Iconografia da i república

7,917 views

Published on

Published in: Travel, Business
1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
  • Parabéns num excelente trabalho! Vou partilhar com os meus alunos.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
7,917
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,180
Actions
Shares
0
Downloads
241
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Pesquisa de imagens sobre a I república q vamos apresentar. Através delas vamos contar a histór da I Rep. Referindo aspect positivos e tb alguns negativos. O balanço do regime é positivo pq levou à modernização do pais.
  • Os ultimos anos da monarquia, a instabilida q a caracterizou.
  • Acontecimentos importantes que Mostraram a incapacidade da monarquia para resolver problemas nacionais e que contribuiram para aumentar o descredito dos portygyeses face ao rei e a monarquia
  • Rei e acusado de trair a patria cedendo a inglaterra. Foi acusado de ser pouco corajoso e perdeu mais prestigio no pais. Populares com bandeira republicanas e com a marcha da portuguesa
  • Outro acontecimento que enfraquece a monarquia e que mostra que a republica esta proxima. “ensaio da revolução”. Acontece no porto. Os repulcanos ocuparam a camara proclamaram a republica, mas foram feitos prisioneiros pela guarda municipal. O golpe fracassa, mas fica a ameaça
  • As tres forças que fora do sistema monarquico lutam contra a monarquia pela republica. Republicanos – PRP; Maçons – Maçonaria; Carbonarios – Carbonaria.
  • A monarquia não era absoluta mas sim constitucional. Havia eliçoes legislativas e o PRP podia concorrer as eleiçoes. Nas eleiçoes este partido vai aumentando o numero de deputados o que mostra crescimento. Ler os numeros. As imagens mostram os candidatos do PRP nas folhas dos jornais republicanos da epoca. A imprensa era um meio de difusao de ideias republicanas.
  • O simbolo do compasso e do esquadro são simbolos maçonicos relacionados com a origem da maçonaria na epoca medieval. São simbolos dos arquitectos, constructores de igrejas. Os maçons tratavam-se por irmaos
  • Era a versao popular e mais radical da Maçonaria. Tratavam-se por primos. Fabricavam bombas para preparar a revoluçao
  • Homem gordo no chao – D. Carlos
  • Principio do fim da monarquia. O rei cchama joao franco para formar governo e este dissolve o parlamento e governa em ditadura. Elabora um DECRETO que o rei assina em Vila Viçosa que permitia mandar para o degredo, expulsar do pais para africa, todos os que conspirassem contra a monarquia. Foi considerado um decreto de morte que levou ao regicidio
  • Na caricatura vemos a critica a joao franco. No cabelo a liberdade esta deitada com uma faca no peito
  • O rei regressa de vila viçosa. Quando chega ao terreiro do paço estão à sua espera os carbonarios
  • Havia mais regicidas. A romagem aos regicidas teve mais pessoas que a romagem ao rei. Eram vistos como herois do povo, porque deram a vida pela causa republicana. Eram homens instruidos da classe media.
  • Este rei, ao contrario de seu pai, tenta não intervir na governação do país. Abre o parlamento, forma um novo governo, estabelece eleiçoes. Cria o periodo da “Acalmação” em que tenta salvar a monarquia
  • Hesitando muito, entre a via legalista eleitoral ou a via revolucionária, o PRP pressionado pela carbonaria opta pela revoluçao
  • Os revoltosos concentram-se na rotunda e no terreiro do paço (barcos vindos de alcantara onde bombarderam o palacio das necessidades) e os monarquicos no rossio
  • E aqui que a republica e proclamada. Dizer que encontramos diferentes horas para a proclamação da republica (10,11) mas so sabemos que foi da parte da manha. Directyorio do PRP na varanda da camara proclama a republica. A camara de lisboa era republicana, logo era o melhor lugar .
  • Jose relvas fazia parte do directorio do PRP. A republica e proclamada por telegrafo para o resto do pais. Manifestaçoes de entusiasmo por todo o lado, nomeadamente oeiras
  • LER A FRASE
  • Mudança do regime leva a mudança dos seus simbolos que são simultaneamente um elemento de identificação e coesao nacionais
  • Dar exemplos de algumas das propostas
  • Indecisao entre os republicanos quanto as cores da bandeira. Guerra junqueiro dizia que o azul e branco eram as cores não da monarquia mas sim da “alma nacional”
  • Pesquisar – sete castelos refere-se a ? Quinas – se são mesmo cinco reis mouros Pontos brancos – quando d. afonso henriqus foi rei havia um imperador, rei tinha previlegio de cunhar moedas e os pontos brancos eram o prvilegio de d. afonso em poder cunhar moeda, superioridade em relaçao aos outros feudais
  • Não esquecer falar do ultimato, e das alteraçoes. Portuguesa era influenciada na marselhesa mas tambem tinha marcas de fado
  • Ao longo do regime republicano, a republica e enaltecida atraves de cartazes, esculturas, etc. Aparece com a imegem de uma mulher (personificaçao da republica). Inspiraçao francesa.
  • Começar a falar pelo bombardeamento do palacio real. Republicanos historicos, os mais antigos são criadores do PRP
  • A republica e personificada pela imagem de uma mulher. O barrete e inspirado na revolçao francesa. O barrete frigio dos sans-culottes, que eram os revolucionarios franceses. Os reublicanos mais importantes na imagem.
  • Deve-se a este escultor a criaçao do busto da republica, inspirado numa alentejana muito bonita, Ilda pulga
  • Podemos ver duas imagens da republica. A primeira e o convite. Vemos o barrete frigio em ambas e os tambores e as folhas de papel devido a exaltação. Representam a propagação da republica
  • Tambem os objectos do quotidiao foram republicanizados, ou seja apareceram chapeus, relogios, sabonetes, inspirados na republica e nos republicanos. Chapeus antonio jose de almeida e afonso costa (dirigentes republicanos). O sabonete e os relogios com personalidades republicanas
  • POR SIMBOLO DA MAÇONARIA E CARBONARIA E DEPOIS UBSTIITUIR
  • sub
  • POR SIMBOLO DA MAÇONARIA E CARBONARIA E DEPOIS UBSTIITUIR
  • Iconografia da i república

    1. 3. Bandeira da Monarquia portuguesa Rei D. Carlos e Rainha D. Amélia Fonte: http://i40.tinypic.com/qof1uq
    2. 4. Fonte: http://upload.wikipedia.org/wikipedia/commons/d/df/Amélia_de_portugal,_d.carlos_e_luis_filipe http://.tinypic.com/34fz62u D. Carlos, D. Amélia e o seu filho D. Luís Filipe, herdeiro do trono português.
    3. 6. Conferência de Berlim (1884 e 1885) As potências coloniais decidiram que as terras africanas seriam dos países que as ocupassem efectivamente, não interessando quem as tivesse descoberto em primeiro lugar. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano, autores, Porto Editora Portugal apresentou o mapa cor-de-rosa, pretendendo unir Angola e Moçambique, mas a Inglaterra opôs-se a esse projecto e lançou a Portugal um Ultimato que exigia a retirada desses territórios.
    4. 7. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora O rei D. Carlos cede às exigências da Inglaterra,. Grandes manifestações nacionalistas e patrióticas repudiam a capitulação do rei que acusam de cobarde e traidor. Surge « A Portuguesa »: « Contra os bretões, marchar, marchar! »
    5. 8. As tropas fiéis à monarquia atacam os republicanos que tinham ocupado a Câmara Municipal e o golpe fracassa. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora
    6. 10. PARTIDO REPUBLICANO PORTUGUÊS Nas últimas décadas do século XIX surgem centros republicanos, em todo o país. Em 1876 , reúne-se o Congresso da Comissão Organizadora do Partido Republicano. Reinava D. Luís. A partir dessa data, o P.R.P . cresce no país, principalmente nos centros urbanos, com o apoio da classe média e do operariado.
    7. 11. Durante a Monarquia Constitucional , o P.R.P. concorre às eleições. Em 1893, elege 3 deputados Em 1908, elege 7 deputados Em 1910, elege 14 deputados Mas decide-se pela via revolucionária para implantar a República. .
    8. 12. Grande Oriente Lusitano (a mais antiga loja maçónica portuguesa, fundada em 1802. ) A Maçonaria é uma sociedade secreta cujos membros lutam pelos ideais da Liberdade, da Igualdade, da Fraternidade e da Instrução.
    9. 13. Selo da Carbonária “ A verdadeira mãe das revoluções ” Sociedade política secreta que admitia elementos de todas as classes sociais. Radical, defendia a via revolucionária para a implantação da República. Lutava pelos ideais da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade. Pela instrução. Pelos ideais republicanos . Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_NfobuzNmJdo/SH-Ax36cyLI/AAAAAAAAAFo/5T1elsRGq8s/s1600/Ma%C3%A7onaria+-+Compasso.jpeg
    10. 14. Alta Venda da Carbonária (o Poder Executivo da Carbonária) Luz de Almeida Machado Santos António Maria da Silva. António, Luz e Machado Credencial Carbonária de Cândido dos Reis
    11. 15. D. Carlos chama João Franco para formar governo. Este governa em ditadura, dissolvendo o Parlamento. Cresce o descontentamento contra o Rei e a Monarquia .
    12. 16. <ul><li>Caricatura de João Franco , </li></ul><ul><li>a “cabeça do governo” </li></ul><ul><li>Caricatura : </li></ul><ul><li>Cabelo : a Liberdade assassinada. </li></ul><ul><li>Testa: Zé Povinho entre republicanos e monárquicos. </li></ul><ul><li>Boca : o Parlamento, que João Franco dissolveu, aprisionado. </li></ul><ul><li>Ouvido esquerdo : a República segreda-lhe… </li></ul><ul><li>Ouvido direito : um moscardo que simboliza a confiança régia. </li></ul>Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube
    13. 17. 1 de Fevereiro de 1908 Regicídio O Rei D. Carlos e o herdeiro do trono, D. Luís Filipe são assassinados, no Terreiro do Paço, em Lisboa por homens da Carbonária. Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube
    14. 18. Manuel Buíça e Alfredo Costa . Em cima vivos, e em baixo mortos pelos guardas monárquicos, depois de assassinarem o rei e o príncipe herdeiro. Os regicidas… Romagem popular ao cemitério do Alto de S. João
    15. 19. D. Manuel II torna-se rei, com apenas 18 anos.
    16. 21. Os “espaços” da Revolução Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora
    17. 22. Marquês de Pombal, uma rotunda, uma praça, um lugar de memórias. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora Combates na Rotunda Dia 4 5h – Concentração dos revoltosos militares e civis na Rotunda onde erguem barricadas, esperando pelo ataque das forças monárquicas, concentradas no Rossio.
    18. 23. <ul><li>Combates de artilharia na Avenida da Liberdade entre a Rotunda e o </li></ul><ul><li>Rossio. </li></ul>Fonte: http://seculoxx.freewebpages.org/rotunda.jpg http://postaisportugal.canalblog.com/albums/portugal____evenements/m-Jun12515.JPG Dia 4 <ul><li>Os navios de guerra « S. Rafael » e « Adamastor » estão com os revoltosos . </li></ul><ul><li>e bombardeiam o Palácio das Necessidades e o Rossio. </li></ul><ul><li>O rei foge para Mafra e dali para a Ericeira. Depois para Gibraltar e Grã- </li></ul><ul><li>Bretanha . </li></ul><ul><li>As forças monárquicas desistem dos combates. </li></ul>
    19. 25. Praça do Município 5 de Outubro de 1910
    20. 26. Fonte: http://www.fundacaomariosoares.pt/iniciativas/ilustra_iniciativas/2005/000500_01.jpg&imgrefurl= Praça do Município, em Lisboa José Relvas proclama a República no dia 5 de Outubro de 1910, num ambiente de grande entusiasmo.
    21. 27. Auto da Proclamação da República Manuscrito em pergaminho redigido na Câmara Municipal de Lisboa. “ Abolida a Monarquia em Portugal e em todos os seus domínios é proclamada a República Portuguesa ”. Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube
    22. 28. O entusiasmo popular Em 5 de Outubro de 1910, população de Lisboa festeja a implantação da República. Fonte: http://www.fmsoares.pt/iniciativas/ilustra_iniciativas/2005/000500_01.jpg
    23. 30. Algumas bandeiras propostas Uma nova BANDEIRA
    24. 31. Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube Guerra Junqueiro Azul Teófilo Braga verde - rubra Tradição Revolução
    25. 32. Fonte: http://fotos.sapo.pt/6ZD1d2s1bthOLMbmGnZj/ <ul><li>A Bandeira Republicana </li></ul><ul><li>Vermelho - a coragem e o sangue dos portugueses mortos em combate. </li></ul><ul><li>Verde - a esperança </li></ul><ul><li>Esfera armilar - o mundo que os navegadores portugueses descobriram e os povos com quem trocaram ideias e fizeram comércio. </li></ul><ul><li>Sete castelos - as fortalezas que D. Afonso Henriques conquistou aos mouros. </li></ul><ul><li>Cinco quinas - os cinco reis mouros derrotados por D. Afonso Henriques na batalha de Ourique. </li></ul><ul><li>Pontos brancos dentro de cada quina - as cinco chagas de Cristo. </li></ul>
    26. 33. Brasão de armas português (selo da República) As fitas por baixo da bandeira, presas à parte de baixo da esfera, simbolizam as cores da bandeira. Registe-se ainda os louros típicos da República a envolver a esfera armilar. Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_NZOMrf8Xa78/SE7jbD9_ZXI/AAAAAAAAFpk/R9cyAMM_ljI/s400/503px-Coat_of_arms_of_Portugal_svg.png Novos BRASÕES
    27. 34. Novo HINO NACIONAL Henrique Lopes de Mendonça Alfredo Keil
    28. 35. O Real , moeda oficial da Monarquia foi substituída pelo Escudo , moeda oficial da República Nova MOEDA
    29. 36. Escudo de 1910
    30. 38. Alegoria da Proclamação da República República Civis e militares insurrectos Brasão Nacional O rei parte da Ericeira para o exílio, Bombardeamento do palácio real Expulsão dos Jesuítas Combates na Rotunda Republicanos históricos Câmara Lisboa
    31. 39. Fonte: http://delrei.files.wordpress.com/2009/07/republica.jpg Alegoria da Proclamação da República A República unindo todos os Portugueses
    32. 40. <ul><li>Alegoria à República </li></ul><ul><li>A República instala a justiça, a estabilidade e o equilíbrio através da balança que tem na mão </li></ul><ul><li>A República invoca a coragem, representada pelo leão. </li></ul><ul><li>A bandeira nacional simboliza o nacionalismo e o amor à pátria. </li></ul><ul><li>Os livros simbolizam a luta pela instrução e pelo saber. </li></ul>Fonte: História de Portugal ,Volume X , Edição Ediclube
    33. 41. Fonte: Internet - http://www.gutenberg.org/files/26777/26777-h/images/pag201.jpg Busto da República Portuguesa O busto feminino da República foi inspirado em Ilda Pulga. Simões de Almeida
    34. 42. Fonte: http://farm4.static.flickr.com/3060/2521906379_41593831b4_o.jpg http://www.centenariorepublica.pt/image-galleries/galeria-multimédia
    35. 43. A República anima o comércio…
    36. 45. Contagem de votos para a Assembleia Constituinte Direito de Voto para a Assembleia Constituinte Só podiam votar cidadãos portugueses com mais de 21 anos, que soubessem ler e escrever ou fossem chefes de família há mais de um ano. Os recenseados esperam a abertura da urnas para votar
    37. 46. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano, Porto Editora A Assembleia Nacional Constituinte Constituição de 1911
    38. 47. Assembleia Nacional Constituinte Deputados 229 do P.R.P. 3 Independentes 2 Socialistas Constituição de 1911 Poder Legislativo Congresso da República ( Senado Câmara dos Deputados ) Poder Executivo Presidente da República Ministros Poder Judicial Supremo Tribunal de Justiça Tribunais
    39. 48. Fonte:http://www.parlamento.pt/Parlamento/PublishingImages/constitucionalismo/Imagens_grandes/constituint1911_s_inaug1.jpg Câmara dos Deputados
    40. 50. Teófilo Braga Presidente do Governo Provisório
    41. 51. Presidentes da I República Portuguesa Manuel de Arriaga, Teófilo Braga, Bernardino Machado, Sidónio Pais, João Canto e Castro, António José de Almeida e Manuel Teixeira Gomes.
    42. 52. Fonte: História de Portugal, Volume X – Edição Ediclube Manuel de Arriaga
    43. 53. Teófilo Braga
    44. 54. Bernardino Machado
    45. 55. Sidónio Pais
    46. 56. João de Canto e Castro
    47. 57. António José de Almeida Foi o único Presidente da República a cumprir integralmente o seu mandato de quatro anos.
    48. 58. Manuel Teixeira Gomes
    49. 61. Fonte: http://www.citi.pt/cultura/historia/personalidades/afonso_costa/images/cos_10.jpg Lei da Separação entre o Estado e a Igreja A República queria uma mentalidade crítica, racionalista, sem influência da religião. Queria acabar com um mundo dominado por reis e padres. Queria formar homens emancipados cultural e politicamente.
    50. 62. Fonte: http://img119.imageshack.us Diabo a coroar Afonso Costa Serpente /Papa, representando a fúria da Igreja Expulsão dos Jesuítas Laicismo e Anticlericalismo Conventos encerrados Abolido ensino cristão na primária Divórcio Nacionalização dos bens da Igreja Registos civis : Nascimento Casamento Óbito Expulsão Ordens religiosas
    51. 63. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora Leis de protecção ao trabalhador 1910 – Foi decretado o direito à greve 1911 - Obrigatoriedade de um dia de descanso semanal 1919 – Decretou-se as 8 horas de trabalho diário e 48 horas de trabalho semanal 1919 – Seguro social obrigatório contra acidentes no trabalho
    52. 64. Percentagem de analfabetos de 1900 a 1930 Percentagem de analfabetos 1900 78,6 1910 76,1 1920 70,5 1930 67,8
    53. 65. Aumenta o número de as escolas primárias e de professores Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora Evolução de número de escolas e de professores primário s Para os republicanos, a educação era muito importante. Ela permitiria criar cidadãos instruídos e educados que pudessem participar na vida política do país .
    54. 66. Professora mostra aos seus alunos a nova bandeira nacional Fonte: http://media.photobucket.com/image/1%2525C2%2525AA%20republica/leoqw/img107-2.jpg
    55. 69. O Presidente da República, Bernardino Machado e o Primeiro-Ministro, Afonso Costa, visitam soldados feridos num hospital de campanha, durante a visita à frente de guerra França, Outubro de 1917
    56. 70. <ul><li>Aliados no desfile da vitória em Paris </li></ul><ul><li>Soldados portugueses aproveitam para momentos de convívio com a população </li></ul><ul><li>Paris, Julho de 1919 </li></ul>
    57. 72. A divisão dos Republicanos durante a República 1910 1912 1919 1923 Partido Republicano Português (P.R.P.) Partido Democrático (P.R.P.) Partido Republicano Evolucionista Partido da União Republicana Partido Republicano Liberal (Evolucionistas e Unionistas) Partido Republicano Nacionalista (P. R. L. e Partido Republicano de Reconstituição Nacional)
    58. 73. “ Os Ridículos ” Crítica às desinteligências e divergências dos dirigentes republicanos no Congresso. Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube
    59. 74. Crítica à substituição de governos na República, causa de uma grande instabilidade política. O Zé Povinho suporta um barrete frígio cheio de candidatos republicanos
    60. 75. Crítica à manipulação das eleições pelo Partido Democrático Através do sufrágio (excluía os analfabetos, em geral rurais), do recenseamento e do seu forte aparelho partidário, conseguia nunca ser derrotado nas eleições. Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_fCNAShPkCH0/SdYzqGfcZuI/AAAAAAAABM0/_TGpG_e7l6w/s400/CR_Humor_Elei%C3%A7%C3%B5es.jpg
    61. 76. <ul><li>Gráfico da subida dos preços </li></ul><ul><li>entre 1914 e 1921 </li></ul><ul><li>Eléctricos – 4 vezes </li></ul><ul><li>Pão - 9 vezes </li></ul><ul><li>Carvão - 10 vezes </li></ul><ul><li>Açúcar - 12 vezes </li></ul><ul><li>Petróleo – 13 vezes </li></ul><ul><li>Carne – 15 vezes </li></ul><ul><li>Azeite - 20 vezes </li></ul><ul><li>Batatas – 22 vezes </li></ul>J. H. Saraiva, “ Diário da História de Portugal ”
    62. 77. Sopa dos pobres e pedintes em Lisboa O número de pobres aumentou consideravelmente. Em 1918, cerca de 5000 pessoas procuravam nas “ sopas de caridade ” a única refeição diária. Fonte: História e Geografia e de Portugal 6ºano – Porto Editora
    63. 78. A greve da Carris , em 1912 Imagem emblemática da agitação social no regime republicano.
    64. 79. Zé Povinho e a República assistem, impotente, à destruição do regime, ameaçado pelos próprios republicanos e pelos seus opositores . Fonte: História de Portugal – Volume X – Edição Ediclube A República ameaçada … Republicanos Monárquicos Estrangeiros Capitalistas Jesuítas
    65. 81. Golpe militar de 28 de Maio de 1926 Marechal Gomes da Costa, responsável pelo movimento FIM DA I REPÚBLICA DITADURA MILITAR
    66. 82. O Estado Novo (1933 – 1974) Ditadura Militar (1926 – 1933) O país teria que esperar 48 anos para retomar os ideais da I República. Só em 1974 se voltaria a falar de Liberdade.
    67. 83. Ágata Bravo Beatriz Ventura Catarina Freire Elsa Teixeira Inês Almeida João Manso

    ×