Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Dr3 Id Al marco 2

7,065 views

Published on

Published in: Travel
  • Be the first to comment

Dr3 Id Al marco 2

  1. 1. Educação e Formação de Adultos - Nível Secundário Núcleo Gerador: Identidade e Alteridade Área de Competência: Cidadania e ProfissionalidadeCompetência: Identificar e avaliar políticas públicas de acolhimento face à diversidade de identidadesCritérios de Evidência: Identificar a diversidade de políticas públicas na sociedade. Relacionar direitos políticos e associativos. Situar-se face à inclusão da população migrante. <br />Nome: Marco Araújo<br />Data: 21/08/09<br />Se, se analisa com algum rigor a história de Portugal, somos confrontados desde o primeiro instante com a realidade da emigração. Depois da reconquista aos mouros e do estabelecimento físico das fronteiras, os portugueses lançaram-se na expansão ultramarina. <br />Directamente relacionado com a época dos descobrimentos não deixará de estar presente a necessidade de encontrar novas terras, de solos e subsolo mais férteis, capazes de fornecer alimento a um povo que, confinado ao seu próprio país, teria sérias dificuldades de subsistência. Foi assim que nos estendemos primeiramente no continente africano (Marrocos, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe), depois pelo asiático (Goa, Macau e Timor Leste) e finalmente pelo americano (Brasil).<br />Séculos mais tarde, com a perda das ex-colónias, a emigração portuguesa redirecciona-se e estende-se a novos horizontes. E, a partir de então, a Europa central (França, Bélgica, Luxemburgo, Suíça e Alemanha) e a América do Norte (Canadá e EUA) estabeleceram-se como novos pontos de referencia para a emigração Portuguesa.<br />Todavia, a partir da ultima década de do séc. XX, dá-se uma verdadeira inversão nas rotas migratórias. Portugal, país de emigrantes por excelência, estabelece-se paradoxalmente, como porto privilegiado para a imigração: primeiro da ex-colónias e, depois, dos países de Leste Europeu.<br />Ante o fenómeno da imigração e o decréscimo dos postos de trabalho, correlativo ao abrandamento do crescimento económico, europeu e mundial, começou a surgir uma certa instabilidade social, aliada ao preconceito para com o imigrante. Tão injustificável e deplorável, se se atende ao passado histórico do nosso pais e ao contributo que os mesmo têm dado ao desenvolvimento económico português. <br />PROPOSTA DE TRABALHO 1<br />Tendo em consideração o que acabamos de referir indique, compreenda e reflicta sobre as politicas públicas relacionadas com o acolhimento de imigrantes em Portugal. Na sua reflexão, poderá ainda ter em consideração as seguintes instituições e associações, de apoio ou regulamentação à diversidade de identidades: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI); Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF); e , Associação de Mulheres Ciganas Portuguesas (AMUCIP). <br />Nós os portugueses como povo emigrante, não deveríamos ter atitudes xenófobas e de diferenças por que, no passado e no presente somos um povo que gosta de descobrir e explorar novos países outros, mas também cada vez mais temos políticas sócias onde temos uma preocupação para que os imigrantes sejam recebidos e acolhidos da melhor forma, obedecendo a regras e deveres a que todos os cidadãos estão obrigados, existe algumas instituições a trabalhar nesta temática passo a referir algumas:<br />A (ACIDI) promove e ajuda à inclusão social e profissional dos imigrantes, na igualdade de oportunidades, aprendizagem da língua, facilitando o exercício da cidadania e a potencial qualificação enriquecendo.<br />A (SET) tem diversas delegações ao dispor dos imigrantes: serviços de fronteiras, aéreos, marítimos, desaparecimentos tendo por missão assegurar, informar, orientar, assistir, organizar em legislação, estatísticas, publicações, alojamentos, enfim tentam facilitar a vida de quem chega, para que quem cá está não seja perturbado.<br />A (AMUCIP) trabalha o âmbito nacional das população cigana em Portugal. Promove a defesa, o desenvolvimento, o respeito pela identidade cultural, das políticas e acções injustas, informa sobre direitos e deveres, educação e as perspectivas da evolução das sociedades, promovendo actividades culturais, recreativas e desportivas. Trabalhando assim a integração vai facilitar a vida de todos, mas mesmo assim nem sempre é possível chegar a tudo e a todos. <br /> <br />PROPOSTA DE TRABALHO 2<br />“A minha reflexão face ao acolhimento à população migrante no nosso país <br />Sendo Portugal, um pais tradicionalmente de povo emigrante devido a situação financeira da maioria dos portugueses. Estes vêem-se obrigados, a procurar emprego com melhor rendimento fora do nosso país, contribuindo esta população para o desenvolvimento dos países de acolhimento, acabando mesmo por adoptar os usos e costumes destes.<br />No entanto Portugal, também não deixa de ser um pais procurado por outros povos, que vêem nele uma maneira de sobrevivência. Existindo população migrante de toda a parte do mundo.Mas em minha opinião ainda há muito a fazer em relação ao acolhimento à população migrante, é que há necessidade de um maior aprofundamento em torno da questão da migração, visando oferecer subsídios para políticas de atendimento a migrantes, uma vez que os migrantes fazem parte de uma população que contribui para o desenvolvimento da vida cultural e económica do país de acolhimento, mas que são alvo de discriminação, sofrimento e exclusão social. Emídio Silva”<br />A nível social/institucional, qual a sua opinião face ao acolhimento da população migrante?<br />Estamos num bom caminho cada vez mais uma preocupação crescente sobre a imigração, as instituições acima mencionadas são o exemplo vivo, que estamos a trabalhar para termos cada vez mais uma sociedade que respeite a diferença, valores culturais, inserção social e profissional e trabalharmos para um país global.<br />Mas é preciso fazer muito ainda não podemos esquecer que os imigrantes dão uma contributo para o desenvolvimento de economia e natalidade da nossa sociedade, e temos que mudar atitudes e mentalidades por que por vezes nós o país de e acolhimento temos um certo receio dos migrantes derivado a esta crise mundial onde veio agravar as diferenças sociais.<br />

×