Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
GRUPO: “A VISÃO DA ALMA”Componentes: Ana Lúcia Lúcia José Borges            Aparecida de Fátima Liberal            Cláudia...
“O                éa Janela da alma, oespelho do mundo”    Leonardo da Vinci
1. INCLUSÃO DE PESSOAS CEGAS NA     SOCIEDADE E NA ESCOLA.           Inclusão é uma tarefa complexa            que exige ...
 O ensino para os cegos iniciou-se no século XVIII na primeira escola fundada por Valentim Hauy em Paris no ano de 1.784....
 A invenção do Braille no século XIX pelo cego francês Louis Braille, abriu os olhos da sociedade para a inclusão das pes...
 Mas, essas invenções não significa que todo deficiente visual consegue superar os obstáculos, ainda há uma série de fato...
A inclusão de DV numa turma de         ensino regular.                  Simulação de um fato             Nome fictício : ...
Contextualização  Recentemente uma senhora ainda   bastante jovem solicitou vaga na   única escola situada no distrito de ...
De imediato, foi solicitado acoordenadora da escola especializadaem Psicopedagogia uma avaliaçãodiagnóstica desse aluno. D...
ORIENTAÇÕES NECESSÁRIAS PARA ADAPTAÇÃO DA  INFRAESTRUTURA E PEDAGÓGICA DA ESCOLA            Partindo    desse princípio a...
•   A princípio deve-se observar os  aspectos físicos e da disposição do  mobiliário da instituição. Fixar etiquetas     ...
 Seleção de programas leitores de  tela com síntese de voz; Aplicativos operados por meio do  teclado que dispensam o us...
EQUIPAMENTOS    Para       suavizar      a    circunstância da escola e a    própria exclusão do aluno,    sugerimos a aq...
BRAILLE – alfabeto convencional cujos caracteres se indicam por pontos em relevo, o deficiente visual distingue pelo tato....
 IMPRESSORAS EM BRAILLE – São impressoras especiais de computadores pessoais comuns que produzem material em Braille. É p...
 SOROBAN – é um dispositivo  usado para ensinar matemática  para os deficientes visuais. O soroban, aparelho de cálculos...
DOSVOX – é um sistema computacional criado a partir da necessidade de inclusão do aluno Marcelo Pimentel, deficiente visua...
VIRTUAL VISION – é um software brasileiro desenvolvido pela Micropower, em São Paulo concebido para operar com utilitários...
JAWS - software desenvolvido nos  Estados Unidos e mundialmente  conhecido como leitor de tela  mais completo e avançado. ...
 SINTETIZADOR DE VOZ - um sistema     informático      de produção artificial de voz humana utilizado para este propósito...
MAGIC – é um sistema de ampliação de telas, que permite que a imagem exibida no monitor seja ampliada e/ ou sintetizada em...
OUTROS RECURSOS    Caso a escola não consiga adquirir     imediatamente todos os aparatos     tecnológicos, pode confecci...
 Caixa de vocabulário:        caixa  plástica ou de papelão contendo  miniaturas coladas em cartões  com o nome do objeto...
 Figuras    geométricas      em  relevo: confeccionados com  emborrachados,      papelão   e  outros. Fita métrica adapt...
Alfabeto:      letras  cursivas confeccionadas              com emborrachado, papelão ou em arame flexível;Gaveteiro alf...
Roleta das letras: disco na forma de relógio com num ponteiro giratório contendo as letras do alfabeto em braille e em ti...
 Medidor: garrafas plásticas de  água mineral cortadas para um  litro e meio; Caixa de números: caixas de  plástico ou p...
 Mural do tempo: cartaz com  frases curtas em braille e me  tinta e desenho em relevo  expressando as condições do  tempo...
AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO          COGNITIVO.          Na avaliação não é diferente, é          recomendável a produçã...
DEPOIMENTO – FATO REAL “Aos treze anos uma menina por conta da diabete ficou totalmente cega. A família que por sua vez n...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS http://cegueiracognitivo.blogspot.com.br/ http://www.slideshare.net/professoraste/cegueira-  ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Inclusao go01-ita-grupo-b

696 views

Published on

Trabalho Tecnologias na educação

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Inclusao go01-ita-grupo-b

  1. 1. GRUPO: “A VISÃO DA ALMA”Componentes: Ana Lúcia Lúcia José Borges Aparecida de Fátima Liberal Cláudia Cristina de Lima Prestes Ronyson Camilo Soares Sandra Cristina Ramos
  2. 2. “O éa Janela da alma, oespelho do mundo” Leonardo da Vinci
  3. 3. 1. INCLUSÃO DE PESSOAS CEGAS NA SOCIEDADE E NA ESCOLA.  Inclusão é uma tarefa complexa que exige do educador múltiplos saberes da prática educativa. Uma delas, perceber e compreender as diferenças entre os educandos.  Esse trabalho tem como objetivo apresentar um breve histórico sobre os caminhos da inclusão de pessoas cegas na sociedade, principalmente na escola, com o uso das tecnologias.
  4. 4.  O ensino para os cegos iniciou-se no século XVIII na primeira escola fundada por Valentim Hauy em Paris no ano de 1.784. após ver dez cegos usados como fantoches na Feira de Santo Ovídio ele entendeu que os cegos era capazes de ver o que era tangível.
  5. 5.  A invenção do Braille no século XIX pelo cego francês Louis Braille, abriu os olhos da sociedade para a inclusão das pessoas cegas ou com baixa visão, com isso elas podem ser educadas e viver independente. Então, a cegueira por si só não caracteriza o indivíduo como alguém que necessariamente apresenta dificuldade de aprendizagem, embora ela seja em ritmo diferenciado.
  6. 6.  Mas, essas invenções não significa que todo deficiente visual consegue superar os obstáculos, ainda há uma série de fatores que influenciam essa independência, um exemplo claro, o auto custo dos recursos tecnológicos citados anteriormente inviabiliza o acesso a esse público. Mesmo com as políticas inclusivas (salas de recursos multifuncionais, programa escola acessível, BPC) focalizadas no atendimento escolar nem sempre satisfaz a necessidade desses portadores, pois necessita de pessoas capacitadas para o manuseá-los.
  7. 7. A inclusão de DV numa turma de ensino regular. Simulação de um fato  Nome fictício : Armando;  Sexo: Masculino;  Idade: 10 anos;  Série: 4º ano do Ensino Fundamental;  Características físicas: Cegueira total sem déficit cognitivo aparente.
  8. 8. Contextualização Recentemente uma senhora ainda bastante jovem solicitou vaga na única escola situada no distrito de um município do interior para matricular seu filho que veio transferido. Por não ter as adaptações necessárias, esse fato, deixou a diretora preocupada, pois antes não tinha demanda com deficiência visual.
  9. 9. De imediato, foi solicitado acoordenadora da escola especializadaem Psicopedagogia uma avaliaçãodiagnóstica desse aluno. Durante aentrevista detectou que o aluno jádominava a leitura do sistema emBraille e até mesmo o sistema dosvox.Com isso, ele demonstrou nívelmuito bom de habilidadesdesenvolvidas nos anos anteriores.Afinal, como fazer se a escola nãotem acessibilidade tanto na parte deinfraestrutura quanto do currículo?
  10. 10. ORIENTAÇÕES NECESSÁRIAS PARA ADAPTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA E PEDAGÓGICA DA ESCOLA  Partindo desse princípio a diretora juntamente com a coordenadora devem realizar as adaptações para o atendimento especializado ao aluno.  Comunicar o fato ao corpo docente.  Preparar os alunos para recepcioná-lo.  Solicitar da Secretaria Municipal de Educação daquele município recursos financeiros para adequar a infraestrutura, com construção de rampas, instalação de corrimão, fixação de sistema táteis para os acesso principais.
  11. 11. • A princípio deve-se observar os aspectos físicos e da disposição do mobiliário da instituição. Fixar etiquetas em Braille nos objetos; As portas devem ficar completamente abertas ou fechadas; O mobiliário deve estar estável; Reservar um espaço da sala de aula com mobiliário adequado; Seleção do material pedagógico (livro em Braille, recursos tecnológicos e outros conforme temas em estudo).
  12. 12.  Seleção de programas leitores de tela com síntese de voz; Aplicativos operados por meio do teclado que dispensam o uso de mouse; Adaptar materiais esportivos, como bola com chocalho; Utilizar livros de história com ilustrações em Braille; Selecionar vários objetos para a manipulação e exploração; Oferecer capacitação para os docentes.
  13. 13. EQUIPAMENTOS  Para suavizar a circunstância da escola e a própria exclusão do aluno, sugerimos a aquisição de recursos tecnológicos que ampliam a comunicação entre o aluno e os docentes. Além da capacitação de pessoas para o uso deles.
  14. 14. BRAILLE – alfabeto convencional cujos caracteres se indicam por pontos em relevo, o deficiente visual distingue pelo tato. Apenas com seis pontos é possível fazer 63 combinações que podem representar letras simples e acentuadas, pontuações, algarismo, sinais algébricos e notas musicais.
  15. 15.  IMPRESSORAS EM BRAILLE – São impressoras especiais de computadores pessoais comuns que produzem material em Braille. É possível imprimir em Braille praticamente todo o arquivo, mesmo contendo figuras, embora o seu custo muito restritivo.
  16. 16.  SOROBAN – é um dispositivo usado para ensinar matemática para os deficientes visuais. O soroban, aparelho de cálculos usado há muitos anos no Japão, pode ser considerado uma máquina de calcular de grande rapidez, permitindo registros e operações de forma mais simples. Com ele os alunos aprendem concretamente os fundamentos da matemática, as quatro operações, as ordens decimais e seus valores, e até cálculos mais complexos.
  17. 17. DOSVOX – é um sistema computacional criado a partir da necessidade de inclusão do aluno Marcelo Pimentel, deficiente visual, estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sob a supervisão do professor Antonio Borges, no ano de 1.993. Ele possui um conjunto de ferramentas e aplicativos além de agenda, chat e jogos interativos. Pode ser obtido gratuitamente por meio de download do site: http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox .
  18. 18. VIRTUAL VISION – é um software brasileiro desenvolvido pela Micropower, em São Paulo concebido para operar com utilitários e as ferramentas do ambiente Windows. É distribuído gratuitamente pela Fundação Bradesco e Banco Real para usuários cegos. Para outros fins é comercializado. Site para maiores informações: http:/www.micropower.com.br
  19. 19. JAWS - software desenvolvido nos Estados Unidos e mundialmente conhecido como leitor de tela mais completo e avançado. Ele é composto por diversos recursos e ferramentas com tradução para diversos idiomas. O Brasil ainda não tem subsídio para distribuição sem ônus para seus usuários desse sistema, sendo um dos leitores de telas atual mais caro. Acesse: http:/www.lerparaver.com e/ou http:/www.lamara.org.br para maiores informações.
  20. 20.  SINTETIZADOR DE VOZ - um sistema informático de produção artificial de voz humana utilizado para este propósito que pode ser implementado em software ou hardware . Um sistema texto- voz (ou TTS em inglês) converte texto em linguagem normal para voz; outros sistemas interpretam representação linguística simbólica (como transcrição fonética) em voz.
  21. 21. MAGIC – é um sistema de ampliação de telas, que permite que a imagem exibida no monitor seja ampliada e/ ou sintetizada em voz.
  22. 22. OUTROS RECURSOS  Caso a escola não consiga adquirir imediatamente todos os aparatos tecnológicos, pode confeccionar:  Cela braille: confeccionada com caixas de papelão, frascos de desodorantes e embalagem de ovos.  Celinha braille: feitas com caixas de chicletes, botões, cartelas de comprimidos, caixa de fósforo, emborrachado.
  23. 23.  Caixa de vocabulário: caixa plástica ou de papelão contendo miniaturas coladas em cartões com o nome do objeto em braille e em tinta. Cela braille vasada: confeccionada em vários tamanhos com acetado usado em radiografias de papelão. Brincando com frações: representação de frações utilizando embalagens de pizza e bandejas de isopor.
  24. 24.  Figuras geométricas em relevo: confeccionados com emborrachados, papelão e outros. Fita métrica adaptada: com marcações na forma de orifícios e pequenos recortes. Pranchas para desenhos em relevo: retângulo de eucatex recoberto com tela de náilon de proteção para produção de desenhos com lápis-cera ou recoberto com couro para desenhos com carretilhas.
  25. 25. Alfabeto: letras cursivas confeccionadas com emborrachado, papelão ou em arame flexível;Gaveteiro alfabético: cada gaveta contém miniaturas de objetos iniciadas com a letra fixada em relevo e em braille na parte externa;Pesca-palavras: caixa plástico ou de papelão contendo cartelas imantadas com palavras em braille para serem pescadas com vareta de churrasco com imã na ponta.
  26. 26. Roleta das letras: disco na forma de relógio com num ponteiro giratório contendo as letras do alfabeto em braille e em tinta.Livro de bolso: as páginas são de pano contendo reálias e com palavras, frases ou expressões escritas em braille.Grade para escrita cursiva: pautas confeccionadas com caixa de papelão, radiografias, emborrachado e outros;
  27. 27.  Medidor: garrafas plásticas de água mineral cortadas para um litro e meio; Caixa de números: caixas de plástico ou papelão contendo miniaturas. Colar na parte externa o numeral em tinta, relevo e em braile correspondente a quantidade de objetos guardados no interior da caixa. Baralho: adaptado com inscrição em braille do número e naipe.
  28. 28.  Mural do tempo: cartaz com frases curtas em braille e me tinta e desenho em relevo expressando as condições do tempo em cada dia da semana. Bandeira do Brasil: confeccionada com diferentes materiais em relevo com encaixe ou superposição das partes. Dominó: adaptada com diferentes texturas de tecido. Jogo de dama: adaptado com velcro.
  29. 29. AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO.  Na avaliação não é diferente, é recomendável a produção de provas, exercícios em braille ou mesmo o uso de multimeios considerando as dificuldades enfrentadas pelo aluno e estabelecer a organização de um programa de acompanhamento e orientação pedagógica. Através dessa avaliação é possível construir um quadro de desenvolvimento incondicional dessa criança.
  30. 30. DEPOIMENTO – FATO REAL “Aos treze anos uma menina por conta da diabete ficou totalmente cega. A família que por sua vez nunca havia desconfiado que ela tivesse esta doença “diabete” entraram em desespero, momentos difíceis, mas com uma bonita história de superação. Segundo o seu relato ao perder a visão os outros sentidos ganham uma sensibilidade enorme, que não substitui é obvio o que perdeu, mas ajuda muito a manter a relação com o mundo escuro do início. Passado o período de desespero ela começou a ir à busca de sua superação, o que ela rotulou de nascer para o mundo de maneira diferente. Estudou, enfrentou o preconceito, se formou e hoje mora sozinha em seu apartamento” Tem o leme de sua própria vida e relata não ter sido fácil, mas que é muito feliz.
  31. 31. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS http://cegueiracognitivo.blogspot.com.br/ http://www.slideshare.net/professoraste/cegueira- total http://wwwacessobrasil.org.br/index.php? http://www.slideshare.net/fatimafalciferreira/formao- de-professores Imagens da Internet.

×