Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Evangeliza - Sono e Sonhos

1,112 views

Published on

Sono e Sonhos

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Evangeliza - Sono e Sonhos

  1. 1. É uma necessidade fisiológica decorrente do desgaste físico proporcionado pela vida cotidiana. Tem como finalidade do repouso. Importante para o equilíbrio psíquico. Hora de libertação, visita, restauração de forcas.
  2. 2. O corpo exige o recolhimento e conduz o Espírito à experiências fora do corpo. Durante o sono do corpo é uma oportunidade para o espírito entrar em relação com o mundo espiritual.  Ação ininterrupta do Espirito. A atividade psíquica não se anula quando o nosso corpo dorme. Dormimos, em média, 1/3 (um terço) de nossas vidas.
  3. 3. Colocar um áudio que ensina alguma coisa e ficar tocando durante o sono. Aprende-se sem esforço, pois, fica registrado pelo subconsciente. Parece lucrativo, mas não é não, vai trazer um desequilíbrio. É um abuso, um desvio, fazendo o corpo trabalhar no momento que deveria descansar, porque o sono é necessário.
  4. 4. É um estado de emancipação parcial da alma, ocasião em que se aguçam as nossas percepções. Evasão da alma da prisão do corpo. É a oportunidade que tem o Espírito de entrar em relação com o plano espiritual, onde busca satisfazer suas necessidades e intenções, de acordo com o seu estágio evolutivo.
  5. 5. “Ligado ao corpo, por prolongamentos do perispírito, o Espírito se movimenta sem prejudicar as funções orgânicas necessárias para manter o organismo em repouso.” (XAVIER, Francisco Cândido. Obreiros da Vida Eterna. Pelo Espírito de André Luiz).
  6. 6. Enquanto o corpo recupera os elementos que perdeu por efeito da atividade da vigília, o Espírito vai retemperar-se entre os outros Espíritos. Haure, no que vê, no que ouve e nos conselhos que lhe dão, idéias que, ao despertar, lhe surgem em estado de intuição. (KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE). Cap. 28, item 38).
  7. 7. Allan Kardec, através da Codificação Espírita, principalmente no Livro dos Espíritos Cap. VIII - Questões de 400 à 455, analisou a emancipação da alma e os sonhos em seus aspectos fisiológicos e espirituais. Allan Kardec tece comentários muito importantes acerca dos sonhos: O sono liberta parcialmente a alma do corpo; Espírito jamais está inativo; Têm a lembrança do passado e às vezes a previsão do futuro; Adquire mais liberdade de ação delimitada pelo grau de exteriorização ; Podemos entrar em contato com outros Espíritos encarnados ou desencarnados; Enquanto dormem, algumas pessoas enquanto dormem procuram Espíritos que lhes são superiores (estudam, trabalham, recebem orientações, pedem conselhos); Outras pessoas procuram os Espíritos inferiores com os quais irão aos lugares com que se afinizam.
  8. 8. 400. O Espírito encarnado permanece espontaneamente no corpo? É como perguntar se o prisioneiro se alegra com a prisão. O Espírito encarnado aspira sem cessar à libertação, e quanto mais o corpo for grosseiro, mais deseja desembaraçar-se dele.
  9. 9. 401. Durante o sono, a alma repousa como o corpo? Não, o Espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da sua presença, ele se lança pelo espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos.
  10. 10. Cada espirito vai agir segundo o seu estado evolutivo, grau de desenvolvimento. Oportunidade do Espirito entrar em contato com o mundo espiritual; Haurir orientação, conforto, forças; Aprender, melhorar-se , ir a ambientes espirituais agradáveis; Espíritos ligados as coisas da terra, da vida corpórea, buscam interesses materialistas, expressão dos instintos e tendências inferiores, muitas vezes reprimidas, se conduzem conforme afinidade; Dependendo dos nossos anseios, podemos visitar outras pessoas aqui na terra mesmo. Sendo assim: Enquanto dormem, algumas pessoas procuram espíritos que lhes são superiores (estudam, trabalham, recebem orientações, pedem conselhos); Outras pessoas procuram os espíritos inferiores com os quais irão aos lugares com que se afinizam.
  11. 11. “O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono.” “O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono, mas nem sempre nos lembramos daquilo que vimos ou de tudo o que vimos; isto porque não temos nossa alma em todo o seu desenvolvimento de suas faculdades.” (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Questão 402). Estado de emancipação do espirito em relação o corpo. Repousando, o Espírito desdobra, desprende-se do corpo ligado através do cordão fluídico. O Sonho é a lembrança das situações, relações e emoções vivenciadas pelo Espírito durante o sono. Efeito da emancipação da alma, que mais independente se torna pela suspensão da vida ativa e de relação. Sono e Sonhos: Reparação das forças ORGÂNICAS; Reparação das Forças MORAIS.
  12. 12. 402. (...) O que gera a simpatia na Terra é o fato de os homens, ao despertar, se sentirem ligados pelo coração àqueles com quem acabaram de passar de oito a nove horas de prazer. Isso também explica as antipatias invencíveis que sentimos intimamente, porque sabemos que essas pessoas com quem antipatizamos têm uma consciência diferente da nossa e as conhecemos sem nunca tê-las visto com os olhos. Explica ainda a nossa indiferença, pois não desejamos fazer novos amigos quando sabemos que há outras pessoas que nos amam e nos querem bem. Em uma palavra, o sono influi mais na vossa vida do que pensais.
  13. 13. 402. Durante o sono, os Espíritos encarnados estão sempre se relacionando com o mundo dos Espíritos e é isso que faz com os Espíritos Superiores consintam, sem muita repulsa, em encarnar entre vós. Deus quis que em contato com o vício eles pudessem se renovar na fonte do bem, para não mais falharem, eles, que vêm instruir os outros. O sono é a porta que Deus lhes abriu para entrarem em contato com seus amigos do céu; é o recreio após o trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final que deve devolvê-los a seu verdadeiro meio.
  14. 14. 407. O sono completo é necessário para a emancipação do Espírito? Não; o Espírito recobra sua liberdade quando os sentidos se entorpecem. Ele se aproveita, para se emancipar, de todos os momentos de repouso que o corpo lhe concede. Desde que haja debilidade das forças vitais, o Espírito se desprende, e quanto mais fraco estiver o corpo, mais livre ele estará. Nota: É assim que a sonolência, ou um simples entorpecimento dos sentidos, apresenta muitas vezes as mesmas imagens do sono.
  15. 15. Lembranças do que efetivamente vimos; Frutos das nossas preocupações; Visão retrospectiva do passado; Pressentimento do futuro; Quadros alegóricos (simbolismo). (KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns (LM). Cap. 6, Item 101). Sonho - resposta a estímulos sensoriais, condições orgânicas. criações mentais de nosso subconsciente. Sonho de compensação, fantasias para se compensar. Realização de desejos. Sonhos relacionados aos nossos temores. Nos avisando de algum problema. Ou também relacionado à problemas não resolvidos durante o dia.
  16. 16. FREUD Publica em 1900 o livro “A Interpretação dos Sonhos” dando um caráter científico ao tema inaugurando a Psicanálise. Segundo ele, os sonhos são: A realização de um desejo; As expressões disfarçadas de desejos insatisfeitos; Cargas emocionais armazenadas no inconsciente que projetam imagens e sons. Sigmund S. Freud (1.856 - 1.939), foi um médico neurologista e criador da Psicanálise. JUNG É uma ferramenta da psique que busca o equilíbrio por meio da compensação. O Sonho é forma própria do inconsciente de se expressar. Carl G. Jung, (1.875 - 1.961) foi um psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica.
  17. 17. Comuns: Repercussão de nossas disposições físicas ou psicológicas. São aqueles que refletem nossas vivências do dia a dia. • Fisiológicos; • Psicológicos; Reflexivos: Exteriorização de impressões e imagens arquivadas na mente do espirito; Espíritas: Atividade real e efetiva do Espirito durante o sono. Mistos; (PERALVA, Martins. Livro: Estudando a Mediunidade. O Sonho). Sonhos Fisiológicos - por influência orgânica vive-se situações alucinatórias. Sonhos pantomnésicos - recordações do passado. Sonhos premonitórios - apreensão do futuro, sonho profético. Sonhos espirituais - vivência no plano espiritual.
  18. 18. Bons Espíritos ou maus Espíritos influenciam sobre nós. Maus Espíritos, Obsessores - Atormentam, atuam sobre nós. Concedemos para eles alguma tendência, pelo tipo de pensamentos que cultivamos, estamos em falha com as leis divinas e em sintonia com eles. Bons Espíritos - Anjos Guardiões, Mentores, pessoas afetuosas;
  19. 19. Sonho Pantomnésico- Sonho de recordações do passado. Vidas anteriores. A própria palavra “pantomnésia”, na sua origem etimológica significa memória de tudo. Registra tudo e nada esquece.
  20. 20. Vivência no Plano Espiritual. Também como alerta; Ore por ela; Agradeça pela oportunidade.
  21. 21. No início da Era Cristã - conhecido como sonho profético. Sonho de José – Aviso, alerta sobre algo que vai acontecer, como forma de preparo. Permissão divina para nos orientar sobre algum risco que estamos correndo ou caminho errado que estamos seguindo. Objetivo: Corrigir, preparo, precaução. As vezes é numa linguagem figurada, simbólica Ex.: ponte caindo - ligação de família sendo rompida.
  22. 22. 403. Por que nem sempre nos lembramos dos sonhos? O que chamais de sono é apenas o repouso do corpo, mas o Espírito está sempre ativo e durante o sono recobra um pouco de sua liberdade e se corresponde com os que lhe são caros, neste mundo ou em outros. Sendo o corpo uma matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões que o Espírito recebeu, visto que o Espírito não as percebeu pelos órgãos do corpo. 402. Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono? Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. ACORDADOS DORMINDO Limitados pelos 5 sentidos; Obedecemos as leis da física; Os sentidos se ampliam; Não estamos limitados pela matéria; Voamos, volitamos na velocidade do pensamento;
  23. 23. 404. Que pensar da significação atribuída aos sonhos? Os sonhos não têm o significado que certos adivinhos lhes atribuem. É um absurdo acreditar que sonhar com isso significa aquilo. São verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais ao Espírito, mas muitas vezes não têm relação com o que se passa na vida corporal; são também, como dissemos, uma lembrança. Algumas vezes, podem ser um pressentimento do futuro, se Deus o permite, ou a visão do que se passa nesse momento em um outro lugar para onde a alma se transporta.
  24. 24. 408. Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós, palavras pronunciadas distintamente e que não têm nenhuma relação com o que nos preocupa; de onde vem isso? Sim, pode acontecer até mesmo ouvirdes frases inteiras, principalmente quando os sentidos começam a se entorpecer. É algumas vezes um eco fraco de um Espírito que deseja se comunicar.
  25. 25. 409. Muitas vezes, num estado que ainda não é a sonolência, quando temos os olhos fechados, vemos imagens distintas, figuras das quais observamos os mais minuciosos detalhes; é um efeito de visão ou de imaginação? O corpo, estando entorpecido, faz com que o Espírito procure libertar-se de suas amarras. Ele se transporta e vê. Se o sono fosse. completo, seria um sonho. 412. A atividade do Espírito durante o repouso ou o sono do corpo pode fazer com que o corpo sinta cansaço? Sim, pode. O Espírito está preso ao corpo, assim como um balão cativo a um poste. Da mesma forma que as agitações do balão abalam o poste, a atividade do Espírito reage sobre o corpo e pode fazer com que se sinta cansado.
  26. 26. Como um terço da vida física é dedicado ao sono, imenso patrimônio logrará quem converta esse tempo ou parte dele no investimento do progresso, em favor da libertação que lhe credenciará, para uma existência plena, um futuro ditoso. Se alguém diz como e o que sonha, é fácil explicar-lhe como vive nas suas horas diárias. Dorme-se, portanto, como se vive, sendo-lhe os sonhos o retrato emocional da sua vida moral e espiritual. (FRANCO, Divaldo Pereira. Temas da Vida e da Morte. Pelo Espírito de Manoel P. de Miranda).
  27. 27. MENTAL: leituras, conversas, filmes e atividades comedidas, não desgastantes; ORGÂNICO: refeições leves, higiene, silêncio, roupas cômodas, etc. ESPIRITUAL: leitura edificante, meditação, serenidade, perdão, prece (orar pedindo amparo e proteção); (OLIVEIRA, Therezinha. Mediunidade). O que vivenciamos antes de dormir fica melhor registrado na nossa mente. Há maior facilidade.
  28. 28. Estabeleça horários regulares para dormir e acordar, mesmo nos fins de semana; Garanta um ambiente apropriado para o sono: quarto escuro, sem barulho, colchão adequado, temperatura agradável; Pratique atividades físicas regulares durante o dia; Evite refeições pesadas próximo do horário de dormir; Evite a ingestão excessiva de café e cafeinados (chás, colas, chocolates, etc.) durante o dia e, especialmente, à noite; Evite o consumo excessivo de nicotina; Evite fazer exercícios físicos vigorosos à noite; Evite cochilos, especialmente se prolongados, durante o dia; Evite ambientes muito iluminados e/ou uso prolongado de aparelhos com iluminação (computadores, por exemplo) durante a noite.
  29. 29. “Se quisermos bons sonhos e um despertar feliz, é imperioso que cultivemos os valores do bem e da verdade. Assim, enquanto o corpo repousa estaremos convivendo com amigos e mentores, aprendendo e servindo, como um ensaio feliz para a transferência definitiva, quando a morte nos convocar”. (Richard Simonetti, no Livro: Viver em Plenitude).
  30. 30. Paul McCartney, músico inglês, em uma bela manhã do ano de 1964 acordou inspirado por um sonho e compôs a música “Yesterday”. Esse sucesso ficou na história e agora você já sabe que as notas do compositor foram retiradas da música que embalava seu sonho. Dmitri Mendeleev (1834-1907), químico Russo que realizava estudos sobres os elementos químicos e suas propriedades. Uma noite do ano de 1869 inspirou a organização da Tabela Periódica, o cientista sonhou com um diagrama em que todos os componentes se encaixavam, e criou assim a Tabela Periódica moderna. Graças a Mendeleev os elementos foram organizados em períodos e famílias para facilitar seus estudos. Salvador Dali (1904-1989) teve todas as suas obras inspiradas em sonhos. Segundo o artista, é durante o sono que nos vemos libertos de nossa realidade. Os sonhos de Niels Bohr (1885-1962), físico dinamarquês, foram muitas vezes relacionados ao seu trabalho. Em um desses sonhos, ele sonhou com a estrutura do átomo: Bohr viu os elétrons e o núcleo em forma de sistema solar. Frederick Grant Banting, (1891-1941), médico canadense e Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina, sonhou com um experimento que na realidade significou a descoberta da insulina.
  31. 31. “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (João, 8:12).

×