Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gestão da Manutenção Lean

3,237 views

Published on

Published in: Engineering

Gestão da Manutenção Lean

  1. 1. 1 Gestão da Manutenção Seminário MI Lean Trabalho realizado por: Miguel Oliveira, Anabela France, Ana Isabel Ferreira e Nelson Carneiro
  2. 2. 2 Índice  Manutenção Lean (contextualização)  Filosofia do Pensamento Lean  Sistema de Gestão de Manutenção Lean  4 Etapas para a implementação do Sistema de Gestão de Manutenção Lean
  3. 3. Tipos de Manutenção A manutenção de equipamentos ou bens pode ser esquematizada conforme o diagrama seguinte. Manutenção Preventiva Correctiva Metodologia Sistemática Condicionada RCM TPM LM Um único sistema de manutenção pode combinar de uma forma eficaz as forças de todas estas estratégias
  4. 4. 4 O que é a Manutenção Industrial Combinação de todas as acções técnicas, administrativas e de gestão, durante o ciclo de vida de um bem, destinadas a mantê-lo ou repô-lo num estado em que ele pode desempenhar a função requerida.
  5. 5. 5 Gestão da Manutenção Todas as actividades de gestão que determinam os objectivos, a estratégia e as responsabilidades respeitantes à Manutenção, controlo e supervisão da Manutenção e a melhoria de métodos na organização, incluindo os aspectos económicos.
  6. 6. 6 O que está a acontecer nas Organizações  Redução do número de empregados  Aumento das expectativas de produção  Redução dos orçamentos de Manutenção  Requisitos mais exigentes ao nível da segurança e ambiente  Instalações tecnicamente mais complexas  Mais conhecimentos e valências técnicas
  7. 7. 7 Mas como sempre…  O sistema e equipamentos deverão ter uma elevada disponibilidade;  Os custos deverão ser mantidos no mínimo possível.
  8. 8. 8 A manutenção enquanto tal (em si) não acrescenta valor Mas a Manutenção não pode prejudicar a criação de valor. No entanto, acrescenta valor ao permitir e colaborar na estabilidade requerida pelo processo produtivo.
  9. 9. 9 “Zero tempo de Manutenção” “Zero tempo de Manutenção”, no processo produtivo, não significa não fazer Manutenção nos equipamentos. Logo, procura-se… Eliminar o desperdício e especificamente o desperdício associado à Manutenção.
  10. 10. 10 Neste contexto… As metodologias e ferramentas da Manutenção não devem ser só as correctas e adequadas, mas devem ser: Magras e rápidas
  11. 11. 11 O ideal é sermos  Gestores de processos  Técnicos de fiabilidade
  12. 12. 12 “Parceria” entre Pensamento Lean e Gestão da Manutenção Para além de metodologias e ferramentas devemos adoptar/apostar numa filosofia que nos permita actuar no âmbito da Gestão da Manutenção. Deve explorar-se a filosofia, os conceitos, as ferramentas e os princípios e as metodologias do pensamento Lean e aprender a aplicá-los à Gestão da Manutenção. Lean Maintenance / Manutenção Magra
  13. 13. 13 Origem: Manutenção Lean No início dos anos 80, a Manutenção Lean foi classificada como um programa exclusivo pelo Sistema de Produção Toyota (TPS).
  14. 14. 14 Filosofia do Pensamento Lean Sistema de gestão cujo objectivo é o desenvolvimento de processos e sistemas tendo em vista a eliminação de desperdício em toda a organização e a criação de valor para todas as partes. Com toda a tecnologia disponível actualmente, as empresas procuram cada vez mais executar todas as rotinas de manutenção com o mínimo de desperdício de tempo (útil e “improdutivo”) e de recursos possíveis. A implementação de Lean na manutenção melhora o planeamento, a produtividade, a satisfação da equipa, auxilia e facilita a execução das tarefas e ainda indica onde estão os desperdícios que devem ser eliminados.
  15. 15. 15 Pontos fulcrais: Melhoria contínua Kaizen  Interacção contínua entre o planeamento e a execução - sustentada pelo ciclo PDCA;  Favorecimento e desenvolvimento da mentalidade de trabalho em equipa
  16. 16. 16 Impacto da melhoria contínua  Busca constante das melhores práticas das equipas de manutenção redução de custos, melhoria da qualidade;  Optimização dos processos de trabalho aumento da produtividade;  Procedimentos documentados Partilha de informação, redução de custos e de tempo;  Indicadores de desempenho;  Simplificação das tarefas de manutenção melhoria, rapidez, maior produtividade;  Utilização correcta (e estritamente necessária) dos recursos humanos e materiais;  Contratação de serviços;
  17. 17. Princípios do Pensamento Lean aplicados à Manutenção Lean 17  Conhecer o cliente Conhecer para quem trabalhamos  Definir valor Definir o objectivo de todos  Definir cadeia de valor Definir o campo de intervenção  Optimizar os fluxos Optimizar os meios a aplicar  Implementar o Sistema Pull Pôr em prática o sistema a usar  Perfeição Melhoria contínua  Constante inovação Aposta nas atitudes certas
  18. 18. Ferramentas e metodologias - 18 Manutenção Lean A Manutenção Lean deve utilizar:  Metodologias e ferramentas existentes (fiabilidade) Exemplos:  TPM (Manutenção Produtiva Total);  RCM (Manutenção centrada na Fiabilidade);  RCFA (Diagnóstico e análise de falhas).  Metodologias e ferramentas da Lean Management – Lean Production e Lean Services Princípios:  Eliminação de desperdício;  Criação de valor - orientação para a cadeia de valor.
  19. 19. 19 Gestão da Manutenção – Breve introdução “… Já ninguém aceita que uma organização que tenha a seu cargo máquinas ou infra-estruturas menospreze a manutenção desses bens… investimentos qualquer um os faz, se tiver dinheiro, enquanto que mantê-los requer conhecimentos, cultura e atitude – uma verdade que se aplica indistintamente a uma pequena ou grande empresa, um município ou um País inteiro…”1 1- CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora Lidel, 2001.
  20. 20. 20 Gestão da Manutenção – Breve introdução “… Pode definir-se manutenção como o conjunto de acções destinadas a assegurar o bom funcionamento das máquinas e das instalações, garantindo que elas são intervencionadas nas oportunidades e com o alcance certo, por forma a evitar que avariem ou baixem de rendimento e, no caso de tal acontecer, que sejam repostas em boas condições de operacionalidade com a maior brevidade, tudo a um custo global optimizado…”2 Este ponto de equilíbrio deve ser estabelecido através de um conjunto de acções destinadas a especificar o nível de manutenção e as suas acções (acções que constituem a Gestão de Manutenção). 2- CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora Lidel, 2001.
  21. 21. 21 Gestão da Manutenção – Breve introdução Orientada para a cadeia de valor. Objectivos:  Zero tempo de manutenção Aumento da produtividade;  Evitar desperdício no sistema de manutenção Aumento da rentabilidade;  Suportar a cadeia de valor Assegurar processos estáveis e a qualidade.
  22. 22. 22 Ferramentas Lean Melhoria Sistema de Gestão de Manutenção Lean Contínua Kaizen Análise Actividade Estrutura Formação Sistema Comunicação Informação OEE Indicadores Manutenção Autónoma TPM Manutenção Preventiva / Preditiva OPM FMEA Minimizar Efeitos / Falhas RCM RCFA 5S Value Stream Mapping
  23. 23. 23 Estudo dos Processos da Manutenção Identificação de Desperdícios – 3 tipos de perdas • tudo o que não acrescenta valor é desperdício e como tal deve ser eliminado Desperdício • excessos ou insuficiências. É eliminado pela uniformização Irracionalidade • irregularidades ou insuficiências. Deve fazer-se o necessário e quando pedido Variabilidade
  24. 24. 24 Desperdícios Manutenção Lean
  25. 25. 25 Normalização / Uniformização Com a normalização reduzimos a variabilidade e existem necessariamente menos custos, pois através da uniformização todos fazem da mesma forma, pela mesma sequência, com as mesmas operações e com as mesmas ferramentas. Fundamentalmente normalizamos para simplificar a vida, eliminar esforços desnecessários em tarefas repetitivas, evitar, eliminar ou minimizar desperdícios, aproveitar melhor o tempo. A Normalização deverá servir para a regulação da actividade humana na Manutenção Industrial.
  26. 26. 26 Normalização / Uniformização/ Formalização Uniformização Melhoria contínua Kaizen Formalização Pôr por escrito os avanços da melhoria contínua
  27. 27. 27 Normas Portuguesas de Manutenção Servem essencialmente para que sejam reconhecidas e valorizadas:  a competência e qualificação técnicas  a organização, preparação e planeamento do trabalho  a formação específica  o rigor na execução  o cumprimento de prazos  o cumprimento dos orçamentos
  28. 28. 28 Normas Portuguesas de Manutenção  NP EN 13306:2007 - Terminologia de manutenção  NP EN 13269:2007 - Manutenção - Instruções para a preparação de contratos de manutenção  NP EN 15341:2009 - Manutenção - Indicadores de desempenho de manutenção económicos, técnicos e organizacionais  EN 13460:2009 - Manutenção – Documentação para manutenção Futura  NP EN 4XXX:2011 - Manutenção – Qualificação do pessoal de manutenção, Técnico de Manutenção, Supervisor de Manutenção, Gestor de Manutenção  NP 4483:2009 – Norma guia para a implementação de sistemas de gestão de manutenção  NP 4492:2010 – Requisitos para a prestação de serviços de manutenção  NP 4492:2010 – Requisitos para a prestação de serviços de manutenção
  29. 29. 29 Vantagem da normalização na manutenção  Falamos a mesma língua, através da universalidade de conceitos e termos na Manutenção  Na elaboração de Contratos de Manutenção  Na uniformização dos Indicadores da Manutenção  Na uniformização da documentação técnica da Manutenção  Na uniformização dos níveis de qualificação e conhecimentos requeridos pelo pessoal da Manutenção
  30. 30. 30 Variabilidade Por analogia com a Six Sigma Business Scorecard, a Manutenção Seis Sigma (Six Sigma Maintenance Scorecard) representa igualmente um processo de melhoria contínua, sem desperdícios, que permitirá analisar e melhorar o desempenho das actividades de manutenção com base nos níveis Seis Sigma, face aos objectivos previamente definidos, e delinear a posteriori as respectivas melhorias a adoptar. A metodologia Lean Six Sigma, usa os dados provenientes dos processos e reduz a sua variação de forma sistemática. O Six Sigma utiliza ferramentas estatísticas para inferir as causas dos problemas que muitas vezes não são visíveis:  A metodologia Six Sigma melhora a capacidade do processo  A metodologia deve aplicar-se após a estabilização dos processos (eliminação dos desperdícios e uniformização).
  31. 31. 31 Manutenção Seis Sigma De um modo geral, esta filosofia deverá apresentar as seguintes características, para que se consiga atingir a meta • utilização de políticas de manutenção essencialmente “zero falhas”: • aceleração dos processos de melhoria contínua, com preventivas e melhorativas, uma transição rápida e eficiente das políticas correctivas e reactivas para uma nova cultura suportada por políticas preventivas e melhorativas, • promoção e estimulação da participação de todos os recursos humanos na implementação e no desenvolvimento das metodologias Seis Sigma
  32. 32. 32 Procuramos… a Excelência na Manutenção Computerized Management Maintenance System Gestão com base em medidas de eficiência Base de dados de equipamentos Tarefas de manutenção / Procedimentos Planeamento das intervenções Engenharia de fiabilidade / Melhoria Contínua Inventário Stocks / fornecedores Controlo do trabalho Estrutura e organização Formação do pessoal da Manutenção
  33. 33. 33 Normas para as melhores práticas de manutenção • 100% do tempo do pessoal de manutenção deve preenchido através de uma ordem de trabalho • 90% das ordens de trabalho são gerados pela Manutenção Preventiva e inspecções • 30% de todas as horas de trabalho são de Manutenção Preventiva • 90% do trabalho programado deve ser cumprimento • Eficácia global do equipamento deve ser de mais de 85% • Falta de peças de reposição de ser um acontecimento raro (uma por mês) • As horas extraordinárias deverá ser 2% do tempo total de manutenção • Orçamento de manutenção deverá ser +/- 2% do valor do equipamento
  34. 34. 34 Sistema de Gestão de Manutenção Lean • Estrutura e Organização que se vão adequando • Pessoas motivadas e com formação Auto-motivação • Trabalho em equipa • Cultura da Melhoria Contínua
  35. 35. 35 Sistema de Gestão de Manutenção Lean (4 etapas) 1. Atribuir prioridade a actividades/sistemas (estabelecer prioridades) Efeito na produção e posição na cadeia de valor 2. Classificar os tipos de anomalias/avarias  Efeito no sistema operativo;  Previsibilidade de avarias;  Frequência de avarias.
  36. 36. Sistema de Gestão de Manutenção Lean (4 etapas)  Sistema não crítico Manutenção básica, preventiva… 36 3. Desenvolver conceito de actuação  Sistema crítico Traçar plano de acção 4. Desenvolver a organização  Estrutura e organização da manutenção;  Planeamento das capacidades da manutenção.
  37. 37. 37 Sistema de Gestão de Manutenção Lean (4 etapas) Fornecedor e seus fornecedores Empresa Empresa Fornecedor Materiais e serviços Manutenção Serviço Manutenção Serviço Produção
  38. 38. 38 Lean da Cadeia de Manutenção A jornada Gestão Lean desenvolve-se em duas fases: 1ª  - Conquista interna, ou seja, a implementação da filosofia do Pensamento Lean na Manutenção.  2ª - Consiste em dar a conhecer a filosofia ao longo da cadeia de manutenção, de forma a que fornecedores e clientes adoptem os seus princípios e as suas práticas conseguindo-se alcançar a sincronização de todos os intervenientes com o intuito de se conseguir a satisfação do cliente final. O sucesso da Gestão Lean ficará comprometido se a sua aplicação se limitar às fronteiras da manutenção.
  39. 39. 39 Manutenção Lean Novo Paradigma na Gestão da Manutenção
  40. 40. 40 Bibliografia  CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora Lidel, 2001.  SMITH, Ricky; HAWKINS, Bruce – Lean Mantenance. Oxford: Elsevier Butterworth–Heinemann, 2004.
  41. 41. 41

×