Tipos de Violência
A violência doméstica traduz-se em variadas formas de violência que interferem com o
bem-estar das pess...
A violência doméstica funciona como um ciclo que apresenta, normalmente, três fases:
Aumento de tensão: as tensões aglomer...
Tabela 1- Crimes de Violência Doméstica em Portugal 2011
Dados Estatísticos APAV

No âmbito do crime de violência doméstic...
Tabela 2- Crimes de Violência Doméstica em Portugal 2012
Dados Estatísticos APAV

“Os maus tratos psíquicos representaram ...
Como proceder
1- Fazer uma análise para perceber se é vitima
Existem algumas questões que podem ajudar a pessoa a perceber...
Durante a agressão:
- Referencie áreas de segurança na casa onde haja sempre saída e o acesso a um
telefone. Quando houver...
Se necessário mude, pelo menos provisoriamente, as lojas habituais, o ginásio que
frequenta, etc;
- Se possível, dê a conh...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Tipos de violência doméstica

411 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
411
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tipos de violência doméstica

  1. 1. Tipos de Violência A violência doméstica traduz-se em variadas formas de violência que interferem com o bem-estar das pessoas que são vítimas. Essas formas de violência são principalmente: a violência física, a violência psíquica, a violência sexual. A violência física é qualquer tipo de maltrato que cause danos visíveis ou não no corpo da vítima. Pode manifestar-se em comportamentos como: soquear, pontapear, estrangular, queimar, induzir ou impedir que o(a) companheiro(a) obtenha medicação ou tratamentos. A violência psíquica traduz-se em qualquer comportamento de um individuo que visa fazer o outro sentir medo ou inútil. Normalmente usam a ameaça de fazer algo a pessoas próximas da vítima, magoar os animais de estimação; humilhação o outro na presença de amigos, familiares ou em público, etc. A violência sexual resume-se ao comportamento em que o(a) companheiro(a) obriga o outro a ter atos sexuais que não deseja. Obrigar o companheiro a ter relações sexuais quando este não quer (em alguns casos violação), ou a pressionar o outro a manter relações sexuais desprotegidas são exemplos deste tipo de violência. Existe também a violência social que está relacionada com o controlo da vida social da vítima, ao impedir que esta visite amigos ou familiares, controlar chamadas telefónicas bem como as saídas de casa. Pode-se ainda considerar violência qualquer comportamento que tencione controlar o dinheiro do outro sem que este o deseje, estando sujeito à ameaça de ficar sem o apoio financeiro como forma de controlo. Quadro 1- Formas de exercício da violência doméstica
  2. 2. A violência doméstica funciona como um ciclo que apresenta, normalmente, três fases: Aumento de tensão: as tensões aglomeradas no dia a dia, as ofensas e as ameaças efetuadas pelo agressor, alimentam, na vítima, uma sensação de perigo elevado. Ataque violento: o ofensor maltrata física e psicologicamente a vítima; estas agressões propendem a aumentar a sua frequência e intensidade. lua-de-mel: o agressor envolve a vítima de carinho e atenções, desculpando-se pelos maus tratos e prometendo mudar. “Este ciclo caracteriza-se pela sua continuidade no tempo, isto é, pela sua repetição sucessiva ao longo de meses ou anos, podendo ser cada vez menores as fases da tensão e de apaziguamento e cada vez mais intensa a fase do ataque violento. Usualmente este padrão de interação termina onde antes começou. Em situações limite, o culminar destes episódios poderá ser o homicídio.” APAV (2012:2)
  3. 3. Tabela 1- Crimes de Violência Doméstica em Portugal 2011 Dados Estatísticos APAV No âmbito do crime de violência doméstica , os que obtiveram maior registo em 2011 foram os maus tratos físicos no valor de 28,1% e os maus tratos psicológicos (33,3%).
  4. 4. Tabela 2- Crimes de Violência Doméstica em Portugal 2012 Dados Estatísticos APAV “Os maus tratos psíquicos representaram cerca de 36% das situações de violência doméstica no seu todo, seguindo-se os crimes de maus tratos físicos com 26,7% do total dos crimes desta categoria. Apesar da descida percentual dos crimes de Violência Doméstica face a 2011, alguns crimes em particular demonstraram uma tendência contrária, designadamente o crime de injúrias/difamação que aumentou em mais de 100% (+ 861 crimes) e os crimes de natureza sexual que aumentaram 94,1% (+ 128 crimes)” Apav (2012:11)
  5. 5. Como proceder 1- Fazer uma análise para perceber se é vitima Existem algumas questões que podem ajudar a pessoa a perceber se está a ser vítima do crime de violência doméstica, tais como: - Tem medo do temperamento do agressor? - Ele(a) constantemente ignora os seus sentimentos? - Procura ridicularizá-lo(a) ou fazê-lo(a) sentir-se mal em frente dos seus amigos ou de outras pessoas? - Alguma vez ele(a) ameaçou agredi-lo(a)? - Alguma vez ele(a) lhe bateu, deu um pontapé, empurrou ou lhe atirou com algum objeto - Alguma vez foi forçado(a) a ter relações sexuais? - É forçado(a) a justificar tudo o que faz? 2- Prevenir Se vive em casa com o agressor: - Planeie a sua fuga de casa para uma eventualidade; - Não tenha facilmente acessível armas, facas, tesouras ou outro objetos que possam ser usados como armas; - Selecione uma lista de pessoas em quem confia, para contactar em caso de emergência e coloque o seu contacto nas teclas de contacto rápido do seu telemóvel; - Estabeleça uma palavra chave código com amigos, familiares ou vizinhos para chamarem a polícia; - Ensine as crianças a colocarem-se em segurança em caso de violência e de não o/a tentar salvar do/a agressor/a; - Tenha sempre algum dinheiro consigo; - Fixe todos os números telefónicos importantes (polícia, hospital, amiga/o); - esteja preparado/a para deixar a residência em caso de emergência; - saiba para onde ir se tiver que fugir.
  6. 6. Durante a agressão: - Referencie áreas de segurança na casa onde haja sempre saída e o acesso a um telefone. Quando houver uma discussão evite a cozinha ou a garagem dado o elevado risco de aí se encontrarem facas ou outros objetos susceptíveis de ser usados como armas; -Evite igualmente casas de banho ou pequenos espaços, sem saídas, onde o/a agressor/a o/a possa aprisionar; - Se possuir telemóvel mantenha-o sempre consigo e chame a polícia. Em caso de emergência contacte o 112 – número nacional de socorro – que chamará a polícia. Para apresentar queixa do crime deve dirigir-se a uma esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP), posto da Guarda Nacional Republicana (GNR) ou directamente junto dos Serviços do Ministério Público e exigir um documento comprovativo da queixa ou denúncia efectuada. 3-Agir Se decidir sair de casa: - Nunca leve bens que pertençam ao/à agressor/a, porque isso pode ser motivo de represálias; - Guarde num só local B.I., certidões de nascimento dos filhos (ou B.I., cartões da segurança social, identificação fiscal, centro de saúde, passaporte, boletim de vacinas, carta de condução e documentos do automóvel, agenda telefónica, chaves (carro, trabalho, casa), livro de cheques, cartão multibanco e de crédito;- se participar às autoridades policiais peça, se necessário, no âmbito do seu processo penal, uma medida judicial de proibição do/a agressor/a o/a contactar. A violação dessa ordem judicial pelo/a agressor/a também é crime; - Mude de número de telemóvel e bloqueie os endereços de email do/a agressor/a; - Tenha cuidado a dar os seus contactos pessoais (a nova morada, o novo número de telemóvel); - Se necessário, altere as suas rotinas e os seus percursos habituais e conhecidos do/a agressor/a para casa, para o trabalho, para o ginásio, para as compras, ou outros locais.
  7. 7. Se necessário mude, pelo menos provisoriamente, as lojas habituais, o ginásio que frequenta, etc; - Se possível, dê a conhecer a amigos, familiares, colegas a sua situação, uma vez que estes o/a podem ajudar a controlar os movimentos do/a seu/sua agressor/a; - Peça ajuda à APAV através da Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima, do número único de atendimento: 707 2000 77 ou apav.sede@apav.pt. Recomendações específicas para pessoas idosas vítimas de crime: - Não ter vergonha e conversar com alguém de confiança sobre o assunto; - Deve gerir as suas contas bancárias e bens, ou saber com detalhe como estão a ser geridos; - Deve ter muito cuidado ao assinar papéis; ler primeiro e, em caso de dúvida, pedir aconselhamento a alguém de confiança; - Gritar por ajuda se for vítima de violência; - Pedir ajuda ao seu Médico de Família, à Polícia, ao Gabinete de Apoio à Vítima da APAV mais próximo, à Linha Nacional de Emergência Social (LNES – número de telefone: 144); ao Magistrado do Ministério Público junto do Tribunal, à Junta de Freguesia, aos cuidadores (por exemplo, apoio domiciliário). GAV Os Gabinetes de Apoio à Vítima (GAV) são gabinetes locais de prestação de serviços de apoio aos cidadãos vítimas de crime e suas famílias nas suas comunidades. Cada Gabinete de Apoio à Vítima promove uma sólida identidade da APAV nas comunidades locais em que os serviços de apoio à vítima estão inseridos, desenvolvendo relações próximas e consistentes no seio das suas redes e garantindo a máxima optimização de recursos disponíveis para a melhor resposta à vítima de crime naquela comunidade. Os GAV constituem a rede nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima da APAV, presente em muitas das principais cidades do país. Cada GAV é constituído por um/a Gestor/a (responsável administrativo/a e técnico/a dos trabalhos do Gabinete) e por um grupo de Técnicos de Apoio à Vítima Voluntários e outros Voluntários que asseguram o apoio aos cidadãos e outras atividades. APAV ( apav.pt)

×