Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

- Ana GralheiroProjeto de Candidatura a Diretora - 2017

371 views

Published on

Candidatura a Diretora - 2017 - Ana Gralheiro

Published in: Education

- Ana GralheiroProjeto de Candidatura a Diretora - 2017

  1. 1. Projeto de Intervenção A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D . D I N I S R . L o b i t o 2 6 7 5 - 5 1 1 O d i v e l a s 2 1 9 3 4 5 3 0 0 2 1 9 3 4 5 3 0 8 D e z e m b r o d e 2 0 1 6 Ana Manuela Gralheiro (de acordo com o ponto 3, do Artigo 6.º, da Portaria n.º 604/2008, de 9 de Julho)
  2. 2. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 1 “Aprender concentra-se em dois pilares: a própria pessoa, como agente e a escola, como lugar de crescimento profissional permanente” António da Nóvoa
  3. 3. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 2 Conteúdo NOTA PRÉVIA ............................................................................................................................. 3 1. Propositura...................................................................................................................... 4 2. Agrupamento de Escolas D. Dinis – Odivelas .................................................... 6 a. Caracterização do Agrupamento............................................................................................. 6 b. Diagnóstico da situação do agrupamento ............................................................................... 9 1. Vertente Socioeconómica, Cultural e Pedagógica................................................................ 9 2. Vertente dos Espaços Físicos, Equipamentos, Segurança e Saúde ......................................10 3. Plano de intervenção..................................................................................................13 a. Missão de Agrupamento........................................................................................................13 b. Visão de Agrupamento..........................................................................................................13 c. Valores do Agrupamento.......................................................................................................14 d. Metas / Domínios orientadores.............................................................................................15 e. Objetivos...............................................................................................................................16 f. Competências reconhecidas à escola.....................................................................................19 g. Compromissos.......................................................................................................................21 h. Parcerias e protocolos ...........................................................................................................23 i. Quadro resumo com as grandes metas a atingir: ...................................................................24
  4. 4. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 3 NOTA PRÉVIA Dando cumprimento às orientações do aviso de abertura do procedimento concursal para o cargo de diretor do Agrupamento de Escolas D. Dinis – Odivelas (171992), publicado no Diário da Republica, II Série, nº230, de 30 de novembro de 2016 e no âmbito do plasmado nos artigos 21.º e 22.º do Decreto –Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, alterado pelo Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, este documento constitui o projeto de intervenção de Ana Manuela Marques da Costa Gralheiro. São apresentadas a caracterização geral do Agrupamento e uma análise SWOT a partir das quais, a partir das quais foram elaborados para o Agrupamento de Escolas D. Dinis: missão, valores, metas e objetivos do plano estratégico a levar a efeito. Odivelas, 9 de dezembro de 2016 A candidata Ana Manuela Gralheiro
  5. 5. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 4 1. Propositura A minha candidatura prende-se com o facto de considerar que o meu perfil se adapta às exigências inerentes ao cargo de Diretora e a todas actividades relacionadas com a gestão, em geral e, em particular, as que dizem respeito à liderança de um “mundo” tão específico e complexo, como os da Educação e da Instituição Escolar:  Raciocínio estratégico eficaz e eficiente;  Discernimento de seriação: categorizar prioridades;  Elevada capacidade de trabalho em equipa, planificação de actuação a curto, médio e longo prazo (metas, objectivos, articulação dos mesmos, calendarização, monitorização e avaliação);  Facilidade nas relações interpessoais e institucionais;  Elevada adaptação à inovação e a situações de pressão (capacidade de agir sob circunstâncias complexas e incertas.  Elevado sentido de responsabilidade e de valores de ética. A tarefa da liderança é a de reconstruir, revitalizar e desenvolver a cultura da escola no sentido de criar as condições para melhorar as suas competências académicas e sociais, a par da elevada qualidade de aprendizagem dos alunos. A liderança assume-se, portanto, como um elemento nuclear na promoção da capacidade das escolas em gerir a mudança e em se transformarem em comunidades profissionais de aprendizagem (Fullan, 2001). Em síntese, liderança combina as competências de gestão com valores e ética e, como nos diz Sergiovanni, está sempre preocupada “com o que é eficaz e com o que é bom; com o que funciona e com o que faz sentido; fazendo as coisas bem e fazendo as coisas certas” (2001: 14). Num artigo de Jorge Adelino Costa, “Líder versus Gestor”, este faz a dicotomia entre gestor- líder e tipifica os dois perfis do seguinte modo:
  6. 6. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 5 - “enquanto ao gestor são usualmente atribuídas funções e modos de comportamento de tipo mais conservador, técnico, racional, analítico, mais presos às normas, aos regulamentos e aos procedimentos vigentes, preocupados em manter os equilíbrios existentes e, por isso, menos criativos, menos inovadores e com perspectivas de actuação mais de curto prazo”1 ; - “o líder, por outro lado, aparece mais ligado à criatividade e à inovação, com um perfil comportamental mais imprevisível, emotivo e intuitivo, preocupado mais em transformar a realidade do que em mantê-la ou em adaptar-se a ela, procurando sistematicamente entusiasmar as pessoas na adesão aos vários projectos, apresentando perspectivas de actuação e de desenvolvimento organizacional a longo prazo.” Tendo como referência processos e resultados de excelência, uma das minhas principais preocupações passa pela articulação desses referenciais com bons níveis de satisfação/realização pessoal e profissional de toda a comunidade educativa. Proponho-me assim a responder com a máxima prontidão e rigor a todos os desafios que me forem colocados, tendo plena consciência de que os mesmos serão um constante desafio às capacidades de visão estratégica e operacionalização de objectivos, para que as metas pré- estabelecidas no Projecto Educativo do Agrupamento sejam atingidas, de modo eficaz e eficiente. Creio que a minha disponibilidade total para assumir o cargo, bem como a experiência adquirida nestes últimos 12 anos enquanto Presidente do Conselho Executivo e Diretora deste Agrupamento, são uma mais-valia da minha candidatura, por me ter proporcionado um conhecimento mais profundo da realidade, possibilitando-me hierarquizar de modo consistente os objectivos e metas a atingir, assim como as estratégias de abordagem e resolução dos aspectos a melhorar. Por último, considero pertinente a referência do meu profundo conhecimento do meio em que o Agrupamento está inserido, tendo já integrado a Comissão da Junta de Freguesia da Ramada – Odivelas, assim como a coordenação de movimentos cívicos do Concelho de Odivelas. Atualmente integro o Conselho Municipal de Educação. 1 Costa, Jorge (s/d). “Líder versus Gestor” – documento policopiado.
  7. 7. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 6 2. Agrupamento de Escolas D. Dinis – Odivelas a. Caracterização do Agrupamento O Agrupamento de Escolas D. Dinis – Odivelas, foi constituído no ano letivo 2004-2005, situa-se na cidade de Odivelas É composto por duas escolas básicas do 1º ciclo, uma com jardim-de-infância - EB/JI Maria Lamas e EB Rainha Santa – e uma escola básica dos 2º e 3º ciclos – EB D. Dinis (Pombais), a escola-sede. A população que acolhemos é bastante heterogénea, o que constitui um permanente desafio à nossa capacidade de adaptação. As estratégias que concebemos já estão, em si mesmas, cientes do dinamismo inerente a um estabelecimento de ensino aberto, atuante e social e pedagogicamente responsável. Frequentam o Agrupamento 1293 crianças/alunos, dos quais 70 da educação pré-escolar (três grupos), 605 alunos do 1º ciclo do ensino básico (27 turmas, das quais 9 funcionam em regime duplo), 279 do 2º ciclo (15 turmas) e 303 do 3º ciclo (12 turmas) e, ainda, uma turma do curso vocacional com 22 alunos e outra de Percursos Curriculares Alternativos com 14 alunos. Integra 92 crianças/alunos com necessidades educativas especiais (cerca de 7,11% da população discente), sendo que 30 destes alunos são redutores de turma (cerca de 2,32%). As três salas de J.I. existentes no Agrupamento revelam-se manifestamente insuficientes para a procura, ficando muitas crianças, anualmente, em lista de espera. De realçar o facto de que apenas entram crianças de 5 anos, tendo ficado 54 crianças sem colocação. Relativamente aos auxílios económicos, no âmbito da Ação Social Escolar, 47,2% dos alunos beneficiam deste apoio. São de origem estrangeira, 10,9%, provenientes sobretudo de países africanos, Brasil e países asiáticos. Tendo em consideração a realidade do Agrupamento, a direção tem criado as melhores condições de integração e igualdade de oportunidades de aprendizagem dos alunos, tanto a nível cognitivo como económico e sociofamiliar. São exemplos emblemáticos desta vocação a
  8. 8. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 7 implementação do Projeto SEI!Odivelas, EPIS, Eco-Escolas, Programa de Tutorias, Desporto Escolar, Todos Contam, entre outros. Os novos fluxos migratórios a que Portugal tem estado sujeito compele, também, a um reajustamento da Rede Escolar que tem de responder às novas exigências. O nosso Agrupamento integra esta realidade e visa proporcionar, na receção que faz a estes alunos, o preâmbulo de uma reorganização pessoal e social, para os próprios e para as famílias. Exercem funções no Agrupamento 97 docentes, dos quais 82,4% pertencem aos quadros. A estabilidade, dedicação e elevado profissionalismo dos nossos docentes tem contribuído para um ambiente acolhedor, empático e promotor da disciplina e sucesso educativo, revelado pelos valores publicados pelo MEC e IGEC. Tem ao serviço 7 assistentes técnicas, uma das quais a exercer funções de coordenadora e 29 assistentes operacionais. O número de assistentes operacionais a exercer funções na escola sede, assim como nas escolas do 1º Ciclo e Jardim-de-infância, é claramente insuficiente. Esta situação causa alguns constrangimentos na gestão dos recursos humanos e na vigilância e segurança permanente dos múltiplos espaços das escolas. Além disso há que ressalvar também a carência de pessoal auxiliar com perfil adequado, sendo este um problema transversal a todos os estabelecimentos de ensino do Agrupamento. De facto, a legislação atual comtempla rácios muito reduzidos e não faz menção ao perfil necessário para o desenvolvimento das complexas tarefas levadas a efeito por estes profissionais. Face a isto, iremos junto reivindicaremos junto da CMO a audição prévia dos Diretores na colocação do pessoal não docente.Os Serviços Administrativos respondem de forma satisfatória às solicitações. Uma outra problemática que nos preocupa e que interfere com a estabilidade que desejamos aos nossos alunos é o agravamento da condição económico-social de muitas famílias. A freguesia de Odivelas pauta-se por uma forte ligação ao sector terciário, em termos laborais. Paralelamente, subsistem dois bairros degradados, de construção clandestina, designados por Vale do Forno e Encosta da Luz, que se pode definir como um aglomerado de casas bastante degradadas, cuja população é maioritariamente proveniente dos PALOP, países asiáticos e países de leste.
  9. 9. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 8 Muitos dos pais dos alunos que frequentam o Agrupamento carecem, neste momento, se não de emprego, de certeza da sua continuidade; alguns em situação de desemprego de longa duração. Esta situação, a insegurança que a dúvida encerra, determina precaução nos gastos e em última instância reflete-se na oferta de vivências e experiências a que os alunos estão habituados – na versão ténue deste problema – ou exprime-se em verdadeiras dificuldades no cumprimento das vertentes básicas da dignidade humana – saúde, habitação e alimentação. A postura das assistentes operacionais e assistentes técnicas é, de forma geral, promotora da confiança dos Encarregados de Educação, redundando em intervenções de melhoria consistentes, em sintonia com os princípios e objetivos da Agrupamento, incluídos no Regulamento Interno As Associações de Pais dos três estabelecimentos têm-se revelado extremamente dedicadas, promotoras de soluções de problemas e altamente dialogantes, o que tem possibilitado variadíssimas actividades e intervenções no património edificado e não edificado. Temos consciência que sem esta valiosa cooperação muito ficaria por fazer.
  10. 10. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 9 b. Diagnóstico da situação do agrupamento Baseado nos levantamentos levados a cabo pela Direção Executiva, Diretores de Turma, Observatório da Qualidade, Projeto SEI! ODIVELAS, Professores e Educadoras, Associações de Pais e Encarregados de Educação, Pessoal não Docente e Autarquia, diagnosticaram-se os seguintes aspectos a melhorar: 1. Vertente Socioeconómica, Cultural e Pedagógica  Elevado número de alunos com poucos hábitos de trabalho;  Alheamento dos Encarregados de Educação face à vida dos seus educandos na escola e dos respetivos futuros profissionais;  Défice de conhecimento dos valores culturais da região;  Défices graves de conhecimentos básicos a nível de todas as disciplinas, em especial de língua portuguesa, ao nível da leitura e interpretação de textos;  Aumento do número de casos de comportamentos desajustados;  Situações de exclusão social;  Multiculturalidade;  Dificuldades de integração interpares;  Baixas expetativas dos alunos relativamente ao seu futuro profissional;  Degradação social e económica das famílias;  Aumento de situações de desestruturação familiar.
  11. 11. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 10 2. Vertente dos Espaços Físicos, Equipamentos, Segurança e Saúde Escola Básica D. Dinis (Pombais)  Ausência de ginásio e/ou pavilhão desportivo/multiusos;  Balneários exíguos e em mau estado de conservação;  Escassez de salas de aula e salas de trabalho para os alunos;  Ausência de gabinetes de trabalho para os docentes;  As áreas verdes e expectantes são amplas, não sendo possível a gestão das mesmas só com os recursos do Agrupamento. O recurso a parcerias com a Autarquia têm sido importantes, contudo tem um carácter pontual e descontinuado;  Ausência de condições para pessoas portadoras de deficiência, nomeadamente casas de banho adaptadas e rampas de acesso;  Ausência de climatização dos blocos edificados, nomeadamente falta de vidros duplos e estores;  Quadro eléctrico obsoleto;  PCs e outros equipamentos tecnológicos obsoletos;  Deficiente acesso à internet;  Eficiência energética nula – excesso de frio no inverno e de calor no verão e gastos de energia muito elevados;  Acessibilidade inadequada dos meios de socorro e salvamento a todas as zonas do edifício escolar;  Encostas íngremes e com muitas áreas verdes expectantes não tratadas, que potenciam quedas e a disseminação de animais infestantes;  Escadas exteriores com deficientes protecções laterais;  Salas de aula, balneários, vestiários, instalações sanitárias, despensas, etc. com sinais evidentes de humidade;  Portas de evacuação sem abertura no sentido da saída e/ou sem barras antipânico;  Cobertura dos blocos em amiato.
  12. 12. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 11 Jardim de Infância da Escola Básica do 1º Ciclo com JI Maria Lamas  Número de salas insuficiente, para a crescente procura que se tem registado nos últimos anos. Atualmente dispomos apenas de 2 salas, com crianças maioritariamente de cinco anos de idade, já completas.  Espaço exíguo para o desenvolvimento da AAAF;  Ausência de parque infantil. 1º Ciclo da Escola Básica do 1º Ciclo com JI Maria Lamas  Ausência de sala para atendimento aos Pais e Encarregados de Educação;  Deficiente acesso à Internet em todas as salas;  Ausência de sala para Biblioteca/ Mediateca;  Falta de quadros interactivos;  Portas de evacuação sem abertura no sentido da saída e/ou sem barras antipânico;  Portas totalmente envidraçadas em corredores e/ou entradas de grande movimento sem vidro temperado e/ou sem sinalização visual;  Ausência de gabinete médico;  Corredores sem largura mínima de 1,60m e/ou com zonas de estrangulamento;  Sinalização de emergência inexistente, mal localizada e/ou saídas de emergência obstruídas;  Recreio com ausência de área coberta;  Acessibilidade inadequada às salas de aula do 1º piso (inexistência de rampas ou outros sistemas para pessoas com mobilidade condicionada);  Ausência de vidros duplos e estores que originam condições térmicas extremas: verões muito quentes e invernos muito frios;  As janelas do edifício novo apenas abrem as “bandeiradas”, sendo impossível abrir para o exterior, reduzindo o arejamento das salas de aula.
  13. 13. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 12 Escola Básica do 1º Ciclo Rainha Santa  Ausência de salas para atendimento aos Encarregados de Educação;  Deficiente acesso à Internet em todas as salas;  Ausência de gabinete médico;  Superfície de impacto inadequada no espaço do recreio;  Portas de evacuação sem abertura no sentido da saída e/ou sem barras antipânico  Varandas sem proteção;  Sinalização de emergência inexistente;  Salas de aula com sinais de humidade evidentes;  Falta de rampas e/ou outras estruturas adaptadas para deficientes fiscos, ao nível da mobilidade;  Ausência de vidros duplos e estores que originam condições térmicas extremas: verões muito quentes e invernos muito frios;  Inexistência de dispositivos de proteção que impedem a incidência direta da radiação solar inexistentes, em mau estado de conservação e/ou de higiene (estores, persianas, cortinados, etc.);  Ausência de casas de banho adaptadas a alunos portadores de deficiência;  Pavimento do ginásio e de algumas salas a necessita de renovação;  Casas de banho sem urinóis;  Escadas interiores, 1º piso, sem poteção;  Ausência de espaço para desenvolver AAAF;  Fole separador entre refeitório e ginásio a necessitar de substituição urgente.
  14. 14. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 13 3. Plano de intervenção a. Missão de Agrupamento Considerando os desafios da sociedade atual, o Agrupamento tem como Missão criar as condições indispensáveis para que os alunos adquiram sólidos conhecimentos académicos, apetrechando-os igualmente de competências sociais diversificadas que contribuam para uma cidadania ativa e responsável, estimulando a autoconfiança, a assertividade e a resiliência, insubstituíveis na formação integral dos indivíduos. b. Visão de Agrupamento O Agrupamento pretende continuar a desenvolver estratégias que permitam:  Reduzir o insucesso, absentismo, abandono, indisciplina e premiar o mérito e a excelência, intervindo prioritariamente no seguinte: o na melhoria das aprendizagens, resultados escolares e prevenção à retenção; o aperfeiçoamento das práticas educativas e desenvolvimento profissional; o reforço da avaliação formativa e afeição de práticas avaliativas.  Garantir uma “Cultura de Escola” para todos (Escola Inclusiva), reforçando as vertentes artísticas e desportivas, promovendo e valorizando a articulação e o envolvimento de Escola-Família-Comunidade Escolar-Comunidade Educativa, nomeadamente através do desenvolvimento de atividades artísticas, desportivas, projetos socioeducativos e outras atividades de carácter cultural, no âmbito do Projeto de Tutoria/ Cidadania.  Promover estratégias que visem estimular nos alunos o conhecimento da cultura e língua portuguesa, o desenvolvimento do raciocínio abstrato e a aquisição de
  15. 15. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 14 competências de métodos de trabalho e pesquisa, dando prioridade ao trabalho em equipa.  Direcionar a “Cultura de Escola” para os valores de cidadania e vivência democrática, promovendo a apropriação destes valores por parte da comunidade educativa.  Incutir uma cultura de trabalho em equipa e de responsabilização, reforçando as lideranças intermédias (coordenadores de departamento e de estabelecimento), assim como incentivar uma cultura de autoavaliação e de melhoria contínua.  Disponibilizar e optimizar recursos (tal como o acesso à informação/documentação/legislação), através de plataformas Web e do trabalho em rede.  Liderar de forma democrática e transformacional, demonstrando capacidade de planeamento e adaptação a novas situações (responder de forma eficaz e em tempo útil), promovendo igualmente o “enpowerment” das lideranças intermédias (pessoal docente e não docente) e a participação das associações de pais. c. Valores do Agrupamento  O saber;  A equipa;  A pessoa;  A liberdade;  A justiça;  A solidariedade;  A cidadania;  O respeito e a aceitação do outro e das suas diferenças;  A aprendizagem ao longo da vida;  A qualidade do serviço educativo;  A diversificação da oferta formativa.
  16. 16. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 15 d. Metas / Domínios orientadores A Escola, enquanto subsidiária de uma plataforma global que é o sistema educativo nacional, incorpora responsabilidades gerais, na consecução daqueles que são os princípios orientadores do sistema educativo português. Esse vínculo coloca a instituição, de forma constante, num processo auto reflexivo, no que respeita, entre outros, ao papel que ela tem enquanto unidade do sistema educativo no seio da comunidade específica de que faz parte e ao desenvolvimento de projetos/propostas que respondam às permanentes mutações das sociedades. Neste “diálogo”, permanentemente redefinido, sobretudo pela volatilidade do meio que integra o Agrupamento e para o qual este se direciona, assumem um papel nodal os objetivos estratégicos, de relevância conjuntural. De qualquer modo, o Agrupamento deverá garantir a plena formação dos elementos da sua comunidade educativa, especialmente dos seus alunos, enquanto cidadãos livres, conscientes, depositários e defensores de valores cívicos, pessoalmente realizados e capazes de responder aos desafios do mundo atual: de grande competitividade no mercado de trabalho e onde as novas tecnologias desempenham um papel central. Assim, as prioridades de intervenção serão reforçadas nos seguintes aspectos: 1. Promoção de Hábitos de Cidadania a. Melhorar o Clima e Ambiente Escolar; b. Reduzir em 10% o número de Procedimentos Disciplinares durante a vigência deste contrato; c. Promover o bem-estar e a segurança da comunidade escolar; d. Continuar a prevenir as situações de risco, nomeadamente através da articulação com a Segurança Social, Juntas de Freguesia, Programa Escola Segura, Projeto SEI (Câmara Municipal de Odivelas), Programa EPIS, Associações de Pais e outras instituições ao dispor das populações; e. Continuar a articular com a CPCJ e/ou com os serviços do Ministério Público, do Tribunal de família, em caso de comportamento de risco.
  17. 17. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 16 2. Aplicar programas de tutoria a. Existência de um professor tutor para supervisão e acompanhamento de alunos em risco de abandono escolar, insucesso e indisciplina. b. Coadjuvação de turmas com alunos com fraco rendimento escolar, falta de hábitos escolares e incumprimento de regras. c. Melhorar a participação dos Pais e Encarregados de Educação 3. Potenciar uma política de negociação e concertação educativa com todos os atores sociais intervenientes no processo educativo, visando uma adequada intervenção comunitária 4. Melhoria do sistema de autorregulação interna – Observatório da Qualidade e. Objetivos Tendo em vista a concretização dos objetivos do plano de intervenção, poderemos seccioná- los da seguinte forma: 1. Continuação da promoção de uma identidade de Agrupamento: a. Estratégias: Hino de Agrupamento, Bandeira, Logotipo, T-shirt, Orquestra de Percussão, Grupo de Dança e de Teatro residentes. b. Recursos: Comunidade Educativa 2. Manutenção do projeto de tutoria/cidadania “Na escola tenho futuro”, implementado no ano letivo 2012/2013, que tem como finalidade a redução do insucesso, abandono, absentismo e de comportamentos desajustados. a. Estratégias: Identificação dos alunos em risco de insucesso, abandono e com comportamentos desajustados, de forma a encaminhar os mesmos para diferentes percursos educativos, mediar os contatos com os Encarregados de Educação e melhorar os resultados académicos dos mesmos. b. Recursos: Afetação de um horário completo, para o grupo 240 (recurso atribuído pelo MEC).
  18. 18. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 17 3. Manutenção e implementação de novas ofertas formativas, nomeadamente Percursos Curriculares Alternativos e Ensino Especializado de Música. a. Estratégias: Encaminhamento de alunos, de acordo com o seu perfil, para diferentes ofertas formativas. b. Recursos: Pessoal Docente, técnicos especializados, parceria com o Conservatório de Música D. Dinis e tecido empresarial de Odivelas. 4. Criação de grupos homogéneos/de nível de alunos, em sistema de coadjuvação letiva, de modo a colmatar as dificuldades e comportamentos desajustados. a. Estratégias: Criação de Turmas de grupos homogéneos, em sistema de coadjuvação letiva, de modo a melhorar os resultados escolares, principalmente nos anos terminais de ciclo, a Português e Matemática. b. Recursos: Afetação de professores para coadjuvação e tutoria; 5. Manutenção e criação de novos clubes/oficinas, bem como salas de apoio e/ou reforço ao estudo, de modo a proporcionar uma verdadeira ocupação de tempos livres aos alunos, nomeadamente a nível do Português, Inglês, Matemática e Ciências Experimentais: a. Saúde Escolar; b. Desporto Escola; c. Eco-Escolas; d. Geo+; e. Mentes Sorridentes; f. Clube do Voluntariado; g. Clube da Matemática e Ciências Experimentais; h. Clube do “Textos em bom português”. i. Clube de Teatro e Dança. 6. Manutenção de grupos de alunos de Português Língua Não Materna. a. Estratégias: Identificação e encaminhamento de alunos sem domínio no Português. b. Recursos: Afetar à componente letiva de um professor do grupo 220 a lecionação de Língua Portuguesa Não Materna, de acordo com os grupos de proficiência em que se situam.
  19. 19. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 18 7. Tendo em consideração que o ensino das artes potencia a confiança e expectativa, curiosidade, intencionalidade, autocontrolo, inter-relacionamento e auto relacionamento, capacidade de comunicação e cooperação, reforçar a inclusão pelas artes e desporto, nomeadamente na manutenção dos seguintes projectos: a. Clube de Percussão de instrumentos tradicionais (2º e 3º ciclos) – “Os Rufiões”, em atividade desde 2009/2010; b. Clube de Percussão de instrumentos reciclados (1º ciclo) – “Os Latinhas”, em atividade desde 2010/2011); c. Clube de Teatro/Dança – “Os Trovadores” (2º e 3º ciclos), em atividade desde 2009/2010; d. Coros Infantil/Juvenil (J.I., 1º, 2º e 3.º ciclos), em atividade desde 2010/2011; e. Projeto de Tutoria/ Cidadania (2.º e 3.º ciclo),em atividade desde Setembro 2012; f. Reforço das atividades desportivas/ Desporto Escolar. 1. Reforçar as parcerias já estabelecidas com as instituições locais (Autarquias, Instituições de Ensino Público e Privado, Tecido Empresarial e outras Instituições), bem como criar novas sinergias de modo a implementar projetos de empreendedorismo inovadores, visando a prevenção da violência escolar e valorização da cidadania. 2. Criar atividades que envolvam os Encarregados de Educação, de modo a garantir um maior acompanhamento/interesse/responsabilidade destes pelo percurso escolar dos seus educandos e, maior articulação Escola-Família. 3. Através cerimónia pública proceder-se à entrega de diplomas (Prémios de Mérito e Excelência) aos alunos com bons resultados escolares e também àqueles cujas atitudes revelem elevado sentido de cidadania (solidariedade, cooperação, voluntariado…). 4. Colaboração atempada e eficiente do Núcleo de Educação Especial em estreita colaboração com o Serviço de Psicologia e Projeto de Tutoria/ Cidadania na deteção de alunos com Necessidades Educativas Especiais na avaliação e apoio aos mesmos no seu processo de aprendizagem e de integração na vida escolar.
  20. 20. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 19 f. Competências reconhecidas à escola O Ministério da Educação e Ciência tem reconhecido à escola as seguintes competências para o desenvolvimento da sua autonomia (daí ter prorrogado o Contrato de Autonomia no presente ano lectivo – 2016/2017): 1. No âmbito da área pedagógica: a. Coordena e gerir a implementação dos planos curriculares e programas definidos a nível nacional, mediante a seleção de modelos pedagógicos, metodologias de ensino, métodos e instrumentos de avaliação e materiais coerentes com o Projeto Educativo de Agrupamento. b. Desenvolve um trabalho de parceria com as Autarquias, nomeadamente com a Câmara Municipal de Odivelas, no âmbito da planificação das atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo. c. Planifica e gere processos de diversificação curricular, visando a progressiva qualificação do percurso formativo dos alunos, tendo como referência os princípios orientadores fundamentais e as prioridades de ação educativa consagradas em sede do Projeto Educativo do Agrupamento. d. Estabelece protocolos com outras instituições de ensino, Instituições/ Organizações, Autarquias e Tecido Empresarial para a concretização de componentes curriculares específicas de caráter vocacional. e. Concebe, planifica e implementa experiências e inovações pedagógicas próprias, de acordo com o Projeto Educativo do Agrupamento. f. Organiza e desenvolve métodos e instrumentos específicos e pertinentes de avaliação dos alunos, de forma a melhorar o nível de eficácia dos processos e instrumentos de ensino/aprendizagem.
  21. 21. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 20 2. No âmbito da área de recursos humanos: a. Otimiza os recursos humanos existentes, de modo a assegurar a substituição de docentes para efeitos do cumprimento integral dos programas curriculares, planificação das atividades curriculares e produção de materiais didático/pedagógicos. b. Gere a componente não letiva de estabelecimento, designadamente para efeitos de integração curricular, coordenação pedagógica e da articulação/planificação do currículo através dos diferentes anos de escolaridade/níveis de ensino. 3. No âmbito organizacional a. Estabelece o calendário escolar, fixando-o no início do ano letivo dentro dos limites de flexibilidade fixados a nível nacional, decidindo designadamente quanto à necessidade de interrupção das atividades letivas para a realização de reuniões ou ações de formação que não possam decorrer em horário pós- laboral, garantindo o cumprimento integral do número mínimo de dias de aulas e salvaguardando a guarda dos alunos todo o ano letivo. b. Mobiliza recursos locais e suscitar a solidariedade na comunidade para ações de apoio sócio educativo e outras no interesse dos alunos. 1. No âmbito dos recursos financeiros e materiais a. Procede à aquisição do material escolar necessário no âmbito da execução orçamental do Agrupamento e/ou recorrendo à eventual e voluntária comparticipação de outros parceiros. b. Procede à substituição/reparação de material irrecuperável e/ou obsoleto. c. Aliena bens que se tornem desnecessários, em condições especiais, e nos termos previstos na lei. d. Cria de receitas próprias, nos termos dispostos na lei.
  22. 22. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 21 g. Compromissos Com vista a cumprir os objetivos gerais e operacionais constantes do presente projeto de intervenção da diretora, compromete-se e fica obrigada a: 1. Cumprir o serviço público de educação. 2. Cumprir e fazer cumprir os princípios e as disposições consagradas no presente projeto. 3. Fazer prevalecer os objetivos de ensino e aprendizagem dos discentes sobre os interesses dos demais intervenientes no processo de ensino. 4. Promover a autonomia e consciência cívica dos discentes e o progressivo envolvimento dos mesmos nas tarefas e responsabilidades das instalações e dos recursos afetos ao Agrupamento. 5. Assegurar a democraticidade, transparência e racionalidade das decisões pedagógicas e dos atos de administração e gestão, no respeito da lei em vigor, do Projeto Educativo e do Regulamento Interno. 6. Desenvolver o seu Projeto adequando-o às necessidades concretas de aprendizagem e formação de cada aluno tendo em conta as legítimas expetativas dos respetivos Encarregados de Educação e famílias. 7. Organizar-se nos termos do Regulamento Interno, de forma a dar resposta e assegurar o cumprimento e à aplicação do presente projeto. 8. Alcançar a taxa de abandono escolar e as taxas globais de sucesso e qualidade de sucesso escolar previstas no plano nacional de ação estratégica de promoção de sucesso escolar e plano de melhoria através de: a. Planificação e gestão de processos de diversificação curricular, visando a progressiva qualificação do percurso formativo dos discentes, tendo como referência os princípios orientadores fundamentais e as prioridades da ação educativa, consagradasno projeto;. b. Coordenação e gestão dos planos curriculares, planos de melhoria e plano nacional de acção estratégica de promoção do sucesso educativo e outros programas definidos a nível nacional, mediante a seleção de modelos pedagógicos, metodologias de ensino, métodos e instrumentos de avaliação e
  23. 23. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 22 materiais pedagógico-didáticos adequados à diversidade dos interesses e capacidades dos discentes. c. Conceção, planificação e implementação de experiências e inovações pedagógicas próprias – Projetos que estimulem a educação cívica, o empreendedorismo, a criatividade, os estilos de vida saudável, o respeito pelo meio ambiente e sustentabilidade, a prevenção rodoviária e o voluntariado. 9. Análise da legislação, regulação do sistema e implementação de instrumentos de gestão relacionados com a organização do Agrupamento, por parte da Comissão Permanente do Conselho Geral. 10. Operacionalizar reuniões, em média duas vezes por mês, de equipa multidisciplinares de trabalho para organização, planificação, implementação e avaliação de atividades interdisciplinares para alunos das turmas de Percursos Curriculares Alternativos, e Ensino Vocacional. 11. Planificar, organizar e implementar o Plano Anual de Atividades de forma a envolver os alunos e restante comunidade educativa na consolidação da Missão, Visão e Valores consagrados no Projeto. 12. Manter com o Ministério da Educação e Ciência, Autarquia e o Conselho Geral um relacionamento institucional direto e colaborante, no quadro da delimitação de competências decorrente da lei.. 13. Manter com as entidades representativas da comunidade um diálogo e colaboração permanentes que permitam ao Agrupamento mobilizar recursos acrescidos para a realização das suas atividades bem como, reforçar mecanismos de integração do Projeto na comunidade. 14. Facultar aos interessados a máxima informação possível sobre o Projeto, bem como dos restantes documentos de gestão, através da divulgação da informação, com recurso às plataformas web gratuitas e trabalho em rede com os parceiros educativos. 15. Realizar anualmente a autoavaliação, com a divulgação nos diversos canais de comunicação do Agrupamento, explicitando os resultados obtidos e as metas alcançadas.
  24. 24. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 23 h. Parcerias e protocolos O Agrupamento obriga-se a manter em vigor e criar novas parcerias e protocolos de modo a rentabilizar recursos humanos e materiais de forma a alcançar os objetivos do Projeto Educativo, nomeadamente a sua relação com as Autarquias, Instituições e Tecido Empresarial
  25. 25. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 24 i. Quadro resumo com as grandes metas a atingir: METAS METAS DEFINIDAS ATÉ AO FINAL DA VIGÊNCIA 2019/2020 INCREMENTODOQUALIDADEDESUCESSO 1. TAXA DE TRANSIÇÃO NO 1º CICLO DE 97% 2. TAXAS DE SUCESSO A PORTUGUÊS (79%) E MATEMÁTICA (56,5%) NO 1º CICLO 3. AVALIAÇÃO INTERNA 1º CICLO MÉDIAS A PORTUGUÊS E MATEMÁTICA: META – NÍVEL 3 4. TAXAS DE TRANSIÇÃO NO 2º CICLO DE 80% 5. ATINGIR OS 40% DE ALUNOS SEM NÍVEIS INFERIORES A 3 NO 2º CICLO 6. ATINGIR MAIS DE 5% DE ALUNOS SÓ COM NÍVEIS IGUAIS OU SUPERIORES A 4, NO 2º CICLO 7. TAXAS DE SUCESSO A PORTUGUÊS (61,5%) E MATEMÁTICA (50%) NO 2º CICLO 8. AVALIAÇÃO INTERNA 2º CICLO MÉDIAS A PORTUGUÊS E MATEMÁTICA: META – NÍVEL 3 9. TAXAS DE TRANSIÇÃO NO 3º CICLO DE 77% 10. ATINGIR OS 40% DE ALUNOS SEM NÍVEIS INFERIORES A 3 NO 3º CICLO 11. ATINGIR MAIS DE 5% DE ALUNOS SÓ COM NÍVEIS IGUAIS OU SUPERIORES A 4, NO 3º CICLO 12. TAXAS DE SUCESSO A PORTUGUÊS (70%) E MATEMÁTICA (50%) NO 3º CICLO 13. AVALIAÇÃO INTERNA 3º CICLO MÉDIAS A PORTUGUÊS E MATEMÁTICA: META – NÍVEL 3 14. AVALIAÇÃO EXTERNA 3º CICLO MÉDIAS A PORTUGUÊS E MATEMÁTICA: META – NÍVEL 3 15. APROXIMAR OS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO EXTERNA AOS DA AVALIAÇÃO INTERNA EM TODOS OS CICLOS 16. DIFERENÇA ENTRE TAXA DE SUCESSO INTERNA E TAXA DE SUCESSO EXTERNA POSITIVA, OU SE NEGATIVA, NÃO ULTRAPASSAR 1 PONTO DE VALOR MÉDIO 17. APROXIMAR OS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO EXTERNA AOS DAS MÉDIAS NACIONAIS EM TODOS OS CICLOS 18. DIFERENÇA ENRE MÉDIA EXTERNA E MÉDIA NACIONAL POSITIVA OU, SE NEGATIVA, NÃO SER SIGNIFICATIVA (<0,5 DO VALOR MÉDIO)
  26. 26. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 25 METAS METAS DEFINIDAS ATÉ AO FINAL DA VIGÊNCIA 2019/2020 ASSIDUIDADE 19. VALOR MÁXIMODA TAXA DE ABANDONO – 0,7% 20. REDUÇÃO DE 10% DOS ALUNOS EM SITUAÇÃO DE ABSENTISMO ESCOLAR POGRAMADE TUTORIA 21. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE SUCESSO DOS ALUNOS ACOMPANHADOS POR UM TUTOR DE 50% 22. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE ABANDONO ESCOLAR DOS ALUNOS ACOMPANHADOS POR UM TUTOR TENDENCIALMENTE PARA 0% PROMOÇÃODEHÁBITOSDECIDADANIA 23. MELHORAR O CLIMA E AMBIENTE ESCOLAR 24. PROMOVER O BEM-ESTAR E A SEGURANÇA DA COMUNIDADE ESCOLAR 25. REDUÇÃO DE 10% NOS PROCEDIMENTOS DISCIPLIARES 26. CONTINUAR A PREVENIR AS SITUAÇÕES DE RISCO, NOMEADAMENTE ATRAVÉS DA ARTICULAÇÃO COM A SEGURANÇA SOCIAL, JUNTAS DE FREGUESIA, PROGRAMA ESCOLA SEGURA, PROJETO SEI!ODIVELAS, PROGRAMA EPIS, ASSOCIAÇÕES DE PAIS E OUTRAS INSTITUIÇÕES AO DISPOR DAS POPULAÇÕES 27. CONTINUAR A ARTICULAR COM CPCJ E/OU SERVIÇOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO, DO TRIBUNAL DE FAMÍLIA, NOS CASOS DE COMPORTAMENTO DE RISCO PROMOÇÃODEUMA LIDERANÇADEMOCRÁTICAE TRANSFORMACIONAL 28. FLEXIBILIDADE ORGANIZACIONAL 29. PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS ATORES E PARCEIROS EDUCATIVOS 30. PROMOÇÃO DE UMA CULTURA DE ESCOLA INCLUSIVA 31. RESPONSABILIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS E ATORES EDUCATIVOS PELAS SUAS ATIVIDADES ATRIBUIÇÕES/COMPETÊNCIAS 32. NEGOCIAÇÃO NA TOMADA DE DECISÕES PROMOÇÃODO TRABALHOCOOPERATIVO EDORECONHECIMENTO DAEZCELÊNCIA 33. COOPERAÇÃO NO TRABALHO DE EQUIPA 34. PARTILHA DE INFORMAÇÕES, SABERES E EXPERIÊNCIAS 35. VALORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DA EXCELÊNCIA
  27. 27. PROJETO DE INTERVENÇÃO Dezembro de 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS - ODIVELAS 26 METAS METAS DEFINIDAS ATÉ AO FINAL DA VIGÊNCIA 2019/2020 PROMOÇÃODAARTICULAÇÃOESCOLA/FAMÍLIA 36. CORRESPONSABILIZAR A FAMÍLIA NO PERCURSO ESCOLAR DOS ALUNOS 37. MELHORAR A PARTICIPAÇÃO DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 38. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE PRESENÇA DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NAS REUNIÕES COM OS PROFESSORES TITULARES 39. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO QUE CONTACTAM OS PROFESSORES TITULARES 40. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE PRESENÇA DOS PAIS E ENCARREGADOS DE NAS REUNIÕES COM OS DIRETORES DE TURMA 41. APROXIMAR A PERCENTAGEM DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO QUE CONTACTAM OS DIRETORES DE TURMA 42. CONTINUAR A ARTICULAR, COM O PROJETO SEI!ODOVELAS,NOMEADAMENTE ATRAVÉS DA REALIZAÇÃO DE SEMINÁRIOS E/OU AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 43. ARTICULAR COM O PROJETO EPIS, ATRAVÉS DA MEDIADORA PROFESSORA GRAÇA RIJO PROMOÇÃODA AVALIAÇÃODOCENTEE NÃODECENTEDO AGRUPAMENTO 44. POTENCIAR UMA POLITICA DE NEGOCIAÇÃO E CONCERTAÇÃO EDUCATIVA COM TODOS OS ATORES SOCIAIS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO. VISANDO UMA ADEQUADA INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA PROMOÇÃODA AVALIAÇÃODOCENTEE NÃODOCENTEDO AGRUPAMENTO 45. PROMOVER UMA JUSTA E OBJETIVA AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE PROMOÇÃODA AVALIAÇÃO INTERNADO AGRUPAMENTO 46. MELHORIA DO SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO INTERNA – OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

×