Pensar a cidade nos contextos da cibercultura apresentação

657 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
657
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pensar a cidade nos contextos da cibercultura apresentação

  1. 1. Pensar a cidadenos contextos dacibercultura Docente Andreia Regina Moura Mendes Historiadora, antropóloga e doutoranda em Ciências Sociais @AndreiaReginaBr
  2. 2. Visões sobre a “cidade do futuro” nocomeço do século XX Metropolis- 1927. Direção de Fritz Lang. Livro Admirável Mundo Novo, escrito por Aldous Huxley em 1931. Livro 1984, escrito por George Orwell.
  3. 3. O interesse das ciênciassociais pelas cidades Universidade de Chicago: Escola de Chicago de Sociologia. A cidade enquanto objeto de estudo e investigação. Objetivo dos pesquisadores: encontrar soluções concretas para os problemas de crescimento e acelerada industrialização vivenciados por Chicago na transição do século XIX para o século XX. Teóricos principais: Robert Park- teoria da ecologia humana. Louis Wirth- a cidade como produtora de uma cultura urbana. O urbanismo como modo de vida.
  4. 4. Temas de pesquisa crescimento demográfico imenso contingente imigratório guetos de diferentes nacionalidades geradores de segregação urbana concentração populacional excessiva difíceis condições de vida infraestrutura precária
  5. 5. A cidade na condição pós-moderna “(...) os arquitetos tinham mais a aprender com o estudo de paisagens populares e comerciais (como as dos subúrbios e locais de concentração de comércio) do que com a busca de ideais abstratos, teóricos e doutrinários. Era hora, diziam os autores, de construir para as pessoas, e não para o Homem”. (HARVEY, 1999).
  6. 6. Conceituando cibercultura Segundo Pierre Lévy (1993:17) a cibercultura é o “conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço”. Para Lévy (1993: 157). , o ciberespaço é o suporte para as tecnologias intelectuais alterarem profundamente as funções cognitivas humanas, atuando desde o campo da memória, da própria imaginação, das formas de percepção inclusive nos processos de raciocínio.
  7. 7.  Para Castells (1999:67): Meu ponto de partida, e não estou sozinho nesta conjuntura, é que no final do século XX vivemos um desses raros intervalos na história. Um intervalo cuja característica é a transformação de nossa “cultura material” pelos mecanismos de um novo paradigma tecnológico que se organiza em torno da tecnologia da informação. Na transição para o século XXI surgiu uma sociedade na qual o conhecimento é mediatizado pelas novas tecnologias, o que exige novos procedimentos, técnicas e saberes em articulação, sendo a educação uma esfera diretamente atingida por estas transformações.
  8. 8. Novas questões paraarquitetos e urbanistas. Como a era da convergência afeta a cidade e seu desenvolvimento? Que tipos de projetos podem ser desenvolvidos para explorar melhor os recursos das tecnologias da informática e comunicação.
  9. 9. Possíveis respostas Explorar a inteligência coletiva. Valorização das competências locais. Organização das complementaridades entre recursos e projetos. Trocas de saberes e experiências. Redes de ajudas mútuas. Maior participação da população nas decisões políticas: e-governement.
  10. 10.  “Enfatizo mais uma vez que esse uso do ciberespaço não deriva automaticamente da presença de equipamentos materiais, mas exige igualmente uma profunda reforma das mentalidades, dos modos de organização e dos hábitos políticos.” (LÉVY, 1999:186).
  11. 11. Novas orientações Nova orientação nas políticas de planejamento do território das metrópoles. Encorajamento das relações de sociabilidades. Desburocratizar a administração política. Otimizar recursos e equipamentos nas cidades. Experimentar novas práticas democráticas.
  12. 12. A cidade virtual enquantomodelo de cidade Cidade digital de Amsterdã: serviço gratuito disponível na internet. Duplicação dos serviços e instituições da cidade de Amsterdã na internet com vários tipos de informações, desde horários dos serviços públicos, até fóruns de discussão e jornais eletrônicos.(idem: 186-188)
  13. 13. As “cidades inteligentes” dofuturo bem próximo. Empreendedores imobiliários, empresas globais de tecnologia da informação e governos estão tentando construir, a partir do zero, centros urbanos repletos de serviços e infraestrutura de última geração. Fonte: Scientific American Brasil/Outubro 2011. p.30.
  14. 14.  Masdar é considerada a 1ª cidade sustentável do mundo. Construção iniciada em 2008. Previsão de conclusão: 2015-2025. Localização: Abu Dhabi-deserto. Utilização de energias limpas: energia eólica e gás natural. Aplicação das tecnologias da ecologia: carros movidos à energia elétrica. Projeto do arquiteto britânico Norman Foster: Foster e associados.
  15. 15.  Princípios: • 100% da energia fornecida virá de fontes renováveis. • 99% dos resíduos serão reutilizados, reaproveitados ou usados de maneira ecologicamente correta. • Sem emissão de carbono, o transporte da cidade será inteiramente público. • Só será usado material ecologicamente correto, como recicláveis e materiais certificados. • Apenas alimentos biológicos e orgânicos farão parte do cardápio de Masdar City. • Consumo de água será reduzido em 50% da média mundial. Todas as águas residuais serão reaproveitadas e reutilizadas. • Preocupação e cuidado com as espécies (fauna e flora) locais. • Arquitetura integrará os valores locais. • Bons salários e condições de trabalho para todos, conforme definido pelas normas internacionais do trabalho. • Investimentos na qualidade de vida e eventos para todos os tipos de habitantes. http://www.energiaeficiente.com.br/tag/m asdar/
  16. 16. PlanIt Valley Colaboração entre a empresa Cisco® Smart+Connected Communities e a tecnologia da Living PlanIT para construção de uma comunidade inteligente e sustentável no município de Paredes-Portugal. Objetivo do projeto: Elaboração de um centro de Inovação Global para Sensores em Rede focado na convergência de plataformas de computação, redes e sensing com a construção de edifícios e locais. Fonte: http://www.cisco.com/web/PT/press/articles/1006 28.html
  17. 17. Metas do projeto Desenhado para ser um centro respeitado globalmente em termos de inovação e pesquisa de comunidades sustentáveis, e pesquisa e Instituições de educação. As plataformas de desenho e construção da Living PlanIT possibilitam a convergência de tecnologias de computação, de rede e de sensores com a construção de edifícios e lugares, demonstrados a uma escala urbana no desenvolvimento e operações do PlanIT Valley. O PlanIT Valley irá integrar dezenas de milhões de sensores com as plataformas de rede e computação da Cisco, demonstrando a uma escala urbana as soluções tecnológicas da Cisco®’s Smart+Connected Communities.
  18. 18. Referências bibliográficas CASTELLS, Manual. A sociedade em rede. 8ª ed. São Paulo: Paz e terra, 1999, vol.1. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992. LEMOS, André; Cunha, Paulo (orgs). Olhares sobre a Cibercultura. Sulina, Porto Alegre, 2003; LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.
  19. 19. Fontes consultadas SANTANNA. Maria Josefina Gabriel. A cidade como objeto de estudo: diferentes olhares sobre o urbano. Disponível em: http://www.comciencia.br/reportagens/c idades/cid24.htm. Acesso em: 25.10.2011.

×