Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

46276 administração do-cg

844 views

Published on

Published in: Technology
  • Be the first to comment

46276 administração do-cg

  1. 1. Administração do Capital de Giro
  2. 2. Introdução <ul><li>Dentre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes, ou capital de giro. </li></ul><ul><li>O que compreende esses ativos? </li></ul><ul><li>O que é o capital de giro líquido? </li></ul>
  3. 3. Ciclo de Operações da Empresa CAIXA Estoque de Matéria-prima Produto Acabado Contas a Receber Compras de matéria-prima Recebimentos dos Clientes Vendas (a prazo) Produção
  4. 4. Políticas da Administração do Capital de Giro <ul><li>os níveis-alvo para cada categoria de ativos circulantes; </li></ul><ul><li>como os ativos circulantes serão financiados. </li></ul>
  5. 5. Nível do CCL <ul><li>Exemplo : Posição Financeira da Cia. XPTO </li></ul><ul><li>Ativos Circulantes </li></ul><ul><li>Caixa$ 25.000,00 </li></ul><ul><li>Títulos Negociáveis$ 10.000,00 </li></ul><ul><li>Duplicatas a Receber$ 28.000,00 </li></ul><ul><li>Total$ 63.000,00 </li></ul><ul><li>Passivos Circulantes </li></ul><ul><li>Duplicatas a Pagar$ 30.000,00 </li></ul><ul><li>Títulos a Pagar$ 40.000,00 </li></ul><ul><li>Salários a Pagar$ 11.000,00 </li></ul><ul><li>Total$ 81.000,00 </li></ul>
  6. 6. Administração de Caixa <ul><li>As estratégias básicas que devem ser empregadas pela empresa na administração de seu caixa são: </li></ul><ul><li>Retardar, tanto quanto possível, o pagamento de DPL sem prejudicar o conceito de crédito da empresa, aproveitando, porém, quaisquer descontos financeiros favoráveis; </li></ul><ul><li>Girar os estoques com a maior rapidez possível, evitando faltas de estoques que podem resultar na interrupção da atividade da empresa; </li></ul><ul><li>Receber o mais cedo possível as duplicatas a receber, sem perder vendas futuras, devido a técnicas rígidas demais de cobrança. Os descontos financeiros, se economicamente justificáveis, podem ser usados para realizar esse objetivo. </li></ul>
  7. 7. Ciclo Operacional e Ciclo da Caixa <ul><li>Exemplo : </li></ul><ul><li>Compras de matérias-primas a crédito </li></ul><ul><li>Idade Média de Estoque (IME = 85 dias) Prazo Médio de Cobrança (PMC = 70 dias) </li></ul><ul><li> 0 85 155 </li></ul><ul><li>35 Venda de Prod. Cobrança de DPL a Receber </li></ul><ul><li> Prazo Médio de Pagto. (PMP = 35 dias) </li></ul><ul><li>35 Pagamento DPL a pagar </li></ul><ul><li>Desembolso Recebimento </li></ul><ul><li>Ciclo de Caixa (CC = 120 dias = 155 - 35) </li></ul>
  8. 8. Crédito e Contas a Receber <ul><li>Crédito é a disposição de alguém em ceder temporariamente parte de seu patrimônio ou prestar serviço a terceiros. </li></ul><ul><li>Faturamento </li></ul><ul><li>Políticas de Crédito – definem as formas de concessão de crédito, envolvendo os padrões de crédito, os prazos, os riscos, as garantias exigidas e as condições de crédito. </li></ul>
  9. 9. Padrões de Crédito <ul><li>Referem-se às condições mínimas que o solicitante do crédito deve possuir para ser atendido. </li></ul><ul><li>Estão diretamente relacionados com o risco de não-recebimento. </li></ul><ul><li>Influenciam as vendas, os valores a receber e o risco do não-recebimento. </li></ul>
  10. 10. Prazo <ul><li>Período concedido para o cliente efetuar o pagamento. </li></ul><ul><li>O prazo do crédito concedido representa o tempo pelo qual o investimento é realizado. </li></ul><ul><li>Quanto maior o prazo concedido, maior o tempo do investimento e, por sua vez, maior o custo do investimento. </li></ul><ul><li>Práticas de definição de prazos. </li></ul>
  11. 11. Garantias <ul><li>Comprometimento pela dívida assumida. </li></ul><ul><li>Garantias Pessoais: aval(título de crédito) e fiança (contrato). </li></ul><ul><li>Garantias Reais: alienação fiduciária, hipoteca, penhor, anticrese. </li></ul>
  12. 12. Risco do Crédito <ul><li>Possibilidade do não-recebimento. </li></ul><ul><li>O não-recebimento implica perdas, que por sua vez são incluídas nos custos de comercialização. </li></ul><ul><li>A grande dificuldade está em medir o grau de risco. </li></ul>
  13. 13. Condições de Crédito <ul><li>São as diretrizes tradicionais da análise para a concessão de crédito, conhecidas como 5C’s. </li></ul><ul><li>Caráter </li></ul><ul><li>Capacidade </li></ul><ul><li>Capital </li></ul><ul><li>Colateral </li></ul><ul><li>Condições </li></ul>
  14. 14. Condições de Crédito <ul><li>Análise das informações. </li></ul><ul><li>Tabelas de classificação de crédito </li></ul><ul><li>Informação da decisão ao cliente </li></ul>
  15. 15. Gestão da Cobrança <ul><li>Políticas de cobrança – fazer com que os recebimentos ocorram no tempo previsto. </li></ul><ul><li>Mecanismos de cobrança – via bancária, carteira, carnês, representante, ... </li></ul>
  16. 16. Estoques
  17. 17. Estoques <ul><li>São os bens destinados à produção e venda. </li></ul><ul><li>Pertencem ao grupo de ativo circulante. </li></ul><ul><li>São representados por matérias-primas, componentes, insumos, prod. em processo, prod. acabados. </li></ul><ul><li>Deve estabelecer ações sobre o quanto, em que momento comprar e produzir e quais itens do estoque merecem atenção. </li></ul>
  18. 18. Manutenção de Estoques <ul><li>Por que motivo as empresas mantêm os valores aplicados em estoque em seu capital circulante? </li></ul><ul><li>Estoques operacionais, funcionais ou mínimos. </li></ul><ul><li>Estoques de segurança. </li></ul><ul><li>Estoques especulativos. </li></ul>
  19. 19. Custos dos Estoques <ul><li>Custo de manter, custo de comprar ou repor, custo de faltar. </li></ul>
  20. 20. Custos de Manutenção <ul><li>Custos envolvidos na manutenção de estoques: </li></ul><ul><li>Investimento aplicado </li></ul><ul><li>Armazenagem </li></ul><ul><li>Transferência </li></ul><ul><li>Impostos </li></ul><ul><li>Seguros </li></ul><ul><li>Perdas </li></ul><ul><li>Controle </li></ul><ul><li>Desuso (obsolescência) </li></ul><ul><li>Fórmula dos custos de manutenção: </li></ul><ul><li>C m = (Ca +i.P)Q/2 </li></ul>
  21. 21. Custos de Aquisição <ul><li>Custos relacionados com a reposição de estoques: </li></ul><ul><li>Pesquisa de preços </li></ul><ul><li>Comunicações </li></ul><ul><li>Negociação com fornecedores </li></ul><ul><li>Emissão de ordens de compra </li></ul><ul><li>Fretes </li></ul><ul><li>Recepção e conferência dos produtos comprados </li></ul><ul><li>Devoluções ocasionais. </li></ul><ul><li>Fórmula do custo de compra: </li></ul><ul><li>Cp.(D/Q) </li></ul>
  22. 22. Falta de Estoques <ul><li>Velocidade da reposição </li></ul><ul><li>Duração do ciclo de produção </li></ul><ul><li>Hábitos de compra dos clientes </li></ul><ul><li>Durabilidade dos produtos estocados </li></ul>
  23. 23. Gestão dos Estoques <ul><li>Vinculação com as outras áreas da organização. </li></ul><ul><li>Compras </li></ul><ul><li>Controle de estoques </li></ul><ul><li>Sistemas de administração de estoques: </li></ul><ul><li>Método da faixa vermelha </li></ul><ul><li>Método das duas gavetas </li></ul><ul><li>Sistema ABC </li></ul><ul><li>Lote econômico de compra </li></ul><ul><li>Método do ponto de pedido </li></ul><ul><li>Sistema MRP </li></ul><ul><li>Sistema Just in Time </li></ul>

×