Tessituras literatura infantil

3,098 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,098
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
355
Actions
Shares
0
Downloads
80
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tessituras literatura infantil

  1. 1. Literatura Infantil: a experiência sensível da linguagem Ana Paula Cecato de OliveiraAssessoria a projetos e programas de leitura da Câmara Rio-Grandense do Livro, Professora de Português e Literatura e Mestranda em Letras no UNIRITTER
  2. 2. • Como nós, mediadores da leitura literária, entendemos a Literatura?• A Literatura pode ser considerada um método de conhecimento?• Quando falamos em “mediação de leitura” que ações estão implicadas neste processo?• Servirá à Literatura apenas a fruição, o prazer, o deleite?
  3. 3. Walter Beach Jumphrey
  4. 4. CRIANÇA LENDO. Da biblioteca da escola recebe-se um livro.Nas classes inferiores é feita uma distribuição. Só uma vez eoutra ousa-se um desejo. Muitas vezes veem-se livroscobiçosamente desejados chegar a outras mãos. Por fim,recebia-se o seu. Por uma semana estava-se inteiramenteentregue ao empuxo do texto, que envolvia branda esecretamente, densa e incessantemente como flocos deneve. Dentro dele se entrava com confiança sem limites.Quietude do livro que seduzia mais e mais! Cujo conteúdoNem era tão importante. Pois a leitura caía ainda no tempoem que se inventavam histórias para si próprio na cama.
  5. 5. Seus caminhos semi-encobertos de neve a rastreia. Ao ler, elamantém as orelhas tapadas; seu livro fica sobre a mesa altademais e uma das mãos fica sempre pousada sobre a folha.Para ela as aventuras do herói são legíveis ainda noredemoinho das letras como figura e mensagem no empuxodos flocos. Sua respiração está no ar dos acontecimentos etodas as figuras lhe sopram. Ela está misturada entre aspersonagens muito mais de perto do que o adulto. Éindizivelmente concernida pelo acontecer e pelas palavrastrocadas e, quando se levanta, está totalmente coberta pelaneve do lido. (BENJAMIN, 1987, p.37)
  6. 6. Walter Benjamin
  7. 7. Pensador alemão (15/7/1892-26/9/1940). Considerado umdos mais importantes críticos literários da Alemanha doinício do século. Nasce em Berlim e estuda filosofia emFreiburg, Berlim, Munique e Berna. Fixa-se em Berlim em1920 e trabalha como crítico e tradutor. É um dos expoentesda escola de Frankfurt, ao lado de Theodor Adorno e MaxHorkheimer. Interrompe a carreira acadêmica quando, em1928, a Universidade de Frankfurt rejeita sua tese dedoutorado sobre A Origem do Drama Trágico Alemão,considerada pouco convencional.Filho de judeus, deixa a Alemanha em 1933, em virtude daascensão do nazismo, e muda-se para Paris. Continua aescrever ensaios e artigos para jornais de literatura até ainvasão da França pelos nazistas, quando foge para o sul daEuropa com a intenção de escapar para os Estados Unidospela Espanha.Preso pela polícia da cidade de Port-Bou, na fronteirafranco-espanhola, e informado de que seria entregue àGestapo, suicida-se. Sua obra rende-lhe reconhecimentopóstumo. Os ensaios contendo suas reflexões filosóficassobre literatura são densos e entremeados de observaçõespoéticas.
  8. 8. Quando e como surgiu adenominação “Literatura Infantil”...
  9. 9. • “O livro infantil alemão – assim como o autor nos introduz em sua história – nasceu com o Iluminismo. Com sua forma de educação, os filantropos colocavam à prova o imenso programa de formação humanista. Se o homem era piedoso, bondoso e sociável por natureza, então deveria ser possível fazer da criança, ser natural por excelência, o homem mais piedoso, mais bondoso e sociável.” (BENJAMIN, 2002, p. 54-55)
  10. 10. • O surgimento das primeiras obras é concomitante ao estabelecimento da família nuclear burguesa, bem como à consolidação da instituição escolar, por volta do séc. XVIII.• Não havia grandes preocupações estéticas, atrelavam-se ao sentido didático-moralizante destinado ao público escolar.Muitas questões, ainda, são tabus no espaçoescolar, quando tratados em uma obra literária.
  11. 11. Quais seriam, então, as origens “mais puras” da Literatura Infantil?• A LI iniciou muito antes do que sua formalização conceitual, através da aproximação do mundo infantil com o mundo mítico. Nelly Novaes Coelho afirma que a aproximação se estabelece pela identificação entre o popular e o infantil, pois ambos são definidos por uma “consciência primária na apreensão do eu interior ou da realidade exterior”, mediados pelas “emoções, sentidos e sensibilidade” (COELHO, 2000, p. 36).• Dessa maneira, orientam-se pelo pensamento mágico, onde prevalecem textos como mitos e lendas. Vale lembrar, também, de um elo que se complementa à relação estabelecida previamente: a oralidade. A maioria das crianças começa sua história de leitor como ouvinte de histórias, cantigas de ninar e demais gêneros que provém da Literatura Oral.
  12. 12. • Sendo assim, a última definição parece-nos mais oportuna, uma vez que parte de uma concepção de literatura como forma de expressão artística, que não precisa comprometer-se com ensinamentos e vincular- se ao espaço escolar.• Há autores que lançam dúvida à denominação “Literatura Infantil”, atribuindo “Literatura para a infância”, defendendo que, dessa maneira, a produção não se restringe a uma fase da vida ou classificação etária, e abre caminhos para unir, pelo poder da palavra, adultos e crianças num mesmo universo estético.
  13. 13. • “Há um provérbio em Moçambique que diz: a vida de cada um é um rio. Assim pensado, o tempo que nos cabe para viver é alimentado por uma fonte eterna: a infância. E assim dita, a infância não é um tempo passado, mas a capacidade infinita de nos renovarmos entre nascente e estuário. (...) a ideia de que aquilo que chamamos de Literatura Infantil é, muitas vezes, um estereótipo fundado numa falsa menoridade da criança e na verdadeira arrogância do adulto. Esse conto (A diaba e sua filha) fala desse rio que apenas existe se nos olharmos como eternos inventores da nossa própria infância. Na margem desse rio, nenhuma história tem idade porque toda a narrativa está fora do tempo.” (Mia Couto, na orelha do livro A diaba e sua filha, de Marie Ndiaye)
  14. 14. • A criança exige do adulto uma representação clara e compreensível, mas não “infantil” (no sentido de infantilizada). Muito menos aquilo que o adulto costuma considerar como tal. E já que a criança possui senso aguçado mesmo para uma seriedade distante e grave, contanto que esta venha sincera e diretamente do coração, muita coisa se poderia dizer a respeito daqueles textos antigos e fora de moda.” (BENJAMIN, 2002, p.55)
  15. 15. Literatura Infantil enquantoexperiência sensível da linguagem• A linguagem media a relação do homem com o seu mundo, somente na linguagem o homem confere sentido à realidade das coisas.• De que forma a criança se relaciona com a linguagem?• No universo infantil, a relação de significação com a linguagem acontece por e com imagens, que remetem a um mundo sensível, desprovido de objetividade;• Percepção imagética e lúdica do mundo.
  16. 16. Ao elaborar histórias, crianças são cenógrafos que não se deixam censurar pelo “sentido”. (BENJAMIN, 2002, p.70) Fantasiada com todas as cores que capta lendo e contemplando, a criança se vê em meio a uma mascarada e participa dela. Lendo – pois se encontraram as palavras apropriadas a esse bailede máscaras, palavras que revolteiam confusamente no meio da brincadeira como sonoros flocos de neve. (BENJAMIN, 2002, p.70)
  17. 17. O que é um bom livro infantil?• Antes de tudo, deve considerar o repertório, o interesse e o propósito do leitor;• Como mediadores, o texto deve aproximar o leitor do prazer estético e propor “uma educação do olhar”;• Deve permitir ao leitor a construção de sentidos a partir da leitura;• O essencial é que as produções cativem com o recurso à fantasia, por seu caráter mágico, pela valorização das sensações e emoções que os transporta para o mundo da imaginação, edificado pelas imagens e símbolos do texto literário. (MARTHA, 2011, p.50)• O livro inserir-se num campo de produção cultural para a criança.
  18. 18. O livro infantil como objeto cultural*• Elementos externos ao texto verbal (capa, contracapa, orelhas, paratextos, informações contextualizantes dos autores, fonte, papel, ilustrações, projeto gráfico);• Elementos internos (estruturais como foco narrativo, verossimilhança, linguagem, caráter de experimentação, intertextualidade, relação com outras lggs, rompimento de clichês e modelos, ambiguidade e pluralidade de significação da lggm literária, adequação do discurso das personagens a variáveis como tempo e espaço no mundo narrado).• Jogo de sentidos – diálogo entre palavras e imagens – Literatura Infantil é um gênero híbrido. *De acordo com MARTHA, 2011, p.49-53)
  19. 19. Como trabalhar com a LI em sala deaula, sala de leitura, biblioteca...?• O mediador deve ser um atento observador da realidade em que está inserido (conhecer o repertório cultural da comunidade, se participam de eventos de letramento, observar de que forma se expressam, quais temas lhes interessam) e um bom conhecedor de obras clássicas e contemporâneas de LI (o caminho pode ser o acervo disponibilizado pelo PNBE às bibliotecas escolas é uma ótima referência, a participação em eventos como seminários na Feira do Livro, acesso a sites sobre o gênero, onde podem ser encontradas resenhas dos livros...)
  20. 20. • É preciso que a leitura e a escrita sejam entendidas como práticas que são significadas a partir das produções dos sujeitos envolvidos;• Trabalhos interdisciplinares, contemplando os níveis de expressão oral, visual e escrito;• Contextualização da obra lida;• Utilizar o espaço da biblioteca e outros do ambiente escolar para leituras.
  21. 21. A convenção da maioria das escolas tem sido a detratar a arte da narrativa – as canções, o drama,a ficção, o teatro, seja lá o que for – mais comouma “decoração” do que como uma necessidade,como algo que tenha que enfeitar o lazer, ou, às vezes,até como moralmente exemplar. Apesar disso,formulamos os relatos de nossas origens culturais e dascrenças que nos são mais caras sob a forma de histórias, enão apenas o “conteúdo” dessas histórias nos atrai, masseu artifício narrativo. (BRUNER, 2001, p. 171 apudCORSO, 2011 p.21).
  22. 22. Alguns sites sobre LI:• Dobras da Leitura: http://www.dobrasdaleitura.com/index.html• Memórias da LIJ:• http://www.museudapessoa.net/mdl/memoriasDaLiteratura• Mundo da Leitura:• http://mundodaleitura.upf.br/novo/index.php• O livro infantil:• http://olivroinfantil.blogspot.com.br/• Revista Tigre Albino (poesia infantil)• http://www.tigrealbino.com.br/• http://programasdeleitura.blogspot.com
  23. 23. Bibliografia• BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense, 1985.• _____________. Obras Escolhidas II. Rua de Mão Única. São Paulo, Brasiliense, 1987.• _____________. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades & Ed. 34, 2002.• COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.• CORSO, Diana & Mario. A psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto alegre: Penso, 2011.• GAIMAN, Neil. Os lobos dentro das paredes. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.• MARINHO, Jorge Miguel. A convite das palavras: motivações para ler, escrever e criar. São Paulo: Biruta, 2009.• OLIVEIRA, Ieda de. O que é qualidade em Literatura Infantil e Juvenil – com a palavra o educador. São Paulo: DCL, 2011.• PRIETO, Heloisa. Quer ouvir uma história? Lendas e mitos no mundo da criança. Campinas: Angra, 1999.

×