Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gestão Pública e Administração de serviços de saúde

2,177 views

Published on

Aula

Published in: Healthcare
  • Be the first to comment

Gestão Pública e Administração de serviços de saúde

  1. 1. ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE Ângela Lessa de Andrade Enfermeira; Sanitarista; Sexóloga; Obstetra; Enfermeira do trabalho e de PSF Mestre em Promoção à Saúde pela UPE. Gerente da I Regional em Saúde I GERES/SES/PE
  2. 2. A GESTÃO DOS SISTEMAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO SÉCULO XXI
  3. 3. OS GRANDES MOVIMENTOS DA GESTÃO DA SAÚDE NO SÉCULO XXI  DA GESTÃO DAS CONDIÇÕES AGUDAS PARAA GESTÃO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS  DA GESTÃO BASEADA EM OPINIÕES PARAA GESTÃO BASEADA EM EVIDÊNCIAS  DA GESTÃO DOS MEIOS PARAA GESTÃO DOS FINS FONTE: MENDES (2004)
  4. 4. DA GESTÃO DAS CONDIÇÕES AGUDAS PARA A GESTÃO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS  OS SISTEMAS INTEGRADOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE FONTE: MENDES (2001)
  5. 5. O CONCEITO DE CONDIÇÃO CRÔNICA  SÃO CONDIÇÕES OU ENFERMIDADES QUE TÊM UM PERÍODO DE VIDA SUPERIOR A TRÊS MESES E QUE NÃO SE AUTOLIMITAM FONTE: WORLD HEALTH ORGANIZATION (2002)
  6. 6. A CARGA DA DOENÇA NO BRASIL  DOENÇAS INFECCIOSAS, PARASITÁRIAS E DESNUTRIÇÃO:  CAUSAS EXTERNAS  CONDIÇÕES MATERNAS E PERINATAIS  DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS  TOTAL DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
  7. 7. AS LÓGICAS DAS ATENÇÕES ÀS CONDIÇÕES AGUDAS E CRÔNICAS ATENÇÃO HOSPITALAR ATENÇÃO AMBULATORIAL ESPECIALIZADA ATENÇÃO PRIMÁRIA A B INTERNAÇÃO HOSPITALAR SEVERIDADE DA DOENÇA TEMPO Fonte: ADAPTADO DE EDWARDS,HENSHER & WERNEKE, 1999
  8. 8. AS REPRESENTAÇÕES ALTERNATIVAS DOS SISTEMAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Alta Compl. Média Complexidade Atenção Básica ORGANIZAÇÃO PIRAMIDAL ORGANIZAÇÃO EM REDE APS FONTE: MENDES (2002)
  9. 9. O CONCEITO DE SISTEMA INTEGRADO DE SERVIÇOS DE SAÚDE  É A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE INTEGRADA DE PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE QUE PERMITE PRESTAR UMA ASSISTÊNCIA CONTÍNUA A DETERMINADA POPULAÇÃO - NO TEMPO CERTO, NO LUGAR CERTO, COM O CUSTO CERTO E COM A QUALIDADE CERTA -  E QUE SE RESPONSABILIZA PELOS RESULTADOS SANITÁRIOS E ECONÔMICOS RELATIVOS A ESTA POPULAÇÃO Fonte: MENDES (2001)
  10. 10. OS MOMENTOS DA CONSTRUÇÃO DOS SISTEMAS INTEGRADOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE  A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA  A INTEGRAÇÃO HORIZONTAL DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE  A DIFERENCIAÇÃO E EXPANSÃO DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE  A INTEGRAÇÃO VERTICAL DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE Fonte: .MENDES(2001)
  11. 11. MOMENTO 1 A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA HOSPITAL A AMBULATÓRIO B AMBULATÓRIO A HOSPITAL B
  12. 12. MOMENTO 2 A INTEGRAÇÃO HORIZONTAL DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL A AMBULATÓRIO B AMBULATÓRIO A HOSPITAL B
  13. 13. MOMENTO 3 A DIVERSIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL HOSPITAL/DIA CENTRO DE ENFERMAGEM ATENÇÃO DOMICILIAR UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO
  14. 14. MOMENTO 4 A INTEGRAÇÃO VERTICAL DOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL HOSPITAL/DIA CENTRO DE ENFERMAGEM ATENÇÃO DOMICILIAR AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE
  15. 15. DA GESTÃO BASEADA EM OPINIÕES PARA A GESTÃO BASEADA EM EVIDÊNCIAS  AATENÇÃO À SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS FONTE: MENDES (2004)
  16. 16. OS DETERMINANTES DO INCREMENTO DE CUSTOS DOS SISTEMAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE  A INFLAÇÃO ECONÔMICA  O VOLUME E INTENSIDADE DOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS  A INFLAÇÃO MÉDICA  ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO: FONTE: EDDY (1993)
  17. 17. OS FATORES DECISÓRIOS NAS POLÍTICAS DE SAÚDE  VALORES  RECURSOS  EVIDÊNCIAS FONTE: GRAY(2001)
  18. 18. AS QUESTÕES DA GESTÃO BASEADA EM OPINIÕES  O QUE SE PENSA DESTA POLÍTICA?  HÁ RECURSOS PARA IMPLANTÁ-LA?  AS POLÍTICAS DE SAÚDE FONTE: MENDES (2004)
  19. 19. AS QUESTÕES DA GESTÃO BASEADA EM EVIDÊNCIAS  O QUE SE PENSA DESTA POLÍTICA?  HÁ RECURSOS PARA IMPLANTÁ-LA?  ELA ESTÁ BASEADA EM PESQUISAS CIENTÍFICAS?  AS POLÍTICAS DE SAÚDE FONTE: MENDES (2004)
  20. 20. O CONCEITO DA ATENÇÃO À SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS  É DIFERENTE DA MEDICINA BASEADA EM EVIDÊNCIAS  É A DISCIPLINA CENTRADA EM PROCESSOS DECISÓRIOS SOBRE GRUPOS POPULACIONAIS QUE SE FAZEM COM BASE EM EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS FONTE: GRAY (2001); MENDES (2002)
  21. 21. AS COMPETÊNCIAS DE UM GESTOR CONTEMPORÂNEO DO SISTEMA DE SERVIÇOS DE SAÚDE  COMPREENDER E UTILIZAR OS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA  AVALIAR A QUALIDADE DAS EVIDÊNCIAS APRESENTADAS  AVALIAR A QUALIDADE DAS PESQUISAS CIENTÍFICAS  IMPLEMENTAR AS MUDANÇAS EXIGIDAS PELAS EVIDÊNCIAS FONTE: GRAY (2001)
  22. 22.  DISCRIMINAR UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA  COMPREENDER OS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES TECNOLÓGICAS E ECONÔMICAS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE  ENTENDER A QUALIDADE DE UM ENSAIO CLÍNICO  SABER INCORPORAR EM SUAS DECISÕES OS VALORES INSTITUCIONAIS E SOCIAIS FONTES: MENDES (2003)
  23. 23. A OPERACIONALIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS  A PRODUÇÃO DAS EVIDÊNCIAS: OS CENTROS DE PESQUISA  A DISPONIBILIZAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS: O CENTRO DE EVIDÊNCIA  A UTILIZAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS: OS CENTROS DE DECISÃO FONTE: MENDES (2004)
  24. 24. DA GESTÃO DOS MEIOS PARA A GESTÃO DOS FINS  A GESTÃO DA CLÍNICA FONTE: MENDES (2001)
  25. 25. A GESTÃO DOS MEIOS  A GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS  A GESTÃO DOS RECURSOS MATERIAIS  A GESTÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS FONTE: MENDES (2002)
  26. 26. A GESTÃO DA CLÍNICA  É AAPLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS DE MICROGESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE COM A FINALIDADE DE ASSEGURAR PADRÕES CLÍNICOS ÓTIMOS E MELHORAR A QUALIDADE DAATENÇÃO À SAÚDE FONTES: DEPARTMENT OF HEALTH (1998) e MENDES (2001)
  27. 27. AS TECNOLOGIAS DE GESTÃO DA CLÍNICA  AS DIRETRIZES CLÍNICAS  A GESTÃO DE PATOLOGIA  A GESTÃO DE CASO  A GESTÃO DOS RISCOS DA CLÍNICA  A LISTA DE ESPERA  AAUDITORIA CLÍNICA FONTE: MENDES (2003)
  28. 28. AS DIRETRIZES CLÍNICAS  AS LINHAS-GUIA (GUIDELINES)  OS PROTOCOLOS CLÍNICOS FONTE: MENDES (2003)
  29. 29. A GESTÃO DE PATOLOGIA  É A GESTÃO DE PROCESSOS DE UMA CONDIÇÃO OU DOENÇA QUE ENVOLVE INTERVENÇÕES NA PROMOÇÃO DA SAÚDE, NA PREVENÇÃO DA CONDIÇÃO OU DOENÇA E NO SEU TRATAMENTO E REABILITAÇÃO, ENVOLVENDO O CONJUNTO DE PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DE UMA REDE ASSISTENCIAL, COM O OBJETIVO DE MELHORAR OS PADRÕES QUALITATIVOS DAATENÇÃO  OBJETIVA MUDAR COMPORTAMENTOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE E DE USUÁRIOS E PROGRAMAR AS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE FONTE: MENDES (2002)
  30. 30. A GESTÃO DE CASO  É UM PROCESSO COOPERATIVO QUE SE DESENVOLVE ENTRE O GESTOR DE CASO E O USUÁRIO PARA PLANEJAR, MONITORAR E AVALIAR OPÇÕES E SERVIÇOS, DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DE SAÚDE DA PESSOA, COM O OBJETIVO DE ALCANÇAR RESULTADOS CUSTO/EFETIVOS E DE QUALIDADE FONTE: MENDES (2002)
  31. 31. A LISTA DE ESPERA  É UMA TECNOLOGIA QUE NORMALIZA O USO DOS SERVIÇOS EM DETERMINADOS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE, ESTABELECENDO CRITÉRIOS DE ORDENAMENTO E A PROMOVENDO A TRANSPARÊNCIA FONTE: MENDES (2003)
  32. 32. A GESTÃO DOS RISCOS DA CLÍNICA  OUVIDORIA DAS QUEIXAS DOS USUÁRIOS: COMUNICAÇÃO COM OS PROFISSIONAIS QUALIDADE DAATENÇÃO  SISTEMA DE EVENTOS ADVERSOS DA CLÍNICA FONTE: McSHERRY E PEARCE (2002)
  33. 33. A AUDITORIA CLÍNICA  CONSISTE NA ANÁLISE CRÍTICA SISTEMÁTICA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE, INCLUINDO OS PROCEDIMENTOS USADOS PARA O DIAGNÓSTICO E O TRATAMENTO, O USO DOS RECURSOS E OS RESULTADOS PARA OS PACIENTES FONTE: NATIONAL HEALTH SERVICE (1989)
  34. 34. AS TECNOLOGIAS DE AUDITORIA CLÍNICA  A GESTÃO DO USO  A PERFILIZAÇÃO CLÍNICA  AAPRESENTAÇÃO DE CASOS  A REVISÃO DE EVENTOS SENTINELA  OS SURVEYS FONTE: ROBINSON E STEINER (1998)
  35. 35. AS NORMAS OPERACIONAIS BÁSICAS E O AVANÇO DA MUNICIPALIZAÇÃO DA SAÚDE NOB´S Instituídas por meio de portarias ministeriais. Tais normas definiram as competências de cada esfera de governo e as condições necessárias para que estados e municípios pudessem assumir as novas atribuições no processo de implantação do SUS. Critérios para que estados e municípios voluntariamente se habilitem a receber repasses de recursos do Fundo Nacional de Saúde para seus respectivos fundos de saúde o seu conteúdo é definido de forma compartilhada entre o Ministério e os representantes do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS) e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS).
  36. 36. •Incipiente •Parcial •Semi-Plena Gestão Plena do Sistema Gestão Plena da Atenção Básica Instrumentos de gestão Qualificação das Microrregiões •Recursos fundo a fundo por Serviços Produzidos •Criação das Comissões Intergestoras 1997- Piso da Atenção Básica (PAB) Programação Pactuada Integrada- PPI INSTRUÇÕES NORMATIVAS DO SUS PACTO PELA SAÚDE PORTARIA Nº 399/2006 Não haverá mais a divisão entre Município/Estado habilitado e não -habilitado. Todos passam a ser gestores das ações de saúde, com atribuições definidas e metas a cumprir . NOB-93 NOB-96 NOAS-2002 Gestão Plena do Sistema Municipal de Saúde Gestão Plena da Atenção Básica Ampliada
  37. 37. MUNICIPALIZAÇÃO NOB/93 NOB/96 NOAS/01 1. Incipiente 2. Parcial 3. Semi - Plena 1. Gestão Plena do Sistema -GPS 2. Gestão Plena da Atenção Básica -GPAB 1. Gestão Plena do Sistema Municipal –GPSM 2. Gestão Plena da Atenção Básica Ampliada -GPABA
  38. 38. INSTRUMENTOS DE GESTÃO REFORÇADOS PELO PACTO PLANO DIRETOR DE REGIONALIZAÇÃO – PDR PLANO DIRETOR DE REGIONALIZAÇÃO – PDR PLANO DIRETOR DE INVESTIMENTO –PDI
  39. 39. Programação Pactuada e Integrada (PPI) A PPI envolve as atividades de assistência ambulatorial e hospitalar, de vigilância sanitária e de epidemiologia e controle de doenças, constituindo um instrumento essencial de reorganização do modelo de atenção e da gestão do SUS, de alocação dos recursos e de explicitação do pacto estabelecido entre as três esferas de governo. Essa Programação traduz as responsabilidades de cada município com a garantia de acesso da população aos serviços de saúde, quer pela oferta existente no próprio município, quer pelo encaminhamento a outros municípios, sempre por intermédio de relações entre gestores municipais, mediadas pelo gestor estadual.
  40. 40.  Compromisso inequívoco com a repolitização do SUS, consolidando a política pública de saúde brasileira como uma política de Estado, mais do que uma política de governos. PACTO EM DEFESA DO SUS PACTO EM DEFESA DO SUS PACTO PELA VIDA Deverá estabelecer AS RESPONSABILIDADES CLARAS DE CADA ENTE FEDERATIVO de forma a diminuir as competências concorrentes e a tornar mais evidente quem deve fazer o quê, contribuindo com o fortalecimento da gestão compartilhada e solidária no SUS. PACTO DE GESTÃO está constituído por um conjunto de COMPROMISSOS SANITÁRIOS, expressos em objetivos e metas, derivados da análise da situação de saúde da população e das prioridades definidas pelos governos federal, estaduais e municipais. Entre as questões-chave do pacto de gestão temos: a definição dos papeis e responsabilidades das 3 esferas de gestão; a regionalização com ênfase no PDR/PDI e na definição de redes de atenção á saúde; o financiamento; a PPI; a regulação assistencial e o papel das SES na coordenação das referências intermunicipais; e a gestão dos prestadores de serviços.
  41. 41. PACTO PELA VIDA PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. PACTO PELA VIDA PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. Significa uma ação prioritária no campo da saúde que deverá ser executada com foco em resultados e com a explicitação inequívoca dos compromissos orçamentários e financeiros para o alcance desses resultados
  42. 42. As prioridades do Pacto Pela Vida: 1. Saúde do idoso; 2. Controle do câncer de colo de útero e de mama; 3. Redução da mortalidade infantil e materna; 4. Fortalecimento da capacidade de respostas às doenças emergentes e endemias, com ênfase na dengue, hanseníase, tuberculose, malária e influenza; 5. Promoção da saúde; 6. Fortalecimento da Atenção Básica.
  43. 43. Resolve: Art. 1º. Estabelecer as seguintes prioridades do Pacto pela Vida para o ano de 2008: I - atenção à saúde do idoso; II - controle do câncer de colo de útero e de mama; III - redução da mortalidade infantil e materna; IV- fortalecimento da capacidade de respostas às doenças emergentes e endemias, com ênfase na dengue, hanseníase, tuberculose, malária, influenza, hepatite, aids; V - promoção da saúde; VI - fortalecimento da atenção básica; VII - saúde do trabalhador; VIII - saúde mental; IX - fortalecimento da capacidade de resposta do sistema de saúde às pessoas com deficiência; X - atenção integral às pessoas em situação ou risco de violência; e XI - saúde do homem. Portaria nº. 325/GM, de 21 de fevereiro de 2008*.
  44. 44. 1. Atenção Básica 2. Media e Alta Complexidade 3. Assistência Farmacêutica 4. Vigilância em Saúde 5. Gestão Com o PACTO DA GESTÃO há Alteração na forma de transferência dos recursos federais para custeio Para cinco blocos
  45. 45. •GERAIS DA GESTÃO DO SUS; •NA REGIONALIZAÇÃO; •NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO; •NA REGULAÇÃO, CONTROLE, AVALIAÇÃO E AUDITORIA; •NA GESTÃO DO TRABALHO; •NA EDUCAÇÃO NA SAÚDE; •NA PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL RESPONSABILIDADE SANITÁRIA COMUNS AOS TRÊS GESTORES DO SUS
  46. 46. GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE SAÚDE  Execução, monitoramento, avaliação e gestão do SUS. 1- Análise Situacional, processo que consiste na identificação e priorização de problemas bem como na orientação da definição das medidas a serem adotadas para o enfrentamento dos mesmos. 2- Formulação de Diretrizes, Objetivos e Metas quadrienais com o estabelecimento de prioridades e a definição de estratégias de intervenção viáveis e factíveis de serem executadas e cujo objetivo é um impacto positivo na qualidade de vida e de saúde da população. (BRASIL, 2009).
  47. 47. O GERENTE DEVE MOBILIZAR E COMPROMETER SEUS FUNCIONÁRIOS NA ORGANIZAÇÃO E PRODUÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE.  O gerente, como uma pessoa de decisão, necessita, para exercer seu papel de informações, de autonomia e de um referencial.  É apresentada a importância do modelo assistencial e da questão da descentralização.  É urgente repensar a prática desses serviços, buscando superar os fatores que ocasionam seu baixo desempenho. Normalmente, atribui-se esse desempenho à falta de recursos, sejam humanos ou materiais, à baixa qualificação do seu pessoal, deixando de considerar que a existência de recursos, por si só, não garante a qualidade dos serviços.
  48. 48.  Uma organização, seja ela Secretaria, Hospital ou Centro de Saúde, é unidade social deliberadamente construída para atingir determinados objetivos. Ela resulta de uma combinação de pessoas, recursos e tecnologia para atingir aqueles objetivos. Para isso, ela possui uma maneira padronizada de operar.  Participação social – construção coletiva.  organizações de saúde também vai depender das relações que estabelecem pessoas, tecnologia, recursos e administração, para realizar a tarefa organizacional de prestação de serviços de saúde. Contudo, entre esses fatores, é a administração que tem o papel mais determinante, uma vez que ela realiza o trabalho de combinar pessoas, tecnologia e recursos para atingir os objetivos organizacionais, mediante planejamento, coordenação, direção e controle.
  49. 49. A GERÊNCIA E O DESEMPENHO GERENCIAL O termo gerência, usado, geralmente, como sinônimo de administração, aparece no início do capitalismo industrial com o trabalho cooperativo. A concepção, o planejamento e o controle passam a constituir atividades distintas daquela da execução. Quem executa não é quem planeja e controla. A gerência está associada a idéia de planejamento e controle; o controle é o conceito fundamental em todos os sistemas gerenciais (Braverman, 1981). Na literatura administrativa, há uma certa concordância nas atribuições básicas de gerência, quais sejam: dirigir, organizar e controlar pessoas ou grupos de pessoas (Mattos, 1985).
  50. 50.  o desempenho da função gerencial requer conhecimentos e habilidades que passam pelas dimensões técnica, administrativa, política e psicossocial.  O papel do gerente planejar, organizar, coordenar, controlar e avaliar o trabalho para que a organização possa atingir seus  objetivos, ele deve possuir conhecimentos e habilidades aperfeiçoados de planejamento e controle das atividades organizacionais.  Articulação das relações entre as pessoas, estruturas, tecnologias, metas e meio ambiente, incluindo aí os usuários dos serviços.
  51. 51.  A organização de saúde, entendida como parte de uma rede de serviços interdependente, não pode buscar a solução dos seus problemas apenas na correção dos baixos salários, mas em um conjunto de fatores que deverão ser compreendidos nas relações que mantêm entre si e com o seu meio.  Um serviço público de saúde com resolubilidade e qualidade, acessível a toda a população, pois esse é um direito que a nova Constituição lhe assegura.
  52. 52. OUTRAS REFERÊNCIAS REFERENCIAS: CHIAVENATO, I. Administração: Teoria, Processo e Prática, São Paulo, McGraw-Hill, 1985. HAMPTON, D. R. Administração Contemporânea: Teoria, prática e casos. São Paulo, McGraw-Hill, 1980. JUNQUEIRA, Luciano A. P. Organização e Prestação Pública dos Serviços de Saúde. Cadernos Fundap, São Paulo, 7 (13): 52-56, abril 1987. MATTOS, Ruy A. Desenvolvimento de Recursos Humanos e Mudança Organizacional, Rio de Janeiro, LTC/ANFUP, 1985. . Gerência e Democracia nas Organizações. 2a ed., Brasília.Ed. Livre Ltda., 1988. OPS/OMS. Propuesta de Apoyo al Desarrollo y Fortalecimiento de los Sistemas Locales de Salud y al Proceso de escentralización en los paises de la Región de las Américas, Washington, agosto 1987 (mimeo).
  53. 53. OBRIGADA! eugenio.bhz@terra.com.br angelalessadeandrade@yahoo.com.br

×