as; sendo uma em cada sketch. 36
  37. 37. Desenhe o perfil. Defina sua posição estabelecendo a relação Pierce entre um deseus pontos e o caminho, desenhado anteriormente. Se existirem curvas-guia, faça omesmo para relacionar o perfil a cada uma delas. Feche o sketch. Acesse o comando SWEEP. Selecione, pela janela gráfica ou árvore de projeto, o sketch do perfil. Selecione o sketch correspondente ao caminho. Se o resultado não for observado, marque Show preview, no bloco Options. Mais acima, configure Orientation/twist Type para Keep normal constant, se operfil deve manter-se sempre paralelo ao sketch; ou Follow path, para que a posiçãorelativa entre o perfil e o caminho seja mantida. Se não existirem curvas-guia, pule para o próximo passo; caso existam, habilite obloco seguinte (Guide curves) e selecione-as (Figura 42). Confirme. Figura 42. Parâmetros para o comando sweep. Loft. Com adição de material: ou INSERT → BOSS/BASE → LOFT. Com remoção: INSERT → CUT → LOFT) → Origina a entidade pela união demúltiplos perfis, criados em planos sucessivos, paralelos ou não (Figura 43). 37
  38. 38. Figura 43. Operação loft Para a criação de deste tipo de entidade, siga os passos a seguir. Desenhe nos respectivos planos os sketches dos perfis. Feche-os. Caso a união dos perfis deva seguir um ou mais contornos específicos, desenhe,em plano(s) adequado(s), o(s) sketch(es) com a(s) curva(s)-guia. Acessar o comando LOFT. Selecionar, pela janela gráfica ou árvore de projeto, os perfis, considerando que aforma da união depende da ordem em que são especificados, e dos pontos pelos quaissão selecionados. Caso necessário, marcar Show preview para observar o resultado. Se existirem curvas-guia, certifique-se de que o campo Guide curves estáhabilitado, e selecione o(s) sketch(es) correspondente(s). Confirme. Ferramentas de edição de modelamento. Assim como ocorre com o “Sketch”, também no modelamento temos asferramentas básicas, que foram apresentadas anteriormente, e muitas vezes precisamosfazer alguma alteração na peça modelada, seja para definir seu acabamento ou tambémagilizar seu processo de construção. Assim, são descritas a seguir as principaisferramentas para a edição de modelamento (Features) (Figuras 44 e 45). Figura 44. Barra de ferramentas para edição de modelamento. 38
  39. 39. Figura 45. Acesso a comandos de edição de modelamento. Chanfro (CHAMFER): Cria diretamente em 3D, chanfros em um vértice, aresta ou face quaisquer. Aadição ou remoção de material se dá automaticamente. Abaixo segue o procedimento para uso deste recurso. Selecione pela janela gráfica o vértice, aresta e/ou face onde o chanfro deve sercriado (no caso de uma face todas as suas arestas serão chanfradas). Com exceção dovértice, as outras opções admitem a seleção de mais de um elemento, mesmodiferentes. Acesse o comando CHAMFER. Estabeleça como o chanfro será definido: se por ângulo e distância, ou distânciae distância (Figura 46). No caso da seleção de um vértice, pule para o passo seguinte. Especifique os parâmetros escolhidos (ângulo e/ou distância). A opção Flipdirection, habilitada apenas para a opção ângulo e distância, serve para inverter os ladosde um chanfro se eles não forem iguais. Confirme. 39
  40. 40. Figura 46. Parâmetros para chamfro. Concordância (FILLET/ROUND): Cria arredondamentos diretamente em 3D em arestas e faces. Da mesma formaque no CHAMFER, a adição ou remoção de material é dada de forma automática. Para sua criação siga os passos abaixo (Figura 47). Selecione a(s) aresta(s) e/ou face(s) onde a(s) concordância(s) deve(m) sercriada(s). No caso de uma face todas as suas arestas serão arredondadas. Acesse o comando FILLET/ROUND. No alto da janela de propriedades marque a opção Constant radius. No bloco intermediário (Itens to fillet) especifique o raio do arredondamento. Caso não visualize o resultado, assinale a opção Full preview. A opção Tangent propagation faz com que a concordância propague-se àsarestas tangentes, minimizando a seleção delas. Assinale se for conveniente. Confirme. 40
  41. 41. Figura 47. Parâmetros para arredondamento. Arranjo ou Padrão Linear (LINEAR PATTERN) (Figura 48): Cria cópias de uma entidade, dispondo-as segundo linhas e colunas. Procedimento: Caso não existam arestas no sólido que definam as direções do arranjo, crie umsketch e desenhe retas com as orientações desejadas. Feche-o. Selecione, pela árvore de projetos ou janela gráfica, a entidade a ser copiada. Acesse o comando LINEAR PATTERN. Selecione a aresta do sólido, ou a reta do sketch, que defina a 1a direção doarranjo; caso necessário inverta seu sentido pelo ícone . Defina a distância entre as cópias nessa direção: seu valor é a soma dadimensão da entidade mais o espaçamento entre as cópias. Defina o número de cópias da entidade nessa direção. Repita, se for o caso, os passos 3 a 5 para a 2a direção. Assinale Pattern seed only caso as cópias devam ser dispostas apenas em 1linha e 1 coluna. Confirme. 41
  42. 42. Figura 48. Alguns parâmetros para arranjo linear. Arranjo ou Padrão Circular (CIRCULAR PATTERN) (Figura 49): Cria cópias múltiplas de uma entidade qualquer, dispondo-as radialmente emtorno de um eixo central. Para criar este tipo de entidade siga o procedimento a seguir. 1. Se o eixo do arranjo a ser criado corresponde ao de uma entidade cilíndricaou cônica, pule para o passo 6. 2. Se não for o caso da situação acima, o eixo deve ser criado. Para tanto utilizea seqüência INSERT → REFERENCE GEOMETRY → AXIS. 3. Escolha a maneira de criação deste eixo: • One Line/Edge/Axis: o eixo é orientado segundo uma reta de um sketch,que deve ter sido criado previamente. • Two Planes: o eixo é definido pela interseção de 2 planos. • Two Points/Vertices: definido através de 2 pontos ou vértices. • Point and Surface: definido por 1 ponto e 1 direção normal a umasuperfície especifica. 4. Selecione o(s) elemento(s) necessário(s) de acordo com a escolha acima. 5. Confirme com OK e pule para o passo 7. 6. Clique no menu VIEW → TEMPORARY AXES para criar o eixo central. 7. Acesse o comando CIRCULAR PATTERN. 8. Selecione, pela janela gráfica, o eixo central. 42
  43. 43. 9. Selecione a entidade a ser copiada. 10. Defina o ângulo e o número de cópias: com a opção Equal spacing marcada,especifica-se o ângulo entre a 1a e a última cópias, ficando as outras entre elas,igualmente espaçadas; caso contrário, o ângulo corresponde à separação angular entrecada cópia. 11. Confirme. Figura 49. Alguns parâmetros para arranjo circular. 43
  44. 44. Modelamento 3D: Montagem (Módulo ASSEMBLY) Neste módulo, as peças modeladas no módulo Part são inseridas em umambiente de montagem, onde deverão assumir posições e movimentos relativosconforme o contexto em que devem operar. Qualquer peça inserida em uma montagem está referenciada ao arquivo original,de modo que qualquer alteração feita nele é repassada à montagem, que não precisa,assim, ser editada. Para se trabalhar com uma montagem, deve ser selecionado o módulo“Assembly”, ao invés de Part, para a criação deste tipo de arquivo. A interface de um arquivo de montagem é idêntica a do “Part”, sendo compostada janela gráfica, onde as peças são manipuladas; e da árvore de projeto, onde éobservada a estrutura do arquivo, com as peças apresentadas na ordem em que foreminseridas. Acima das janelas estão os menus suspensos; à esquerda da árvore deprojetos está, normalmente, a barra de ferramentas de montagem; e à direita da janelagráfica fica, normalmente, a barra de ferramentas de sketch. Por ser um ambiente espacial, existem, inicialmente, 6 movimentos possíveispara qualquer peça que for inserida: 3 translações, ao longo dos eixos x, y e z; e 3rotações, em torno de cada um desses eixos. As orientações dos eixos x, y e z podemser observadas no canto inferior esquerdo da janela gráfica. Entretanto, embora as peças inseridas possam livremente descrever estes grausde liberdade, esta movimentação apenas serve para se posicionar um componente demodo mais favorável. Não é possível fixá-lo em sua posição definitiva desta forma. Istosomente é feito, analogamente ao procedimento usado para a definição de geometriasentre elementos em um sketch, por relações, que neste módulo chamam-se “MATES”. O procedimento difere apenas no sentido de que, para uma montagem, estasrelações são entre elementos de peças 3D, ou seja, trata-se de relações geométricasespaciais. A medida que relações entre os diferentes elementos são inseridas, os grausde liberdade de cada uma das peças são restringidos, até que estejam em suas posiçõesfinais e com apenas os movimentos relativos possíveis. O principal detalhe que deve-se observar é na inserção do 1o componente pois,em princípio, este automaticamente será fixo. Portanto, da mesma forma que éconveniente iniciar um sketch pela origem, de modo a minimizar possíveis futurosproblemas quando da sua definição, em uma montagem também deve-se inserir o 1ocomponente na origem do sistema. Assim, a escolha deste componente deve recairsobre um que não apresente movimento relativo. 44
  45. 45. Na seqüência são apresentados os principais procedimentos usados namanipulação de componentes em uma montagem. Inserindo componentes Formas de inserir componentes para montagem. Quando abrimos um novo arquivo em modo “Part” é solicitado o componenteque se deseja inserir na montagem (Figura 50). Figura 50. Seleção de componentes para montagem. Clica-se em “Browse” e seleciona-se o componente desejado. Ou, também, através da barra de ferramentas “Assembly”, selecionando ocomando “Insert Component” (Figura 51). 45
  46. 46. Figura 51. Seleção de componentes para montagem. Procure o componente desejado, clique em ABRIR e confirme com OK. Obs.: Para a inserção de cópias de componentes já existentes. Pressione o botão CTRL e mantenha-o pressionado; A partir da árvore de projeto da própria montagem, clique com o botão esquerdodo mouse sobre o componente do qual quer se inserir uma nova cópia, e arraste-o atéum ponto qualquer da janela gráfica. Movimentando um componente Selecione o ícone na barra de ferramentas de montagem (Figura 52). Figura 52 Clique com o botão esquerdo do mouse sobre o componente e arraste-o para aposição desejada e confirme. Rotacionando um componente Selecione o ícone na barra de ferramentas de montagem (Figura 53). Figura 53 Clique com o botão esquerdo do mouse sobre o componente e gire-o até aposição mais conveniente e confirme. 46
  47. 47. Inserindo relações Como as relações definem posições e movimentos relativos entre peçasdiferentes, é conveniente analisar atentamente qual elemento de cada uma das peçasdeve ser considerado para que se consiga o resultado desejado. Além disto, como elasmuitas vezes tem tamanhos relativos diversos, em montagens é necessário se trabalharseguidamente com comandos de zoom. Para a criação de relações geométricas entre elementos, selecione o ícone “Mate” na barra de ferramentas de montagem (Figura 54). Figura 54 Selecione os elementos desejados. O sistema apresenta as relações geométricas possíveis entre os elementosselecionados. Defina-a (Figura 55) Figura 55 Clique em PREVIEW para observar o resultado e confirme. 47
  48. 48. Criação de uma perspectiva explodida Muitas vezes é conveniente, para efeito de interpretação, representar uma montagem em perspectiva explodida. O Solid Works permite a criação deste tipo de vista através do procedimento abaixo. Clique no ícone “Exploded View” para a criação da vista explodida (Figura 56). Figura 56 Clique sobre o componente a ser explodido. O sistema pedirá para que a direção de afastamento de cada componente seja definida. Para tanto, clique em um dos eixos de coordenadas para definir a direção de afastamento do componente (Figura 57).Reversedirection Figura 57 A distância que o componente será afastado de sua posição original pode ser especificada abaixo da opção “reverse direction”. Clique em “Apply” para visualizar a explosão da montagem. Marque “reverse direction” caso desejar inverter a direção de afastamento do componente. Desmarque se necessário. Clique em “Done” para finalizar o afastamento desse componente e repita a operação para cada componente a ser explodido. Clique OK. Para observar a montagem inicial clique no ícone , sob a árvore de projeto, e a janela de configurações será aberta. Clique com o botão direito do mouse sobre “ExplView1” e selecione “Explode” ou “Animate explode” (Figura 58). 48
  49. 49. Figura 58 Para a edição de uma vista explodida, clique com o botão direito do mouse sobre“ExplView” e selecione “Edit Feature”. 49
  50. 50. Detalhamento (Módulo Drawing) Neste módulo o sistema gera vistas ou perspectivas dos componentes oumontagens criados nos módulos Part e Assembly. Este tipo de arquivo é semelhante a esse último, no sentido que não se trata deum arquivo independente, mas está referenciado ao componente ou montagem querepresenta. Assim, as alterações feitas ao componente ou montagem sãoautomaticamente repassadas ao desenho. Pode-se também efetuar modificações em umcomponente a partir de suas vistas em um desenho, pela importação e edição dasdimensões usadas em sua criação, sejam elas de “sketches” ou entidades. Quanto à interface, existem algumas diferenças. Na janela gráfica, agora érepresentada a folha de desenho. A árvore de gerenciamento de operações mostra todasas folhas de desenho existentes, as vistas em cada uma delas, e a que peça oumontagem cada vista está referenciada. A sua esquerda estão, normalmente, as barrasde ferramentas de anotações, desenho e layers. Observa-se também que, sobre a folha de desenho, as ferramentas de sketchestão sempre habilitadas e podem ser usadas normalmente. Criando e configurando um arquivo de desenho. Existem vários parâmetros que devem ser definidos na criação de um arquivo dotipo Drawing. Eles se referem ao tamanho da folha, ao seu leiaute, e à representaçãodas vistas de desenho. A seqüência desses procedimentos está apresentada abaixo. Ao abrir um novo arquivo, em modo “Drawing”, é solicitada a definição dotamanho da folha de desenho em que vamos trabalhar. Temos duas opções: “Standard sheet size”, que são os tamanhos de folha padrão, e “Custom sheetsize”, que são folhas personalizadas (Figura 59). Figura 59 50
  51. 51. Clique com o botão direito do mouse sobre a folha de desenho e selecionePROPERTIES (Figura 60). Figura 60 Se forem necessárias redefinições de tamanho e orientação, e de leiaute, refaça-as nos campos Standart sheet size e Custom sheet size. No campo Scale defina a escala principal a ser usada na prancha de desenho; Na opção Type of projection marque first angle, para que as vistas do desenhosejam projetadas em 1o diedro; ou third angle, em 3º. OK (Figura 61). 51
  52. 52. Figura 61 Inserindo outra prancha de desenho Clique com o botão direito do mouse na área em branco do papel, e selecioneADD SHEET...; Defina os parâmetros a serem usados na prancha, e confirme com OK. Deletando pranchas de desenho Clique com o botão direito no mouse em uma área em branco da folha, eselecione DELETE. Confirme com YES. Trocando de prancha Selecione a prancha desejada clicando sobre seu nome na parte inferioresquerda da janela gráfica. Inserindo vistas ortográficas Para inserir as vistas de um componente ou montagem na folha de desenho,acessamos o comando “Model View” na barra de ferramentas “Drawings”, ou por meiodo menu “Insert – Drawing View – Model” (Figura 62). 52
  53. 53. Figura 62 No “Property Manager” abre-se a caixa de diálogo para selecionar o arquivocom o modelo ou montagem do qual se quer inserir as vistas (Figura 63). Figura 63 Se já houver algum arquivo aberto, ele terá seu nome na caixa “Opendocuments”, caso contrário, se não houver nenhum arquivo aberto, clica-se em“Browse” para procurá-lo. Uma vez selecionado o arquivo, pode-se determinar qual a vista a ser inseridaclicando em uma das posições da caixa “Orientation”, onde têm-se as vistas frontal eposterior, laterais direita e esquerda, superior, inferior e perspectiva (Figura 64). 53
  54. 54. Figura 64 Para a vista em perspectiva têm-se as opções: Isométrica, que é a posição dodesenho, e em “More views” têm-se as opções trimétrica e dimétrica, além de “CurrentModel View” que é a posição em que a peça se encontra no arquivo de origem. Para uma pré-visualização da vista a ser inserida, seleciona-se a opção“Preview”. Para que sejam inseridas vistas a partir da primeira, seleciona-se a opção “Auto-start projected view”, na caixa “Options”, e arrasta-se o mouse (Figura 65). Figura 65 Para definir o tamanho das vistas na folha de desenho, seleciona-se a opção“Use custom scale”, em “Scale”, e clica-se na seta ao lado de “User Defined” paraescolher a escala de apresentação das vistas (Figura 66). Figura 66 54
  55. 55. Uma outra opção é criar as vistas “Front, Top, Bottom, Right, Left, Back eisométric” ao mesmo tempo utilizando a opção “Multiple views” em “Number ofviews” (Figura 67). Seleciona-se a opção “Multiple views” e clica-se nas vistas que sedeseja inserir em “Orientation”, já visto na figura 64. Figura 67 Vista pré-definida Através do menu “Insert – Drawing View – standard 3 View” (Figura 68) ouselecionando o comando “Standard 3 View” na barra de ferramentas “Drawings”(Figura 69), pode-se criar as três vistas principais da peça (Front, Right e Top)automaticamente. Figura 68 Figura 69 Selecionando o componente ou montagem, as vistas são geradas e, se asopções “Front, Right” e “Top” estiverem selecionadas em “Options”, as vistas sãogeradas com cotas (Figura 70). 55
  56. 56. Figura 70 Projeção de uma vista qualquer a partir de outra já existente. Clique sobre a moldura da vista de referência. Selecione INSERT → DRAWINGVIEW → PROJECTED, ou o ícone na barra de ferramentas “Drawings” (Figura 71). Figura 71 Defina a posição da nova vista em relação à vista de referência. Vista auxiliar Obs.: Este tipo de vista sempre é inserido em 3o diedro, sendo necessária aposterior alteração de sua posição, ou a indicação do sentido de observação. Clique sobre o plano que se quer observar em VG, na vista em que apareceacumulado. Selecione “Insert – Drawing View – Auxiliary” ou clique sobre o ícone na barrade ferramentas “Drawings” (Figura 72). Figura 72 56
  57. 57. Defina sua posição na folha de desenho, considerando tratar-se de projeção em o3 diedro. Altere sua posição e/ou corrija a indicação do sentido de observação. Confirme. Vista de detalhe. Desenhe um círculo ou contorno fechado qualquer (ferramenta SPLINE) sobre aregião que se quer ampliar no detalhe, em qualquer uma das vistas. Clique sobre o sketch para selecioná-lo; Selecione o menu “insert – Drawing View – Detail” ou clique sobre o ícone nabarra de ferramentas “Drawings” (Figura 73). Figura 73 Posicione o detalhe ampliado na folha de desenho; No alto da janela de propriedades, defina em Style como será feito orelacionamento entre a vista principal e a de detalhe; Caso necessário, altere a escala do detalhe em Custom Scale, ao pé da janela depropriedades; Confirme. Seção ou corte total Selecione o menu “Insert – drawing View – Section” ou clique no ícone nabarra de ferramentas “Drawings” (Figura 74). Figura 74 Desenha-se uma linha que deve ultrapassar os limites da moldura da vista. No caso de uma montagem, assinale a opção auto-hatching na janela depropriedades e, pela árvore de projeto, selecione os componentes que não devem sercortados. Clique em OK; 57
  58. 58. Posicione o corte segundo o sentido de observação desejado. Assinale Flipdirection, no alto da janela de propriedades, no caso de problemas em definí-lo. Se se tratar de seção, marque Display only surface na janela de propriedades. Confirme. Corte total composto por planos concorrentes Selecione o menu “Insert – drawing View – Aligned section” ou clique no íconena barra de ferramentas “Drawings” (Figura 75). Figura 75 Desenham-se as 2 duas linhas concorrentes indicativas do plano de corte, quedevem ultrapassar os limites da moldura desta vista. A seção alinhada gira o corte noplano do segmento selecionado. Posicione a vista conforme sentido de observação desejado. Assinale Flipdirection, no alto da janela de propriedades, no caso de problemas em definí-lo. Confirme. Corte parcial Selecione o menu “Insert – Drawing View – Broken-out Section” ou cliquesobre o ícone na barra de ferramentas “Drawings” (Figura 76). Figura 76 Desenhe sobre a vista adequada um contorno fechado qualquer que circunde aregião a ser cortada. Assinale a opção Preview, e defina a profundidade de corte D1; Confirme. Deletando vistas de desenho Selecione pela árvore de projeto ou janela gráfica, e neste caso pela sua moldura,a vista a deletar; 58
  59. 59. Clique DELETE e confirme. Definindo a “visualização” de linhas ocultas e arestas tangentes A representação de linhas ocultas e arestas tangentes nas vistas geradasdepende de configuração, e se dá de forma independente para cada delas. As chamadas arestas tangentes servem para indicar início e fim deconcordâncias, e não são empregadas em desenho técnico. Para configurar ambos os tipos de linhas siga o procedimento abaixo, observandoque vistas criadas a partir de outra assumem suas configurações. Selecione a vista emque as modificações devem ser efetuadas; Selecione “View – Display” e assinale “Hidden lines visible/removed” paraque as linhas ocultas sejam ou não representadas, respectivamente; e a opção“Tangent edges removed”, para ocultar as arestas tangentes (Figura 77). Figura 77 Editando vistas de desenho Embora as vistas sejam geradas pelo sistema, muitas vezes precisam sereditadas para adequarem-se a determinadas normas de desenho técnico. Novos elementos devem ser desenhados com as ferramentas de sketch. No caso de elementos que devem ser omitidos, clique com o botão direito domouse sobre o elemento desejado, e selecione “Hide edge”. Movendo vistas Esta movimentação fica restringida pela manutenção do alinhamento entrevistas adjacentes. Assim, a movimentação de uma delas pode implicar na movimentação 59
  60. 60. de outra(s). Além disto, vistas criadas a partir de outras só podem se movimentarsegundo a direção do alinhamento que as une. Segue os passos para a movimentação de vistas são. Selecione, pela sua moldura, a vista a ser movimentada; Clique, e mantenha pressionado, o botão esquerdo do mouse sobre uma dasarestas da moldura, que devem estar assinaladas; Movimente a vista até a posição desejada e solte o botão do mouse; Confirme. Inserindo linhas de centro e eixos As linhas de centro e eixos, embora possam ser desenhadas normalmente,também podem ser inseridas. Para tanto, siga os passos abaixo. Linhas de centro Seleciona-se o menu “Insert – Annotations – Center Mark” ou clica-se no íconena barra de ferramentas “Annotations” (Figura 78). Figura 78 Selecione os arcos ou circunferências cujas linhas de centro devem serindicadas. Confirme após a seleção. Eixos Existem 2 possibilidades de inserção de eixos. Modo 1: Insere os eixos apenas em elementos especificados. Selecione “Insert – Annotations – Centerline” ou clica-se no ícone na barra deferramentas “Annotations” (Figura 79). Figura 79 Clique sobre ambas as geratrizes-limite dos cilindros ou cones cujos eixos devemser indicados. Confirme. 60
  61. 61. Modo 2: Insere automaticamente todos os eixos em uma vista. Selecione a vista em que os eixos devem ser inseridos; Selecione “Insert – Annotations – Centerline” ou clica-se no ícone na barra deferramentas “Annotations” (Figura 79). Confirme. Inserindo cotas As cotas podem ser inseridas de 2 formas: manual ou automática. Neste último caso são importadas do arquivo Part todas as dimensões, sejam desketches ou entidades, usadas para construir o modelo. Elas são inseridas nas vistasdefinidas pelo usuário, tomando como prioridades os cortes e seções e as de detalhe.Após, precisam ser reorganizadas para posições mais convenientes. Quando as cotas são inseridas de forma automática, elas podem ser usadascomo interface para a edição do modelo, pois ambos os arquivos estão relacionados.Para tanto basta clicar 2x sobre a dimensão a ser editada e redefinir seu valor. Cotagem manual: Proceda como em um sketch. Cotagem automática Se for inserir cotas apenas em uma vista específica, selecione-a. Selecione o menu INSERT → MODEL ITEMS. Certifique-se que a opção Dimensions está assinalada, e confirme. Reorganize as cotas. Movimentando cotas de uma vista para outra Qualquer cota está associada a um elemento específico. Sendo assim, esta cotapode ser movimentada para qualquer outra vista em que aquele elemento seja visível,seguindo-se o procedimento abaixo. Pressione o botão SHIFT e mantenha-o assim; Clique e mantenha pressionado o botão esquerdo do mouse sobre a dimensãoque deve mudar de vista; Arraste a dimensão para dentro dos limites da moldura da nova vista; Libere os botões e reposicione a cota. Configurando cotas O tipo de extremidade usada nas cotas, seu tamanho e a altura da cota podemser configurados. Para isto siga os passos abaixo. 61
  62. 62. Tipo de extremidade Selecione TOOLS → OPTIONS e escolha a opção Document properties; No menu à esquerda da janela selecione Dimensions; Defina o tipo de extremidade pela opção Arrows: Style. Clique OK. Tamanho da extremidade Selecione TOOLS → OPTIONS e escolha a opção Document properties; No menu à esquerda da janela selecione Arrows; Pelo campo Size defina a altura da extremidade (opção Height); sua largura(widht); e o comprimento da linha de cota além das linhas de extensão, para o caso dasextremidades ficarem por fora delas (length); Confirme. Tamanho das cotas Selecione TOOLS → OPTIONS e escolha a opção Document properties; No menu à esquerda da janela selecione Annotations font; Pelo campo Annotation type selecione a opção Dimensions; Defina o tamanho e tipo de fonte usada nas cotas. Confirme. 62
  63. 63. ANEXO A: Exercícios Módulo “Part”. 63
  64. 64. Exercício 1. Para desenhar a peça abaixo (figura 1), abrimos um novo arquivo e selecionamosa opção “part”. Figura 1 Na barra de gerenciamento, selecionamos “Sketch”, fazendo com que apareçamseus comandos e selecionamos novamente “sketch” (sketch 2D, ao lado de sketch 3D)(Figura 2). Figura 2 Selecionamos o comando “Rectangle” e clicamos no plano Top plane (Figura3). Para fazer o retângulo, clica-se com o botão esquerdo do mouse em qualquerponto da área de trabalho e arrasta-se o mouse, em diagonal, com o botão esquerdo 64

×