Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia

Seminário apresentado à disciplina de Enfermagem Cirúrgica I da UFCG.

  • Be the first to comment

SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia

  1. 1. Andressa Pereira Constatino Duarte Iane Karina Sananda Kayrone Thaline Marques EQUIPE:
  2. 2.  É uma abertura na parede anterior do estômago através de uma incisão abdominal para obtenção de acesso e exploração do seu interior.
  3. 3.  Explorar sangramentos no trato gastrointestinal superior;  Realizar biópsia de tecido;  Remover lesões gástricas; Retirada de corpos estranhos
  4. 4.  Gastrectomia é um procedimento cirúrgico de ressecção parcial ou total do estômago e têm sua maior indicação para o tratamento do câncer gástrico. 1881 - Billroth 1887 – Schltter
  5. 5. 95% dos canceres gástricos são adenocarcinoma.
  6. 6. Região geográfica; Dieta; Idade (maior de 50 anos – 5% abaixo dos 40 anos); Sexo (principalmente masculino); Alcoolistas; Tabagistas; Histórico familiar de câncer de estômago; Pólipos gástricos; Gastrite crônica.
  7. 7. História Clínica Endoscopia; Exames de imagem, especialmente raios-X e tomografia computadorizada; Biopsia.
  8. 8. Dor epigástrica; Vômitos; Emagrecimento; Plenitude pós prandial; Astenia.
  9. 9. Gastrectomia parcial ou total (associadas a outros tratamentos)
  10. 10. PARCIAL:  (Billroth I): É a ressecção de uma porção doente do estômago através de uma incisão abdominal e estabelecimento de uma anastomose entre o estômago e o duodeno. Ela é realizada para remoção de uma lesão benigna ou maligna localizada no piloro ou metade superior do estômago.  (Billroth II): É uma ressecção da porção distal do estômago através de uma incisão abdominal e estabelecimento de uma anastomose entre o estômago e o jejuno. Essa manobra é realizada para remover uma lesão benigna ou maligna no estômago ou duodeno.
  11. 11. GASTRECTOMIA TOTAL: É a remoção completa do estômago e estabelecimento de uma anastomose entre o jejuno e o esôfago. A cirurgia é feita como procedimento possivelmente paliativo ou curativo pela remoção de uma lesão maligna do estômago e metástases nos nódulos linfáticos adjacentes.
  12. 12. Aberta (Laparotomia) Fechada paroscopia)
  13. 13. Conseqüências nutricionais, agudas ou crônicas;  anorexia;  diarréia;  Síndrome de Dumping;  perda de peso;  anemia;  desnutrição protéico-energética.
  14. 14. Orientar sobre jejum (período mediato); Tranquilizar o paciente; Orientar o abandono de álcool e tabaco (período mediato); Dar informações sobre o ato cirúrgico; Investigar medicações e alergias; Encaminhar o paciente à SO; Orientar rotina do hospital e da SO; Retirar esmalte de unhas caso estejam pintadas; Investigar comorbidades como DM e HAS; Orientar sobre alimentação líquida; Realizar introdução de SNG quando necessário; Checar jejum e lavagem gástrica se necessário; Realizar exame físico e monitorar SSVV; Realizar tricotomia se necessário; Investigar hábitos alimentares; Investigar cirurgias anteriores; Investigar história familiar; Administrar drogas pré-anestésicas;
  15. 15. Colocar paciente em Fowler; Adm. alimentação pela SNG e observando possíveis obstruções; Observar aspectos do líquidos drenados pela SNG; Orientar o paciente quanto a retirada de pontos; Observar aceitação ou não da dieta após retirada da SNG e anotar; Orientar limpeza da FO; Observar retorno do peristaltismo; Orientar sobre o tipo de alimentação que pode ser ingerida; Administrar analgésicos se prescritos; Orientar sobre a volta às AVD; Observar sinais flogísticos; Orientar sobre novas rotinas dependendo do tipo de cirurgia; Realizar curativo da FO segundo os protocolos da instituição; Orientar o paciente sobre a continuidade do tratamento clínico; Orientar e incentivar deambulação precoce; Dar apoio emocional necessário.
  16. 16.  É um procedimento cirúrgico que estabelece a comunicação direta do estômago com o exterior; Vias de acesso para realização:  Laparotomia  Endoscopia Laraposcopia
  17. 17. Descompressão Gástrica Administração de Alimentos Hidratação Método auxiliar de dilatação esofágica
  18. 18.  Intolerância ao dreno  Quando possível sondagem nasogástrica  Ascite importante  Coagulopatia  Doença da parede gástrica  Cicatrização deficiente  Peritonite  Carcinomatose peritoneal  Varizes gástricas  Refluxo gastresofágico grave
  19. 19.  Operatórias (Temporárias ou Permanentes) Tipo Stamm Tipo Witzel Tipo Depage Janeway  Tipo Beck-Carrel-Jianu Tipo Patton Tipo Spivack-Watsuji  Percutâneas Gastrostomia Endoscópica Percutânea (GEP) Gastrostomia Radiológica Percutânea (GRP)  Gastrostomia Laparoscópica
  20. 20.  Peso corporal do paciente (obesos dificultam a técnica percutânea)  Presença de doenças preexistentes (ex. estenose de esôfago que também prejudica a técnica percutânea)  Duração do procedimento (temporário ou permanente)  Contra-indicações à anestesia geral (preferindo, assim, técnicas que usem anestesia local)
  21. 21.  Dor local  Infecção no local da saída do cateter  Infecção da ferida operatória  Hemorragia gástrica  Fístula gástrica (podendo provocar peritonite grave e fatal)  Fístulas gatrocutâneas após retirar o cateter  Complicações anestésicas  Complicações relacionadas ao cateter (entupimento, ruptura dele ou do balão, função inadequada, tração inapropriada com retirada involuntária)  Perfuração Gástrica
  22. 22. Orientar os pacientes e os familiares sobre o procedimento; Avaliar as condições da pele onde será realizada a incisão cirúrgica; Realizar a tricotomia, SN.
  23. 23. Observar se há vazamento do suco gástrica pela incisão; em caso positivo e SN, trocar o curativo; Proteger a pele com as pomadas prescritas pelo médico; Manter a sonda na posição colocando uma fina faixa de fita adesiva ao redor da sonda e prendendo-a em seguida, firmemente, no abdome; Avaliar a pele ao redor da gastrostomia diariamente; Fazer a higiene oral com frequência; Observar os cuidados relativos à alimentação e iniciar dieta líquida, cpm.
  24. 24. 1. Dieta caseira 2. Dieta industrializada
  25. 25. Conservar a dieta na geladeira;  Retirar da geladeira apenas o volume a ser administrado, 30 a 45 minutos antes do horário da administração; Não aquecer a dieta; Utilizar a dieta até 24 horas após o seu preparo;  Posicionar o paciente sentado ou deitado com as costas elevadas durante a administração da dieta e por mais trinta minutos; Conectar o frasco com dieta ao equipo, preencher o equipo com a dieta e conectar a sonda; Administrar o gotejamento e o tempo de infusão da dieta; Administrar toda a dieta, desconectar o equipo, lavar com seringa com 10 a 15 ml de água a sonda;  Reunir todo o material, lavar as mãos; Lavar o equipo e o frasco da dieta corretamente.
  26. 26. Evitar a entrada de ar pela sonda durante a alimentação; Introduzir água pela sonda, após a alimentação, tanto para hidratar o paciente quanto para evitar a obstrução da sonda; Pedir ao paciente que relate qualquer tipo de desconforto durante a alimentação; Observar o funcionamento intestinal; Controlar o peso do paciente diariamente;
  27. 27. O estoma não deve ser tocado nas primeira 8 – 12 horas após a instalação; Antes de limpar o estoma, lave as mãos com água e sabão. Seque-as bem.  Limpe o estoma com sabão neutro e agua morna usando uma gaze; Após limpeza, o dispositivo de fixação (cogumelo externo) deve ser recolocado em sua posição original, conforme a marcação próxima ao estoma. É importante que o fixador não esteja apertado junto à pele, sob o risco de lesioná-la; O desposicionamento ou tração do cateter de gastrostomia podem ser evitados realizando fixação do mesmo no abdome com uma fita hipoalergênica (micropore ou fita de silicone para pacientes com fragilidade capilar). Se houver desposicionamento do cateter ou, até mesmo, saída total do mesmo, a administração da dieta deverá ser interrompida e o médico ou enfermeiro devidamente capacitado para tal será chamado para avaliar o reposicionamento do mesmo cateter ou de um cateter novo.
  28. 28.  Investigar – os motivos que levaram a realização da cirurgia;  Avaliar a cavidade oral, dentição , língua abdome e reto;  Realizar entrevista e exame físico;  Investigar os seguintes fatores: Alterações na ingestão de alimentos decorrentes de inapetência; Disfagia ou refluxo esofágico; Consumo de álcool, tabagismo; História pregressa de doenças gastrintestinais ou cirurgias; História familiar de doenças gastrintestinais como câncer; Hábitos intestinais; Uso de medicamentos, etc.
  29. 29. DE RE IE Ansiedade O paciente se manterá calmo Tranquilizar o paciente; Deixá-lo em local tranquilo antes da cirurgia; Mostrar ao paciente que é um procedimento necessário para seu bem-estar; Conhecimento deficiente O paciente apresentará conhecimento acerca da cirurgia e cuidados Explicar rotina do hospital; SO; Tipo de cirurgia; Tipo de anestesia; Dar orientações para o pós- anestésico e pós-cirurgico; Informar sobre o possível diagnóstico de câncer. Dor O paciente terá dor diminuída/não apresentará dor Administrar analgésico cpm; Avaliar características da dor; Investigar possíveis causas e acalmar o paciente Avaliar permeabilidade de sondas; Investigar retenção urinária e gases. (pós)
  30. 30. DE RE IE Nutrição desequilibrada: menos do que as necessidades corporais O paciente manterá dieta equilibrada Avaliar aceitação ou não da dieta; Administrar alimentação prescrita; Observar permeabilidade da sonda; Monitorar náusea e êmese; Orientar nutrição equilibrada após alta; Anotar todas as informações. Padrão respiratório ineficaz O paciente apresentará padrão respiratório normal Colocar o paciente em Fowler; Realizar mudança de decúbito e realizar massagem de conforto; Incentivar deambulação precoce; Orientar a execução de respiração dirigida; Incentivar a tosse; Adm 02 se prescrito. Risco para lesão oral O paciente não apresentará lesão oral e nos lábios Umedecer os lábios do paciente com espátula envolta em gases umedecidas.
  31. 31.  MEEKER MH, ROTHROCK JA. Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico.10.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997  BROMBERG,  http://www.minhavida.com.br/saude/temas/cancer-de-estomago  http://www.inca.gov.br/rbc/n_46/v03/pdf/artigo6.pdf  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-28032001000400011&script=sci_arttext  http://www.scielosp.org/pdf/csp/v13s1/1430.pdf  http://sbnperj.com.br/wp- content/uploads/2014/05/cuidados_pacientes_com_gastrotomia.pdf  http://depotz.net/readarticle.php?article_id=2521  http://revista.fmrp.usp.br/2011/vol44n1/Simp4_Gastrostomia_e_jejunostomia%20atual. pdf

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • TatianeFrancisca1

    Oct. 5, 2015
  • aildadossantosferreira5

    Dec. 20, 2015
  • Jeanlisboa157

    Feb. 22, 2016
  • maristeladamattadeca

    Jun. 18, 2016
  • ailtonparis

    Nov. 15, 2016
  • klisiabarroso

    Jan. 23, 2017
  • SthefanySantos6

    Feb. 9, 2017
  • jessicacristina59

    Apr. 12, 2017
  • AliceSouza22

    Aug. 8, 2017
  • LuanaVianaViana

    Dec. 7, 2017
  • dielsonalves

    Dec. 12, 2017
  • joycewadna

    Feb. 26, 2018
  • ThainaMillena

    Jun. 9, 2018
  • katiagarcia66

    Aug. 21, 2018
  • biologa30

    Oct. 2, 2018
  • lucilenenantes

    Jun. 27, 2019
  • PauloRojerio

    Jun. 27, 2019
  • MarlonVenezia

    Mar. 24, 2020
  • JulioCesar1813

    Apr. 20, 2020

Seminário apresentado à disciplina de Enfermagem Cirúrgica I da UFCG.

Views

Total views

32,319

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

9

Actions

Downloads

360

Shares

0

Comments

0

Likes

19

×