Moinhos s.salvador

443 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
443
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
133
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Moinhos s.salvador

  1. 1. “11º Não há mais do que o Rio Ave e este em pequenadistância. Sua profundidade e comprimento na freguesia éinsignificante e por isso não merece ser descrita; toca algunsmoinhos e azenhas, mas poucos neste sítio; fontes não maisque as de água doce para beber, águas minerais não há emesmo lagos ou pântanos que tal nome se lhe possa dar;cheias só quando os Invernos são chuvosos, principalmente deter caído grande abundância; de neve alguma há, mas seusestragos nestes sítios são insignificantes.”Excerto de Salvador de Souto Guimarães — Inquérito paroquialde 1842 Revista de Guimarães, n.º 108, 1998, pp. 577-584Retirado de http://jfsouto.com.sapo.pt/Resumo%20Historico.html
  2. 2. Interior do moinho
  3. 3. As mós
  4. 4. Outra perspetiva das mós
  5. 5. A força da água
  6. 6. 2º moinho de Souto S. Salvador
  7. 7. Roda de madeira que é movida pelacorrente da água, que depois move amó.Eu sou oMarcelo, repórter do6ºB
  8. 8. Eu sou A Ana Luísa,repórter do 6ºB
  9. 9. Com a roda de madeira a andar, move a mó, quedepois esmaga o milho, até fazer a farinha
  10. 10. Este moinho ainda está a serusado, conforme se pode verificar
  11. 11. A farinha já moída
  12. 12. As duas mós
  13. 13. Telhado do moinho
  14. 14. A balança onde vai ser pesada afarinha, para depois ser vendida
  15. 15. Moinho de Souto S. Salvador em ruínas
  16. 16. Em baixo desta plataforma passa a água
  17. 17. Pedras do moinho no chão
  18. 18. É preciso preservar o nosso património!Ana Luísa Antunes Antunes, nº 4 e Marcelo Oliveira, nº 156º B – Maio 2013

×