Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

2013 11-12-15-54-18-115 -americantiga_info

128 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

2013 11-12-15-54-18-115 -americantiga_info

  1. 1. AMERICANTIGA & CORO OLISIPO Ricardo Bernardes – director Comentários: Cristina Fernandes Músicos: Músicos: Sopranos: Elsa Cortez Mónica Monteiro Susana Duarte Altos: Luísa Tavares Lucinda Gerhardt Catarina Saraiva Tenores: Carlos Monteiro João Sebastião Pedro Matos Baixos: Armando Possante Hugo de Oliveira Sérgio Silva Diana Vinagre - violoncelo Duncan Fox - baixo António Esteireiro– órgão Rodrigo Teodoro de Paula – cravo
  2. 2. Breves notas de programa: Música Policoral na Capela Real e Patriarcal de Lisboa no Século XVIII Este concerto pretende mostrar uma vertente pouco conhecida da produção musical luso-brasileira do século XVIII que é sua produção policoral, ou seja, obras para dois coros ou mais. Este repertório de transição agrega elementos do estilo antigo ainda ligado ao contraponto praticado em Portugal nos séculos XVI e XVII às inovações harmônicas e de escrita vocal solística do estilo concertado, típicas do processo de italianização musical iniciado no reinado de D. João V. É portanto um repertório belíssimo e singular, que faz deste anacronismo de fusão de técnicas e estilos como o elemento mais precioso e característico da produção musical luso-brasileira do período. O repertório do concerto é composto majoritariamente de obras escritas em Portugal e no Brasil por compositores portugueses, dando também espaço para compositores portugueses atuantes no Brasil ou de lá nativos como André da Silva Gomes e José Maurício Nunes Garcia. Procura-se traçar uma linha imaginária de estilos musicais, de mestres e discípulos do Real Seminário da Patriarcal de Lisboa e de como esta música foi difundida no mundo português. José Joaquim dos Santos é o fim condutor, o mestre da Patriarcal que tem José Alves, André da Silva Gomes, Marcos Portugal e António Leal Moreira como discípulos, culminando na produção já de inícios do século XIX com José Maurício Nunes Garcia que nunca deixou o Rio de Janeiro. O concerto também pretender jogar espacialmente com os efeitos policorais, propondo diferentes posicionamentos dos cantores na igreja em grupos de solistas ou ripieno a cada grupo de obras, de modo a criar o desejado efeito de surpresas, assim com o jogo de perguntas e respostas sugeridos pelas partituras.

×